Bourdieu 2

5.978 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.978
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
79
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
153
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bourdieu 2

  1. 1. Curso sobre Pierre Bourdieu Estudo de Temas Contemporâneos Roteiro da aula 2 de 4 - 25 de março de 2010 Prof. Dr. Fábio Fonseca de Castro Faculdade de Comunicação - UFPA
  2. 2. <ul><li>Na aula anterior vimos que a “prática” – conceito central da obra de Bourdieu, corresponde à relação entre o “campo” e o “habitus”. Também vimos que o elemento mais comum para a estruturação dessa relação é o “capital”. Estudamos também os conceitos de “campo” e de “habitus”. </li></ul><ul><li>Este slideshare é apenas o roteiro da aula. Não inclui tudo o que vimos no curso e, portanto, serve apenas como orientação geral para o seminário realizado. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Nesta segunda aula do curso nos dedicaremos a estudar o conceito de “capital” em Bourdieu. </li></ul><ul><li>Para fazê-lo, precisamos começar compreendendo três elementos teóricos de fundo, as noções de “percepção ontológica”, de “conflito social” e de “ideologia”. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>O 1º elemento: </li></ul><ul><li>Percepção ontológica é uma noção proveniente da fenomenologia, que sugere que é necessário superar a perspectiva metafísica, que separa os elementos da realidade em substância ou essência. Não haveria diferença concreta entre eles, somente relação e multidimensionalidade. </li></ul>
  5. 6. <ul><li>Bourdieu procura construir uma perspectiva ontológica, por meio da qual compreende o espaço social como uma realidade dinâmica e multidimensional. </li></ul><ul><ul><li>Dinâmica porque está em permanente mutação. </li></ul></ul><ul><ul><li>Multidimencional , porque se dá em múltiplos planos </li></ul></ul>
  6. 7. <ul><li>Quando comparamos as visões de Marx e de Bourdieu a respeito do processo de dominação, veremos que, sem possuir essa perspectiva ontológica, Marx via a dominação como uma realidade absoluta, enquanto Bourdieu a interpreta como uma dinâmica “relacional”. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>O 2º elemento: </li></ul><ul><li>Conflito social, por sua vez, é uma noção que advém diretamente do pensamento marxista e que refere a relação de disputa entre classes. Porém, há, também, uma diferença entre o pensamento marxista e Bourdieu. Para Marx, o que determina o pertencimento a uma classe é a condição ser proprietário ou não dos meios de produção. Em Bourdieu não, porque, para ele, o capital é mais complexo, possuindo uma dimensão que não é somente material, mas também simbólica. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Para Bourdieu, como predomina, nas relações sociais, a prática – portanto uma dinâmica pré-reflexiva – o que há, antes, é uma situação geral de “inconsciência de classe”... Isso significa que é impossível, para alguém, ter consciência, simplesmente, de que pertence a uma “classe social”... </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Para Bourdieu o material é simbólico e o simbólico é material. </li></ul><ul><li>Na prática , não há diferença entre eles. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>O 3º elemento: </li></ul><ul><li>O terceiro elemento é a ideologia , outra noção proveniente do pensamento marxista. Bourdieu evita usar esse termo, repleto de significados divergentes. Considera que o termo não leva em conta o processo de naturalização que domina as relações práticas. </li></ul><ul><li>No lugar de ideologia, Bourdieu usa a palavra illusio . </li></ul>
  11. 13. <ul><li>Com esses três elementos teóricos em mente, podemos, mais facilmente, compreender como Bourdieu explica o capital . </li></ul>
  12. 14. <ul><li>Ontologicamente falando, há muitos planos de capital superpostos. Não há como dizer que um deles – o econômico, por exemplo – predomina sobre os demais. </li></ul><ul><li>Há, juntamente com ele, o capital social, o capital cultural, o capital simbólico e quantas outras formas de capital decorrerem de uma determinada prática e constituírem valor, ontologicamente, para uma determinada sociedade. </li></ul>
  13. 15. <ul><ul><li>Cada forma de capital possui fatores diferenciados. Assim, por exemplo, no capital social esses fatores são conferidos sob forma de prestígio, favorecimento ou cooperação. Isso em geral, porque sempre vai depender da vida prática da sociedade observada. </li></ul></ul><ul><ul><li>As pessoas, na sua estratégia social, organizam a sua carteira de capitais,m agregando apostas e conquistas em planos superpostos. </li></ul></ul>
  14. 16. Este slideshare de  Fábio Fonseca de Castro  é licenciado sob uma  Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Brasil . Pode ser usada livremente, conquanto refira a fonte, para fins não-comerciais. Ilustração copiada do site Conversa na Varanda . Ilustração copiada do site Out of the Crooked Timber .

×