INTRODUÇÃO E CAP. I – Gestão Escolar Democrática: para além da legitimação instrumental - Shimamoto<br />Construção de sli...
                  Sobre a autora<br /><ul><li> Graduação em Pedagogia pela UFU (1987);Cursos de Pós-graduação em Supervisã...
 Tem experiência nas áreas de Educação Básica e Ensino Superior, atuando principalmente na docência, gestão e capacitação ...
 Atualmente faz parte do Grupo de Pesquisa Estado, Democracia e Educação (GPEDE), da UFU/MG. Atua também na Supervisão da ...
<ul><li>Shimamoto aborda sobre gestão, sendo elas:</li></ul>Elenca também em seu texto uma discussão acerca dos termos que...
Os termos <br />aparecem no desenvolvimento textual da dissertação. <br />Tem-se a apresentação de 03 categorias definidor...
<ul><li> Utiliza-se termos de intencionalidade/totalidade e não questão de causalidade;</li></ul>As concepções basilares l...
 A autora a partir disso, elenca alguns termos para a gestão, quais sejam:
 A autora parte do pressuposto de que gestão democrática é inexistente, mas se ampara e subsidia teoricamente em seis auto...
A partir da introdução tem-se algumas indagações levantadas, que se seguem:<br />
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Shimamoto - Introdução e Cap I - Gestão escolar democrática - para além da legitimação instrumental

1.214 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.214
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Shimamoto - Introdução e Cap I - Gestão escolar democrática - para além da legitimação instrumental

  1. 1. INTRODUÇÃO E CAP. I – Gestão Escolar Democrática: para além da legitimação instrumental - Shimamoto<br />Construção de slides feita na disciplina Estudos em Gestão Educacional, sob orientação do Prof. Dr. Paulo Gomes Lima <br />Dourados-MS<br />2011<br />
  2. 2. Sobre a autora<br /><ul><li> Graduação em Pedagogia pela UFU (1987);Cursos de Pós-graduação em Supervisão Educacional e Psicopedagogia; Mestrado em Educação na Linha de Políticas e Gestão em Educação;
  3. 3. Tem experiência nas áreas de Educação Básica e Ensino Superior, atuando principalmente na docência, gestão e capacitação continuada de profissionais da educação, bem como coordenando Pólo da UCB, em Uberlândia. Idealizou a empresa Consultação Inovações Educacionais Ltda, visando atender a instituições educacionais e empresariais de Uberlândia e região.
  4. 4. Atualmente faz parte do Grupo de Pesquisa Estado, Democracia e Educação (GPEDE), da UFU/MG. Atua também na Supervisão da Produção de Material Didático do curso de Pedagogia a Distância do CEAD/UFU/UAB e na Docência da disciplina Didática Geral em turmas de Pedagogia e Licenciaturas.</li></ul>SHIMAMOTOSimone Vieira de Melo. <br />
  5. 5. <ul><li>Shimamoto aborda sobre gestão, sendo elas:</li></ul>Elenca também em seu texto uma discussão acerca dos termos que seguem infracitados:<br />
  6. 6. Os termos <br />aparecem no desenvolvimento textual da dissertação. <br />Tem-se a apresentação de 03 categorias definidoras de um modelo de gestão, que são:<br />
  7. 7. <ul><li> Utiliza-se termos de intencionalidade/totalidade e não questão de causalidade;</li></ul>As concepções basilares levantadas foram:<br />e os pilares são:<br /><ul><li> Discute termos como: autogestão e co-gestão e participação.</li></li></ul><li><ul><li> Utiliza-se de alguns autores para subsidiar sua discussão teórica no que diz respeito a gestão escolar:</li></li></ul><li><ul><li> A categoria participação tem um caráter participacionista;
  8. 8. A autora a partir disso, elenca alguns termos para a gestão, quais sejam:
  9. 9. A autora parte do pressuposto de que gestão democrática é inexistente, mas se ampara e subsidia teoricamente em seis autores, nomeados por ela como otimistas (Libâneo, Lücke Gadotti) e críticos (Paro, Saviani, Tragtenberg) para chegar a conclusão que ela teve como ponto de partida para sua discussão teórica;</li></li></ul><li> A questão norteadora que a autora levanta é: <br />Porém, é necessário entendermos de qual democracia se fala, mas a própria autora afirma que a gestão democrática nesse contexto é militada, pois pautada nos autores âncoras, os mesmos demonstram alguns termos que são perdurados na gestão gerencial, como: <br />diferentes daqueles pautados na gestão democrática, como os de:<br />
  10. 10. A partir da introdução tem-se algumas indagações levantadas, que se seguem:<br />
  11. 11.  As considerações acerca da introdução e do primeiro capítulo, pode-se depreender que, mesmo não havendo ainda dados concretos, há indícios de que existem mais discursos de transformação na gestão escolar. Entretanto, na realidade, no chão da escola, como a própria autora enuncia esse enunciado está mais para conservação propriamente dita, com adoção de políticas neoliberais, tendo elementos de eficácia, eficiência, resultados e desempenho do que elementos de transformação, construção, lutas, participação e autonomia.<br />

×