A	  herança	  de	  Jesus	  e	  a	  questão	  do	  poder	  e	  missão	  na	  Igreja	                                       ...
Nada mais óbvio e fundamental para a fé cristã do que buscar em Jesus e na sua herança (que éa Boa Nova, o Evangelho e não...
superficial do texto canônico que temos, que chamamos de Novo Testamento/Segundo Testamento, paraverificar o processo de t...
larga escala. Por isso urge repensar a missão como algo diferente da mensagem do império. Missão paranós, cristãos, deve t...
que as pessoas sofrem, chegaremos inevitavelmente a uma teologia deformada e agnóstica, como se asalvação se devesse a um ...
as mulheres não precisaram ser chamadas. Elas inseriram-se no movimento de Jesus por iniciativaprópria, expressando-se sem...
4. Radicalidade	   do	   seguimento:	   a	   excentricidade	   como	   “centro”	   da	             missão	          A sing...
5. Estar	   com	   Ele	   e	   assumir	   sua	   causa	   e	   seu	   destino	   –	   O	   Reino	   como	                 ...
Nos evangelhos há uma insistência em repetir para a comunidade o fato da consequência dasopções de Jesus ser a cruz. Algun...
dispostos/as a ir além das palavras, ou seja, de dialogar. E o primeiro diálogo no encontro com o sagradoé o dialogo com a...
símbolo e o rito, o espaço e a palavra falada, tornam-se não mais instrumento simplesmente de acesso aosagrado, mas tornam...
sobreviver ao tempo e finalmente precisa também da “grande forma”                                                         ...
masculino) estão em conflitos com os presbíteros e estes com os epíscopos. De vocações particulares eindependentes chegamo...
crucificaram. Nós esperávamos que fosse ele quem iria redimir                                                Israel...” (L...
sua volta e no interior de suas nervuras, por baixo e por cima, atrás e                                                  à...
"Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância" (Jo 10:10). Esta foi a missão de Jesus,que venha o Reino de Deus e ...
9. Cooperar com gente de outras tradições religiosas,        10. Celebrar a eucaristia em comunidade.        Alguns anos m...
As pessoas são feitas a imagem de Deus18. Esta afirmação bíblica essencial tem uma enormeimportância para a dignidade de t...
sofrem. No sermão de Nazaré, no princípio de seu ministério (Lc 4:18-19), Jesus fala com as palavras doprofeta Isaías:    ...
homem é a glória de Deus” já disse Irineu de Lyon no final do século II d.C. Glorificar a Deus, fazer missãode Deus é faze...
sentido    de   ser   realmente     parábolas   do   Reino   e   espaços     de   vida   e   de   relações“saudáveis/salví...
Deus que perdoa ímpios e pecadores ou de parecer com o filho mais velho da parábola do paimisericordioso de Lucas 15, indi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A herança de jesus e a questão do poder na igreja missao ieab

455 visualizações

Publicada em

Texto apresentado no retiro do Clero da Diocese Anglicana de Brasilia, 25 e 26 de novembro de 2011.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
455
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A herança de jesus e a questão do poder na igreja missao ieab

  1. 1. A  herança  de  Jesus  e  a  questão  do  poder  e  missão  na  Igreja   Anotações  sobre  missão/diaconia   Paulo Ueti1 “... não há entre vós muitos sábios segundo a carne, Nem muitos poderosos, nem muitos de família prestigiosa. Mas o que é loucura no mundo, Deus escolheu para confundir os sábios; E, o que é fraqueza no mundo, Deus o escolheu para confundir o que é forte; E, o que no mundo é vil e desprezado, o que não é, Deus escolheu para reduzir a nada o que é...” (1Cor 1:26b,28) 1. Introdução     Como título da minha colaboração para este encontro, tomo emprestado de Paul Hoffmann,professor de Novo Testamento da Universidade de Bämberg, Alemanha, o título (com uma modificação)de um dos seus livros, em alemão “Das Erbe Jesus um die Macht in der Kirche: Rückbesinnung auf dasNeue Testament”, publicado em português pela Editora Paulus no ano de 1998 com o título “A Herança deJesus e o Poder na Igreja, reflexão a partir do Novo Testamento”. Faço este texto no contexto da minhaerrância espiritual e militante na busca do Reino e do “bom/belo2” exercício do poder que defende a vida,assumindo as consequências que essas opções carregam. Também na alegria de minha raiz na tradiçãocristã e nas contradições existenciais comigo, com o mundo, com a igreja e com minha comunidade queisso traz. É urgente continuar revisitando as Escrituras Sagradas dos cristãos (incluindo aqui o TestamentoJudaico, normalmente chamado de Antigo Testamento) para garantir alguma luz e bom senso no caminhoespiritual que queremos traçar. Penso que especial atenção deve ser dada ao Segundo Testamento (ouTestamento Cristão ou Novo Testamento), para iluminar a reflexão e práxis que continua desejando serjesuânica e cristã.                                                                                                                        1 Teólogo, biblista, da Secretaria de Intercâmbio do CEBI, professor no Instituto São Boaventura e no Curso de História doCristianismo (UnB), assessor do Movimento Sem Terra e membro da Associação Brasileira de Pesquisa Bíblia – ABIB,colaborador no projeto IVBS (International Voices in Biblica Studies da SBL – Society of Biblical Literature), da Catedral daRessurreição (IEAB)-Brasilia DF. Novembro 2011. Email: pauloueti@gmail.com ou intercambio@cebi.org.br2 Em Hebraico TOV pode significar bom e belo ao mesmo tempo.
  2. 2. Nada mais óbvio e fundamental para a fé cristã do que buscar em Jesus e na sua herança (que éa Boa Nova, o Evangelho e não a Igreja) inspiração para a nossa conspiração atual e cotidiana comoherdeiros/as e continuadores/as da sua missão (aqui sim como Igreja), conforme a Parábola dos Talentosencontrada no Evangelho de Mateus. Apesar da pesquisa do Jesus Histórico não nos levar diretamente asua pessoa, ela nos ajuda a recolher, do que podemos saber do seu tempo/contexto e de sua pessoa,bem como da memória celebrada e escrita de sua vida, elementos que deveriam ser constitutivos danossa espiritualidade e missão no mundo (kosmos) em que vivemos. Eu, juntamente com muita gente, chamo isso de espiritualidade, para mim expressão da missão,diaconia ou pastoral (desenvolvimento, trabalho transformativo). Aqui entendo espiritualidade nos termospaulinos como “vida espiritual” ou “vida segundo o Espírito”, de Romanos 8. Espiritualidade que é práxisque envolve o corpo, a alma e o espírito, enquanto seres humanos e enquanto seres humanos conectadoscom o planeta (nossa oikoumene). De forma alguma entende-se, na tradição cristã, que termos comoEspírito, espiritualidade, vida espiritual e mística estão relacionados com algo pós-metafísico, imaterial. Aocontrário, é a partir de baixo, do cotidiano da realidade que vivemos uma vida segundo o Espírito ousegundo a Carne. Esta é uma clara alusão a experiência que o ser humano faz na história de Deus ecomo se organiza e se expressa essa experiência na vida cotidiana. “Os padres do deserto nos ensinamuma espiritualidade que vem de baixo. Eles nos mostram que devemos principiar em nós e em nossaspaixões. Para os padres do deserto, o caminho para Deus sempre conduz ao autoconhecimento. Certavez, Evágrio Pôntico formulou isso da seguinte maneira: ‘se queres conhecer a Deus, aprendeprimeiramente a conhecer a ti mesmo!’ Sem autoconhecimento corrermos sempre o perigo de nossospensamentos acerca de Deus serem meras projeções.”3 Entendo a espiritualidade como Bento de Núrsiatão bem a definiu: como humilitas, ou seja a capacidade de reconhecermo-nos húmus, terra fértil, iguais nanatureza e diferentes no contexto. Por isso a espiritualidade é constitutiva e expressiva de nossa experiência de Deus e de nossatentativa cotidiana de configurar nossa vida com a vida de Jesus, inspiração da nossa missão que setraduz na diaconia e trabalho transformativo (desenvolvimento, pastoral) – somos sempre mutatismudandis. Infelizmente em nossas famílias religiosas e em no campo semântico ordinário das igrejas eteologias institucionais podemos, sem muito esforço, encontrar largos e profundos fossos entre o queJesus é e fez com aquilo que hoje nossas Igrejas fazem e dizem (nós todas/os incluídas/os). Esses fossosjá começaram a ser construídos e percebidos mesmo no segundo século da Era Cristã. Basta uma leitura                                                                                                                        3 GRUN, A. O céu começa em você. A sabedoria dos padres do deserto para hoje. Editora Vozes. Petrópolis, 2002, p.23.
  3. 3. superficial do texto canônico que temos, que chamamos de Novo Testamento/Segundo Testamento, paraverificar o processo de transformação que foi ocorrendo no discurso teológico, com consequências diretaspara a instituição igreja, durante os primeiros 150 anos do cristianismo4. Este fato não ocorreu sem resistências ou disputas, as vozes discordantes e proféticas tambémestão bem presentes no texto canônico. Neste caso não basta uma leitura corrida e superficial. Énecessário buscar em várias outras ciências ajuda para nossa reflexão. 2. Missão:  significado  e  desentendimentos   Quando ouvimos a palavra “missão” nos vem a mente as teorias e práticas clássicas decomunicação da Boa Nova. Missão também está conectada com a Evangelização. Mas o que significammesmo essas palavras poderosas que criaram boas realidades, mas também destruíram vidas, povos,grupos, sabedorias. Para nossos ouvidos latino americanos a palavra/prática “missão” vem carregada denegatividade, de colonialismos travestidos de evangelização e boa nova, violência e genocídio disfarçadosde catequese e iluminação. Isso deve nos fazer pensar quando, no século 21 novamente pronunciamos enos colocamos novamente “em missão”. Talvez algo que marcou essa conversa de missão, tradicionalmente tenha sido a figura deSaulo/Paulo e o mandato de Jesus descrito somente no Evangelho de Mateus, capítulo 28, 19-20:“Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do EspíritoSanto; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convoscotodos os dias, até a consumação dos séculos. Amém”. Paulo e a comunidade de Mateus foram lidosdesde a perspectiva do poder-dominação, do colonialismo, da expansão territorial, bem compreensível senos damos conta de que o cânon bíblico foi se definindo numa época em que o império romano já haviacooptado a tradição hegemônica das igrejas em volta de Roma. A “igreja” e o “império” acabam setornando não só cúmplices, mas quase a uma versão do Reino de Deus. Há um teólogo antigo quelembrou que Jesus mandou pregar a Boa Nova, algumas pessoas confundiram isso com erguer igrejas ealiar-se aos impérios. Sob essa ótica, a missão foi vista como conquista e dominação. Como já dissemos, para nossocontinente o resultado da missão entre outros foi a justificação da escravidão e um genocídio indígena em                                                                                                                        4 Para estudo: A Canonização dos Escritos Apóstolicos. Ribla 42/43. Editora Vozes.
  4. 4. larga escala. Por isso urge repensar a missão como algo diferente da mensagem do império. Missão paranós, cristãos, deve ter outro significado e evocar outras imagens e práticas. Em primeiro lugar é importante perceber que a missão é de Deus, é Palavra (dabar, logos) deDeus, ou seja presença forte e vida de libertação e práticas políticas que buscam a vida. Nós somenteparticipamos por vocação e escolha. O testemunho das escrituras nos mostra muito claramente que Jesusnos ensinou que a missão não consiste tanto no que dizemos, mas no que fazemos. "Pelos seus frutos osconhecereis" (Mt 7:16). "Nem todo aquele que me diz "Senhor, Senhor" entrará no reino dos céus, masaqueles que fazem a vontade de meu Pai que está nos céus" (Mt 7:21). As Igrejas apostólicas destacaramesta característica fundamental da vida cristã: "Sejam praticantes da Palavra" (Tiago 1:22). Tudo que nãoseja conforme a estes princípios é um pseudo-evangelho, o trágico engano de uma "fé estéril". Numa observação de Sebastião Gameleira, reduzindo-se a fé e a missão ao “espiritual” (entendidoaqui como imaterial, pensa-se estar prestando o maior sublime serviço ao Evangelho. Mas, com coragemprofética, o autor chama essa prática de idolatria, conclamando os leitores a não hesitarem em “denunciaro espiritualismo como perversão da mensagem cristã”, porque esconder-se atrás do sagrado é “eximir-seda responsabilidade de assumir a tarefa de transformar o mundo”5. A missão é a ação de Cristo, e a ação de Cristo é uma ação de amor. O amor é o elemento centralda missão. O amor é transgressor e gratuito. "E se tivesse a profecia e entendesse todos os mistérios etoda a ciência, e se tivesse toda a fé, de tal maneira que transladasse os montes, e não tiver amor, nadasou" (1Cor 13:2). O mandato do Novo Testamento de proclamar o Evangelho deve entender-se no contexto daprática destra verdade. Quando Paulo disse que havia sido enviado a "pregar o Evangelho (1Cor 1:17),fala a partir de sua experiência e prática de levar a cruz, de caminhar ao lado de Jesus. Se bem que é verdade que o Evangelho nos disse que Jesus começou proclamando umamensagem sobre seu reino, o centro mesmo dessa mensagem não está finalmente no que Ele disse, senão no que Ele foi e fez. A proclamação é sua cruz e sua ressurreição. É o amor que derramou emabundância em sua vida e em sua morte o que valida, vivifica e fortalece as palavra que pronunciou. Esteé o ato evangelizador definitivo. A missão é a ação dirigida para esta tarefa e este desígnio de Deus; a participação pessoal nestaluta constitui a essência da resposta cristã. Se não participamos com Cristo nas situações mesmas em                                                                                                                        5 Ver Rodolfo G. Neto, A diaconia de Jesus. Contribuição para a fundamentação teológica da diaconia na América Latina. Pag.17 e 18. 2001. Paulus, Cotexto Editora e Ed. Sinodal.
  5. 5. que as pessoas sofrem, chegaremos inevitavelmente a uma teologia deformada e agnóstica, como se asalvação se devesse a um conhecimento reto (orto-ensinamento) em vez de um ação justa, isto é, a açãodivina (ortopraxis). Sendo assim, uma participação débil conduz a uma teologia débil, a um dualismo perigoso quesepararia a identidade religiosa das pessoas de sua realidade secular, e perpetuaria assim uma falsatomada de consciência sobre a natureza do pecado e a opressão que Cristo veio destruir. Ao contrário, uma participação real conduz a uma teologia autenticamente encarnada e bíblica e auma compreensão e uma prática autenticas da missão. A missão consiste essencialmente em viver a vida cristã com Jesus, sentindo-nos solidários detoda a humanidade. A missão é a tarefa de fazer fermentar o conjunto da criação de Deus, a comunidadehumana. O conteúdo desta ação é a vida do Reino, quer dizer, fazer efetiva a realidade do Senhorio deCristo na vida do mundo. 3. A   espiritualidade   do   seguimento   de   Jesus:   fonte   da   compreensão   de   poder  e  de  missão   O Reino de Deus é o horizonte e a pauta principal para o seguimento e para a missão. Essehorizonte nos convoca para uma mudança radical na vida e na mentalidade (para uma metanoia). Somoschamadas/os a mudar de comportamento mas também de perspectivas, de olhares, de óculos quem sabe.Novas lentes são utilizadas para transformar a vida, a nossa, das outras pessoas e do mundo (daoikoumene). Ele (o Reino) é dom gratuito e não pode ser “merecido”, precisa somente ser revelado,ordenado. Da mesma forma que do “caos” a divindade cria o “kosmos”, nós também continuamos esse ato“cosmético” a cada dia em nossas sociedades e em nossos corpos. Os Evangelhos mostram que o próprio Jesus delineou a exigência do seguimento em relação aoReino e a uma nova compreensão da experiência de Deus. Em determinadas ocasiões, o chamamento deJesus para seguí-lo dirige-se a pessoas singulares: A Simão e André, seu Irmão (Mc 1, 16-18), a Tiago eseu irmão João (Mc 1, 19-20), a Levi (Mc 2,14). Em outras ocasiões, dirige-se ao círculo de seusdiscípulos em geral (Mt 16,24), às pessoas que o rodeiam junto com seus discípulos ou até mesmo atodos que querem ouví-lo (Lc 9, 23)6. Sua práxis também chamou a atenção. Aqui preciso sublinhar que                                                                                                                        6 Discute-se se o chamado ao seguimento estrito foi dirigido pelo Jesus histórico a todos ou somente a alguns, isto é, aosescolhidos para colaborar mais diretamente com Ele na proclamação do Reino, chamados estritamente de discípulos. Talvez sepossa dizer que Jesus, no começo de sua vida pública, restringiu ao pequeno grupo dos discípulos o chamado ao seguimento, para
  6. 6. as mulheres não precisaram ser chamadas. Elas inseriram-se no movimento de Jesus por iniciativaprópria, expressando-se sempre de forma contundente e como modelos de discipulado e de missão para aIgreja cristã dos primeiros séculos. Claro que isso foi combatido e canonicamente foi sendo diminuída suaatuação e importância. Em outro momento podemos aprofundar esse aspecto. Considerando com atenção esses chamamentos de Jesus para seguí-lo, vemos que secaracterizam por sua singular radicalidade e por sua dupla finalidade: estar com ele e assumir uma missão(cf. Mc 3:13-15; Mc1:17). Mas não se pode olhar pra trás quando se põe a mão no arado, tem que deixaros mortos enterrarem seus mortos, tem que abandonar ou rever os laços consangüíneos (minhaverdadeira família7 é quem faz a vontade de meu Pai); tem que largar tudo (pai, barco, lugar geográficoassumindo o risco do caminho sem nada). Comunicar o Evangelho não é simplesmente um emprego, masé uma escolha de estilo de vida, um estilo radical, perigoso, aventureiro e martirial. Quando celebramos a “missa” (do latim “missio” / missão) estamos cumprindo o mandato deJesus: Façam isso em memória de mim. Mas o que é esse “ISTO”? o que é para fazer mesmo?Infelizmente muita gente com pouca sensibilidade e prática interpretativa rapidamente vai responder que“ISTO” é a performance da chamada última ceia. Refazer a cena estética do que teria sido a últimarefeição de Jesus, durante a Páscoa Judaica, com suas/eus discípulas/os. Mas precisamos ser maiscosméticos do que simplesmente estéticos nessa aproximação ao texto e ao mandato. Fazer ISTO é fazero que ele fez. A Ceia é a celebração (o ponto alto, um sumário) da vida dele, de suas práticas, de suastransgressões, conflitos, ternuras, presenças, falas, posturas. Por isso a missa é tão importante paranossa estrutura de fé. Não por razões somente estéticas. Não, o culto não basta e nem é o mais“agradável a Deus”, basta revisitar a tradição profética. O culto, a missa é para ao mesmo tempo regozijar-se pelo cumprimento e pela fidelidade ao caminho, mas também para lembrar criticamente que nossoespírito (nossa espiritualidade) pode estar precisando de rumo, de norte, de horizonte.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              universalizá- lo depois, ao chegar ao final (cf. Evangelho de Mateus). Em todo caso, a partir da Páscoa, já se produz aidentificação entre crer em Jesus e segui-lo, tomar parte da comunidade crente e ser discípulo seguidor de Jesus. (Cf. HENGEL,M., Seguimiento y carisma. La radicalidad de la llamada de Jesus (Santander, 1981) pp. 91-93, 128; BORNKAMM, G., Qui estJésus de Nazareth? (Paris, 1973) (pp. 173-174). A teologia atual costuma considerar que o seguimento, como diz Bonhoeffer, é"um preceito divino dirigido a todos os cristãos" (cf. EI precio de la gracia (Salamanca, 1968), p. 23; METZ, J. B., op. cit., pp.27-45; Von BAL THASAR, H.-U., Ensayos teologicos 11. Sponsa Verbi (Madrid 1964), (p. 155). Isto não significa ignorar adiversidade de carismas, vocações, ministérios e tarefas no seio da única comunidade, chamada toda ela à santidade, aoseguimento de Jesus. Como observa Metz, "na realização prática do seguimento podem dar-se níveis e divisões do trabalho, maso que não existe, de modo algum, é uma dispensa geral desta missão".7 Aqui vale a pena sublinhar a necessidade de se rediscutir o conceito de família na tradição crista.
  7. 7. 4. Radicalidade   do   seguimento:   a   excentricidade   como   “centro”   da   missão   A singular radicalidade dos chamados de Jesus concretiza-se na exigência de obediência (Ob –audire – escuta interior e pragmática) absoluta ou de entrega incondicional que deverá articular-sehistoricamente em uma série de renúncias radicais. É efeito dominó. Na realidade, torna-se necessáriorenunciar a tudo para fixar bem os sólidos cimentos do seguimento real (cf. Lc 14:28-33; Mt 13:44-46). Afonte Q insiste mais na renúncia à família; Mc e Lc insistem de forma especial na renúncia aos bensmateriais; Mt e também Jo, na renúncia ao apego à própria vida. Porém, o que se trata, em definitivo, é derenunciar a tudo que possa impedir o seguimento a Jesus e de colocar-se inteiramente ao serviço doReino (missão, diaconia, trabalho pastoral – desenvolvimento). Temos que ser UM (de coração unificado –centrados – não dispersos – Sl 86: reúne o meu coração): - renúncia ao dinheiro e aos bens materiais deste mundo (cf. Mt 6,24; Lc 18,22).; - renúncia ao apego a nós próprios, à própria vida (cf. Mt 10, 39,e 16,24 e par.; Jo 12,24); Mt 10,39 e 16,24. - renúncia à instalação cômoda (cf. Lc 9,57-58); - renúncia às vinculações familiares que possam impedir ou atrapalhar o seguimento (cf. Lc 9,59-62; Mt 10,35,35-38 e par.) - e renúncia a toda forma de dominação e opressão (cf. Mc 10,42-45; Lc 22, 24-27; 1Pe 5,2s; Mt 23,8-11 comunidade de irmãos; Jo 13). Com razão pode-se dizer que este modo de Jesus chamar a seu seguimento nos confrontaconosco mesmas/os e com o estado atual da vida cotidiana. Estar com Jesus exige um desapego que nãoestamos acostumadas/os a viver. Não é por acaso que os relatos de chamado e, especialmente o blococentral do Evangelho de Lucas e os primeiros capítulos de Atos dos Apóstolos, estão repletos dessadiscussão que gira em torno do desapego (das coisas, do dinheiro, das pessoas, das verdades teológicase epistemológicas) para a missão, do abandono para o Reino. Infelizmente, na maior parte do tempo sãosó temas para encontros e retiros ou textos acadêmicos e não entram na vida cotidiana, não transformama realidade de ninguém nem da sociedade. Algo para nosso pensar em nosso ministério seja presbiteral,seja como teólogas/os, seja como epíscopos.
  8. 8. 5. Estar   com   Ele   e   assumir   sua   causa   e   seu   destino   –   O   Reino   como   conspiração  missionária   “A espiritualidade é um caminhar em liberdade segundo o Espírito de amor e de vida. Essacaminhada tem seu ponto de partido em um encontro com o Senhor... o encontro é marcado pela iniciativadivina.”8 Jesus convida seus seguidores a estarem com Ele (cf. Mc 3:14), a manterem-se ao seu lado (cf.Lc 22:28), a partilharem seu estilo próprio de vida, intinerante e desinstalado (cf. Mc 6:8ss e par.; Lc 9:57 -58), e a seguirem em todo momento o seu exemplo (cf Jo 13:15; 14:6). O seguimento de Jesus implica,em primeiro lugar, a comunhão com Ele (na sua vida e relações e transgressões, sofrimento, morte eressurreição), "assemelhar-se a Ele", ter suas mesmas atitudes e sentimentos (cf. Fil 2:5), ser santoscomo Ele foi (cf. IPe 1:15-16), proceder como Ele procedeu (IJo 2:6), seguindo suas pegadas a todomomento (cf. IPe1:21-22). Mas, para a seguidora/or de Jesus, esse estar com Ele e comungar com seus sentimentos eatitudes de vida é inseparável de seu ser enviado à missão de ser "pescadores de homens e mulheres"(cf. Mc 1:17 e par.), de proclamar com palavras e sinais que o Reino já é chegado como presença salvíficae libertadora que cura os enfermos, expulsa os demônios9, liberta os cativos e é bem-aventurança para ospobres (cf. Lc 9:1-6; 10:2-12; Mt 10:1-16; Mc 6:7-13). O seguimento é essencialmente tarefa, encargo,missão, prática salvífico-libertadora, comunhão com a causa de Jesus de servir ao Reino. Exige, inclusive,a disponibilidade para participar também em seu próprio destino, assumindo a inevitável conflitividade eperseguição, isto é, carregando a cruz até ao fim (cf. Mc 8:35; Mt 10:16-18.21-25.38-39; Lc 14:27; Jo12:24-26). Mas isso não estava entendido previamente pela comunidade. Houve um desentendimento no quesignificava a messianidade de Jesus bem como o seguimento dele. A comunidade cristã, ainda hoje, temmuitos problemas teológicos e espirituais de compreender a Cruz dentro da economia da salvação.Normalmente se deseja somente um pedaço de Jesus. Ou se acentua em demasia sua vida e sua obra ouse confunde ressurreição com imaterialidade e com irrealidade. Das duas formas nós somos arrancadosdos processos históricos, onde deveríamos viver essa espiritualidade cristã, nossa missão divina – OpusDei – Missio-Dei.                                                                                                                        8 Gutierrez, Gustavo. Beber em seu próprio poço. Pág. 50. Ed. Loyola. São Paulo.2000.9 Aqui vale a pena ressaltar que há uma diferença entre “demônio” e “diabo”, que em outra oportunidade poderemos retomar.
  9. 9. Nos evangelhos há uma insistência em repetir para a comunidade o fato da consequência dasopções de Jesus ser a cruz. Alguns chamam destino, mas não porque ‘já estava escrito’, mas porque esseera e é o resultado de toda aquela/e que se compromete com a aliança. A cruz é consequência inalienávelda vida cristã. Já desde a encarnação de Deus em Jesus temos esse anuncio estabelecido. Já desde oseu nascimento Jesus incomodava os poderosos religiosos e políticos de sua época. Não era necessárioser muito adivinho para perceber que a consequência da vida de Jesus seria o sofrimento, a exclusão e acruz. 6. Seguir  Jesus  é  mover-­‐se  em  missão/diaconia   A espiritualidade não pode ser algo que aliena da realidade que nos rodeia mas, ao contrário,vincula -se estreitamente a ela. Deus sempre toma a iniciativa. Toma a iniciativa de “descer” e de“desempoderar-se” da sua condição divina (Fl 2:5-11). Deus vem visitar o seu povo e depor os poderososdos seus tronos (Lc 1:46-55.67.79). Escolheu falar com o povo diretamente e do jeito do povo. O “poder”de Deus é a sua capacidade de relacionar-se e transformar novas todas as coisas (Is 12; Ap 21). Deus éamor, é relação transgressora e erótica de amor. É só ali, na relação, que podemos perceber e entrar nomistério da sua presença e graça. Para escutar Deus é necessário assumirmos nossa humanidade, nossa fraqueza e limite, tambémnossas possibilidades, seguindo o exemplo dele. Encarnou-se como carne, como gente, como serhumano. Não é pecado ser gente. As fraquezas são só fraquezas, não “defeitos de fábrica” que precisamser ‘consertados’. Fazem parte da nossa humanidade, do nosso jeito de estar no mundo. E é sóassumindo esta realidade que vamos poder falar de uma realidade transcendental. A cruz é o maiorparadoxo que podemos encarar na tradição cristã. A Cruz é ao mesmo tempo sinal de sofrimento/morte evida/ressurreição. Como pode ser isso? Como pode a fraqueza e a derrota se transformar em fortaleza evitória? Aqui não se trata apenas de ouvir a voz de Deus naquilo que eu penso e sinto, nas minhaspaixões e enfermidades... também não se trata de apenas subir a Deus descendo à minha realidade.Trata-se de estar, a partir das minhas possibilidades, disponível a um estado de relação. E uma relaçãoque é essencialmente transformadora e missionária em direção as outras pessoas e ao mundo queprecisa de cura e rearranjo. Estar dispostas e dispostos a ‘dar um pulo na noite’ (cf. João da Cruz), a viverna insegurança e nas incertezas, num estado de dependência desconfortável. Trata-se de estar
  10. 10. dispostos/as a ir além das palavras, ou seja, de dialogar. E o primeiro diálogo no encontro com o sagradoé o dialogo com as nossas fraquezas. Evagrio Pontico vai dizer que se queres conhecer a Deus tens queconhecer a ti mesmo. A tradição monástica vai nos ensinar (o que a Bíblia já nos disse muitas vezes) quea verdadeira oração surge das misérias e fraqueza, não das virtudes.10 Na abertura interrogativa à provocação da realidade e suas exigências de mudança e, maisconcretamente, na conversão à provocação dos empobrecidos e de seu clamor, nos abrimos àprovocação do Deus transcedente. Na alteridade da outra (especialmente a/o que mais necessita) sai-nosao encontro a alteridade do Deus transcedente, o radicalmente "Outro", com maiúscula, que exige de nósum processo sempre inacabado de conversão/conversação – mudanças estruturais na vida privada e nasociedade em que habitamos. Cumpre, porém, precisar mais na linha do seguimento tal como o temosespecificado. A solidariedade amorosa com o "outro" empobrecido, se quiser ser real e operativa, tem quetraduzir-se em participação em processos de luta libertadora. Esta participação, expressão histórica doamor, em uma realidade marcada pelo conflito, é que constitui o lugar privilegiado de acesso ao mistériodo Deus transcedente, por quanto introduz numa dinâmica histórica que se transcende a si mesma namedida em que reclama que se assuma uma tarefa de transformação nunca terminada. Ela é a mediaçãomais apta para encontrar-se com a realidade última que a tudo transcende porque carrega em seu bojo aexigência de um "plus" inesgotável de humanização, de busca e desinstalação permanentes e de radicaldisponibilidade, de abertura ao futuro e à sua novidade inacabável e insuspeitável, de imersão em umprocesso inacabado e permanente de conversão. Em definitivo, leva em si a exigência daquela mudança eruptura que permite passar do ser ao dever-ser, de nossos caminhos para os caminhos de Deus. A práticada justiça é o lugar preferencial que possibilita, sem enganos, ascender ao mistério de Deus e a Deus,precisamente, enquanto mistério último que nos transcende sempre e nos urge na entrega incondicional,inclusive a dar a vida pelos outros (Verdade única de Deus – a entrega incondicional simbolizada pelaceia e testemunhada pela Cruz). Aqui cumpre um papel fundamental a catequese e a liturgia. São dois aspectos da vida da Igrejaque, juntamente com a organização e prática da comunidade/igreja, devem nos levar a conhecer a Deus enão simplesmente a cumprir os ritos que supostamente nos levariam a ele. O conhecimento (ou melhor oreconhecimento) de Deus é feito quando nós nos deparamos com ele do jeito que nós somos. A liturgia,em especial, é o espaço privilegiado da celebração da verdade (do não esquecimento). Mas não dequalquer verdade, mas daquela que é a Verdade de Deus, conforme já citei acima. É o lugar onde o                                                                                                                        10 Ver as obras de Anselm Grün.
  11. 11. símbolo e o rito, o espaço e a palavra falada, tornam-se não mais instrumento simplesmente de acesso aosagrado, mas tornam-se expressão do amor apaixonado que irradia de Deus e atinge a todo o mundo.Como podemos ajudar a comunidade onde vivemos a viver isso de maneira humilde e serviçal? Comopodemos ajudar a comunidade onde vivemos a se descobrir necessitada de Deus e de libertação? Comopodemos envolver nossas igrejas numa espiritualidade que não seja mais falaciosa nem egocêntrica. A experiência do Reino e da Misericórdia de Deus, portanto da Revelação de Deus em Jesus,sempre vai nos recordar que a vida, sofrimento, alegrias, morte e ressurreição dele foi uma vida deexcentricidades, de sempre para fora de si mesmo. 7. A   imagem   de   Deus   como   “questão”   para   o   exercício   do   poder   e   a   missão     O Novo Testamento é um escrito que abrange pelo menos 400 anos de vida, conversas,celebrações e muitas controvérsias, revisitações, reescriturações, etc. Ele quer manter a memória dosconflitos ocorridos no movimento de Jesus bem como na organização e crescimento das igrejas locais emtorno da imagem de Jesus, sua memória. Quem quer que fosse Jesus, ele é o fundamento da “ordemeclesiástica e eclesial”. Portanto é fundamental manter viva determinada memória deste fundamento paraque a “ordem estabelecida” nas igrejas locais tenha sustento e “herança”. O segundo Testamento é fruto da memória de diferentes comunidades com diferentes propósitose em diferentes épocas. Temos cartas, evangelhos, apocalipses, sermões, ditos, parábolas. Temos umavariedade de temas e questões não resolvidas que ainda nos tomam tempo e nos envolvem de prazer aodiscutir e refletir. Outros temas são espinhosos e nos desconfortam em vários níveis da vida. Estes últimossão os mais interessantes e os de maior incidência no texto canônico. O tema do movimento de Jesus e o aparecimento da Igreja ou, em outros termos, o fato de queJesus veio anunciar o Reino e a Misericórdia e Salvação de todos/as e o que aparece depois é a Igreja éum desses. Conflitivo e desconfortante no texto bíblico, nas relações históricas, na atualidade. Como deum grupo aberto, livre, carismático, transgressor passamos para uma igreja patriarcal, imperialista,excludente e encerrada em si mesma? “A transformação do movimento de Jesus originalmente carismático- pessoal livre numa igreja institucional representa um processo sociologicamente necessário e também teologicamente legítimo. Um movimento carismático necessita de institucionalização para
  12. 12. sobreviver ao tempo e finalmente precisa também da “grande forma” Igreja, se não quiser reduzir-se a uma seita. Todavia, se o processo de institucionalização há de ser n uma forma “monárquica” ou “democrática” é algo que não está precisamente definido pela institucionalização em si”.11 É visível, percorrendo os textos e os contextualizando na história que as igrejas,sistematicamente, foram se adequando à configuração da casa paterna (Pater familias) e o impérioromano. Não sabemos se foi de propósito ou se é algo da “natureza” das instituições. Aos poucos asigrejas e o império seriam aliados e estariam completamente harmonizados. Constantino iria garantir issocomo forma de garantir seu poder imperial. Ao ler os textos bíblicos comprovamos que “a proposta paulina12 de uma Eclésia igualitária,ministerial e leiga, sinal vivo da ágape/caridade e expressão máxima da nossa fé no Cristo Senhor, veio,aos poucos, sendo substituída por uma igreja hierárquica, autoritária e sacerdotal”.13 Os textos do NT sãoa memória escrita e mantida que chegou até nós e podem nos dar um panorama desse processo cheio denuances e cheio de debates internos entre as igrejas da época. Entre o movimento de Jesus, juntamente com as primeiras igrejas de inspiração paulina e ostextos do século II, como de Inácio de Antioquia, Timóteo e Apocalipse podemos perceber uma mudançaradical. Essa mudança se deu em torno da organização das igrejas mas também em termos de comoJesus é apresentado. Temos, pelo menos, cinco “apresentações” da memória de Jesus: os quatroevangelhos e os textos autenticamente paulinos. Em relação a igreja acrescenta-se os textos deutero-paulinos, muito importantes para a estruturação, e a justificação dessa estrutura “imperial e familiar”, dasigrejas. Claro que os conflitos estão a flor da pele e são visivelmente perceptíveis numa leitura diacrônica. De uma igreja de carismas e movida totalmente pelo espírito surge uma igreja completamentehierarquizada e aos moldes do império romano e da casa paterna. Em Coríntios (década de 50/60) a Igrejafoi retratada como “corpo de Cristo” onde todos os membros eram iguais em dignidade e no ministério.Mais tarde o Cristo se separa da Igreja “corpo de Cristo” para tornar-se o Cabeça da Igreja (Colossenses eEfésios). Aparecem os conflitos em torno da direção e coordenação da Igreja. Diáconos (agora aqui no                                                                                                                        11 HOFFMANN, P. op. Cit. p. 54.12 Aqui me refiro às Cartas Paulinas, consensualmente consideradas autenticas: 1Ts, 1Cor, 2Cor, Gl, Fl, Fm e Rm. As cartaspastorais foram escritas por outros/as autores, pseudoepigraficamente, a partir dos anos 80 E.C.13 GALAZZI, S. Da autoridade para a hierarquia. In: RIBLA 42/43 – A Canonização dos Escritos Apostólicos. Editora Vozez:Petrópolis, 2002, p. 9.
  13. 13. masculino) estão em conflitos com os presbíteros e estes com os epíscopos. De vocações particulares eindependentes chegamos hoje a uma concentração em uma mesma pessoa. As décadas onde os Evangelhos foram finalmente redigidos14 são de uma riqueza de informaçõessobre esses conflitos impressionante. Conflitos sobre o significado do “poder de Jesus” manifestado nosmilagres/sinais (que na verdade são parábolas da misericórdia e graça de Deus, mais do que “poder”).Conflitos sobre a participação na eucaristia, quem tem direito e quem não tem direito15. Conflitos sobre osprivilégios (ou não) de se estar mais perto de Jesus16. Os conflitos entre as comunidades joaninas e ascomunidades dos evangelhos sinóticos em torno da presença e ministérios de mulheres nas comunidades,ou seja, de quem é a liderança. A lista é longa e não cabe neste ensaio fazê-la. Aponto essas observações para poder percebercomo a questão da “memória” de Jesus e de sua representação são fundamentais para o ordenamentodas igrejas e para suas teologias. Como compreender a vocação de Deus, e portanto vocação para sua missão e nossocomprometimento com essa missão, que morreu na Cruz. Que poder é esse que “não tem poder”,conforme as categorias ordinárias dos nossos pensamentos, imagens e discursos. Parece que o hino que cantamos em Filipenses 2:5-11 não combina com a imagem que foidesenvolvida e inscrita no “normal” da nossa teologia cotidiana, do nosso universo vocabular e semânticoou na espiritualidade das comunidades. Experiências como fraqueza, limite, morte e finitude nãocombinam com o Deus/Cristo Rei onipotente e todo-poderoso que foi sendo pintado e catequizado durantemais de um milênio. Foi problema para os apóstolos de Jesus (os homens) que não puderam nuncacompreender o significado do seu ministério (Jo 12:1-8; Mt 26:6-13; Mc 14:3-9). Foi problema para asigrejas depois da década de 70 E.C. Como “adorar” e/ou ter como “fundante” um Deus que se “encarnou”– assumiu a forma humana na totalidade do limite e da finitude? Alguém que morreu crucificado? Alguémque, aparentemente, foi vencido? “Tu és o único forasteiro em Jerusalém que ignora os fatos que nela aconteceram nestes dias? ... O que aconteceu com Jesus, o Nazareno, que foi um profeta poderoso em obra e em palavra, diante de Deus e diante de todo o povo: nossos chefes dos sacerdotes e nossos chefes o entregaram para ser condenado à morte e o                                                                                                                        14 Falo aqui de UMA das finalizações. Com certeza durante o processo de canonização outras modificações foram executadas.15 Vale a pena fazer uma analise literária, eclesiologica e litúrgica do conjunto de textos sobre “pão e mesa” dentro dosEvangelhos. Um bom exemplo pode ser Marcos 6-8: Primeira multiplicação dos Paes; Mulher siro Fenícia; Segundamultiplicação dos Pães.16 Conforme os relatos da paixão Mc 8,31 – 10,52 e paralelos.
  14. 14. crucificaram. Nós esperávamos que fosse ele quem iria redimir Israel...” (Lc 24:18b-21a). Essa pergunta, crucial para a fé e para a organização das igrejas, nos acompanha até hoje. A primeira estrofe de Fl 2:5-11 ainda é um certo “nó na garganta” e na “mente/compreensão” demuitas/os cristãs/ãos. O hino afirma que Jesus, o Cristo, tinha “condição divina e não se apegou a isso”.Ou seja, não utilizou dessa “prerrogativa da sua natureza” (segundo o hino) como “privilégio”, mas comoresponsabilidade e consequência do seu desejo de amar o mundo. Jesus é, para as/os cristãs/ãos, aplena revelação de Deus. Mas é importante lembrar que Jesus não é Jesus sozinho. A economia queenvolve a pessoa, a prática e o discurso de Jesus se faz na comunidade, no mundo das relações e dastransgressões em defesa da vida como expressão do amor. Como sempre o caminho escolhido por Deus assusta nossas mentes acostumadas a um tipo deimagem de um Deus onipotente e todo poderoso. Na tradução da LXX Yahweh e El Shadday viraram“pantocrator” e no Greek New Testament Jesus tornar-se “kyrios”. Coincidentemente os dois termos sãoos mesmos usados para designar o imperador. Em várias Igrejas inclusive há uma festa para o“pantocrator”, o Cristo Rei, celebrada no ultimo domingo de novembro, onde Jesus é apresentadotravestido de “rei/imperador”, apesar da nossa tentativa de disfarçar com o sermão, provocando umaconfusão entre o que se escuta e o que se contempla. Somos ensinados, pelo rito e pela partitura dessa música/hino, que ser gente é algo divino. Nossafinitude, limite, pecado não são impedimentos para a graça de Deus e para a salvação por causa da fé deJesus (Rm 6-8; Ef 2:1-22). Faz parte da divindade em nós acolher nossas luzes e nossas sombrasintegralmente. O corpo humano não é somente a expressão do limite, da casca/forma, o lugar do pecado,como por tantos séculos fomos ensinados/as. O corpo humano é também o lugar de Deus, da divindadeque escolhe esse método e esse lugar para dizer-se e para ser “dito”. Contra todos os interditos ao redordos corpos, das sexualidades, dos desejos, dos limites, das doenças proibidas de serem sequerpronunciadas, Jesus se diz e faz dizerem dele palavras que desconcertam, que geram incompreensões. Deus nos fez corpos. Deus fez-se corpo. Encarnou-se. Corpo: imagem de Deus. Corpo: nosso destino, destino de Deus. Isso é bom. Eterna divina solidariedade com a carne humana. Nada mais digno. O corpo não está destinado a elevar-se a espírito. É o Espírito que escolhe fazer-se visível, no corpo. E o corpo de Deus, Jesus Cristo, se expande, incha, tomando o universo inteiro: “presente em todos os lugares, mesmo dentro da folha mais diminuta, em cada uma das coisas criadas, dentro e fora, à
  15. 15. sua volta e no interior de suas nervuras, por baixo e por cima, atrás e à frente...” (Lutero). É bem aí, no corpo, que Deus e o homem se encontram” (ALVES, 2006, p.51-52) Sua vida, práxis de libertação e de transgressões, guardada na memória das igrejas e transmitidapelo cânon, é o apontamento sobre onde e como devemos continuar nosso caminho em direção àsantidade/perfeição, para que a vida, que é o que importa, cresça e floresça em todos os cantos. Não existe um “lado” humano e um “lado” divino em Jesus. Cantamos com esse hino essa junçãomisteriosa, erótica (que dá energia de vida) e desconfortável da humanização da divindade e vice-versa.Privilégios e exercício de dominação não fazem parte da liturgia de Deus em Jesus. Ele não se utilizou dofato de sua “condição divina” para si próprio. Foi exatamente o contrário, foi uma vida doada para queoutras vidas aprisionadas pela religião, pela dominação, pela distorção da memória pudessem ser livresnovamente, pudessem ser integradas. É somente a partir “de baixo” que podemos encontrar “as coisas de cima”. Deus encarnou-se emJesus, desceu para encontrar a humanidade e sua criação. Encontrar Deus, pois, exige de nós descertambém, circular nos “infernus” como já nos ensinava a Igreja Primitiva. Tanto para o tempo de Paulocomo de Jesus foi necessário cantar esse hino sempre para ajudar as igrejas, que já estavam emprocesso de hierarquização, a manter-se fiéis ao desejo e sonho de Deus em Jesus. A memória do Êxodoprecisava ser mantida e revisitada para que as comunidades, especialmente as lideranças dascomunidades, não corressem o risco de “traição” em nome da “tradição”. Alguns anos antes Paulo já havia ensinado para a comunidade de Corinto que o corpo é a Igrejade Cristo. Há havia conflitos e disputas de quem era o mais importante ou qual ministério era mais divinodo que outro. A Ceia não expressa mais o “sinal dado de graça e por graça” para que a vida permaneçaviva, mas tinha se tornado, por causa da não solidariedade, lugar de possível condenação. “Por isso hátantos doentes entre vós”, porque a Ceia não era mais sinal e exigência de solidariedade, mas estavacorrendo o perigo de tornar-se um rito vazio e externo ou, em palavras modernas, um fetiche. 8. Missão  de  Deus  –  a  excentricidade  do  Evangelho   Continua urgente e necessário fazer missão. A palavra de Deus tem “poder”. Nossa palavra tem“poder” criador de realidades.
  16. 16. "Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância" (Jo 10:10). Esta foi a missão de Jesus,que venha o Reino de Deus e que se faça sua vontade na terra. Essa é ainda sua missão; é o que Cristoestá fazendo através do Espirito Santo, e nós estamos chamados a tomar parte nesta obra de Deus:conduzindo e restaurando a vida. Está claro que a “missio” não constitui proselitismo nem muito menosaumentar as fronteiras e a dominação de uma determinada corrente religiosa, epistemológica ou cientifica. Onde se deve “adorar a Deus”? foi a pergunta da samaritana para Jesus. Uma questão teológicaimportante. Parece que a resposta é desapontadora. Não se deve adorar em nenhum lugar em particular.Na religião cristã não existe “um lugar” geográfico e/ou arquitetônico. O “lugar” privilegiado do encontrocom Deus é a história no planeta. Mergulhar (batizar-se) na história é o início da nossa identificação comDeus que se revelou nos corpos humanos e nas fraquezas humanas. Deus que se revela na sua criação. Por isso falamos de missão como algo inerente, intrínseco e identitário da nossa práxis. A missão,diaconia ou pastoral é excêntrica. É do centro para fora dele. Jesus nos chama para nos enviar, não paraficar ao seu redor. Aqueles (o masculino é de propósito) que quiseram “ficar perto dele” foram criticadossistematicamente pela tradição da Igreja constada nos Evangelhos. A eucaristia, o culto, a ceia são parasairmos de nós mesmos, alcançarmos as fronteiras do mundo onde o mundo mais precisa de nossapresença reveladora da Misericórdia e Graça de Deus. Nossa presença é requisitada onde há perigo,tensão, desconforto. A visão Anglicana de missão já desde muito tempo tem considerado a globalidade e a integridadeda criação como locus fundamental e estruturante da fonte e da ação missionária e diaconal, que para nóscristãs/ãos é o mesmo que dizer nosso envolvimento com ações de transformação. No livro “Horizons ofmision”, volume 11, em 2001, Titus Presler elenca 10 marcas ou qualidade da missão: 1. Proclamar o Evangelho com a força do batismo, 2. Servir como sacramento (parábola17) de Cristo nas relações estabelecidas, 3. Viver em solidariedade com o sofrimento, 4. Receber o Cristo como peregrino no caminho, 5. Alimentar a “inteireza” humana em comunidades locais, 6. Lutar por justiça, reconciliação e paz, 7. Colaborar com outras igrejas e grupos cristãos, 8. Perceber a expressão do Evangelho nas diversas culturas,                                                                                                                        17 Inserção do autor deste texto.
  17. 17. 9. Cooperar com gente de outras tradições religiosas, 10. Celebrar a eucaristia em comunidade. Alguns anos mais tarde durante o 140 Encontro do Conselho Consultivo Anglicano, que aconteceuna Jamaica em 2009, falando sobre o Evangelismo e a Iniciativa de Crescimento da Igreja afirmou que “acompreensão anglicana de missão é holística como afirmado dentro das Cinco Marcas de Missão:Proclamar o Evangelho do Reino, Ensinar, batizar e sustentar novos convertidos, responder asnecessidades humanas através do serviço de amor, procurar transformar as estruturas injustas dasociedade, lugar para salvaguardar a integridade da criação e sustentar e renovar a vida na terra.9. A  Missão  de  Deus  tem  sua  iluminação  com  a  Encarnação   É necessário enfatizar que a missão de Deus tem como um dos pontos de partida oreconhecimento do evento erótico e apaixonado da encarnação. “O verbo se fez carne e habitou entrenós” (Jo 1:18). Veio sacralizar, dar sentido novo, ao mundo de complexas e paradoxais relações nas quaisestamos todas/os (nós e o planeta) envolvidas/os. E ele se faz reconhecer como servo sofredor (Mc 1:9-11; 8:31-10:52). Faz-se manifestar no povoempobrecido, necessitado e carente de amor e compaixão (nem a religião nem o império puderam garantirisso, o que torna urgente uma reflexão e autocrítica). Isto reflete e afeta toda a nossa atitude com o povo ecom o planeta, bem como sobre a forma em que nos comunicamos e compartilhamos o evangelho deJesus: O Reino de Deus chegou. Os chefes religiosos, muitos chefes de ONGs e de muitas instituições,não começaram pelo povo, mas sim por uma série de certezas teológicas que introduziram pela força nasituação humana, com resultados trágicos. Jesus começa pela condição humana e pergunta pelo que traráe restaurará a vida. Para ele a vida em necessidade e ardente de desejos vêm em primeiro lugar etransforma-se em sua pauta práxica até sua morte e morte de cruz. A Missão de Deus começa pelo reconhecimento de quem é o povo, em relação com o Criador ecom as pessoas entre si mesmas, bem como com o restante da criação, tanto no que se refere aslimitações da existência como a suas possibilidades. Isto implica certos pressupostos sobre a natureza da humanidade. É essencial que essespressupostos se expressem deliberada e coincidentemente.
  18. 18. As pessoas são feitas a imagem de Deus18. Esta afirmação bíblica essencial tem uma enormeimportância para a dignidade de todos os seres humanos, para sua personalidade e sua relação com oCriador, e para toda a concepção do ecumenismo. O destino das pessoas criadas a imagem de Deus édesfrutar de uma humanidade plena, isto é, ser "sujeitos" ( participantes ativos na história de suas vidas) enão "objetos" ( receptores passivos de ditados e imposições de outros). O crescimento e a liberdade dos seres humanos estão sempre em relação com outros membrosda comunidade humana e cada vez mais tomamos consciência de uma conexão com a natureza/planeta. A missão que começa precisa continuar muito sensível a realidade cultural, que é fundamentomesmo em que está arraigada a existência de cada um. Dado o caráter social dos seres humanos, quandonão se respeita sua realidade cultural não se respeita sua condição humana. A realidade cultural daspessoas incluí seu patrimônio religioso e seu território. Esta forma de considerar as pessoas em sua realidade cultural não significa uma aceitaçãoestática ou desprovida de sentido crítico de toda expressão cultural. Não obstante, o fundamental damissão cristológica que começa pelas pessoas consideradas em sua realidade cultural é o respeito. Deusjá está aí, seu espirito atua desde o princípio. A convicção de que as pessoas têm a responsabilidade de administrar a criação de Deus éfundamental para a concepção cristã de "quem é o povo"; esta convicção se deriva da verdade de que osseres humanos foram criados a imagem de Deus e, por isso, foi-lhes dado a responsabilidade (o domínio)da ordem criada. Por conseguinte, os seres humanos são os administradores junto com Deus da criação.A afirmação de que as pessoas devem ser sujeitos e não objetos se confirma de novo. Toda forma de vidahumana (toda estrutura da sociedade) que mantém as pessoas como objetos e lhes nega o direito a ser"sujeitos de sua história" é uma violação de sua condição humana e de seu destino de ser administradoresda criação de Deus.10. A  missão  começa  pelas  "pessoas  que  estão  em  vulnerabilidade"     Ainda que a missão de Jesus é universal, para "que a humanidade seja salva e conheça averdade" (1Tim 2:4), também é verdade que Jesus mostra um interesse especial pelas pessoas que                                                                                                                        18 Tomo como referência reflexões já realizadas e publicadas no contexto do Programa Missão Urbana e Rural (encerrado) doConselho Mundial de Igrejas na década de 80.
  19. 19. sofrem. No sermão de Nazaré, no princípio de seu ministério (Lc 4:18-19), Jesus fala com as palavras doprofeta Isaías: O Espírito do Senhor está sobre mim, porque Ele me ungiu; enviou-me a anunciar a boa nova aos pobres, e curar os quebrantados de coração e proclamar a liberdade aos cativos, a libertação aos que estão presos, a proclamar um ano aceitável ao Senhor. Assim é como Jesus entende sua missão. A proclamação de hoje em dia da opção deliberada de Deus de por-se do lado dos oprimidos é fiela esta revelação bíblica. Karl Barth afirmou este ensinamento bíblico muito antes (1961) de que se adotaracomo um tema central da "teologia da Libertação". “A justiça humana requerida por Deus (...) tem necessariamente o caráter de uma reivindicação dedireitos em favor dos inocentes que se vem ameaçados, dos pobres que sofrem opressão, das viuvas, osórfãos e os estrangeiros. (...) Deus sempre se põe incondicional e apaixonadamente deste lado e só destelado (...) contra quem já desfrutam de direitos e privilégios e em favor daqueles a quem lhes é negadoestes e se vêm privados deles.” 11. Organização  para  conquistar  a  justiça  /  organização  para  exercer   poder    (diaconia)   Existem muitos interesses poderosos que atuam contra a libertação; por isso, é evidente que nãopoderá conquistar-se a liberdade sem luta. Para poder ganhar essa luta é absolutamente essencial que opovo se organize para adquirir poder, organização que consiste em ensinar as pessoas a descobrir seuvalor como seres humanos criados a imagem de Deus, sua dignidade, confiança e sabedoria coletiva, todoo qual conduz a uma ação comunitária eficaz. Dada a realidade dos ‘principados e potentados", que seencontram manifestamente nas estruturas da sociedade, a luta por uma libertação completa do povorequer organizar-se para adquirir poder e exercê-lo a partir da fé no Cristo que é irmão e salvador. Omitir-se desta necessidade revela uma ignorância culpável das forças do mal e uma negativa areconhecer uma dimensão vital do processo que as freia e as derrota. É imperativo para as igrejasenvolverem-se na formação de lideranças na luta pela cidadania plena e na busca dos direitos humanos eplanetários. A vida pública (a res-pública) é responsabilidade também da missão de Deus e nós, como co-trabalhadoras/es (colaboradoras/es) precisamos nos articular para um maior envolvimento. “A vida do
  20. 20. homem é a glória de Deus” já disse Irineu de Lyon no final do século II d.C. Glorificar a Deus, fazer missãode Deus é fazer a vida florescer, envolver-se, participar na construção e no desenvolvimento do nossolugar de morada que é comum e está visivelmente ameaçado. 12. Educar  para  a  liberdade  –  emancipação  como  critério   As pessoas tem que participar no processo de sua própria libertação. A liberdade é uma função doser humano. A participação é a prática da liberdade. Se não se estimula e capacita as pessoas paraparticiparem plenamente no processo libertador, não poderá produzir-se uma verdadeira libertação; tal é aimportância fundamental da participação, que é uma característica do ser humano e da comunidadehumana. Todo "projeto de libertação" que subestime e ignore a participação como um elemento básico docaminho ( e a meta) da libertação haverá de considerar-se com uma enorme desconfiança. Os cristãoscreem ter uma percepção especial da profundidade do mal e de suas diferentes manifestações, tanto sutiscomo de outro tipo. A melhor proteção contra todas as formas de fascismo e de totalitarismos é aparticipação plena e significativa do povo no processo de libertação. A organização para adquirir poder de uma forma que permita conquistar as metas da missão cristãse caracteriza sempre pela realidade da participação popular em todos os níveis e espaços da vida. Nasigrejas não pode ser diferente. Tanto mais as igrejas pertencem à herança de Jesus quanto elas foramexpressões de participação e co-responsabilidade entre todos/as os/as membros. 13. O  imperativo  da  resistência   Quem espera em Cristo não pode seguir aceitando a realidade tal como se apresenta, se não quecomeçam a sofrer sua consequências e opor-se a ela. A paz com Deus significa conflito com o mundo. Aesperança faz com que a Igreja Cristã seja um estorvo contínuo na sociedade. “Não vos conformeis comesse mudo, mas transformai-vos, renovando a vossa mente, a fim de poderdes discernir qual é a vontadede Deus, o que é bom, agradável e perfeito” (Rm 12:2). Esperar contra toda esperança e resistir são atitudes em defesa da plenitude da vida. É todaatitude e ação, individual e coletiva, que se opõe as forças que ameaçam aos seres humanos e a obracriadora de Deus no mundo ( entre estas ameaças concretas se encontram a exploração econômica, amarginalização e a perseguição das pessoas). Parece que cabe as igrejas esse papel de evangelizar no
  21. 21. sentido de ser realmente parábolas do Reino e espaços de vida e de relações“saudáveis/salvíficas/curadoras”. Por isso, o fato de que os cristãos estejam chamados a oferecer resistência não deveria sequerconsiderar-se como tema de discussão na comunidade cristã. Onde quer que as leis da sociedade violemde uma maneira flagrante e sistemática a lei de Deus, não deveria existir nenhuma dúvida de qual é odever cristão. Há muitas situações na vida nas quais obedecer a Deus exige desobedecer ao César. A desobediência às “coisas do mundo” se converterá em uma qualidade necessária da missãocristã sempre que as leis da sociedade prejudiquem gravemente aos seres humanos e ao planeta. Os cristãos estão unidos a Cristo e receberam do Espirito Santo o poder de participar na obradivina de libertar a criação para que esta seja totalmente conforme aos desígnios de Deus. Estar unido aCristo significa estar unido a uma comunidade que tem uma função especial no seio da humanidade e emfavor dela. A Igreja de Cristo - seu corpo - existe para o mundo. É um instrumento dos desígnios salvíficosde Deus para toda a criação, o plano divino " de reunir todas as coisas em Cristo, na dispensação documprimento dos tempos, assim as que estão nos céus como as que estão na terra"(Ef.1:10). Os cristãos que entregam sua vida pela cura da comunidade humana dão testemunho darealidade de Deus, de quem recebem sua força. Dão testemunho da plenitude de vida e da libertação deque gozam os filhos e filhas do Criador que vivem em uma comunidade nutrida por Aquele que é o pão davida. "Fazer a Missão" a maneira de Cristo é viver esta vida para o mundo. Esta comunidade encontra Deus na celebração do culto e na oração, assim como no ato de partiro pão, e encontra também Deus encarnado muito especialmente nos que sofrem. "Pai, aqueles me deu,quero que onde eu estiver também eles estejam comigo" (Jo 17:24). Encontramos Deus no faminto, noque padece frio e está nu; o encontramos no pobre e no prisioneiro. 14. Continuando  a  provocação   É muito desafiante atirar-se na direção do desconhecido ou do conhecido que sabemos quecomporta conflitos e desconfortos. A certeza cristã de que o Espírito do Senhor é nosso paráclito e estáconosco se mistura com o medo do desconforto (vento impetuoso) e do fogo que arde e incomoda (At 2).A beleza e a exigência intrínseca à identidade cristã da misericórdia e da graça misturam-se com nossaslimitações de compreensão das mesmas e nossa eterna tentativa, feito Jonas, de zangarmo-nos com
  22. 22. Deus que perdoa ímpios e pecadores ou de parecer com o filho mais velho da parábola do paimisericordioso de Lucas 15, indignado pela festa dada ao que havia se perdido e foi encontrado. É neste emaranhado de encontros e desencontros que seguimos em esperança eterna nosdesafiando e nos deixando desafiar pela fé militante e graciosa (graça plena que faz a ética e a estéticamisturarem-se) dada por Deus, que mesmo sabendo que no coração da humanidade habita o pecado e ainiquidade (Gn 6-8 e Rm 1-8) decidiu nunca mais destruir o mundo e tornar seu amor por nósinquebrantável, pois nada pode nos separar do amor de Cristo. “Que o caminho seja brando a teus pés o vento sopre leve em teus ombros, que o sol brilhe cálido sobre tua face, as chuvas caiam serenas em teus campos. E até que, de novo, eu te veja, Que Deus te guarde na palma da sua mão” (benção irlandesa)

×