SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Liliane de Souza Lima
 acesso a locais distantes; 
 tempo gasto no percurso; 
 a poluição do ar e sonora; 
 a quantidade de consumo de combustíveis fósseis 
não renováveis; 
 Fatores que influenciam: Empresas privadas, Aumento 
da População, Aumento do número de viagens, 
Influência do Estado.
 Problemas: Desordenamento das cidades; 
Falta de infraestrutura, Poluição, Acidentes, 
aumenta gases do efeito estufa. 
 Existe a relação da eficiência econômica 
induzida ou proporcionada pela rede de 
transporte urbano? Como tratar e como 
medir isso?
 Entender e analisar elementos da economia de 
rede no contexto de transporte público urbano, 
destacando-se a relação entre a configuração de 
rede do transporte público urbano por ônibus, a 
sua eficiência econômica.
 Analisar o fenômeno urbano no mundo e no Brasil em 
particular, caracterizando o ambiente de urbanização e 
os desafios da gestão da mobilidade urbana, indicando 
algumas iniciativas do governo. 
 Conceituar rede(s) de transporte público, seus 
componentes e em que se diferencia de outras redes de 
serviços urbanos 
 Identificar e caracterizar elementos relacionados à 
configuração da rede e rede de transporte – TPU.
 Compreender o sentido da economia de rede de 
serviço de TPU em relação às outras economias. 
 Analisar a eficiência associada à configuração de rede 
de TPU. 
 . Identificar parâmetros/indicadores para medir tal 
eficiência utilizando o método DEA (Análise 
Envoltória de Dados).
 1.1. FUNDAMENTOS DA REDE, SISTEMA E A 
CONFIGURAÇÃO DA REDE TPU 17 
 1.1.1. REDE DE TRANSPORTE URBANO SOB A ÓTICA DA 
TEORIA DE GRAFOS 20 
 1.1.2. INFRAESTRUTURAS URBANAS, CONFIGURAÇÃO DE 
REDES DE SERVIÇOS E O TPU 23 
 1.1.2.1 REDE DE TRANSPORTES COMO SISTEMA FÍSICO 25 
 1.1.2.2. REDE DE TRANSPORTES COMO SERVIÇO EM 
SISTEMA ECONÔMICO 26 
 1.2. ECONOMIA DE REDE E ECONOMIA DE REDE DE TPU 
28 
 1.2.1. ECONOMIAS DE ESCALA E DE ESCOPO NO ÂMBITO DA 
ECONOMIA DE REDE DE SERVIÇOS 30 
 1.2.2. ECONOMIAS DA AGLOMERAÇÃO E DA DENSIDADE 
NO ÂMBITO DA ECONOMIA DE REDE 33
 1.3. ABORDAGEM SOBRE MEDIDAS DA EFICIÊNCIA 
EM ECONOMIA DE REDE TPU 35 
 1.3.1 CONCEITO E INDICADORES DE EFICIÊNCIA35 
 1.3.2 QUALIDADE E EFICIÊNCIA NA REDE TPU 39 
 1.4. ABORDAGEM DA EFICIÊNCIA NO CONTEXTO 
DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS 42 
 1.4.1 ABORDAGEM DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE 
DADOS NA REDE DE TPU 43 
 1.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS SOBRE ESTE 
CAPÍTULO 47
 2.1 REDE DE TRANSPORTE PÚBLICO NO MUNDO 49 
 2.1.2 ONZE CIDADES QUE PERTENCEM AO GRUPO ACIMA 
DA MÉDIA MUNDIAL 51 
 2.1.2 REDE DE TRANSPORTE PÚBLICO NO BRASIL 54 
 2.1.2.1 A ADAPTAÇÃO DA MOBILIDADE URBANA DE 
CURITIBA 56 
 2.2 A IMPORTÂNCIA DO PAPEL DO ESTADO NO 
GERENCIAMENTO E NA REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE 
TRANSPORTE POR ÔNIBUS 57 
 2.2.1 BENS PÚBLICOS E BENS COMUNS 57 
 2.2.2 FUNÇÕES ECONÔMICAS DO SETOR PÚBLICO 58 
 2.2.3 ESTRUTURA TRIBUTÁRIA 59 
 2.2.4 EXTERNALIDADES 60
 2.3 MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL 64 
 2.3.1 ASPECTO DA MOTORIZAÇÃO NO BRASIL E 
NAS CIDADES MÉDIAS DE MINAS GERAIS 64 
 2.3.2 ASPECTO DE INVESTIMENTO EM 
INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES 69 
 2.4 INICIATIVAS PRÓ-MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 
EM CIDADES DE PORTE MÉDIO 72 
 2.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS SOBRE ESTE 
CAPÍTULO 74
 Em um recente estudo da UITP foi feito um estudo sobre a 
mobilidade urbana em alguns países destacando o ranking 
das principais regiões. 
 POP baseada em cidade. 
 Hoje: 53% -> 64% viagens feitas. 
 2050: 67%. -> 3x. 
 Nenhum dos sistemas de mobilidade urbana nas regiões, 
exceto a Europa Ocidental, atinge 50% de maturidade em 
potencial, mostrando que todas as cidades do mundo têm 
um longo caminho a percorrer no termos de 
desenvolvimento de suas redes de viagem.
 Investimento na produção de 
biocombustíveis; 
 Os veículos privados utilizam no país uma 
alta tecnologia para queimar em motores a 
explosão da mistura gasolina-álcool; 
 Políticas que incentivem o uso de o uso do 
transporte coletivo e sistemas não 
motorizados;
 Curitiba: cresceu com base no sistema de 
transportes totalmente conectado: com 
áreas residenciais, planejamento ordenado 
da ocupação urbana, concepção inovadora 
da estrutura da malha viária, comércio e 
serviços, além da preocupação com a 
preservação de locais históricos.
 Uberaba: Nº total de veículos é maior. (Betim e 
MOC) 
 Divinópolis: Nº de motocicletas é maior. (213.016 
habitantes.) 
 Nº de Utilitários: Uberaba (871) e Montes Claros 
(628); 
 Motocicletas: Nas cidades de Betim (24.402), Sete 
Lagoas (23.492), Governador Valadares (33.761), 
Ipatinga (32.126), Montes Claros (61.273) e Uberaba 
(40.399).
27.3 
48.4 
30.4 
9.2 
Carros 
Motos 
Veículos Privados 
Domicílios
 Incentivo ao Transporte Não- 
Motorizado; 
 Incentivo ao Uso Racional do Carro; 
 Prioridade para o Transporte Coletivo.
 METODOLOGIA : REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 
 TÉCNICA DEA 
 GERALMENTE, PARA MODELAGEM DE EFICIÊNCIA 
DOS SISTEMAS DE TRANSPORTES SÃO 
UTILIZADOS TRÊS INSUMOS BÁSICOS: 
TRABALHO, COMBUSTÍVEL E CAPITAL DA 
EMPRESA.
 A definição dos produtos (outputs) é mais 
complexa, mas, em geral, baseia-se em 
indicadores de eficiência e eficácia. 
Muitos autores têm sugerido o uso de 
veículos/distância percorrida como medida 
de eficiência e o número de 
passageiros'distancia percorrida, como 
parâmetro de eficácia,
 BRASIL: Análise da história recente. 
 Logo através do trabalho e de vários estudos, 
e em vários países, podemos constatar que o 
governo deve incentivar o uso de transportes 
não-motorizados, como o transporte público 
em que seja utilizado não só para lazer, más 
também para atividades cotidianas como 
trabalho, educação etc.
 ALMEIDA,Cristiano Farias. Elaboração de rede de transporte multimodal de 
carga para a região amazônica sob o enfoque de desenvolvimento econômico. 
229 f. Tese (Doutorado em Transportes)-Universidade de Brasília, Brasília, 
2008. 
 
 BERECHMAN, J. Public Transit Economics and Regulation Policy. North- 
Holland, Amsterdam, 1993. 
 
 ANDRADE, Eduardo de Carvalho. Externalidades. Ibmec. São Paulo. s/d. 
Disponível em: 
<http://www.planejamento.economico.egov.extensao.info/material/fundament 
os_economia/economia_setor_publico/cap2.pdf> 
 
 AZAMBUJA, A. M. V. Análise de Eficiência na Gestão do Transporte 
Urbano por Ônibus em Municípios Brasileiros. Florianópolis 2002. 
Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
 BARAT, Josef. o Setor de Transportes na Economia Brasileira. R. 
ADM Pública. Rio de Janeiro, 1973. 
 
 BEY, J. M. P.; PONS, J. M. S. Geografía de Redes y Sistemas de 
Transporte. Madrid: Editorial Sintesis, 1991. 
 
 BICALHO, Marcos. (1998). A dívida social no transporte coletivo. 
Revista dos Transportes Públicos - ANTP, São Paulo, ano 20, p. 33-41, 3º 
Trimestre 1998. 
 
 BICALHO, Marcos; FERNANDES, Jurandir & MOUETTE, Dominique. 
(1999). A caminho da qualidade, encontro entre empresas e prefeitura 
em Campinas. In: BRASILEIRO, Anísio; HENRY, Etienne & TURMA. 
Viação Ilimitada: Ônibus das cidades brasileiras. Cultura Editores 
Associados, São Paulo, SP, 1999, 636p. p. 431 – 455.
 CARDOZO, Osvaldo y GÓMEZ, Erica y PARRAS, Miguel. Teoría de Grafos y Sistemas de Información 
Geográfica aplicados al Transporte Público de Pasajeros en Resistencia (Argentina). Revista 
Transporte y Territorio Nº 1, Universidad de Buenos Aires, 2009. ISSN: 1852-7175. pp. 89-111. 
 
 CARVALHO, Carlos Henrique Ribeiro e PEREIRA, Rafael Henrique M. Indicadores de Mobilidade 
Urbana da PNAD 2012. IPEA. 24 de outubro de 2013. Disponível em: 
<http://www.antp.org.br/_5dotSystem/download/dcmDocument/2013/10/24/14CC0E1D-104D-4273- 
905E-F6BF221AC7AB.pdf> 
 
 CASTELLS, M. The rise of the network society. 2nd ed. Cambridge: Wiley-Blackwell Publishers, 
2000, 594p. 
 
 CHAGAS, André Luis Squarize. Governo, Escolha Pública e Externalidades. Manual de Economia 
– 6. Ed. – São Paulo: Saraiva 2011. 
 
 COSTA, J. M. S. P. Contribuição à comparação de meios para transporte urbano. 2001. 79 f. São 
Carlos – SP. 2001. Acesso em: 18 fev. 2012. Disponível em: 
 <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18137/tde-25022002-105448/ptbr.php>. 
 FOCHEZATTO, A. Desenvolvimento regional: recomendações para um novo paradigma 
produtivo. O ambiente regional. (Três décadas de economia gaúcha, v.1). 2010. 

 COOPER, W.W., SEIFORD, L. M.; ZHU, J. History, Models and interpretations. In Handbook on 
Data Envelopment Analysis (International Series in Operations Research & Management 
Science). Springer (Kluwer Academic Publishers), Boston, 2004. 
 DIAS, Leila Christina. Redes: emergência e organização. In: CASTRO, Iná Elias; GOMES, Paulo 
César da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (org.). Geografia: Conceitos e temas. 3ª. ed., Rio de Janeiro: 
Bertrand Brasil, 2001. p. 141-162. 
 EVDOKIMOV, Yuri V. (2001). The Economics of Transportation Networks. New Brunswinck - 
Canada: University of New Brunswick, 26p. Disponivel em : http://www.unb.ca/econ; Acessado em 
23/07/ 2008. 
 
 FARRELL, M. J. The measurement of productive efficiency. Joumal of the Royal Statistical Society, 
series A, v.120, part III, p. 253 – 281, 1957. 
 
 GARCIA, João Luiz Kuperman. Oportunidades e Desafios para a Engenharia Consultiva no 
Brasil: Infraestrutura de Transporte. Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2013. 
 
 GARCIA, Manuel Enriquez. O Setor Público. Manual de Economia – 6. Ed. – São Paulo: Saraiva 2011.
 GIAMBIAGI, F. e ALÉM, A. Finanças Públicas: Teoria e Prática no Brasil. 2ª ed., Rio de Janeiro. Editora 
Campus/Elsevier, 2001. 
 
 GOMIDE, A. de Ávila (2008). Agenda Governamental e Formulação de Políticas Públicas: o projeto de lei de 
diretrizes da política nacional de mobilidade urbana. Rio de Janeiro: IPEA, 23p. In www.ipea.gov.br 
 
 HEYMANN JR., H. Os objetivos dos Transportes. In: FROMM, G. Transporte e desenvolvimento econômico. Rio de 
Janeiro: Victor Publicações LTDA, 1968. p. 21-34. 
 LITTLE, Arthur D. The Future of UrbanMobility 2.0 January. 2014. Disponível em: 
<http://www.uitp.org/sites/default/files/members/140124%20Arthur%20D.%20Little%20%26%20UITP_Future%20of 
%20Urban%20Mobility%202%200_Full%20study.pdf> 
 
 LIEBERTHAL, Efrat Blumenfeld. The Topology of Transportation Networks: A Comparison Between Different 
Economies. Springer Science + Business Media, LLC 2008. 
 
 LOVELL, C. A. Knox. Production frontiers and productive efficiency. In: FRIED, Harold O. LOVELL, C. A. Knox, 
SCHMIDT, Shelton S. TheMeasurement of Productive Efficiency - Techniques and Aplications. Oxford, 1993, 
423p. p. 3 -67. 
 
 MARSHALL, A. Princípios de economia: tratado introdutório. São Paulo: Abril Cultural, 1890.
 NAGUMEY, Anna . (2005). The Evolution and Integration of Social 
and Financial Networks with Applications. Cambridge Colloquium 
on Complexity and Social Networks Kennedy School of Government. 
Accessed: December 12, 2009; Available: 
http://supernet.som.umass.edu 
 
 NAGUMEY, Anna ; et. Al (2009). Network Economics. Handbook of 
Computational Econometrics. David Belsley and Erricos 
Kontoghiorghes, Editors, John Wiley & Sons, Chichester, UK, 2009, pp 
429 - 486. In : 
supernet.som.umass.edu/articles/NetworkEconomics.pdf 
 
 NAGUMEY, Anna ; et. Al. (2003). Some Recent Developments in 
Network Economics. University of Massachusetts: Isenberg School of 
Management, pp. 68-72. Accessed at: October 09, 2010. Available: 
supernet.som.umass.edu/articles/netrep.pdf
 PINDYCK, Robert S. & RUBINFELD, Daniel L. Microeconomia.5ª edição. São Paulo: Afiliada, 2002. 
 
 PRADO, João Paulo Bueno; PASSINI, Elsa Yasuko. (2003). O sistema de transporte coletivo urbano de 
Maringá: estudo da realidade e das possibilidades. Acta Scientiarum: human and social sciences. 
Maringá, v. 25, n. 1, p. 165-174. 
 
 SZWARCFITER, Cláudio, DALCOL, Paulo Roberto T. Economias de Escala e de Escopo: 
Desmistificando alguns Aspectos da Transição. Belo Horizonte, 1997. 
 
 VASCONCELLOS, Eduardo A. e MENDONÇA, Adolfo. Política Nacional de Transporte Público no 
Brasil: organização e implantação de corredores de ônibus. Revista dos Transportes Públicos - 
ANTP - Ano 33 - 2010 - 3º quadrimestre, São Paulo. 
 
 VAN NES, Robertus. Design of Multimodal Transport Networks: a hierarchical approach. Thesis 
of Doctorat. Netherlands: Technische Universiteit Delft, 25 september 2002, 304p 
 YEVDOKIMOV, Yuri V. (2002). Modelling Transportation as a Network Industry. New 
Brunswinck - Canada: University of New Brunswick, 15p. Acessado em 23/07/2008. Disponível em: 
www.unb.ca/transport.
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coletivo revista técnica da sp trans - nº0
Coletivo   revista técnica da sp trans - nº0Coletivo   revista técnica da sp trans - nº0
Coletivo revista técnica da sp trans - nº0
trans_smt
 
São paulo a formação da nova cidade
São paulo a formação da nova cidadeSão paulo a formação da nova cidade
São paulo a formação da nova cidade
Heloisa Martins Jorge
 
Seminário o transporte e a redução das emissões – 20 01-2010 o que fica de co...
Seminário o transporte e a redução das emissões – 20 01-2010 o que fica de co...Seminário o transporte e a redução das emissões – 20 01-2010 o que fica de co...
Seminário o transporte e a redução das emissões – 20 01-2010 o que fica de co...
FecomercioSP
 

Mais procurados (20)

Sistemas Inteligentes de Transporte (ITS) no transporte público urbano
Sistemas Inteligentes de Transporte (ITS) no transporte público urbanoSistemas Inteligentes de Transporte (ITS) no transporte público urbano
Sistemas Inteligentes de Transporte (ITS) no transporte público urbano
 
Plano de Mobilidade Urbana
Plano de Mobilidade UrbanaPlano de Mobilidade Urbana
Plano de Mobilidade Urbana
 
Banco Mundial e Mobilidade Urbana
Banco Mundial e Mobilidade UrbanaBanco Mundial e Mobilidade Urbana
Banco Mundial e Mobilidade Urbana
 
Mobilidade urbana pdf
 Mobilidade urbana pdf Mobilidade urbana pdf
Mobilidade urbana pdf
 
PLANO DE MOBILIDADE URBANA - Potisystems
PLANO DE MOBILIDADE URBANA - PotisystemsPLANO DE MOBILIDADE URBANA - Potisystems
PLANO DE MOBILIDADE URBANA - Potisystems
 
Coletivo revista técnica da sp trans - nº0
Coletivo   revista técnica da sp trans - nº0Coletivo   revista técnica da sp trans - nº0
Coletivo revista técnica da sp trans - nº0
 
Miriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbana
Miriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbanaMiriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbana
Miriam Belchior apresenta dados sobre mobilidade urbana
 
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
 
Plano Diretor Estratégico-CMTT
Plano Diretor Estratégico-CMTTPlano Diretor Estratégico-CMTT
Plano Diretor Estratégico-CMTT
 
Cbtu
CbtuCbtu
Cbtu
 
Experiências e Inovações Implantadas e seus Impactos na Sociedade
Experiências e Inovações Implantadas e seus Impactos na SociedadeExperiências e Inovações Implantadas e seus Impactos na Sociedade
Experiências e Inovações Implantadas e seus Impactos na Sociedade
 
Política Nacional de Mobilidade Urbana - Desafios e Oportunidades
Política Nacional de Mobilidade Urbana - Desafios e OportunidadesPolítica Nacional de Mobilidade Urbana - Desafios e Oportunidades
Política Nacional de Mobilidade Urbana - Desafios e Oportunidades
 
A definição da oferta de transportes
A definição da oferta de transportesA definição da oferta de transportes
A definição da oferta de transportes
 
POSTER Mobilidade, Energia e Ambiente
POSTER Mobilidade, Energia e AmbientePOSTER Mobilidade, Energia e Ambiente
POSTER Mobilidade, Energia e Ambiente
 
São paulo a formação da nova cidade
São paulo a formação da nova cidadeSão paulo a formação da nova cidade
São paulo a formação da nova cidade
 
Contexto das Empresas de Transporte no Brasil
Contexto das Empresas de Transporte no BrasilContexto das Empresas de Transporte no Brasil
Contexto das Empresas de Transporte no Brasil
 
Oeferta e demanda dos transportes
Oeferta e demanda dos transportesOeferta e demanda dos transportes
Oeferta e demanda dos transportes
 
Seminário o transporte e a redução das emissões – 20 01-2010 o que fica de co...
Seminário o transporte e a redução das emissões – 20 01-2010 o que fica de co...Seminário o transporte e a redução das emissões – 20 01-2010 o que fica de co...
Seminário o transporte e a redução das emissões – 20 01-2010 o que fica de co...
 
A INTEGRAÇÃO ENTRE O PLANEJAMENTO DOS TRANSPORTES E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJ...
A INTEGRAÇÃO ENTRE O PLANEJAMENTO DOS TRANSPORTES E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJ...A INTEGRAÇÃO ENTRE O PLANEJAMENTO DOS TRANSPORTES E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJ...
A INTEGRAÇÃO ENTRE O PLANEJAMENTO DOS TRANSPORTES E OS INSTRUMENTOS DE PLANEJ...
 
Transporte de cargas e sustentabilidade
Transporte de cargas e sustentabilidadeTransporte de cargas e sustentabilidade
Transporte de cargas e sustentabilidade
 

Destaque

Mobilidade Cidadã e o Transporte Coletivo - Denise Cadete Gazzinelli
Mobilidade Cidadã e o Transporte Coletivo - Denise Cadete GazzinelliMobilidade Cidadã e o Transporte Coletivo - Denise Cadete Gazzinelli
Mobilidade Cidadã e o Transporte Coletivo - Denise Cadete Gazzinelli
LCA promo
 
Informativo mensal julho11 lana
Informativo mensal julho11 lanaInformativo mensal julho11 lana
Informativo mensal julho11 lana
streetshakaw
 
Planos de transporte 18º Congresso ANTP
Planos de transporte 18º Congresso ANTPPlanos de transporte 18º Congresso ANTP
Planos de transporte 18º Congresso ANTP
Tácito Pio Da Silveira
 
Apresentação 4º período pesquisa de campo
Apresentação 4º período pesquisa de campoApresentação 4º período pesquisa de campo
Apresentação 4º período pesquisa de campo
Cristina Trindade
 
A densidade de redes de transportes
A densidade de redes de transportesA densidade de redes de transportes
A densidade de redes de transportes
espioesmg
 

Destaque (13)

DEDICATED BUS LANES: PROJECTS DEVELOPMENT GUIDE
DEDICATED BUS LANES: PROJECTS DEVELOPMENT GUIDEDEDICATED BUS LANES: PROJECTS DEVELOPMENT GUIDE
DEDICATED BUS LANES: PROJECTS DEVELOPMENT GUIDE
 
Luis Antonio Lindau - EMBARQ Brasil - Transporte Coletivo de Alta Qualidade
Luis Antonio Lindau - EMBARQ Brasil - Transporte Coletivo de Alta QualidadeLuis Antonio Lindau - EMBARQ Brasil - Transporte Coletivo de Alta Qualidade
Luis Antonio Lindau - EMBARQ Brasil - Transporte Coletivo de Alta Qualidade
 
Mobilidade Cidadã e o Transporte Coletivo - Denise Cadete Gazzinelli
Mobilidade Cidadã e o Transporte Coletivo - Denise Cadete GazzinelliMobilidade Cidadã e o Transporte Coletivo - Denise Cadete Gazzinelli
Mobilidade Cidadã e o Transporte Coletivo - Denise Cadete Gazzinelli
 
Informativo mensal julho11 lana
Informativo mensal julho11 lanaInformativo mensal julho11 lana
Informativo mensal julho11 lana
 
Planos de transporte 18º Congresso ANTP
Planos de transporte 18º Congresso ANTPPlanos de transporte 18º Congresso ANTP
Planos de transporte 18º Congresso ANTP
 
Liderança na era da incerteza palestra
Liderança na era da incerteza   palestraLiderança na era da incerteza   palestra
Liderança na era da incerteza palestra
 
Novas estrategias para o transporte coletivo
Novas estrategias para o transporte coletivoNovas estrategias para o transporte coletivo
Novas estrategias para o transporte coletivo
 
Custos do Transporte Público por Ônibus no Brasil
Custos do Transporte Público por Ônibus no BrasilCustos do Transporte Público por Ônibus no Brasil
Custos do Transporte Público por Ônibus no Brasil
 
Apresentação 4º período pesquisa de campo
Apresentação 4º período pesquisa de campoApresentação 4º período pesquisa de campo
Apresentação 4º período pesquisa de campo
 
A densidade de redes de transportes
A densidade de redes de transportesA densidade de redes de transportes
A densidade de redes de transportes
 
Planos de transporte
Planos de transportePlanos de transporte
Planos de transporte
 
Tarifa e equilíbrio do transporte coletivo em Ribeirão Preto
Tarifa e equilíbrio do transporte coletivo em Ribeirão PretoTarifa e equilíbrio do transporte coletivo em Ribeirão Preto
Tarifa e equilíbrio do transporte coletivo em Ribeirão Preto
 
Palestra Sobre Mudança - Mudança Consciente
Palestra Sobre Mudança - Mudança ConscientePalestra Sobre Mudança - Mudança Consciente
Palestra Sobre Mudança - Mudança Consciente
 

Semelhante a Uma analise da eficiência da economia de rede

Infraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas Cidades
Infraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas CidadesInfraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas Cidades
Infraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas Cidades
Daniel Pettini
 
Aspectos tangíveis e intangíveis na definição de qualidade do transporte público
Aspectos tangíveis e intangíveis na definição de qualidade do transporte públicoAspectos tangíveis e intangíveis na definição de qualidade do transporte público
Aspectos tangíveis e intangíveis na definição de qualidade do transporte público
José Alan Barbosa da Silva
 
ANÁLISE DE EFICIÊNCIA DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA MULTIMOD...
ANÁLISE DE EFICIÊNCIA DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA MULTIMOD...ANÁLISE DE EFICIÊNCIA DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA MULTIMOD...
ANÁLISE DE EFICIÊNCIA DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA MULTIMOD...
Fernando Vinícius Rocha
 
Sustentabilidade e Transportes Coletivos Urbanos
Sustentabilidade e Transportes Coletivos UrbanosSustentabilidade e Transportes Coletivos Urbanos
Sustentabilidade e Transportes Coletivos Urbanos
Laercio Bruno Filho
 
Sistema transporte aula uni9 2011
Sistema transporte aula uni9 2011Sistema transporte aula uni9 2011
Sistema transporte aula uni9 2011
Eduardo Facchini
 

Semelhante a Uma analise da eficiência da economia de rede (20)

Importância do Plano Municipal de Mobilidade e Transportes - 2004
Importância do Plano Municipal de Mobilidade e Transportes  -  2004Importância do Plano Municipal de Mobilidade e Transportes  -  2004
Importância do Plano Municipal de Mobilidade e Transportes - 2004
 
Luiz cortez na III Semana Saude e Meio Ambiente Santa Marcelina
Luiz cortez na III Semana Saude e Meio Ambiente Santa MarcelinaLuiz cortez na III Semana Saude e Meio Ambiente Santa Marcelina
Luiz cortez na III Semana Saude e Meio Ambiente Santa Marcelina
 
Emdec/plano viario 24/1/18
Emdec/plano viario 24/1/18Emdec/plano viario 24/1/18
Emdec/plano viario 24/1/18
 
Infraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas Cidades
Infraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas CidadesInfraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas Cidades
Infraestrutura Com Foco Nos Transportes Nas Cidades
 
12. Imtt Isabel Seabra V2
12. Imtt Isabel Seabra V212. Imtt Isabel Seabra V2
12. Imtt Isabel Seabra V2
 
Aspectos tangíveis e intangíveis na definição de qualidade do transporte público
Aspectos tangíveis e intangíveis na definição de qualidade do transporte públicoAspectos tangíveis e intangíveis na definição de qualidade do transporte público
Aspectos tangíveis e intangíveis na definição de qualidade do transporte público
 
0511
05110511
0511
 
Planejamento urbano e as referências para o futuro da mobilidade sustentável
Planejamento urbano e as referências para o futuro da mobilidade sustentávelPlanejamento urbano e as referências para o futuro da mobilidade sustentável
Planejamento urbano e as referências para o futuro da mobilidade sustentável
 
Logística Urbana - Uma Alternativa e Complemento na Distribuição com o Uso de...
Logística Urbana - Uma Alternativa e Complemento na Distribuição com o Uso de...Logística Urbana - Uma Alternativa e Complemento na Distribuição com o Uso de...
Logística Urbana - Uma Alternativa e Complemento na Distribuição com o Uso de...
 
ANÁLISE DE EFICIÊNCIA DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA MULTIMOD...
ANÁLISE DE EFICIÊNCIA DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA MULTIMOD...ANÁLISE DE EFICIÊNCIA DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA MULTIMOD...
ANÁLISE DE EFICIÊNCIA DOS PROJETOS DE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA MULTIMOD...
 
Procura de Eficiência Energética e ambiental , distribuição de correio no mei...
Procura de Eficiência Energética e ambiental , distribuição de correio no mei...Procura de Eficiência Energética e ambiental , distribuição de correio no mei...
Procura de Eficiência Energética e ambiental , distribuição de correio no mei...
 
Propostas ANTP Eleições 2020
Propostas ANTP Eleições 2020Propostas ANTP Eleições 2020
Propostas ANTP Eleições 2020
 
GERADORES DE TRÁFEGO.pptx
GERADORES DE TRÁFEGO.pptxGERADORES DE TRÁFEGO.pptx
GERADORES DE TRÁFEGO.pptx
 
Mobilidade Urbana e Informação Pública - intersecções e desafios
Mobilidade Urbana e Informação Pública - intersecções e desafiosMobilidade Urbana e Informação Pública - intersecções e desafios
Mobilidade Urbana e Informação Pública - intersecções e desafios
 
Projeto de HidroTrem como Transporte Público
Projeto de HidroTrem como Transporte PúblicoProjeto de HidroTrem como Transporte Público
Projeto de HidroTrem como Transporte Público
 
Sustentabilidade e Transportes Coletivos Urbanos
Sustentabilidade e Transportes Coletivos UrbanosSustentabilidade e Transportes Coletivos Urbanos
Sustentabilidade e Transportes Coletivos Urbanos
 
Confiabilidade e variabilidade do tempo de viagem em sistemas Bus Rapid Transit
Confiabilidade e variabilidade do tempo de viagem em sistemas Bus Rapid TransitConfiabilidade e variabilidade do tempo de viagem em sistemas Bus Rapid Transit
Confiabilidade e variabilidade do tempo de viagem em sistemas Bus Rapid Transit
 
SLIDE Crise dos Transportes.pptx
SLIDE Crise dos Transportes.pptxSLIDE Crise dos Transportes.pptx
SLIDE Crise dos Transportes.pptx
 
O monotrilho com alternativa de transporte urbano
O monotrilho com alternativa de transporte urbanoO monotrilho com alternativa de transporte urbano
O monotrilho com alternativa de transporte urbano
 
Sistema transporte aula uni9 2011
Sistema transporte aula uni9 2011Sistema transporte aula uni9 2011
Sistema transporte aula uni9 2011
 

Uma analise da eficiência da economia de rede

  • 2.  acesso a locais distantes;  tempo gasto no percurso;  a poluição do ar e sonora;  a quantidade de consumo de combustíveis fósseis não renováveis;  Fatores que influenciam: Empresas privadas, Aumento da População, Aumento do número de viagens, Influência do Estado.
  • 3.  Problemas: Desordenamento das cidades; Falta de infraestrutura, Poluição, Acidentes, aumenta gases do efeito estufa.  Existe a relação da eficiência econômica induzida ou proporcionada pela rede de transporte urbano? Como tratar e como medir isso?
  • 4.  Entender e analisar elementos da economia de rede no contexto de transporte público urbano, destacando-se a relação entre a configuração de rede do transporte público urbano por ônibus, a sua eficiência econômica.
  • 5.  Analisar o fenômeno urbano no mundo e no Brasil em particular, caracterizando o ambiente de urbanização e os desafios da gestão da mobilidade urbana, indicando algumas iniciativas do governo.  Conceituar rede(s) de transporte público, seus componentes e em que se diferencia de outras redes de serviços urbanos  Identificar e caracterizar elementos relacionados à configuração da rede e rede de transporte – TPU.
  • 6.  Compreender o sentido da economia de rede de serviço de TPU em relação às outras economias.  Analisar a eficiência associada à configuração de rede de TPU.  . Identificar parâmetros/indicadores para medir tal eficiência utilizando o método DEA (Análise Envoltória de Dados).
  • 7.  1.1. FUNDAMENTOS DA REDE, SISTEMA E A CONFIGURAÇÃO DA REDE TPU 17  1.1.1. REDE DE TRANSPORTE URBANO SOB A ÓTICA DA TEORIA DE GRAFOS 20  1.1.2. INFRAESTRUTURAS URBANAS, CONFIGURAÇÃO DE REDES DE SERVIÇOS E O TPU 23  1.1.2.1 REDE DE TRANSPORTES COMO SISTEMA FÍSICO 25  1.1.2.2. REDE DE TRANSPORTES COMO SERVIÇO EM SISTEMA ECONÔMICO 26  1.2. ECONOMIA DE REDE E ECONOMIA DE REDE DE TPU 28  1.2.1. ECONOMIAS DE ESCALA E DE ESCOPO NO ÂMBITO DA ECONOMIA DE REDE DE SERVIÇOS 30  1.2.2. ECONOMIAS DA AGLOMERAÇÃO E DA DENSIDADE NO ÂMBITO DA ECONOMIA DE REDE 33
  • 8.  1.3. ABORDAGEM SOBRE MEDIDAS DA EFICIÊNCIA EM ECONOMIA DE REDE TPU 35  1.3.1 CONCEITO E INDICADORES DE EFICIÊNCIA35  1.3.2 QUALIDADE E EFICIÊNCIA NA REDE TPU 39  1.4. ABORDAGEM DA EFICIÊNCIA NO CONTEXTO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS 42  1.4.1 ABORDAGEM DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS NA REDE DE TPU 43  1.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS SOBRE ESTE CAPÍTULO 47
  • 9.  2.1 REDE DE TRANSPORTE PÚBLICO NO MUNDO 49  2.1.2 ONZE CIDADES QUE PERTENCEM AO GRUPO ACIMA DA MÉDIA MUNDIAL 51  2.1.2 REDE DE TRANSPORTE PÚBLICO NO BRASIL 54  2.1.2.1 A ADAPTAÇÃO DA MOBILIDADE URBANA DE CURITIBA 56  2.2 A IMPORTÂNCIA DO PAPEL DO ESTADO NO GERENCIAMENTO E NA REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE TRANSPORTE POR ÔNIBUS 57  2.2.1 BENS PÚBLICOS E BENS COMUNS 57  2.2.2 FUNÇÕES ECONÔMICAS DO SETOR PÚBLICO 58  2.2.3 ESTRUTURA TRIBUTÁRIA 59  2.2.4 EXTERNALIDADES 60
  • 10.  2.3 MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL 64  2.3.1 ASPECTO DA MOTORIZAÇÃO NO BRASIL E NAS CIDADES MÉDIAS DE MINAS GERAIS 64  2.3.2 ASPECTO DE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES 69  2.4 INICIATIVAS PRÓ-MOBILIDADE SUSTENTÁVEL EM CIDADES DE PORTE MÉDIO 72  2.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS SOBRE ESTE CAPÍTULO 74
  • 11.  Em um recente estudo da UITP foi feito um estudo sobre a mobilidade urbana em alguns países destacando o ranking das principais regiões.  POP baseada em cidade.  Hoje: 53% -> 64% viagens feitas.  2050: 67%. -> 3x.  Nenhum dos sistemas de mobilidade urbana nas regiões, exceto a Europa Ocidental, atinge 50% de maturidade em potencial, mostrando que todas as cidades do mundo têm um longo caminho a percorrer no termos de desenvolvimento de suas redes de viagem.
  • 12.
  • 13.
  • 14.  Investimento na produção de biocombustíveis;  Os veículos privados utilizam no país uma alta tecnologia para queimar em motores a explosão da mistura gasolina-álcool;  Políticas que incentivem o uso de o uso do transporte coletivo e sistemas não motorizados;
  • 15.  Curitiba: cresceu com base no sistema de transportes totalmente conectado: com áreas residenciais, planejamento ordenado da ocupação urbana, concepção inovadora da estrutura da malha viária, comércio e serviços, além da preocupação com a preservação de locais históricos.
  • 16.  Uberaba: Nº total de veículos é maior. (Betim e MOC)  Divinópolis: Nº de motocicletas é maior. (213.016 habitantes.)  Nº de Utilitários: Uberaba (871) e Montes Claros (628);  Motocicletas: Nas cidades de Betim (24.402), Sete Lagoas (23.492), Governador Valadares (33.761), Ipatinga (32.126), Montes Claros (61.273) e Uberaba (40.399).
  • 17. 27.3 48.4 30.4 9.2 Carros Motos Veículos Privados Domicílios
  • 18.  Incentivo ao Transporte Não- Motorizado;  Incentivo ao Uso Racional do Carro;  Prioridade para o Transporte Coletivo.
  • 19.  METODOLOGIA : REVISÃO BIBLIOGRÁFICA  TÉCNICA DEA  GERALMENTE, PARA MODELAGEM DE EFICIÊNCIA DOS SISTEMAS DE TRANSPORTES SÃO UTILIZADOS TRÊS INSUMOS BÁSICOS: TRABALHO, COMBUSTÍVEL E CAPITAL DA EMPRESA.
  • 20.  A definição dos produtos (outputs) é mais complexa, mas, em geral, baseia-se em indicadores de eficiência e eficácia. Muitos autores têm sugerido o uso de veículos/distância percorrida como medida de eficiência e o número de passageiros'distancia percorrida, como parâmetro de eficácia,
  • 21.  BRASIL: Análise da história recente.  Logo através do trabalho e de vários estudos, e em vários países, podemos constatar que o governo deve incentivar o uso de transportes não-motorizados, como o transporte público em que seja utilizado não só para lazer, más também para atividades cotidianas como trabalho, educação etc.
  • 22.  ALMEIDA,Cristiano Farias. Elaboração de rede de transporte multimodal de carga para a região amazônica sob o enfoque de desenvolvimento econômico. 229 f. Tese (Doutorado em Transportes)-Universidade de Brasília, Brasília, 2008.   BERECHMAN, J. Public Transit Economics and Regulation Policy. North- Holland, Amsterdam, 1993.   ANDRADE, Eduardo de Carvalho. Externalidades. Ibmec. São Paulo. s/d. Disponível em: <http://www.planejamento.economico.egov.extensao.info/material/fundament os_economia/economia_setor_publico/cap2.pdf>   AZAMBUJA, A. M. V. Análise de Eficiência na Gestão do Transporte Urbano por Ônibus em Municípios Brasileiros. Florianópolis 2002. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
  • 23.  BARAT, Josef. o Setor de Transportes na Economia Brasileira. R. ADM Pública. Rio de Janeiro, 1973.   BEY, J. M. P.; PONS, J. M. S. Geografía de Redes y Sistemas de Transporte. Madrid: Editorial Sintesis, 1991.   BICALHO, Marcos. (1998). A dívida social no transporte coletivo. Revista dos Transportes Públicos - ANTP, São Paulo, ano 20, p. 33-41, 3º Trimestre 1998.   BICALHO, Marcos; FERNANDES, Jurandir & MOUETTE, Dominique. (1999). A caminho da qualidade, encontro entre empresas e prefeitura em Campinas. In: BRASILEIRO, Anísio; HENRY, Etienne & TURMA. Viação Ilimitada: Ônibus das cidades brasileiras. Cultura Editores Associados, São Paulo, SP, 1999, 636p. p. 431 – 455.
  • 24.  CARDOZO, Osvaldo y GÓMEZ, Erica y PARRAS, Miguel. Teoría de Grafos y Sistemas de Información Geográfica aplicados al Transporte Público de Pasajeros en Resistencia (Argentina). Revista Transporte y Territorio Nº 1, Universidad de Buenos Aires, 2009. ISSN: 1852-7175. pp. 89-111.   CARVALHO, Carlos Henrique Ribeiro e PEREIRA, Rafael Henrique M. Indicadores de Mobilidade Urbana da PNAD 2012. IPEA. 24 de outubro de 2013. Disponível em: <http://www.antp.org.br/_5dotSystem/download/dcmDocument/2013/10/24/14CC0E1D-104D-4273- 905E-F6BF221AC7AB.pdf>   CASTELLS, M. The rise of the network society. 2nd ed. Cambridge: Wiley-Blackwell Publishers, 2000, 594p.   CHAGAS, André Luis Squarize. Governo, Escolha Pública e Externalidades. Manual de Economia – 6. Ed. – São Paulo: Saraiva 2011.   COSTA, J. M. S. P. Contribuição à comparação de meios para transporte urbano. 2001. 79 f. São Carlos – SP. 2001. Acesso em: 18 fev. 2012. Disponível em:  <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18137/tde-25022002-105448/ptbr.php>.  FOCHEZATTO, A. Desenvolvimento regional: recomendações para um novo paradigma produtivo. O ambiente regional. (Três décadas de economia gaúcha, v.1). 2010. 
  • 25.  COOPER, W.W., SEIFORD, L. M.; ZHU, J. History, Models and interpretations. In Handbook on Data Envelopment Analysis (International Series in Operations Research & Management Science). Springer (Kluwer Academic Publishers), Boston, 2004.  DIAS, Leila Christina. Redes: emergência e organização. In: CASTRO, Iná Elias; GOMES, Paulo César da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (org.). Geografia: Conceitos e temas. 3ª. ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. p. 141-162.  EVDOKIMOV, Yuri V. (2001). The Economics of Transportation Networks. New Brunswinck - Canada: University of New Brunswick, 26p. Disponivel em : http://www.unb.ca/econ; Acessado em 23/07/ 2008.   FARRELL, M. J. The measurement of productive efficiency. Joumal of the Royal Statistical Society, series A, v.120, part III, p. 253 – 281, 1957.   GARCIA, João Luiz Kuperman. Oportunidades e Desafios para a Engenharia Consultiva no Brasil: Infraestrutura de Transporte. Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2013.   GARCIA, Manuel Enriquez. O Setor Público. Manual de Economia – 6. Ed. – São Paulo: Saraiva 2011.
  • 26.  GIAMBIAGI, F. e ALÉM, A. Finanças Públicas: Teoria e Prática no Brasil. 2ª ed., Rio de Janeiro. Editora Campus/Elsevier, 2001.   GOMIDE, A. de Ávila (2008). Agenda Governamental e Formulação de Políticas Públicas: o projeto de lei de diretrizes da política nacional de mobilidade urbana. Rio de Janeiro: IPEA, 23p. In www.ipea.gov.br   HEYMANN JR., H. Os objetivos dos Transportes. In: FROMM, G. Transporte e desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Victor Publicações LTDA, 1968. p. 21-34.  LITTLE, Arthur D. The Future of UrbanMobility 2.0 January. 2014. Disponível em: <http://www.uitp.org/sites/default/files/members/140124%20Arthur%20D.%20Little%20%26%20UITP_Future%20of %20Urban%20Mobility%202%200_Full%20study.pdf>   LIEBERTHAL, Efrat Blumenfeld. The Topology of Transportation Networks: A Comparison Between Different Economies. Springer Science + Business Media, LLC 2008.   LOVELL, C. A. Knox. Production frontiers and productive efficiency. In: FRIED, Harold O. LOVELL, C. A. Knox, SCHMIDT, Shelton S. TheMeasurement of Productive Efficiency - Techniques and Aplications. Oxford, 1993, 423p. p. 3 -67.   MARSHALL, A. Princípios de economia: tratado introdutório. São Paulo: Abril Cultural, 1890.
  • 27.  NAGUMEY, Anna . (2005). The Evolution and Integration of Social and Financial Networks with Applications. Cambridge Colloquium on Complexity and Social Networks Kennedy School of Government. Accessed: December 12, 2009; Available: http://supernet.som.umass.edu   NAGUMEY, Anna ; et. Al (2009). Network Economics. Handbook of Computational Econometrics. David Belsley and Erricos Kontoghiorghes, Editors, John Wiley & Sons, Chichester, UK, 2009, pp 429 - 486. In : supernet.som.umass.edu/articles/NetworkEconomics.pdf   NAGUMEY, Anna ; et. Al. (2003). Some Recent Developments in Network Economics. University of Massachusetts: Isenberg School of Management, pp. 68-72. Accessed at: October 09, 2010. Available: supernet.som.umass.edu/articles/netrep.pdf
  • 28.  PINDYCK, Robert S. & RUBINFELD, Daniel L. Microeconomia.5ª edição. São Paulo: Afiliada, 2002.   PRADO, João Paulo Bueno; PASSINI, Elsa Yasuko. (2003). O sistema de transporte coletivo urbano de Maringá: estudo da realidade e das possibilidades. Acta Scientiarum: human and social sciences. Maringá, v. 25, n. 1, p. 165-174.   SZWARCFITER, Cláudio, DALCOL, Paulo Roberto T. Economias de Escala e de Escopo: Desmistificando alguns Aspectos da Transição. Belo Horizonte, 1997.   VASCONCELLOS, Eduardo A. e MENDONÇA, Adolfo. Política Nacional de Transporte Público no Brasil: organização e implantação de corredores de ônibus. Revista dos Transportes Públicos - ANTP - Ano 33 - 2010 - 3º quadrimestre, São Paulo.   VAN NES, Robertus. Design of Multimodal Transport Networks: a hierarchical approach. Thesis of Doctorat. Netherlands: Technische Universiteit Delft, 25 september 2002, 304p  YEVDOKIMOV, Yuri V. (2002). Modelling Transportation as a Network Industry. New Brunswinck - Canada: University of New Brunswick, 15p. Acessado em 23/07/2008. Disponível em: www.unb.ca/transport.