Colossenses - Cap. 01 parte 05 e cap. 02 - parte 01

769 visualizações

Publicada em

Estudo do Livro de Colossenses

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
769
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Colossenses - Cap. 01 parte 05 e cap. 02 - parte 01

  1. 1. As marcas do ministério de Paulo Cap.01:24-29 e Cap.02: 01-03
  2. 2. Depois de enfatizar a supremacia da Pessoa e da Obra de Cristo, Paulo dá seu testemunho acerca da excelência de seu ministério. Podemos dividir em quatro importantes marcas: 24: Alegria mesmo em meio ao sofrimento 25-27: Um ministério de serviço 28: Um ministério pastoral 29 e 02:01-03: Um ministério de muito trabalho Acompanhemos as riquezas desta trajetória de um verdadeiro “gigante da fé”!
  3. 3. Verso 24: Sofrimento e alegria parecem ser coisas muito diferentes. É quase inconcebível para o homem pós moderno aceitar a ideia de alegria com sofrimento. Somos habituados a ouvir que não existe alegria em meio ao sofrimento. Mas Paulo está sofrendo e mesmo assim está feliz. O sofrimento do apóstolo é por causa de Cristo. Não é um sofrimento como foi de Cristo: expiatório. Mas é um sofrimento relacionado ao testemunho do cristão. São as pressões desta vida, as aflições de ser perseguido por amor a Cristo. Assim como Jesus sofreu perseguições, os cristãos sofrerão em todos os tempos e eras. As aflições de Cristo são como herança para os cristãos.
  4. 4. A igreja não é mais fiel por ser perseguida, porém é mais perseguida por ser mais fiel. “Os cristãos que não experimentam as aflições de Cristo talvez estejam cortando suas cruzes para deixá-las mais leves” - Hernandes Dias Lopes. Outro grande pregador, Willian Hendriksen afirma: “Embora Cristo não esteja mais presente fisicamente neste mundo, as perseguições são como setas destinadas a Ele, sendo cravadas em Seus seguidores”. Neste sentido é correto afirmar que a perseguição a Cristo continua através dos séculos, na vida de Seus fiéis discípulos. O apóstolo se alegrava em participar deste sofrimento.
  5. 5. Quando um cristão sofre por causa de Cristo, deve considerar o fato como uma honra - I Pedro 04:14. Jesus já havia dito aqueles que sofrem por amor a Ele são bem aventurados – Mateus 05:10-12. O apóstolo Paulo tinha três grandes sofrimentos: A) Aflições provocadas pelos inimigos de Cristo. Paulo enfrentou acusações de conspiração, traição e motins. Tantos os judeus como os gentios se voltaram contra ele. Foi colocado no banco dos réus e foi condenado à morte.
  6. 6. B) Sofrimento pelo cansaço (29). Paulo não parava de anunciar o Evangelho. Enfrentou pressões externas e internas, mas suas mãos jamais rejeitaram o arado. Cruzou desertos, mares, percorreu terras distantes e pregou a Palavra de Cristo dia e noite, são e doente, em liberdade ou na prisão. Trabalhou no limite de suas forças e jamais se deixou abater pelo cansaço. Ele não se queixa de dores nas costas, nas pernas, ou de cabeça. Ele não se queixa que já havia feito muita coisa, mesmo com quase 70 anos. Ele não se queixa do stress ou porque carregava um fardo muito pesado! Ele não se queixa que estava longe da família ou de sua casa! Trabalhou no limite de suas forças, mesmo esgotado ele prosseguiu.
  7. 7. C) Sofrimento na luta de oração (02:01). Paulo agonizava em oração pela Igreja. Orar para ele era entrar em uma batalha carregada de agonia e sofrimento pela Igreja de Cristo. Ele orava até seus limites, clamando pela Igreja e por vidas que conhecia. Notemos que Paulo não ora por sua família, por uma vida desprovida de problemas ou por certo conforto pessoal. Ele ora pela Igreja e pela pregação do Evangelho! Se ainda houvesse homens como Paulo, dispostos a clamar pela Igreja de Cristo em nossos dias, a chorar aos Pés de Cristo pela propagação do Evangelho, a Igreja de nossos dias seria muito mais vitoriosa e estaria cumprindo verdadeiramente seu papel.
  8. 8. O apóstolo sofria pela Igreja. Em tempos passados ele havia se tornado o maior perseguidor da Igreja, agora porém ele sofre pela Igreja. Antes era um perseguidor mas agora é perseguido por causa da Igreja. Antes lutava para destruir a Igreja, agora luta para edificar a Igreja. Agora o apóstolo faz parte do corpo de Cristo que é a Igreja! Paulo sofria o tempo todo por amor a Igreja de Cristo! Ele não suportava ver as pessoas no pecado, em cegueira espiritual, em frieza e descaso para com Jesus. Paulo é alguém extremamente compromissado com o Evangelho de Cristo.
  9. 9. Vs. 25-27: Paulo tinha um ministério de serviço fiel. Ele não apenas é servo de Cristo, mas “diácono” – aquele que serve a Igreja de Cristo. Ele se gastava por amor a Cristo e Sua Igreja. Paulo não busca seus próprios interesses, mas os de Cristo. Ele não é um explorador da Igreja, mas um ministro fiel. Ele não explora a Igreja, mas, se sacrifica para que ela seja edificada. Paulo alimentava o povo de Deus como bom despenseiro (mordomo). Também o apóstolo era o maior proclamador do Evangelho em seus dias. Ele afirma esta verdade nos versos 26 e 27. A palavra “mistério” na literatura judaica não inclui a ideia de uma doutrina incompreensível, mas, uma verdade anteriormente oculta que agora era revelada.
  10. 10. Um “mistério” é um segredo santo, oculto no passado, mas revelado no presente pelo Espírito Santo. Willian Barclay afirma categoricamente: “O mistério estava no fato de que a Glória e a esperança do Evangelho não eram apenas para os judeus, mas também para todos os homens em todas as partes”. O “mistério” da Obra de Cristo estava oculto no Antigo Testamento e para muitos, continua oculto por causa da cegueira espiritual reinante em nossos dias. O Diabo mantém os incrédulos cegos às verdades de Deus. A proclamação do “mistério” era o que ocupava a vida e o coração do apóstolo. A pessoa bendita de Jesus deve ser proclamada a todos os homens, em todos os lugares e em todos os tempos (28).
  11. 11. O ministério pastoral de Paulo girava em torno de três atividades fundamentais para qualquer pastor (28): proclamar (anunciar), advertir (corrigir) e ensinar (discipular). Proclamar (anunciar): Sua missão era anunciar Cristo aos judeus e gentios e não a si mesmo. Por onde passava Paulo deixava o lugar sob verdadeira revolução. Ele na verdade não considerava a vida preciosa para si mesmo desde que anunciasse o Evangelho da Graça de Deus. Sua vida era pregar que o Reino de Deus havia chegado, tanto para judeus, quanto para os gentios.
  12. 12. Advertir (corrigir) todo homem: Não se cumpre o chamado de Deus apenas anunciando o Evangelho. Muitas pessoas precisam ser advertidas sobre os riscos do pecado e sobre as mentiras de Satanás – Atos 20:31. É uma advertência com lágrimas, com amor, como faz um pai ou uma mãe ao filho que desobedeceu ou que está em perigo. Advertir é uma palavra que pertence à pedagogia do Novo Testamento. Fala de instrução de caráter, de cuidado pastoral, de correção. O problema que hoje em dia a maioria quase absoluta das pessoas (incluindo os crentes em Jesus) não aceitam mais ser corrigidos. Seus corações estão como o do povo no deserto : estão obcecados por si mesmos e obstinados.
  13. 13. Ensinar (discipular): É algo extremamente importante! Não basta advertir as pessoas, é preciso ensinar-lhes a verdade. Cristãos recém convertidos precisam ser ensinados, eles precisam aprender sobre doutrina e vida cristã. O ensino de Paulo não era apenas teórico, mas sobretudo prático. Mas engana-se que aprendizado é apenas para os mais novos da fé. Todo cristão realmente comprometido com Cristo tem prazer em aprender. Na verdade a Bíblia não esconde que o povo erra por pura falta de conhecimento. O ensino sempre fez parte do ministério de Jesus. Ele é o exemplo maior que temos na Bíblia de alguém que ensina, por isso é chamado de “Mestre”!
  14. 14. A Igreja precisa urgentemente ter discernimento espiritual. Ela não pode seguir os ventos de doutrina nem ser vulnerável à sutileza dos falsos profetas. A Igreja precisa ter convicção e entendimento para compreender a Cristo. É preciso buscar todos os dias sabedoria e conhecimento. Os tesouros desta sabedoria estão ocultos em Cristo, para que sejam descobertos, explorados e apropriados. Nem homens, nem anjos, nem outra criatura tem algo a nos oferecer que não possa ser encontrado em Cristo. Em Jesus o conhecimento jamais está separado da sabedoria, como comumente acontece entre os homens.
  15. 15. Próxima semana: A IGREJA VERDADEIRA SOB ATAQUE Cap. 02:04-15

×