História (Roma)

16.070 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.070
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.158
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
772
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História (Roma)

  1. 1. Roma<br />HISTÓRIA<br />
  2. 2. Roma: A Antiguidade clássica<br />Roma se localiza na Península Itálica, cujo solo é mais fértil que o da Península Balcânica (grega), tem costa pouco recortada ao contrário da Grécia.<br /> Haviam diversos tipos de <br /> habitantes, entre eles haviam<br /> os gauleses, etruscos e latinos<br />
  3. 3. Roma: A Antiguidade clássica<br />A origem de Roma possui uma versão mítica para sua fundação que é contada pelo mito de Rômulo e Remo.<br />
  4. 4. Roma: A Antiguidade clássica<br />Segundo essa lenda: Enéias, príncipe troiano (filho de Vênus), fugindo de sua cidade destruída pelos gregos, teria chegado ao Lácio e casado com a filha de um rei latino. Seus descendentes recém-nascidos, os gêmeos Rômulo e Remo, teriam sido jogados no Tibre, salvos e amamentados por uma loba e em seguida criados por camponeses. Conta a lenda que, quando fundaram Roma, Rômulo e Remo se desentenderam, tendo Rômulo matado Remo e se transformado no primeiro rei de Roma.<br />
  5. 5.
  6. 6. Roma: Período da realeza<br />Monarquia (753 a.C. 509 a.C)<br />A Documentação desse período é muito precária, pois é a fase mais remota de Roma. Durante esse período o rei tinha funções executivas, judiciais e religiosas, mas seus poderes eram limitados pelo legislativo – o Senado (ou Conselho dos Anciãos), que tinham o direito de veto e de sanção das leis apresentadas pelo rei.<br />
  7. 7.
  8. 8. Roma: Período da realeza<br />A sociedade romana durante a monarquia era dividida em três classes básicas:<br />Patrícios – considerados os cidadãos de Roma, possuíam gado e terra e constituíam a aristocracia romana<br />Plebeus – eram livres mais sem direitos políticos. Eram a classe de que obtinham-se a mão de obra.<br />Escravos – recrutados entre os derrotados em guerras ou plebeus endividados, não tinham nenhum direito.<br />
  9. 9. Roma: Período da república<br />Deu-se a queda da monarquia sob o pretexto que o rei era etrusco e não respeitava a aristocracia patrícia.<br />A queda da monarquia deu lugar a uma nova estrutura administrativa: a República. Onde o senado era o mais elevado poder da República romana.<br />Os plebeus constituíam grande parte da população romana, mas viviam em total marginalização política, os plebeus exigiam direitos políticos.<br />
  10. 10. Roma: Período da república<br />Diante de sua força em Roma, os patrícios cederam, e os plebeus ganharam representação por meio de dois tribunos da plebe. Onde eles tinham o direito de vetar decisões do Senado, e sua pessoa era considerada intocável e inviolável. Mas após várias revoltas plebéias, os patrícios convocaram dez juristas para redigir um código de leis. O resultado foi a elaboração da “Lei das 12 tábuas” (primeira compilação escrita das leis romanas).<br />
  11. 11.
  12. 12. Roma: Período da república<br />Dentre outras leis que favoreciam a classe plebéia, cabe destacar a “Lei de Canuleia”, que permitia o casamento entre patrícios e plebeus.<br />
  13. 13. Roma: Período da república<br />Expansão romana:<br />Roma conquistou a Itália, por causa da necessidade de preservar o abastecimento de produtos essenciais e de pôr fim a ameaças regionais. Uma vez conquistada a Itália era preciso conquistar Cartago, pois impedia sua expansão.<br />Guerras púnicas = <br />ROMA X CARTAGO <br />disputavam a Sicília. Vitória de Roma que dizimou Cartago em 146 a.C.<br />
  14. 14. Roma: Período da república<br />As consequências dessa expansão foi:<br />Riquezas<br />Aumento da escravidão<br />Novas classes.<br />
  15. 15. PATRÍCIOS<br />CLIENTES<br />PLEBEUS<br />ESCRAVOS<br />
  16. 16. Roma: Da República ao Alto Império<br />Tibério Graco foi eleito um tribuno da plebe, propôs uma lei que limitava a posse de terras: ninguém poderia possuir mais de 310 acres. O Estado ficaria com as terras que ultrapassassem esse limite e as arrendaria aos cidadãos pobres que, assim, teriam uma ocupação. O senado opôs-se violentamente a tais medidas e, em meio a grande tumulto, Tibério e mais 300 adeptos foram assassinados.<br />
  17. 17.
  18. 18. Roma: de República ao Alto Império<br />Dez anos depois do assassinato de seu irmão Tibério, Caio Graco elegeu-se tribuno. Também criou leis para melhorar as condições de vida da plebe – como a Lei Frumentária, que determinava a distribuição de trigo aos plebeus, a preço mais baixo. Caio Graco acabou sendo perseguido e exigiu de um escravo que o matasse.<br />
  19. 19. Tibério e Caio Graco.<br />
  20. 20. Roma: de República ao Alto Império<br />Guerras Civis:<br />Após a morte dos Graco, a crise romana se refletiu na formação de partidos: alguns, como os partidos aristocratas, preocupados com a manutenção da ordem existente: outros como os partidos populares, ansiando por reformas. Destacando-se o general Mário, defensor da plebe, e o general Sila, defensor dos conservadores. Mário foi eleito cônsul por seis vezes consecutivas, conseguindo transformar o exército, que era privilégio dos cidadãos, em um exército assalariados. Os soldados receberiam um soldo, uma participação nos espólios e, após 25 anos de carreira, um pedaço de terra.<br />
  21. 21. Roma: de República ao Alto Império<br />Com a morte de Mário, e surgiu Sila, que estabeleceu uma ditadura militar, expulsando e perseguindo violentamente os antigos seguidores do seu rival Mário e desarticulando os grupos políticos populares. Sila, já velho, abdicou do poder, e o período que se seguiu foi de aparente calmaria.<br />Sila<br /> Mário<br />
  22. 22. Roma: de República ao Alto Império<br />Um novo líder aristocrático, Pompeu, já despontava: conseguira abafar na Espanha uma revolta popular comandada por Sertório. Ao mesmo tempo, a revolta dos escravos liderada por Espártaco, projetou o general Crasso, que pôs fim ao levante. O prestígio militar alcançado por Pompeu e Crasso assegurou uma posição de destaque político romana, juntamente com o popular Júlio César. E o senado acabou elegendo esses três fortes candidatos ao Consulado.<br />
  23. 23. Primeiro Triunvirato<br />Júlio César<br />Pompeu<br />
  24. 24. Primeiro Triunvirato<br />Crasso morreu em combate na Pérsia.<br />Pompeu ao obter título de cônsul único, destituiu Júlio César do comando militar da Gália. César ao receber esta mensagem senatorial de sua destituição, encontrava-se às margens do rio Rubicão. Partiu então para Roma com suas tropas para enfrentar Pompeu, vencendo-o somente em Farsálias, na Grécia.<br />
  25. 25. Primeiro Triunvirato<br />Enquanto isso, crescia no Egito a disputa pelo poder local entre o faraó Ptolomeu e Cleópatra. Júlio César desembarcou em Alexandria e apoiou Cleópatra, levantando-a ao poder. Posteriormente, Júlio César dirigiu-se para a Ásia Menor e aniquilou as tropas sírias inimigas. Retornando a Roma, foi proclamado ditador vitalício, em clara oposição ao Senado. A revolta senatorial culminou com uma conspiração dirigida por Cássio e Brutus. Em 15 de março de 44 a.C., em pleno Senado, César foi assassinado a punhaladas.<br />
  26. 26.
  27. 27.
  28. 28. Primeiro Triunvirato<br />Sua morte gerou uma comoção popular, habilmente explorada por Marco Antônio, um dos grandes generais de Júlio César.<br />
  29. 29. Segundo Triunvirato<br />Marco Antônio, Otávio e Lépidos, os novos triúnviros, perseguiram e eliminaram opositores de César, enquanto nova crise se formava. Otávio, sobrinho de César, aproveitou-se da ausência de Marco Antônio, que se encontrava com Cleópatra, para ampliar seu poder. Anulou o poder de Lépido e declarou guerra a Marco Antônio. Na batalha naval, Otávio derrotou a frota de Marco Antônio e Cleópatra. Em Roma, o Senado conferiu a Otávio o título de princeps, o que abria caminho para o título de imperador. No futuro ele recebeu o título de imperador mesmo.<br />
  30. 30. Alto Império<br />De início essa etapa foi marcada pelo reinado de Otávio que agora chamava-se Augusto.<br />Foi considerado o “Século de Ouro”.<br />Foi um período de grandeza, de dinheiro.<br />Augusto embelezou Roma com magníficas construções.<br />Para “distrair” a população de seu governo, proporcionou grandes espetáculos de circo e distribuiu trigo ao povo. É dessa fase a prática do “Pão e Circo”.<br />Foi nesse período também que nasceu Jesus Cristo.<br />
  31. 31.
  32. 32. Baixo Império<br />O baixo império romano foi o período das crises, da anarquia e da conseqüente ruína de sua ordem política e social. <br />Começou com a chamada “PAX ROMANA” que é caracterizada pela frase “Parar as conquistas para consolidar as fronteiras”, o imperador romano parou com as conquistas de território porque não estava conseguindo organizar seu reino por causa da rápida expansão<br />
  33. 33. Baixo Império<br />Mas a PAX romana teve um resultado negativo, sem as conquistas, houve a falta dos escravos e dinheiro. <br />Foi nessa fase que surgiu o cristianismo, que só piorou a situação, o cristianismo foi adotado pela parcela de pessoas pobres pois prega uma vida eterna após a morte, porém o cristianismo é monoteísta indo em choque assim com o poder do Imperador. <br />
  34. 34. Baixo Império<br />O imperador achou que a solução seria perseguir os cristãos, mas teve resultado inverso, houve grande aumento do cristianismo.<br />Sem dinheiro, o império não podia pagar os soldados para trabalhar na proteção das fronteiras. <br />Os soldados então deixam de trabalhar, tornando Roma vulnerável a invasões.<br />Os bárbaros (povo vizinho) estavam sendo invadidos pelos “Hunos”, então os bárbaros fugiram para Roma. Dando assim o fim do Império Romano.<br />
  35. 35. Baixo Império<br />Entretanto, em meio a essa decadência do Baixo Império Romano destacaram-se alguns governantes. Vejamos os mais importantes e suas realizações:<br />DIOCLECIANO – criou a tetrarquia (4 imperadores)<br />Perseguiu os cristãos.<br />CONSTANTINO – criou “Edito de Milão” liberdade para os cristãos. (achou que assim o número de cristãos diminuiria).<br />TEODÓSIO – torna o cristianismo oficial em Roma, rodo mundo era obrigado a ser cristão.<br />Foi nesse momento que eles aboliram as olimpíadas, porque é um presente a Zeus, e o cristianismo é monoteísta. Ele dividiu Roma em: Ocidental e Oriental.<br />
  36. 36.
  37. 37. Roma Oriental: Bizântino<br />Foi o fim do Império Romano Ocidental por causa das invasões bárbaras. Mas a continuidade por mais ou menos 100 anos do Império Romano Oriental.<br />Na Roma Bizantina, o imperador era a autoridade máxima, chefe do exército e da igreja, política e tudo... Dando destaque ao imperador Justiniano que conseguiu ampliar os territórios.<br />Ele criou código de leis. (na verdade já existiam essas leis)<br />A religião era o cristianismo.<br />
  38. 38. Roma Oriental: Bizântino<br />A disputa pelo poder entre o imperador e o papa resultou na divisão da igreja do Oriente, dando formação ao que conhecemos de Igreja católica e Ortodoxa.<br />
  39. 39. Igreja Católica<br />Roma Ocidental (ocupadas pelos bárbaros)<br />É muito tradicional<br />O papa é autoridade máxima<br />O celibato (casar virgem, não usar camisinha...) é obrigatório<br />A imagem de adoração é tridimensional, esculturas...<br />
  40. 40. Igreja Ortodoxa<br />Roma Oriental<br />Não reconhecem a autoridade do papa<br />O celibato é opcional<br />E as imagens são bidimensionais: pinturas<br />Por causa do “culto a imagem” que é proibido.<br />
  41. 41. Fim do império bizantino com a invasão dos turcos.<br />

×