Alcoolismo e cirrose alcoólica

3.663 visualizações

Publicada em

Um material completo sobre a doença que mais mata os brasileiros que ingerem bebidas alcoólicas.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.663
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
60
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alcoolismo e cirrose alcoólica

  1. 1. Alcoolismo • Situação mundial • os dados da produção; • efeitos no corpo; • suas consequências.
  2. 2. Dados da O.M.S. O.M.S. - Agência especializada em saúde, fundada em 07 de abril de 1948 e subordinada à Organização das Nações Unidas “Segundo a O.M.S. (Organização Mundial da Saúde), o alcoolismo já é considerado um caso de saúde pública mundial. Apesar de muito comum e dos altos índices de adictos, ainda existe muita dúvida e preconceito em torno da doença, o que dificulta o tratamento e acarreta vários prejuízos à saúde, levando a uma série de outras patologias, sendo uma delas a Cirrose Hepática”
  3. 3. A produção de bebidas no Brasil O Brasil ocupa o 1° lugar no mundo no consumo de destilados de cachaça e o 5° maior produtor de cerveja, fazendo desta a campeã de consumo entre as bebidas alcoólicas. Só a Ambev, produz 35 milhões de garrafas por dia.
  4. 4. O alcoolismo no mundo O alcoolismo é a 3° causa de mortes no mundo, sendo a causadora de mais de 300 doenças interligadas a este consumo. O álcool é a “droga” preferida dos brasileiros e dos jovens (68,7% do total), seguido pelo tabaco e a maconha.
  5. 5. Os malefícios do seu consumo • No Brasil, 16 milhões de pessoas são dependentes do álcool que é uma droga socialmente aceitável; • é a terceira causa de absenteísmo (falta ao) no trabalho, o que compromete quase 5% do Produto Interno Bruto – PIB; • mais de 1.000 brasileiros morrem, por ano, vítimas de acidentes causados por excesso de álcool; • cerca de 10% de todos os acidentes com vítimas, resultam de dirigir com excesso de álcool no sangue.
  6. 6. Estatísticas do consumo de álcool • Os filhos de pais alcoólatras têm um risco até 04 vezes maior de desenvolver a dependência; • o álcool está relacionado a 50% das mortes por acidentes de carro, 50% dos homicídios e 25% dos suicídios; • 78% dos jovens brasileiros bebem regularmente e 19% deles já são dependentes do álcool.
  7. 7. Os efeitos do seu consumo Os efeitos da intoxicação aguda pelo álcool no homem são bem conhecidos: • Fala arrastada; • incoordenação motora; • aumento da autoconfiança; • euforia, náusea, vômitos; • sensação de calor, tremor, convulsão; • comportamento desinibido; • fraqueza muscular e coma.
  8. 8. As consequências no organismo As consequências podem variar de pessoa para pessoa, dependendo da quantidade consumida • Diurese (produção de urina) autolimitada; • vasodilatação cutânea (vermelhidão); • prejuízos no desenvolvimento fetal; • degeneração neurológica (bebedores constantes), como a demência e danos no sistema nervoso; • doenças no fígado que progridem para a cirrose e a insuficiência hepática (fígado gordo ou gorduroso); • tolerância, dependência física e psicológica (vício).
  9. 9. Estatísticas do consumo de álcool Pesquisa envolvendo as 24 maiores cidades do Estado de São Paulo (cidades com mais de 200 mil habitantes) pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID). Consumo de álcool entre 12 a 17 anos Mulheres 46% Homens 54%
  10. 10. Dependentes entre 12 e 17 anos Mulheres 32% Homens 68%
  11. 11. Consumo na vida familiar Separados 25% Solteiros 22% Casados 54%
  12. 12. Início do uso de álcool > 25 anos 14% 21 a 25 anos 24% 16 a 20 a nos 62%
  13. 13. Faixa etária do uso de álcool <20 anos 0% 41 a 53 anos 61% 21 a 30 anos 7% 31 a 40 anos 32%
  14. 14. Situação profissional Desempregado 11% Estudante 3% Aposentado 8% Empregado 78%
  15. 15. Consumo de álcool em situações festivas De outro modo 8% Em uma festa 52% Com amigos 22% Na própria casa 18%
  16. 16. Internações em hospitais psiquiátricos Internados por causa de outras drogas somam 10% No País, 90% das internações em hospitais psiquiátricos por dependência de drogas, acontecem devido ao álcool Fonte: http://alcoolbioestat.blogspot.com.br/p/estatisticas_03.html
  17. 17. Como os pais podem ajudar no combate • Buscar informações sobre os efeitos do álcool e o alcoolismo na adolescência. Um pai bem-informado ganha poder de persuasão no diálogo com os adolescentes; • evitar dizer apenas 'não'. Aprenda a escutar seus filhos e as razões deles para justificar o consumo de álcool; • dar o exemplo em casa, evitando o uso indevido (regular e em excesso) de bebidas alcoólicas; • participar da vida do adolescente e supervisioná-lo, quando necessário; • propiciar qualidade de vida ao jovem e estimular hábitos saudáveis, com passeios ao ar livre, contato com a natureza e momentos de lazer em família.
  18. 18. Cirrose alcoólica • • • • A doença; sintomas; causas; tratamento.
  19. 19. O fígado - Nosso maior órgão O fígado é o maior órgão sólido humano e localiza-se no abdômen superior, sob as costelas, do lado direito do corpo. É responsável pelo aproveitamento de um grande número de substâncias absorvidas pelo intestino e pela produção de várias proteínas que desempenham as mais diferentes funções no organismo, tais como a coagulação sanguínea e a defesa contra infecções. Um de seus produtos é a bile, que é armazenada na vesícula biliar e eliminada na primeira porção do intestino delgado, chamada duodeno, pelo ducto que interliga estas duas estruturas.
  20. 20. A doença - Cirrose alcoólica A cirrose alcoólica ou cirrose hepática é uma doença crônica do fígado que se caracteriza por fibrose e formação de nódulos que bloqueiam a circulação sanguínea causada por infecções ou inflamação crônica. Ela faz com que o fígado produza tecido de cicatrização no lugar das células saudáveis que morrem. Com isso, ele deixa de desempenhar suas funções normais como produzir bile, auxiliar na manutenção dos níveis normais de açúcar no sangue, produzir proteínas, metabolizar o colesterol, o álcool e alguns medicamentos, entre outras.
  21. 21. A doença: Comparações Fígado normal Fígado cirrótico
  22. 22. Estatísticas Segundo a Associação portal Saúde do Ministério da Saúde, em 2010 a cirrose e outras doenças crônicas do fígado foram a 4ª causa de morte no Brasil e nas regiões Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste e a 5ª causa na Região Sul. Na Região Sudeste, a taxa específica de mortalidade por cirrose e outras doenças do fígado foi igual à taxa de mortalidade por doenças isquêmicas do coração (6,9 óbitos/100 mil habitantes). Fonte: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/arquivos/pdf/2013/Fev/21/saudebrasil2011_parte1_cap7.pdf
  23. 23. Estatísticas Segundo a Associação portal Saúde do Ministério da Saúde, em 2010 a cirrose e outras doenças crônicas do fígado foram a 4ª causa de morte no Brasil e nas regiões Nordeste, Sudeste e CentroOeste e a 5ª causa na Região Sul. Na Região Sudeste, a taxa específica de mortalidade por cirrose e outras doenças do fígado foi igual à taxa de mortalidade por doenças isquêmicas do coração (6,9 óbitos/100 mil habitantes). Fonte: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/arquivos/pdf/2013/Fev/21/saudebrasil2011_parte1_cap7.pdf
  24. 24. Estatísticas 40 a 49 anos
  25. 25. Principais causas da doença • Abuso de álcool por longo tempo; • infecção por hepatite C; • inflamação autoimune do fígado; • distúrbios do sistema de drenagem do fígado (o sistema biliar), como cirrose biliar primária e colangite esclerosante primária; • hepatite B; • medicamentos; • distúrbios metabólicos de ferro e cobre (hemocromatose e doença de Wilson); • doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) e esteato-hepatite não alcoólica (EHNA).
  26. 26. Sintomas da doença Talvez, não se apresentem os sintomas até que a doença esteja em uma fase avançada. Os indícios comuns incluem: • Indigestão ou dor abdominal; • confusão ou problemas de raciocínio; • impotência, perda de interesse sexual e desenvolvimento de mamas (ginecomastia) nos homens; • náusea e vômitos; • hemorragia nasal ou gengival; • fezes pálidas ou com cor de argila; • pequenos vasos sanguíneos vermelhos na pele, em formato de aranha; • inchaço ou acúmulo de líquido nas pernas (edema) e no abdome (ascite); • vomitar sangue ou apresentar sangue nas fezes; • cor amarela na pele, membranas mucosas ou olhos (icterícia).
  27. 27. Exames e testes da doença Durante um exame físico, o médico pode encontrar: • Fígado ou baço aumentados; • excesso de tecido mamário; • abdome expandido (dilatado), como resultado de excesso de líquido; • palmas das mãos avermelhadas; • vasos sanguíneos vermelhos na pele, em formato de aranha; • dedos das mãos menores (contraídos); • testículos pequenos em homens; • veias alargadas (dilatadas) na parede do abdome; • olhos ou pele amarelos (icterícia).
  28. 28. Prevenção e recomendações Algumas recomendações são válidas • Evite o uso abusivo de álcool; • utilize preservativo nas relações sexuais e seringas descartáveis para evitar a contaminação pelos vírus das hepatites B e C; • não descuide do tratamento para as hepatites B e C crônicas a fim de que não provoquem cirrose e vacinese.
  29. 29. Fontes http://alcoolbioestat.blogspot.com.br/p/estatisticas_03.html http://www.ufrrj.br/institutos/it/de/acidentes/etanol1.htm http://www.saudevidaonline.com.br/artigo36.htm http://drauziovarella.com.br/audios-videos/estacao-medicina/o-figado/ http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/arquivos/pdf/2013/Fev/21/saudebrasil201 1_parte1_cap7.pdf TRABALHO E EDIÇÃO: Márcio Mattos Téc. em Segurança do Trabalho

×