Jesus e o Templo

2.406 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.406
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
68
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jesus e o Templo

  1. 1. EVANGELHO À LUZ DO ESPIRITISMO
  2. 2. Adorando a Deus, "em espírito e emverdade", Jesus amava a Deus e aopróximo, cumprindo, em tudo esempre, a vontade de Deus, onde,quando, como e com quem estivesse.
  3. 3. Para essa adoração, não Não quer dizer que não dependia do majestoso respeitasse a atividade do edifício do Templo nem de Templo, que a considerasse seus cerimoniais, rituais, inútil, nem que aprescrições ou autoridade de combatesse. seus sacerdotes.
  4. 4. Durante sua vida terrena, Na infância, levado por seusJesus muitas vezes esteve pais; na idade adulta,no Templo de Jerusalém. comparecendo pessoal e voluntariamente.
  5. 5. Natural o fizesse, pois tinha de dar orientação espiritual aopovo e, para os israelitas, o Templo era o necessário eimportante ponto de encontro para o trato das coisasespirituais.
  6. 6. Seus pais o levaram (vs. 22/24): sendo Jesusum filho primogênito, mandava a lei dosisraelitas que fosse apresentado ao Senhor, noTemplo, e sua mãe levasse uma oferenda.Os pais de Jesus cumpriram essa lei, levando-o (com apenas um mês de nascido); comoeram pobres, ofereceram somente 2pombinhos.
  7. 7. Simeão o identifica (vs. Fora avisado 25/35): homem justo e (mediunicamente) que não piedoso, Simeão morava morreria antes de ver oem Jerusalém e "o Espírito Cristo. Santo estava nele" (era médium dos bons
  8. 8. No dia em que os pais de Jesus olevaram ao Templo, inspiradoespiritualmente Simeão também foilá e, ao ver Jesus, o tomou nosbraços e louvou a Deus, dizendo:-"Agora, Senhor, despede em paz oteu servo, segundo a tua palavra,porque os meus olhos já viram a tuasalvação (...)".
  9. 9. -"Eis que este menino está destinado tanto para ruína como paraAnte a admiração de levantamento deMaria e José por esse muitos em Israel, e louvor e profecia para ser alvo desobre Jesus, Simeão contradição, para que esclareceu: se manifestem os pensamentos de muitos corações".
  10. 10. Anunciou, também, que Maria teria sua almatranspassada por uma espada (= sofreria uma grandedor). Ana, a profetisa (Vs. 26/38): também médium, era uma mulher de idade avançada (84 anos). Apenas 7 anos estivera casada, enviuvando bem moça.Desde então, não se apartava do Templo, servindo aDeus noite e dia, em jejuns e oração. — Chegou aoTemplo na mesma hora da apresentação de Jesus e"louvava a Deus e falava de Jesus a todos aqueles queesperavam a redenção de Jerusalém".
  11. 11. Como vimos na aula "Nascimento e Infância de Jesus", quando tinha 12anos Jesus acompanhou os pais a Jerusalém, para as festividades religiosas da No pináculo do Templo, paraPáscoa e lá dialogou com os ser tentado. (Mt. 4 vs. 1/11, doutores da lei, a todos Mc. 1 vs. 12/13 e Lc. 4 vs.admirando com a sabedoria 1/13) de suas respostas, argumentando depois com Maria que devia tratar dos "assuntos do seu Pai".
  12. 12. A tentação de Jesus provavelmente não foi um fato real.A tentação teria começado no "deserto" (=isolamento, soledade); de fato é sozinho e noíntimo que cada um experimenta os apelos dainferioridade, a que deve resistir, como Jesus fez.Parece mais um simbolismo de como a criatura éexperimentada, antes de poder realizar suamissão espiritual.
  13. 13. Abrangeu 3 pontos fundamentais, em que toda criaturaprecisa ser experimentada, testada:1- Quando Jesus, no deserto, teve fome, o tentador seaproximou:-"Se és o Filho de Deus, ordena que estas pedras se tornempães".É a tentação do materialismo, o apelo para colocarmos oespírito a serviço da matéria, quando a matéria é que serveao espírito; é a sugestão inferior para cuidar mais do corpo eda satisfação dos sentidos que da vida espiritual, atédesviando para isso faculdades espirituais.
  14. 14. -"Não só de pão vive o De fato, o espírito se homem, mas de toda a alimenta de muitospalavra que vem da boca recursos invisíveis com que de Deus", respondeu Deus lhe sustenta a vidaJesus, citando Deut. 8 v.3. (ex.: verdade, amor,
  15. 15. 2- O demônio, então, o transportou à cidade santa(Jerusalém) e o colocou sobre o ponto mais alto doTemplo (pináculo), dizendo-lhe:"Se és o Filho de Deus, lança-te abaixo, pois está escrito:Ele deu a seus anjos ordens a teu respeito; proteger-te-ãocom as mãos, com cuidado, para não machucares o teupé nalguma pedra" (Salmo 90 vs. 11/12).
  16. 16. É a tentação do orgulho, oapelo a julgar-se muito Jesus respondeu, citando oimportante, merecendo Deut. 6:16: — "Não tentarástratamento especial, o Senhor teu Deus".privilegiado. Significa que devemos respeitar as leis divinas, que visam ao bem geral, sem a pretensão de recebermos condições especiais em nosso favor, nem mesmo por servirmos na área religiosa, espiritual.
  17. 17. 3- Então, o "demônio otransportou uma É a tentação da vez mais a um -"Dar-te-ei tudo ambição, o apelo monte muito isto se, ao desejo de alto, e lhe prostrando-te poder e de posse mostrou todos diante de mim, (mando pessoal os reinos do me adorares". e domínio sobre mundo e a sua seres e coisas). glória, dizendo- lhe:
  18. 18. Como não era sacerdote, Jesus, quandoia ao Templo, não podia entrar no Santodos Santos e nem sequer no pátio maisinterno. Mas no pátio dos israelitas elepodia entrar, pois também era um deles.
  19. 19. Ali é que fazia suaGeralmente, porém, pregação, conversandoJesus ficava no pátio tanto com o povodos gentios (o mais (gentios ou não) comoexterno deles e onde com os sacerdotes,qualquer pessoa podia escribas, fariseus,entrar). saduceus, doutores da lei.
  20. 20. Uma das passagens emFormulava perguntas que a presença de Jesusou a elas respondia, no Templo mais repercutiu discursava ou e ensejou, em seguida, contava parábolas. muitos ensinamentos, foi a da expulsão dos vendilhões.
  21. 21. (MI. 21 V. 12/13, MC. 11 V. 15/18, LC. 19 V. 45/46 E JO. 2 VS. 14/17.) No pátio dos gentios havia comércio (de animais e objetos de culto), câmbio de moedas (para visitantes e forasteiros) e coleta de esmolas ou donativos. Tudo isso causava muito movimento, ruído, vozerio, agitação, num jogo de interesses, disputas e ambição que:
  22. 22. -desviava a finalidade do Templo;-perturbava o seu ambiente espiritual.Certo dia, quando entrou no Templo, Jesus fezazorrague dos cordéis e começou a expulsar a todosque compravam e vendiam, bem como as ovelhas ebois; derramou pelo chão o dinheiro dos cambistas,virou as mesas deles e as cadeiras dos que vendiampombos; e não deixava que ninguém conduzissequalquer utensílio pelo Templo.
  23. 23. Com isso, -não -nem afastava Jesus: condenava os sacerdotes nem impedia ou os fiéis o serviço dos cultos. espiritual do Templo;
  24. 24. -corrigir o desvio -defender a purezaO que procurava da finalidade da atividade era: superior do espiritual dentro Templo; dele. Verificamos que não, porque não feriu nenhum Estaria ser vivente (nem mesmo os pombos, cujastranstornado pela gaiolas mandou retirar para que eles não se cólera, quando ferissem); apenas afugentou animais e agiu assim? pessoas, derramou dinheiro e virou mesas e cadeiras.
  25. 25. Vós, porém, a -"Não está tendes escrito: A feito covil A fim de minha casa atrair a dePor que será salteadore atenção de chamadaagiu desta todos para s".forma casa de o que oração?espetacula queriar? ensinar:
  26. 26. Graças à preparaçãopsicológica que Jesus fizera -nenhum dos 4nos assistentes, pelo evangelistas deixouimpacto emocional que de registrar ocausou, o ensino ficou acontecimento.gravado em seus espíritos,de modo indelével: -os discípulos -o povo todo lembraram do salmo comentou o fato, "O zelo de tua casa passando o ensino me consumiu" adiante; (Salmos, 69 v.9);
  27. 27. O acontecimento provocou muitas perguntase comentários que Jesus aproveitou, paraministrar outros ensinamentos.Vamos citar apenas dois deles, que têmrelação mais direta com o Templo.
  28. 28. Com que Indagação dos principais dosautoridade fazes sacerdotes e anciãos do estas coisas? povo a Jesus, no Templo, noQuem te deu essa dia seguinte ao da expulsão autoridade? dos vendilhões. -Eu também vos farei uma pergunta; se me responderdes, também eu vos direi com que autoridade faço estas coisas.
  29. 29. E se dissermos: Se Donde Dos dissermos: era o homens, é Do céu, elebatismo de temer o Confabulara nos dirá:de João: povo, m entre si: Então, por do céu porque que não ou dos todos acreditasteshomens? consideram nele? João como profeta.
  30. 30. Como não lhes convinharesponder nem -Não sabemos. de um jeito nem de outro, disseram:
  31. 31. Ensino: ao enfrentar -Nem eu vos digo adversários, não secom que autoridade indignar nem acusar, faço estas coisas. usar a inteligência.
  32. 32. Em três dias o reerguerei Perguntaram-lhe os judeus: (Jo. 2 vs. 18/22.)Destruí este templo, e eu Que sinal nos o reerguerei em três apresentas tu, para dias. proceder deste modo? " Em 46 anos foi edificado este templo, e tu hás de levantá- lo em 3 dias?"
  33. 33. Jesus, por sua grande evolução, Feio ou bonito, em apenas 3 dias "Mas ele falava saudável ou estava em plenasdo templo do seu enfermo, íntegro condições decorpo. Depois que ou deficiente, equilíbrio e ação no ressurgiu dos nosso corpo foi mundo espiritual, mortos, os seus planejado para após a discípulos ser também um desencarnação, lembraram-se templo divino, assimdestas palavras, e onde devemos reaparecendo aos creram na fazer o culto do seus discípulos, Escritura e na eterno bem. fazendo, tanto do palavra de Como e para quê seu corpo fluídico Jesus". o estamos como o fizera com usando? o físico, um templo
  34. 34. A saída do -Olha que -Não ficarátemplo, os pedras e que pedra sobrediscípulos monumentos! pedra que nãodisseram a seja derrubada, Jesus: responde Jesus.
  35. 35. E, em seguida, o Mestre Assim Jesus ensinava maisprofere o sermão profético. uma vez aos discípulos que o espírito é que é de importância fundamental, sendo a matéria uma construção temporária.
  36. 36. Referências de Jesus Vai mostrar-te ao ao Templo em seus sacerdote ensinos e feitos-Nada digas a ninguém mas vai, mostra-te ao Ao leproso que curou, nasacerdote (por certo no descida do monte, após o Templo) e apresenta a sermão das bem- oferta que Moisés aventuranças, Jesus determinou, para lhes recomendou: servir de testemunho.
  37. 37. Dois homens no Contando a parábola doTemplo (Lc. 18 v. 10) fariseu e do publicano, que subiram ao templo para orar, Jesus ensina a necessidade de contrição, humildade e desejo do bem para a prece alcançar
  38. 38. Fariseus: "Não é lícito". Mas era E Passando os sábado, dia recriminavam discípulos de em que o a Jesus,Maior que o Jesus por trabalho era porque comoTemplo é a uma seara, proibido, e mestre era ocriatura (Mt. tiveram fome, colher responsável 12 v. 6) colheram espigas pela espigas e as considerado orientação da comeram. trabalho. conduta de seus discípulos.
  39. 39. Jesus relembra então, quando Davi e seus homens,perseguidos e famintos, entraram no Templo ecomeram os pães reservados para culto e oferendaa Deus e ninguém os condenava por isso.Lembrou também Jesus que os sacerdotes notemplo violavam o sábado (trabalhavam nasfunções religiosas) e não havia culpa nisso.
  40. 40. A essa altura da comparação, já dava para entender que osdiscípulos de Jesus estavam plenamente justificados dehaverem colhido espigas mesmo num dia de sábado, porque ohaviam feito:-para saciar a fome e sobreviver (como Davi).-e enquanto estavam em função espiritual, socorrendo eorientando o povo (como os sacerdotes no Templo).
  41. 41. -Pois aqui está quem é maior do que o templo.A criatura é mais importante que o templo, pois otemplo existe para ela e não ela para o templo. Muitas outras passagens esclarecedoras e edificantes existem nos Evangelhos sobre Jesus no Templo. Algumas ainda serão abordadas em aulas futuras.
  42. 42. Do que já Se possível, aprendemos, fica procuremos atrair claro que, como para o templo Jesus, devemos espírita as demais zelar e cuidar do criaturas, a fim de nosso templo, a que nele se casa espírita, beneficiem também, fazendo dela um como o fomos nóslugar onde se ensina no passado e o a verdade espiritual estamos sendo no e se vive o amor a presente. Deus e ao próximo.
  43. 43. Estudos Espíritas do Evangelho Coleção: Estudos e cursos - Therezinha Oliveira Grupo Espírita Allan Kardec www.luzdoespiritismo.com
  44. 44. Grupo Espírita Allan Kardec www.luzdoespiritismo.com

×