Corpo de “Pajilleras” do Hospício de San Juan de Dios, de Málaga      Uma história verdadeira e        realmente incrível...
Era Dezembro de 1840, Espanha. Último ano da primeira guerra carlista. Soldadosmortos e feridos por todo lado. Triunfo do ...
Las pajilleras da caridade (como se as começou denominar em toda a península) eram   mulheres que, sem importar seu aspeto...
A autora de tão peculiar ideia, havia sido a Irmã Ethel Sifuentes, uma religiosa dequarenta e cinco anos que cumpria funçõ...
Desde então, tanto soldados como oficiais, tinham sua "pajilla" diária. Os resultados    foram imediatos. O clima emociona...
Ao núcleo de fundação das irmãzinhas “pajilleras”, se somaram voluntárias seculares,atraídas pelo desejo de prestar tão ab...
O êxito total, se traduziu pela proliferação de diversos corpos de pajilleras por todo o  território nacional, agrupadas s...
Na América Latina, em geral alheia às modas metropolitanas, as pajilleras tiveram  também seus momentos de glória. Durante...
Do México o costume passou às Antilhas, onde tiveram particular êxito as“sobagüevo” (bate-ovo?) dominicanas, todas elas ma...
O último lugar na América onde tiveram sucesso estas abnegadas damas, foi o Brasil.Ali a coluna Prestes foi acompanhada em...
Diversas fontes de tradições orais do Paraná comentam que na localidade conhecida no século XIX como Pago de los Arroyos h...
O costume desapareceu com a segunda guerra e até agora desconhece-se la existência de outras congregações. AQUI NÃO HÁ NEM...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pajilleras

382 visualizações

Publicada em

Curiosidades da história religiosa

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
382
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pajilleras

  1. 1. Corpo de “Pajilleras” do Hospício de San Juan de Dios, de Málaga Uma história verdadeira e realmente incrível...
  2. 2. Era Dezembro de 1840, Espanha. Último ano da primeira guerra carlista. Soldadosmortos e feridos por todo lado. Triunfo do bando "liberal" dos seguidores de Isabel II. Sua Ilustríssima Excelência o bispo de Andaluzia, mediante singular "dispensa" se autorizava a criação do Corpo de Pajilleras del Hospicio de San Juan de Dios, de Málaga.
  3. 3. Las pajilleras da caridade (como se as começou denominar em toda a península) eram mulheres que, sem importar seu aspeto físico ou idade, prestavam consolo com manobras de masturbação aos numerosos soldados feridos nas batalhas da recente guerra carlista espanhola.
  4. 4. A autora de tão peculiar ideia, havia sido a Irmã Ethel Sifuentes, uma religiosa dequarenta e cinco anos que cumpria funções de enfermeira no já mencionado Hospicio. Soror Ethel havia notado o mau humor, a ansiedade e a atmosfera saturada de testosterona, no pavilhão de feridos do hospital. Decidiu então por mãos à obra e começou, junto a algumas irmãs, a "pajillear" os robustos e viris soldados, sem fazer distinções de patentes.
  5. 5. Desde então, tanto soldados como oficiais, tinham sua "pajilla" diária. Os resultados foram imediatos. O clima emocional mudou radicalmente no pavilhão e ostemperamentais homens de armas voltaram a relacionar calmamente entre sí, ainda que em muitos casos, houvessem participado em bandos opostos…
  6. 6. Ao núcleo de fundação das irmãzinhas “pajilleras”, se somaram voluntárias seculares,atraídas pelo desejo de prestar tão abnegado serviço. A estas voluntárias, se impôs (a fim de resguardar o pudor e os bons costumes) o uso estrito de um uniforme: um capote solto que ocultava as formas femininas e um véu de linho que disfarçava o rosto.
  7. 7. O êxito total, se traduziu pela proliferação de diversos corpos de pajilleras por todo o território nacional, agrupadas sob distintas associações e modalidades. Surgiram,assim, o Corpo de Pajilleras da Rainha, As Pajilleras do Socorro de Huelva, As Escravas da Pajilla do Coração de Maria e, já dentro do século XX, as Pajilleras da Passionária, que tanto auxílio haviam de brindar às tropas da República. (Ilustração tirada do manual da Ordem de Huelva)
  8. 8. Na América Latina, em geral alheia às modas metropolitanas, as pajilleras tiveram também seus momentos de glória. Durante a guerra civil mexicana, grandíssimosauxílios brindaram às tropas de todos os bandos, as Irmãs da Consolação, organização laica (ainda que ligada à Igreja) que ofereceram a fadiga de suas munhecas para acalmar os viris ímpetos. Estas irmãzinhas receberam logo diferentes e vulgares nomes, fruto da inesgotável sagacidade popular, tais como as mãezinhas ou as ordenhadoras.
  9. 9. Do México o costume passou às Antilhas, onde tiveram particular êxito as“sobagüevo” (bate-ovo?) dominicanas, todas elas matronas sexagenárias que haviam escolhido ocupar suas tardes nesta peculiar forma de serviço social.
  10. 10. O último lugar na América onde tiveram sucesso estas abnegadas damas, foi o Brasil.Ali a coluna Prestes foi acompanhada em sua marcha por uma trupe reduzida porém eficiente de mulheres paulistas – chamadas baixapau – ainda que somente sevalessem de ágeis movimentos de suas mãos, conjuravam a melancolia dos soldados.
  11. 11. Diversas fontes de tradições orais do Paraná comentam que na localidade conhecida no século XIX como Pago de los Arroyos houve um pequeno agrupamento dedicadodurante algumas décadas a essa atividade. Eram conhecidas como as “Filhas de Nossa Senhora do Assunto Encarnado", em referência e duvidosa homenagem póstuma asua anciã fundadora, falecida com as mãos na massa, junto a um soldado, em seu dia de descanso.
  12. 12. O costume desapareceu com a segunda guerra e até agora desconhece-se la existência de outras congregações. AQUI NÃO HÁ NEM MENTIRAS NEM EXAGERO NEM AGREGADOS, NEM EMENDAS. TODO O DITO É HISTÓRIA ESCRITA.• Isto que você leu é rigorosamente certo... Crê- se que é escandaloso, portanto vá às fontes da informação que estão no Arquivo das Índias em Sevilha e leia esta curiosa e incrível história...

×