A pregação de Jesus - n.18

25.690 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
25.690
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23.757
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A pregação de Jesus - n.18

  1. 1. EVANGELHO ÀLUZ DOESPIRITISMO
  2. 2. Ele afirmava, com frequência, essa sua condiçãode ser apenas um-a semente é a palavra de Deus (Jo. 8 vs. 9/15)que lanço, como semeador, a todos quantosouvem, dependendo a frutificação da ideia do tipode "solo" em que ela cair.
  3. 3. Jesus coloca a mensagem que trazcomo condição indispensável parao progresso espiritual humano:(Jo. 14 v. 6).
  4. 4. O núcleo central de toda a sua pregação era:-o amor a Deus sobre todas as coisas, adorando-o "em espírito e em verdade";- o amor ao próximo como a si mesmo, fazendoàs criaturas "tudo quanto quereis que elas vosfaçam";
  5. 5. - a realidade da vidaespiritual e sua maiorimportância que a vidamaterial;- a justiça divina;- a fé é fundamental paraqualquer realizaçãoespiritual.
  6. 6. Explicando e aplicando essas verdadesfundamentais, ensinava:- a criatura está em comunicação pessoal edireta com o plano espiritual (superior ou inferior)."Deus, que vê em segredo, te recompensará" (Mt.6:6).
  7. 7. - "Tudo que ligardes na terra terá sido ligado nocéu, e tudo o que desligardes na terra terá sidodesligado no céu" (Mt. 18:18);- é preciso vigiar a própria conduta para nãoerrar ;- e orar sempre.
  8. 8. - as qualidades que Deus nos concedeu são paraserem colocadas em ação no benefício geral ("salda Terra e luz do mundo");- mansuetude e humildade suavizam as nossasdores e lutas ("jugo suave e fardo leve");
  9. 9. - devemos perdoar sempre para também sermosperdoados por Deus, buscando sempre areconciliação com os adversários;- quanto mais generosos formos para com osoutros, mais receberemos da bondade divina (dar"medida boa, recalcada, sacudida,transbordante");- compensações e recompensas aguardam noAlém quem cumpre as leis divinas.
  10. 10. Embora soubesse escrever (vide Jo. 8 vs. 6)Jesus nada deixou escrito.
  11. 11. Mas, na interpretação das passagens, é precisolembrar que os Evangelhos foram escritos depoisda morte de Jesus (Lc. 1 vs. 1/4) e, às vezes,como alerta Kardec ("O Evangelho Segundo oEspiritismo", cap.XXIII, item 3):- o fundo do seu pensamento pode não ter sidobem expressado;
  12. 12. - o sentido primitivo pode ter sofrido algumaalteração, no passar de uma língua para outra;- o erro de tradução acaso cometido uma vezpode ter sido repetido pelos copiadores.
  13. 13. Jesus viajou por toda a Palestina a fim de divulgaro Evangelho (a boa nova do reino dos céus).
  14. 14. Ministrava ensinos, aproveitava apartes,formulava ou respondia perguntas, mantinhadiálogos, proferia sermões, contava parábolas.
  15. 15. Às vezes, era escutado por grandes assembleias(como a do sermão do monte), outras vezes poruns poucos (discípulos, apóstolos ou os que oconvidassem para alguma refeição, por exemplo)e até mesmo por uma só pessoa (que oprocurasse especialmente ou com quem seencontrasse).
  16. 16. Se necessário, produzia fenômenos queevidenciavam suas faculdades espirituais e suaautoridade moral.Os fenômenos sem dúvida atraíam o povo masera a palavra de Jesus, a sua pregação, queedificava espiritualmente aqueles que o ouviamcom interesse, sinceridade e boa vontade.
  17. 17. A maior pregação que Jesus fez, porém, foi a doseu exemplo, na vivência de cada momento desua vida entre nós, neste mundo terreno.
  18. 18. Jesus espera que os seus seguidores tambémdivulguem sua doutrina ("ide por todo omundo e pregai o evangelho a toda criatura",Mc. 16v. 15), como ele o fez: ensinando eproduzindo fenômenos, quando possível enecessário, mas, principalmente, pelo exemplode uma vida cristã, dia a dia, em todo o instante,
  19. 19. Denominamos assim as informações e instruçõesespirituais que Jesus ministrava aos que ouviam,espontaneamente ou a propósito de algumaocorrência. Escolhemos alguns, para exemplo:
  20. 20. “E percorria Jesus todas as cidades e povoados,ensinando nas sinagogas, pregando o evangelhodo reino e curando toda sorte de doenças eenfermidades”.Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas,porque estavam aflitas e errantes como ovelhasque não têm pastor".
  21. 21. "Então disse a seus discípulos”:“A seara na verdade é grande, mas poucos ostrabalhadores”.Rogai, pois, ao Senhor da seara, que mandetrabalhadores para a sua seara".Depois, chamou doze dos discípulos e os fezapóstolos.Aprendemos assim a orar, mas também a agir no
  22. 22. Sentado à frente da caixa de ofertas do Templo,Jesus observava como o povo ia depositando alias suas moedas.Quando pobre viúva depositou duas pequenasmoedas de ínfimo valor, Jesus chamou a atençãodos discípulos:-"Essa viúva deu mais do que todos. Porquetodos depositaram do que lhes sobrava, enquanto
  23. 23. Trouxeram-lhe então algumas crianças, para quelhes impusesse as mãos, e orasse; mas osdiscípulos os repreendiam. (Mt. 19 v. 13).
  24. 24. Jesus porém chamando-as para junto de si,ordenou:— "Deixai vir a mim os pequeninos e não osembaraceis, porque dos tais é o reino dos céus".(Lc. 18 v. 16.)"Em verdade vos digo: Quem não receber o reinode Deus como uma criança, de maneira nenhumaentrará nele”.
  25. 25. Estudos Espíritas do EvangelhoColeção: Estudos e cursos -Therezinha Oliveira – Capítulo 17.Grupo Espírita Allan Kardecwww.luzdoespiritismo.com
  26. 26. Grupo Espírita Allan Kardecwww.luzdoespiritismo.com

×