SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Queda do Império Romano do
Ocidente – 476 d.C. e o surgimento
do Feudalismo.
Prof. Izaac Erder Silva Soares
Uno Vértice
Crise no Império Romano do Ocidente
durante o século III: Fatores Internos
• Final das guerras de conquistas. Os romanos não conseguiam expandir
mais suas fronteiras e consequentemente não obtinham mais escravos.
Crise no Império Romano do Ocidente
durante o século III: Fatores Internos
• Os limites do Império Romano se tornam intransponíveis: ao sul o deserto do Saara; ao
norte as tribos Germânicas e hunas; ao oeste o oceano atlântico; e ao leste o deserto
da Arábia e o Império Persa.
• O Império entrou em crise após o colapso do sistema escravista, que teve de ser
substituído pelo sistema de colonato, que consistia na relação entre pessoas com
precárias condições de subsistência e grandes proprietários de terras, que contratavam
seus serviços e, em troca, ofereciam proteção e terras para o trabalho.
• Muitos proprietários que possuíam escravos passaram a libertá-los e a estabelecer
também o regime de colonato com eles. Esse processo acabou por provocar uma
decadência dos centros urbanos e da atividade comercial nas cidades.
• Outro fenômeno que ganhou proporção grandiosa em meio à crise do Império foi a
ascensão do cristianismo. Os cristãos, que já habitavam os domínios do Império há
bastante tempo, passaram a crescer numericamente. Os cristão questionavam as
principais bases do Império Romano: a escravidão e a origem divina do Imperador.
• A crise no sistema escravista criou uma reação em cadeia (uma coisa leva a outra) que
provocou a decadência interna no Império Romano
• Ainda devemos considerar a corrupção, as intrigas palacianas e militares que
constantemente levavam a guerras civis entre famílias e grupos romanos.
Ruralização do Império: O Colonato
Aviário: Galinhas, patos e
gansos.
Aviário: Galinhas, patos e
gansos.
Crise no Império Romano do Ocidente
durante o século III: Fatores Externos
• Pode-se afirmar que a lenta decadência do império, começara cerca de 200
anos antes, quando no ano de 285 o império foi dividido em império ocidental
(com sede em Roma, embora a capital administrativa estivesse desde o ano de
402 em Ravena nas costas do mar Adriático) e império oriental (com sede em
Bizâncio, posteriormente conhecida como Constantinopla, a atual Istambul).
• A divisão do império foi na altura o resultado da necessidade. Roma tinha
atingido o máximo da sua expansão e os seus exércitos já não eram exércitos
de conquistadores, mas apenas exércitos que mantinham as fronteiras do
império.
• À medida que os bárbaros foram invadindo o Império, buscou-se estabelecer
acordos com vistas a que eles, recebendo terras, se fixassem num
determinado território Em troca, ficavam a serviço do imperador para lutar
contra os inimigos de Roma.
• Os mais temidos dos povos bárbaros eram o hunos, que chegaram à Europa
em 375. Receosos dos hunos, os visigodos estabeleceram-se no Império
Romano, nas supracitadas condições. Como os hunos não atacaram, os
visigodos começaram a expandir seu domínio na região em que haviam se
estabelecido, o que levou o imperador Valente a tentar expulsá-los, sem
sucesso.
Crise no Império Romano do Ocidente
durante o século III: Fatores Externos
• As ondas migratórias dos povos bárbaros do norte da Europa e de regiões da Ásia em
direção a Roma, provocadas por transformações climáticas e outros fatores similares,
forçavam o Império a repelir os invasores e a mover progressivamente mais
contingentes do exército para a defesa do centro do Império, que era a cidade de Roma.
• Com a morte de Teodósio, seus dois filhos lhe sucederam: Honório, no Ocidente, e
Arcádio, no Oriente. Ambos eram auxiliados por chefes bárbaros. Nesse período têm
início as mais violentas investidas dos visigodos, dando início à sua grande invasão, que
culminou com a constituição do Reino Visigótico, construído dentro das fronteiras do
Império Romano do Ocidente. A esse evento, seguiram-se as invasões dos vândalos, dos
burgúndios e dos hunos. Ao final, somente restou a Itália sob o controle dos romanos.
• Em 476, o Império Romano do Ocidente ruiu por completo, com o assassinato do
imperador Júlio Nepos por Orestes, um huno. No mesmo ano, o filho de Orestes,
Rômulos Augústulus, que havia sido sagrado imperador no lugar de Julio Nepos, foi
deposto por Odoacro, rei dos hérulos, que se declarou rei da Itália e aliado do Oriente.
O Império parecia reunificado, mas era só aparência: o imperador tinha poder de
comando apenas no Oriente, pois no Ocidente o domínio era exclusivo dos bárbaros.
• Após a queda do Império Romano do Ocidente, os povos germânicos que passaram a
exercer controle sobre toda a região, não conseguiram estabelecer uma unidade
política ou econômica. As constantes guerras entre as tribos “bárbaras” e também
contra os antigos nobres romanos, e ainda a falta de estruturas administrativas levou a
região a enfrentar tempo de constantes conflitos e acentuada descentralização do
poder... O início da Idade média e do feudalismo, modelo político e econômico
predominante na maior parte da Europa ocidental pelos próximos séculos.
Europa Ocidental: o Feudalismo
• A queda do Império Romano do Ocidente levou a grandes mudanças
econômicas e sociais na Europa, alterado completamente o sistema de
propriedade e de produção característicos da Antiguidade.
• As constantes guerras e conflitos entre os vários reinos “bárbaros” que se
formaram na Europa depois da queda de Roma criaram um ambiente
hostil e de constante estado de alerta, o que praticamente impossibilitou
as relações comerciais nos centros urbanos europeus.
• Com a decadência dos núcleos urbanos e do comercio, uma nova ordem
social começou a se formar a partir do colonato, uma antiga estrutura
rural do império romano.
• Nessas estruturas, antigos nobres romanos e lideres bárbaros passaram a
construir novos núcleos que caracterizariam a sociedade medieval.
Podemos destacar as características principais desses núcleos: auto-
suficiente; rural; produção de subsistência; fortificações para a defesa de
ataques; exércitos próprios; ausência de comércio; mobilidade social nula.
Colonato:
• Os servos surgem como uma forma de contornar a falta de escravos nos campos
romanos
Colonato:
• Com o tempo, os colonatos se tornaram maiores e mais bem defendidos,
contando inclusive com muralhas e exércitos particulares.
Colonato/Feudo:
• Com a queda de Roma e o colapso dos núcleos urbanos , o colonato se tornou
uma estrutura dominante na Europa ocidental, posteriormente veio a se
transformar nos feudos medievais.
Europa Ocidental: o Feudalismo
• O feudalismo se origina do colonato, estrutura que surge durante a crise
romana do século III e com as invasões germânicas no século V.
• As características gerais do feudalismo são: poder descentralizado (nas mãos
dos senhores feudais, visto que não mais existia um poder centralizado);
economia baseada na agricultura de subsistência (produção unicamente para
o consumo); utilização do trabalho dos servos (que estavam presos as terras
onde viviam); construções fortificadas (para a defesa contra os feudos
inimigos – os Castelos) e exércitos particulares (os cavaleiros, também para a
defesa contra os feudos inimigos)
• Neste período o comércio era praticamente inexistente, ocorria internamente
nos feudos (antigos colonatos) e era realizado através das trocas de produtos,
sendo as moedas quase inexistentes.
• Prevaleceram na Idade Média as relações de vassalagem e suserania. O
suserano era quem dava um lote de terra ao vassalo, sendo que este último
deveria prestar fidelidade e ajuda ao seu suserano. O vassalo oferece ao
senhor, ou suserano, fidelidade e trabalho, em troca de proteção e um lugar
no sistema de produção. As redes de vassalagem se estendiam por várias
regiões, sendo o rei o suserano mais poderoso.
• Todos os poderes, jurídico, econômico e político concentravam-se nas mãos
dos senhores feudais, donos de lotes de terras (feudos).
Europa Ocidental: o Feudalismo
• A sociedade feudal era estática, com pouca mobilidade social e hierarquizada,
dividida em três estados. 1º: A nobreza feudal (senhores feudais, cavaleiros,
condes, duques, viscondes) era detentora de terras e arrecadava impostos dos
camponeses. 2º: O clero (membros da Igreja Católica) tinha um grande poder,
pois era responsável pela proteção espiritual da sociedade. Era isento de
impostos e arrecadava o dízimo. 3º: O restante da população, era formada
pelos servos (camponeses) e pequenos artesãos. Os servos deviam pagar
várias taxas e tributos aos senhores feudais, tais como: corvéia (trabalho de 3
a 4 dias nas terras do senhor feudal), talha (metade da produção), banalidade
(taxas pagas pela utilização do moinho e forno do senhor feudal).
• Na Idade Média, a Igreja Católica dominava o cenário religioso. Detentora do
poder espiritual, a Igreja influenciava o modo de pensar, a psicologia e as
formas de comportamento na Idade Média. A igreja também tinha grande
poder econômico, pois possuía terras em grande quantidade e até mesmo
servos trabalhando. Os monges viviam em mosteiros e eram responsáveis pela
proteção espiritual da sociedade. Passavam grande parte do tempo rezando e
copiando livros e a Bíblia.
• A Idade Média ficou também conhecida como “Idade das Trevas” pois as Igreja
afirmava que o final dos tempos estava muito próximo.
Sociedade Medieval
Senhor Feudal ou Rei
Clero
Nobreza
Resto da população
Feudo
Queda do império romano do ocidente – 476
Queda do império romano do ocidente – 476

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoLeonardo Caputo
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisDouglas Barraqui
 
Civilização Maia
Civilização MaiaCivilização Maia
Civilização Maiaeiprofessor
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e culturaFatima Freitas
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSElvisJohnR
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundialFatima Freitas
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america edna2
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Nefer19
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo ITransicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo IAlexandre Protásio
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Nefer19
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCreusa Lima
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoMunis Pedro
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade médiaEduard Henry
 

Mais procurados (20)

Historia Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8anoHistoria Iluminismo 8ano
Historia Iluminismo 8ano
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Civilização Maia
Civilização MaiaCivilização Maia
Civilização Maia
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
17 sociedade feudal
17   sociedade feudal17   sociedade feudal
17 sociedade feudal
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e cultura
 
Povos germânicos
Povos germânicosPovos germânicos
Povos germânicos
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo ITransicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Capitanias hereditárias
Capitanias hereditáriasCapitanias hereditárias
Capitanias hereditárias
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 

Destaque

A Queda do Império Romano do Oriente.
A Queda do Império Romano do Oriente. A Queda do Império Romano do Oriente.
A Queda do Império Romano do Oriente. Adail Silva
 
História da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteHistória da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteGlauco Gonçalves
 
Cisma do ocidente
Cisma do ocidenteCisma do ocidente
Cisma do ocidenteDiego Silva
 
Império bizantino filé
Império bizantino filéImpério bizantino filé
Império bizantino filémundica broda
 
O grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidenteO grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidenteJoão Couto
 

Destaque (8)

A Queda do Império Romano do Oriente.
A Queda do Império Romano do Oriente. A Queda do Império Romano do Oriente.
A Queda do Império Romano do Oriente.
 
História da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do OrienteHistória da Igreja - O Cisma do Oriente
História da Igreja - O Cisma do Oriente
 
Cisma do ocidente
Cisma do ocidenteCisma do ocidente
Cisma do ocidente
 
Império bizantino filé
Império bizantino filéImpério bizantino filé
Império bizantino filé
 
O Cisma do Oriente
O Cisma do OrienteO Cisma do Oriente
O Cisma do Oriente
 
O grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidenteO grande cisma do ocidente
O grande cisma do ocidente
 
Império bizantino
Império bizantinoImpério bizantino
Império bizantino
 
Queda do império
Queda do impérioQueda do império
Queda do império
 

Semelhante a Queda do império romano do ocidente – 476

Semelhante a Queda do império romano do ocidente – 476 (20)

O início do feudalismo
O início do feudalismoO início do feudalismo
O início do feudalismo
 
Da república para o império roma antiga
Da república para o império   roma antigaDa república para o império   roma antiga
Da república para o império roma antiga
 
Idade.media.resumo
Idade.media.resumoIdade.media.resumo
Idade.media.resumo
 
Alta Idade Média e feudalismo
Alta Idade Média e feudalismoAlta Idade Média e feudalismo
Alta Idade Média e feudalismo
 
4
44
4
 
Roma antiga queda e ancensão
Roma antiga queda e ancensãoRoma antiga queda e ancensão
Roma antiga queda e ancensão
 
Feudalismo início
Feudalismo   inícioFeudalismo   início
Feudalismo início
 
Feudalismo 1°J
Feudalismo 1°JFeudalismo 1°J
Feudalismo 1°J
 
A crise no império romano
A crise no império romanoA crise no império romano
A crise no império romano
 
Feudalismo início
Feudalismo   inícioFeudalismo   início
Feudalismo início
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualização
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Roma antiga resumo
Roma antiga resumoRoma antiga resumo
Roma antiga resumo
 
Roma antiga da república ao império
Roma antiga   da república ao impérioRoma antiga   da república ao império
Roma antiga da república ao império
 
Feudalismo e crise
Feudalismo e criseFeudalismo e crise
Feudalismo e crise
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
A queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidenteA queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidente
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
Koneski Formação do feudalismo Corrigido
Koneski Formação do feudalismo CorrigidoKoneski Formação do feudalismo Corrigido
Koneski Formação do feudalismo Corrigido
 

Mais de Izaac Erder

Brasil república 1945-1964
Brasil república   1945-1964Brasil república   1945-1964
Brasil república 1945-1964Izaac Erder
 
Unificação ita ale xix
Unificação ita ale xixUnificação ita ale xix
Unificação ita ale xixIzaac Erder
 
culturas pre-colombianas
culturas pre-colombianasculturas pre-colombianas
culturas pre-colombianasIzaac Erder
 
Mural de san bartolo
Mural de san bartoloMural de san bartolo
Mural de san bartoloIzaac Erder
 
O império macedônico e alexandre iii o
O império macedônico e alexandre iii   oO império macedônico e alexandre iii   o
O império macedônico e alexandre iii oIzaac Erder
 
Grandes navegações século xv e xvi
Grandes navegações século xv e xviGrandes navegações século xv e xvi
Grandes navegações século xv e xviIzaac Erder
 
Sociedade creto minóica
Sociedade creto minóicaSociedade creto minóica
Sociedade creto minóicaIzaac Erder
 
Grécia pré homérica
Grécia pré homéricaGrécia pré homérica
Grécia pré homéricaIzaac Erder
 
Neocolonialismo e 1ª guerra
Neocolonialismo e 1ª guerraNeocolonialismo e 1ª guerra
Neocolonialismo e 1ª guerraIzaac Erder
 
1914 Atentado e morte em sarajevo
1914   Atentado e morte em sarajevo1914   Atentado e morte em sarajevo
1914 Atentado e morte em sarajevoIzaac Erder
 
1º guerra (fases e desdobramentos)
1º guerra (fases e desdobramentos) 1º guerra (fases e desdobramentos)
1º guerra (fases e desdobramentos) Izaac Erder
 
1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano
1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano
1ª guerra - Plano de Aula 9º AnoIzaac Erder
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República VelhaIzaac Erder
 
O brasil na pré-história
O brasil na pré-históriaO brasil na pré-história
O brasil na pré-históriaIzaac Erder
 
Pré história do território brasileiro
Pré história do território brasileiroPré história do território brasileiro
Pré história do território brasileiroIzaac Erder
 

Mais de Izaac Erder (20)

Brasil república 1945-1964
Brasil república   1945-1964Brasil república   1945-1964
Brasil república 1945-1964
 
Images
ImagesImages
Images
 
Unificação ita ale xix
Unificação ita ale xixUnificação ita ale xix
Unificação ita ale xix
 
culturas pre-colombianas
culturas pre-colombianasculturas pre-colombianas
culturas pre-colombianas
 
Mural de san bartolo
Mural de san bartoloMural de san bartolo
Mural de san bartolo
 
Maias 2
Maias 2Maias 2
Maias 2
 
Maias
MaiasMaias
Maias
 
O império macedônico e alexandre iii o
O império macedônico e alexandre iii   oO império macedônico e alexandre iii   o
O império macedônico e alexandre iii o
 
Grandes navegações século xv e xvi
Grandes navegações século xv e xviGrandes navegações século xv e xvi
Grandes navegações século xv e xvi
 
Sociedade creto minóica
Sociedade creto minóicaSociedade creto minóica
Sociedade creto minóica
 
Micenas
MicenasMicenas
Micenas
 
Grécia pré homérica
Grécia pré homéricaGrécia pré homérica
Grécia pré homérica
 
Fenícios
Fenícios Fenícios
Fenícios
 
Neocolonialismo e 1ª guerra
Neocolonialismo e 1ª guerraNeocolonialismo e 1ª guerra
Neocolonialismo e 1ª guerra
 
1914 Atentado e morte em sarajevo
1914   Atentado e morte em sarajevo1914   Atentado e morte em sarajevo
1914 Atentado e morte em sarajevo
 
1º guerra (fases e desdobramentos)
1º guerra (fases e desdobramentos) 1º guerra (fases e desdobramentos)
1º guerra (fases e desdobramentos)
 
1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano
1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano
1ª guerra - Plano de Aula 9º Ano
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
 
O brasil na pré-história
O brasil na pré-históriaO brasil na pré-história
O brasil na pré-história
 
Pré história do território brasileiro
Pré história do território brasileiroPré história do território brasileiro
Pré história do território brasileiro
 

Último

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxMarceloMonteiro213738
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 

Último (20)

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 

Queda do império romano do ocidente – 476

  • 1. Queda do Império Romano do Ocidente – 476 d.C. e o surgimento do Feudalismo. Prof. Izaac Erder Silva Soares Uno Vértice
  • 2. Crise no Império Romano do Ocidente durante o século III: Fatores Internos • Final das guerras de conquistas. Os romanos não conseguiam expandir mais suas fronteiras e consequentemente não obtinham mais escravos.
  • 3. Crise no Império Romano do Ocidente durante o século III: Fatores Internos • Os limites do Império Romano se tornam intransponíveis: ao sul o deserto do Saara; ao norte as tribos Germânicas e hunas; ao oeste o oceano atlântico; e ao leste o deserto da Arábia e o Império Persa. • O Império entrou em crise após o colapso do sistema escravista, que teve de ser substituído pelo sistema de colonato, que consistia na relação entre pessoas com precárias condições de subsistência e grandes proprietários de terras, que contratavam seus serviços e, em troca, ofereciam proteção e terras para o trabalho. • Muitos proprietários que possuíam escravos passaram a libertá-los e a estabelecer também o regime de colonato com eles. Esse processo acabou por provocar uma decadência dos centros urbanos e da atividade comercial nas cidades. • Outro fenômeno que ganhou proporção grandiosa em meio à crise do Império foi a ascensão do cristianismo. Os cristãos, que já habitavam os domínios do Império há bastante tempo, passaram a crescer numericamente. Os cristão questionavam as principais bases do Império Romano: a escravidão e a origem divina do Imperador. • A crise no sistema escravista criou uma reação em cadeia (uma coisa leva a outra) que provocou a decadência interna no Império Romano • Ainda devemos considerar a corrupção, as intrigas palacianas e militares que constantemente levavam a guerras civis entre famílias e grupos romanos.
  • 4. Ruralização do Império: O Colonato Aviário: Galinhas, patos e gansos. Aviário: Galinhas, patos e gansos.
  • 5. Crise no Império Romano do Ocidente durante o século III: Fatores Externos • Pode-se afirmar que a lenta decadência do império, começara cerca de 200 anos antes, quando no ano de 285 o império foi dividido em império ocidental (com sede em Roma, embora a capital administrativa estivesse desde o ano de 402 em Ravena nas costas do mar Adriático) e império oriental (com sede em Bizâncio, posteriormente conhecida como Constantinopla, a atual Istambul). • A divisão do império foi na altura o resultado da necessidade. Roma tinha atingido o máximo da sua expansão e os seus exércitos já não eram exércitos de conquistadores, mas apenas exércitos que mantinham as fronteiras do império. • À medida que os bárbaros foram invadindo o Império, buscou-se estabelecer acordos com vistas a que eles, recebendo terras, se fixassem num determinado território Em troca, ficavam a serviço do imperador para lutar contra os inimigos de Roma. • Os mais temidos dos povos bárbaros eram o hunos, que chegaram à Europa em 375. Receosos dos hunos, os visigodos estabeleceram-se no Império Romano, nas supracitadas condições. Como os hunos não atacaram, os visigodos começaram a expandir seu domínio na região em que haviam se estabelecido, o que levou o imperador Valente a tentar expulsá-los, sem sucesso.
  • 6.
  • 7. Crise no Império Romano do Ocidente durante o século III: Fatores Externos • As ondas migratórias dos povos bárbaros do norte da Europa e de regiões da Ásia em direção a Roma, provocadas por transformações climáticas e outros fatores similares, forçavam o Império a repelir os invasores e a mover progressivamente mais contingentes do exército para a defesa do centro do Império, que era a cidade de Roma. • Com a morte de Teodósio, seus dois filhos lhe sucederam: Honório, no Ocidente, e Arcádio, no Oriente. Ambos eram auxiliados por chefes bárbaros. Nesse período têm início as mais violentas investidas dos visigodos, dando início à sua grande invasão, que culminou com a constituição do Reino Visigótico, construído dentro das fronteiras do Império Romano do Ocidente. A esse evento, seguiram-se as invasões dos vândalos, dos burgúndios e dos hunos. Ao final, somente restou a Itália sob o controle dos romanos. • Em 476, o Império Romano do Ocidente ruiu por completo, com o assassinato do imperador Júlio Nepos por Orestes, um huno. No mesmo ano, o filho de Orestes, Rômulos Augústulus, que havia sido sagrado imperador no lugar de Julio Nepos, foi deposto por Odoacro, rei dos hérulos, que se declarou rei da Itália e aliado do Oriente. O Império parecia reunificado, mas era só aparência: o imperador tinha poder de comando apenas no Oriente, pois no Ocidente o domínio era exclusivo dos bárbaros. • Após a queda do Império Romano do Ocidente, os povos germânicos que passaram a exercer controle sobre toda a região, não conseguiram estabelecer uma unidade política ou econômica. As constantes guerras entre as tribos “bárbaras” e também contra os antigos nobres romanos, e ainda a falta de estruturas administrativas levou a região a enfrentar tempo de constantes conflitos e acentuada descentralização do poder... O início da Idade média e do feudalismo, modelo político e econômico predominante na maior parte da Europa ocidental pelos próximos séculos.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. Europa Ocidental: o Feudalismo • A queda do Império Romano do Ocidente levou a grandes mudanças econômicas e sociais na Europa, alterado completamente o sistema de propriedade e de produção característicos da Antiguidade. • As constantes guerras e conflitos entre os vários reinos “bárbaros” que se formaram na Europa depois da queda de Roma criaram um ambiente hostil e de constante estado de alerta, o que praticamente impossibilitou as relações comerciais nos centros urbanos europeus. • Com a decadência dos núcleos urbanos e do comercio, uma nova ordem social começou a se formar a partir do colonato, uma antiga estrutura rural do império romano. • Nessas estruturas, antigos nobres romanos e lideres bárbaros passaram a construir novos núcleos que caracterizariam a sociedade medieval. Podemos destacar as características principais desses núcleos: auto- suficiente; rural; produção de subsistência; fortificações para a defesa de ataques; exércitos próprios; ausência de comércio; mobilidade social nula.
  • 12. Colonato: • Os servos surgem como uma forma de contornar a falta de escravos nos campos romanos
  • 13. Colonato: • Com o tempo, os colonatos se tornaram maiores e mais bem defendidos, contando inclusive com muralhas e exércitos particulares.
  • 14. Colonato/Feudo: • Com a queda de Roma e o colapso dos núcleos urbanos , o colonato se tornou uma estrutura dominante na Europa ocidental, posteriormente veio a se transformar nos feudos medievais.
  • 15. Europa Ocidental: o Feudalismo • O feudalismo se origina do colonato, estrutura que surge durante a crise romana do século III e com as invasões germânicas no século V. • As características gerais do feudalismo são: poder descentralizado (nas mãos dos senhores feudais, visto que não mais existia um poder centralizado); economia baseada na agricultura de subsistência (produção unicamente para o consumo); utilização do trabalho dos servos (que estavam presos as terras onde viviam); construções fortificadas (para a defesa contra os feudos inimigos – os Castelos) e exércitos particulares (os cavaleiros, também para a defesa contra os feudos inimigos) • Neste período o comércio era praticamente inexistente, ocorria internamente nos feudos (antigos colonatos) e era realizado através das trocas de produtos, sendo as moedas quase inexistentes. • Prevaleceram na Idade Média as relações de vassalagem e suserania. O suserano era quem dava um lote de terra ao vassalo, sendo que este último deveria prestar fidelidade e ajuda ao seu suserano. O vassalo oferece ao senhor, ou suserano, fidelidade e trabalho, em troca de proteção e um lugar no sistema de produção. As redes de vassalagem se estendiam por várias regiões, sendo o rei o suserano mais poderoso. • Todos os poderes, jurídico, econômico e político concentravam-se nas mãos dos senhores feudais, donos de lotes de terras (feudos).
  • 16.
  • 17. Europa Ocidental: o Feudalismo • A sociedade feudal era estática, com pouca mobilidade social e hierarquizada, dividida em três estados. 1º: A nobreza feudal (senhores feudais, cavaleiros, condes, duques, viscondes) era detentora de terras e arrecadava impostos dos camponeses. 2º: O clero (membros da Igreja Católica) tinha um grande poder, pois era responsável pela proteção espiritual da sociedade. Era isento de impostos e arrecadava o dízimo. 3º: O restante da população, era formada pelos servos (camponeses) e pequenos artesãos. Os servos deviam pagar várias taxas e tributos aos senhores feudais, tais como: corvéia (trabalho de 3 a 4 dias nas terras do senhor feudal), talha (metade da produção), banalidade (taxas pagas pela utilização do moinho e forno do senhor feudal). • Na Idade Média, a Igreja Católica dominava o cenário religioso. Detentora do poder espiritual, a Igreja influenciava o modo de pensar, a psicologia e as formas de comportamento na Idade Média. A igreja também tinha grande poder econômico, pois possuía terras em grande quantidade e até mesmo servos trabalhando. Os monges viviam em mosteiros e eram responsáveis pela proteção espiritual da sociedade. Passavam grande parte do tempo rezando e copiando livros e a Bíblia. • A Idade Média ficou também conhecida como “Idade das Trevas” pois as Igreja afirmava que o final dos tempos estava muito próximo.
  • 18. Sociedade Medieval Senhor Feudal ou Rei Clero Nobreza Resto da população
  • 19. Feudo