133

158 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
158
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

133

  1. 1. Atomistas Gregos: A matéria é formada por átomos e vazio “Existem alhures dispersas outras massas de átomos como esta que o éter cobre com ciumenta vigilância. Não é maravilha que onde a matéria está pronta, onde está aberto o espaço aí novas coisas se formem.” Demócrito: Lucrécio in “De rerun natura” Sec II dCátomos diferentes,formas diferentes!
  2. 2. John DaltonA noção de PESO(MASSA) ATÔMICOÁtomos iguais,massas iguais. A matéria é descontínua: Átomos e vazio!
  3. 3. Para Dalton as Leis Ponderais eram evidências empíricas da noção atômica. Lei de Lavoisier: Massa dos reagentes = Massa dos produtos Conservação da massa Hidrogênio reage com Oxigênio produzindo Água 1,0 g 8,0 g 9,0 g 5,0 g 40,0 g 45,0 gPara Dalton a massa se conserva devido que os átomos queestão nos reagentes são os mesmos que estão nos produtos!Uma reação pode ser entendida como um rearranjo de átomos
  4. 4. Para Dalton as Leis Ponderais eram evidências empíricas da noção atômica. Lei de Proust: Proporção constante (fixa) entre massas de reagentes e produtos Lei das proporções constantesHidrogênio reage com Oxigênio produzindo Água 1,0 g 8,0 g 9,0 g 5,0 g 40,0 g 45,0 gPara Dalton a massa do oxigênio deve ser 8 vezes a massa dohidrogênio, o que permite compreender a proporção constante. 1ª Tabela de massa atômica
  5. 5. 1. Hidrogênio 12. Nitrogênio 53. Carbono 54. Oxigênio 75. Fósforo 96. Enxofre 137. Magnésio 208. Calcio 239. Sódio 2810. Potássio 4211. Ferro 3812. Zinco 5613. Cobre 56 9514. Prata
  6. 6. PONTOS DE EBULIÇÃO CINCO SUBSTÂNCIAS ISOELETRÔNICAS E HIDRETOS DO GRUPO VIAPonto de Ebulição (K) 400 HO 2 300 HF H Te 2 200 NH H Se 3 HS 2 2 100 CH 4 Ne 10 16 20 40 60 nº total de elétrons
  7. 7. Novas descobertas feitas nessa época, principalmente sobre anatureza elétrica da matéria, a eletrização, a pilha de Volta, a conduçãode corrente elétrica, as descargas elétricas em gases levaram anecessidade de aprimorar o modelo atômico de Dalton.
  8. 8. Modelo de ThomsonNo final do sec XIX, em 1897, tendo demonstrado que os elétrons eram comuns atodas as substâncias, e que possuíam carga negativa e massa extremamentepequena, a imaginação desse cientista o levou a concluir que o átomo seriaconstituído, também, por cargas positivas e massa consideravelmente maior do que ado elétron. Só assim seria possível justificar a neutralidade elétrica da matéria. Comesse raciocínio ele propôs um modelo no qual o átomo seria como uma bola demassa uniforme de carga positiva, com elétrons distribuídos, tal como passasem um bolo. Este modelo ficou conhecido como “pudim de passas”. O átomo é divisível! Elétron com MHS Freqüência própria
  9. 9. A descoberta da radioatividade e o estudo das suas características,isto é, as emissões alfa, beta e gama, levaram aos cientistas arelacionarem com possíveis características atômicas. Marie Curie
  10. 10. Experimento do espalhamento de partículas α
  11. 11. MODELO NUCLEAR DE RUTHERFORDA conclusão tirada por Rutherford a partir dessas observações era de queesse “obstáculo” que produzia os grandes desvios na trajetória daspartículas alfa deveria corresponder a uma região central no átomo, muitopequena e de grande concentração de matéria carregada positivamente. Aessa região central ele chamou de núcleo. A maior parte do espaço, emvolta desse núcleo, era praticamente vazia, onde orbitariam os elétrons, decarga negativa e massa desprezível. Por essa região “vazia” a maioria dapartículas alfa passava como se a lâmina de ouro não existisse. NúcleoAs conclusões de Rutherfordconduziram ao modelo planetário doátomo, no qual os elétrons descrevemum movimento ao redor do núcleo Elétronsassim como os planetas se movem aoredor do Sol. Átomo nuclear de Rutherford
  12. 12. O fenômeno que o modelo de Rutherford não explicava: O espectro descontínuo!
  13. 13. •Espectroscópio de caixa de fósforo Material Uma caixa de fósforos das grandes, Um CD (compact-disc o CD-rom) não mais utilizado. Pegue seu espectroscópio e oriente-o para a luz proveniente, por exemplo, de uma lâmpada incandescente comum. O que você observa? Experimente agora com uma lâmpada fluorescente. Que diferença você pode observar? Experimente agora observar o espectro solar (espectro de absorção). Tome cuidado para não focalizar diretamente o Sol. Procure identificar com cuidado as linhas mais características. Você poderá também observar os espectros de emissão de algumas lâmpadas para iluminação pública (branca, de mercúrio, de sódio etc.) e aquele de alguns anúncios luminosos (gás néon etc.). No laboratório de Química, seu professor poderá queimar pedaços de cobre, zinco, alumínio etc. ou sais sobre o bico de Bunsen; as luzeshttp://www.feiradeciencias.com.br/sala09/09_21.asp emitidas poderão ser observadas e analisadas com seu espectroscópio.
  14. 14. O modelo de Bohr se baseia nos seguintes postulados:1.O elétron gira em torno do núcleo em órbitas circulares de energiaconstante (estados estacionários), também chamadas camadas ou níveisenergéticos.2.Por absorção de uma quantidade suficiente de energia, o elétronpode passar para uma nova órbita mais afastada do núcleo.3.Por emissão desta energia absorvida o elétron poderá retornar a umaórbita mais próxima do núcleo (menor energia), mas nunca abaixo de suaórbita de origem (estado fundamental)4.As diferenças de energia entre as várias órbitas correspondem àsenergias da luz associadas às linhas espectrais emitidas pelo átomo. O elétron ao receber energia suficiente “pula” de camada. O elétron ao retornar á sua camada libera energia na forma de “luz”.

×