SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Prova da Cidade – Português – 8ª Série

Observe a imagem a seguir para responder a questão 1.




Fonte: Disponível em http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,seca-devasta-parquesdoquenia,
544712,0.htm. Acesso em 30 abr 2010.

1. O texto mais adequado à imagem é:

Leia o texto a seguir para responder as questões 2 e 3.




PRAZER DE LER – TRÊS [ MAURÍCIO ROSA ]

Ler o livro "Contrastes" foi para mim uma bela experiência, conhecer o
Maurício subjetivo foi algo fantástico. Em suas poesias descobre-se um
homem preocupado com os outros homens, às vezes revoltado com as
injustiças praticadas entre os poderosos e os desprovidos de bens materiais,
culturais e humanos, enfim, um Humanista.


Ler Maurício foi me apresentar a outro homem sensível, cortês, humano e
poético, sem contudo largar as rédeas da realidade. Seus poemas falam do
cotidiano da vida: dores, sofrimentos e desigualdades da sobrevivência. Em
suas linhas poéticas, o sentido denotativo e conotativo das palavras se fundem
e vivem em harmonia. Um livro para ler, reler (como fiz várias vezes) e
aprender.
No momento, que sinto minha Poesia fugir do meu pincel, devido à minha
crise de inspiração e esperança, o livro "Contrastes", do meu amigo Maurício
R. Almeida, me dá um grande alento.
Quem sabe um dia, empurrado pela sua coragem e perseverança, publicarei
também meus trabalhos em um livro com meus antigos e velhos escritos. No
momento, me sinto inábil e sem o que dizer.
Parabéns, Poeta e amigo Maurício, seu livro é belo e lírico. Assim como
você, subjetivo e objetivo.
Sem dúvidas, ler-te foi um grande prazer.
Fonte: Disponível em http://recantodasletras.uol.com.br/resenhasdelivros/2220418. Acesso em 30
abr. 2010. Adaptado.

2. O texto é:

3. A finalidade do texto é:

Observe as falas das personagens para responder a questão 4.




Fonte: Gonsales, Fernando. Níquel Náusea. Disponível em: http://www2.uol.com.br/niquel/.
Acesso em: mar.2010.

4. No primeiro quadrinho, quem fala é:

Leia o texto a seguir para responder a questão 5.

Marcio_RJ diz:

Olá!

E aeeeeee. Vamos nos conhecer, que tal um cinema?
Onde apanho você?
Fonte: http://relacionamento.parperfeito.com.br//cadastro/land-chat-com-video. Acesso em 30 abr.
2010.

5. Marcio_RJ usou uma linguagem menos formal porque?
Leia o texto a seguir para responder a questão 6.

Saí pro escanteio. Dei uma bica pra área... Ronaldo recebeu e Goooooool! Foi
lindo.
Fonte: ENCCEJA, 2002. Adaptado.

6. É possível afirmar que essa fala é típica de um:

Observe a fotografia a seguir para responder a questão 7.




Fonte: UOL Notícias – Fotos. Imagens do dia. Disponível em:
http://noticias.uol.com.br/album/100401_album.jhtm. Acesso em 01/05/2010.

7. O título apropriado para a imagem é:

Leia o texto a seguir para responder as questões 8 e 9.

As estrelas do Dr. Otto

A primeira vez em que vi o Dr. Otto foi no início de maio. Os primeiros ventos
varriam as folhas das bananeiras e de manhã a gente corria à janela, com medo
de que o granizo tivesse estragado a plantação de lavanda. A temperatura mudava
constantemente. Numa dessas mudanças, minha irmã mais nova caiu de cama.
- Chama o Dr. Otto – aconselhou Seu Hans, que tem casa na frente da nossa.
- Ela está bem, Hans, não se preocupe.
- Olha, compadre, criança é delicada. Precisa de muito cuidado.
Meu pai era um homem sisudo, de mãos calosas, enormes. Deslizou os
dedos pelos fios da barba e estalou os lábios.
- Que nada, passa logo.
Passou nada. A febre foi a 40 e Gisele começou a vomitar.
- Onde é que mora o Dr. Otto? – quis saber meu pai.
Seu Hans deu o troco.
- Eu não disse? No fim, a menina piorou. O Dr. Otto é um mágico... Vai
resolver isso!
- Não quero saber de mágicos nem de mané-mágicos. Só o endereço dele.
Ficou ofendido, o seu Hans:
- Que é isso? Eu, hein! Só quis ajudar...
Fonte: CAPPARELLI, Sérgio. Uma colcha muito curta. Porto Alegre – RS: L&PM, 2007. Adaptado.

8. A cena narrada se passa:

9. O trecho do texto que indica o momento em que os fatos acontecem é:

Leia atentamente o texto seguinte para responder as questões 10 e 11.
A voz da consciência e outras vozes

Minha avó costumava dizer que a consciência é esta vozinha que, dentro de
nós, nos diz o que deve ser feito. E depois acrescentava com um suspiro:
- O problema é que há muito barulho no mundo. As pessoas agora têm
dificuldade de ouvir a consciência.
Minha avó era, portanto, uma pessoa cética. O que ela não sabia é que o
mundo evolui – e que existem maneiras sempre novas de transmitir às pessoas a
mensagem que elas precisam ouvir. A história que segue é um exemplo...
Desde o primeiro dia de aula ficou claro que o Edmundo estava a fim de criar
confusão. Ele era novo na escola; o pai, gerente de uma grande empresa, havia
sido
transferido há pouco para a cidade. Seria de esperar, portanto, que Edmundo se
aproximasse de nós, se apresentasse, procurasse fazer amizades. Não foi isso
que aconteceu. Foi entrando, um rapaz alto, bonito, muito bem vestido, usando
uns estranhos óculos escuros. Não cumprimentou ninguém; escolheu um lugar, no
fundo da sala, sentou-se, sacou da mochila uma revista, abriu-a e ficou lendo. Nós
o olhávamos, em silêncio. Finalmente, o Jorge, que entre nós fazia um pouco o
papel de relações-públicas, aproximou-se dele:
- Meu nome é Jorge. Já sabemos que você é novo aqui na escola, e na
cidade. Você não gostaria de conhecer o resto da turma?
Edmundo mirou-o um instante:
- Depois – disse, seco. – Agora estou lendo.
Fonte: SCLIAR, Moacyr. A voz da consciência e outras vozes In: ROCHA, Ruth (org.). Contos de
escola. Objetiva: Rio de Janeiro, 2003. p. 41-42. vol. 2.

10. As ações de Edmundo foram:

11. As características atribuídas a Edmundo são:

Leia um fragmento de ―Os três Mosqueteiros‖ para responder a questão 12.
ARAMIS – Ontem, à noite, fui consultar um sábio que costumo frequentar...
Quando eu estava saindo de sua casa, vi sua sobrinha...
PORTOS – Claro, uma sobrinha, eu tinha certeza...
ARAMIS – Na hora em que eu saía de lá, ela também saia. Resolvi acompanhá-la
até sua carruagem.
ATOS – Vamos, o caso é sério!
ARAMIS – Bom, de repente, no escuro da noite, surgiu um homem alto, moreno...
Vinha acompanhado de uns seis homens, aproximou-se, e disse para mim e para
a dama que me acompanhava: ―Senhor duque, e vós, senhora, dignai-vos subir
para essa carruagem sem opor qualquer resistência.‖
D‘ARTAGNAN – Achou que você era o duque e ela, a rainha! Claro!
PORTOS – É verdade que você é da mesma altura que o duque, e tem o mesmo
porte... Mas o uniforme de mosqueteiro...
ARAMIS – Eu estava enrolado numa capa enorme.
PORTOS – E o rosto?
ARAMIS – Eu estava usando um chapéu de aba enorme, caído sobre o rosto...
PORTOS – Em pleno no verão? Deus do céu! Nunca pensei que a gente
precisasse tomar tantas precauções para visitar um sábio...
ATOS – Portos, deixe Aramis em paz. E aí, quando viram que você não era o
duque eles sumiram?
ARAMIS – Exatamente...
Fonte: DUMAS, Alexandre. Os três mosqueteiros. Adapt. Ana Maria Machado. 3. ed. Rio de
Janeiro: Nova Fronteira, 2007.
12. Aramis viu a sobrinha do sábio quando:

Leia o sumário retirado de uma revista mensal para responder a questão 13.




Fonte: Revista Em dia. Ano 11 – mar.2010, nº 104.

13. Para ler a reportagem sobre bullying e descobrir de que modo esse problema
afeta a vida dos jovens, a página e a coluna a serem buscadas no sumário são:
Leia o texto a seguir para responder a questão 14.

Brasileira obesa tem dieta similar à do americano: rica em gordura e pobre
em carboidratos, o que leva ao sobrepeso

Estudo realizado com mulheres obesas brasileiras aponta como principais
causas da obesidade, o alto consumo de gordura na dieta e sedentarismo. O
trabalho traz indícios de que retirar o carboidrato da dieta não vai promover de
forma eficiente o emagrecimento, mas muitas vezes pode ter efeito contrário,
resultando em maior ingestão de gordura e proteína. Além disso, ele mostra que a
alimentação deste grupo se assemelha muito com o padrão de ingestão da
população obesa americana.
Buscando entender os mecanismos da obesidade feminina, pesquisadores do
Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) e da Escola de Educação Física e Esporte
(EEFE) da USP reproduziram em laboratório um modelo experimental para estudar
os efeitos das dietas ricas em gorduras sobre a regulação do metabolismo e o
desenvolvimento do diabetes tipo 2 como consequência da obesidade.
Fonte: LANCHA, Luciana O.P. Blog Nutritips. Disponível em:
http://nutritips.blog.uol.com.br/arch2010-04-18_2010-04-24.html. Acesso em: 30 abr.2010. Com
cortes. Adapt.

14. Se as mulheres retirarem o carboidrato da dieta, o emagrecimento deixará de
ocorrer de forma eficiente porque:

Leia o artigo a seguir para responder as questões 15 e 16.

O texto como placebo

Autoajuda encerra uma lição que vale para a ciência: O paciente precisa do amparo das palavras
por Moacyr Scliar

A palavra placebo (do latim agradarei) refere-se a uma substância ou um
procedimento que, teoricamente, não faria efeito sobre o organismo, mas que
acaba tendo resultados terapêuticos, pela crença que uma pessoa deposita nela.
Pergunta:
é o texto um placebo?
No caso da ficção, pode-se dizer que sim. É algo que resulta da imaginação
de um escritor, de um cineasta, de um dramaturgo; mas, quando agrada o
espectador ou o leitor, exerce um efeito que poderíamos chamar de terapêutico. A
ficção ajuda a viver. E isso inclui uma melhora da saúde – pelo menos do ponto de
vista psicológico.
Para muitas pessoas a leitura é um amparo, um consolo, uma terapia. Daí
nasceu inclusive um gênero de livros que se tornou popular: as obras de
autoajuda.
Diferentemente da ficção, elas aconselham o leitor acerca de problemas
específicos: luto, controle do stress, divórcio, depressão, ansiedade, relaxamento,
autoestima, e até a felicidade. Esse tipo de leitura faz um enorme sucesso; não há
livraria que não tenha uma seção destinada especialmente à autoajuda.

Fonte: Mente e Cérebro. Rio de Janeiro/São Paulo: Duetto, Ed. 201, out.2009. Disponível em:
http://www2.uol.com.br/vivermente/artigos/o_texto_como_placebo.html. Acesso em: 30 abr. 2010.
Com cortes. Adapt.
15. No texto, o autor defende que os livros de autoajuda são placebos porque:

16. O tema do artigo de Moacyr Scliar é:

Leia o texto a seguir para responder a questão 17.

CIÊNCIA
A Terra está esquentando mesmo?
Nem todos os cientistas acreditam nisso
CLAUDIO ANGELO - EDITOR DE CIÊNCIA

Embora a maioria dos cientistas ache que a Terra está esquentando e que o
homem é o culpado, alguns pesquisadores dizem que não, ou que os efeitos do
aquecimento global não serão graves. São os chamados "céticos" do clima.
Vários desses cientistas recebem dinheiro de indústrias poluidoras, o que lança
dúvidas sobre o que eles dizem. Mas muitos são pesquisadores reconhecidos.
Eles acham exageradas as previsões de que os efeitos do aquecimento global
serão catastróficos. Uma dessas previsões já se mostrou errada: a de que as
geleiras do Himalaia vão derreter daqui a 20 anos.
Outro medo dos cientistas era o de que o aquecimento global desligasse as
correntes marinhas que levam calor do Equador para o hemisfério Norte. Isso
deixaria a Europa muito mais fria, tão fria quanto na época dos mamutes. Mas os
próprios cientistas foram lá, mediram a corrente e viram que está tudo bem.
Os céticos são considerados pelos cientistas que estudam o clima como os
"chatos"que querem estragar a festa, nem sempre por bons motivos. Mas têm um
papel importante: sem debate e dúvida, a ciência não avança. Seria ruim se todo
mundo pensasse igual.

Fonte: Folha de S. Paulo. Folhinha. São Paulo, sábado, 24 de abril de 2010. Com cortes

17. Um dos argumentos contrários à tese de que a Terra está esquentando é o de
que:


Leia o texto a seguir para responder a questão 18.

PAINEL DO LEITOR

O "Painel do Leitor" recebe colaborações por e-mail (leitor@uol.com.br), fax
(0/xx/11/3223-
1644) e correio (al.Barão de Limeira, 425, 4º andar, São Paulo-SP, CEP 01202-
900). As mensagens devem ser concisas e conter nome completo, endereço e
telefone. A Folha se reserva o direito de publicar trechos.

"Pichação"

"Brilhante a ideia da Bienal, que presta um grande serviço à cidade, ao convidar os
pichadores da Bienal anterior a participarem da próxima, neste ano. Assim eles
vão poder dar asas à sua imaginação e botar para fora o seu talento e a sua
criatividade, com liberdade de fazer sua
arte.Meu único receio é que, livres e com plena liberdade para rabiscar, eles não
consigam fazer alguma coisa aproveitável e façam porcaria - como alguns que de
vez em quando emporcalham o prédio onde moro e sou síndico.
Um dia, com o zelador, peguei dois desses pichadores e, como eles nos
ofenderam e só faltaram nos bater, chamamos a polícia. Um deles, maior de idade,
já tinha um monte de passagens por furtos em prédios de apartamento e chegou a
confessar que ‗entro pra pichar,levanto os caminho e mando os mano dispois’.
É uma pena, porque essa é uma realidade para a qual não podemos fazer vista
grossa.‖

HUMBERTO MENDES (São Paulo, SP)
Fonte: Folha de S. Paulo. Opinião. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/
fz2004201010.htm. Acesso em: abr.2010. Com cortes. Adapt.

18. Conforme as informações expostas no texto, pode-se dizer que Humberto
Mendes chamou a polícia porque:

Leia o texto a seguir para responder as questões 19 e 20.

Vans escolares podem ser obrigadas a usar cadeirinha

O Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) deve estender a obrigatoriedade
do uso da cadeirinha para crianças de até 7 anos e meio para o transporte escolar.
A obrigatoriedade, porém, não deverá ocorrer já. Isso deve acontecer só quando
forem regulamentadas as resoluções sobre o transporte escolar em geral, que
estão sendo discutidas em uma das câmaras temáticas do Contran (Conselho
Nacional deTrânsito).
"A regulamentação pode ocorrer a qualquer momento, quando terminarem os
estudos. Mas não há um prazo. Depois disso, os perueiros também terão um
tempo para adaptar os veículos, assim como ocorreu com a população em geral,
no caso das cadeirinhas, cuja mudança foi aprovada há dois anos", explica o
diretor do Denatran e presidente do Contran, Alfredo Peres da Silva.

Fonte: Vans escolares podem ser obrigadas a usar cadeirinha. In: UOL Educação, 22/04/2010 -
09h44. Disponível em: http://educacao.uol.com.br/. Acesso em: 30 abr.2010.

19. Nos trechos a seguir, a ideia de oposição entre fatos aparece em:

20. A frase em que aparece uma expressão de tempo que indica quando poderá
ocorrer a regulamentação do uso das cadeirinhas é:

Leia as histórias em quadrinhos a seguir para responder a questão 21.

HQ 1- Geraldão




Fonte: GLAUCO. Geraldão. Quadrinhos. Folha de S. Paulo, São Paulo, 22/4/2010.
Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/quadrin/f32204201003.htm. Acesso em 30 abr. 2010
HQ 2 - Chiclete com Banana




Fonte: ANGELI. Chiclete com Banana. Quadrinhos. Folha de S. Paulo, São Paulo, 22/4/2010.
Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/quadrin/f32204201001.htm. Acesso em: 30 abr.
2010.

21. Nas duas histórias em quadrinhos (HQ), aparece o pronome ―isso‖. Pode-se
dizer que essa palavra:

Leia o quadro a seguir para responder a questão 22.

Dados nutricionais, a cada 100 g

ARROZ BRANCO
Fibras: 0,2 g
Proteínas: 7 g
Calorias: 120
TEMPO DE PREPARO: 25 min
ARROZ PARBOILIZADO
Fibras: 0,5 g
Proteínas: 7,3 g
Calorias: 112
TEMPO DE PREPARO: 20 min
ARROZ INTEGRAL
Fibras: 1 g
Proteínas: 7,3 g
Calorias: 107
TEMPO DE PREPARO: 40 min

Fontes Eleusa Germano, nutricionista vice-presidente da Associação Paulista de Nutrição, em São Paulo;
Monica Inez Elias Jorge, da Faculdade de Saúde Pública da USP; Gilberto Amato, pesquisador do Instituto Rio
Grandense do Arroz e professor colaborador da Universidade Federal de Pelotas.


Fonte: Super Interessante online. São Paulo: Abril, 2010. Disponível em:
http://super.abril.com.br/alimentacao/esse-tal-arroz-parboilizado-552160.shtml. Acesso em: 30 abr.
2010. Com cortes. Adapt.

22. Ao comparar os dados nutricionais constantes no quadro, pode-se afirmar que:

Leia a notícia a seguir para responder as questões 23 e 24.

16/04/2010 - 14h01

Rapper revela o lado B de uma Brasília que não se vê nos telejornais

Rodrigo Bertolotto
Enviado especial do UOL Notícias

Em Brasília ―Quem mora fora do avião/Bate palma e pede diversão.‖ A rima fala da
Brasília que existe fora do Plano Piloto e que não é ornada com monumentos e
palácios de Oscar Niemeyer. O autor é Genival Oliveira Gonçalves, mais
conhecido por suas iniciais. É o rapper Gog.
A entrevista acontece no Conic, o prédio de diversões do outro lado da Esplanada
dos Ministérios. É o ponto de encontro dos jovens pulverizados pelo DF. Por lá,
tem loja de disco, quadrinhos, tatuador, cabeleireiros black, igreja evangélica, pais
de santo, prostituição e sedes sindicais. Lá, a autogestão do hip hop conta com
lojas, gravadoras, bilheteria para shows e festas. Lá, o b-boys se reúnem para
dançar.
―Esse é nosso centro nervoso. A gente se encontra aqui porque na nossa
quebrada não tem teatro, centro comunitário, nada‖, define Gog. O hip hop criou
por lá uma indústria própria, vendendo música e roupas do estilo. ―O mercado não
nos aceita. Então criamos nossa própria autogestão.‖
Fonte: Folha de S. Paulo online. Disponível em: http://noticias.uol.com.br/ultimasnoticias/
especial/2010/brasilia-50-anos/2010/04/16/rapper-revela-o-lado-b-de-uma-brasilia-que-naose-
ve-nos-telejornais.jhtm. Acesso em: 30 abr.2010. Com cortes.

23. Em ―A gente se encontra aqui porque na nossa quebrada não tem teatro,
centro comunitário, nada‖, a expressão destacada pode ser entendida como:

24. De acordo com o texto, os jovens:

Leia as cartas de leitor a seguir para responder a questão 25.

Texto 1 – Pedágios

"Depois de um ano de esforço estudantil, minha filha foi recompensada com a
aprovação no vestibular da Unesp. Fui, então, levá-la de carro até Assis. Há muito
tempo não ia para aqueles lados e fiquei muito surpreso com a boa qualidade da
estrada até a cidade: pistas duplas, bom asfalto etc. Só que tive uma outra
surpresa muito desagradável: a quantidade exagerada de pedágios e as tarifas
exorbitantes.
Para um trecho de 430 km, enfrentei 9 pedágios, ou melhor, 18 --contando a volta-
-,e tive de pagar cerca de R$ 140, mais ou menos o mesmo que gastei de
gasolina. Depois disso, acho que este modelo de gestão privatista de estradas
precisa ser revisto. A excelência das estradas estaduais não pode ser justificada
com pedágios tão caros, até porque já recolhemos aos cofres públicos altas taxas
de IPVA."

MARCIO PALACIOS (São Paulo, SP)
Fonte: Folha de S. Paulo. Painel do leitor, 23/2/2010. Disponível em:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/paineldoleitor/ult10077u697527.shtml. Acesso em: 30 abr.2010.
Adapt.

Texto 2 – Pedágios

"Quando as pessoas desandam a atacar os pedágios nas estradas paulistas, por
mera questão política, será que não atentam para a qualidade das rodovias
paulistas? Será que não enxergam que as estradas duplicadas, bem conservadas
e bem sinalizadas, têm contribuído para que muitas vidas sejam preservadas? É
só comparar os índices de acidentes e de mortes nas estradas paulistas com
outras do país; e olha que São Paulo tem a maior frota de veículos. É só comparar
os acidentes e mortes nas próprias estradas paulistas antes e depois da
duplicação das rodovias. Eu não teria coragem de sair da minha cidade, Jaú, no
centro do Estado, e seguir até São Paulo, numa extensão de 300 quilômetros, se
não tivesse todas as rodovias duplicadas --rodovias Engenheiro Paulo Nilo
Romano, Washington Luiz, Anhanguera e Bandeirantes--, mesmo tendo que
desembolsar entre ida e volta cerca de R$ 85 de pedágio. Eu prefiro segurança."
JOSÉ HENRIQUE TEIXEIRA (Jaú, SP)

Fonte: Folha de S. Paulo. Painel do leitor, 23/2/2010. Disponível em:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/paineldoleitor/ult10077u697527.shtml. Acesso em: 30 abr.2010.

25. Considerando-se as duas cartas, pode-se dizer que:

Leia o texto a seguir para responder a questão 26.

Seu Saul.

Seu Saul invariavelmente cumprimentava as crianças com a mesma frase:
―Vosmecê tá fortinho, com saúde?‖. Nós achávamos engraçado e mais tarde o
imitávamos com sotaque caipira.
Era um homem espigado, de mãos ásperas, rosto vincado pelo sol e um
chapéu de palha grossa que ele só tirava da cabeça para saudar pessoas e entrar
em casa. Devia ter cinquenta anos, se tanto, e vivia num sítio vizinho isolado com
duas irmãs mais velhas.

Fonte: VARELLA, Drauzio. De braços para o alto. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2002.
Com cortes. Adatp.

26. No texto, o narrador diz que achava a fala do seu Saul engraçada e a imitava
com sotaque caipira. Essa atitude do narrador é:

Leia os textos a seguir para responder a questão 27.

Texto 1

Educação Ambiental e Cidadania
Efeito Estufa

O que eu posso fazer para diminuir minha emissão de CO2 para a atmosfera?

A natureza está fazendo a parte dela. E você, está fazendo a sua?
Você conhece a regra dos 3 Rs? A regra dos 3 Rs significa: Reduzir;
Reutilizar e Reciclar. Qualquer um dos ―Rs‖ só irá acontecer se houver um
programa de EDUCAÇÃO da população. Use a regra e seja um cidadão ―de bem‖
com a natureza.
Cada um de nós é responsável pela emissão de uma parcela de CO2 para a
atmosfera, pois consumimos produtos industrializados e usamos carros ou ônibus
para nos locomover.
Para cada tonelada de papel reciclado, de 10 a 20 árvores são poupadas.
Isto representa uma economia de recursos naturais, as árvores não cortadas
continuam absorvendo CO2 pela fotossíntese, e gasta-se a metade da energia
para reciclar o papel que para produzi-lo pelo processo convencional. Uma latinha
reciclada economiza em energia o equivalente ao consumo de um televisor ligado
por 3 horas. Veja que quando falamos em economia de energia, isto representa
uma economia de combustível que seria queimado pela indústria, que implica
numa redução na emissão de gás carbônico para a atmosfera, que implica numa
diminuição do efeito estufa. O Brasil é o país que mais recicla as latas de alumínio
no mundo.

Vamos pensar sobre isso e agir logo!
Fonte: Efeito estufa. Disponível em: http://www.usp.br/qambiental/ tefeitoestufa. htm# Quais Gases.
Acesso em: 30 abr.2010. Com cortes. Adapt.
Texto 2




Fonte: Disponível em:
http://www.artshopping.com.br/lojavirtual/images/charge_pinguim_aquecimento_.jpg. Acesso em
10/05/2010.

27. Considerando o tratamento dado ao mesmo conteúdo nos dois textos, pode-se
dizer que:

Leia os textos a seguir para responder a questão 28.

Texto 1
A lenda das Amazonas
Por Ana Lucia Santana

Na Antiga Grécia, bem antes da vinda de Cristo a Terra, eram narradas histórias
sobre mulheres que andavam a cavalo, manipulavam o arco e a flecha com rara
habilidade e se recusavam a viver com os homens em seus territórios. Estas
exímias guerreiras eram conhecidas como Amazonas, das quais nem os mais
destemidos soldados poderiam fugir com vida.

Em 1540, o aventureiro hispânico Francisco Orellana, escrivão da armada
espanhola, participou de uma jornada exploratória na América do Sul,
atravessando, portanto, o extenso e misterioso rio que cruzava uma das mais
temidas florestas. Segundo A Lenda das Amazonas, ele teria avistado, no
pretenso reino das Pedras Verdes, mulheres semelhantes às acima descritas,
conhecidas pelos indígenas como Icamiabas, expressão que tinha o sentido de
‗mulheres sem marido‘.


Fonte: A lenda das amazonas. Disponível em: http://www.infoescola.com/mitologia/a-lenda-
dasamazonas. Acesso em: 04/05/2010.


Texto 2 - O QUE É A AMAZÔNIA?




                                       A Amazônia é considerada a área de maior
extensão de floresta tropical do mundo, representando 40% do total
ainda existente no planeta. A região é um paraíso de
superlativos: abriga uma infinita diversidade de espécies e a
maior bacia hidrográfica do mundo. Está localizada em um
dos terrenos mais antigos do planeta e ocupa quase 40% do
território brasileiro, com uma área de 3,5 milhões de km2. A floresta estende-se
por sete países da América do Sul, que também fazem parte da bacia amazônica.
Não há ninguém no planeta que não se refira à floresta – e ao futebol – quando se
fala em Brasil.

Fonte: Guia Amazônia. Disponível em: http://www.horizontegeografico.com.br. Acesso em: abr.
2010. Com cortes.

28. A região da Amazônia:


Leia a tirinha a seguir para responder a questão 29.

Níquel Náusea
Fernando Gonsales




Fonte: Folha de S. Paulo. São Paulo. Ilustrada. 20/4/2010.
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/quadrin/f32004201006.htm. Acesso em: 30 abr. 2010.

29. Em ―Vamos brincar de falar nomes de países!‖, observe que a palavra grifada
está no plural. O mesmo processo de formação do plural ocorreu em:
Leia o texto a seguir para responder as questões 30 e 31.

Enquanto os professores explicavam regras e equações na lousa, José Pedro
não conseguia deixar de pensar em seu pai.
Seria por causa da careca? Seria pela ausência da força protetora da
cabeleira? Por causa do gorro verde de lã? O menino não conseguia entender.
Nunca se lembrava do pai e agora aquela figura sem rosto parecia querer invadir
seu corpo feito uma força misteriosa.
O professor explicava um problema, mas o problema do menino era outro.
Só se o tombo tivesse mexido com suas ideias! Ele, que sempre conseguia
nunca pensar no assunto, agora sentia-se indefeso, invadido por trezentas
perguntas. Onde estaria seu pai? Estava morto? Morava em São Paulo? O que
fazia? Tinha casado de novo? Tinha outro filho? Era médico? Como seria ele?
Cabeludo ou careca? Bem que ele podia aparecer um dia para fazer uma visita...
O menino sentiu um aperto dentro dos ossos do peito.
Estava aflito
De repente escutou uma voz grossa:
- Zé Pedro.
A cabeça do menino deu um nó. Aquela voz!
- José Pedro!
Era o professor parado ao seu lado.
As palavras escaparam sem querer da boca de José Pedro:
- Papai!
A classe desabou na gargalhada.
Fonte: AZEVEDO, Ricardo. Pobre c. careca. São Paulo: Ática, 1998. Com cortes. Adapt.

30. O trecho em que a fala da personagem Zé Pedro se mistura à fala do narrador
é:

31. O motivo pelo qual a classe desabou na gargalhada foi o fato de Zé Pedro:

Leia o texto a seguir para responder a questão 32.

Viagem ao Caribe

Um casal decide passar férias numa praia do Caribe, no mesmo hotel onde
passaram a lua de mel há 20 anos atrás.
Por problemas de trabalho, a mulher não pode viajar com seu marido,
deixando para ir uns dias depois.
Quando o homem chegou e foi para seu quarto do hotel, viu que havia um
computador com acesso a internet. Então decidiu enviar um e-mail a sua mulher,
mas errou uma letra sem se dar conta e o enviou a outro endereço...
O e-mail foi recebido por uma viúva que acabara de chegar do enterro do seu
marido e que ao conferir seus e-mails desmaiou instantaneamente.
O filho, ao entrar na casa, encontrou sua mãe desmaiada, perto do
computador, onde na tela poderia se ler:
— Querida esposa: Cheguei bem. Provavelmente se surpreenda em receber
notícias minhas por e-mail, mas agora tem computador aqui e pode enviar
mensagens às pessoas queridas. Acabo de chegar e já me certifiquei de que já
está
tudo preparado para você chegar na sexta que vem. Tenho muita vontade de te
ver
e espero que sua viagem seja tão tranquila como a minha.
Obs: Não traga muita roupa, porque aqui faz um calor infernal.
Enviado por Gadoninho, em 19 fevereiro, 2010 - 18:19
Fonte: O melhor site de humor do Brasil. Disponível em:
http://www.piadas.com.br/piadas/humor/viagem-ao-caribe. Acesso em: 30 abr. 2010

32. O fato que iniciou o conflito na narrativa foi:

Proposta de Produção de Texto

Leia os textos a seguir para refletir sobre o tema ―Pichação, vandalismo e
patrimônio público‖. Escreva um texto com sua opinião, apresentando argumentos
para defendê-la.

Texto 1 – Pichação

"Para o leitor Felipe Augusto Vicari de Carli, a pichação é uma brincadeira de
adolescentes. Quando alguns adolescentes, filhinhos de papai, queimaram aquele
índio num ponto de ônibus em Brasília, eles alegaram que estavam fazendo uma
'brincadeirinha'. Eu morreria de vergonha se morasse em Curitiba, vendo o centro
histórico, a estufa do Jardim Botânico, o Paço da Liberdade e a sede da
Universidade Federal do Paraná todos pichados. É uma brincadeira de mau
gosto."

MARCELO CIOTI (Atibaia, SP)
Fonte: Painel do leitor, Folha de S. Paulo, 21/04/2010. Disponível em:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/paineldoleitor/ult10077u723783.shtml. Acesso em: 30 abr. 2010.

Texto 2 - O QUE É PICHAÇÃO?

A pichação é uma ação de transgressão para marcar presença, chamar atenção
para si por meio da subversão do suporte. Muitas vezes o nome pichado é repetido
como uma espécie de carimbo pela cidade. A pichação não configura gesto
estético obrigatório - em relação à forma e conteúdo - embora possa ocorrer.
Fonte: O que é pichação. Disponível em: http://www.pichacao.com/. Acesso em: 04/03/2010. Com
cortes.

Texto 3 – VIOLÊNCIA
Pichadores deixam rastro de vandalismo, agressões e roubos
SÃO PAULO - Sempre criticada e considerada prática de vândalos, a pichação
voltou a ser alvo de discussões após um aluno do Centro Universitário Belas Artes,
em São Paulo, invadir e pichar a faculdade com a ajuda de um grupo - e afirmar
que a ação era seu trabalho de conclusão de curso. Ele pretendia elevar a
atividade ao status de arte, mas acabou expulso da escola. No último final de
semana, o mesmo aluno atacou outra vez com sua gangue: eles invadiram a
Galeria Choque Cultural, em Pinheiros, para pichar e danificar 20 obras
"underground" sob o pretexto de protestar contra a comercialização da arte de rua.
Enquanto o episódio gera discussão no meio universitário, existe nas ruas uma
espécie de "academia de pichadores", com direito a ídolos, tradições e regras
definidas. Mas há também histórias de violência, agressões e roubos praticados
pelos pichadores.
Fonte: O Globo online. 14/9/2008. Disponível em:
http://oglobo.globo.com/sp/mat/2008/09/14/pichadores_deixam_rastro_de_vandalismo_agressoes_r
oubos-548216839.asp. Acesso em: 20 abr. 2010. (Com cortes).
ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DO TEXTO

1) Seu texto deve ser escrito de acordo com a norma culta da língua
portuguesa.

2) O texto não deve ser escrito em forma de versos ou como narração.

3) Faça o rascunho na parte reservada para isso e, depois, passe seu texto
a limpo, escrito a tinta, na página reservada à versão final.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lab5 teste aval_3a
Lab5 teste aval_3aLab5 teste aval_3a
Lab5 teste aval_3aAna Guerra
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.Antônio Fernandes
 
Escola Municipal de Ensino Fundamental.docx
Escola Municipal de Ensino Fundamental.docxEscola Municipal de Ensino Fundamental.docx
Escola Municipal de Ensino Fundamental.docxEricaCostaViquetiGam1
 
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos ReisTrabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos ReisMarcus Rodrigues
 
UPE - Prova ssa 1 - 1º dia
UPE - Prova ssa 1  - 1º diaUPE - Prova ssa 1  - 1º dia
UPE - Prova ssa 1 - 1º diaf t
 
Escrita Criativa - Roseane Queiroz
Escrita Criativa - Roseane QueirozEscrita Criativa - Roseane Queiroz
Escrita Criativa - Roseane QueirozZoom Comunicação
 
Redação geral final
Redação geral finalRedação geral final
Redação geral finalJosi Motta
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Cláudia Heloísa
 
2008 tecnico concomitante
2008 tecnico concomitante2008 tecnico concomitante
2008 tecnico concomitanteadridias2007
 

Mais procurados (14)

6ano portugues 2007
6ano portugues 20076ano portugues 2007
6ano portugues 2007
 
Lab5 teste aval_3a
Lab5 teste aval_3aLab5 teste aval_3a
Lab5 teste aval_3a
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
 
Escola Municipal de Ensino Fundamental.docx
Escola Municipal de Ensino Fundamental.docxEscola Municipal de Ensino Fundamental.docx
Escola Municipal de Ensino Fundamental.docx
 
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos ReisTrabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
 
Rp 2ºb lp_7º
Rp 2ºb lp_7ºRp 2ºb lp_7º
Rp 2ºb lp_7º
 
UPE - Prova ssa 1 - 1º dia
UPE - Prova ssa 1  - 1º diaUPE - Prova ssa 1  - 1º dia
UPE - Prova ssa 1 - 1º dia
 
Escrita Criativa - Roseane Queiroz
Escrita Criativa - Roseane QueirozEscrita Criativa - Roseane Queiroz
Escrita Criativa - Roseane Queiroz
 
Lourença ...
Lourença ...Lourença ...
Lourença ...
 
Redação geral final
Redação geral finalRedação geral final
Redação geral final
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
UFT 2010 objetiva
 UFT 2010 objetiva UFT 2010 objetiva
UFT 2010 objetiva
 
Portugues vol5
Portugues vol5Portugues vol5
Portugues vol5
 
2008 tecnico concomitante
2008 tecnico concomitante2008 tecnico concomitante
2008 tecnico concomitante
 

Semelhante a O texto como placebo15. O texto trata da:16. Segundo o texto, os livros de autoajuda se tornaram populares porque

15º AULÃO preparatório para avaliações externas
15º AULÃO preparatório para avaliações externas15º AULÃO preparatório para avaliações externas
15º AULÃO preparatório para avaliações externasRosaMisticaCoelho2
 
Prova da cidade de português 6ª series
Prova da cidade de português 6ª seriesProva da cidade de português 6ª series
Prova da cidade de português 6ª seriesClaudia Valério
 
Prova da Cidade Português - 7ª Serie
Prova da Cidade Português - 7ª SerieProva da Cidade Português - 7ª Serie
Prova da Cidade Português - 7ª SerieClaudia Valério
 
D1 - Descritores do SAEB LP.pptx
D1 - Descritores do SAEB LP.pptxD1 - Descritores do SAEB LP.pptx
D1 - Descritores do SAEB LP.pptxSheilaFernandes41
 
Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.
Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.
Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.Raira Moura
 
Situação de aprendizagem o primeiro beijo
Situação de aprendizagem o primeiro beijoSituação de aprendizagem o primeiro beijo
Situação de aprendizagem o primeiro beijoFrancini Carvalho
 
O pequeno livro das grandes emoções
O pequeno livro das grandes emoçõesO pequeno livro das grandes emoções
O pequeno livro das grandes emoçõeseliasdemoch
 
#3 paulo ulrich maio 2014
#3 paulo ulrich   maio 2014#3 paulo ulrich   maio 2014
#3 paulo ulrich maio 2014Paulo Ulrich
 
#3 paulo ulrich maio 2014
#3 paulo ulrich   maio 2014#3 paulo ulrich   maio 2014
#3 paulo ulrich maio 2014Paulo Ulrich
 
O pequeno livro das grandes emoções
O pequeno livro das grandes emoçõesO pequeno livro das grandes emoções
O pequeno livro das grandes emoçõesProf. Sonia Santana
 
Projeto de leitura - proeti -
Projeto de leitura  - proeti -Projeto de leitura  - proeti -
Projeto de leitura - proeti -Josiane Amaral
 
QUESTÕES DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO.pptx
QUESTÕES DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO.pptxQUESTÕES DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO.pptx
QUESTÕES DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO.pptxGessinguerRodecz1
 
Lct material de estudo 2016 (C.E. HISPANO BRASILEIRO JOÃO CABRAL DE MELO NETO)
Lct material de estudo 2016 (C.E. HISPANO BRASILEIRO JOÃO CABRAL DE MELO NETO)Lct material de estudo 2016 (C.E. HISPANO BRASILEIRO JOÃO CABRAL DE MELO NETO)
Lct material de estudo 2016 (C.E. HISPANO BRASILEIRO JOÃO CABRAL DE MELO NETO)Humberto Silva de Lima (UERJ / UFRJ)
 
Situação de aprendizagem rui
Situação de aprendizagem ruiSituação de aprendizagem rui
Situação de aprendizagem ruiRui Vianello
 
Redação e edição em revista abertura
Redação e edição em revista aberturaRedação e edição em revista abertura
Redação e edição em revista aberturaMob Cranb
 

Semelhante a O texto como placebo15. O texto trata da:16. Segundo o texto, os livros de autoajuda se tornaram populares porque (20)

15º AULÃO preparatório para avaliações externas
15º AULÃO preparatório para avaliações externas15º AULÃO preparatório para avaliações externas
15º AULÃO preparatório para avaliações externas
 
Prova da cidade de português 6ª series
Prova da cidade de português 6ª seriesProva da cidade de português 6ª series
Prova da cidade de português 6ª series
 
Prova da Cidade Português - 7ª Serie
Prova da Cidade Português - 7ª SerieProva da Cidade Português - 7ª Serie
Prova da Cidade Português - 7ª Serie
 
D1 - Descritores do SAEB LP.pptx
D1 - Descritores do SAEB LP.pptxD1 - Descritores do SAEB LP.pptx
D1 - Descritores do SAEB LP.pptx
 
Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.
Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.
Diários de Leitura e Resenhas. Kanavillil Rajagopalan. Machado de Assis.
 
Situação de aprendizagem o primeiro beijo
Situação de aprendizagem o primeiro beijoSituação de aprendizagem o primeiro beijo
Situação de aprendizagem o primeiro beijo
 
Avalport9 pip prova (2)
Avalport9 pip prova (2)Avalport9 pip prova (2)
Avalport9 pip prova (2)
 
O pequeno livro das grandes emoções
O pequeno livro das grandes emoçõesO pequeno livro das grandes emoções
O pequeno livro das grandes emoções
 
#3 paulo ulrich maio 2014
#3 paulo ulrich   maio 2014#3 paulo ulrich   maio 2014
#3 paulo ulrich maio 2014
 
#3 paulo ulrich maio 2014
#3 paulo ulrich   maio 2014#3 paulo ulrich   maio 2014
#3 paulo ulrich maio 2014
 
Atividade D023.docx
Atividade D023.docxAtividade D023.docx
Atividade D023.docx
 
O pequeno livro das grandes emoções
O pequeno livro das grandes emoçõesO pequeno livro das grandes emoções
O pequeno livro das grandes emoções
 
Informativo2
Informativo2Informativo2
Informativo2
 
Projeto de leitura - proeti -
Projeto de leitura  - proeti -Projeto de leitura  - proeti -
Projeto de leitura - proeti -
 
SD AS FASES DA VIDA
SD AS FASES DA VIDASD AS FASES DA VIDA
SD AS FASES DA VIDA
 
Critica a escola livro
Critica a escola   livroCritica a escola   livro
Critica a escola livro
 
QUESTÕES DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO.pptx
QUESTÕES DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO.pptxQUESTÕES DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO.pptx
QUESTÕES DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO.pptx
 
Lct material de estudo 2016 (C.E. HISPANO BRASILEIRO JOÃO CABRAL DE MELO NETO)
Lct material de estudo 2016 (C.E. HISPANO BRASILEIRO JOÃO CABRAL DE MELO NETO)Lct material de estudo 2016 (C.E. HISPANO BRASILEIRO JOÃO CABRAL DE MELO NETO)
Lct material de estudo 2016 (C.E. HISPANO BRASILEIRO JOÃO CABRAL DE MELO NETO)
 
Situação de aprendizagem rui
Situação de aprendizagem ruiSituação de aprendizagem rui
Situação de aprendizagem rui
 
Redação e edição em revista abertura
Redação e edição em revista aberturaRedação e edição em revista abertura
Redação e edição em revista abertura
 

Mais de Claudia Valério

Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)Claudia Valério
 
O mistério da fábrica de livros
O mistério da fábrica de livrosO mistério da fábrica de livros
O mistério da fábrica de livrosClaudia Valério
 
‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto
‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto
‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agostoClaudia Valério
 
Jeif tarde de 21 de julho a 29 de julho
Jeif tarde de  21 de julho a 29 de julhoJeif tarde de  21 de julho a 29 de julho
Jeif tarde de 21 de julho a 29 de julhoClaudia Valério
 
Prova da cidade matemática 6ª série
Prova da cidade matemática  6ª sérieProva da cidade matemática  6ª série
Prova da cidade matemática 6ª sérieClaudia Valério
 
Prova da cidade matemática 5ª série
Prova da cidade matemática 5ª sérieProva da cidade matemática 5ª série
Prova da cidade matemática 5ª sérieClaudia Valério
 
Prova da Cidade Portugues 5ª serie
Prova da Cidade Portugues 5ª serieProva da Cidade Portugues 5ª serie
Prova da Cidade Portugues 5ª serieClaudia Valério
 
Prova da Cidade de Matemática - 8ª series
Prova da Cidade de Matemática - 8ª seriesProva da Cidade de Matemática - 8ª series
Prova da Cidade de Matemática - 8ª seriesClaudia Valério
 
Prova da Cidade - Matemática - 7ª série
Prova da Cidade - Matemática - 7ª sérieProva da Cidade - Matemática - 7ª série
Prova da Cidade - Matemática - 7ª sérieClaudia Valério
 
Aluno monitor em ação 2010 1
Aluno monitor em ação 2010 1Aluno monitor em ação 2010 1
Aluno monitor em ação 2010 1Claudia Valério
 
Aluno monitor em ação 2010 2
Aluno monitor em ação 2010 2Aluno monitor em ação 2010 2
Aluno monitor em ação 2010 2Claudia Valério
 

Mais de Claudia Valério (20)

Cledson minhas ferias
Cledson minhas feriasCledson minhas ferias
Cledson minhas ferias
 
Artes Egípcias
Artes EgípciasArtes Egípcias
Artes Egípcias
 
Navegar com segurança
Navegar com segurançaNavegar com segurança
Navegar com segurança
 
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
Mortes sobrenaturais (aluna monitora stefanny b tolesano)
 
O mistério da fábrica de livros
O mistério da fábrica de livrosO mistério da fábrica de livros
O mistério da fábrica de livros
 
Pécda
PécdaPécda
Pécda
 
Cabelos e inteligencia
Cabelos e inteligenciaCabelos e inteligencia
Cabelos e inteligencia
 
Cabelos e inteligencia
Cabelos e inteligenciaCabelos e inteligencia
Cabelos e inteligencia
 
Propostas 3b
Propostas 3bPropostas 3b
Propostas 3b
 
‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto
‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto
‬Jeif tarde de 04 de agosto a 11 de agosto
 
Jeif tarde de 21 de julho a 29 de julho
Jeif tarde de  21 de julho a 29 de julhoJeif tarde de  21 de julho a 29 de julho
Jeif tarde de 21 de julho a 29 de julho
 
Jeif manha julho
Jeif manha julhoJeif manha julho
Jeif manha julho
 
Prova da cidade matemática 6ª série
Prova da cidade matemática  6ª sérieProva da cidade matemática  6ª série
Prova da cidade matemática 6ª série
 
Prova da cidade matemática 5ª série
Prova da cidade matemática 5ª sérieProva da cidade matemática 5ª série
Prova da cidade matemática 5ª série
 
Prova da Cidade Portugues 5ª serie
Prova da Cidade Portugues 5ª serieProva da Cidade Portugues 5ª serie
Prova da Cidade Portugues 5ª serie
 
Prova da Cidade de Matemática - 8ª series
Prova da Cidade de Matemática - 8ª seriesProva da Cidade de Matemática - 8ª series
Prova da Cidade de Matemática - 8ª series
 
Prova da Cidade - Matemática - 7ª série
Prova da Cidade - Matemática - 7ª sérieProva da Cidade - Matemática - 7ª série
Prova da Cidade - Matemática - 7ª série
 
Acontece no Franklin
Acontece no FranklinAcontece no Franklin
Acontece no Franklin
 
Aluno monitor em ação 2010 1
Aluno monitor em ação 2010 1Aluno monitor em ação 2010 1
Aluno monitor em ação 2010 1
 
Aluno monitor em ação 2010 2
Aluno monitor em ação 2010 2Aluno monitor em ação 2010 2
Aluno monitor em ação 2010 2
 

O texto como placebo15. O texto trata da:16. Segundo o texto, os livros de autoajuda se tornaram populares porque

  • 1. Prova da Cidade – Português – 8ª Série Observe a imagem a seguir para responder a questão 1. Fonte: Disponível em http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,seca-devasta-parquesdoquenia, 544712,0.htm. Acesso em 30 abr 2010. 1. O texto mais adequado à imagem é: Leia o texto a seguir para responder as questões 2 e 3. PRAZER DE LER – TRÊS [ MAURÍCIO ROSA ] Ler o livro "Contrastes" foi para mim uma bela experiência, conhecer o Maurício subjetivo foi algo fantástico. Em suas poesias descobre-se um homem preocupado com os outros homens, às vezes revoltado com as injustiças praticadas entre os poderosos e os desprovidos de bens materiais, culturais e humanos, enfim, um Humanista. Ler Maurício foi me apresentar a outro homem sensível, cortês, humano e poético, sem contudo largar as rédeas da realidade. Seus poemas falam do
  • 2. cotidiano da vida: dores, sofrimentos e desigualdades da sobrevivência. Em suas linhas poéticas, o sentido denotativo e conotativo das palavras se fundem e vivem em harmonia. Um livro para ler, reler (como fiz várias vezes) e aprender. No momento, que sinto minha Poesia fugir do meu pincel, devido à minha crise de inspiração e esperança, o livro "Contrastes", do meu amigo Maurício R. Almeida, me dá um grande alento. Quem sabe um dia, empurrado pela sua coragem e perseverança, publicarei também meus trabalhos em um livro com meus antigos e velhos escritos. No momento, me sinto inábil e sem o que dizer. Parabéns, Poeta e amigo Maurício, seu livro é belo e lírico. Assim como você, subjetivo e objetivo. Sem dúvidas, ler-te foi um grande prazer. Fonte: Disponível em http://recantodasletras.uol.com.br/resenhasdelivros/2220418. Acesso em 30 abr. 2010. Adaptado. 2. O texto é: 3. A finalidade do texto é: Observe as falas das personagens para responder a questão 4. Fonte: Gonsales, Fernando. Níquel Náusea. Disponível em: http://www2.uol.com.br/niquel/. Acesso em: mar.2010. 4. No primeiro quadrinho, quem fala é: Leia o texto a seguir para responder a questão 5. Marcio_RJ diz: Olá! E aeeeeee. Vamos nos conhecer, que tal um cinema? Onde apanho você? Fonte: http://relacionamento.parperfeito.com.br//cadastro/land-chat-com-video. Acesso em 30 abr. 2010. 5. Marcio_RJ usou uma linguagem menos formal porque? Leia o texto a seguir para responder a questão 6. Saí pro escanteio. Dei uma bica pra área... Ronaldo recebeu e Goooooool! Foi lindo.
  • 3. Fonte: ENCCEJA, 2002. Adaptado. 6. É possível afirmar que essa fala é típica de um: Observe a fotografia a seguir para responder a questão 7. Fonte: UOL Notícias – Fotos. Imagens do dia. Disponível em: http://noticias.uol.com.br/album/100401_album.jhtm. Acesso em 01/05/2010. 7. O título apropriado para a imagem é: Leia o texto a seguir para responder as questões 8 e 9. As estrelas do Dr. Otto A primeira vez em que vi o Dr. Otto foi no início de maio. Os primeiros ventos varriam as folhas das bananeiras e de manhã a gente corria à janela, com medo de que o granizo tivesse estragado a plantação de lavanda. A temperatura mudava constantemente. Numa dessas mudanças, minha irmã mais nova caiu de cama. - Chama o Dr. Otto – aconselhou Seu Hans, que tem casa na frente da nossa. - Ela está bem, Hans, não se preocupe. - Olha, compadre, criança é delicada. Precisa de muito cuidado. Meu pai era um homem sisudo, de mãos calosas, enormes. Deslizou os dedos pelos fios da barba e estalou os lábios. - Que nada, passa logo. Passou nada. A febre foi a 40 e Gisele começou a vomitar. - Onde é que mora o Dr. Otto? – quis saber meu pai. Seu Hans deu o troco. - Eu não disse? No fim, a menina piorou. O Dr. Otto é um mágico... Vai resolver isso! - Não quero saber de mágicos nem de mané-mágicos. Só o endereço dele. Ficou ofendido, o seu Hans: - Que é isso? Eu, hein! Só quis ajudar... Fonte: CAPPARELLI, Sérgio. Uma colcha muito curta. Porto Alegre – RS: L&PM, 2007. Adaptado. 8. A cena narrada se passa: 9. O trecho do texto que indica o momento em que os fatos acontecem é: Leia atentamente o texto seguinte para responder as questões 10 e 11.
  • 4. A voz da consciência e outras vozes Minha avó costumava dizer que a consciência é esta vozinha que, dentro de nós, nos diz o que deve ser feito. E depois acrescentava com um suspiro: - O problema é que há muito barulho no mundo. As pessoas agora têm dificuldade de ouvir a consciência. Minha avó era, portanto, uma pessoa cética. O que ela não sabia é que o mundo evolui – e que existem maneiras sempre novas de transmitir às pessoas a mensagem que elas precisam ouvir. A história que segue é um exemplo... Desde o primeiro dia de aula ficou claro que o Edmundo estava a fim de criar confusão. Ele era novo na escola; o pai, gerente de uma grande empresa, havia sido transferido há pouco para a cidade. Seria de esperar, portanto, que Edmundo se aproximasse de nós, se apresentasse, procurasse fazer amizades. Não foi isso que aconteceu. Foi entrando, um rapaz alto, bonito, muito bem vestido, usando uns estranhos óculos escuros. Não cumprimentou ninguém; escolheu um lugar, no fundo da sala, sentou-se, sacou da mochila uma revista, abriu-a e ficou lendo. Nós o olhávamos, em silêncio. Finalmente, o Jorge, que entre nós fazia um pouco o papel de relações-públicas, aproximou-se dele: - Meu nome é Jorge. Já sabemos que você é novo aqui na escola, e na cidade. Você não gostaria de conhecer o resto da turma? Edmundo mirou-o um instante: - Depois – disse, seco. – Agora estou lendo. Fonte: SCLIAR, Moacyr. A voz da consciência e outras vozes In: ROCHA, Ruth (org.). Contos de escola. Objetiva: Rio de Janeiro, 2003. p. 41-42. vol. 2. 10. As ações de Edmundo foram: 11. As características atribuídas a Edmundo são: Leia um fragmento de ―Os três Mosqueteiros‖ para responder a questão 12. ARAMIS – Ontem, à noite, fui consultar um sábio que costumo frequentar... Quando eu estava saindo de sua casa, vi sua sobrinha... PORTOS – Claro, uma sobrinha, eu tinha certeza... ARAMIS – Na hora em que eu saía de lá, ela também saia. Resolvi acompanhá-la até sua carruagem. ATOS – Vamos, o caso é sério! ARAMIS – Bom, de repente, no escuro da noite, surgiu um homem alto, moreno... Vinha acompanhado de uns seis homens, aproximou-se, e disse para mim e para a dama que me acompanhava: ―Senhor duque, e vós, senhora, dignai-vos subir para essa carruagem sem opor qualquer resistência.‖ D‘ARTAGNAN – Achou que você era o duque e ela, a rainha! Claro! PORTOS – É verdade que você é da mesma altura que o duque, e tem o mesmo porte... Mas o uniforme de mosqueteiro... ARAMIS – Eu estava enrolado numa capa enorme. PORTOS – E o rosto? ARAMIS – Eu estava usando um chapéu de aba enorme, caído sobre o rosto... PORTOS – Em pleno no verão? Deus do céu! Nunca pensei que a gente precisasse tomar tantas precauções para visitar um sábio... ATOS – Portos, deixe Aramis em paz. E aí, quando viram que você não era o duque eles sumiram? ARAMIS – Exatamente... Fonte: DUMAS, Alexandre. Os três mosqueteiros. Adapt. Ana Maria Machado. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.
  • 5. 12. Aramis viu a sobrinha do sábio quando: Leia o sumário retirado de uma revista mensal para responder a questão 13. Fonte: Revista Em dia. Ano 11 – mar.2010, nº 104. 13. Para ler a reportagem sobre bullying e descobrir de que modo esse problema afeta a vida dos jovens, a página e a coluna a serem buscadas no sumário são:
  • 6. Leia o texto a seguir para responder a questão 14. Brasileira obesa tem dieta similar à do americano: rica em gordura e pobre em carboidratos, o que leva ao sobrepeso Estudo realizado com mulheres obesas brasileiras aponta como principais causas da obesidade, o alto consumo de gordura na dieta e sedentarismo. O trabalho traz indícios de que retirar o carboidrato da dieta não vai promover de forma eficiente o emagrecimento, mas muitas vezes pode ter efeito contrário, resultando em maior ingestão de gordura e proteína. Além disso, ele mostra que a alimentação deste grupo se assemelha muito com o padrão de ingestão da população obesa americana. Buscando entender os mecanismos da obesidade feminina, pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) e da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP reproduziram em laboratório um modelo experimental para estudar os efeitos das dietas ricas em gorduras sobre a regulação do metabolismo e o desenvolvimento do diabetes tipo 2 como consequência da obesidade. Fonte: LANCHA, Luciana O.P. Blog Nutritips. Disponível em: http://nutritips.blog.uol.com.br/arch2010-04-18_2010-04-24.html. Acesso em: 30 abr.2010. Com cortes. Adapt. 14. Se as mulheres retirarem o carboidrato da dieta, o emagrecimento deixará de ocorrer de forma eficiente porque: Leia o artigo a seguir para responder as questões 15 e 16. O texto como placebo Autoajuda encerra uma lição que vale para a ciência: O paciente precisa do amparo das palavras por Moacyr Scliar A palavra placebo (do latim agradarei) refere-se a uma substância ou um procedimento que, teoricamente, não faria efeito sobre o organismo, mas que acaba tendo resultados terapêuticos, pela crença que uma pessoa deposita nela. Pergunta: é o texto um placebo? No caso da ficção, pode-se dizer que sim. É algo que resulta da imaginação de um escritor, de um cineasta, de um dramaturgo; mas, quando agrada o espectador ou o leitor, exerce um efeito que poderíamos chamar de terapêutico. A ficção ajuda a viver. E isso inclui uma melhora da saúde – pelo menos do ponto de vista psicológico. Para muitas pessoas a leitura é um amparo, um consolo, uma terapia. Daí nasceu inclusive um gênero de livros que se tornou popular: as obras de autoajuda. Diferentemente da ficção, elas aconselham o leitor acerca de problemas específicos: luto, controle do stress, divórcio, depressão, ansiedade, relaxamento, autoestima, e até a felicidade. Esse tipo de leitura faz um enorme sucesso; não há livraria que não tenha uma seção destinada especialmente à autoajuda. Fonte: Mente e Cérebro. Rio de Janeiro/São Paulo: Duetto, Ed. 201, out.2009. Disponível em: http://www2.uol.com.br/vivermente/artigos/o_texto_como_placebo.html. Acesso em: 30 abr. 2010. Com cortes. Adapt.
  • 7. 15. No texto, o autor defende que os livros de autoajuda são placebos porque: 16. O tema do artigo de Moacyr Scliar é: Leia o texto a seguir para responder a questão 17. CIÊNCIA A Terra está esquentando mesmo? Nem todos os cientistas acreditam nisso CLAUDIO ANGELO - EDITOR DE CIÊNCIA Embora a maioria dos cientistas ache que a Terra está esquentando e que o homem é o culpado, alguns pesquisadores dizem que não, ou que os efeitos do aquecimento global não serão graves. São os chamados "céticos" do clima. Vários desses cientistas recebem dinheiro de indústrias poluidoras, o que lança dúvidas sobre o que eles dizem. Mas muitos são pesquisadores reconhecidos. Eles acham exageradas as previsões de que os efeitos do aquecimento global serão catastróficos. Uma dessas previsões já se mostrou errada: a de que as geleiras do Himalaia vão derreter daqui a 20 anos. Outro medo dos cientistas era o de que o aquecimento global desligasse as correntes marinhas que levam calor do Equador para o hemisfério Norte. Isso deixaria a Europa muito mais fria, tão fria quanto na época dos mamutes. Mas os próprios cientistas foram lá, mediram a corrente e viram que está tudo bem. Os céticos são considerados pelos cientistas que estudam o clima como os "chatos"que querem estragar a festa, nem sempre por bons motivos. Mas têm um papel importante: sem debate e dúvida, a ciência não avança. Seria ruim se todo mundo pensasse igual. Fonte: Folha de S. Paulo. Folhinha. São Paulo, sábado, 24 de abril de 2010. Com cortes 17. Um dos argumentos contrários à tese de que a Terra está esquentando é o de que: Leia o texto a seguir para responder a questão 18. PAINEL DO LEITOR O "Painel do Leitor" recebe colaborações por e-mail (leitor@uol.com.br), fax (0/xx/11/3223- 1644) e correio (al.Barão de Limeira, 425, 4º andar, São Paulo-SP, CEP 01202- 900). As mensagens devem ser concisas e conter nome completo, endereço e telefone. A Folha se reserva o direito de publicar trechos. "Pichação" "Brilhante a ideia da Bienal, que presta um grande serviço à cidade, ao convidar os pichadores da Bienal anterior a participarem da próxima, neste ano. Assim eles vão poder dar asas à sua imaginação e botar para fora o seu talento e a sua criatividade, com liberdade de fazer sua arte.Meu único receio é que, livres e com plena liberdade para rabiscar, eles não consigam fazer alguma coisa aproveitável e façam porcaria - como alguns que de vez em quando emporcalham o prédio onde moro e sou síndico. Um dia, com o zelador, peguei dois desses pichadores e, como eles nos ofenderam e só faltaram nos bater, chamamos a polícia. Um deles, maior de idade,
  • 8. já tinha um monte de passagens por furtos em prédios de apartamento e chegou a confessar que ‗entro pra pichar,levanto os caminho e mando os mano dispois’. É uma pena, porque essa é uma realidade para a qual não podemos fazer vista grossa.‖ HUMBERTO MENDES (São Paulo, SP) Fonte: Folha de S. Paulo. Opinião. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/ fz2004201010.htm. Acesso em: abr.2010. Com cortes. Adapt. 18. Conforme as informações expostas no texto, pode-se dizer que Humberto Mendes chamou a polícia porque: Leia o texto a seguir para responder as questões 19 e 20. Vans escolares podem ser obrigadas a usar cadeirinha O Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) deve estender a obrigatoriedade do uso da cadeirinha para crianças de até 7 anos e meio para o transporte escolar. A obrigatoriedade, porém, não deverá ocorrer já. Isso deve acontecer só quando forem regulamentadas as resoluções sobre o transporte escolar em geral, que estão sendo discutidas em uma das câmaras temáticas do Contran (Conselho Nacional deTrânsito). "A regulamentação pode ocorrer a qualquer momento, quando terminarem os estudos. Mas não há um prazo. Depois disso, os perueiros também terão um tempo para adaptar os veículos, assim como ocorreu com a população em geral, no caso das cadeirinhas, cuja mudança foi aprovada há dois anos", explica o diretor do Denatran e presidente do Contran, Alfredo Peres da Silva. Fonte: Vans escolares podem ser obrigadas a usar cadeirinha. In: UOL Educação, 22/04/2010 - 09h44. Disponível em: http://educacao.uol.com.br/. Acesso em: 30 abr.2010. 19. Nos trechos a seguir, a ideia de oposição entre fatos aparece em: 20. A frase em que aparece uma expressão de tempo que indica quando poderá ocorrer a regulamentação do uso das cadeirinhas é: Leia as histórias em quadrinhos a seguir para responder a questão 21. HQ 1- Geraldão Fonte: GLAUCO. Geraldão. Quadrinhos. Folha de S. Paulo, São Paulo, 22/4/2010. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/quadrin/f32204201003.htm. Acesso em 30 abr. 2010
  • 9. HQ 2 - Chiclete com Banana Fonte: ANGELI. Chiclete com Banana. Quadrinhos. Folha de S. Paulo, São Paulo, 22/4/2010. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/quadrin/f32204201001.htm. Acesso em: 30 abr. 2010. 21. Nas duas histórias em quadrinhos (HQ), aparece o pronome ―isso‖. Pode-se dizer que essa palavra: Leia o quadro a seguir para responder a questão 22. Dados nutricionais, a cada 100 g ARROZ BRANCO Fibras: 0,2 g Proteínas: 7 g Calorias: 120 TEMPO DE PREPARO: 25 min ARROZ PARBOILIZADO Fibras: 0,5 g Proteínas: 7,3 g Calorias: 112 TEMPO DE PREPARO: 20 min ARROZ INTEGRAL Fibras: 1 g Proteínas: 7,3 g Calorias: 107 TEMPO DE PREPARO: 40 min Fontes Eleusa Germano, nutricionista vice-presidente da Associação Paulista de Nutrição, em São Paulo; Monica Inez Elias Jorge, da Faculdade de Saúde Pública da USP; Gilberto Amato, pesquisador do Instituto Rio Grandense do Arroz e professor colaborador da Universidade Federal de Pelotas. Fonte: Super Interessante online. São Paulo: Abril, 2010. Disponível em: http://super.abril.com.br/alimentacao/esse-tal-arroz-parboilizado-552160.shtml. Acesso em: 30 abr. 2010. Com cortes. Adapt. 22. Ao comparar os dados nutricionais constantes no quadro, pode-se afirmar que: Leia a notícia a seguir para responder as questões 23 e 24. 16/04/2010 - 14h01 Rapper revela o lado B de uma Brasília que não se vê nos telejornais Rodrigo Bertolotto Enviado especial do UOL Notícias Em Brasília ―Quem mora fora do avião/Bate palma e pede diversão.‖ A rima fala da Brasília que existe fora do Plano Piloto e que não é ornada com monumentos e palácios de Oscar Niemeyer. O autor é Genival Oliveira Gonçalves, mais conhecido por suas iniciais. É o rapper Gog.
  • 10. A entrevista acontece no Conic, o prédio de diversões do outro lado da Esplanada dos Ministérios. É o ponto de encontro dos jovens pulverizados pelo DF. Por lá, tem loja de disco, quadrinhos, tatuador, cabeleireiros black, igreja evangélica, pais de santo, prostituição e sedes sindicais. Lá, a autogestão do hip hop conta com lojas, gravadoras, bilheteria para shows e festas. Lá, o b-boys se reúnem para dançar. ―Esse é nosso centro nervoso. A gente se encontra aqui porque na nossa quebrada não tem teatro, centro comunitário, nada‖, define Gog. O hip hop criou por lá uma indústria própria, vendendo música e roupas do estilo. ―O mercado não nos aceita. Então criamos nossa própria autogestão.‖ Fonte: Folha de S. Paulo online. Disponível em: http://noticias.uol.com.br/ultimasnoticias/ especial/2010/brasilia-50-anos/2010/04/16/rapper-revela-o-lado-b-de-uma-brasilia-que-naose- ve-nos-telejornais.jhtm. Acesso em: 30 abr.2010. Com cortes. 23. Em ―A gente se encontra aqui porque na nossa quebrada não tem teatro, centro comunitário, nada‖, a expressão destacada pode ser entendida como: 24. De acordo com o texto, os jovens: Leia as cartas de leitor a seguir para responder a questão 25. Texto 1 – Pedágios "Depois de um ano de esforço estudantil, minha filha foi recompensada com a aprovação no vestibular da Unesp. Fui, então, levá-la de carro até Assis. Há muito tempo não ia para aqueles lados e fiquei muito surpreso com a boa qualidade da estrada até a cidade: pistas duplas, bom asfalto etc. Só que tive uma outra surpresa muito desagradável: a quantidade exagerada de pedágios e as tarifas exorbitantes. Para um trecho de 430 km, enfrentei 9 pedágios, ou melhor, 18 --contando a volta- -,e tive de pagar cerca de R$ 140, mais ou menos o mesmo que gastei de gasolina. Depois disso, acho que este modelo de gestão privatista de estradas precisa ser revisto. A excelência das estradas estaduais não pode ser justificada com pedágios tão caros, até porque já recolhemos aos cofres públicos altas taxas de IPVA." MARCIO PALACIOS (São Paulo, SP) Fonte: Folha de S. Paulo. Painel do leitor, 23/2/2010. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/paineldoleitor/ult10077u697527.shtml. Acesso em: 30 abr.2010. Adapt. Texto 2 – Pedágios "Quando as pessoas desandam a atacar os pedágios nas estradas paulistas, por mera questão política, será que não atentam para a qualidade das rodovias paulistas? Será que não enxergam que as estradas duplicadas, bem conservadas e bem sinalizadas, têm contribuído para que muitas vidas sejam preservadas? É só comparar os índices de acidentes e de mortes nas estradas paulistas com outras do país; e olha que São Paulo tem a maior frota de veículos. É só comparar os acidentes e mortes nas próprias estradas paulistas antes e depois da duplicação das rodovias. Eu não teria coragem de sair da minha cidade, Jaú, no centro do Estado, e seguir até São Paulo, numa extensão de 300 quilômetros, se não tivesse todas as rodovias duplicadas --rodovias Engenheiro Paulo Nilo Romano, Washington Luiz, Anhanguera e Bandeirantes--, mesmo tendo que desembolsar entre ida e volta cerca de R$ 85 de pedágio. Eu prefiro segurança."
  • 11. JOSÉ HENRIQUE TEIXEIRA (Jaú, SP) Fonte: Folha de S. Paulo. Painel do leitor, 23/2/2010. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/paineldoleitor/ult10077u697527.shtml. Acesso em: 30 abr.2010. 25. Considerando-se as duas cartas, pode-se dizer que: Leia o texto a seguir para responder a questão 26. Seu Saul. Seu Saul invariavelmente cumprimentava as crianças com a mesma frase: ―Vosmecê tá fortinho, com saúde?‖. Nós achávamos engraçado e mais tarde o imitávamos com sotaque caipira. Era um homem espigado, de mãos ásperas, rosto vincado pelo sol e um chapéu de palha grossa que ele só tirava da cabeça para saudar pessoas e entrar em casa. Devia ter cinquenta anos, se tanto, e vivia num sítio vizinho isolado com duas irmãs mais velhas. Fonte: VARELLA, Drauzio. De braços para o alto. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2002. Com cortes. Adatp. 26. No texto, o narrador diz que achava a fala do seu Saul engraçada e a imitava com sotaque caipira. Essa atitude do narrador é: Leia os textos a seguir para responder a questão 27. Texto 1 Educação Ambiental e Cidadania Efeito Estufa O que eu posso fazer para diminuir minha emissão de CO2 para a atmosfera? A natureza está fazendo a parte dela. E você, está fazendo a sua? Você conhece a regra dos 3 Rs? A regra dos 3 Rs significa: Reduzir; Reutilizar e Reciclar. Qualquer um dos ―Rs‖ só irá acontecer se houver um programa de EDUCAÇÃO da população. Use a regra e seja um cidadão ―de bem‖ com a natureza. Cada um de nós é responsável pela emissão de uma parcela de CO2 para a atmosfera, pois consumimos produtos industrializados e usamos carros ou ônibus para nos locomover. Para cada tonelada de papel reciclado, de 10 a 20 árvores são poupadas. Isto representa uma economia de recursos naturais, as árvores não cortadas continuam absorvendo CO2 pela fotossíntese, e gasta-se a metade da energia para reciclar o papel que para produzi-lo pelo processo convencional. Uma latinha reciclada economiza em energia o equivalente ao consumo de um televisor ligado por 3 horas. Veja que quando falamos em economia de energia, isto representa uma economia de combustível que seria queimado pela indústria, que implica numa redução na emissão de gás carbônico para a atmosfera, que implica numa diminuição do efeito estufa. O Brasil é o país que mais recicla as latas de alumínio no mundo. Vamos pensar sobre isso e agir logo! Fonte: Efeito estufa. Disponível em: http://www.usp.br/qambiental/ tefeitoestufa. htm# Quais Gases. Acesso em: 30 abr.2010. Com cortes. Adapt.
  • 12. Texto 2 Fonte: Disponível em: http://www.artshopping.com.br/lojavirtual/images/charge_pinguim_aquecimento_.jpg. Acesso em 10/05/2010. 27. Considerando o tratamento dado ao mesmo conteúdo nos dois textos, pode-se dizer que: Leia os textos a seguir para responder a questão 28. Texto 1 A lenda das Amazonas Por Ana Lucia Santana Na Antiga Grécia, bem antes da vinda de Cristo a Terra, eram narradas histórias sobre mulheres que andavam a cavalo, manipulavam o arco e a flecha com rara habilidade e se recusavam a viver com os homens em seus territórios. Estas exímias guerreiras eram conhecidas como Amazonas, das quais nem os mais destemidos soldados poderiam fugir com vida. Em 1540, o aventureiro hispânico Francisco Orellana, escrivão da armada espanhola, participou de uma jornada exploratória na América do Sul, atravessando, portanto, o extenso e misterioso rio que cruzava uma das mais temidas florestas. Segundo A Lenda das Amazonas, ele teria avistado, no pretenso reino das Pedras Verdes, mulheres semelhantes às acima descritas,
  • 13. conhecidas pelos indígenas como Icamiabas, expressão que tinha o sentido de ‗mulheres sem marido‘. Fonte: A lenda das amazonas. Disponível em: http://www.infoescola.com/mitologia/a-lenda- dasamazonas. Acesso em: 04/05/2010. Texto 2 - O QUE É A AMAZÔNIA? A Amazônia é considerada a área de maior extensão de floresta tropical do mundo, representando 40% do total ainda existente no planeta. A região é um paraíso de superlativos: abriga uma infinita diversidade de espécies e a maior bacia hidrográfica do mundo. Está localizada em um dos terrenos mais antigos do planeta e ocupa quase 40% do território brasileiro, com uma área de 3,5 milhões de km2. A floresta estende-se por sete países da América do Sul, que também fazem parte da bacia amazônica. Não há ninguém no planeta que não se refira à floresta – e ao futebol – quando se fala em Brasil. Fonte: Guia Amazônia. Disponível em: http://www.horizontegeografico.com.br. Acesso em: abr. 2010. Com cortes. 28. A região da Amazônia: Leia a tirinha a seguir para responder a questão 29. Níquel Náusea Fernando Gonsales Fonte: Folha de S. Paulo. São Paulo. Ilustrada. 20/4/2010. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/quadrin/f32004201006.htm. Acesso em: 30 abr. 2010. 29. Em ―Vamos brincar de falar nomes de países!‖, observe que a palavra grifada está no plural. O mesmo processo de formação do plural ocorreu em:
  • 14. Leia o texto a seguir para responder as questões 30 e 31. Enquanto os professores explicavam regras e equações na lousa, José Pedro não conseguia deixar de pensar em seu pai. Seria por causa da careca? Seria pela ausência da força protetora da cabeleira? Por causa do gorro verde de lã? O menino não conseguia entender. Nunca se lembrava do pai e agora aquela figura sem rosto parecia querer invadir seu corpo feito uma força misteriosa. O professor explicava um problema, mas o problema do menino era outro. Só se o tombo tivesse mexido com suas ideias! Ele, que sempre conseguia nunca pensar no assunto, agora sentia-se indefeso, invadido por trezentas perguntas. Onde estaria seu pai? Estava morto? Morava em São Paulo? O que fazia? Tinha casado de novo? Tinha outro filho? Era médico? Como seria ele? Cabeludo ou careca? Bem que ele podia aparecer um dia para fazer uma visita... O menino sentiu um aperto dentro dos ossos do peito. Estava aflito De repente escutou uma voz grossa: - Zé Pedro. A cabeça do menino deu um nó. Aquela voz! - José Pedro! Era o professor parado ao seu lado. As palavras escaparam sem querer da boca de José Pedro: - Papai! A classe desabou na gargalhada. Fonte: AZEVEDO, Ricardo. Pobre c. careca. São Paulo: Ática, 1998. Com cortes. Adapt. 30. O trecho em que a fala da personagem Zé Pedro se mistura à fala do narrador é: 31. O motivo pelo qual a classe desabou na gargalhada foi o fato de Zé Pedro: Leia o texto a seguir para responder a questão 32. Viagem ao Caribe Um casal decide passar férias numa praia do Caribe, no mesmo hotel onde passaram a lua de mel há 20 anos atrás. Por problemas de trabalho, a mulher não pode viajar com seu marido, deixando para ir uns dias depois. Quando o homem chegou e foi para seu quarto do hotel, viu que havia um computador com acesso a internet. Então decidiu enviar um e-mail a sua mulher, mas errou uma letra sem se dar conta e o enviou a outro endereço... O e-mail foi recebido por uma viúva que acabara de chegar do enterro do seu marido e que ao conferir seus e-mails desmaiou instantaneamente. O filho, ao entrar na casa, encontrou sua mãe desmaiada, perto do computador, onde na tela poderia se ler: — Querida esposa: Cheguei bem. Provavelmente se surpreenda em receber notícias minhas por e-mail, mas agora tem computador aqui e pode enviar mensagens às pessoas queridas. Acabo de chegar e já me certifiquei de que já está tudo preparado para você chegar na sexta que vem. Tenho muita vontade de te ver e espero que sua viagem seja tão tranquila como a minha. Obs: Não traga muita roupa, porque aqui faz um calor infernal.
  • 15. Enviado por Gadoninho, em 19 fevereiro, 2010 - 18:19 Fonte: O melhor site de humor do Brasil. Disponível em: http://www.piadas.com.br/piadas/humor/viagem-ao-caribe. Acesso em: 30 abr. 2010 32. O fato que iniciou o conflito na narrativa foi: Proposta de Produção de Texto Leia os textos a seguir para refletir sobre o tema ―Pichação, vandalismo e patrimônio público‖. Escreva um texto com sua opinião, apresentando argumentos para defendê-la. Texto 1 – Pichação "Para o leitor Felipe Augusto Vicari de Carli, a pichação é uma brincadeira de adolescentes. Quando alguns adolescentes, filhinhos de papai, queimaram aquele índio num ponto de ônibus em Brasília, eles alegaram que estavam fazendo uma 'brincadeirinha'. Eu morreria de vergonha se morasse em Curitiba, vendo o centro histórico, a estufa do Jardim Botânico, o Paço da Liberdade e a sede da Universidade Federal do Paraná todos pichados. É uma brincadeira de mau gosto." MARCELO CIOTI (Atibaia, SP) Fonte: Painel do leitor, Folha de S. Paulo, 21/04/2010. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/paineldoleitor/ult10077u723783.shtml. Acesso em: 30 abr. 2010. Texto 2 - O QUE É PICHAÇÃO? A pichação é uma ação de transgressão para marcar presença, chamar atenção para si por meio da subversão do suporte. Muitas vezes o nome pichado é repetido como uma espécie de carimbo pela cidade. A pichação não configura gesto estético obrigatório - em relação à forma e conteúdo - embora possa ocorrer. Fonte: O que é pichação. Disponível em: http://www.pichacao.com/. Acesso em: 04/03/2010. Com cortes. Texto 3 – VIOLÊNCIA Pichadores deixam rastro de vandalismo, agressões e roubos SÃO PAULO - Sempre criticada e considerada prática de vândalos, a pichação voltou a ser alvo de discussões após um aluno do Centro Universitário Belas Artes, em São Paulo, invadir e pichar a faculdade com a ajuda de um grupo - e afirmar que a ação era seu trabalho de conclusão de curso. Ele pretendia elevar a atividade ao status de arte, mas acabou expulso da escola. No último final de semana, o mesmo aluno atacou outra vez com sua gangue: eles invadiram a Galeria Choque Cultural, em Pinheiros, para pichar e danificar 20 obras "underground" sob o pretexto de protestar contra a comercialização da arte de rua. Enquanto o episódio gera discussão no meio universitário, existe nas ruas uma espécie de "academia de pichadores", com direito a ídolos, tradições e regras definidas. Mas há também histórias de violência, agressões e roubos praticados pelos pichadores. Fonte: O Globo online. 14/9/2008. Disponível em: http://oglobo.globo.com/sp/mat/2008/09/14/pichadores_deixam_rastro_de_vandalismo_agressoes_r oubos-548216839.asp. Acesso em: 20 abr. 2010. (Com cortes).
  • 16. ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DO TEXTO 1) Seu texto deve ser escrito de acordo com a norma culta da língua portuguesa. 2) O texto não deve ser escrito em forma de versos ou como narração. 3) Faça o rascunho na parte reservada para isso e, depois, passe seu texto a limpo, escrito a tinta, na página reservada à versão final.