Faculdade de Filosofia, Ciencias e Letras
do Alto São Francisco
Cirrose Hepática
Luz, 18 de março 2014
Faculdade de Filosofia, Ciencias e Letras
do Alto São Francisco
Ana Paula Moura Ferreira Silva
Monisa de Fatima Pereira
Pr...
INTRODUÇÃO
A cirrose hepática, caracterizada pela substituição difusa da
estrutura hepática normal por nódulos de estrutur...
INTRODUÇÃO
A insuficiência hepatocelular pode resultar de uma súbita e
maciça destruição hepática (como na hepatite fulmin...
O QUE É A CIRROSE HEPÁTICA?
Cirrose é o nome genérico que se dá à patologia que transforma
as células originais do tecido ...
O QUE É A CIRROSE HEPÁTICA?
A cirrose hepática surge devido a um processo crônico e
progressivo de inflamações, que result...
ETIOLOGIA
Sob o ponto de vista etiológico, elas podem ser classificadas em:
1. Alcoólica,
2. Pós-necrótica
3. Biliar
4. Pi...
ETIOLOGIA
Podemos também classificar morfologicamente as cirroses de
acordo com o tamanho dos nódulos: Cirrose micronodula...
ALCOOLISMO CRÔNICO
O alcoolismo crônico causa lesões progressivamente mais graves
no fígado: a esteatose, a hepatite alcoó...
A ESTEATOSE
É uma lesão potencialmente reversível, presente em 90% dos
alcoólatras crônicos. É caracterizada macroscópicam...
A ESTEATOSE
Microscopicamente aparece sob a forma de vacúolos que
ocupam quase todo o citoplasma do hepatócito, deslocando...
A HEPATITE ALCOÓLICA
É caracterizada microscopicamente por:
• Esteatose,
• Infiltrado inflamatório polimorfonuclear focal,...
A HEPATITE ALCOÓLICA
A HEPATITE ALCOÓLICA
Os corpúsculos de Mallory são encontrados no interior dos
hepatócitos sob forma de condensações gross...
A HEPATITE ALCOÓLICA
Macroscopicamente o fígado acha-se aumentado de tamanho,
de cor vermelho-amarelada (cor de tijolo), u...
A CIRROSE HEPÁTICA ALCOÓLICA
Macroscopicamente o fígado, na fases inicial acha-se
aumentado de volume, duro (por causa da ...
A CIRROSE HEPÁTICA ALCOÓLICA
Microscopicamente podemos observar subversão da
arquitetura lobular hepática pela formação de...
A CIRROSE HEPÁTICA ALCOÓLICA
CIRROSE PÓS-NECRÓTICA
Macroscopicamente o fígado geralmente tem cor vermelha, é
mais firme do que o normal, e os nódulos s...
CIRROSE PÓS-NECRÓTICA
Microscopicamente podemos muitas vezes observar sinais de
atividade da hepatite causadora, tais como...
CIRROSE BILIAR
O fígado é intensamente verde por causa da acentuada estase
biliar.
HEMOCROMATOSE
Grande acúmulo de hemossiderina (pigmento derivado do
metabolismo da hemoglobina e que contém ferro) no fíga...
DOENÇA DE WILSON
Há acúmulo de cobre nos hepatócitos, notando-se vacuolização
dos núcleos dos hepatócitos, esteatose e, oc...
DEFICIÊNCIA DA ALFA-1-ANTI-TRIPSINA
Esta cirrose é encontrada em indivíduos que, por causa de um
defeito congênito, produz...
CIRROSES CRIPTOGÊNICAS
Quando não se consegue identificar as causas.
CONSEQUÊNCIAS DA CIRROSE HEPÁTICA
A fibrose que ocorre no fígado dificulta a passagem do sangue
através dos lóbulos hepáti...
CONSEQUÊNCIAS DA CIRROSE HEPÁTICA
Com isto ocorrem esplenomegalia congestiva, ascite
(acúmulo de líquido na cavidade perit...
CONSEQUÊNCIAS DA CIRROSE HEPÁTICA
A esplenomegalia deve-se ao acúmulo de sangue no baço.
CONSEQUÊNCIAS DA CIRROSE HEPÁTICA
A ascite é explicada pela transudação de líquido através das
superfícies da serosa perit...
CONSEQUÊNCIAS DA CIRROSE HEPÁTICA
Como consequência da má circulação dos lóbulos e nódulos
hepáticos, o funcionamento do ó...
CONSEQUÊNCIAS DA CIRROSE HEPÁTICA
Uma complicação temível é o desenvolvimento de uma neoplasia
maligna primitiva do fígado...
QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DA CIRROSE
HEPÁTICA?
Inespecíficos:
Caquexia: por anorexia, má- absorção de nutrientes por
...
QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DA CIRROSE
HEPÁTICA?
• Feminilização: por acúmulo de androstenediona, pode haver
ginecomast...
QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DA CIRROSE
HEPÁTICA?
Específicos:
• Etilismo: contraturas de Dupuytren, atrofia dos músculo...
QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DA CIRROSE
HEPÁTICA?
• Anéis de Kayser-Fleisher,
• Hemocromatose: pigmentação cinza metálic...
COMO O MÉDICO DIAGNOSTICA A CIRROSE HEPÁTICA?
Para avaliar-se uma possível patologia hepática, bem como na
avaliação de qu...
COMO É O TRATAMENTO DA CIRROSE HEPÁTICA?
O tratamento dependerá da causa da cirrose e das complicações
presentes. Por exem...
DIETOTERAPIA
A dieta é muito importante nos casos de cirrose, especialmente
quando o paciente apresenta ascite (água na ba...
DIETA HIPOSSÓDICA
Com o intuito de evitar o sal na preparação a opção é a utilização
de temperos naturais como alho, cebol...
COMO EVOLUI A CIRROSE HEPÁTICA?
A cirrose instalada causa sérias limitações físicas, alimentares e
medicamentosas e pode e...
REFERENCIAS
• IIDA, Vivian Helena et al. Cirrose hepática: aspectos morfológicos relacionados às
suas possíveis complicaçõ...
Apresentação cirrose hepatica
Apresentação cirrose hepatica
Apresentação cirrose hepatica
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação cirrose hepatica

3.640 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.640
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
90
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação cirrose hepatica

  1. 1. Faculdade de Filosofia, Ciencias e Letras do Alto São Francisco Cirrose Hepática Luz, 18 de março 2014
  2. 2. Faculdade de Filosofia, Ciencias e Letras do Alto São Francisco Ana Paula Moura Ferreira Silva Monisa de Fatima Pereira Professora: Carolina Carvalho de Souza Luz, 18 de março 2014
  3. 3. INTRODUÇÃO A cirrose hepática, caracterizada pela substituição difusa da estrutura hepática normal por nódulos de estrutura anormal circundados por fibrose. A evolução do paciente cirrótico é insidiosa, geralmente assintomática ou marcada por sintomas inespecíficos (anorexia, perda de peso, fraqueza, osteoporose e outros) até fases avançadas da doença, dificultando o diagnóstico precoce.
  4. 4. INTRODUÇÃO A insuficiência hepatocelular pode resultar de uma súbita e maciça destruição hepática (como na hepatite fulminante viral ou por drogas) ou, mais frequentemente, da agressão progressiva aos hepatócitos, como ocorre na cirrose.
  5. 5. O QUE É A CIRROSE HEPÁTICA? Cirrose é o nome genérico que se dá à patologia que transforma as células originais do tecido de um órgão em tecido fibroso. É um processo cicatricial e acontece em virtude da ação de diversos elementos agressores.
  6. 6. O QUE É A CIRROSE HEPÁTICA? A cirrose hepática surge devido a um processo crônico e progressivo de inflamações, que resultam numa fibrose difusa, na formação de nódulos, e frequentemente, necrose celular.
  7. 7. ETIOLOGIA Sob o ponto de vista etiológico, elas podem ser classificadas em: 1. Alcoólica, 2. Pós-necrótica 3. Biliar 4. Pigmentar 5. Doença de Wilson 6. Deficiência da alfa-1-anti-tripsina 7. Criptogenica
  8. 8. ETIOLOGIA Podemos também classificar morfologicamente as cirroses de acordo com o tamanho dos nódulos: Cirrose micronodular e cirrose macronodular Quando encontramos nódulos pequenos e grandes no mesmo fígado dizemos que a cirrose é mista. Esta classificação carece de importância clínica.
  9. 9. ALCOOLISMO CRÔNICO O alcoolismo crônico causa lesões progressivamente mais graves no fígado: a esteatose, a hepatite alcoólica e finalmente a cirrose.
  10. 10. A ESTEATOSE É uma lesão potencialmente reversível, presente em 90% dos alcoólatras crônicos. É caracterizada macroscópicamente pelo aumento do fígado, que se torna mais pesado, amarelo e mole.
  11. 11. A ESTEATOSE Microscopicamente aparece sob a forma de vacúolos que ocupam quase todo o citoplasma do hepatócito, deslocando o seu núcleo para a periferia. Este acúmulo de lipídeos deve-se aos seguintes mecanismos: • Aumento da mobilização dos triglicerídeos periféricos, • Diminuição da oxidação dos ácidos graxos no fígado, • Diminuição da síntese de proteínas necessárias para a mobilização dos triglicerídeos do fígado.
  12. 12. A HEPATITE ALCOÓLICA É caracterizada microscopicamente por: • Esteatose, • Infiltrado inflamatório polimorfonuclear focal, • Balonização dos hepatócitos, • Corpúsculos de Mallory (corpúsculos hialinos alcoólicos).
  13. 13. A HEPATITE ALCOÓLICA
  14. 14. A HEPATITE ALCOÓLICA Os corpúsculos de Mallory são encontrados no interior dos hepatócitos sob forma de condensações grosseiras de material filamentar, eosinófilas, próximas ao núcleo da célula, que muitas vezes é circundada por leucócitos polimorfonucleares.
  15. 15. A HEPATITE ALCOÓLICA Macroscopicamente o fígado acha-se aumentado de tamanho, de cor vermelho-amarelada (cor de tijolo), um pouco mais firme do que o fígado com esteatose pura.
  16. 16. A CIRROSE HEPÁTICA ALCOÓLICA Macroscopicamente o fígado, na fases inicial acha-se aumentado de volume, duro (por causa da fibrose), contendo grande quantidade de nódulos pequenos (micronódulos), amarelos (por causa do acúmulo de gordura) e envoltos por delicadas traves fibrosas.
  17. 17. A CIRROSE HEPÁTICA ALCOÓLICA Microscopicamente podemos observar subversão da arquitetura lobular hepática pela formação de septos de tecido conjuntivo que envolvem nódulos de hepatócitos. As lesões histológicas da hepatite alcoólica podem estar presentes nestes casos, juntamente com a cirrose. Outra lesão que pode ser encontrada em alcoólatras crônicos é a fibrose peri-venular. Esta ocorre em torno da veia centro-lobular, sendo importante causa de hipertensão porta e pode preceder a cirrose.
  18. 18. A CIRROSE HEPÁTICA ALCOÓLICA
  19. 19. CIRROSE PÓS-NECRÓTICA Macroscopicamente o fígado geralmente tem cor vermelha, é mais firme do que o normal, e os nódulos são grandes.
  20. 20. CIRROSE PÓS-NECRÓTICA Microscopicamente podemos muitas vezes observar sinais de atividade da hepatite causadora, tais como necrose peri-portal e infiltrado inflamatório, além da fibrose.
  21. 21. CIRROSE BILIAR O fígado é intensamente verde por causa da acentuada estase biliar.
  22. 22. HEMOCROMATOSE Grande acúmulo de hemossiderina (pigmento derivado do metabolismo da hemoglobina e que contém ferro) no fígado, principalmente nos hepatócitos.
  23. 23. DOENÇA DE WILSON Há acúmulo de cobre nos hepatócitos, notando-se vacuolização dos núcleos dos hepatócitos, esteatose e, ocasionalmente, a presença de corpúsculos de Mallory.
  24. 24. DEFICIÊNCIA DA ALFA-1-ANTI-TRIPSINA Esta cirrose é encontrada em indivíduos que, por causa de um defeito congênito, produzem uma alfa-1-anti-tripsina anormal, que é então segregada no interior dos hepatócitos.
  25. 25. CIRROSES CRIPTOGÊNICAS Quando não se consegue identificar as causas.
  26. 26. CONSEQUÊNCIAS DA CIRROSE HEPÁTICA A fibrose que ocorre no fígado dificulta a passagem do sangue através dos lóbulos hepáticos, os "shunts" entre os ramos da veia porta e da artéria hepática contidos nos espaços porta e a fibrose perivenular causam a hipertensão porta.
  27. 27. CONSEQUÊNCIAS DA CIRROSE HEPÁTICA Com isto ocorrem esplenomegalia congestiva, ascite (acúmulo de líquido na cavidade peritoneal), varizes esofagianas e gástricas e hemorroidas. As varizes são explicadas pela hipertensão venosa, que se transmite aos vasos tributários e à circulação colateral.
  28. 28. CONSEQUÊNCIAS DA CIRROSE HEPÁTICA A esplenomegalia deve-se ao acúmulo de sangue no baço.
  29. 29. CONSEQUÊNCIAS DA CIRROSE HEPÁTICA A ascite é explicada pela transudação de líquido através das superfícies da serosa peritoneal e, em menor grau, pela hipoalbuminemia, comum nestes pacientes.
  30. 30. CONSEQUÊNCIAS DA CIRROSE HEPÁTICA Como consequência da má circulação dos lóbulos e nódulos hepáticos, o funcionamento do órgão acha-se prejudicado, gerando, muitas vezes, insuficiência hepática. Infecções e sangramentos digestivos, que diminuem ainda mais a vascularização dos hepatócitos, causando necrose e que aumentam a sobrecarga do fígado através da absorção no trato gastrointestinal de produtos do metabolismo do sangue, agravam esta insuficiência e podem levar o paciente ao coma hepático.
  31. 31. CONSEQUÊNCIAS DA CIRROSE HEPÁTICA Uma complicação temível é o desenvolvimento de uma neoplasia maligna primitiva do fígado, o hepatocarcinoma.
  32. 32. QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DA CIRROSE HEPÁTICA? Inespecíficos: Caquexia: por anorexia, má- absorção de nutrientes por diminuição do fluxo de bile e do edema intestinal, redução do estoque hepático de vitaminas hidrossolúveis e micronutrientes, redução do metabolismo hepático e muscular pelo aumento das citocinas e balanço alterado de hormônios que mantém a homeostase metabólica (insulina, glucagon e hormônios tireoidianos). Equimoses e sangramentos espontâneos
  33. 33. QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DA CIRROSE HEPÁTICA? • Feminilização: por acúmulo de androstenediona, pode haver ginecomastia, atrofia testicular • Irregularidade menstrual • Encefalopatia • Hipertensão portal: retenção de sódio e água (ascite e edema), hiperesplenismo (trombocitopenia), shunts portossistêmicos (hemorróidas e dilatação venosa em abdome) e varizes esofágicas • Ascite (acúmulo de fluido na cavidade abdominal) • Neuropatia autonômica
  34. 34. QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DA CIRROSE HEPÁTICA? Específicos: • Etilismo: contraturas de Dupuytren, atrofia dos músculos proximais e neuropatia periférica, • Doença de Wilson: pode causar insuficiência hepática aguda com anemia hemolítica; pode se manifestar como cirrose associada a achados neurológicos por envolvimento dos gânglios basais (distúrbios de movimento, tremores, espasticidade, rigidez, coréia e disartria) e anéis de Kayser- Fleisher (por deposição de cobre na membrana de Descemet),
  35. 35. QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DA CIRROSE HEPÁTICA? • Anéis de Kayser-Fleisher, • Hemocromatose: pigmentação cinza metálica em áreas expostas ao sol, genitais e cicatrizes; artropatia das pequenas articulações das mãos, particularmente 2ª e 3ª metacarpo falangeanas.
  36. 36. COMO O MÉDICO DIAGNOSTICA A CIRROSE HEPÁTICA? Para avaliar-se uma possível patologia hepática, bem como na avaliação de qualquer doença, o passo inicial é a história clínica e o exame físico. Na história clínica deve-se pesquisar a existência de fatores de risco para doença hepática Na maioria das o exame laboratorial faz-se necessário, pois a história e o exame físico são insuficientes para um diagnóstico preciso da causa da doença hepática e um exame de imagem torna-se essencial.
  37. 37. COMO É O TRATAMENTO DA CIRROSE HEPÁTICA? O tratamento dependerá da causa da cirrose e das complicações presentes. Por exemplo: cirrose causada pelo álcool é tratada pela cessação do consumo de álcool. Tratamento de cirrose decorrente de hepatites envolve medicamentos usados para o tratamento destas, como INTERFERON para as hepatites virais e corticoides para hepatite autoimune.
  38. 38. DIETOTERAPIA A dieta é muito importante nos casos de cirrose, especialmente quando o paciente apresenta ascite (água na barriga) ou encefalopatia hepática.Nos casos de ascite a dieta Hipossódica (pouco sal) é imprescindível. No caso de encefalopatia é importante que o intestino esteja funcionando muito bem (até mesmo 2 vezes ao dia).
  39. 39. DIETA HIPOSSÓDICA Com o intuito de evitar o sal na preparação a opção é a utilização de temperos naturais como alho, cebola, óleo, cheiro verde, limão, vinagre, manjericão salsa, louro, etc.
  40. 40. COMO EVOLUI A CIRROSE HEPÁTICA? A cirrose instalada causa sérias limitações físicas, alimentares e medicamentosas e pode evoluir para complicações graves como hemorragias digestivas, ascite, encefalopatias etc., e em casos graves pode terminar em morte.
  41. 41. REFERENCIAS • IIDA, Vivian Helena et al. Cirrose hepática: aspectos morfológicos relacionados às suas possíveis complicações. Um estudo centrado em necropsias. J. Bras. Patol. Med. Lab., Rio de Janeiro , v. 41, n. 1, Feb. 2005 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S16762444200500010000 8&lng=en&nrm=iso>. access on 14 Mar. 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1676- 24442005000100008. • ABC.MED.BR, 2013. Cirrose Hepática: definição, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e evolução. Disponível em: <http://www.abc.med.br/p/sinais.- sintomas-e-doencas/363564/cirrose-hepatica-definicao-causas-sintomas- diagnostico-tratamento-e-evolucao.htm>. Acesso em: 15 mar. 2014. • Bogliolo Patologia 6ª edição: Geraldo Brasileiro Filho Ed. Editora Guanabara Koogan S.A. 2000 Rio de Janeiro • Cirrose Hepática. Disponível em <http://www.pathology.com.br/cirrosecompl.htm#> Acessado em: 15 março 2014 • Cirrose hepática, sintomas e tratamento. Disponível em <http://saudenamesa.blogspot.com.br/2010/09/cirrose-hepatica-sintomas- tratamento.html> Acessado em: 14 de março de 2014

×