Curso Lacan e a Psicanálise – Aula 3: Seminário 1 - o psicanalista e a linguagem

7.711 visualizações

Publicada em

Abordagem dos aspectos cruciais do Seminário 1 de Jacques Lacan: os escritos técnicos de Freud (1953-1954)

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.711
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
130
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
325
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso Lacan e a Psicanálise – Aula 3: Seminário 1 - o psicanalista e a linguagem

  1. 1. Lacan e a Psicanálise:interlocuções com a contemporaneidade<br />Tema : <br />Seminário 1 (Os escritos técnicos de Freud): o psicanalista e a linguagem<br /> Coordenação Alexandre Simões<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  2. 2. Jacques-Marie Émile Lacan (nascimento: Paris, 13 de abril de 1901 / falecimento: Paris, 9 de setembro de 1981)<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  3. 3. As lições semanais do seminário são gravadas por uma estenotipista e só algum tempo após ganham uma forma escrita, que circulará por muitas mãos<br />Mais tempo ainda levará para que ganhem uma forma editorial convencional<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  4. 4. Este seminário, dedicado aos Escritos técnicos de Freud, (dizem respeito a um conjunto de textos de Freud que vai de 1904 a 1919) circulou em Paris a partir de 1975 e foi lançado em nosso país em 1979. <br />Não são palestras ou aulas, propriamente ditas. Mas sim uma construção em andamento - um working in progress – confrontada com a oralidade, a audiência, o debate, a experimentação.<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  5. 5. Ou seja, é um trabalho semelhante, em certa proporção, à Sagrada Família de AntoniGaudí<br /> o projeto foi iniciado em 1882, assumido por Gaudí em 1883. Ocupou-lhe 40 anos de vida, sendo que nos últimos 15, dedicou-se exclusivamente ao fazer e refazer da obra. A construção foi suspensa em 1936, no período da Guerra Civil Espanhola. Ao que parece, sua finalização não ocorrerá antes do centenário da morte de Gaudí (em 2026). <br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  6. 6. Apesar do atual seminário ser nomeado ‘Seminário 1’,<br />ele não foi estritamente o primeiro. Nos dois primeiros anos nos quais Lacan se dedicou à prática semanal do ensino da Psicanálise (1951 a 1953), ele se concentrou no comentário das chamadas ‘Cinco psicanálises de Freud’<br />
  7. 7. Uma maneira fecunda de se prosseguir com as construções apontadas no espaço do seminário:<br />Pode ser obtida recorrendo-se não somente às próprias lições do atual seminário ou de outros seminários, mas ao diálogo que o experimentalismo dos seminários estabelece com os textos escritos pelo próprio Lacan, síncronos ao seminário.<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  8. 8. A abertura do seminário indica, com clareza, o caminho por vir ao longo dos próximos anos:<br />Lacan explicita a dimensão de um “pensamento em movimento” que virá a formar o campo freudiano: “O pensamento de Freud é o mais aberto à revisão. É um erro reduzi-lo a palavras gastas.” (p. 9)<br /> “Nós não seguimos Freud, o acompanhamos” (p. 142)<br />
  9. 9. É precisamente esta vivacidade da via freudiana que conduz Lacan a uma afirmação que, em boa medida, será utilizada literalmente em seu último ensino (pós-70): <br />“Temos de nos aperceber de que não é com a faca que dissecamos, mas com conceitos. Os conceitos têm sua ordem de realidade original. (...) As primeiras denominações surgem das próprias palavras, são instrumentos para delinear as coisas. Toda ciência permanece, pois, muito tempo nas trevas, entravada na linguagem.” (p.10)<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  10. 10. Na sequência, Jacques Lacan prepara o terreno para o que ainda virá a ser exposto, em breve, como a Primazia do Significante:<br />“... Quando interpretamos um sonho, sempre estamos em cheio no sentido.” (p.9)<br />“A introdução de uma ordem de determinações na existência humana, no domínio do sentido, se chama a razão. A descoberta de Freud é a redescoberta, num terreno não-cultivado, da razão.” (p.12)<br />
  11. 11. A trajetória do Seminário 1 de Lacan vai possibilitar a retomada de alguns conceitos cruciais para a tradição freudiana:<br />A retomada destes conceitos não será feita sem um movimento duplo: <br />a) a crítica à tradição freudiana, representada pelos pós-freudianos contemporâneos a Lacan;<br />b) o início da reinvenção do lugar destes conceitos<br />Resistência;<br />Transferência;<br />Contratransferência;<br />Discurso;<br />O lugar do analista;<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  12. 12. Como já anunciamos em nosso primeiro encontro: Jacques Lacan convidou os analistas de seu tempo bem como de nosso tempo a um desafio:<br />“alcançar em seu horizonte a subjetividade de sua época” ...<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  13. 13. Face a esse momento, Lacan argumenta acerca de uma grande confusão quanto ao que é a psicanálise:<br />“Não sei se a maioria de vocês - uma parte pelo menos, eu espero - tomou consciência do seguinte. Quando, neste instante - eu falo de agora, 1954, este ano novo em folha, novinho - se observa a maneira pela qual os diversos praticantes da análise pensam, exprimem, concebem a sua técnica, dizemo-nos que as coisas estão num ponto a que não é exagerado chamar a confusão mais radical.” (p. 19)<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  14. 14. Um ponto fundamental do percurso de Lacan no Seminário 1:<br />a crítica à contratransferência<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  15. 15. Na época do seminário 1 a maior parte dos analistas conduzia as análises a partir da contratransferência<br />No que se refere à operação clínica da contratransferência, devemos sublinhar que os praticantes da análise recebiam algo vindo do analisando (suas demandas, seus impasses diante da vida, seus sintomas, inibições, angústias, etc.) e devolviam para o paciente algo mais palatável, mais digerível (em última instância, mais esclarecedor), tendo como ponto de partida eles mesmos (os analistas): <br />aquilo que sentiam, viam.<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  16. 16. Este tipo de condução, no qual o Imaginário é prevalente, conduzia as análises a um impasse (e este é o principal motivo da crítica de Lacan)<br />O analisando terminava se identificando ao analista.<br />Aliás, este é ainda um índice bastante atual que pode nos auxiliar a verificar o quantum de imaginário que há na condução de uma análise: <br />a captura do analista pelo analisando<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  17. 17. “E é mesmo isso que há de grave. Porque nos permitimos efetivamente - como a análise nos revelou que nós nos permitimos as coisas, sem o saber - fazer intervir o nosso ego na análise. Já que se sustenta que se trata de obter uma readaptação do paciente ao real, seria preciso pelo menos saber se é o ego do analista que dá a medida do real.<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  18. 18. Certamente, não basta que tenhamos uma certa concepção do ego para que nosso ego entre em jogo como um rinoceronte na cristaleira da nossa relação com o paciente. Mas uma certa maneira de conceber a função do ego na análise não deixa de ter relação com uma certa prática da análise que se pode qualificar de nefasta.<br />Apenas abro a questão. Cabe ao nosso trabalho resolvê-la” (p.27)<br />
  19. 19. Distintas perspectivas acerca do eu:<br />Pós-freudianos contemporâneos a Lacan<br />O eu como agenciador do recalque (-> “função psicológica de síntese”; p. 192);<br />Lacan<br />O eu como sintoma: “O ego aí se manifesta como defesa, recusa” (p. 67);<br />Contratransferência: “a soma dos preconceitos do analista” (p. 33)<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  20. 20. Lacan, próximo aos momentos finais de seu seminário, expõe uma problemática e propõe uma fórmula:<br /> Qual é o sujeito do discurso? (cf. p. 224)<br />“o desejo do homem é o desejo do outro” (p. 205)<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  21. 21. “... O de que se trata é menos lembrar do que reescrever a história.” (p.23)<br />
  22. 22. Prosseguiremos no próximo encontro com o tema Seminário 2 (O eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise): o imaginário e sua consistência<br />Até lá!<br />Acesso a este conteúdo:<br />www.alexandresimoes.com.br<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />

×