Nome do Palestrante 
Ulisses Rocha Antuniassi 
FCA/UNESP - Botucatu/SP 
ulisses@fca.unesp.br 
Aplicação racional de defens...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Deriva: 
sustentabilidade e responsabilidade
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Sustentabilidade e responsabilidade 
Sustentabilidade 
•Incentivo às boas práticas na aplicaçã...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Sustentabilidade e responsabilidade 
Responsabilidade 
•Qualidade na aplicação; 
•Aplicações e...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Planejamento e organização da segurança da operação
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Planejamento 
Planejamento e organização: segurança da operação 
•Antes, durante e depois das ...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Tecnologia de aplicação e as condições climáticas
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Fundamentos 
Tecnologia de aplicação e as condições climáticas 
•As aplicações devem ocorrer c...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Fundamentos 
Tecnologia de aplicação e as condições climáticas A ausência de vento também pode...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Volume de calda (taxa de aplicação)
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Volume de calda 
Técnica de aplicação aérea 
Volume de aplicação (L/ha) 
Alto volume – AV 
40 ...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Volume de calda 
Redução do volume de calda: Vantagens: 
•Melhoria de desempenho de alguns pro...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Volume de calda 
Redução do volume de calda: Desvantagens: 
•Dificuldades na operação; 
•Degra...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Faixa de trabalho
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Faixa de trabalho 
Em busca de maior Cap. Operacional (ha/h) Aumento da faixa na aplicação aér...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Comutação automática da barra
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Comutação automática da barra 
•Um dispositivo de grande destaque dentre as novas tecnologias ...
Perdas e deriva 
Ulisses Antuniassi - UNESP
Desempenho da aplicação 
Ulisses Antuniassi - UNESP
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Espectro de gotas 
Gotas 
DMV - Diâmetro Mediano Volumétrico (Dv0,5) 
(μm) 
Matthews 
{ 
%<100...
Correlações: Espectro de gotas x deriva 
Ulisses Antuniassi - UNESP
Ulisses Antuniassi - UNESP 
R² = 0,969 
0,00 
0,02 
0,04 
0,06 
0,08 
0,10 
0,12 
0,14 
0,16 
0,18 
0,20 
0 
3 
6 
9 
12 
...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
R² = 0,9891 
0,00 
0,02 
0,04 
0,06 
0,08 
0,10 
0,12 
0,14 
0,16 
0,18 
0,20 
100 
130 
160 
...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Espectro de gotas 
•A qualidade do espectro de gotas é um fator importante na definição do ris...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Espectro de gotas 
•Em aplicações aéreas, alguns países consideram um limite ainda mais rígido...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Perdas e deriva 
Principal causa da deriva: 
Aplicação de gotas finas e muito finas em condiçõ...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Perdas e deriva 
A DERIVA é um fenômeno que depende de quatro fatores: 
•Técnica de aplicação ...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Perdas e deriva 
Deriva: definições 
Endoderiva: perda para dentro da cultura; 
Exoderiva: p...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Deriva
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Perdas e deriva 
Deriva: definições 
Endoderiva: perda para dentro da cultura; 
Exoderiva: p...
Técnicas de Redução de Deriva (TRD) 
Ulisses Antuniassi - UNESP
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Perdas e deriva 
Técnica de redução de deriva (TRD): 
•Combinação de elementos que visa reduzi...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Otimização da pulverizador aéreo para redução do risco de deriva
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Otimização do pulverizador 
Objetivo: 
•Reunir em uma única aeronave agrícola todas as tecnolo...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Otimização do pulverizador 
Foto: Unesp 
Sistema de navegação e controle de pulverização: Satl...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Otimização do pulverizador 
Barra com pontas de baixa deriva 
•Ponta CP 03 com ajuste para got...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Otimização do pulverizador 
Barra com atomizadores de baixa deriva 
•Atomizador AU 5000 LD, co...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Mandamentos básicos para a redução do risco de deriva
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Perdas e deriva 
Como reduzir o risco de deriva: 
•Operar nas melhores condições climáticas; 
...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Perdas e deriva 
Como reduzir o risco de deriva: 
•Adotar condições operacionais adequadas (ve...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Perdas e deriva 
Como reduzir o risco de deriva: 
•Adequar a distância entre a aplicação e as ...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Risco de deriva e faixas de segurança na aplicação
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Faixas de segurança 
•As faixas de segurança são ferramentas extremamente úteis para atenuar o...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Faixas de segurança 
a) As aplicações não deverão ser realizadas em áreas com distância inferi...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Faixas de segurança 
a) As aplicações não deverão ser realizadas em áreas com distância inferi...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Faixas de segurança 
a) As aplicações não deverão ser realizadas em áreas com distância inferi...
Nome do Palestrante 
Ulisses Rocha Antuniassi 
FCA/UNESP - Botucatu/SP 
ulisses@fca.unesp.br 
PROGRAMA CAS 
CERTIFICAÇÃO A...
Nome do Palestrante 
Equipe: 
Prof. Dr. Ulisses R. Antuniassi 
FCA/UNESP - Botucatu/SP 
Prof. Dr. Wellington Pereira Alenc...
Ulisses Antuniassi - UNESP 
Sustentabilidade e responsabilidade 
Certificação 
•Um programa de certificação é demanda anti...
Nome do Palestrante
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Introdução
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Introdução 
O CAS é um programa de certificação voluntária 
Gestão 
• Reali...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Introdução 
Principal objetivo do programa de certificação: 
• Capacitação ...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Instâncias de certificação
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Instâncias de certificação 
O sistema de certificação é dividido em etapas ...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Nível I: Certificação legal da operação
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Contextualização do Nível I 
Nível I: Certificação legal da operação. 
Prem...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Nível II: Certificação da qualificação 
tecnológica da empresa
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Contextualização do Nível II 
Nível II: Certificação da qualificação tecnol...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Nível II: Certificação da qualificação 
tecnológica da empresa 
Cursos de c...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Detalhamento do Nível II 
Nível II: Certificação da qualificação tecnológic...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Nível III: Certificação da conformidade 
de equipamentos, instalações e 
pr...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Contextualização do Nível III 
Nível III: Certificação da conformidade de 
...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Nível III: Certificação da conformidade 
de equipamentos, instalações e 
pr...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Detalhamento do Nível III 
Requisitos: 
Possuir sistemas de controle eletrô...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
RESULTADOS
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Primeiro grupo de empresas Nível I
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Resultados 
Primeira etapa do CAS Nível I: Certificação legal 
da operação ...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Resultados 
Primeira etapa do CAS Nível I: Certificação legal 
da operação ...
NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P 
Resultados
Nome do Palestrante 
Obrigado! 
Ulisses R. Antuniassi - FCA/UNESP - Botucatu/SP 
ulisses@fca.unesp.br (14) 38807165
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ulisses Antuniassi - Aplicação racional de defensivos e a Certificação Aeroagrícola Sustentável

546 visualizações

Publicada em

Ulisses Antuniassi - Aplicação racional de defensivos e a Certificação Aeroagrícola Sustentável. Agricultura e Polinizadores, Campinas, 25 de agosto de 2014.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
546
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ulisses Antuniassi - Aplicação racional de defensivos e a Certificação Aeroagrícola Sustentável

  1. 1. Nome do Palestrante Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br Aplicação racional de defensivos e a Certificação Aeroagrícola Sustentável
  2. 2. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Deriva: sustentabilidade e responsabilidade
  3. 3. Ulisses Antuniassi - UNESP Sustentabilidade e responsabilidade Sustentabilidade •Incentivo às boas práticas na aplicação de defensivos
  4. 4. Ulisses Antuniassi - UNESP Sustentabilidade e responsabilidade Responsabilidade •Qualidade na aplicação; •Aplicações em condições climáticas adequadas; •Técnicas para redução do risco de deriva; •Respeito a bordaduras (faixas de segurança) e conhecimento do entorno; •Cadastro de possíveis áreas de conflito (alvos de deriva), como os apicultores no entorno das áreas; •Estar ciente das consequência de não respeitar as boas práticas.
  5. 5. Ulisses Antuniassi - UNESP Planejamento e organização da segurança da operação
  6. 6. Ulisses Antuniassi - UNESP Planejamento Planejamento e organização: segurança da operação •Antes, durante e depois das aplicações é muito importante a cooperação e a comunicação com aqueles que estão no entorno das áreas de trabalho •A cooperação e comunicação entre produtores, aplicadores, consultores e outros aumentam consideravelmente a probabilidade de sucesso na proteção de recursos hídricos, da flora e da fauna; •Cooperação e comunicação são exemplos importantes de boas práticas visando à proteção de polinizadores; •Todo o processo de aplicação deverá estar baseado na correta gestão de sistemas de alerta para as áreas de risco; •Por esta razão, é fundamental que os produtores e os aplicadores mantenham um cadastro dos apicultores no entorno das áreas de aplicação.
  7. 7. Ulisses Antuniassi - UNESP Tecnologia de aplicação e as condições climáticas
  8. 8. Ulisses Antuniassi - UNESP Fundamentos Tecnologia de aplicação e as condições climáticas •As aplicações devem ocorrer com umidade relativa superior a 50%; •A temperatura ambiente deve ser menor do que 30oC; •As aplicações devem ser realizadas com velocidade do vento entre 3 e 10 km/h; •Os valores a serem considerados são as médias durante os tiros de aplicação; •Deve-se cuidar para que, na média, as condições estejam dentro dos limites; •O bom senso deve prevalecer na delimitação das variações admissíveis.
  9. 9. Ulisses Antuniassi - UNESP Fundamentos Tecnologia de aplicação e as condições climáticas A ausência de vento também pode ser prejudicial. Neste sentido, é importante observar as seguintes situações: •Correntes convectivas em horários de maior calor: o ar aquecido ascendente dificulta a deposição das gotas pequenas; •Inversões térmicas nas manhãs muito frias: a estabilidade das camadas de ar dificulta a deposição das gotas mais finas.
  10. 10. Ulisses Antuniassi - UNESP Volume de calda (taxa de aplicação)
  11. 11. Ulisses Antuniassi - UNESP Volume de calda Técnica de aplicação aérea Volume de aplicação (L/ha) Alto volume – AV 40 – 60 Baixo volume – BV 10 - 30 Ultra baixo volume - UBV < 5
  12. 12. Ulisses Antuniassi - UNESP Volume de calda Redução do volume de calda: Vantagens: •Melhoria de desempenho de alguns produtos; •Maior rendimento operacional; •Melhor controle fitossanitário (uso de gotas mais finas e melhor momento para aplicação); •Potencial para redução de custos.
  13. 13. Ulisses Antuniassi - UNESP Volume de calda Redução do volume de calda: Desvantagens: •Dificuldades na operação; •Degradação da qualidade dos depósitos (variabilidade causada pela ação dos elementos climáticos); •Problemas com misturas de tanque; •Dependência das condições climáticas (gotas mais finas); •Maior risco de deriva.
  14. 14. Ulisses Antuniassi - UNESP Faixa de trabalho
  15. 15. Ulisses Antuniassi - UNESP Faixa de trabalho Em busca de maior Cap. Operacional (ha/h) Aumento da faixa na aplicação aérea •Fatores importantes: altura de voo e posição do vento; •A faixa ideal depende ajustes específicos nas aeronaves; •Faixas muito grandes = maior risco de falhas e deriva. menor maior Vento
  16. 16. Ulisses Antuniassi - UNESP Comutação automática da barra
  17. 17. Ulisses Antuniassi - UNESP Comutação automática da barra •Um dispositivo de grande destaque dentre as novas tecnologias disponíveis para a aviação agrícola é o sistema de comutação automática da barra (como presente nos Satloc G4); •Estes sistemas, baseados nos dados de posicionamento por GPS, registram as áreas por onde a aeronave passa e, no caso de haver locais com sobreposição ou em que a aplicação não foi planejada, um controlador liga e desliga a barra de maneira automática; •Os desperdícios de calda por sobreposição de faixas ou por aplicações em locais indevidos são substancialmente reduzidos, melhorando significativamente a segurança ambiental da aplicação; •Estes sistemas podem ser ajustados para evitar a aplicação (intencional ou acidental) sobre áreas não programadas, como as faixas de segurança e áreas de restrição, por exemplo.
  18. 18. Perdas e deriva Ulisses Antuniassi - UNESP
  19. 19. Desempenho da aplicação Ulisses Antuniassi - UNESP
  20. 20. Ulisses Antuniassi - UNESP Espectro de gotas Gotas DMV - Diâmetro Mediano Volumétrico (Dv0,5) (μm) Matthews { %<100 μm Foto: UNESP Deriva: Maior %<100 μm = maior deriva
  21. 21. Correlações: Espectro de gotas x deriva Ulisses Antuniassi - UNESP
  22. 22. Ulisses Antuniassi - UNESP R² = 0,969 0,00 0,02 0,04 0,06 0,08 0,10 0,12 0,14 0,16 0,18 0,20 0 3 6 9 12 15 18 21 24 27 30 Deriva (%) V100 Redutores de Deriva Óleo Mineral Óleo Vegetal Surfatantes Fonte: Oliveira, 2011
  23. 23. Ulisses Antuniassi - UNESP R² = 0,9891 0,00 0,02 0,04 0,06 0,08 0,10 0,12 0,14 0,16 0,18 0,20 100 130 160 190 220 250 280 310 340 Deriva (%) DMV (μm) Redutores de Deriva Óleo Mineral Óleo Vegetal Surfatantes Fonte: Oliveira, 2011
  24. 24. Ulisses Antuniassi - UNESP Espectro de gotas •A qualidade do espectro de gotas é um fator importante na definição do risco de deriva •Espectros com elevada amplitude de variação do tamanho de gotas costumam ter elevada quantidade de gotas muito finas (menores do que 100 μm) misturadas às gotas do diâmetro desejado, potencializando o risco; •As gotas menores do que 100 μm são facilmente carregadas pelo vento e se evaporam muito rapidamente, sofrendo mais intensamente a ação dos fenômenos climáticos;
  25. 25. Ulisses Antuniassi - UNESP Espectro de gotas •Em aplicações aéreas, alguns países consideram um limite ainda mais rígido, de 150 μm, devido à maior distância existente entre a máquina aplicadora e o alvo, bem como à própria turbulência gerada pela aeronave em voo; •No entanto, é importante reconhecer que a deriva não começa ou para nesses limites de 100 μm ou 150 μm; •O potencial de deriva aumenta gradativamente à medida que as gotas se tornam menores que esses diâmetros e, continuadamente, decresce à medida que elas se tornam maiores; •Gotas menores que 50 μm tendem a permanecer suspensas no ar indefinidamente ou até a completa evaporação.
  26. 26. Ulisses Antuniassi - UNESP Perdas e deriva Principal causa da deriva: Aplicação de gotas finas e muito finas em condições climáticas desfavoráveis. Fotos: Unesp
  27. 27. Ulisses Antuniassi - UNESP Perdas e deriva A DERIVA é um fenômeno que depende de quatro fatores: •Técnica de aplicação (tipo de ponta ou atomizador, por exemplo); •Condições climáticas (vento, umidade e temperatura); •Condições operacionais (velocidade, altura da pulverização, etc.); •Composição da calda (defensivos, adjuvantes e da concentração dos mesmos na calda).
  28. 28. Ulisses Antuniassi - UNESP Perdas e deriva Deriva: definições Endoderiva: perda para dentro da cultura; Exoderiva: perda para fora da cultura;
  29. 29. Ulisses Antuniassi - UNESP Deriva
  30. 30. Ulisses Antuniassi - UNESP Perdas e deriva Deriva: definições Endoderiva: perda para dentro da cultura; Exoderiva: perda para fora da cultura; Evaporação: perda de gotas pequenas (baixa umidade e alta temperatura do ar); Inversão térmica: estabilidade da atmosfera com ar frio parado (gotas pequenas não depositam); Correntes convectivas: ar quente ascendente nos horários mais quentes (gotas pequenas não depositam).
  31. 31. Técnicas de Redução de Deriva (TRD) Ulisses Antuniassi - UNESP
  32. 32. Ulisses Antuniassi - UNESP Perdas e deriva Técnica de redução de deriva (TRD): •Combinação de elementos que visa reduzir o risco de deriva em uma aplicação. •Exemplo, adoção de uma ponta que ofereça deriva reduzida em conjunto com um adjuvante de calda com potencial para reduzir as perdas.
  33. 33. Ulisses Antuniassi - UNESP Otimização da pulverizador aéreo para redução do risco de deriva
  34. 34. Ulisses Antuniassi - UNESP Otimização do pulverizador Objetivo: •Reunir em uma única aeronave agrícola todas as tecnologias que possibilitem a redução do risco de deriva.
  35. 35. Ulisses Antuniassi - UNESP Otimização do pulverizador Foto: Unesp Sistema de navegação e controle de pulverização: Satloc G4 Sistema de controle de altura de voo Barra com pontas ou atomizadores de baixa deriva
  36. 36. Ulisses Antuniassi - UNESP Otimização do pulverizador Barra com pontas de baixa deriva •Ponta CP 03 com ajuste para gotas médias e baixo %<100 μm Ajuste da vazão Ajuste do tamanho das gotas
  37. 37. Ulisses Antuniassi - UNESP Otimização do pulverizador Barra com atomizadores de baixa deriva •Atomizador AU 5000 LD, com ajuste para gotas médias e baixo %<100 μm
  38. 38. Ulisses Antuniassi - UNESP Mandamentos básicos para a redução do risco de deriva
  39. 39. Ulisses Antuniassi - UNESP Perdas e deriva Como reduzir o risco de deriva: •Operar nas melhores condições climáticas; •Escolher a técnica de aplicação que ofereça o menor risco para as condições vigentes; •Conhecer as características do espectro de gotas das técnicas: - DMV - %<100 μm - AR
  40. 40. Ulisses Antuniassi - UNESP Perdas e deriva Como reduzir o risco de deriva: •Adotar condições operacionais adequadas (velocidade, altura da pulverização, etc.); •Planejar a composição da calda para que esta não ofereça mais risco de deriva (conhecer a interação dos produtos). Ex.: a mistura de produtos na calda pode aumentar a deriva.
  41. 41. Ulisses Antuniassi - UNESP Perdas e deriva Como reduzir o risco de deriva: •Adequar a distância entre a aplicação e as áreas que precisam ser protegidas, de acordo com a técnica utilizada; •Respeito às faixas de segurança.
  42. 42. Ulisses Antuniassi - UNESP Risco de deriva e faixas de segurança na aplicação
  43. 43. Ulisses Antuniassi - UNESP Faixas de segurança •As faixas de segurança são ferramentas extremamente úteis para atenuar os riscos de deriva nas aplicações de defensivos; •No caso das aplicações aéreas, a instrução normativa número 2 do MAPA, de 3 de janeiro de 2008, define os casos em que as aplicações aéreas não devem ser realizadas. As restrições são as seguintes:
  44. 44. Ulisses Antuniassi - UNESP Faixas de segurança a) As aplicações não deverão ser realizadas em áreas com distância inferior a 500 metros de povoações, cidades, vilas, bairros e mananciais de captação de água para abastecimento de população.
  45. 45. Ulisses Antuniassi - UNESP Faixas de segurança a) As aplicações não deverão ser realizadas em áreas com distância inferior a 500 metros de povoações, cidades, vilas, bairros e mananciais de captação de água para abastecimento de população. b) Estas restrições deverão ser válidas também para áreas com distância inferior a 250 metros no caso de mananciais de água, moradias isoladas e agrupamentos de animais;
  46. 46. Ulisses Antuniassi - UNESP Faixas de segurança a) As aplicações não deverão ser realizadas em áreas com distância inferior a 500 metros de povoações, cidades, vilas, bairros e mananciais de captação de água para abastecimento de população. b) Estas restrições deverão ser válidas também para áreas com distância inferior a 250 metros no caso de mananciais de água, moradias isoladas e agrupamentos de animais; c) As aeronaves agrícolas que contenham produtos químicos deverão ser proibidas de sobrevoar as áreas povoadas, moradias e os agrupamentos humanos.
  47. 47. Nome do Palestrante Ulisses Rocha Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br PROGRAMA CAS CERTIFICAÇÃO AEROAGRÍCOLA SUSTENTÁVEL
  48. 48. Nome do Palestrante Equipe: Prof. Dr. Ulisses R. Antuniassi FCA/UNESP - Botucatu/SP Prof. Dr. Wellington Pereira Alencar de Carvalho UFLA - Lavras/MG Prof. Dr. João Paulo A. Rodrigues da Cunha UFU - Uberlândia/MG Ulisses Antuniassi - UNESP Apresentação
  49. 49. Ulisses Antuniassi - UNESP Sustentabilidade e responsabilidade Certificação •Um programa de certificação é demanda antiga do setor aeroagrícola; Certificação = sustentabilidade = responsabilidade •Incentivo às boas práticas na aplicação aérea
  50. 50. Nome do Palestrante
  51. 51. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Introdução
  52. 52. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Introdução O CAS é um programa de certificação voluntária Gestão • Realização: FEPAF; • Coordenação: UNESP, UFLA e UFU; • Apoio institucional: ANDEF e SINDAG; Financiamento 100% privado: • Taxas de certificação (a serem pagas pelas empresas certificadas) • Apoio financeiro da ANDEF.
  53. 53. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Introdução Principal objetivo do programa de certificação: • Capacitação e a qualificação do setor aeroagrícola (empresas de prestação de serviços e operadores privados); Enfoques primários: • Responsabilidade e sustentabilidade das operações; • Melhorias na qualidade das pulverizações; • Redução de riscos de impacto ambiental das aplicações.
  54. 54. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Instâncias de certificação
  55. 55. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Instâncias de certificação O sistema de certificação é dividido em etapas (níveis a serem alcançados): • CAS Nível I: Certificação legal da operação • CAS Nível II: Certificação da qualificação tecnológica da empresa • CAS Nível III: Certificação da conformidade de equipamentos, instalações e procedimentos
  56. 56. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Nível I: Certificação legal da operação
  57. 57. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Contextualização do Nível I Nível I: Certificação legal da operação. Premissas: • Conformidade com a legislação e normas vigentes; • Comprovação de documentos; • Certificado outorgado aos operadores que cumprirem todas as metas estabelecidas.
  58. 58. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Nível II: Certificação da qualificação tecnológica da empresa
  59. 59. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Contextualização do Nível II Nível II: Certificação da qualificação tecnológica da empresa. Premissas: • Certificar a qualidade técnica e a responsabilidade ambiental da operação; • Os certificados serão outorgados aos participantes que obtiverem frequência mínima e desempenho satisfatório em cursos de capacitação.
  60. 60. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Nível II: Certificação da qualificação tecnológica da empresa Cursos de capacitação
  61. 61. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Detalhamento do Nível II Nível II: Certificação da qualificação tecnológica da empresa. • Curso: “Qualidade técnica e responsabilidade ambiental na aplicação aérea”; • Dois módulos, com total de 16 h: • Módulo 1: Qualidade da tecnologia de aplicação (8 horas); • Módulo 2: Planejamento e responsabilidade ambiental (8 horas).
  62. 62. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Nível III: Certificação da conformidade de equipamentos, instalações e procedimentos
  63. 63. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Contextualização do Nível III Nível III: Certificação da conformidade de equipamentos, instalações e procedimentos Premissas: • Certificar equipamentos, instalações e procedimentos; • O certificado será outorgado aos participantes que obtiverem desempenho satisfatório em inspeção a campo.
  64. 64. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Nível III: Certificação da conformidade de equipamentos, instalações e procedimentos Requisitos
  65. 65. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Detalhamento do Nível III Requisitos: Possuir sistemas de controle eletrônico, registro e rastreamento: • Controle da aplicação, com acionamento automatizado das barras, visando a contenção da aplicação nas faixas de segurança e áreas de restrição; • Monitoramento e registro das aplicações com informações técnicas (volume de calda, altura voo, condições climáticas, etc.;). Realizar: • Análise de riscos ambientais de cada aplicação de acordo com o estabelecido na certificação CAS Nível II; • Registro das ações quanto aos sistemas de alerta para as áreas de risco e possíveis alvos da deriva; • Manutenção de banco de dados com registros do planejamento da operação, dos relatórios de execução e das análises de risco.
  66. 66. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P RESULTADOS
  67. 67. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Primeiro grupo de empresas Nível I
  68. 68. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Resultados Primeira etapa do CAS Nível I: Certificação legal da operação : • Período de inscrições (Dez/13 a Fev/14); Estatísticas do cadastramento: • 25 empresas distribuídas em 9 Estados; • 115 aeronaves • 98 pilotos
  69. 69. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Resultados Primeira etapa do CAS Nível I: Certificação legal da operação : Estatísticas da Certificação CAS Nível I, após avaliação dos proponentes: • 20 empresas certificadas em 7 Estados; • 90 aeronaves; • 87 pilotos.
  70. 70. NUolismsees dAont uPnaialesssit r- aUnNtEeS P Resultados
  71. 71. Nome do Palestrante Obrigado! Ulisses R. Antuniassi - FCA/UNESP - Botucatu/SP ulisses@fca.unesp.br (14) 38807165

×