Jeif manha julho

847 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
847
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jeif manha julho

  1. 1. Dia 19/07/2010 Jornada Pedagógica Pauta Objetivos:  Avaliar ações desenvolvidas no 1º semestre contidas no Projeto Pedagógico e indicar os encaminhamentos e ações a serem priorizadas no 2º semestre.  Refletir sobre a qualidade da articulação das ações de acompanhamento do Projeto Pedagógico pela equipe gestora. Conclusão Os projetos realizados no 1º semestre, visando à aquisição de competências por parte dos alunos, deverão ter continuidade no 2º semestre: Projeto Ler e Escrever e pensamos também juntamente com o Supervisor Silvio Guarde, iniciarmos o projeto de recuperação paralela. Dia 20/07/2010 Pauta Prioridades e propostas de ação, considerando o processo de ensino e aprendizagem e avanços percebidos no 1º semestre para retomada e continuidade no 2º semestre.  Ler e Escrever  Raciocínio lógico e matemático  Escrever com real competência escritora Conclusão Atividade para aprendizagem e aquisição de competências através de recuperação paralela.
  2. 2. Dia 21/07/2010 Pauta  Revista Nova Escola – Gestão Escolar – junho/julho 2010 – Gestão da Comunidade Quando a inclusão está incorporada ao dia-a-dia da escola, a chegada de colegas de inclusão é tranqüila. Em casos de deficiências mais complexas a orientação deve ser dada professores e funcionários e deve-se conversar com os alunos. Deve-se elaborar m projeto institucional envolvendo alunos e comunidade reforçando o trabalho de formação de valores. A matrícula é obrigatória, havendo preconceito e insegurança por parte dos pais deve-se trabalhar conjuntamente a resistência de pais de crianças comuns e mostrar os benefícios aos pais das crianças comuns e também das crianças especiais, deve-se argumentar com a força da lei e mostrar que a inclusão é crescimento para todos. Conclusão Fundamenta-se e explica-se a inclusão como um processo de mão dupla, em que todos, com deficiência ou não, aprendem pela interação e diversidade. Dia 22/07/2010 Pauta  Revista Nova Escola – Gestão Escolar – junho/julho 2010 Gestão do Espaço O MEC libera recursos financeiros para ações de acessibilidade física, como rampas e elevadores, sinalização tátil em paredes e no chão, corrimões, portas e corredores largos, banheiros adaptados (vasos sanitários, pias, toalheiros e barras). Conclusão Ao buscar informações nas Secretarias de Educação e instituições que apóiam a inclusão, cabe ao gestor se atualizar sobre tudo o que está disponível. O processo de disponibilização de recursos nem sempre é rápido e exige do gestor criatividade para substituir a falta momentânea do material.
  3. 3. Dia 26/07/2010 Pauta  Discussão: A Prova da Cidade  Discussão: Recuperação Paralela  Revista Nova Escola – junho/julho 2010 – Repetência Ronaldo Nunes Em todas as escolas do mundo existem alunos melhores, e outros piores e quem deve garantir que avancem são professores, coordenadores pedagógicos e diretores. Reforço, recuperação paralela deve ser o caminho para a aquisição da competência pelos alunos. Conclusão A recuperação paralela é um meio eficaz que garante a aprendizagem, já que a abordagem é feita de maneira diferente do que na classe. Dia 27/07/2010 Pauta  Revista Nova Escola – junho/julho 2010-08-18  Aprender na prática; Alexandre Barros A pouca familiaridade com o ambiente escolar, a falta de prática pedagógica e o contato insuficiente com as diversas modalidades de ensino são alguns dos problemas dos educadores recém saídos das universidades Um dos caminhos para alterar essa realidade é o aprimoramento da qualidade dos programas de estágio. O estagio é a oportunidade essencial para unir teoria e prática dando realidade aos currículos das universidades. Conclusão Instituições que apostam em bons programas de estágio oferecem melhores perspectivas para os futuros profissionais de Educação, Universidade Federal de são Paulo (UNIFESP), Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF), Escola e Faculdade Santa Marina (EFSM),são apontadas pela avaliação do ministério da Educação (MEC), como instituições modelo. Tudo isso devido os subsídios para o desenvolvimento dos estagiários e na atualização constante do currículo do curso de pedagogia, dando embasamento aos futuros professores em como lidar com todas as situações em sala de aula.
  4. 4. Dia 28/07/2010 Pauta  Revista Nova escola- Gestão escolar – junho/julho 2010-08-18  Gestão de Material e suprimentos Segundo a lei (Lei Nº 7.853), no turno regular, o aluno com deficiência deve assistir ás aulas na classe comum e, no contra turno, receber AEE (Atendimento Educacional Especializado) Preferencialmente na escola. Existem duas opções para montar uma sala de recursos: a multifuncional (que o MEC disponibiliza) tem equipamentos para todas as deficiências e a especifica (modelo usado por algumas Secretarias) atende a determinado tipo de deficiência. Enquanto a sala não for implantada, o gestor deve procurar trabalhar em parceria com o atendimento especializado presente na cidade e fazer acordos co centros de referências - com associações, universidades, ONGs e instituições conveniadas ao governo. Conclusão O principal é que todos, à seu tempo, aprendem. E deve-se valorizar, sempre, o mínimo de aprendizagem, já que o mínimo em alguns casos é realmente muito. Deve-se acabar com o preconceito e ver perspectivas novas. Dia 29/07/2010 Pauta  Revista Nova Escola – Gestão Escolar – junho/julho 2010 Os alunos com deficiência devem fazer parte de todas as atividades propostas ao restante da turma – com as devidas adaptações – e são avaliados de acordo com as próprias possibilidades. Por exemplo: se não estão alfabetizados, mas avançam na oralidade, devem ser avaliados na oralidade. Além disso, devem ser matriculados com colegas de idades próximas. Conclusão Todo resultado do esforço coletivo é compensador. O desenvolvimento individual deve ser sempre levado em conta. E o aluno que acompanha o ritmo da classe, porque sua deficiência não é de ordem intelectual, deve ser auxiliado com adaptações que o privilegiem e beneficiem seu aprendizado.

×