Curso Lacan e a Psicanálise- Aula 16: Lacan e a contemporaneidade: confluências

2.118 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.118
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
81
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
133
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso Lacan e a Psicanálise- Aula 16: Lacan e a contemporaneidade: confluências

  1. 1. Lacan e a Psicanálise:interlocuções com acontemporaneidade Tema: Lacan e a contemporaneidade: confluências Coordenação Alexandre Simões ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  2. 2. O que determinará o lugar dapsicanálise no cenário social daspróximas décadas será suacapacidade de atualizar aquiloque está na origem da suaclínica: a sustentação de umcampo de prática que põequalquer tipo de experiênciahumana sob o crivo dainterrogação.(BEZERRA JÚNIOR. O ocaso da interioridade e suas repercussõessobre a clínica. In: PLASTINO, Carlos Alberto (Org.).Transgressões . 2002, p. 238) ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  3. 3. Uma indagação sempre atual:quais são as condições do (e para) o fazer analítico ?
  4. 4. Estabelece-se, na contemporaneidade, uma clínica psicanalíticaalém do Édipo, uma vez que os elementos verticais e hierarquizadores orientadores da estrutura edípica foram deslocados. Esta clínica, que busca estabelecer operadores para as subjetivações na nossa atualidade, é proposta sob várias designações: clínica borromeana, clínica do gozo, ALEXANDRE SIMÕES clínica do além do Édipo. ® Todos os direitos de autor reservados.
  5. 5. Grandes referências oriundas do ensino de Jacques Lacan, que nos auxiliam a lidar clinicamente com as subjetivações na nossa atualidade: “teoria” dos discursos; formulações acerca do gozo; versatilidade do nó borromeu; ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  6. 6. As noções de nó, enodamento, enlaçamento e trança são expostas e desenvolvidas por Lacan sobretudo em dois seminários (ainda que hajamuitos esboços ao longo de uma ampla trajetória): R.S.I. (1974-1975) e Le sinthome (1975-1976) ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  7. 7. Enlaces e não-enlaces ... Não-enlace ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  8. 8. Enlace simples: ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  9. 9. Anéis de Borromeu ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  10. 10. Um ponto essencial para vermos, de fato, a versatilidade do nó: há muitos outros enlaces possíveis: O trevo: O hexafólio:O quadrifólio: ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  11. 11. O nó antes de Lacan:O nó borromeano não é uma proposta totalmente nova feita por Jacques Lacan. O próprio Lacan menciona (vide Seminário 20) que o havia visto inicialmente nobrasão da dinastia da família Borromeo. ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  12. 12. Lacan faz uso da tríade para propor uma „medida comum‟.Usar esta tríade para propor uma articulação ou um liame data de tempos muito antigos ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  13. 13. Por exemplo, sabemos que os nórdicos utilizaram a tríade, bemcomo Michelangelo (o artista marcava seus blocos de mármore com o símbolo triádico adjacente à letra M. Nessa situação, os círculos representavam as três artes: escultura, pintura e arquitetura, que deveriam permanecer juntas e inseparáveis)
  14. 14. Na matemática da Teoria dos Nós, umentrelaçamento Brunniano é uma trama de ligação entre três ou mais elementosgeométricos que se separam caso um desses elementos seja removido. O adjetivo deriva do artigo Über Verkettung(Sobre entrelaçamento), escrito em 1892 pelo matemático alemão Hermann Brunn ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  15. 15. Encontramos também o nó borromeano bem antes disso, comopor exemplo na arte budista afegã do século II. Percebe-se também algumasapresentações do mesmo na mitologia grega. ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  16. 16. Lacan e seu encontro com o nó: Lacan viu pela primeira vez a imagem do nó borromeano durante um jantar, nas armas de uma dinastia milanesa: a família Borromeu. Temos três círculos em forma de trevo e que simbolizam uma tríplice aliança. Notemos a especificidade: se um (qualquer um) dos anéis for retirado ou cortado, os outros três ficarão soltos, sem que consigam formar um par. ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.
  17. 17. No nó borromeano há a necessidade de uma certa matéria para que haja consistência. As rodelas estãosuperpostas e não entrecruzadas
  18. 18. "quando soube desses negócios, do nó borromeano [...] uma coisa écerta, foi que eu tive a certeza de ser aquilo algo precioso, precioso para mim, para o que tinha a explicar [...] algo provido de uma consistência particular, que faltava ainda ser sustentada, mas que era para mim reconhecível no que eu enunciava desde o início de meu ensino." (LACAN, 1974-75, aula de 18/03/1975)
  19. 19. Isto não deixa de ser muito sugestivo pois nos leva a pensar a clínica pelaperspectiva da articulação, da ponte que envolve corpos, objetos, coisas, etc.
  20. 20. O nó borromeu é uma forma de operação a guiar o manejo da clínica, ao invés de um ideal a ser alcançado.Através do nó, podemos pensar amplamente em efeitos subjetivos, oriundos tanto dos significantes quanto do objeto e, desta forma,propor operações sobre o gozo (cortes, recortes, suturas).
  21. 21. Ou seja,uma clínica que vai do „algo a reparar‟ (Lacan nos anos 50) a „algo a inventar‟ (Lacan nos anos 70)
  22. 22. Um paciente obsessivo e sua (des)coleçãoUm senhor, prestes a completar seus sessenta anos de idade, meprocurou interessado na psicanálise, uma vez que começou a sentir avida enfadonha e destituída de atrativos.Ele tem quatro filhos, todos já adultos e, com a exceção da filha caçulaque ainda está na casa dos pais, já tendo seus afazeres e rotinas bemautônomos. O paciente, atuante em dois empregos (com funções bemdistintas) encontra-se exasperado, sendo que há anos não mais almoça,uma vez que sai de uma jornada de trabalho pela manhã e se insere naoutra, ocupando-se do início da tarde até o seu final.Poucos amigos, diz sentir no corpo e na vida um grande peso que,segundo ele, vem de sua linhagem. Ele me explica esta situação,dizendo que seu sobrenome indica pessoas que são oriundas de umamesma cidade e que são notórias por serem um “povo agressivo,violento, com algumas mortes já contabilizadas”.
  23. 23. Ele fala pouco de sua relação com a esposa (hoje, uma mulher aposentada que fica boa parte do tempo em casa), mas diz ter uma relação saudável,desde que ele seja respeitado: gosta, em alguns momentos, de se isolar, de ficar quieto cuidando de suas coisas, de “ter o seu tempo”. Dentre estas coisas, diz ter na sua casa um cômodo que se apresenta, de certo modo, como seu domínio privado. Neste local (que vai funcionar como um perímetro de gozo), ele coleciona uma série de objetos que são descartados pelos seus familiares (tios, primos, avós) e que, durante décadas, são coletados por este homem. Objetos que trazem um misto de prazer, de coisas que comportam um atmosfera amistosa de seus temposde infância e adolescência mas que, por outro lado, são também épocas de desvalor, de sofrimento e de extirpação. Ali, ele tem seringas antigas,discos de vinil, papeis, fotos, objetos de decoração, medalhas, ampulhetas,relógios, etc. Enfim, percebe-se um corpo que demarca, sob várias formas, ferrugens, mofos e, sobretudo, o seu nome de família.
  24. 24. O paciente é um tanto quanto marginal a esta nomeação, pois ao mesmo tempo que diz ter um “estopim curto” e ser “explosivo” (marcas identificatórias que o atrelam à família) traz a história de ser filho bastardo (ele e seu irmão) e de ter uma certidão de nascimento sem o nome do pai, o que lhe causou muito constrangimento na vida escolar, sempre que era requisitado a mostrá-la.Após algumas intervenções que buscavam um tanto quanto localizar o difuso mal-estar deste paciente nada teve um alcance tão expressivo quanto o dia em que lhe solicitei que trouxesse suas quinquilharias àanálise. Ele se espanta e me pergunta se é uma metáfora ou não. Digo- lhe que não.A partir daí, em mais de uma sessão (mas sem fazer disto um exercíciorepetitivo), iam sendo trazidos objetos, destroços, farrapos e máquinas restauradas.Pela alteração que isto promoveu em uma série de outras circunstâncias de sua vida (ainda que haja ainda um conjunto de altos e baixos), poderia ser perguntado se não temos um „algo a inventar‟ tal como nos incita o Lacan que dialoga com a contemporaneidade.
  25. 25. Chegamos ao fim deste trajeto. Até breve! Acesso a este conteúdo: www.alexandresimoes.com.br ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.

×