SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
AULA 07
Profª Matilde Flório
Concurso – PMSP- 2011
Reflexões Gerais para as dissertativas
(recorte...)
Concurso – PMSP- 2011
Reflexões Gerais para as
dissertativas
(recorte...)
FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS EM
PARCERIA COM A APROFEM E O JORNAL DOS
CONCURSOS
Professora Matilde de Flório
matildeflorio@yah00.com.br
RECORTE.... POIS...
Na íntegra, a FIPED oferta aulas com várias temáticas voltadas às
dissertativas.

Pelo tempo que dispomos na gravação do vídeo, selecionamos parte
dos aspectos da bibliografia geral do concurso.
Objetivo geral desse vídeo: reflexão contextualizada de alguns
possíveis eixos que estarão contidos nas questões dissertativas do
concurso.
Portanto:
1-não pretendemos adivinhar as questões da prova.
2-O “FOCO” está acentuado para o cargo de professor.////
INICIANDO NOSSA CONVERSA...
ATENÇÃO !!!
TEXTOS LONGOS EM ALGUMAS DAS
RESPOSTAS QUE APRESENTAREMOS...
MOTIVO:
Não são textos sugeridos para sua escrita
na “hora da prova” ...
São textos para subsidiar seus estudos...
Estude produzindo seus próprios textos.
Com certeza você acrescentará ideias,
tirará outras: produzirá bons textos !////
PRIMEIRA PARTE:

EIXOS GERAIS PARA A REFLEXÃO...
EIXO DA REFLEXÃO : EDUCAÇÃO DE
JOVENS E
ADULTOS
DISSERTATIVA - 01

João, 52 anos de idade, aluno matriculado na EJA, apresenta
dificuldades no relacionamento com os jovens alegando que
os mesmos atrapalham as aulas. Na Reunião Pedagógica, os
professores decidiram organizar as turmas considerando as
faixas etárias.
Comente a decisão em questão.
(FIPED-2009)
Foco no projeto pedagógico...
A decisão dos professores não está em consonância com as diretrizes nacionais e
municipais para a Educação de Jovens e Adultos.
O projeto pedagógico deve garantir :a organização das turmas de alunas de
maneira heterogênea(Jovens e adultos constituem-se como um mesmo grupo cultural
e social:a maioria é migrantes ou filho de migrantes, possuem baixa escolaridade,
ocupam funções menos qualificadas , recebem baixa remuneração e possuem baixa
auto-estima); a construção de uma pedagogia voltada às suas especificidades,
superando a que se tem constituída para a infância e adolescência, respeitando suas
especificidades como sujeitos de conhecimento e aprendizagem; a interação entre
jovens e adultos para uma maior e melhor ressignificação da realidade; o trabalho
com conteúdos significativos, por projeto e de maneira interdisciplinar; a utilização
de recursos tecnolígicos; a preparação para o mundo do trabalho tendo em vista as
novas demandas sociais (sociedade da informação e da comunicação); ampliar o
contato com os conhecimentos científicos e culturais para que adquiram as
habilidades necessárias para atuarem na sociedade atual e modificarem as
injustiças que se apresentam.
Os professores deveriam se constituir como mediadores nesse processo (superando
uma visão retrógada de suplência), viabilizando as diretrizes nacionais para a
Educação de jovens e adultos.

matildeflorio@yahoo.com.br
DISSERTATIVA - 02
Carmem, professora recém-ingressa na rede municipal de ensino de São
Paulo escolheu uma escola que possuía classes de Educação de Jovens e
alunos (EJA) para iniciar sua prática docente. Para conhecer melhor seus
alunos, propôs que eles realizassem a seguinte operação: 248 + 248.
Parte dos alunos iniciou a tarefa armando a conta e procurando resolvê-la.
Mas, cinco alunos anotaram, simplesmente, no caderno a resposta: 496.
A Professora, perguntou ao grupo como eles obtiveram a resposta e um
deles, respondeu:
− Professora: 248 é quase 250, só faltam 2. Então, fiz 250 + 250 que é igual a
500 e, depois, tirei 4 ( 2 + 2 que faltavam) e aí deu
496.
Como você analisa esta situação?
(Carlos Chagas-2007)
Considerando as diretrizes para a EJA
e resolução de problemas c/ estratégias construídas pelos
alunos
Resolução de problemas função social da matemática.
 Resolução de problemas com:
estratégias construídas pelos alunos
 Linguagem matemática para
analisar realidade e nela intervir.
 Discutir com os alunos:
diversas estratégias na resolução matemática.
 Possibilitar: cálculo mental
 Conceito matemático:
explorando objetos, deslocando-se no espaço. ////

Foco na matemática... sem “perder de vista” a especificidade da
EJA
O ensino da matemática deve ocorrer com uma didática que possibilite a resolução
de problemas por parte dos alunos onde, em grupo,discutem diversas estratégias. A
matemática deve propiciar a interpretação de dados que facilita analisar a realidade
(função social da matemática). A ação não deve limitar-se ao mecanicismo
relacionado com a resolução das quatro operações concretas, clássico objetivo
“tradicional” traçado para o ensino da matemática.
Na Educação de Jovens e adultos o objetivo descrito se amplia ao considerar suas
experiências de vida que os levaram a desenvolver várias estratégias para a
resolução de desafios que envolvam o raciocínio matemático com cálculo mental.
A professora ao buscar o diálogo com os alunos demonstrou respeito aos seus
saberes e mediou para que na interação todos os alunos: se constituissem como
sujeitos de conhecimento e aprendizagem; convivendo na heterogeneidade,
ressignificando suas visões de mundo; participando da exposição de idéias em de
rodas de leitura e de debate.
A ação construtivista da professora foi significativa como mediação no processo de
ensino e aprendizagem.
matildeflorio@yahoo.com.br
EIXO DE REFLEXÃO : AVALIAÇÃO
DOCUMENTOS DOT...

Avaliação diagnóstica para
* identificar os conhecimentos prévios.
 Ação 1: boas sondagens
 Ação 2: observação e registro
 Ação 3: decisões coletivas para
* garantir a aprendizagem. ////

Avaliação mediadora, formativa: identificando o que o aluno já
sabe e o que necessita desenvolver/aprender; o que o profissional
já fez e o que ele necessita fazer (Individualmente e coletivamente)

A avaliação deve ser sempre mediadora, com fins formativos, para garantir a
aprendizagem.
Através dela identifica-se o que o aluno já sabe (conhecimentos prévios) e quais
intervenções serão necessárias para ampliar seu desenvolvimento e aprendizagem.
Ela se efetiva com o olhar observador do professor e registro (acompanhamento
constante, permanente, processual).
Numa ação-reflexão-ação, os professores rompem com o modelo classificatório de
avaliação, compreendendo que seu objetivo é garantir elementos que fundamentem a
decisão de objetivos e estratégias didáticas que consolidem o processo de ensinar e
aprender, ou seja, quais alterações necessárias ao currículo da escola, de acordo com
as necessidades reais dos educandos.
Avaliar é um ato que pressupõe compromisso com a garantia da aprendizagem. Os
resultados obtidos com a avaliação são indicadores para quais decisões,
coletivamente, os docentes deverão “tomar no sentido de garantir o alcance do definido
nas expectativas de aprendizagens.
matildeflorio@yahoo.com.br
DISSERTATIVA - 03

CARACTERIZE AVALIAÇÃO NA LDB(LEI 9394/96) E NO ECA (LEI
8069/90,ARTIGOS 53 A0 59).
(FIPED)
O Estatuto da Criança e do Adolescente visa garantir os direitos desses cidadãos.
No capítulo sobre educação, declara que o processo avaliativo deverá ser
realizado envolvendo o profissionais, os familiares e os alunos. É direito dos
responsáveis a ciência do processo de aprendizagem e avaliação. Eles podem
contribuir e até mesmo contestarem os critérios avaliativos, recorrendo às instâncias
superiores, quando necessário. Quando crianças e adolescentes forem portadores de
deficiência, o processo de aprendizagem e avaliação deverá ser de acordo com as
suas especificidades. Quando faltas e evasões forem detectadas, o Conselho Tutelar
deve ser acionado para, em conjunto com PP da escola e familiares, garantir um
processo efetivo de qualidade.
Para garantir a formação docente, importante medida para o alcance desses
objetivos, o poder público deve motivar pesquisas na área referentes às teorias
pedagógicas.
Em consonância com a LDB, esse processo avaliativo na Ed.Infantil, ao contrário
do que deve ocorrer em outras etapas da Ed.Básica, não deve ter como objetivo a
promoção ou retenção em relação às etapas posteriores de ensino.
Assim a avaliação, nos dois documentos citados, caracteriza-se como uma
importante estratégia na garantia do zelo pela aprendizagem estabelecendo,
quando necessário, estratégias de recuperação para os alunos com menor
rendimento.
matildeflorio@yahoo.com.br
EIXO DE REFLEXÃO: SOCIEDADE
TECNOLÓGICA
DOT (Diretoria de Orientação Técnica)

Potencialização do uso do Laboratório de Informática
 Aprender a pesquisar, aprender a publicar e
aprender a comunicar-se
digitalmente.
*Trabalho por projetos - Professor: mediador sobre o que o aluno deseja,
onde encontrar e como selecionar...
oferecem: -ambientes e recursos p/reflexão
-à crítica , autonomia.
 Aspectos cognitivos: aprender em rede ao invés do aprender
individualista.
 Leitura e escrita: múltiplas oportunidades de comunicação
-hipertexto
-leitura exploratória de imagens
-língua viva com normas próprias
-incorporação de outros idiomas
 Letramento digital: contribui p/ o exercício pleno da cidadania numa


** Papel da escola e do professor: garantir que o aluno possa se comunicar
com outros da mesma idade, do mesmo grupo social, através da língua
formal e da rede.
**Formação do professor: leitor/autor familiarizado com o mundo digital
DISSERTATIVA - 04

“Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo; os homens se
educam entre si, mediatizados pelo mundo” (Paulo Freire).
Esta afirmação está em consonância com o proposto no Caderno de
Orientações Didáticas Ler e Escrever: Tecnologias na Educação(SMEDOT-2007)? Justifique-se.
(FIPED-2009)
Focando projeto pedagógico
e o que une DOT e autores: sociedade tecnológica
Para Paulo Freire, nas interações, no contato com o outro, é que nos constituimos humanos.
A sociedade tecnológica e da informação ampliou a possibilidade de contanto entre os povos.
O uso das velhas e novas tecnologias também possibilita a construção de atitudes autônomas no
ato de escolher, selecionar e decidir. A aprendizagem pode se dá em rede em oposição à
individual e isolada. A escola não é o único lugar onde se ensina e aprende.
Nessa perspectiva, o ler e escrever ganha dimensões de múltiplas possibilidades de
comunicação: o hipertexto, a leitura exploratória de imagens, a língua viva com normas próprias
e a incorporação de outros idiomas. O Projeto Pedagógico deve prever a inclusão digital
possibilitando a pesquisa, o publicar e o comunicar-se digitalmente( condições essenciais para o
pleno exercício da cidadania na sociedade contemporânea).
O papel do professor e da escola, portanto, é o de garantir o acesso com a comunicação entre
pessoas da mesma idade e do mesmo grupo social através da linguagem formal e da rede.
Garantia essa através da realização de bons projetos junto aos alunos, potencializando o uso do
Laboratório de Informática em parceria com o professor orientador.
Os professores devem zelar pela sua formação permanente e continuada no sentido de se
tornarem leitores/autores familiarizados com o mundo digital.
Estamos numa sociedade que exige uma nova escola: aprendete e produtora de cultura com
professores mediadores entre a informaçào disponível e seu uso ético, reflexivo, com compromisso
planetário e com respeitos as diferenças disponíveis em tempo real e virtual.
Na era da tecnologia da informação e da comunicaçào, necessário se faz uma escola com
professores que sejam articuladores desses info-saberes para além da “sociedade do
espetáculo”, superando as barreiras entre os infos-ricos e os info-pobres: professores e alunos em
ambientes virtuais.
matildeflorio@yahoo.com.br
DISSERTATIVA - 05

Comente o diálogo abaixo descrito.
-Que “porre” !!! As aulas estão cada vez mais chatas.
-É “mano”. Tem razão.
-Em matemática vou levar “bomba”.
-Eu também.
-Se “liga”. Deixa prá lá. Vamos para a Lan House.
(FIPED-2009)
D.O.T.
1-sociedade do conhecimento
2-comunicação, da informação e da inovação
3- escola precisa ser reinventada
4- ensinar por meio de maneiras pelas quais não fomos ensinados.
5- flexibilidade, criatividade, inventividade, cooperação, inteligência
coletiva, solução de problemas, desenvolvimento de redes e
compromisso com a aprendizagem por toda a vida
6- estímulos aos jovens e adolescentes //////
Vivemos em uma sociedade do conhecimento e a escola deve inserir
adolescentes e jovens no mundo altamente especializado da comunicação, da
informação e da inovação.
A escola precisa ser reinventada para tornar-se atraente sem perder de
vista os seus objetivos como instituição educacional. Os professores estão
desafiados a aprender a ensinar por meio de maneiras pelas quais não
foram ensinados. A tecnologia está invadindo o cotidiano das pessoas e a
escola não pode vê-la como uma ameaça. Mas também não deve deixar de
discutir suas implicações.
A educação deve utilizar-se das novas demandas tecnológicas para
promover: flexibilidade, criatividade, inventividade, cooperação, inteligência
coletiva, solução de problemas, desenvolvimento de redes e compromisso com
a aprendizagem por toda a vida.
Os conteúdos devem estar cada vez mais próximos daquilo que causam
estímulos aos jovens e adolescentes. Muitos deles continuam, citando autores
do concurso: “zero na escola e dez na vida”.
matildeflorio@yahoo.com.br
EIXO DE REFLEXÃO: ORIENTAÇÕES
DIDÁTICAS
D.O.T....


•
•
•









Rodas de:
Conversa
Leitura
Curiosidades
Leitura em voz alta pelo professor
Professor modelo de escritor
Trabalho em dupla
Trabalho em grupo
Uso dos recursos midiáticos
Conteúdo significativo abordado através do:
Trabalho por projetos, que pressupõe.................
(ação interdisciplinar, construtivista) :
Tema (pergunta)
Hipóteses
Pesquisa
Socialização dos dados
Debate
Confrontação
Conclusão
Produto Final //////
DISSERTATIVA - 06

Descreva cinco habilidades e competências fundamentais
ao professor(a).
O professor deve envolver os alunos no processo de ensino e aprendizagem abordando
temas de seu interesse, pesquisando-os em projetos que se realizam em grupo.
Seu trabalho deve ser planejado e avaliado no coletivo de professores, contribuindo com a
construção do PP da escola. Nas reflexões, considerar o pensar sobre o habitus para que
avaliem no sentido de garantir a aprendizagem dos alunos.
Dede zelar por sua formação permanente e continuada investindo no uso das tecnologias
da informação e da comunicação como recurso didático e conteúdo.
Participar dos espaços da gestão democrática da escola (conselhos, reuniões e APM),
contribuindo a construção do projeto pedagógico, é fundamental.
Saber utilizar instrumentos de avaliação variados visando diagnosticar o que os alunos
já sabem e planejar novas maneiras de mediar para que ele venha a adquirir novos
conhecimenos e aprendizagens.
Essas competências e habilidades descritas garantem que o professor contribua para que
os alunos adquiram o uso competente da leitura e da escrita, articulada com os conteúdos
específicos das áreas de conhecimento, contribuindo para a construção de da autonomia do
educando , requisito fundamental para que ele exerça plenamente a sua cidadania.
matildeflorio@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processoA avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processoUESPI - PI
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaUlisses Vakirtzis
 
Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Elicio Lima
 
Gestão escolar número 9
Gestão escolar número 9Gestão escolar número 9
Gestão escolar número 9CÉSAR TAVARES
 
Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democráticaappfoz
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04Lygia Souza
 
Gestao da educação escolar
Gestao da educação escolarGestao da educação escolar
Gestao da educação escolareliasdemoch
 
DIVERSIDADE E EQUIDADE: OS DESAFIOS QUE SE COLOCAM ÀS ESCOLAS
DIVERSIDADE E EQUIDADE: OS DESAFIOS QUE SE COLOCAM ÀS ESCOLASDIVERSIDADE E EQUIDADE: OS DESAFIOS QUE SE COLOCAM ÀS ESCOLAS
DIVERSIDADE E EQUIDADE: OS DESAFIOS QUE SE COLOCAM ÀS ESCOLASJoaquim Colôa
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professoresditadoida
 
Tipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoTipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoKajdy Ejdy
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaCamilla Follador
 
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICAALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICALeonarda Macedo
 

Mais procurados (20)

A avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processoA avaliação da aprendizagem como processo
A avaliação da aprendizagem como processo
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
 
Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Gestão escolar número 9
Gestão escolar número 9Gestão escolar número 9
Gestão escolar número 9
 
Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democrática
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
Coordenação pedagógica
Coordenação pedagógicaCoordenação pedagógica
Coordenação pedagógica
 
Gestao da educação escolar
Gestao da educação escolarGestao da educação escolar
Gestao da educação escolar
 
Ludico e aprendizagem
Ludico e aprendizagemLudico e aprendizagem
Ludico e aprendizagem
 
inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
 
DIVERSIDADE E EQUIDADE: OS DESAFIOS QUE SE COLOCAM ÀS ESCOLAS
DIVERSIDADE E EQUIDADE: OS DESAFIOS QUE SE COLOCAM ÀS ESCOLASDIVERSIDADE E EQUIDADE: OS DESAFIOS QUE SE COLOCAM ÀS ESCOLAS
DIVERSIDADE E EQUIDADE: OS DESAFIOS QUE SE COLOCAM ÀS ESCOLAS
 
Educação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slidesEducação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slides
 
Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professores
 
Pratica docente es
Pratica docente esPratica docente es
Pratica docente es
 
Tipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoTipos de avaliacao
Tipos de avaliacao
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogia
 
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICAALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA
 

Semelhante a Aula questões dissertativas

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Arivaldom
 
Atps projeto muldicisciplar iii oficial
Atps projeto muldicisciplar iii   oficialAtps projeto muldicisciplar iii   oficial
Atps projeto muldicisciplar iii oficialRegina Gidzinski
 
São João do Polêsine - Ivelize Liara Flesch
São João do Polêsine - Ivelize Liara FleschSão João do Polêsine - Ivelize Liara Flesch
São João do Polêsine - Ivelize Liara FleschCursoTICs
 
Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parceriasDesign didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parceriasjuroanny
 
Apresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundoApresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundojaniteacher Simoes
 
A Historia da Matemática e a Geometria na Educação de Jovens e Adultos/2008
A Historia da Matemática e a Geometria na Educação de Jovens e Adultos/2008A Historia da Matemática e a Geometria na Educação de Jovens e Adultos/2008
A Historia da Matemática e a Geometria na Educação de Jovens e Adultos/2008Nanci Rodrigues
 
O computador na sociedade do conhecimento cap5
O computador na sociedade do conhecimento   cap5O computador na sociedade do conhecimento   cap5
O computador na sociedade do conhecimento cap5Renata de Sousa
 
TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO.pdf
TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO.pdfTÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO.pdf
TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO.pdfFabia Sousa
 
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...ProfessorPrincipiante
 
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensinoAprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensinoUniversidade de Lisboa
 
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC Enilton Ferreira Rocha
 
Projeto de ensino; operações matemáticas na cesta básica. 2010
Projeto de ensino; operações matemáticas na cesta básica. 2010Projeto de ensino; operações matemáticas na cesta básica. 2010
Projeto de ensino; operações matemáticas na cesta básica. 2010Abraão Matos
 
13.apostila de didatica.docx
13.apostila de didatica.docx13.apostila de didatica.docx
13.apostila de didatica.docxAlineMelo123
 
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA II- Educação Especial /Deficiência Intelectual
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA  II-  Educação Especial /Deficiência IntelectualPROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA  II-  Educação Especial /Deficiência Intelectual
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA II- Educação Especial /Deficiência IntelectualEduardo Lopes
 

Semelhante a Aula questões dissertativas (20)

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Atps projeto muldicisciplar iii oficial
Atps projeto muldicisciplar iii   oficialAtps projeto muldicisciplar iii   oficial
Atps projeto muldicisciplar iii oficial
 
São João do Polêsine - Ivelize Liara Flesch
São João do Polêsine - Ivelize Liara FleschSão João do Polêsine - Ivelize Liara Flesch
São João do Polêsine - Ivelize Liara Flesch
 
Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parceriasDesign didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
 
Apresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundoApresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundo
 
A Historia da Matemática e a Geometria na Educação de Jovens e Adultos/2008
A Historia da Matemática e a Geometria na Educação de Jovens e Adultos/2008A Historia da Matemática e a Geometria na Educação de Jovens e Adultos/2008
A Historia da Matemática e a Geometria na Educação de Jovens e Adultos/2008
 
Projeto e sequencia ano 2
Projeto e sequencia ano 2Projeto e sequencia ano 2
Projeto e sequencia ano 2
 
Ativ01
Ativ01Ativ01
Ativ01
 
O computador na sociedade do conhecimento cap5
O computador na sociedade do conhecimento   cap5O computador na sociedade do conhecimento   cap5
O computador na sociedade do conhecimento cap5
 
Projetos
ProjetosProjetos
Projetos
 
TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO.pdf
TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO.pdfTÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO.pdf
TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO.pdf
 
Analise de videos b learning
Analise de videos b learningAnalise de videos b learning
Analise de videos b learning
 
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
 
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensinoAprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
 
Masetto docencia universitaria
Masetto   docencia universitariaMasetto   docencia universitaria
Masetto docencia universitaria
 
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
INOVAÇÃO PEDAGÓGICO-ANDRAGÓGICA: SISTEMA DE AVALIAÇÃO NA EaD DA FUMEC
 
Projeto de ensino; operações matemáticas na cesta básica. 2010
Projeto de ensino; operações matemáticas na cesta básica. 2010Projeto de ensino; operações matemáticas na cesta básica. 2010
Projeto de ensino; operações matemáticas na cesta básica. 2010
 
13.apostila de didatica.docx
13.apostila de didatica.docx13.apostila de didatica.docx
13.apostila de didatica.docx
 
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA II- Educação Especial /Deficiência Intelectual
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA  II-  Educação Especial /Deficiência IntelectualPROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA  II-  Educação Especial /Deficiência Intelectual
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA II- Educação Especial /Deficiência Intelectual
 
Metodologias ativas e tecnologias
Metodologias ativas e tecnologiasMetodologias ativas e tecnologias
Metodologias ativas e tecnologias
 

Mais de Eduardo Lopes

1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)Eduardo Lopes
 
Tardif o trabalho docente resumido (1)
Tardif   o trabalho docente resumido (1)Tardif   o trabalho docente resumido (1)
Tardif o trabalho docente resumido (1)Eduardo Lopes
 
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelenteQuadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelenteEduardo Lopes
 
Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas
  Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas  Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas
Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadasEduardo Lopes
 
Seed1301 305 006325 (1)
Seed1301 305 006325 (1)Seed1301 305 006325 (1)
Seed1301 305 006325 (1)Eduardo Lopes
 
Seed1301 305 006343 (1)
Seed1301 305 006343 (1)Seed1301 305 006343 (1)
Seed1301 305 006343 (1)Eduardo Lopes
 
PROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, II
PROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, IIPROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, II
PROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, IIEduardo Lopes
 
28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis
28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis
28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratisEduardo Lopes
 
Plano Nacional Primeira Infância - Resumido
Plano Nacional Primeira Infância - ResumidoPlano Nacional Primeira Infância - Resumido
Plano Nacional Primeira Infância - ResumidoEduardo Lopes
 
Apostila prod de textos
Apostila prod de textosApostila prod de textos
Apostila prod de textosEduardo Lopes
 

Mais de Eduardo Lopes (20)

1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
 
Tardif o trabalho docente resumido (1)
Tardif   o trabalho docente resumido (1)Tardif   o trabalho docente resumido (1)
Tardif o trabalho docente resumido (1)
 
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelenteQuadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
 
Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas
  Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas  Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas
Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas
 
Gabarito
GabaritoGabarito
Gabarito
 
Seed1301 305 006325 (1)
Seed1301 305 006325 (1)Seed1301 305 006325 (1)
Seed1301 305 006325 (1)
 
Seed1301 305 006325
Seed1301 305 006325Seed1301 305 006325
Seed1301 305 006325
 
Seed1301 305 006343 (1)
Seed1301 305 006343 (1)Seed1301 305 006343 (1)
Seed1301 305 006343 (1)
 
PROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, II
PROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, IIPROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, II
PROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, II
 
gabarito
gabaritogabarito
gabarito
 
prova
provaprova
prova
 
prova especifica
prova especificaprova especifica
prova especifica
 
gab2
gab2gab2
gab2
 
gab1
gab1gab1
gab1
 
prova gerais
prova geraisprova gerais
prova gerais
 
28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis
28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis
28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis
 
Atividades diversas
Atividades diversasAtividades diversas
Atividades diversas
 
Plano Nacional Primeira Infância - Resumido
Plano Nacional Primeira Infância - ResumidoPlano Nacional Primeira Infância - Resumido
Plano Nacional Primeira Infância - Resumido
 
(2) album da mamae
(2) album da mamae(2) album da mamae
(2) album da mamae
 
Apostila prod de textos
Apostila prod de textosApostila prod de textos
Apostila prod de textos
 

Aula questões dissertativas

  • 1. AULA 07 Profª Matilde Flório Concurso – PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...)
  • 2. Concurso – PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS EM PARCERIA COM A APROFEM E O JORNAL DOS CONCURSOS Professora Matilde de Flório matildeflorio@yah00.com.br
  • 3. RECORTE.... POIS... Na íntegra, a FIPED oferta aulas com várias temáticas voltadas às dissertativas. Pelo tempo que dispomos na gravação do vídeo, selecionamos parte dos aspectos da bibliografia geral do concurso. Objetivo geral desse vídeo: reflexão contextualizada de alguns possíveis eixos que estarão contidos nas questões dissertativas do concurso. Portanto: 1-não pretendemos adivinhar as questões da prova. 2-O “FOCO” está acentuado para o cargo de professor.////
  • 5. ATENÇÃO !!! TEXTOS LONGOS EM ALGUMAS DAS RESPOSTAS QUE APRESENTAREMOS... MOTIVO: Não são textos sugeridos para sua escrita na “hora da prova” ... São textos para subsidiar seus estudos... Estude produzindo seus próprios textos. Com certeza você acrescentará ideias, tirará outras: produzirá bons textos !////
  • 6. PRIMEIRA PARTE: EIXOS GERAIS PARA A REFLEXÃO...
  • 7. EIXO DA REFLEXÃO : EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
  • 8. DISSERTATIVA - 01 João, 52 anos de idade, aluno matriculado na EJA, apresenta dificuldades no relacionamento com os jovens alegando que os mesmos atrapalham as aulas. Na Reunião Pedagógica, os professores decidiram organizar as turmas considerando as faixas etárias. Comente a decisão em questão. (FIPED-2009)
  • 9. Foco no projeto pedagógico... A decisão dos professores não está em consonância com as diretrizes nacionais e municipais para a Educação de Jovens e Adultos. O projeto pedagógico deve garantir :a organização das turmas de alunas de maneira heterogênea(Jovens e adultos constituem-se como um mesmo grupo cultural e social:a maioria é migrantes ou filho de migrantes, possuem baixa escolaridade, ocupam funções menos qualificadas , recebem baixa remuneração e possuem baixa auto-estima); a construção de uma pedagogia voltada às suas especificidades, superando a que se tem constituída para a infância e adolescência, respeitando suas especificidades como sujeitos de conhecimento e aprendizagem; a interação entre jovens e adultos para uma maior e melhor ressignificação da realidade; o trabalho com conteúdos significativos, por projeto e de maneira interdisciplinar; a utilização de recursos tecnolígicos; a preparação para o mundo do trabalho tendo em vista as novas demandas sociais (sociedade da informação e da comunicação); ampliar o contato com os conhecimentos científicos e culturais para que adquiram as habilidades necessárias para atuarem na sociedade atual e modificarem as injustiças que se apresentam. Os professores deveriam se constituir como mediadores nesse processo (superando uma visão retrógada de suplência), viabilizando as diretrizes nacionais para a Educação de jovens e adultos. matildeflorio@yahoo.com.br
  • 10. DISSERTATIVA - 02 Carmem, professora recém-ingressa na rede municipal de ensino de São Paulo escolheu uma escola que possuía classes de Educação de Jovens e alunos (EJA) para iniciar sua prática docente. Para conhecer melhor seus alunos, propôs que eles realizassem a seguinte operação: 248 + 248. Parte dos alunos iniciou a tarefa armando a conta e procurando resolvê-la. Mas, cinco alunos anotaram, simplesmente, no caderno a resposta: 496. A Professora, perguntou ao grupo como eles obtiveram a resposta e um deles, respondeu: − Professora: 248 é quase 250, só faltam 2. Então, fiz 250 + 250 que é igual a 500 e, depois, tirei 4 ( 2 + 2 que faltavam) e aí deu 496. Como você analisa esta situação? (Carlos Chagas-2007)
  • 11. Considerando as diretrizes para a EJA e resolução de problemas c/ estratégias construídas pelos alunos Resolução de problemas função social da matemática.  Resolução de problemas com: estratégias construídas pelos alunos  Linguagem matemática para analisar realidade e nela intervir.  Discutir com os alunos: diversas estratégias na resolução matemática.  Possibilitar: cálculo mental  Conceito matemático: explorando objetos, deslocando-se no espaço. //// 
  • 12. Foco na matemática... sem “perder de vista” a especificidade da EJA O ensino da matemática deve ocorrer com uma didática que possibilite a resolução de problemas por parte dos alunos onde, em grupo,discutem diversas estratégias. A matemática deve propiciar a interpretação de dados que facilita analisar a realidade (função social da matemática). A ação não deve limitar-se ao mecanicismo relacionado com a resolução das quatro operações concretas, clássico objetivo “tradicional” traçado para o ensino da matemática. Na Educação de Jovens e adultos o objetivo descrito se amplia ao considerar suas experiências de vida que os levaram a desenvolver várias estratégias para a resolução de desafios que envolvam o raciocínio matemático com cálculo mental. A professora ao buscar o diálogo com os alunos demonstrou respeito aos seus saberes e mediou para que na interação todos os alunos: se constituissem como sujeitos de conhecimento e aprendizagem; convivendo na heterogeneidade, ressignificando suas visões de mundo; participando da exposição de idéias em de rodas de leitura e de debate. A ação construtivista da professora foi significativa como mediação no processo de ensino e aprendizagem. matildeflorio@yahoo.com.br
  • 13. EIXO DE REFLEXÃO : AVALIAÇÃO
  • 14. DOCUMENTOS DOT... Avaliação diagnóstica para * identificar os conhecimentos prévios.  Ação 1: boas sondagens  Ação 2: observação e registro  Ação 3: decisões coletivas para * garantir a aprendizagem. //// 
  • 15. Avaliação mediadora, formativa: identificando o que o aluno já sabe e o que necessita desenvolver/aprender; o que o profissional já fez e o que ele necessita fazer (Individualmente e coletivamente) A avaliação deve ser sempre mediadora, com fins formativos, para garantir a aprendizagem. Através dela identifica-se o que o aluno já sabe (conhecimentos prévios) e quais intervenções serão necessárias para ampliar seu desenvolvimento e aprendizagem. Ela se efetiva com o olhar observador do professor e registro (acompanhamento constante, permanente, processual). Numa ação-reflexão-ação, os professores rompem com o modelo classificatório de avaliação, compreendendo que seu objetivo é garantir elementos que fundamentem a decisão de objetivos e estratégias didáticas que consolidem o processo de ensinar e aprender, ou seja, quais alterações necessárias ao currículo da escola, de acordo com as necessidades reais dos educandos. Avaliar é um ato que pressupõe compromisso com a garantia da aprendizagem. Os resultados obtidos com a avaliação são indicadores para quais decisões, coletivamente, os docentes deverão “tomar no sentido de garantir o alcance do definido nas expectativas de aprendizagens. matildeflorio@yahoo.com.br
  • 16. DISSERTATIVA - 03 CARACTERIZE AVALIAÇÃO NA LDB(LEI 9394/96) E NO ECA (LEI 8069/90,ARTIGOS 53 A0 59). (FIPED)
  • 17. O Estatuto da Criança e do Adolescente visa garantir os direitos desses cidadãos. No capítulo sobre educação, declara que o processo avaliativo deverá ser realizado envolvendo o profissionais, os familiares e os alunos. É direito dos responsáveis a ciência do processo de aprendizagem e avaliação. Eles podem contribuir e até mesmo contestarem os critérios avaliativos, recorrendo às instâncias superiores, quando necessário. Quando crianças e adolescentes forem portadores de deficiência, o processo de aprendizagem e avaliação deverá ser de acordo com as suas especificidades. Quando faltas e evasões forem detectadas, o Conselho Tutelar deve ser acionado para, em conjunto com PP da escola e familiares, garantir um processo efetivo de qualidade. Para garantir a formação docente, importante medida para o alcance desses objetivos, o poder público deve motivar pesquisas na área referentes às teorias pedagógicas. Em consonância com a LDB, esse processo avaliativo na Ed.Infantil, ao contrário do que deve ocorrer em outras etapas da Ed.Básica, não deve ter como objetivo a promoção ou retenção em relação às etapas posteriores de ensino. Assim a avaliação, nos dois documentos citados, caracteriza-se como uma importante estratégia na garantia do zelo pela aprendizagem estabelecendo, quando necessário, estratégias de recuperação para os alunos com menor rendimento. matildeflorio@yahoo.com.br
  • 18. EIXO DE REFLEXÃO: SOCIEDADE TECNOLÓGICA
  • 19. DOT (Diretoria de Orientação Técnica) Potencialização do uso do Laboratório de Informática  Aprender a pesquisar, aprender a publicar e aprender a comunicar-se digitalmente. *Trabalho por projetos - Professor: mediador sobre o que o aluno deseja, onde encontrar e como selecionar... oferecem: -ambientes e recursos p/reflexão -à crítica , autonomia.  Aspectos cognitivos: aprender em rede ao invés do aprender individualista.  Leitura e escrita: múltiplas oportunidades de comunicação -hipertexto -leitura exploratória de imagens -língua viva com normas próprias -incorporação de outros idiomas  Letramento digital: contribui p/ o exercício pleno da cidadania numa  ** Papel da escola e do professor: garantir que o aluno possa se comunicar com outros da mesma idade, do mesmo grupo social, através da língua formal e da rede. **Formação do professor: leitor/autor familiarizado com o mundo digital
  • 20. DISSERTATIVA - 04 “Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo; os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo” (Paulo Freire). Esta afirmação está em consonância com o proposto no Caderno de Orientações Didáticas Ler e Escrever: Tecnologias na Educação(SMEDOT-2007)? Justifique-se. (FIPED-2009)
  • 21. Focando projeto pedagógico e o que une DOT e autores: sociedade tecnológica Para Paulo Freire, nas interações, no contato com o outro, é que nos constituimos humanos. A sociedade tecnológica e da informação ampliou a possibilidade de contanto entre os povos. O uso das velhas e novas tecnologias também possibilita a construção de atitudes autônomas no ato de escolher, selecionar e decidir. A aprendizagem pode se dá em rede em oposição à individual e isolada. A escola não é o único lugar onde se ensina e aprende. Nessa perspectiva, o ler e escrever ganha dimensões de múltiplas possibilidades de comunicação: o hipertexto, a leitura exploratória de imagens, a língua viva com normas próprias e a incorporação de outros idiomas. O Projeto Pedagógico deve prever a inclusão digital possibilitando a pesquisa, o publicar e o comunicar-se digitalmente( condições essenciais para o pleno exercício da cidadania na sociedade contemporânea). O papel do professor e da escola, portanto, é o de garantir o acesso com a comunicação entre pessoas da mesma idade e do mesmo grupo social através da linguagem formal e da rede. Garantia essa através da realização de bons projetos junto aos alunos, potencializando o uso do Laboratório de Informática em parceria com o professor orientador. Os professores devem zelar pela sua formação permanente e continuada no sentido de se tornarem leitores/autores familiarizados com o mundo digital. Estamos numa sociedade que exige uma nova escola: aprendete e produtora de cultura com professores mediadores entre a informaçào disponível e seu uso ético, reflexivo, com compromisso planetário e com respeitos as diferenças disponíveis em tempo real e virtual. Na era da tecnologia da informação e da comunicaçào, necessário se faz uma escola com professores que sejam articuladores desses info-saberes para além da “sociedade do espetáculo”, superando as barreiras entre os infos-ricos e os info-pobres: professores e alunos em ambientes virtuais. matildeflorio@yahoo.com.br
  • 22. DISSERTATIVA - 05 Comente o diálogo abaixo descrito. -Que “porre” !!! As aulas estão cada vez mais chatas. -É “mano”. Tem razão. -Em matemática vou levar “bomba”. -Eu também. -Se “liga”. Deixa prá lá. Vamos para a Lan House. (FIPED-2009)
  • 23. D.O.T. 1-sociedade do conhecimento 2-comunicação, da informação e da inovação 3- escola precisa ser reinventada 4- ensinar por meio de maneiras pelas quais não fomos ensinados. 5- flexibilidade, criatividade, inventividade, cooperação, inteligência coletiva, solução de problemas, desenvolvimento de redes e compromisso com a aprendizagem por toda a vida 6- estímulos aos jovens e adolescentes //////
  • 24. Vivemos em uma sociedade do conhecimento e a escola deve inserir adolescentes e jovens no mundo altamente especializado da comunicação, da informação e da inovação. A escola precisa ser reinventada para tornar-se atraente sem perder de vista os seus objetivos como instituição educacional. Os professores estão desafiados a aprender a ensinar por meio de maneiras pelas quais não foram ensinados. A tecnologia está invadindo o cotidiano das pessoas e a escola não pode vê-la como uma ameaça. Mas também não deve deixar de discutir suas implicações. A educação deve utilizar-se das novas demandas tecnológicas para promover: flexibilidade, criatividade, inventividade, cooperação, inteligência coletiva, solução de problemas, desenvolvimento de redes e compromisso com a aprendizagem por toda a vida. Os conteúdos devem estar cada vez mais próximos daquilo que causam estímulos aos jovens e adolescentes. Muitos deles continuam, citando autores do concurso: “zero na escola e dez na vida”. matildeflorio@yahoo.com.br
  • 25. EIXO DE REFLEXÃO: ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS
  • 26. D.O.T....  • • •        Rodas de: Conversa Leitura Curiosidades Leitura em voz alta pelo professor Professor modelo de escritor Trabalho em dupla Trabalho em grupo Uso dos recursos midiáticos Conteúdo significativo abordado através do: Trabalho por projetos, que pressupõe................. (ação interdisciplinar, construtivista) : Tema (pergunta) Hipóteses Pesquisa Socialização dos dados Debate Confrontação Conclusão Produto Final //////
  • 27. DISSERTATIVA - 06 Descreva cinco habilidades e competências fundamentais ao professor(a).
  • 28. O professor deve envolver os alunos no processo de ensino e aprendizagem abordando temas de seu interesse, pesquisando-os em projetos que se realizam em grupo. Seu trabalho deve ser planejado e avaliado no coletivo de professores, contribuindo com a construção do PP da escola. Nas reflexões, considerar o pensar sobre o habitus para que avaliem no sentido de garantir a aprendizagem dos alunos. Dede zelar por sua formação permanente e continuada investindo no uso das tecnologias da informação e da comunicação como recurso didático e conteúdo. Participar dos espaços da gestão democrática da escola (conselhos, reuniões e APM), contribuindo a construção do projeto pedagógico, é fundamental. Saber utilizar instrumentos de avaliação variados visando diagnosticar o que os alunos já sabem e planejar novas maneiras de mediar para que ele venha a adquirir novos conhecimenos e aprendizagens. Essas competências e habilidades descritas garantem que o professor contribua para que os alunos adquiram o uso competente da leitura e da escrita, articulada com os conteúdos específicos das áreas de conhecimento, contribuindo para a construção de da autonomia do educando , requisito fundamental para que ele exerça plenamente a sua cidadania. matildeflorio@yahoo.com.br