Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos

on

  • 3,962 visualizações

Algumas informações básicas sobre a Língua Brasileira de Sinais.

Algumas informações básicas sobre a Língua Brasileira de Sinais.

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
3,962
Visualizações no SlideShare
3,958
Visualizações incorporadas
4

Actions

Curtidas
3
Downloads
168
Comentários
0

1 Incorporado 4

http://www.slideee.com 4

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos Presentation Transcript

  • Aspectos Linguísticos da Língua Brasileira de Sinais ANDRÉ LUÍS ONÓRIO CONEGLIAN andre.coneglian@gmail.com
  • Sobre a Língua de Sinais • Não é universal; cada país possui uma língua de sinais própria. Ex.: Lengua de Señas de Chile, American Sign Language, Língua Gestual Portuguesa, Língua Brasileira de Sinais, etc. • Porque, assim, como nas línguas orais, pertencem a uma determinada comunidade ou cultura, estando a elas intrinsecamente ligadas. • Não está subordinada à Língua Portuguesa, ainda que sofra influência da mesma; ouvintes aprendizes da LIBRAS buscam constantemente a relação entre os sinais e as palavras do Português; digamos que em 90% essa relação não existe. As línguas são arbitrárias, a Língua de Sinais também.
  • Sobre a Língua de Sinais
  • Sobre a Língua de Sinais • Assim como na Língua Portuguesa, temos palavras diferentes para nos referir ao mesmo objeto/coisa, a LIBRAS possui sinais diferentes para objetos/coisas semelhantes.
  • Termos e Nomenclaturas • Deficiente Auditiv@: termo mais usado na área da saúde; profissionais como otorrinolaringologistas e fonoaudiólogos. Está relacionado aos graus de perda: – – – – – Audição Normal: Deficiência Auditiva Leve: Deficiência Auditiva Moderada: Deficiência Auditiva Severa: Deficiência Auditiva Profunda: 0 – 25 dB 26 – 40 dB 41 – 70 dB 71 – 90 dB Acima de 91 dB
  • Termos e Nomenclaturas • Surd@: pessoas com surdez profunda, provavelmente serão usuárias da língua de sinais, dependendo da época do diagnóstico da perda, da habilitação oral, uso de aparelhos, podem também oralizar. Preferem ser referidas como Surdas do que como Deficientes Auditivas.
  • Termos e Nomenclaturas • Surd@-mud@: termo obsoleto, inadequado e incorreto, pois o déficit auditivo, em nenhum momento prejudica as pregas vocais. O surdo não oraliza porque não ouve! • Mudinh@: diminutivo do termo inadequado e incorreto, pejorativo, despersonaliza o indivíduo, normalmente conhecido por “mudinh@”, faz com que as pessoas nem saibam seu verdadeiro nome. Muito desrespeitoso!
  • Parâmetros Linguísticos • “As áreas da lingüística que estudam os vários aspectos da linguagem humana são: a fonologia, a morfologia, a sintaxe, a semântica e a pragmática.” (QUADROS & KARNOPP, 2004)
  • Fonética / Fonologia • Estudo dos sons como entidades físicoarticulatórias isoladas. • Estudo dos sons do ponto de vista funcional como elementos que integram um sistema lingüístico determinado.
  • PORTUGUÊS produção e expressão
  • PORTUGUÊS recepção
  • LIBRAS produção e expressão
  • LIBRAS recepção
  • Circuito da Comunicação Ouvintes
  • Circuito da Comunicação Surdos
  • Produção, Expressão e Recepção • LÍNGUA PORTUGUESA: oral-auditiva – Principal característica: linearidade • LÍNGUA DE SINAIS: espaço-motora-visual – Principal característica: simultaneidade
  • Português Unidades Mínimas • Os fonemas da língua portuguesa classificam-se em vogais, semivogais e consoantes. • A Língua Portuguesa tem: – 12 fonemas vocálicos (vogais e semivogais): • Ex.: /a/ /ê/ /i/ /ô/ /u/ /ã/ /e/ /i/ /o/ /u/ /é/ /ó/ – 19 fonemas consonantais: • Ex.: /p/ /b/ /m/ /f/ /v/ /t/ /d/ /n/ /nh/ /l/ /lh/ /r/ /rr/ /z/ /s/ /j/ /x/ /g/ /q/ • Obs.: 26 letras / 31 fonemas
  • LIBRAS Configurações de Mãos unidades mínimas sem significado
  • Alfabeto Manual ou Datilologia
  • Alfabeto Manual ou Datilologia • O Alfabeto Manual NÃO É Língua de Sinais, faz parte dela. Usado para soletrar com a mão o “nome” das coisas/objetos na forma do Português. Ex.: nomes pessoais (M-A-R-I-A/ J-O-S-É); endereço ou palavras que não possuem sinais.
  • Números
  • LIBRAS • Parâmetros Primários: – Configurações de Mãos (CM) – Ponto de Articulação (PA) – Movimento (M) • Parâmetros Secundários: – Expressão Facial e ou Corporal – Orientação da(s) palma(s) da(s) mão(s) – Direcionalidade
  • LIBRAS exemplos de parâmetros • APRENDER: – CM: “C” e “S” – PA: testa – Movimento: abrir e fechar • SÁBADO: – CM: “C” e “S” – PA: frente à boca – Movimento: abrir e fechar
  • LIBRAS exemplos de parâmetros • SÁBADO: – CM: “C” e “S” – PA: frente à boca – Movimento: abrir e fechar • LARANJA (fruta e cor): – – – – CM: “C” e “S” PA: frente à boca Movimento: abrir e fechar Expressão facial: bochechas comprimidas, “chupando”.
  • Curiosidades sobre a comunidade surda • Não é necessário gritar ao falar com o surdo, nem articular a boca exageradamente; • A maioria dos surdos profundos não fazem leitura orofacial; • Nem todos os surdos profundos compreendem textos escritos; • Convenções sociais, normalmente devem ser ensinadas ou reforçadas: comer de boca fechada, sem fazer barulhos; levantar os pés enquanto andam, outros...
  • Curiosidades sobre a comunidade surda • O surdo é hiper-sensível à expressões faciais e movimentos diversos; • Em palestras e demais eventos para surdos e, que tenha serviço de interpretação, é preciso considerar um espaço adequado para todos os surdos, evitando distrações visuais (movimento constante de pessoas, por exemplo); • Síndrome de Usher (surdocegueira).
  • Surdez, Interpretação e Ética • Exatamente, todas as informações sonoras (a fala humana e fontes sonoras diversas) precisam ser transmitidas ao surdo; • É anti-ético falar apenas por meio da oralidade, na presença de surdos que não fazem leitura orofacial; e se faz, é preciso falar, olhando em sua direção; • Qualquer informação transmitida aos ouvintes, precisam ser transmitidas, tal e qual, aos surdos também (considerando que muitos deles não fazem uso da leitura e escrita em língua portuguesa); • Etc...
  • Acessórios Tecnológicos Despertador com vibrador Alarme visual TDD ou TS e outros...
  • Os surdos por eles mesmos... • Helen Keller (1880-1968, escritora surdacega americana) – “Várias vezes pensei que seria uma benção se todo ser humano, de repente, ficasse cego e surdo por alguns dias no principio da vida adulta. As trevas o fariam apreciar mais a visão e o silêncio lhe ensinaria as alegrias do som.” • Emmanuelle Laborrit (atriz e escritora surda francesa) – “A gaivota cresceu e voa com suas próprias asas. Olho o mundo do mesmo modo com que poderia escutar. Meus olhos são meus ouvidos. Escrevo do mesmo modo com que me exprimo por sinais. Minhas mãos são bilíngües. Ofereço-lhes minha diferença. Meu coração não é surdo a nada neste duplo mundo...” • Gladis Perlin (1ª doutora surda do Brasil) - “É evidente que as identidades surdas assumem formas multifacetadas em vista das fragmentações a que estão sujeitas face à presença do poder ouvintista que lhe impõe regras, inlcusive, encontrando no estereótipo surda uma resposta para a negação da representação da identidade surda ao sujeito surdo.”
  • O corpo fala... em língua de sinais • “A Língua de Sinais nos remete a uma percepção diferenciada em tempo e espaço, sobretudo da expressão do corpo e do ambiente produzido por esse movimento, por essa dinâmica. O rosto se dilata, o corpo é requerido em posições, posturas, sentidos que nos tiram do eixo construído por uma prévia educação culturalmente ouvinte” (LULKIN, 1998, p. 56).
  • Reflexão “Aprender é sempre adquirir uma força para outras vitórias, na sucessão interminável da vida. Os adultos aconselham freqüentemente às crianças a vantagem de aprender, vantagem que tão pouco conhecem e que a si mesmos dificilmente seriam capazes de aconselhar. Pode ser que um dia cheguem a mudar muito, e dêem tais conselhos a si mesmos. Daí por diante, o mundo começará a ficar melhor” (Cecília Meireles).  “A língua é a chave para o coração de um povo. Se perdemos a chave, perdemos o povo. Se guardamos a chave em lugar seguro, como um tesouro, abriremos as portas para riquezas incalculáveis, riquezas que jamais poderiam ser imaginadas do outro lado da porta” (Eva Engholm)
  • AGRADECIMENTOS Correio eletrônico: andre.coneglian@gmail.com
  • Referências • FERNANDES, S.; STROBEL, K. L. Aspectos linguísticos da língua brasileira de sinais. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência da Educação. Departamento de Educação Especial. Curitiba: SEED/SUED/DEE, 1998. • FERREIRA-BRITO, L. Por uma gramática de língua de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: UFRJ, Departamento de Linguística e Filologia, 1995. • ______ [et al.]. Língua brasileira de sinais. V. 3. Brasília: SEESP, 1998. • KARNOPP, L. B.; QUADROS, R. M. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004. • LULKIN, S. A. O discurso moderno na educação dos surdos: práticas de controle do corpo e a expressão cultural amordaçada. In: SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 1 ed.Porto Alegre: Mediação, 1998, p. 33-49. • SALLES, H. M. M. L. [et al.] Ensino de língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica. V. 1, Brasília: MEC, SEESP, 2004. • WILCOX, S.; WILCOX, P. P. Aprender a ver. Petrópolis: Editora Arara-azul, 2005.