Exame mod 4 - critérios.

1.467 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Exame mod 4 - critérios.

  1. 1. Cotação da Cotação da questão questão D EPARTAMENTO C IÊNCIAS S OCIAIS E A NO L ETIVO H UMANAS 2011 /2012 Fig. 3 - Casamento de Frederico III 1.2 De acordo com o texto, refere as consequências com D. Leonor de Portugal EXAME DE H.C.A. – MÓDULO IV 1TM1114 desse clima de desenvolvimento. A CULTURA DA CATEDRAL (correção) Este desenvolvimento levou a um crescimento da população europeia, devido ao aumento da área cultivada. O nível de vida da população aumentou, assim como ALUNO ____________________________________ N.º _____ aumentou o número de igrejas paroquiais foram então reconstruídas; as casas rurais ganharam solidez e os enxovais tornaram-se mais luxuosos; nas cidades aumentou também o gosto pelo luxo, crescendo o número de encomendas aos artistas, já não só ABRIL DE 2012 PROFESSORA: TERESA por parte do clero e da nobreza, mas também pela burguesia endinheirada. GONÇALVES Fig. 2 - Iluminura do Livro das 1.3 Identifica a cidade que consta da pintura da figura 1. 1. Fig. 1 Horas do Duque de Berry Trata-se da cidade de Siena. 1.4 Identifica a pintura (fig. 1), o autor da mesma e a razão por que terá sido Te encomendada. xt o1 Trata-se da “Alegoria do bom governo”, de Ambrogio Lorenzeti e foi encomendada – pelo grupo de burgueses que governava a cidade de Siena após a revolução que expulsara os nobres do poder. Esta obra pretendia divulgar os efeitos de um bom governo sobre a cidade e os campos que a rodeiam, passando a ser exibida na entrada do palácio comunal da cidade de Siena – esta era também uma forma de promoção da junta governativa “No século XIII, a Europa sobretudo 1.5 Também Lisboa foi uma cidade que conheceu um desenvolvimento notável na Baixa enche-se de homens. Os antigos Idade Média, tornando-se palco de grandes festividades nas cerimónias do casamento campos cultivados expandem-se, outros novos surgem nos baldios. Mais numerosos, estes homens da Infanta D. Leonor com o imperador da Alemanha. Diz, sucintamente, o que sabes produziam mais e, como não eram ainda excessivamente numerosos, o seu nível de vida subia. (...) sobre este acontecimento (fig.3). Muitas igrejas paroquiais foram então reconstruídas: as casas rurais ganharam solidez e os enxovais que se preparavam para o casamento das filhas tornaram-se mais luxuosos (…) Na sociedade urbana, As comemorações do casamento da infanta D. Leonor, irmã do rei D. Afonso V de o círculo alargava-se, assim, a homens capazes de se mostrarem magníficos, de ornamentarem as Portugal, com Frederico III, imperador da Alemanha, verificaram-se entre 13 e 25 de suas existências e realizarem esse gesto eminentemente gratificante: fazer uma encomenda aos outubro de 1451, por toda a cidade de Lisboa, obrigando o público a deslocar-se para artistas. Entre os promotores da criação artística já não contavam só guerreiros e homens de oração. poder assistir a todas estas demonstrações de poder do rei de Portugal, que incluíram (..)“ jantares, danças, jogos, cortejos, representações, espetáculos, bênçãos, discursos, Georges Duby, Arte e Sociedade, em G. Duby e M. Laclotte, História Artística da Europa — A ldade Média touradas, folguedos, matança de touros, distribuição de carne, cantares, festim real, festa popular, caçadas, dádivas, ofícios… 1.1 Refere as condições que permitiram a melhoria generalizada que se viveu na Europa no século XIII. 2. Fig. 4 – Catedral de Amiens A partir dos séculos XI e XII a europa conheceu uma série de Texto 2 - "Uma vez unida a nova parte posterior à parte da bons anos agrícolas que conduziram a um renascimento frente, toda a igreja resplandecerá com a sua parte económico devido à renovação das técnicas agrícolas, aumento dos intermédia, a nave, iluminada. Pois luminoso é aquilo que excedentes e consequente crescimento da população. Deu-se o luminosamente se liga ao luminoso. E luminoso é o nobre desenvolvimento urbano, com a expansão das atividades edifício que a nova luz penetra." artesanais, do comércio monetário e dos mercados e feiras, Abade Suger assim como se desenvolveram atividades ligadas às finanças e a desestruturação do antigo sistema feudo-senhorial dos séculos Texto 3 – “A luz, que aparece simultaneamente como o anteriores. próprio Deus e como o agente da união entre a alma e Deus, Professora Maria Teresa Gonçalves Exame de HCA – Módulo IV 1
  2. 2. Cotação da Cotação da questão questão deve encher inteiramente o Reino cujo campo os muros da catedral simbolicamente 8.– Clerestório; delimitam.” 9.- Abóbada de cruzaria de ogivas; Georges Duby, O tempo das catedrais 10. - Fecho da abóbada. 2.1 Tendo em conta os textos 2 e 3, relaciona a metafísica da Luz com o novo estilo 3. A escultura autonomiza-se em relação à arquitetura - como demonstram as esculturas arquitetónico. de vulto redondo, as estátuas jacentes e os retratos - e ao conquistar o seu próprio espaço ela atingiu uma conceção mais plástica, mais dinâmica e “verdadeira”. O estilo gótico é afirmação de uma nova filosofia, em que o abade Suger, “pai do estilo 3.1 Refere a inovação formal e estética do grupo escultórico da catedral gótica de Reims gótico”, fortemente influenciado pela teologia de Pseudo-Dionísio, o Areopagita, considera a (fig.7). luz a melhor forma de comunicação com o Divino. Fisicamente a luz vai ter um papel de A Anunciação e a Visitação, esculpidas nas importância crucial no interior da catedral, difundindo-se através dos grandes vitrais numa jambas do pórtico ocidental da Catedral de Reims (...) áurea de misticismo e a sua carga simbólica vai ser reforçada pela acentuação do libertaram-se da arquitetura para se converterem em verticalismo. “luminoso é aquilo que luminosamente se liga ao Luminoso – Suger retrata esculturas de vulto redondo, firmemente apoiadas no Deus como O Luminoso e considera que a melhor forma de O adorar será através da luz, solo, continuando um caminho iniciado em Chartres. “agente da união entre a alma e Deus”. Privilegiando uma aproximação ao mundo físico, as pregas da roupa deixam transparecer as anatomias que 2.2 Caracteriza os cinco níveis da fachada da catedral de Amiens (fig. 4). cobrem e, especialmente na Visitação, o escultor parece A fachada de Amiens divide-se em cinco partes: 1.ª - os habituais três portais no dominar completamente o modelo clássico. primeiro nível, mas aqui extremamente profundos; 2.ª - a primeira galeria; 3.ª - a galeria dos reis - figuras com 4,5m de altura; 4.ª - a rosácea, com vitrais do século XVI; 5.ª - Fig. 7 – Anunciação e Visitação, pórtico ocidental, as torres, concluídas nos séculos XIV e XV. Catedral de Reims, França, c. 1225-1245. 2.3 Faz, na tua folha de exercício, a legenda dos vários pontos presentes nos esquemas 4. Na pintura, as primeiras inovações registaram-se num grupo de pintores da região da arquitetónicos representados nas figuras 5 e 6. Toscana que cortaram com a tradição bizantina. Na região dos Países Baixos, principalmente na zona da Flandres, em franco 1. Capelas radiantes; desenvolvimento económico e social, verificou-se o florescimento da arte, sobretudo da 2. Deambulatório; pintura - no primeiro quartel do século XV. 3. Capela-mor e Altar; 4. Coro; 5. Corredores do coro; 6. Cruzeiro; 7. Transepto; 8. Contrafortes ou Botaréus; 9. Nave central; 10. Naves laterais; 11. Portais. Fig. 5 Fig. 6 1.– Pináculo; 2. – Arcobotante; 3.– Gárgula; 4.– Contraforte; 5.– Arco quebrado ou ogival; 6.– Trifório; 7.– Pilar; Fig. 8 - Jan Van Eyck, O Virgem do Chanceler Professora Maria Teresa Gonçalves Exame deFig. 9 – Módulo IV HCA 2 Rolin, 1435.
  3. 3. Cotação da Cotação da questão questão 4.1 Identifica a pintura representada na figura 9 e o seu autor. 6.1 Refere quatro das consequências da epidemia de peste negra de 1347-1350 na Trata-se da obra de Giotto “A Deposição de Cristo”. mentalidade e na criação artística da época, recorrendo à observação da Figura 11 e à leitura do texto 4. A terrível mortandade resultante da peste provocou o aumento do fanatismo e da superstição, uma vez que a esmagadora maioria da população era analfabeta e ignorante. 4.2 Analisa a figura 8 e refere três inovações da pintura flamenga do século XV. Isto conduziu à prática coletiva de penitência, com as chamadas “procissões de A pintura flamenga foi inovadora a vários níveis: flagelantes”, assim como ao aumento da bruxaria e do fanatismo religioso (com • na invenção da pintura a óleo que, Segundo se pensa, os irmãos Van Eyck, perseguições e matanças de judeus, mouros e ditos bruxos). Ao nível das mentalidades e Hubert e Jan, teriam sido dos primeiros a utilizá-la; dos comportamentos coletivos, a Peste Negra (que se pensava ser um castigo de Deus • no interesse pela realidade quotidiana, patente na pormenorização dos cenários devido aos pecados dos Homens), instalou um ambiente de incerteza, insegurança e naturais ou de interior e das vestes, penteados, objetos...; angústia face à inevitabilidade da morte. Isto é perfeitamente visível na arte, com a • na prática do retrato, fruto do individualismo burguês dos flamengos. proliferação da chamada arte macabra, na qual a morte de Cristo e a descida ao túmulo são temas constantes, além das xilogravuras que representam a morte armada de gadanha, o 5. Dante Alighieri nasceu e viveu em cadáver comido pelos vermes e as danças macabras, e na pintura a fresco o triunfo da Itália entre o final do século XIII e o início do morte sobre todos, independentemente do estatuto social de cada um. século XIV. É considerado um dos maiores Verificou-se também a exaltação dos bens materiais, estimulando o gosto pelo luxo e poetas de todos os tempos. A sua maior festividades; na literatura, proliferaram os chamados Ars Moriendi [Arte de Morrer], ou seja, obra literária é A Divina Comédia, um poema tratados que ensinavam a bem morrer e, na música, foi muito divulgado o hino Dies Irae [A de cariz épico e teológico que constitui o Ira de Deus], composto na 2.ª metade do século XIII, associado às missas dos defuntos; culminar do modo medieval de ver o mundo e a base da língua italiana moderna. 5.1 A Pintura a fresco de Domenico de Michelino (Figura 10) retrata dois aspetos fundamentais da vida de Dante. Justifica. Fig. 10 – Dante Alighieri Esta pintura representa dois dos Bom trabalho! aspetos mais importantes da vida de Dante: a forte ligação à sua cidade natal, Florença, e a escrita da obra que o imortalizou - A Divina Comédia. A pintura mostra, de facto, a conceção medieval do cosmos, baseada na omnipresença da religião, que estrutura todo o seu poema. 6. Texto 4 - «Caindo de repente sobre uma população sem defesas orgânicas nem higiénicas nem alimentares, sobre sociedades destituídas de conhecimentos científicos e clínicos adequados e de instituições ou organizações profiláticas mínimas, sobre multidões mentalmente predispostas à superstição e ao fanatismo e ao pânico – a peste negra cifrou-se não só em catástrofe demográfica, [...] mas também em tragédia social e cataclismo de valores.» Armindo de Sousa, «1325-1480», in José Mattoso (dir.), História de Portug Professora Maria Teresa Gonçalves Fig. 11 – Os Flagelantes em Doornik (Tournai), Exame de HCA – Módulo IV 3 em 1349, miniatura da Crónica de Aegidius Li Muisis

×