SlideShare uma empresa Scribd logo
A São Paulo Transporte – SPTrans


Os números do transporte coletivo municipal em São
Paulo são surpreendentes. O transporte por ônibus
responde por cerca de 2/3 das viagens coletivas. São,
em média, 6,5 milhões de passageiros/dia, que têm à
disposição 15 mil ônibus, 1.300 linhas, 10 corredores,
28 terminais, mais de 8.700 veículos da frota acessíveis,
mais de 380 veículos do Atende, 15 mil equipamentos
de GPS e 500 câmeras no SIM – Sistema Integrado de
Monitoramento. Além disso, a cidade tem uma das frotas
mais novas do Brasil.

Para gerenciar esse sistema, a Prefeitura de São Paulo
e a Secretaria Municipal de Transportes contam com a
SPTrans, empresa de economia mista, responsável pela
gestão do transporte na cidade.
Coletivo
Revista Técnica da SPTrans


Publicação da São Paulo Transporte S.A. – SPTrans, destinada a difundir
informações e estudos sobre transporte público de passageiros, trânsito
e mobilidade urbana.

Responsável: 			             Gerência de Marketing - SPTrans

Editores: 			 Alexandre Pelegi,
				Diana Sampaio e
				Fausto Barbaresco

Concepção da Capa: 		 Adorismar Costa e
				Fausto Barbaresco

Foto Capa:			                Elisa Rodrigues

Secretária de Edição: 		 Fabiana Saraiva Martins Costa e
				Maria Palmira Mançano

Edição Gráfica: 		 José Eulálio Soares dos Santos e
				William Ramler

Informações e contribuições: 	marketing@sptrans.com.br




                                        Gerência de Marketing - SPTrans
                                           Rua Boa Vista, 236 – 7º andar
                              Centro – São Paulo – SP – CEP: 01014-000



                                          São Paulo, dezembro de 2012
                                                          Número Um
Sumário



Sumário

	4 Apresentação
              Marcelo Cardinale Branco
              Secretário Municipal de Transporte de São Paulo e Presidente da SPTrans

	6 A Prioridade para o Transporte Público
              Irineu Gnecco Filho



	12 A Cidade, o Tempo e os Transportes Públicos
              Christina Maria De Marchiori Borges


	18 O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo
              Ivan Metran Whately



	34 Seccionamento de Linhas de Ônibus
              Pedro Luiz de Brito Machado



	         40 Agilização da Operação dos Corredores e Terminais de
             Ônibus em São Paulo
              Angelo Fêde, Gilberto Teixeira. Wilma Xavier dos Santos e Caio Vinicius de Melo
              Paiva Ferreira


	48 Radial Leste – Composição das Matrizes de Origem e
    Destino e Utilização do Eixo
              José Aparecido Marques de Gouveia


	         64 Uma Cidade mais Colorida
              Marcio Rodrigues Alves Schettino


	76 Sobrevida ao Trólebus a favor da Qualidade de Vida
              Simão Saura Neto


	78 Resgate do Sistema Eletrificado de Transporte, Bonde e Trólebus,
    Para Mitigação da Poluição Atmosférica da Cidade de São Paulo
              Alferes Soares Alves


          114 Convivendo com a Bicicleta
              Vera Lucia Wiezel Ban
Sumário




	   120 Olho Vivo – Sistema de Informação On-line ao Usuário do Transporte
        Coletivo na Cidade de São Paulo
        Mauricio Lima Ferreira



    146 O Bilhete Único no Celular – O Futuro cada vez mais perto
        José Aécio de Sousa


    152 SPTrans na Era das Mídias Sociais
        Alexandre Pelegi e Lana Dias


    162 Jornal do Ônibus como forma de Comunicação com o Usuário
        Cilene Cabral e Fausto Barbaresco


    181 Referências Bibliográficas
Apresentação


    A revista Coletivo chega a seu novo número. E apesar do prazo dilatado
    em relação à edição anterior, tal fato deve ser comemorado como uma
    nova conquista: conseguimos uma nova edição, com novos artigos e,
    com certeza, o mesmo sucesso alcançado pela edição inaugural.

    Resultado do trabalho árduo e cada vez mais especializado dos
    técnicos da SPTrans, esta edição garante aquilo que propunha ao
    ser lançada: divulgar e estimular o estudo técnico dos problemas que
    recorrentemente preocupam o setor de transporte público.

    Em janeiro de 2012 foi publicada a Lei 12.587, que instituiu a Política
    Nacional de Mobilidade Urbana. Garantindo os princípios, as diretrizes
    e os objetivos da mobilidade nas cidades, ela se tornou, mais que um
    desafio, uma direção para quem se aplica na gestão dos transportes
    municipais. Temas candentes como acessibilidade universal, equidade
    no acesso dos cidadãos ao transporte público coletivo, além da
    eficiência, eficácia e efetividade dos serviços de transporte urbano e da
    circulação urbana, passaram a pautar doravante o esforço dos técnicos
    em tornar realidade o espírito da Lei. Talvez um dos maiores dilemas
    seja tornar possível a equidade no uso do espaço público de circulação,
    vias e logradouros. Priorizar o transporte das pessoas, ao invés dos
    veículos.

    Tenho certeza de que esta revista, assim como a anterior e as outras
    que seguramente virão, trarão boas e criativas sugestões, além de
    soluções para a maior parte dos desafios propostos pela Lei 12.587.
    Minha convicção é a de que toda esta riqueza de proposituras advém de
    décadas de experiências de uma equipe técnica cujas conquistas são
    diretamente proporcionais ao tamanho dos problemas que a metrópole
    paulistana enfrenta diuturnamente. Não à toa, a SPTrans tornou-se
    paradigma para todos os que cuidam da gestão de Transportes Públicos
    no país.


                                                Marcelo Cardinale Branco
       Secretário Municipal de Transporte de São Paulo e Presidente da SPTrans




4
5
A Prioridade para o Transporte Público



    Irineu Gnecco Filho
    Companhia de Engenharia de Tráfego
    Diretoria de Planejamento e Educação de Trânsito
    Diretor
    Rua Barão de Itapetininga, 18 -12º andar –São Paulo SP –
    CEP 01042-000
    Fone (11) 3396-8306 – dp@cetsp.com.br




    TRANSPORTE E A VIDA URBANA

    O transporte público contribuiu na evolução do tecido urbano desde o final do
    século 19. Existem notícias de que Luis XIV da França implementou carroções
    para o transporte de pessoas em Paris. O impacto crescente do transporte
    de massas no desenvolvimento econômico de áreas urbanas e a contribuição
    para a inclusão social é universalmente reconhecida. Simultaneamente, fatores
    sociais foram muito impactantes na mobilidade comportamental das pessoas
    e no papel do transporte público para as áreas urbanas. Em particular, o
    crescimento do uso do automóvel nos últimos 50 anos, alterando de forma
    radical a tessitura urbana e a mobilidade urbana, tem sido o grande desafio
    para administradores.

    O QUE É TRANSPORTE PÚBLICO

    Transporte público ou transporte de massas, designa todo e qualquer sistema
    de transporte no qual passageiros não viajam nos seus próprios veículos.
    Geralmente simplificamos para os serviços de ônibus e férreos, entretanto
    uma definição mais ampla inclui balsas, taxis, etc., em outras palavras,
    qualquer sistema que transporte membros do público em geral. O transporte
    público é geralmente regulamentado como um agente de transporte comum e
    normalmente é configurado para oferecer serviços regulares em rotas fixas. A
    maior parte das viagens realizadas pelos passageiros do transporte público é
    entre a residência e trabalho, lazer ou estudo.

    PORQUE ADOTAR O TRANSPORTE PÚBLICO

    O transporte público oferece muitas vantagens sobre os modos de transporte
    individual, como:

6
A Prioridade para o Transporte Público


•	   Custa menos para a comunidade;
•	   Necessita espaço público menor;
•	   Tem menor intensidade-energética (a intensidade energética é um
     indicador da eficiência energética de uma economia. Se calcula como a
     relação entre o consumo energético e o produto interno bruto (PIB) de um
     país);
•	   Polui menos;
•	   É o modo mais seguro;
•	   Aprimora a acessibilidade aos locais de trabalho, e oferece mobilidade a
     todos.

O ÔNIBUS E A SUA HISTÓRIA

Ônibus é um eficiente meio de transporte, barato, flexível e, em muitos casos,
ajustável às necessidades dos usuários tanto em termos de capacidade
como em tempo de percurso. Operam em vias de tráfego misto e são de
fácil implantação. Podemos afirmar que 80% do transporte público mundial é
realizado por ônibus e do ponto de vista econômico, ambiental e social, ele
ainda permanece como a solução ideal para o desenvolvimento sustentável.
O ônibus é o único modo de transporte para a maioria das cidades do planeta.
Nas cidades com modo de transporte férreo, ou fluvial o ônibus atua com
complemento essencial.

O TRANSPORTE PÚBLICO EM SÃO PAULO

Nas primícias temos a São Paulo Light and Power, conhecida simplesmente
como Light, com os bondes e ônibus. Tempos depois foi fundada a CMTC
para gerir o transporte público. A CMTC além de gerenciar as companhias de
transporte também tinha a sua frota própria, sendo que os trólebus, propriedade
e operação, eram exclusividade da companhia.

A década de 1970 foi sem dúvida alguma o grande marco para o transporte
público de massas na cidade de São Paulo.

Em 1975 foi inaugurada a Cia do Metropolitano - METRÔ com a linha azul, um
grande avanço no transporte de massas para a cidade, principalmente por ligar
a Zona Norte ao centro da cidade de forma mais eficaz.

Em 1976 durante a administração do prefeito Olavo Egydio Setúbal, foi criada
a Cia de Engenharia de Tráfego – CET que desde então, é responsável pelo
gerenciamento, planejamento, educação, fiscalização e operação do sistema
viário da cidade.

A partir desta década a gestão da prefeitura teve como prioridade o transporte de
massas e reestruturação da cidade para promover à população um transporte
público mais digno.

                                                                                         7
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012


    OS CORREDORES DE ÔNIBUS COMO PRIORIDADE

    Era necessário adotar alguma medida para ordenar e dar prioridade ao transporte
    coletivo público sobre pneus. Assim surgiu em 1977 o sistema COMONOR -
    Comboios de Ônibus Ordenados. A Av. Nove de Julho recebeu o primeiro
    projeto, que tinha como novidade a ampliação da capacidade de embarque/
    desembarque de passageiros nos pontos de parada junto ao passeio.

    Outra inovação aconteceu em 1978, quando houve a conclusão da implantação
    de faixa exclusiva de ônibus no corredor da Av. Brigadeiro Luís Antônio iniciada
    em 1976, feito inédito com ônibus operando no contrafluxo dos automóveis.
    Tinha como premissa melhorar as condições operacionais, dando maior fluidez
    ao transporte coletivo garantindo os níveis de serviço existente no sistema
    viário principal.

    Ainda nesta década, foram ampliados e implantados o sistema COMONOR II
    que passou a operar no corredor das avenidas Rangel Pestana e Celso Garcia,
    onde circulavam 500 ônibus por hora e sentido, transportando cerca de 30 mil
    passageiros por sentido, no horário de pico.

    Na década de 1980 outros novos corredores foram implantados em São Paulo.
    São os corredores da Av. Paes de Barros, com 3,9 km de extensão, na região
    da Vila Prudente e o corredor Santo Amaro/Nove de Julho, implantado em 1987
    com 14,8km de extensão com um terminal situado na Av. Padre José Maria em
    Santo Amaro e outro na Praça da Bandeira, no Centro. Ambos operavam com
    plataformas no eixo da via e ônibus com porta a direita.

    Novas tecnologias e novo olhar para o transporte público surgiram na década
    de 1990, época em que ocorreu a implantação do Corredor Rio Branco – Emilio
    Carlos. Este foi o primeiro corredor a operar com ônibus com porta à esquerda,
    no trecho das avenidas Rio Branco, Marques de S. Vicente, Ermano Marchetti
    e Ordem e Progresso. Posteriormente uma variante passou a incluir a Av. Inajar
    de Souza e o corredor recebeu a denominação de Inajar de Souza– Rio Branco
    – Centro.

    Em 1995, foi extinta a antiga CMTC e foi criada a empresa que tem por
    finalidade a gestão do sistema de transporte da cidade e recebe o nome de
    SPTrans - São Paulo Transporte S.A.

    A virada do século faz com que o homem enxergue o mundo de forma diferente,
    questionando qualidade de vida nas grandes metrópoles e quanto o tempo
    pode interferir nos relacionamentos profissionais e familiares. O relógio, antes


8
A Prioridade para o Transporte Público


um mero adereço e aliado para regular nossas vidas, transforma-se em um
grande obstáculo como aquele que o carrega nas mãos, como o coelho do
conto de fadas. A era digital, as informações online, a necessidade de estar
conectado com o mundo, a pressa para cumprir todos os compromissos
assumidos, o tempo mais uma vez escasso.

O avanço da tecnologia faz com que o homem empregue cada dia mais
elementos que nos faça poupar tempo, gastar menos recursos e ganhar em
qualidade.

Os deslocamentos nas metrópoles são extensos, o emprego o estudo e o lazer
nem sempre estão próximos de onde vivemos. É preciso ganhar tempo. É
preciso fazer novas conexões, encurtar distâncias, gastar menos tempo nos
deslocamentos.

Foi pensando nisso que surgiram as novas formas de se tratar o transporte
público, com ações operacionais, que priorizavam o transporte sobre pneus,
como a Operação Via Livre e a aprovação do programa de bilhetagem
eletrônica, piloto para implantação do Sistema Interligado. Esta foi a primeira
etapa do Novo Sistema de Transporte Público do município.

No ano de 2006 foi implantada a integração do Bilhete Único com o sistema
metroferroviário. Com um desconto na tarifa, o usuário passou a poder fazer três
viagens no sistema sobre pneus e mais um embarque no sistema sobre trilhos.
Isso trouxe ganhos para os usuários do transporte público, proporcionando
uma economia de tempo e de dinheiro.

Em 2007 um novo sistema de transporte prioritário é inaugurado no eixo
sudeste. É o corredor Expresso Tiradentes, que liga o centro da cidade, no
Terminal Mercado ao Terminal Sacomã.

A primeira década do século XXI terminou e nossos olhares estão voltados
para a sustentabilidade do planeta, as tecnologias verdes, os combustíveis
não poluentes. Com isso entram em testes novos combustíveis para os ônibus
como o Biodiesel de cana-de-açúcar, combustível de fonte renovável. E com
o Ônibus Híbrido, a tecnologia compõe dois motores, um a diesel e outro
elétrico. A medida ajuda na economia do diesel e na redução de poluentes.

O ÔNIBUS NO FUTURO PAULISTANO

O transporte sobre pneus possui hoje uma malha que permite atender uma
área maior, de forma que o usuário tenha pontos de embarque/desembarque
próximos aos locais de início e término da viagem.


                                                                                         9
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012


     O usuário pode desfrutar da possibilidade de observar a paisagem urbana,
     fazendo com que a viagem seja mais agradável e proveitosa, trazendo de volta
     ao cidadão à cidade e suas transformações diárias.

     Opostamente no METRÔ o passageiro fica confinado a uma paisagem cinza e
     escurecida que oferece como vantagem a velocidade, limitada ao máximo de
     30km/h e o percurso otimizado. Entretanto está fixo aos trilhos tendo a viagem
     interrompida em casos de incidentes operacionais na via enquanto que em
     caso de obstrução o ônibus pode desviar não interrompendo a viagem.

     Os trilhos podem ser resgatados para percorrer distâncias maiores, fazendo
     principalmente a interligação metropolitana, ou seja, deslocando pessoas
     entre as cidades vizinhas sem deixar de cumprir seu eficiente papel dentro do
     município.

     Para mantermos a mobilidade e acessibilidade da cidade, temos que dar
     maior importância e prioridade ao transporte publico, com continuidade do
     planejamento, estudando novas soluções para o transporte sobre pneus.

     Caminhamos a cada dia para dar maior privilégio ao transporte coletivo em
     detrimento ao individual. Novos estudos e políticas deverão ser adotados como
     a implantação de duas faixas para ônibus nos principais corredores da cidade,
     visando a melhora da velocidade média, possibilitando a ultrapassagem nos
     pontos de parada, diminuindo o tempo de viagem e adequando a oferta nos
     horários de pico.

     A cidade é viva e mutante, as pessoas alteram os locais de moradia, estudo
     e trabalho e laser, precisamos estar atentos a esta realidade para adaptar a
     malha às necessidades da população.

     O ônibus é um elemento imprescindível para manter a mobilidade humana na
     cidade de São Paulo.

     A CIDADE EM NÚMEROS




10
A Prioridade para o Transporte Público


CORREDORES DE ÔNIBUS EXISTENTES




Total: 119,3 km de corredores de ônibus distribuídos em 28 terminais
municipais e um intermunicipal, 10 corredores exclusivos.




                                                                                       11
A Cidade, o Tempo e os Transportes Públicos

     Christina Maria De Marchiori Borges
     São Paulo Transporte S/A - SPTrans – DT/SES/AAC
     Diretoria de Planejamento de Transportes e Gestão Corporativa
     Superintendência de Especificação dos Serviços
     Assessoria de Articulação Comunitária
     Rua Boa Vista, 236 - São Paulo SP- CEP 01014-000
     Fone (11) 3396-7884 – christina.borges@sptrans.com.br



     A VIAGEM DE CHRONOS

     Os transportes públicos coletivos estão intimamente ligados ao crescimento das
     cidades industriais modernas, e surgiram como solução para o deslocamento
     da então recente mão de obra que migrava do campo para as cidades, no final
     do século XIX e início do século XX. Georg Simmel (1) analisou de maneira
     microscópica o movimento dessas populações nas cidades europeias, que se
     adensavam rapidamente e eram palco de novas relações sociais, que traduziam
     a intensificação do movimento urbano na vida nervosa dos indivíduos, os
     enfrentamentos nesses novos contextos, sensações de medo, espanto e
     dificuldades de convívio entre os indivíduos.

     Para este autor, a metrópole é vista como a sede da economia monetária.
     Para ele é a circulação do dinheiro que permite entender as transformações
     econômicas, sociais e políticas que mudaram a vida do homem de maneira
     decisiva, processo que passou pela intensificação dos fluxos de mercado,
     pela industrialização e pela modernidade. A circulação do dinheiro possibilitou
     as trocas de mercadorias e os deslocamentos de pessoas nos espaços. Os
     deslocamentos, assim, se colocam no centro das formas como os contatos se
     realizam pelos habitantes de uma metrópole.

     Mesmo nos dias de hoje considerados por muitos autores como sendo a
     passagem da era da modernidade para a pós-modernidade, a visão de Simmel
     mostra-se atual e empresta sentido ao que vem ocorrendo em muitas cidades
     que, com o desenvolvimento econômico do século XX, transformaram-se em
     metrópoles “globais”, mesmo em países periféricos, onde o capitalismo ocorreu
     tardiamente em relação aos países centrais, como é o caso do Brasil.

     Neste artigo, julgamos importante abordar São Paulo na perspectiva de
     metrópole, porque é nela em que se dá a mobilidade dos indivíduos, havendo
     uma relação intrínseca entre metrópole e os deslocamentos nela realizados.

     (1) Simmel, Georg, A Metrópole e a Vida Espiritual, 1903.


12
A Cidade, o Tempo e os Transportes Públicos

UM QUADRO DE REFERÊNCIA: A PESQUISA DE IMAGEM DOS
TRANSPORTES DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

O preâmbulo acima tem a finalidade de matizar alguns resultados que
emergiram da pesquisa qualitativa (2) realizada pela ANTP, no ano de 2010,
sobre a imagem da metrópole e dos transportes na Região Metropolitana de
São Paulo (3), na qual os entrevistados representam a metrópole paulista a
partir de duas perspectivas. Na primeira delas, São Paulo é vista como terra
das oportunidades e das variedades. Relatam a grande oferta de empregos,
bons salários, educação, cultura, acesso a bens e serviços, facilidades de
deslocamento por meio do transporte coletivo e, também, a existência de
opções de lazer.

Na segunda perspectiva, que condensa outro conjunto de ideias dos
pesquisados, são aludidas ideias de poder, disputa e controle. Em torno
desse outro núcleo, os pesquisados descrevem a metrópole como um lugar
de violência, de excesso de gente, desigualdades sociais profundas, de
competição e de controles sociais inerentes à própria organização da cidade.
São quase que unânimes em enfatizar excesso de tempo de vida que julgam
perdido nos deslocamentos e a poluição sonora e atmosférica.

A maneira como os usuários representam a metrópole complementa-se, aqui,
com a imagem que constroem sobre os transportes públicos.

Por um lado, o transporte coletivo é apontado como facilitador da vida das
pessoas, que promove o deslocamento pelo espaço, o acesso à cidade, aos
seus bens e à cidadania, por outro, ele é visto como gerador de cansaço e
desgaste. A espera pela condução, o tempo despendido nos deslocamentos
devido ao movimento intenso advindo da grande quantidade de veículos
particulares e a superlotação dos modos coletivos desencadeiam situações
de disputa por espaços, medo do semelhante e fazem com que as viagens se
tornem tensas e carregadas de sensações e sentimentos controvertidos.

Em pesquisa qualitativa da ANTP realizada no ano seguinte (2011), há outro
resultado que chama especial atenção e que se relaciona com o que estamos
comentando. Quando indagados a opinar sobre o principal fator que concorre na
satisfação da qualidade de vida em São Paulo, os entrevistados apontaram ser
o tempo: tempo suficiente para estar com a família, amigos e para fazer coisas
de que gostam. Interessante assinalar que esse tempo, que é tão valorizado, é
também aludido como perdido nos deslocamentos urbanos, conforme revelado
na pesquisa do ano anterior. Isso nos permite concluir que os tempos das
viagens urbanas, considerados excessivos interferem diretamente na satisfação
da qualidade de vida dos habitantes da metrópole e, por consequência, na
satisfação com os transportes coletivos. Essa importância dada ao tempo,
como veremos, perpassa também a pesquisa de satisfação dos usuários com
o sistema municipal de transporte por ônibus.

                                                                                       13
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012

     Vale ressaltar que sobre os tempos das viagens, a Pesquisa de Origem-
     Destino 2007 da Região Metropolitana de São Paulo, realizada pela Cia. do
     Metropolitano de São Paulo- Metrô elucida que a percepção sobre o tempo
     considerado excessivo das viagens pelos usuários tem uma dimensão real:
     houve, de fato, um aumento nos tempos dos deslocamentos na Região
     Metropolitana de São Paulo, no período de 1997 a 2007: a duração média das
     viagens por todos os modos passou de 33 para 39 minutos e que isso acaba
     impactando tanto na duração das viagens por modo coletivo, quanto por modo
     individual.

     Nas viagens por modo coletivo a duração média aumentou de 59 para 67
     minutos; por modo individual, cresceu de 27 para 31 minutos. As viagens a
     pé, tiveram um aumento de 15 para 16 minutos e por bicicleta, de 23 para 26
     minutos.
     (2) Pesquisa qualitativa tem por base a psicologia e revelam tendências, percepções, atitudes e a
     construção das opiniões. Empregam roteiros com temas nos quais os entrevistados expressam livremente
     as suas opiniões.

     (3) “Imagem dos Transportes na Região Metropolitana de São Paulo”, pesquisa executada pela Toledo &
     Associados, sob a coordenação da ANTP e com o patrocínio da CPTM, EMTU, Metrô, Setpesp, SPTrans e
     SPUrbanuss, entidades responsáveis pelo transporte coletivo na metrópole de São Paulo. Acompanha a
     imagem dos transportes da RMSP, a saber: ônibus urbanos, metropolitanos e de outros municípios, metrô
     e trens da CPTM.

     PESQUISAS NA SPTRANS

     A SPTrans, como órgão gerenciador dos transportes municipais de passageiros
     na Cidade de São Paulo, vem igualmente realizando pesquisas de muitos
     operacionais sobre o desempenho dos serviços e, também, pesquisas
     de opinião. Como é sabido, a geração de informações constituem-se em
     importantes ferramentas para a gestão de negócios.

     As pesquisas de opinião têm a finalidade de conhecer atitudes, comportamentos,
     conhecer a receptividade e aprovação dos usuários a medidas e melhorias
     nos serviços. As pesquisas de opinião possibilitam ainda avaliar o nível de
     satisfação em relação aos serviços contratados. Abaixo estão relacionadas
     algumas pesquisas feitas pela SPTrans.

     •	   Receptividade à implantação de bibliotecas nos terminais de ônibus
     •	   Embarque e desembarque em ponto específico - Vila Anastácio
     •	   Atendimento prestado a pessoas com restrição de mobilidade no
          transporte público municipal
     •	   Receptividade à mudança de itinerários das linhas 7040-10 e 775F-10-
          Vila Olímpia - Rua Prof. Arthur Ramos
     •	   Pesquisa de avaliação do letreiro lateral do ônibus
     •	   Origem e destino as viagens dos ônibus de fretamento

14
A Cidade, o Tempo e os Transportes Públicos

•	   Circulação de ônibus urbanos municipais na Estrada de Itapecerica
•	   Avaliação do treinamento a motorista de ônibus para melhorar a
     convivência com os ciclistas
•	   Embarque e desembarque - Rua Boa Vista, 200
•	   Embarque e desembarque - Rua Toneleiros, 809
•	   Embarque e desembarque - Rua do Oratório, 1775
•	   Avaliação dos Serviços de Transportes Municipais na Cidade de São
     Paulo
•	   Receptividade aos letreiros eletrônicos dos veículos
•	   Lotação em ponto específico – Terminal Tiradentes
•	   Origem e destino – Todas as linhas do Terminal Tiradentes
•	   Avaliação do site da SPTrans
•	   Origem e destino das linhas da Rua Diogo Jacome – Moema
•	   Lotação em ponto específico – Avenida Francisco Morato
•	   Contagem de Embarque e Desembarque – Terminal Vila Mariana
•	   Origem e destino das viagens– Terminal Vila Mariana
•	   Pesquisa de opinião sobre qualidade do serviço nas linhas 574W-10 e
     4735-10
•	   Lotação em ponto específico – Parada Palmeiras
•	   Embarque e desembarque – Parada Palmeiras
•	   Receptividade à instalação de Handles nos ônibus

Sobre a satisfação dos usuários, desde o ano de 2008 até a presente data
vem sendo aplicadas rodadas de pesquisas quantitativas para acompanhar
a satisfação geral com os serviços das empresas concessionárias e
permissionárias e com os atributos operacionais tais como: conforto, segurança,
rapidez, pontualidade, atendimento ao público, tarifa e Bilhete Único, dentre
outros.

ATRIBUTOS DO SERVIÇO

Os resultados da última pesquisa quantitativa(4) realizada pela SPTrans, de
maneira análoga à indicada pelos usuários na pesquisa da ANTP, confirmam
que os atributos considerados mais críticos perpassam pelos mesmos eixos
centrais dessa pesquisa, ou seja, evidenciam questões relacionadas ao
tempo, como regularidade, atrasos e lotação. Os atributos mal avaliados pelos
usuários na pesquisa da SPTrans são: rapidez (tempo de espera no ponto),
regularidade (intervalos excessivos) e confiabilidade (chegar sem atrasos ao
destino), com diferenciações de opiniões segundo as áreas de operação e o
tipo de serviço prestado - concessão ou permissão.

Por outro lado, foi aferido que os atributos que mais concorrem para a satisfação
dos usuários com o sistema de transporte por ônibus em São Paulo são: a
facilidade de uso que o Bilhete Único proporciona e a utilidade do serviço de

                                                                                         15
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012

     meios de transporte. Também é fator de satisfação do usuário a capilaridade
     inerente do ônibus que pode alcançar locais que outros meios não conseguem
     atingir.

     Com uma escala variando de 5 a 0, onde 5 representa a satisfação máxima do
     usuário, a nota geral dada ao sistema ônibus na cidade de São Paulo foi 2,55.
     Aos serviços da Concessão foi atribuída a nota de 2,6 e à Permissão, a nota de
     2,5. Estes valores se encontram posicionados na posição média da escala, na
     região que expressa o conceito de “regular” para os serviços.

     AVALIAÇÃO DA CONCESSÃO

     Na perspectiva do usuário, os serviços da Concessão foram ligeiramente
     melhor avaliados que os da permissão. Na comparação do desempenho entre
     as áreas de operação a Concessão teve o seu melhor desempenho na área 2,
     com nota média de 2,9.
     (4) As pesquisas quantitativas realizadas têm como base a estatística e são adequadas para quantificar
     opiniões e atitudes explícitas e conscientes dos entrevistados. São indicadas quando se sabe exatamente
     o que deve ser perguntado para se atingir os objetivos da pesquisa. Os resultados são apresentados em
     porcentagens, médias e escalas de atitudes.


     MÉDIAS DE SATISFAÇÃO POR ÁREA DE OPERAÇÃO




     Na área 2, todos os atributos pesquisados foram bem avaliados, tendo destaque,
     com média mais alta (3,73) a Utilidade do Sistema, e mais especificamente,
     a integração do ônibus com outros meios de transporte; o atendimento dos
     empregados (3,54) e o Bilhete Único (3,53).

     A área operacional onde a Concessão atingiu o valor mais baixo foi na área
     6, com média de 2,4, concorrendo para isso a regularidade - quantidade de
     veículos em circulação (2,65) e a confiança de chegar ao destino sem atrasos
     (2,67).

16
A Cidade, o Tempo e os Transportes Públicos

AVALIAÇÃO DA PERMISSÃO

Os serviços da permissão foram bem avaliados nas áreas 3 e 4, tendo ficado
ambas com médias de 2,9.

Na área 3 todos os atributos pesquisados foram bem conceituados, com a
mesma ênfase da Concessão, ou seja, fica igualmente bem posicionada
a utilidade do sistema, sobretudo, a integração com outros meios (4,0). Na
área 4, a utilidade também é o fator que mais concorre para a satisfação,
principalmente devido à facilidade de chegar aos terminais de transferência
(4,0).

As menores notas ocorreram nas áreas 6 e 7, ambas com 2,1. Os usuários
deram notas mais baixas à permissão na área 6, considerando a regularidade-
intervalo entre veículos (1,8) como sendo o aspecto mais crítico. Na área 7,
a confiança de chegar sem atrasos foi o atributo pior avaliado pelos usuários

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Em pesquisas qualitativas de avaliação do transporte na cidade de São Paulo
os entrevistados verbalizam muitos avanços ocorridos nos serviços por ônibus
nos últimos anos.

Entusiasticamente os usuários mencionam renovação de frota, economia
e praticidade do Bilhete Único, existência de muitos veículos acessíveis,
corredores exclusivos, novos letreiros eletrônicos nos veículos, catalisadores
nos escapamentos, ônibus bi-articulados e veículos com projetos arrojados e
modernos.

Entretanto, esses avanços reconhecidos pelos usuários, não se mostram
suficientemente poderosos para mudar a imagem geral sobre o serviço de
ônibus, à exceção do serviço das linhas que circulam em corredores exclusivos,
nos quais há maior fluidez e viagens mais rápidas. Nestes corredores crescem
os índices positivos de avaliação e aumenta a satisfação com sistema ônibus
que alcança valores semelhantes aos do metrô.

Viagens mais rápidas contribuem, sem dúvida, de maneira positiva para o fator
considerado basilar da qualidade de vida na metrópole: o tempo para viver.




                                                                                       17
O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo



     Ivan Metran Whately
     Secretaria Municipal de Transportes
     Assessoria Técnica do Gabinete
     Rua Boa Vista, 236 - São Paulo - SP - CEP 01014-000
     iwhately@prefeitura.sp.gov.br




     QUADRO GERAL DOS SERVIÇOS DE ÔNIBUS:

     Ao ser chamado para escrever este artigo, sobre o papel dos ônibus nos
     serviços regulares de transporte coletivo público, no município de São Paulo, de
     plano, deparei-me com o gigantismo do sistema, em que se destaca a grande
     acessibilidade territorial deste modal de transporte e a imensa quantidade de
     veículos utilizados diariamente na operação das linhas.

     São cerca de 15.000 veículos - uma das maiores frotas do globo - circulando
     com itinerários em 4.371 km dos 17.293 km do sistema viário da cidade.
     Isto é, os ônibus percorrem em torno de 25% de todas as vias do território
     ocupado pelo município, através de 1.347 linhas, cujas ligações se articulam
     em 28 terminais urbanos e nas demais estações do sistema sobre trilhos. As
     quantidades de viagens também impressionam, pois são aproximadamente
     10 milhões de passageiros diariamente transportados por ônibus, de um total
     de 16 milhões de viagens em todos os modos de transporte. Significa que os
     ônibus são responsáveis por 63 % das viagens de transportes públicos em São
     Paulo.

     O mapa (1), a seguir, proporciona uma visão macro do conjunto das linhas
     de ônibus e do seu acesso abrangente ao território urbano, em que os ônibus
     chegam a todas as regiões da cidade, oferecendo condições para aproximação
     dos habitantes da cidade das oportunidades e de suas atividades cotidianas,
     como: estudo, trabalho, serviços, lazer e entretenimento.




18
O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo




                                                           19
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012

     CARACTERÍSTICAS DA FROTA DE ÔNIBUS

     A despeito dos quantitativos exagerados, a frota de ônibus paulistana é de
     excelente qualidade. Dispõe de veículos novos, modernos, com avançada e
     diversificada tecnologia. A frota, que tem uma idade média de 4,6 anos, para
     atender às suas funções operacionais e condições específicas dos serviços,
     dispõe de diferentes modelos de veículos, a saber: ônibus bi-articulado;
     articulado; padrão alongado; padrão-básico, básico, mini-ônibus, micro-ônibus
     e midi-ônibus e vans.

     O avanço tecnológico da frota se reflete, principalmente, nas características
     de conforto e segurança introduzidas nos diferentes modelos de ônibus,
     tais como: piso baixo, espaço interno, motor traseiro, assentos confortáveis,
     portas amplas e eliminação de ruídos. Acrescente-se aos avanços, a melhoria
     na acessibilidade para todos os passageiros, em especial os cuidados
     introduzidos para os que têm dificuldade de locomoção. Também, como
     avanço tecnológico, remarcamos que parte dos veículos recebeu inovações
     tecnológicas sustentáveis que visam à redução de “Gases de Efeito Estufa”,
     entre outros: a frota de 200 tróleibus está em fase de modernização da rede
     aérea e de substituição dos veículos velhos por novos; a frota a combustão
     tem cerca de 60 ônibus rodando com etanol e 1.200 ônibus já rodam com uma
     mistura de 20% biodiesel. Os restantes vão rodar com diesel menos poluente
     (s-50) até serem substituídos, dentro de um processo de mudança da matriz
     energética de toda a frota que objetiva a necessidade de redução de toda a
     combustão fóssil a zero até o ano 2018, em obediência à Lei que Instituiu as
     Políticas de Mudanças Climáticas no Município de São Paulo.

     Além da tendência de incremento nos avanços tecnológicos, que fica patente
     na qualidade da renovação da frota, foram adquiridos veículos maiores,
     buscando-se o aumento de lugares para os passageiros nos veículos, mediante
     a tendência de adequação da tecnologia à demanda, através da opção:
     requalificar e expandir a oferta. Assim, nas renovações, optou-se por veículos
     com maior quantidade de lugares para os passageiros, sem, no entanto, reduzir
     o tamanho da frota em número de veículos.

     Para termos uma ideia da composição da frota e da sua evolução nos dois
     últimos anos, segundo a sua diversidade tecnológica, juntamos a tabela (1) a
     seguir.




20
O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo




CARACTERÍSTICAS DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTES
PÚBLICOS

Os serviços regulares de transporte coletivo público por ônibus são prestados
por empresas operadoras, mediante contratos de concessão e permissão, com
a finalidade de atender às necessidades atuais e futuras de deslocamento da
população. Os serviços contratados de transporte são de utilidade pública e
são executados em função do tipo de atendimento à demanda de passageiros
e da localização dos itinerários. Para a contratação das empresas operadoras,
a cidade foi dividida em 9 áreas de operação, com vistas à delegação da
prestação dos serviços que são efetuados em dois tipos de operações
específicas: Subsistema Estrutural e Subsistema Local.

Os concessionários são responsáveis pelas linhas dos Subsistemas Estruturais
e em parcela do Subsistema Local, sendo os permissionários responsáveis
somente por linhas do Subsistema Local. Em termos conceituais, as linhas
do Subsistema Estrutural são operadas nas vias onde há convergência das
linhas de ônibus e, consequentemente, são as vias onde devem funcionar os
corredores ou eixos de transporte público. As demais linhas que chegam às
vias onde há concentração de linhas, ou as que trafegam por trechos menores
de convergência, são as linhas do Subsistema Local.

Quanto à distribuição de viagens das linhas de ônibus municipais, constata-se
que a rede capilar atende com níveis de serviço satisfatórios a todas as regiões
da cidade ou a quase todas as vias do território ocupado pelo município. As
viagens que têm origem e destino na mesma zona são normalmente atendidas
pelas linhas dos Subsistemas Locais, enquadrando-se perfeitamente ao seu
papel como transporte de baixa capacidade. As demais viagens, com destino
fora do âmbito local, têm origem em zonas de baixa demanda e atingem seus
destinos através de conexões ao longo das linhas do Subsistema Estrutural de
ônibus, ou pontualmente nos Terminais Urbanos Municipais e nas Estações do
Transporte sobre Trilhos. Há também linhas do Subsistema Estrutural de ônibus

                                                                                         21
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012

     ônibus que se conectam nas estações de Transporte sobre Trilhos, na condição
     de alimentadora ou componente da rede transporte que atende a cidade. A
     grande dificuldade que surge na prestação dos serviços dessa imensa rede de
     linhas de ônibus é a extensão da mancha urbana, que tem levado as populações
     mais dependentes dos transportes públicos cada vez para mais longe e,
     com isso, tornado mais afastado o destino das suas viagens. A implantação
     do Bilhete Único, por um lado, foi o instrumento facilitador que estimulou as
     integrações sem onerar o passageiro do sistema, mas, por outro lado, estimula
     o uso de longos percursos em um modo de transporte que não opera em altas
     velocidades, penalizando o passageiro pelo alongamento do tempo de viagem.

     Sem alteração das áreas de operação e dos contratos de concessão e de
     permissão, tampouco da estrutura geral dos itinerários das linhas de ônibus
     e terminais urbanos, foi consolidada uma rede de corredores preferenciais de
     ônibus na malha urbana da cidade para dar maior produtividade aos ônibus nas
     principais vias de convergência de linhas, justamente onde se concentram os
     maiores volumes de passageiros.

     REDE DE CORREDORES DE ÔNIBUS

     A cidade tem um conjunto de vias com uma infraestrutura físico-operacional
     para priorizar as linhas de ônibus em 10 corredores de ônibus, totalizando uma
     extensão de 128,77 km. Trata-se de uma rede estruturada, consistente de um
     corredor totalmente segregado e de 9 corredores providos com a demarcação
     de faixas exclusivas para ônibus à esquerda das pistas e plataformas de
     embarque no canteiro central. O corredor totalmente segregado é o Expresso
     Tiradentes, com atributos de desempenho semelhantes aos de um metrô.
     Embora os outros corredores tenham dispositivos para dar prioridade para os
     Transportes Públicos e ofereçam níveis de serviço superiores aos dos eixos
     compartilhados com os demais veículos, eles não dispõem dos principais
     atributos dos corredores de alto desempenho.

     Infelizmente, quando foram executadas as obras dos corredores não foram
     aproveitados o investimento e a oportunidade para introdução dos atributos
     de BRT’s, entre outros: faixas de ultrapassagem, escalonamento dos pontos
     de parada, cobrança externa, e operação/gestão de linhas expressas e semi-
     expressas.

     Como a rede consolidada de corredores de ônibus não abarcou todos os eixos
     onde há concentração de linhas, para complementar os vazios e ampliar a
     cobertura da malha urbana, a municipalidade estudou novos corredores,
     bem como elaborou projetos de requalificação de alguns dos corredores já
     consolidados. Assim, foram desenvolvidos os projetos nos seguintes eixos:
     Avenida Celso Garcia, Anhaia Mello, Capão Redondo-Vila Sônia, Binário Santo

22
O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo

ro e Berrini. Foram, também, desenvolvidos os projetos de requalificação nos
seguintes eixos: M’Boi Mirim-Guarapiranga, Inajar de Souza, Pirituba-Lapa.
Como a municipalidade não é o único provedor dos transportes públicos na
cidade e os dois primeiros corredores novos, citados como projetos novos,
tinham previsão de atendimento a uma capacidade limítrofe à dos transportes
de média capacidade, o metrô assumiu a implantação no local de modal de
transporte de maior capacidade e eles não tiveram prosseguimento como
corredor de ônibus. Também sofreram alterações os projetos dos novos
corredores Capão Redondo-Vila Sônia e Berrini, situados no mesmo trajeto
do projeto do Monotrilho que, embora, não tenham sido substituídos por outro
modal, sofreram revisões para serem adequados aos projetos dos outros
modais aos quais se interconectam e se complementam. Ainda, com o mesmo
propósito de complementar os vazios e ampliar a cobertura da malha urbana, a
rede atual de corredores de ônibus da cidade passou por mais uma ampliação
e foram projetados os Corredores Radial Leste, Itaquera e Carrão. Para os
demais eixos onde há concentração de linhas, também foram projetados
corredores com faixas exclusivas à direita para que nessas vias do sistema
viário principal haja condições de melhorar o desempenho dos ônibus no
trânsito compartilhado com os demais veículos.

A rede de 10 corredores estruturados pode ser visualizada esquematicamente
no mapa 2.




                                                                                        23
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012




24
O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo

DESEMPENHO DOS CORREDORES DE ÔNIBUS

Para facilitar a mobilidade, modernizar a matriz energética dos transportes e
aumentar a segurança do trânsito, foram implantadas ações que demandaram
investimentos significativos do município ao longo dos últimos anos. Os
resultados podem ser percebidos pelos usuários dos serviços de transporte
público, com destaque positivo no caso dos ônibus. Embora a cidade injete
mais de 800 veículos novos por dia em um sistema viário que foi construído
para suportar a metade da quantidade da frota em circulação, a rede
estruturada de corredores, provida com tratamento prioritário para os ônibus,
bem como o acompanhamento operacional eficiente do tráfego saturado da
cidade, asseguram padrões de qualidade aos deslocamentos da população,
sobrepondo-se à caótica urbanização que tende para a insustentabilidade.

Além do crescimento da frota de veículos nas vias e do aumento da população,
a demanda por transporte progride no rastro do incremento das integrações
entre as linhas de ônibus e entre elas e as dos modos sobre trilhos. Desde
a implantação do Bilhete Único, nos ônibus municipais em 2004, seguida da
extensão, do mesmo bilhete em 2007, à rede do Metrô e da CPTM, a quantidade
de viagens (passageiros) cresceu 10,5 %, ante uma ampliação da oferta de
lugares nos veículos de 13,8%. Embora a frota de ônibus tenha permanecido
com aproximadamente o mesmo número de veículos, nas substituições por
mais novos, optou-se por veículos maiores ou com mais lugares para os
passageiros. Isso proporcionou melhor desempenho para os ônibus que
ofertaram maior conforto aos usuários de todo o sistema, disponibilizando em
torno de 30% a mais de lugares para os passageiros. A percepção dos usuários
a respeito do conjunto dos corredores tem uma avaliação satisfatória, pois o
atendimento é abrangente e confortável. No entanto, a análise pormenorizada
de cada trecho dos corredores revela tempos longos de percurso devido às
dimensões da cidade que não são percebidos positivamente pelos usuários.
Não bastam faixas exclusivas e estações de embarque confortáveis, os
usuários ainda precisam gastar menos tempo nas viagens mais extensas.

Além do tempo perdido em decorrência das longas distâncias, os principais
retardamentos nos trechos mais críticos dos corredores de ônibus são causados,
principalmente, devido à espera nos pontos de embarque e nos semáforos.
Constata-se que metade do tempo de viagem é gasto no deslocamento do
veículo e a outra metade é dividida em tempos de espera nos pontos de
embarque e nos semáforos. Outro fator incrementa o retardamento, é o
excesso de veículos nos itinerários, pois provoca filas nos pontos de embarque
e que poderão ser minorados pela racionalização e a troncalização das linhas
entre terminais.

Nas condições atuais de geometria e operação da rede de corredores,

                                                                                        25
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012

     controles de tráfego, as velocidades médias operacionais variam entre 13 km/h
     a 18 km/h nos horários de pico. Na média diária das velocidades operacionais,
     não há um aumento significativo, pois variam entre 16 km/h a 20 km/h. Mesmo
     nos horários antes do pico da manhã e depois do pico da tarde, em que os
     ônibus não param em todos os pontos e não encontram dificuldades no trânsito,
     os ônibus não atingem grandes velocidades máximas médias operacionais,
     não passam de 25 km/h. Cabe notar que velocidades operacionais neste nível
     podem ser obtidas nos BRT’s até nos horários de pico, mas, para atingirem
     este desempenho, eles dispõem de estações com pré-embarque, faixas
     de ultrapassagem e, muitas vezes, cruzamentos em desnível. Fica fora, da
     média da rede de corredores de ônibus, o Expresso Tiradentes que mantém
     velocidades médias operacionais excelentes, sem variações nos horários de
     pico e fora deles, em torno de 35 km/h.

     A tabela, a seguir, reúne as informações operacionais dos corredores,
     relativas à: extensão, velocidades, quantidades de semáforos, quantidades de
     passageiros e de ônibus.




26
O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo

Observação: * velocidades prejudicadas por obras no corredor.

Em complemento aos projetos de novos corredores, e enquanto eles não são
implantados, foi desenvolvido um Programa de Aumento da Velocidade com o
propósito de melhorar o desempenho da rede atual de corredores, mediante
ações físico-operacionais de rápida implementação e baixo custo, tais
como: regulagem de semáforos, inversão de posicionamento de plataformas
de embarque, faixas exclusivas no contra-fluxo, canalizações de tráfego,
reprogramação de linhas de ônibus, escalonamento de pontos de parada,
coordenação de semáforos e pequenas obras. Colocadas em prática, as
ações trouxeram aumentos de velocidade em torno de 7,5 % no ano de 2011 e
estão programadas outras ações para estender a meta até 15 % em 2012. Os
aumentos de velocidade nessa porcentagem, embora possam trazer aumento
da oferta para os passageiros, não aportam ganhos significativos de tempo
de viagem para os corredores extensos, se comparados com os corredores
segregados ou pelos modais sobre trilhos. Nesse sentido, entre os corredores
de ônibus, apenas o Expresso Tiradentes oferece tempo de percurso com
desempenho comparável ao de metrô.

Independentemente dos aumentos de velocidade nos corredores, é importante
refletir sobre o que acontece com os tempos de viagem nos corredores curtos
e nos longos. Nos corredores de comprimento inferior a 10 km, quais sejam:
Vereador José Diniz - Ibirapuera - Santa Cruz, Jardim Ângela - Guarapiranga - Sto
Amaro; Paes de Barros; Itapecerica - João Dias - Santo Amaro, os passageiros
gastam em torno de 25 a 35 minutos para percorrer a sua extensão. São tempos
de viagem aceitáveis para deslocamentos no meio urbano. Todavia, nos outros
5 corredores superiores a 10 km, a saber: Campo Limpo - Rebouças – Centro;
Inajar - Rio Branco - Centro; Pirituba - Lapa - Centro; Parelheiros - Rio Bonito -
Santo Amaro; Santo Amaro – Nove de Julho – Centro; os passageiros gastam
em torno de 60 a 120 minutos para percorrer as suas extensões. São percursos
longos e tempos incompatíveis com as necessidades de deslocamento da
população na cidade. Os tempos de percurso dos corredores muito longos são
agravados nos horários de pico, em que se concentram as maiores demandas,
bem como os retardamentos nos pontos de embarque e no trânsito, tornando
muito longo o tempo de viagem dos passageiros. Nesse caso, deveriam ser
substituídos por modal de alta capacidade.

Em continuação à reflexão sobre os tempos de viagem nos corredores,
imaginemos transformar, em BRT’s, os mais longos e que padecem com
tempos excessivos de percurso. Poderíamos obter melhor desempenho,
resultado de um investimento com custo menor que o de uma implantação
metroviária. Entretanto, como os corredores que mais necessitam da
transformação já transportam em torno de 400 mil passageiros por dia, há
que ser feita uma avaliação econômica de cada projeto para ponderar se é

                                                                                          27
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012

     em modos de transporte, cuja capacidade já estaria no seu limite, beirando
     as quantidades que somente poderiam ser atendidas por modos sobre trilhos.
     Além disso, como esses corredores estão inseridos em áreas com uso e
     ocupação do solo consolidados, deve entrar pesado na avaliação econômica o
     alto custo das desapropriações e os danos ao comércio ou à população local.

     Alternativamente, às cirurgias profundas e devastadoras no tecido urbano que
     exigiriam a implantação de novos BRT’s, pode-se adotar uma ideia mais ousada
     e mais econômica que possibilita a ampliação da rede de média capacidade
     por meio de corredores de ônibus de alta capacidade. Trata-se de proposta
     que induziria a redução da participação do transporte individual no trânsito
     da cidade mediante a imposição de custo dinâmico, ou de pedágio urbano
     pela municipalidade. Com isso, seria induzida uma redistribuição modal, em
     que a participação dos atuais 45% do transporte individual no trânsito poderia
     passar para 30%. O espaço disponibilizado pelos automóveis no sistema viário
     principal da cidade poderia ser ocupado por uma rede de BRT’s com um custo
     reduzido e sem desapropriações.

     Numa reflexão como esta, em que são colocados juntos os modais sobre trilhos
     e sobre pneus, nunca é demais recordar as principais características de cada
     um e suas respectivas capacidades, com o propósito de compreender, melhor,
     o papel dos modais e os seus reais limites. Os modos de transporte, quanto
     às suas respectivas capacidades de transporte de passageiros, classificam-se
     em:




     REDE MULTIMODAL DE TRANSPORTE PÚBLICO

     Os transportes públicos no município de São Paulo são realizados por
     meio de uma rede composta por diferentes modais e cada um deve ter seu
     papel específico potencializado para o sucesso do conjunto. As linhas de
     ônibus municipais, gerenciadas pelo município, estão integradas física e
     tarifariamente à rede metropolitana sobre trilhos, gerenciada pelo Governo
     do Estado, constituída por 74 km de metrô e 130 km de trem com alcance
     metropolitano. A população de São Paulo dispõe, no mesmo território, de uma
     rede multimodal gerenciada pelos dois níveis de governo, composta de: ônibus,
     trem metropolitano e metrô.


28
O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo

Desde o início da operação do Metrô, foi induzida a integração física das linhas
de ônibus municipais nas estações do sistema sobre trilhos, inicialmente, com
a finalidade de seccionar as linhas concorrentes e, posteriormente, com o
objetivo de integrar as linhas de ônibus em uma grande rede de transporte
multimodal. Nessas circunstâncias, tanto as linhas de ônibus de menor
capacidade, ou as linhas do Subsistema Local, quanto as de maior capacidade,
ou as do Subsistema Estrutural, funcionam na alimentação da rede de Metrô
e são componentes de uma rede de transporte multimodal. Em áreas densas
com demandas expressivas de viagens, onde, ainda, não há cobertura da
rede sobre trilhos, o atendimento à população é realizado pelos serviços de
ônibus que funcionam em trechos sobrecarregados como auxiliares da rede de
maior capacidade. No sentido da integração dos transportes e com forte apoio
dos sistemas de informação, a partir de 2007, foi ampliado o uso do Bilhete
Único entre os modais, o que contribue para estruturar a demanda de forma
multimodal, tornando uma realidade a integração física e tarifária nas redes de
trilhos metropolitanos e de pneus municipais.

Os transportes públicos pertencem à categoria dos serviços em rede e a boa
organização da rede de transporte precisa que sejam levados em conta os
interesses da mobilidade e equilíbrio da distribuição territorial. A organização
da ocupação do solo urbano é de vital importância para o bom desempenho dos
transportes na cidade. A dosagem adequada entre esses dois componentes,
também, deve se refletir no equilíbrio entre os modos de transporte e requer
a intervenção pública quando um começa ser preponderante sobre os outros.

A localização das atividades urbanas relativas a emprego, habitação, escola,
serviços e lazer, distribuídas na extensão do território, exige uma infraestrutura
de transporte compatível com as quantidades de deslocamento entre elas e
com o afastamento entre origem e destino das viagens. A grande participação
dos deslocamentos de longa distância no conjunto das viagens é uma das
principais incoerências estruturais que afetam o bom desempenho de todos os
modos de transporte que circulam na mancha urbana. As incoerências ficam
ampliadas quando um modo de transporte não responde com bons níveis de
serviço por estar sendo utilizado em contradição com a sua vocação. Todavia,
o poder público não pode abdicar da sua obrigação de servir a população que
tem o direito de ser atendida e deve assegurar a prestação de serviços, mesmo
com níveis de serviço insatisfatórios, até que a infraestrutura atinja o equilíbrio
multimodal. Enquanto as distorções de uso e ocupação do solo urbano não
são organizadas, o conjunto dos meios de transporte precisa assegurar aos
cidadãos o seu direito de acesso à sua cidade.


                                                                                          29
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012

     PREPONDERÂNCIA DO NÚMERO DE VIAGENS POR ÔNIBUS

     Comparadas as três redes que operam em São Paulo e suas reais capacidades
     de transporte, imagina-se que os modais de transporte de massa, isto é, os
     sobre trilhos, que têm a maior capacidade de atender a demanda urbana na
     extensão de seu território, estariam absorvendo o maior número de passageiros.
     Todavia, não é o que ocorre. Atualmente, são transportados por ônibus 10,2
     milhões de passageiros por dia, 3,1 milhões por metrô e 2,7 milhões pelos trens
     metropolitanos. Os números mostram a preponderância dos deslocamentos na
     cidade através de ônibus, pois detêm 63 % dos deslocamentos realizados por
     meio de transporte públicos. Embora não seja o modal de maior capacidade de
     transporte, os ônibus ainda exercem um papel preponderante na prestação de
     serviços de transportes públicos da cidade de São Paulo.

     Nessas condições, em que o sistema está desequilibrado e um dos modos, o
     de menor capacidade da rede, torna-se preponderante, a interferência do poder
     público deve evoluir. Os dois níveis de governo, embora mantenham contínuo
     diálogo que já resultou em inúmeras conquistas na direção da integração
     dos modais, ainda planeja, financia, executa e opera seus empreendimentos
     separadamente. Em que pesem as transferências de recursos financeiros do
     município para o Metrô, ainda faltam ações concretas para edificar um mesmo
     conjunto. Em cidades do mesmo porte que São Paulo e de redes de transporte
     semelhantes, costuma-se contar com uma autoridade de transporte, ou
     consórcio de municípios, para coordenar a rede multimodal, visando atender
     homogeneamente a população que não distingue a sua condição municipal
     ou metropolitana. É natural que surjam de maneira recorrente contradições
     sobre a gestão e a organização do sistema que deveria atender a população
     de forma eficaz e econômica. Ocorre que o setor comporta um grande número
     de componentes externos, os quais deveriam justificar o interesse permanente
     das autoridades públicas para o bom funcionamento dos transportes urbanos.
     Cabe notar que o bom funcionamento que se busca não é o financeiro, embora
     as decisões sempre convirjam nessa direção.

     Como vimos, a influência sobre os transportes transpassa as decisões
     do município, impondo a necessidade de uma coordenação regional para
     equilibrar as incoerências no funcionamento da rede. Todavia, a organização
     dos meios de transporte ainda depende de políticas em nível nacional que nem
     sempre marcha no mesmo sentido das necessidades, pois no contexto atual
     de crescimento econômico rápido, infelizmente, não puxa o desenvolvimento
     dos modos sobre trilhos. O crescimento lento das infraestruturas tende a
     manter a posição relativa dos diferentes modos e com isso comprometer o
     sistema, agravando as deficiências dos transportes públicos em geral, com
     reflexos desastrosos sobre os ônibus, aos quais se cobra um papel acima da
     sua capacidade. Estas considerações levam a pensar que a política nacional

30
O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo

de transporte não está sendo enfocada de forma sistêmica e equilibrada.
Atualmente, está sendo feito um cálculo equivocado de aquecimento da
economia, em que se sacrificam a modernização e ampliação das infraestruturas
de transportes urbanos, em benefício do acesso estimulado da população para
a aquisição de veículos individuais, bem como para facilidades na compra de
motos que concorrem com os transportes públicos e, principalmente, tornam
as vias, por onde devem circular os ônibus, saturadas. Dar ou voltar a dar aos
transportes públicos um lugar adequado nos deslocamentos é da competência
das políticas públicas ou mesmo das ações do poder público, agrupadas sob a
denominação: MOBILIDADE URBANA.

A rede multimodal de São Paulo é um caso específico, em razão da
desequilibrada distribuição intermodal que impõe aos serviços de transporte
por ônibus um papel preponderante e dos órgãos intervenientes em um mesmo
sistema, o qual deveria por motivos intrínsecos funcionar como um todo e ter
uma evolução equilibrada.

CONCLUSÃO

Os ônibus desempenham um papel preponderante nos transportes do
município de São Paulo. Os 15 mil veículos em circulação são responsáveis por
2/3 do total de viagens realizadas na rede de transporte sobre pneus e sobre
trilhos. A frota, embora numerosa, tem idade média de 4,6 anos e incorpora
avanços tecnológicos em termos de conforto, segurança, acessibilidade e
sustentabilidade. Nos últimos 5 anos, a quantidade de viagens cresceu 10,5 %
e a oferta de lugares, 13,8%, sendo que, na substituição da frota por veículos
mais novos, optou-se por veículos maiores, mantendo-se número de veículos
constante. As linhas de ônibus percorrem 25% das vias da cidade, atuando em
toda a extensão do município através de dois tipos de serviço: Linhas Estruturais
e Linhas Locais. A rede de Linhas Locais tem papel de acessibilidade capilar
essencial à população em toda a malha urbana e atende com níveis de serviço
satisfatórios. As demais linhas têm papel de distribuição dos deslocamentos
aos seus destinos, através de conexões ao longo das linhas do Subsistema
Estrutural, ou pontualmente nos Terminais Urbanos Municipais e nas Estações
do Transporte sobre Trilhos.

Os ônibus, ainda, exercem papel estruturador dos transportes públicos da
cidade, através da rede de corredores, numa extensão de 128,77 km. À
exceção do Expresso Tiradentes, que atua com níveis de serviço comparáveis
aos de Metrô, os outros nove corredores oferecem níveis de serviço superiores
aos dos eixos compartilhados com os demais veículos, mas eles não dispõem
dos principais atributos dos corredores de alto desempenho. Infelizmente,
quando foram executadas as obras dos corredores não foram aproveitados o
investimento e a oportunidade para introdução dos atributos de BRT’s.

                                                                                          31
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012

     Assim, dependendo do comprimento dos corredores, as velocidades médias
     operacionais podem comprometer os tempos de viagens dos passageiros.
     Os mais curtos oferecem tempos aceitáveis para deslocamentos no meio
     urbano, isto é: 25 a 35 minutos. Os mais longos impõe viagens demoradas,
     isto é: de 60 a 120 minutos. Embora os corredores longos estejam oferecendo
     um serviço público essencial, estão exercendo papel compatível com outro
     modal. A transformação dos corredores que oferecem tempos excessivos de
     percurso em BRT’s poderia trazer melhor desempenho. Para isso, exigiriam um
     investimento com custo menor que o de uma infraestrutura sobre trilhos, mas
     como estão inseridos em áreas com uso e ocupação do solo consolidados, o
     custo elevado da transformação não se justifica, pois já operam no seu limite,
     beirando as quantidades que somente poderiam ser atendidos por modos
     sobre trilhos. Há uma alternativa para evitar a cirurgia devastadora do tecido
     urbano, seria a redistribuição modal, que reduziria a participação de 45% para
     30% dos transportes individuais, mediante a imposição de custo dinâmico
     para o trânsito da cidade. O espaço disponibilizado pelos automóveis nas vias
     poderia ser ocupado por uma rede de BRT’s com um custo reduzido e sem
     desapropriações.

     A grande participação dos deslocamentos de longa distância no conjunto
     das viagens é uma das principais incoerências estruturais que afetam o bom
     desempenho de todos os modos de transporte que circulam na mancha
     urbana. O Bilhete Único, por um lado foi o instrumento facilitador que estimulou
     as integrações sem onerar o passageiro do sistema, mas por outro lado
     estimula o uso de longos percursos em um modo de transporte que não opera
     em altas velocidades, penalizando o passageiro pelo alongamento do tempo
     de viagem. Para vencer as distorções do sistema, impõem-se a coordenação
     do planejamento, financiamento, execução, tarifação e operação, através
     de entidade centralizadora dos transportes públicos que estão vinculados a
     diferentes níveis de governo.

     Os transportes ocupam um papel complementar aos meios de produção.
     Se eles funcionam bem, todas as atividades urbanas vão bem ou podem ter
     um desempenho muito melhor, pois a circulação de pessoas, de bens e de
     informações é indispensável ao desenvolvimento das sociedades ou à sua
     sobrevivência. A infraestrutura urbana é essencial para a circulação, marca
     uma etapa histórica de transformação da geografia humana e a operação dos
     modos de transporte sobre a cidade ultrapassa em importância o meio físico
     que lhe dá suporte.




32
33
Seccionamento de Linhas de Ônibus


     Pedro Luiz de Brito Machado
     São Paulo Transporte S.A.- DT
     Diretoria de Planejamento de Transportes e de
     Gestão Corporativa
     Rua Boa Vista, 236-7º andar- São Paulo- SP- CEP 01014-000
     Fone (11) 33966814- pedro.machado@sptrans.com.br




     No início de 2007, foi, finalmente, entregue à população de São Paulo o
     Expresso Tiradentes. Iniciando no Parque Dom Pedro, no centro da Cidade,
     a obra, que oferecia 8 Km de canaletas exclusivas nas quais rodariam ônibus
     especiais, permitia que esses coletivos pudessem se conectar às linhas de
     ônibus comuns do sudeste do município de São Paulo e dos municípios
     vizinhos do Grande ABCD, através de baldeação no Terminal Sacomã.

     O projeto permitia uma racionalização das linhas de ônibus da região: a partir
     do Terminal Sacomã, os usuários poderiam se dirigir ao centro pelo Corredor
     exclusivo em ônibus maiores e mais confortáveis e sem interferências de
     caminhões e de automóveis, que constituem quase 70% do tráfego da Av. do
     Estado. No terminal, os usuários dos ônibus comuns vindos dos bairros mais
     periféricos e das cidades vizinhas poderiam se transferir, com bastante conforto
     e sem acréscimo tarifário, aos ônibus maiores, mais confortáveis e rápidos do
     Corredor.

     Do Terminal, saíam ainda outras linhas também ligadas a outros pontos
     notáveis da cidade e à rede de Metrô que, àquela época, não havia chegado
     ao Sacomã.

     A implantação do Expresso Tiradentes constituiu-se num projeto clássico de
     “Racionalização Operacional do Sistema de Ônibus”, também chamado de
     “Troncalização”. Alguns o chamam ainda, de forma pejorativa, de “projeto corta
     linha”.

     Como em todo o Projeto de Racionalização Operacional, uma etapa importante
     para a sua implantação são as reuniões com as comunidades locais para
     explicar os benefícios gerados pelo projeto e inteirá-las das mudanças.

     Outra etapa é a de informar os operadores de ônibus as mudanças das linhas
     de cada um, discutir os impactos financeiros em cada empresa e garantir os

34
Seccionamento de Linhas de Ônibus

equilíbrios financeiros de cada contrato, entendendo, em apertada síntese,
equilíbrio financeiro como a manutenção da relação receita/custo de cada
empresa, e não como garantia da manutenção ou aumento do faturamento de
cada uma delas.

Voltando ao Expresso Tiradentes, especificamente em uma das reuniões com
as comunidades, após uma detalhada apresentação do projeto, salpicada de
todos os benefícios do mesmo à Cidade como um todo e aos usuários de forma
geral e específica, a equipe apresentadora foi surpreendida por uma simpática
usuária, uma Senhora, que pediu um aparte:

“O projeto de vocês é muito bonito, o Corredor é maravilhoso, os ônibus do
elevado são estupendos, vou reduzir o meu tempo de viagem, vou ter a tal da
maior conectividade com diversas outras partes da Cidade, mas eu não quero
nada disso:

Quero continuar no meu ônibus, embarcando cedo no meu ponto inicial, em
frente à padaria, sentando-me, cumprimentando o cobrador e o motorista,
saudando os demais usuários companheiros diários de viagem; chego até a
estranhar quando alguém falta...

Quanto ao tempo de viagem, senhores, quando estou no ônibus é o único
período do meu dia em que eu posso pensar e, às vezes, sonhar e recordar: em
casa sou pressionada pelo meu marido e filhos, no trabalho pelo meu chefe...
Por favor, não me tirem ou reduzam esses bons e únicos momentos que passo
no ônibus”

A equipe ouviu, entendeu e respeitou, mas já sabia que não poderia, e nem
deveria, atendê-la.

Foi assim desde o começo do transporte organizado em São Paulo e,
acreditamos, em outras grandes cidades do País:

Nasce uma comunidade: ergue-se uma pequena igreja, antes ainda do “Banco
do Brasil” e das “Casas Pernambucanas” o grande desejo da nova comunidade
é um “Ponto de Ônibus” com uma linha exclusiva, se possível expressa, até a
Praça da Sé.

Com o passar do tempo, a cidade cresce territorialmente à montante da
nova comunidade. Cresce em termos de demografia e oferta de empregos
entre a comunidade e a Sé. A linha deixa de ser expressa e os habitantes
da comunidade começam a querer descer antes do Centro. Os habitantes
que formam o adensamento populacional das comunidades mais antigas, a
jusante, querem também subir nesta linha e aquela ligação que era da nova

                                                                                    35
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012

     comunidade passa a ser compartilhada. Depois, essa mesma comunidade
     passa a se utilizar da linha de outra comunidade ainda mais nova criada à
     montante, e assim a rede de linhas da cidade foi crescendo e se expandindo
     de forma desordenada.

     A absoluta falta de espaço físico nas vias e a conveniência de se otimizarem
     os custos geraram a necessidade de se racionalizar o sistema, criando as
     integrações com o seccionamento das linhas.

     A simpática Senhora, da reunião no Sacomã, foi vítima do crescimento da cidade
     que escolheu ou que escolheram que vivesse. Compete a nós, Planejadores
     de Transporte, saber que essa realidade existe: várias pessoas se sentirão e
     serão realmente prejudicadas com os benefícios que pretendemos oferecer a
     outras milhares de pessoas.

     Conhecer essa realidade é fundamental como também saber que tal realidade
     será sempre usada por terceiros cujos reais interesses serão outros que não os
     da minoria que se considera, e é, afetada negativamente.

     Quanto à simpática munícipe do Sacomã, a Senhora, como todos nós, fomos
     vítimas e beneficiários do crescimento desmedido de São Paulo: nossa cidade
     nascida em 1554, só nos anos 30 do século XX começou a se preocupar com
     o seu planejamento; apenas em 1973 teve o seu primeiro Plano Diretor. Quem
     sabe a Senhora, ou a geração que a sucederá, consiga morar e trabalhar a
     distâncias razoáveis, e que a nossa Cidade e seus habitantes consigam melhor
     compatibilizar a pujança da Metrópole e o bem estar de seus habitantes.




36
Seccionamento de Linhas de Ônibus

FOTOS E DADOS DO TERMINAL SACOMÃ




                                                                       37
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012




38
39
Agilização da Operação dos Corredores e Terminais de
     Ônibus em São Paulo

     Angelo Fêde, Gilberto Teixeira. Wilma Xavier dos
     Santos e Caio Vinicius de Melo Paiva Ferreira
     São Paulo Transporte S/A - SPTrans
     DS/AST, DI/SPR/GCS, DI/SPR/GCS, SMT/GAB respectivamente.
     angelo.fede@sptrans.com.br
     gilberto.teixeira@sptrans.com.br
     wilma.santos@sptrans.com.br
     cvferreira@prefeitura.sp.gov.br




     A CIDADE DE SÃO PAULO

     “São Paulo é a quarta maior metrópole do mundo, a maior cidade da América
     do Sul e também do Brasil, Estende-se por 1.509 quilômetros quadrados e
     abriga cerca de 10,4 milhões de habitantes”.

     A malha viária é de 17.293 quilômetros e os motoristas paulistanos podem
     atravessar mais de 55 mil cruzamentos na cidade” (1).

     O transporte coletivo da metrópole conta com 335,1 km de trilhos, divididos em
     74,3 km de metrô e 260,8 km de trens metropolitanos, que interligam a capital
     à região metropolitana; e uma frota de 14.951 ônibus, que operam 1348 linhas
     que circulam por 17.293 km de vias, dentre estas 119,3 km de corredores
     exclusivos. Estas linhas são divididas entre 482 locais e 866 estruturais e,
     na maioria das vezes, os transbordos são feitos em um dos 31 terminais de
     transferência.	

     O TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS EM SÃO PAULO

     O funcionamento do sistema, embora eficiente, encontra alguns problemas
     operacionais, os quais serão abordados neste artigo, com o estudo de algumas
     soluções.

          Sistema de Bilhetagem

          A cidade adota o sistema de cobrança através de um bilhete chamado
          “BILHETE ÚNICO” que dá direito a realizar até 4 viagens no período de
          3 horas com o valor de uma passagem (R$3,00) e pode ser utilizado
          para integração com o Metrô e com o trem urbano com um acréscimo de
          R$1,65, no pagamento.

40
Agilização da Operação dos Corredores e Terminais de Ônibus em São Paulo


Entraves no embarque/desembarque

O fato de o sistema exigir que se faça a utilização do valor pago em até
3 horas para usufruir dos benefícios do Bilhete Único, gera um acúmulo
de passageiros na parte da frente dos coletivos (sem passar a catraca e
consequentemente viajando mas ainda sem abrir a contagem das 3 horas)
o que retarda, em muito, a entrada dos demais passageiros, chegando
ao limite da demora para embarque ultrapassar o intervalo previsto entre
coletivos de uma mesma linha.

Esses problemas sobrecarregam as plataformas dos terminais e os pontos
de ônibus do percurso destas linhas, causando comboios de coletivos e
consequente atraso em todo o sistema.

Dificuldades na coleta de dados sobre embarque/desembarque de
passageiros

Os passageiros utilizam o Bilhete Único apenas ao entrarem nos coletivos,
sendo assim os dados coletados pelo sistema referem-se apenas ao
embarque e os dados sobre o desembarque não são coletados, dificultando
a coleta de dados de origem-destino desses passageiros.

Em alguns casos, quando os mesmos passageiros retornam ao sistema
do ponto de desembarque, é possível identificar essa origem-destino,
mas esse sistema resulta em uma coleta de dado bastante imprecisa,
dificultando o planejamento operacional do sistema de transporte.




                                                                                      41
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012


     AGILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMBARQUE E DESEMBARQUE

          O sistema atual

          Nos pontos mais sobrecarregados, que se encontrem dentro de terminais
          de passageiros, é implantado um pré- embarque que faz a cobrança da
          passagem desembarcada, agilizando a entrada dos usuários nos coletivo.




          O funcionamento do Pré-embarque baseia-se na segregação de uma
          parte da plataforma com gradis, tendo uma linha de bloqueio com catracas
          e validadores para entrada dos passageiros e cobrança da passagem
          desembarcada, assim, quando os ônibus encostam na plataforma os
          passageiros podem embarcar pelas portas traseiras, sem retenção e sem
          retardamentos.

          Esse modelo funciona perfeitamente para os terminais, agilizando a
          operação e evitando que a demora para o embarque ocasione filas de
          coletivos encostar na plataforma. Porém, como a segregação com gradis
          e as catracas são baixas, o modelo exige a presença de um fiscal em cada
          pré-embarque, para evitar que as pessoas pulem as catracas ou os gradis,
          fraudando assim o sistema.

42
Agilização da Operação dos Corredores e Terminais de Ônibus em São Paulo


No futuro, as catracas atuais podem ser modernizadas com o uso da
tecnologia de portas de vidro e área de plataforma segregada com gradil
alto ou fechamento em vidro, de maneira a dispensar a presença do fiscal
permanente em cada pré-embarque e trazer ainda mais agilidade, conforto
e segurança ao usuário.

O pré-embarque embora bastante eficiente para os terminais mostra-se
inoperante para aplicação nos pontos de passagem do restante da cidade,
inclusive para os corredores existentes hoje, uma vez que seus pontos de
parada são abertos, mesmos os que dispõem de cobertura, inviabilizando
a cobrança desembarcada.

Novo modelo de corredor – brt – projeto dos corredores leste – radial
1e2

O Corredor Radial Leste – Radial 1 e Radial 2, com 17 km, constitui a
principal ligação viária para a Zona Leste, sendo de vital importância para
a região tanto como complementação ao eixo Metrô-Trem CPTM quanto
pelo seu perfil de pólo comercial e de serviços, tendo como destaques
dois Shoppings Center de grande porte, dois cemitérios, vários hospitais,
um centro esportivo, um centro cultural do SESC e inúmeras faculdades/
universidades.

Estes corredores localizam-se na Região Leste do Município, tendo início
na região central, passando pela área das Subprefeituras da Sé, Mooca
e Penha e compõe-se de uma sequência de vias desenvolvendo-se no
sentido Leste a partir do centro da cidade. Iniciando com a Av. Alcântara
Machado, entre a Rua da Figueira e a Av. Salim Farah Maluf, prossegue
como Rua Melo Freire, Av. Conde de Frontin, Rua Luiz Ayres até a estação
Artur Alvim do Metrô.

A implantação dos Corredores Leste – Radial deve possibilitar e promover
conexões intermodais através de equipamentos que permitam e incentivem
a integração com outros modos de transporte, incluindo os sistemas
ferroviário, metroviário e o cicloviário.

Esses novos corredores, que estão sendo projetados pela São Paulo
Transporte – SPTrans – empresa responsável pelo gerenciamento e
operação do sistema de transporte por ônibus na cidade de São Paulo,

                                                                                      43
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012


          incorporam, em sua concepção, os conceitos do “Bus Rapid Transit (BRT)”
          para agilizar a operação, além de trazer alguns diferenciais que possuem
          o potencial para transformá-los em um novo padrão a ser seguido pela
          cidade.

          O conceito

          O Corredor terá faixa exclusiva à esquerda com pavimento rígido em toda
          a extensão e pavimento flexível nas demais faixas, nos dois sentidos.
          As plataformas terão altura de 28 cm ao longo de todo o Corredor, o número
          total de pontos de parada será de 19, sendo 8 paradas acessadas pela
          superfície, 11 paradas elevadas. Todas as paradas terão ultrapassagem.
          As paradas serão a cada 600 metros e contarão com cobrança de tarifa
          desembarcada.

          No viário e nas paradas, serão implantados rebaixamentos de calçada
          nas travessias de pedestres e, quando necessário, as calçadas serão
          recuperadas.

          As travessias de pedestres receberão iluminação. Todo o Corredor
          receberá sinalização semafórica sincronizada.

          Os diferenciais

          O desenvolvimento dos projetos das paradas deverá considerar a tarifação
          externa ao veículo com cobrança no acesso ao sistema, prevendo o
          isolamento físico através de vedos transparentes que permitam uma
          ventilação adequada e propiciem o uso de iluminação natural.

          Além dos módulos de embarque e desembarque e de passagem, em
          todas as paradas deverá ser prevista a implantação, entre outros, dos
          seguintes equipamentos atendendo completamente a todas as normas
          de acessibilidade e exigências da legislação trabalhista: bilheteria (de
          acordo com a demanda de cada parada), bloqueio através de catracas.
          As paradas com acesso por passarela deverão ter: bilheteria (de acordo
          com a demanda de cada parada, sanitários para funcionários (bilheteiros,
          fiscais, seguranças, etc.), sala de atendimento de emergência e segurança,
          depósito de materiais de limpeza).

          O Projeto de Informação ao Usuário de cada parada deverá contemplar
          todas as informações sobre as possibilidades de transferência, bem como
          orientações sobre os melhores trajetos no deslocamento entre as paradas.



44
Agilização da Operação dos Corredores e Terminais de Ônibus em São Paulo


a) Paradas em nível à esquerda na Radial Leste

Serão implantadas 8 paradas à esquerda na Radial Leste, junto ao canteiro
central.

Os acessos para essas paradas serão em nível e serão alcançadas por
meio de faixas de travessia de pedestres. Será atendido o disposto nas
normas NBR-9050, com o rebaixamento de guias nas travessias para
garantir acessibilidade aos usuários com mobilidade reduzida.

As paradas terão plataformas elevadas a h=0,28m, piso em ladrilho
hidráulico, piso podotátil de alerta e direcional, abrigos em estrutura
metálica, pavimento rígido tanto na faixa de aproximação como na de
ultrapassagem, iluminação, drenagem, sinalização, PMV’s.




             seção pretendida – parada em nível à esquerda

b)	 Paradas à esquerda com acesso por meio de passarelas

Serão implantadas 11 novas paradas à esquerda com acesso por meio
de passarelas metálicas.

O acesso para essas paradas será por elevadores, escadas rolantes e
escadas fixas. Serão atendidos os dispostos nas normas NBR-9050 /
NBR 13.994.

As paradas terão plataformas elevadas a h=0,28m, piso em ladrilho
hidráulico, piso podotátil de alerta e direcional, abrigos em estrutura
metálica, pavimento rígido tanto na faixa de aproximação como na de
ultrapassagem, iluminação, drenagem, sinalização, PMV’s.




                                                                                      45
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012




                seção pretendida – parada com acesso por passarela – 2 sentidos

          c) Matriz energética

          Todas as paradas serão providas de uma central de captação de energia
          fotovoltaica, instalada em sua cobertura que deverá abastecer a iluminação,
          complementar á iluminação natural, por lâmpadas de led.

          Além desta, também será captada energia cinética, através do movimento
          dos veículos no pavimento defronte às paradas.

          d) Portas das plataformas

          Em vidro temperado, as portas deslizantes, funcionarão mediante sistema
          de radiofrequência entre as portas dos ônibus e as portas de plataforma da
          estação. A abertura das portas se verificará de forma controlada.

          Este sistema incluirá: equipamento emissor de radiofrequência instalado no
          ônibus; equipamento receptor de radiofrequência instalado na plataforma;
          sinal luminoso de aviso para passageiros na abertura e fechamento de
          portas, sinal sonoro de aviso para passageiros na abertura e fechamento
          de portas; monitorização de abertura e fechamento das portas; botão
          de emergência para abertura individual de cada porta; semáforo verde-
          vermelho de sinalização de parada para o ônibus que indicará quando as
          portas de plataforma estão fechadas e consequentemente o ônibus pode
          partir com os passageiros em segurança.


46
Agilização da Operação dos Corredores e Terminais de Ônibus em São Paulo




               Modelo de porta da Wolpac, que poderá ser utilizado




                   Esquemático de transmissão de dados porta



CONCLUSÃO

O pré-embarque resolve bem o gargalo embarque-desembarque nos terminais
e nos corredores de ônibus o modelo do Corredor Leste Radial 1 e 2 também
é bastante eficiente trazendo mais conforto, segurança e agilidade ao sistema,
resta agora uma estudar uma solução que se mostre eficiente para aplicação
nos pontos de passagem que se encontrem fora de terminais e corredores
mas, isto será objeto de um outro estudo.




                                                                                          47
Radial Leste – Composição das Matrizes de Origem e
     Destino e Utilização do Eixo.


     José Aparecido Marques de Gouveia
     São Paulo Transporte S/A – SPTrans – DG/AST
     Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação e Receita
     Assessoria Técnica
     Rua Três de Dezembro, 34 – São Paulo SP- CEP 01014-020
     Fone (11) 3293-2721 – jose.gouveia@sptrans.com.br




     INTRODUÇÃO

     A Cidade de São Paulo está administrativamente dividida em trinta e uma
     subprefeituras, que são responsáveis por zelar pelos noventa e seis distritos
     que compõem o município.

     A população de São Paulo, estimada pelo INSTITUTO BRASILEIRO DE
     GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE em 2011, é de 10,6 milhões de
     habitantes, com uma densidade demográfica de 7,43 mil habitantes por
     quilômetro quadrado.

     Em 2010, a cidade foi apontada por aquele instituto como sendo a mais
     populosa do Estado e do Brasil, com 10,4 milhões.

     De acordo, ainda, com o IBGE, a área total do município é de 1,522 mil km²,
     nono maior em extensão territorial do país, e a sua área urbana, de 0,96 mil
     km², é a maior do país.

     A Zona Leste é composta por 11 subprefeituras, tem 329 km² de área, e cerca
     de 3,8 milhões de habitantes.

     A Radial Leste é a principal via de ligação de toda a região, iniciando-se no
     Centro, nas proximidades do Parque Dom Pedro II, e se estendendo até a
     Estação Guaianases, da CPTM, no extremo leste.




48
Radial Leste – Composição das matrizes de origem e destino e utilização do eixo.

OBJETIVO

O trabalho realizado baseou-se na agregação dos dados obtidos da utilização
do Bilhete Único. O objetivo foi fornecer as características de deslocamento
das viagens realizadas no Eixo da Radial Leste, incluindo as provenientes do
Metrô e da CPTM, com a elaboração de matrizes de viagens, considerando-se
os embarques e desembarques, para apoiar o planejamento de novo modelo
de transporte mais adequado para a região.

O estudo da composição das viagens realizadas no eixo ofereceu subsídios
aos técnicos, para elaboração do projeto de corredor exclusivo de ônibus para
a região. Os estudos proporcionaram, também, maior conhecimento da relação
entre os modais (Ônibus/Trilhos) e das características das viagens que têm
origem e destino antes do eixo Radial Leste.

METODOLOGIA, PROPOSIÇÃO E RESULTADO

Com o estabelecimento de um novo conceito metodológico, desenvolvido
pelos técnicos da SPTrans, foi possível identificar os eventos cotidianos
das origens e destinos das viagens por meio do uso do Bilhete Único. Esse
conceito consiste na análise de dados coletados através de dispositivos dos
equipamentos embarcados nos veículos da frota do transporte público.

Para melhor aproveitamento das informações obtidas através da integração
dos dados registrados pelos validadores com o uso do Bilhete Único - 13 (treze)
milhões de eventos registrados diariamente no Sistema de Bilhetagem Eletrônica
–SBE - e dos dados registrados pelos AVLs (Automatic Vehicle Location) -
14 (quatorze) milhões de eventos de localização, gerados diariamente pelos
15.000 (quinze mil) AVLs - foi desenvolvido um sistema inteligente de avaliação
das origens e destinos para a identificação/caracterização das viagens.

A composição dos resultados permitiu aprofundar o conhecimento das
características de deslocamento no eixo, bem como sua influência em outros
modais paralelos.

Critérios de composição do algoritmo:

•	   Definição da localização geográfica (latitude/longitude) da transação do
     bilhete único no validador do veículo de forma parametrizada, considerando
     a sua hora de utilização;
•	   Os eventos devem ter pelo menos 5 (cinco) minutos entre uma transação
     e outra;
•	   São agregados os passageiros que utilizam os bloqueios do Metrô/CPTM,
     bem como os do pré-embarque nos Terminais e Expresso Tiradentes;

                                                                                                49
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012


     •	   Tratamento das transações dos Bilhetes Especiais (Idosos, Mãe Paulistana,
          etc.);
     •	   Obtenção de matriz detalhada dos eventos do Bilhete Único por período.

     Resultados obtidos:

     •	   Base de informações associadas dos eventos de Bilhete Único com a
          posição geográfica do AVL, por tipo de uso;
     •	   Composição de base georeferenciada de todos os eventos do Bilhete
          Único;
     •	   Elaboração de Matrizes de eventos de Origem e Destino:
          - Distritais;
          - Setoriais;
          - Região;
          - Eixo viário.
     •	   Elaboração de mapas para estudo dos eventos por linha/local.

     Esse sistema tem por objetivo oferecer as informações de domínio das
     características de deslocamentos dos usuários do transporte coletivo (ônibus/
     trilhos), essenciais para o planejamento operacional e estratégico, bem como
     elaborar medidas preventivas diversas, entre elas contra possíveis fraudes na
     utilização do Bilhete Único.

     Conceitos utilizados para processamento dos dados:

     •	   Identificação dos eventos de pagamento de tarifa;
     •	   Associação da latitude e longitude do evento com base em informação do
          AVL;
     •	   Composição de matriz dos locais de embarque, considerando o primeiro
          evento de pagamento de tarifa realizado no período;
     •	   Composição de matriz dos locais de embarque final considerando o evento
          de pagamento de tarifa;
     •	   Compilação dos dados das matrizes de embarque e análise dos resultados
          obtidos das características das viagens.

     Através da análise das informações coletadas, é possível identificar as
     características das viagens realizadas em um determinado período (dia, faixa
     horária e etc.) e os recursos disponibilizados (veículos/oferta), identificando os
     resultados obtidos após implantações/ alterações na operação, bem como a
     caracterização de outros fatores que possam demandar ajustes operacionais.
     Para a realização do estudo de deslocamento (embarque/desembarque)
     dos passageiros que utilizam o eixo Radial Leste foi aplicada metodologia
     para a avaliação dos eventos ocorridos no local, e elaboração de modelo
     de demonstração dos volumes associados. Essa metodologia baseou-se na

50
Radial Leste – Composição das matrizes de origem e destino e utilização do eixo.


identificação de todos os eventos intermediários de embarques e desembarques
realizados nas integrações das viagens do eixo da Avenida Radial Leste.

O estudo oferece subsídios para o planejamento e dimensionamento de um
corredor com linhas expressas e semi-expressas, visando oferecer melhor
atendimento e proporcionar aumento de velocidade dos ônibus, para atender a
migração de demanda de outros modais (automóvel/motos) para o sistema de
transporte coletivo da região.

CONCEITO APLICADO NO PROCESSO

    a) Caracterização das linhas que utilizam o eixo Radial Leste

A metodologia utilizou o critério de distribuição por eixos de deslocamento
subdivididos por setores conforme apresentado na Figura 1:

O eixo principal, denominado “Eixo 1”, compreende toda a extensão da Radial
Leste, subdividido em 4 setores conforme demonstrado abaixo:

Setor 1 – (S1) Trecho entre as estações Corinthians-Itaquera e Penha do Metrô;
Setor 2 – (S2) Trecho entre as estações Penha e Tatuapé do Metrô;
Setor 3 – (S3) Trecho entre a estação Tatuapé e a Praça Kennedy;
Setor 4 – (S4) Trecho entre a Praça Kennedy até o Centro.

O segundo eixo a ser estudado, denominado “Eixo 2”, compreende toda a
extensão da Avenida Aricanduva, subdividido em 2 setores conforme abaixo:

Setor 1 - (S1) Trecho entre as proximidades de São Mateus e Terminal Carrão;
Setor 2 - (S2) Trecho entre as proximidades do Terminal Carrão até Av. Radial
Leste.




                  – Divisão dos eixos Radial Leste e Aricanduva


                                                                                               51
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012


          b) Seleção das linhas
     Na elaboração deste estudo foi adotado o critério de seleção de linhas que
     percorrem mais de 30% (trinta por cento) de cada setor designado (Tabela
     1). Essa seleção foi feita com base no percentual de sobreposição das linhas
     com cada setor a ser estudado, por meio de ferramenta de geoprocessamento
     (Mapinfo). Foram incluídas, nesse processo, as principais ligações das regiões
     Nordeste e Leste com destino ao Centro.

     Para o conhecimento do fluxo de viagens da região, além das linhas
     selecionadas foram avaliadas as linhas que integram o sistema Ônibus/Metrô e
     Ônibus/CPTM que percorrem o eixo avaliado (Tabela 2). Dentro desse contexto
     foram estudadas as ligações da região e as estações da CPTM situadas antes
     da região de Itaquera, ou seja, além da faixa de domínio da Linha 3 Vermelha
     do Metrô.
     Dados iniciais coletados:
     - Sistema ônibus:




     - Sistema Trilhos:




52
Radial Leste – Composição das matrizes de origem e destino e utilização do eixo.


- Linhas analisadas:




    c) Metodologia de análise por setor

Na execução do trabalho de análise por setor foram identificados os eventos
das 61 (sessenta e uma) linhas selecionadas, sendo classificados por sentido
de deslocamento (1 Ida e 2 Volta) e sua passagem em cada setor, conforme
exemplo descrito na Tabela 4, a seguir:




                                                                                               53
Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012


     As viagens dentro de cada setor foram analisadas da seguinte forma:

     •	   Embarques ocorridos antes do setor;
     •	   Desembarques ocorridos antes do setor;
     •	   Seguem viagem no setor;
     •	   Com origem no setor;
     •	   Integrando no setor;
     •	   Com destino no setor;
     •	   Seguem viagem ao próximo setor.

          d) Análise dos resultados – Matrizes

     •	   Avaliação do Eixo CPTM/Metrô

     No processo de estudo das linhas que integram a rede Metrô/CPTM foram
     incluídos os eventos do Bilhete Único nos bloqueios das estações. Dessa
     forma foi possível verificar, além das integrações, as origens “lindeiras” nesses
     sistemas.




                       Disposição das Estações de Metrô/CPTM por Setor

     PRINCIPAIS RESULTADOS

     Na análise da agregação dos dados obtidos em cada setor, foram obtidos os
     seguintes resultados, classificados e apresentados na tabela 5, a seguir:

     •	   Análise das viagens realizadas com a utilização do Bilhete Único no Metrô/
          CPTM.




54
Uso do Bilhete Único nas Estações do Metrô/CPTM até Sé

     Os passageiros que pagam tarifa nos trilhos com bilhetes magnéticos do
      tipo “Edmonson”, que correspondem a 19% do volume de passageiros
       transportados nos trilhos, não estão contabilizados nos dados acima.
                                                                              Radial Leste – Composição das matrizes de origem e destino e utilização do eixo.




55
56
                                                                           Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012




           Utilização do Bilhete Único nas Estações de Metrô/CPTM até Sé

     Gráfico dos embarques de passageiros das estações do Metrô e CPTM,
                 contabilizados através do uso do Bilhete Único.
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01
Revista Técnica SPTrans nº01

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminario Nacional de Iniciação à Vida Crista - CATEQUESE E SITUAÇÕES ESPECIAIS
Seminario Nacional de Iniciação à Vida Crista - CATEQUESE E SITUAÇÕES ESPECIAIS Seminario Nacional de Iniciação à Vida Crista - CATEQUESE E SITUAÇÕES ESPECIAIS
Seminario Nacional de Iniciação à Vida Crista - CATEQUESE E SITUAÇÕES ESPECIAIS
Liana Plentz
 
Kids em missão
Kids em missãoKids em missão
Kids em missão
comunicacaopjcl
 
Feliz Natal
Feliz NatalFeliz Natal
Feliz Natal
Natália Borges
 
Transportes fluviais
Transportes fluviaisTransportes fluviais
Transportes fluviais
Lena Ferreira
 
União Europeia /Portugal na Europa
União Europeia /Portugal na Europa União Europeia /Portugal na Europa
União Europeia /Portugal na Europa
Ruben Marinho
 
Case o boticário
Case o boticárioCase o boticário
Case o boticário
Franciene Pereira
 
Folheto-litúrgico-29.03.21-Segunda-feira-da-Semana-Santa-Celebração-das-Sete-...
Folheto-litúrgico-29.03.21-Segunda-feira-da-Semana-Santa-Celebração-das-Sete-...Folheto-litúrgico-29.03.21-Segunda-feira-da-Semana-Santa-Celebração-das-Sete-...
Folheto-litúrgico-29.03.21-Segunda-feira-da-Semana-Santa-Celebração-das-Sete-...
PlayGata
 
Comércio tradicional vs Centros comerciais
Comércio tradicional vs Centros comerciaisComércio tradicional vs Centros comerciais
Comércio tradicional vs Centros comerciais
David Carvalho
 
4 P'S PRODUTO PREÇO PRAÇA PROMOÇÃO
4 P'S PRODUTO PREÇO PRAÇA PROMOÇÃO4 P'S PRODUTO PREÇO PRAÇA PROMOÇÃO
4 P'S PRODUTO PREÇO PRAÇA PROMOÇÃO
Camila Nunes
 
nOÇÃO E FORMAS DE INTEGRAÇÃO ECONÓMICA
nOÇÃO E FORMAS DE INTEGRAÇÃO ECONÓMICAnOÇÃO E FORMAS DE INTEGRAÇÃO ECONÓMICA
nOÇÃO E FORMAS DE INTEGRAÇÃO ECONÓMICA
ffcanario
 
Plano Municipal pela Primeira Infância - Guia para elaboração / nova edição
Plano Municipal pela Primeira Infância - Guia para elaboração / nova edição Plano Municipal pela Primeira Infância - Guia para elaboração / nova edição
Plano Municipal pela Primeira Infância - Guia para elaboração / nova edição
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
A historia da minha familia
A historia da minha familiaA historia da minha familia
A historia da minha familia
carlinneadames
 
Apresentacao Como Funciona A Uniao Europeia
Apresentacao Como Funciona A Uniao EuropeiaApresentacao Como Funciona A Uniao Europeia
Apresentacao Como Funciona A Uniao Europeia
Rute Moedas da Silva
 
Oferecimento terço
Oferecimento terçoOferecimento terço
Oferecimento terço
Adriano Marcos Nascimento
 
Lenda padeira de aljubarrota.pps - Diogo Silva, 11.ºB
Lenda padeira de aljubarrota.pps - Diogo Silva, 11.ºBLenda padeira de aljubarrota.pps - Diogo Silva, 11.ºB
Lenda padeira de aljubarrota.pps - Diogo Silva, 11.ºB
mundonovoesds
 
Carta de agradecimento: Obrigada às famílias barraconenses e cerqueirenses pe...
Carta de agradecimento: Obrigada às famílias barraconenses e cerqueirenses pe...Carta de agradecimento: Obrigada às famílias barraconenses e cerqueirenses pe...
Carta de agradecimento: Obrigada às famílias barraconenses e cerqueirenses pe...
Portal Tri Noticias
 
365 motivos para te amar tutoracraft
365 motivos para te amar tutoracraft365 motivos para te amar tutoracraft
365 motivos para te amar tutoracraft
Bruna Vieira
 
Caderno poemas português
Caderno poemas portuguêsCaderno poemas português
Caderno poemas português
Biblioteca Esbocage
 
Capitais paises de ue
Capitais paises de ueCapitais paises de ue
Capitais paises de ue
Bernardo Dinis
 
Ramos Horta
Ramos HortaRamos Horta
Ramos Horta
Em Dormir
 

Mais procurados (20)

Seminario Nacional de Iniciação à Vida Crista - CATEQUESE E SITUAÇÕES ESPECIAIS
Seminario Nacional de Iniciação à Vida Crista - CATEQUESE E SITUAÇÕES ESPECIAIS Seminario Nacional de Iniciação à Vida Crista - CATEQUESE E SITUAÇÕES ESPECIAIS
Seminario Nacional de Iniciação à Vida Crista - CATEQUESE E SITUAÇÕES ESPECIAIS
 
Kids em missão
Kids em missãoKids em missão
Kids em missão
 
Feliz Natal
Feliz NatalFeliz Natal
Feliz Natal
 
Transportes fluviais
Transportes fluviaisTransportes fluviais
Transportes fluviais
 
União Europeia /Portugal na Europa
União Europeia /Portugal na Europa União Europeia /Portugal na Europa
União Europeia /Portugal na Europa
 
Case o boticário
Case o boticárioCase o boticário
Case o boticário
 
Folheto-litúrgico-29.03.21-Segunda-feira-da-Semana-Santa-Celebração-das-Sete-...
Folheto-litúrgico-29.03.21-Segunda-feira-da-Semana-Santa-Celebração-das-Sete-...Folheto-litúrgico-29.03.21-Segunda-feira-da-Semana-Santa-Celebração-das-Sete-...
Folheto-litúrgico-29.03.21-Segunda-feira-da-Semana-Santa-Celebração-das-Sete-...
 
Comércio tradicional vs Centros comerciais
Comércio tradicional vs Centros comerciaisComércio tradicional vs Centros comerciais
Comércio tradicional vs Centros comerciais
 
4 P'S PRODUTO PREÇO PRAÇA PROMOÇÃO
4 P'S PRODUTO PREÇO PRAÇA PROMOÇÃO4 P'S PRODUTO PREÇO PRAÇA PROMOÇÃO
4 P'S PRODUTO PREÇO PRAÇA PROMOÇÃO
 
nOÇÃO E FORMAS DE INTEGRAÇÃO ECONÓMICA
nOÇÃO E FORMAS DE INTEGRAÇÃO ECONÓMICAnOÇÃO E FORMAS DE INTEGRAÇÃO ECONÓMICA
nOÇÃO E FORMAS DE INTEGRAÇÃO ECONÓMICA
 
Plano Municipal pela Primeira Infância - Guia para elaboração / nova edição
Plano Municipal pela Primeira Infância - Guia para elaboração / nova edição Plano Municipal pela Primeira Infância - Guia para elaboração / nova edição
Plano Municipal pela Primeira Infância - Guia para elaboração / nova edição
 
A historia da minha familia
A historia da minha familiaA historia da minha familia
A historia da minha familia
 
Apresentacao Como Funciona A Uniao Europeia
Apresentacao Como Funciona A Uniao EuropeiaApresentacao Como Funciona A Uniao Europeia
Apresentacao Como Funciona A Uniao Europeia
 
Oferecimento terço
Oferecimento terçoOferecimento terço
Oferecimento terço
 
Lenda padeira de aljubarrota.pps - Diogo Silva, 11.ºB
Lenda padeira de aljubarrota.pps - Diogo Silva, 11.ºBLenda padeira de aljubarrota.pps - Diogo Silva, 11.ºB
Lenda padeira de aljubarrota.pps - Diogo Silva, 11.ºB
 
Carta de agradecimento: Obrigada às famílias barraconenses e cerqueirenses pe...
Carta de agradecimento: Obrigada às famílias barraconenses e cerqueirenses pe...Carta de agradecimento: Obrigada às famílias barraconenses e cerqueirenses pe...
Carta de agradecimento: Obrigada às famílias barraconenses e cerqueirenses pe...
 
365 motivos para te amar tutoracraft
365 motivos para te amar tutoracraft365 motivos para te amar tutoracraft
365 motivos para te amar tutoracraft
 
Caderno poemas português
Caderno poemas portuguêsCaderno poemas português
Caderno poemas português
 
Capitais paises de ue
Capitais paises de ueCapitais paises de ue
Capitais paises de ue
 
Ramos Horta
Ramos HortaRamos Horta
Ramos Horta
 

Destaque

Coletivo revista técnica da sp trans - nº0
Coletivo   revista técnica da sp trans - nº0Coletivo   revista técnica da sp trans - nº0
Coletivo revista técnica da sp trans - nº0
trans_smt
 
Manual de Identidade Visual
Manual de Identidade VisualManual de Identidade Visual
Manual de Identidade Visual
trans_smt
 
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...
trans_smt
 
Planos de transporte
Planos de transportePlanos de transporte
Planos de transporte
trans_smt
 
ANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTES
ANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTESANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTES
ANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTES
trans_smt
 
ANEXO VII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA SPTRANS
ANEXO VII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA SPTRANSANEXO VII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA SPTRANS
ANEXO VII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA SPTRANS
trans_smt
 
Referensi
ReferensiReferensi
Informativo mensal abril11 permissão
Informativo mensal abril11 permissãoInformativo mensal abril11 permissão
Informativo mensal abril11 permissão
streetshakaw
 
ANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTE
ANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTEANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTE
ANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTE
trans_smt
 
Transportes Metropolitanos SP 2014 (Números, problemas e possíveis soluções)
Transportes Metropolitanos SP   2014 (Números, problemas e possíveis soluções)Transportes Metropolitanos SP   2014 (Números, problemas e possíveis soluções)
Transportes Metropolitanos SP 2014 (Números, problemas e possíveis soluções)
Wellinton Augusto
 
Apresentação 4º período pesquisa de campo
Apresentação 4º período pesquisa de campoApresentação 4º período pesquisa de campo
Apresentação 4º período pesquisa de campo
Cristina Trindade
 
Ana Rosa Chopard Bonilauri - FETRANSPOR - Programas de Capacitación de FETRAN...
Ana Rosa Chopard Bonilauri - FETRANSPOR - Programas de Capacitación de FETRAN...Ana Rosa Chopard Bonilauri - FETRANSPOR - Programas de Capacitación de FETRAN...
Ana Rosa Chopard Bonilauri - FETRANSPOR - Programas de Capacitación de FETRAN...
Fagner Glinski
 
Cartilha transito
Cartilha transitoCartilha transito
Cartilha transito
Daia Dizielle
 
Manual do Condutor - LM Transportes
Manual do Condutor - LM TransportesManual do Condutor - LM Transportes
Manual do Condutor - LM Transportes
LM Frotas
 
Manual de integração Ecoimagem
Manual de integração EcoimagemManual de integração Ecoimagem
Manual de integração Ecoimagem
Lilian Vavassori
 
Sistema de ônibus da cidade do Rio de Janeiro
Sistema de ônibus da cidade do Rio de JaneiroSistema de ônibus da cidade do Rio de Janeiro
Sistema de ônibus da cidade do Rio de Janeiro
Rio Ônibus Informa
 
Manual de apresentação novos colaboradores - google docs
Manual de apresentação   novos colaboradores - google docsManual de apresentação   novos colaboradores - google docs
Manual de apresentação novos colaboradores - google docs
proriso
 
Guia do-colaborador-m3-apl
Guia do-colaborador-m3-aplGuia do-colaborador-m3-apl
Guia do-colaborador-m3-apl
Elisandra Ribeiro Carvalho
 
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Sergio Silva
 
Integração Treinamento Colaboradores
Integração Treinamento ColaboradoresIntegração Treinamento Colaboradores
Integração Treinamento Colaboradores
SINDILOJAS POA
 

Destaque (20)

Coletivo revista técnica da sp trans - nº0
Coletivo   revista técnica da sp trans - nº0Coletivo   revista técnica da sp trans - nº0
Coletivo revista técnica da sp trans - nº0
 
Manual de Identidade Visual
Manual de Identidade VisualManual de Identidade Visual
Manual de Identidade Visual
 
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...
RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DOS CORREDORES EXCLUSIVOS DE ...
 
Planos de transporte
Planos de transportePlanos de transporte
Planos de transporte
 
ANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTES
ANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTESANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTES
ANEXO V - PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE ACIDENTES
 
ANEXO VII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA SPTRANS
ANEXO VII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA SPTRANSANEXO VII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA SPTRANS
ANEXO VII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA SPTRANS
 
Referensi
ReferensiReferensi
Referensi
 
Informativo mensal abril11 permissão
Informativo mensal abril11 permissãoInformativo mensal abril11 permissão
Informativo mensal abril11 permissão
 
ANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTE
ANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTEANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTE
ANEXO VIII - DADOS DA MICROSSIMULAÇÃO DA CONSULTORIA INDEPENDENTE
 
Transportes Metropolitanos SP 2014 (Números, problemas e possíveis soluções)
Transportes Metropolitanos SP   2014 (Números, problemas e possíveis soluções)Transportes Metropolitanos SP   2014 (Números, problemas e possíveis soluções)
Transportes Metropolitanos SP 2014 (Números, problemas e possíveis soluções)
 
Apresentação 4º período pesquisa de campo
Apresentação 4º período pesquisa de campoApresentação 4º período pesquisa de campo
Apresentação 4º período pesquisa de campo
 
Ana Rosa Chopard Bonilauri - FETRANSPOR - Programas de Capacitación de FETRAN...
Ana Rosa Chopard Bonilauri - FETRANSPOR - Programas de Capacitación de FETRAN...Ana Rosa Chopard Bonilauri - FETRANSPOR - Programas de Capacitación de FETRAN...
Ana Rosa Chopard Bonilauri - FETRANSPOR - Programas de Capacitación de FETRAN...
 
Cartilha transito
Cartilha transitoCartilha transito
Cartilha transito
 
Manual do Condutor - LM Transportes
Manual do Condutor - LM TransportesManual do Condutor - LM Transportes
Manual do Condutor - LM Transportes
 
Manual de integração Ecoimagem
Manual de integração EcoimagemManual de integração Ecoimagem
Manual de integração Ecoimagem
 
Sistema de ônibus da cidade do Rio de Janeiro
Sistema de ônibus da cidade do Rio de JaneiroSistema de ônibus da cidade do Rio de Janeiro
Sistema de ônibus da cidade do Rio de Janeiro
 
Manual de apresentação novos colaboradores - google docs
Manual de apresentação   novos colaboradores - google docsManual de apresentação   novos colaboradores - google docs
Manual de apresentação novos colaboradores - google docs
 
Guia do-colaborador-m3-apl
Guia do-colaborador-m3-aplGuia do-colaborador-m3-apl
Guia do-colaborador-m3-apl
 
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
 
Integração Treinamento Colaboradores
Integração Treinamento ColaboradoresIntegração Treinamento Colaboradores
Integração Treinamento Colaboradores
 

Semelhante a Revista Técnica SPTrans nº01

Plano Cicloviário vol01_rev01
Plano Cicloviário vol01_rev01Plano Cicloviário vol01_rev01
Plano Cicloviário vol01_rev01
wilson firmo
 
Revista Florianópolis
Revista FlorianópolisRevista Florianópolis
Revista Florianópolis
Guilherme Coelho
 
Mobilidade urbana - Colégio Mlobato
Mobilidade urbana - Colégio MlobatoMobilidade urbana - Colégio Mlobato
Mobilidade urbana - Colégio Mlobato
Isabel Cabral
 
Envolverde - Dia sem carro
Envolverde - Dia sem carroEnvolverde - Dia sem carro
Envolverde - Dia sem carro
Fabricio
 
STUB - Transportes Urbanos de Braganca
STUB - Transportes Urbanos de BragancaSTUB - Transportes Urbanos de Braganca
STUB - Transportes Urbanos de Braganca
Vitor Pereira
 
Programa de governo_final
Programa de governo_finalPrograma de governo_final
Programa de governo_final
Sonia Francine
 
Anp trilhos balanco 2012-2013
Anp trilhos balanco 2012-2013Anp trilhos balanco 2012-2013
Anp trilhos balanco 2012-2013
Roberta Soares
 
Anp trilhos balanco 2012-2013
Anp trilhos balanco 2012-2013Anp trilhos balanco 2012-2013
Anp trilhos balanco 2012-2013
Roberta Soares
 
Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]
Blendon Mendonça
 
Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]
Blendon Mendonça
 
Mobilidade: uma visão metropolitana
Mobilidade: uma visão metropolitanaMobilidade: uma visão metropolitana
Mobilidade: uma visão metropolitana
JSD Distrital de Lisboa
 
Unidade 04
Unidade 04Unidade 04
Unidade 04
Raimunda Sampaio
 
Eixo mobilidade urbana_pcs
Eixo mobilidade urbana_pcsEixo mobilidade urbana_pcs
Eixo mobilidade urbana_pcs
matheus gabriel barbosa
 
ANTEPROJETO DE INTERVENÇÃO E MOBILIDADE URBANA NA CIDADE DO NATAL
ANTEPROJETO DE INTERVENÇÃO E MOBILIDADE URBANA NA CIDADE DO NATALANTEPROJETO DE INTERVENÇÃO E MOBILIDADE URBANA NA CIDADE DO NATAL
ANTEPROJETO DE INTERVENÇÃO E MOBILIDADE URBANA NA CIDADE DO NATAL
Manoel Fagundes
 
Vida e morte das rodovias urbanas
Vida e morte das rodovias urbanasVida e morte das rodovias urbanas
Vida e morte das rodovias urbanas
Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
 
Mobilidade Urbana - Um estudo sobre o transporte público na Zona Leste de São...
Mobilidade Urbana - Um estudo sobre o transporte público na Zona Leste de São...Mobilidade Urbana - Um estudo sobre o transporte público na Zona Leste de São...
Mobilidade Urbana - Um estudo sobre o transporte público na Zona Leste de São...
Diego-Soares
 
Mobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
Mobilidade  Urbana Sustentável - UnipalmaresMobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
Mobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
Chico Macena
 
Projeto de HidroTrem como Transporte Público
Projeto de HidroTrem como Transporte PúblicoProjeto de HidroTrem como Transporte Público
Projeto de HidroTrem como Transporte Público
Hilton Menezes
 
Luiz cortez na III Semana Saude e Meio Ambiente Santa Marcelina
Luiz cortez na III Semana Saude e Meio Ambiente Santa MarcelinaLuiz cortez na III Semana Saude e Meio Ambiente Santa Marcelina
Luiz cortez na III Semana Saude e Meio Ambiente Santa Marcelina
SantaMarcelinaMeioAmbiente
 
Proposta Ribeirao pires
Proposta Ribeirao piresProposta Ribeirao pires
Proposta Ribeirao pires
Mayara Virgulino de Oliveira
 

Semelhante a Revista Técnica SPTrans nº01 (20)

Plano Cicloviário vol01_rev01
Plano Cicloviário vol01_rev01Plano Cicloviário vol01_rev01
Plano Cicloviário vol01_rev01
 
Revista Florianópolis
Revista FlorianópolisRevista Florianópolis
Revista Florianópolis
 
Mobilidade urbana - Colégio Mlobato
Mobilidade urbana - Colégio MlobatoMobilidade urbana - Colégio Mlobato
Mobilidade urbana - Colégio Mlobato
 
Envolverde - Dia sem carro
Envolverde - Dia sem carroEnvolverde - Dia sem carro
Envolverde - Dia sem carro
 
STUB - Transportes Urbanos de Braganca
STUB - Transportes Urbanos de BragancaSTUB - Transportes Urbanos de Braganca
STUB - Transportes Urbanos de Braganca
 
Programa de governo_final
Programa de governo_finalPrograma de governo_final
Programa de governo_final
 
Anp trilhos balanco 2012-2013
Anp trilhos balanco 2012-2013Anp trilhos balanco 2012-2013
Anp trilhos balanco 2012-2013
 
Anp trilhos balanco 2012-2013
Anp trilhos balanco 2012-2013Anp trilhos balanco 2012-2013
Anp trilhos balanco 2012-2013
 
Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]
 
Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]Mobilidade urbana [reparado]
Mobilidade urbana [reparado]
 
Mobilidade: uma visão metropolitana
Mobilidade: uma visão metropolitanaMobilidade: uma visão metropolitana
Mobilidade: uma visão metropolitana
 
Unidade 04
Unidade 04Unidade 04
Unidade 04
 
Eixo mobilidade urbana_pcs
Eixo mobilidade urbana_pcsEixo mobilidade urbana_pcs
Eixo mobilidade urbana_pcs
 
ANTEPROJETO DE INTERVENÇÃO E MOBILIDADE URBANA NA CIDADE DO NATAL
ANTEPROJETO DE INTERVENÇÃO E MOBILIDADE URBANA NA CIDADE DO NATALANTEPROJETO DE INTERVENÇÃO E MOBILIDADE URBANA NA CIDADE DO NATAL
ANTEPROJETO DE INTERVENÇÃO E MOBILIDADE URBANA NA CIDADE DO NATAL
 
Vida e morte das rodovias urbanas
Vida e morte das rodovias urbanasVida e morte das rodovias urbanas
Vida e morte das rodovias urbanas
 
Mobilidade Urbana - Um estudo sobre o transporte público na Zona Leste de São...
Mobilidade Urbana - Um estudo sobre o transporte público na Zona Leste de São...Mobilidade Urbana - Um estudo sobre o transporte público na Zona Leste de São...
Mobilidade Urbana - Um estudo sobre o transporte público na Zona Leste de São...
 
Mobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
Mobilidade  Urbana Sustentável - UnipalmaresMobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
Mobilidade  Urbana Sustentável - Unipalmares
 
Projeto de HidroTrem como Transporte Público
Projeto de HidroTrem como Transporte PúblicoProjeto de HidroTrem como Transporte Público
Projeto de HidroTrem como Transporte Público
 
Luiz cortez na III Semana Saude e Meio Ambiente Santa Marcelina
Luiz cortez na III Semana Saude e Meio Ambiente Santa MarcelinaLuiz cortez na III Semana Saude e Meio Ambiente Santa Marcelina
Luiz cortez na III Semana Saude e Meio Ambiente Santa Marcelina
 
Proposta Ribeirao pires
Proposta Ribeirao piresProposta Ribeirao pires
Proposta Ribeirao pires
 

Mais de trans_smt

Plano Diretor Estratégico-CMTT
Plano Diretor Estratégico-CMTTPlano Diretor Estratégico-CMTT
Plano Diretor Estratégico-CMTT
trans_smt
 
Anexo i introd sistema integrado
Anexo i introd sistema integradoAnexo i introd sistema integrado
Anexo i introd sistema integrado
trans_smt
 
Livro Ecofrota
Livro EcofrotaLivro Ecofrota
Livro Ecofrota
trans_smt
 
Apres zmrc antp 2011
Apres zmrc antp 2011Apres zmrc antp 2011
Apres zmrc antp 2011
trans_smt
 
Apresentacao antp zmrf 2011
Apresentacao antp zmrf 2011Apresentacao antp zmrf 2011
Apresentacao antp zmrf 2011
trans_smt
 
Caracterizacao urbana m_boi
Caracterizacao  urbana m_boiCaracterizacao  urbana m_boi
Caracterizacao urbana m_boi
trans_smt
 
Conquistas e desafios na educacao
Conquistas e desafios na educacaoConquistas e desafios na educacao
Conquistas e desafios na educacao
trans_smt
 
Antp vuc
Antp vucAntp vuc
Antp vuc
trans_smt
 
Educacao para o transito instrumento para ed ambiental
Educacao para o transito  instrumento para ed ambientalEducacao para o transito  instrumento para ed ambiental
Educacao para o transito instrumento para ed ambiental
trans_smt
 
Educacao a distacia
Educacao a distaciaEducacao a distacia
Educacao a distacia
trans_smt
 
Pólos Geradores de Tráfego
Pólos Geradores de TráfegoPólos Geradores de Tráfego
Pólos Geradores de Tráfego
trans_smt
 
Educação de Trânsito em Redes Sociais
Educação de Trânsito em Redes SociaisEducação de Trânsito em Redes Sociais
Educação de Trânsito em Redes Sociais
trans_smt
 
Sistemas automáticos de fiscalização de trânsito
Sistemas automáticos de fiscalização de trânsitoSistemas automáticos de fiscalização de trânsito
Sistemas automáticos de fiscalização de trânsito
trans_smt
 
Segurança de Motociclistas no Trânsito
Segurança de Motociclistas no TrânsitoSegurança de Motociclistas no Trânsito
Segurança de Motociclistas no Trânsito
trans_smt
 
Defesa da Autuação
Defesa da AutuaçãoDefesa da Autuação
Defesa da Autuação
trans_smt
 
Educação de Trânsito para Motociclistas
Educação de Trânsito para MotociclistasEducação de Trânsito para Motociclistas
Educação de Trânsito para Motociclistas
trans_smt
 
Impacto de Melhorias Viárias e Medidas de Circulação em São Paulo
Impacto de Melhorias Viárias e Medidas de Circulação em São PauloImpacto de Melhorias Viárias e Medidas de Circulação em São Paulo
Impacto de Melhorias Viárias e Medidas de Circulação em São Paulo
trans_smt
 
Ciclofaixa Operacional entre Parques
Ciclofaixa Operacional entre ParquesCiclofaixa Operacional entre Parques
Ciclofaixa Operacional entre Parques
trans_smt
 
Apresentacao antp jari
Apresentacao antp jariApresentacao antp jari
Apresentacao antp jari
trans_smt
 
Circuito de compras antp2011 v3
Circuito de compras antp2011 v3Circuito de compras antp2011 v3
Circuito de compras antp2011 v3
trans_smt
 

Mais de trans_smt (20)

Plano Diretor Estratégico-CMTT
Plano Diretor Estratégico-CMTTPlano Diretor Estratégico-CMTT
Plano Diretor Estratégico-CMTT
 
Anexo i introd sistema integrado
Anexo i introd sistema integradoAnexo i introd sistema integrado
Anexo i introd sistema integrado
 
Livro Ecofrota
Livro EcofrotaLivro Ecofrota
Livro Ecofrota
 
Apres zmrc antp 2011
Apres zmrc antp 2011Apres zmrc antp 2011
Apres zmrc antp 2011
 
Apresentacao antp zmrf 2011
Apresentacao antp zmrf 2011Apresentacao antp zmrf 2011
Apresentacao antp zmrf 2011
 
Caracterizacao urbana m_boi
Caracterizacao  urbana m_boiCaracterizacao  urbana m_boi
Caracterizacao urbana m_boi
 
Conquistas e desafios na educacao
Conquistas e desafios na educacaoConquistas e desafios na educacao
Conquistas e desafios na educacao
 
Antp vuc
Antp vucAntp vuc
Antp vuc
 
Educacao para o transito instrumento para ed ambiental
Educacao para o transito  instrumento para ed ambientalEducacao para o transito  instrumento para ed ambiental
Educacao para o transito instrumento para ed ambiental
 
Educacao a distacia
Educacao a distaciaEducacao a distacia
Educacao a distacia
 
Pólos Geradores de Tráfego
Pólos Geradores de TráfegoPólos Geradores de Tráfego
Pólos Geradores de Tráfego
 
Educação de Trânsito em Redes Sociais
Educação de Trânsito em Redes SociaisEducação de Trânsito em Redes Sociais
Educação de Trânsito em Redes Sociais
 
Sistemas automáticos de fiscalização de trânsito
Sistemas automáticos de fiscalização de trânsitoSistemas automáticos de fiscalização de trânsito
Sistemas automáticos de fiscalização de trânsito
 
Segurança de Motociclistas no Trânsito
Segurança de Motociclistas no TrânsitoSegurança de Motociclistas no Trânsito
Segurança de Motociclistas no Trânsito
 
Defesa da Autuação
Defesa da AutuaçãoDefesa da Autuação
Defesa da Autuação
 
Educação de Trânsito para Motociclistas
Educação de Trânsito para MotociclistasEducação de Trânsito para Motociclistas
Educação de Trânsito para Motociclistas
 
Impacto de Melhorias Viárias e Medidas de Circulação em São Paulo
Impacto de Melhorias Viárias e Medidas de Circulação em São PauloImpacto de Melhorias Viárias e Medidas de Circulação em São Paulo
Impacto de Melhorias Viárias e Medidas de Circulação em São Paulo
 
Ciclofaixa Operacional entre Parques
Ciclofaixa Operacional entre ParquesCiclofaixa Operacional entre Parques
Ciclofaixa Operacional entre Parques
 
Apresentacao antp jari
Apresentacao antp jariApresentacao antp jari
Apresentacao antp jari
 
Circuito de compras antp2011 v3
Circuito de compras antp2011 v3Circuito de compras antp2011 v3
Circuito de compras antp2011 v3
 

Revista Técnica SPTrans nº01

  • 1.
  • 2. A São Paulo Transporte – SPTrans Os números do transporte coletivo municipal em São Paulo são surpreendentes. O transporte por ônibus responde por cerca de 2/3 das viagens coletivas. São, em média, 6,5 milhões de passageiros/dia, que têm à disposição 15 mil ônibus, 1.300 linhas, 10 corredores, 28 terminais, mais de 8.700 veículos da frota acessíveis, mais de 380 veículos do Atende, 15 mil equipamentos de GPS e 500 câmeras no SIM – Sistema Integrado de Monitoramento. Além disso, a cidade tem uma das frotas mais novas do Brasil. Para gerenciar esse sistema, a Prefeitura de São Paulo e a Secretaria Municipal de Transportes contam com a SPTrans, empresa de economia mista, responsável pela gestão do transporte na cidade.
  • 3.
  • 4.
  • 5. Coletivo Revista Técnica da SPTrans Publicação da São Paulo Transporte S.A. – SPTrans, destinada a difundir informações e estudos sobre transporte público de passageiros, trânsito e mobilidade urbana. Responsável: Gerência de Marketing - SPTrans Editores: Alexandre Pelegi, Diana Sampaio e Fausto Barbaresco Concepção da Capa: Adorismar Costa e Fausto Barbaresco Foto Capa: Elisa Rodrigues Secretária de Edição: Fabiana Saraiva Martins Costa e Maria Palmira Mançano Edição Gráfica: José Eulálio Soares dos Santos e William Ramler Informações e contribuições: marketing@sptrans.com.br Gerência de Marketing - SPTrans Rua Boa Vista, 236 – 7º andar Centro – São Paulo – SP – CEP: 01014-000 São Paulo, dezembro de 2012 Número Um
  • 6. Sumário Sumário 4 Apresentação Marcelo Cardinale Branco Secretário Municipal de Transporte de São Paulo e Presidente da SPTrans 6 A Prioridade para o Transporte Público Irineu Gnecco Filho 12 A Cidade, o Tempo e os Transportes Públicos Christina Maria De Marchiori Borges 18 O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo Ivan Metran Whately 34 Seccionamento de Linhas de Ônibus Pedro Luiz de Brito Machado 40 Agilização da Operação dos Corredores e Terminais de Ônibus em São Paulo Angelo Fêde, Gilberto Teixeira. Wilma Xavier dos Santos e Caio Vinicius de Melo Paiva Ferreira 48 Radial Leste – Composição das Matrizes de Origem e Destino e Utilização do Eixo José Aparecido Marques de Gouveia 64 Uma Cidade mais Colorida Marcio Rodrigues Alves Schettino 76 Sobrevida ao Trólebus a favor da Qualidade de Vida Simão Saura Neto 78 Resgate do Sistema Eletrificado de Transporte, Bonde e Trólebus, Para Mitigação da Poluição Atmosférica da Cidade de São Paulo Alferes Soares Alves 114 Convivendo com a Bicicleta Vera Lucia Wiezel Ban
  • 7. Sumário 120 Olho Vivo – Sistema de Informação On-line ao Usuário do Transporte Coletivo na Cidade de São Paulo Mauricio Lima Ferreira 146 O Bilhete Único no Celular – O Futuro cada vez mais perto José Aécio de Sousa 152 SPTrans na Era das Mídias Sociais Alexandre Pelegi e Lana Dias 162 Jornal do Ônibus como forma de Comunicação com o Usuário Cilene Cabral e Fausto Barbaresco 181 Referências Bibliográficas
  • 8. Apresentação A revista Coletivo chega a seu novo número. E apesar do prazo dilatado em relação à edição anterior, tal fato deve ser comemorado como uma nova conquista: conseguimos uma nova edição, com novos artigos e, com certeza, o mesmo sucesso alcançado pela edição inaugural. Resultado do trabalho árduo e cada vez mais especializado dos técnicos da SPTrans, esta edição garante aquilo que propunha ao ser lançada: divulgar e estimular o estudo técnico dos problemas que recorrentemente preocupam o setor de transporte público. Em janeiro de 2012 foi publicada a Lei 12.587, que instituiu a Política Nacional de Mobilidade Urbana. Garantindo os princípios, as diretrizes e os objetivos da mobilidade nas cidades, ela se tornou, mais que um desafio, uma direção para quem se aplica na gestão dos transportes municipais. Temas candentes como acessibilidade universal, equidade no acesso dos cidadãos ao transporte público coletivo, além da eficiência, eficácia e efetividade dos serviços de transporte urbano e da circulação urbana, passaram a pautar doravante o esforço dos técnicos em tornar realidade o espírito da Lei. Talvez um dos maiores dilemas seja tornar possível a equidade no uso do espaço público de circulação, vias e logradouros. Priorizar o transporte das pessoas, ao invés dos veículos. Tenho certeza de que esta revista, assim como a anterior e as outras que seguramente virão, trarão boas e criativas sugestões, além de soluções para a maior parte dos desafios propostos pela Lei 12.587. Minha convicção é a de que toda esta riqueza de proposituras advém de décadas de experiências de uma equipe técnica cujas conquistas são diretamente proporcionais ao tamanho dos problemas que a metrópole paulistana enfrenta diuturnamente. Não à toa, a SPTrans tornou-se paradigma para todos os que cuidam da gestão de Transportes Públicos no país. Marcelo Cardinale Branco Secretário Municipal de Transporte de São Paulo e Presidente da SPTrans 4
  • 9. 5
  • 10. A Prioridade para o Transporte Público Irineu Gnecco Filho Companhia de Engenharia de Tráfego Diretoria de Planejamento e Educação de Trânsito Diretor Rua Barão de Itapetininga, 18 -12º andar –São Paulo SP – CEP 01042-000 Fone (11) 3396-8306 – dp@cetsp.com.br TRANSPORTE E A VIDA URBANA O transporte público contribuiu na evolução do tecido urbano desde o final do século 19. Existem notícias de que Luis XIV da França implementou carroções para o transporte de pessoas em Paris. O impacto crescente do transporte de massas no desenvolvimento econômico de áreas urbanas e a contribuição para a inclusão social é universalmente reconhecida. Simultaneamente, fatores sociais foram muito impactantes na mobilidade comportamental das pessoas e no papel do transporte público para as áreas urbanas. Em particular, o crescimento do uso do automóvel nos últimos 50 anos, alterando de forma radical a tessitura urbana e a mobilidade urbana, tem sido o grande desafio para administradores. O QUE É TRANSPORTE PÚBLICO Transporte público ou transporte de massas, designa todo e qualquer sistema de transporte no qual passageiros não viajam nos seus próprios veículos. Geralmente simplificamos para os serviços de ônibus e férreos, entretanto uma definição mais ampla inclui balsas, taxis, etc., em outras palavras, qualquer sistema que transporte membros do público em geral. O transporte público é geralmente regulamentado como um agente de transporte comum e normalmente é configurado para oferecer serviços regulares em rotas fixas. A maior parte das viagens realizadas pelos passageiros do transporte público é entre a residência e trabalho, lazer ou estudo. PORQUE ADOTAR O TRANSPORTE PÚBLICO O transporte público oferece muitas vantagens sobre os modos de transporte individual, como: 6
  • 11. A Prioridade para o Transporte Público • Custa menos para a comunidade; • Necessita espaço público menor; • Tem menor intensidade-energética (a intensidade energética é um indicador da eficiência energética de uma economia. Se calcula como a relação entre o consumo energético e o produto interno bruto (PIB) de um país); • Polui menos; • É o modo mais seguro; • Aprimora a acessibilidade aos locais de trabalho, e oferece mobilidade a todos. O ÔNIBUS E A SUA HISTÓRIA Ônibus é um eficiente meio de transporte, barato, flexível e, em muitos casos, ajustável às necessidades dos usuários tanto em termos de capacidade como em tempo de percurso. Operam em vias de tráfego misto e são de fácil implantação. Podemos afirmar que 80% do transporte público mundial é realizado por ônibus e do ponto de vista econômico, ambiental e social, ele ainda permanece como a solução ideal para o desenvolvimento sustentável. O ônibus é o único modo de transporte para a maioria das cidades do planeta. Nas cidades com modo de transporte férreo, ou fluvial o ônibus atua com complemento essencial. O TRANSPORTE PÚBLICO EM SÃO PAULO Nas primícias temos a São Paulo Light and Power, conhecida simplesmente como Light, com os bondes e ônibus. Tempos depois foi fundada a CMTC para gerir o transporte público. A CMTC além de gerenciar as companhias de transporte também tinha a sua frota própria, sendo que os trólebus, propriedade e operação, eram exclusividade da companhia. A década de 1970 foi sem dúvida alguma o grande marco para o transporte público de massas na cidade de São Paulo. Em 1975 foi inaugurada a Cia do Metropolitano - METRÔ com a linha azul, um grande avanço no transporte de massas para a cidade, principalmente por ligar a Zona Norte ao centro da cidade de forma mais eficaz. Em 1976 durante a administração do prefeito Olavo Egydio Setúbal, foi criada a Cia de Engenharia de Tráfego – CET que desde então, é responsável pelo gerenciamento, planejamento, educação, fiscalização e operação do sistema viário da cidade. A partir desta década a gestão da prefeitura teve como prioridade o transporte de massas e reestruturação da cidade para promover à população um transporte público mais digno. 7
  • 12. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 OS CORREDORES DE ÔNIBUS COMO PRIORIDADE Era necessário adotar alguma medida para ordenar e dar prioridade ao transporte coletivo público sobre pneus. Assim surgiu em 1977 o sistema COMONOR - Comboios de Ônibus Ordenados. A Av. Nove de Julho recebeu o primeiro projeto, que tinha como novidade a ampliação da capacidade de embarque/ desembarque de passageiros nos pontos de parada junto ao passeio. Outra inovação aconteceu em 1978, quando houve a conclusão da implantação de faixa exclusiva de ônibus no corredor da Av. Brigadeiro Luís Antônio iniciada em 1976, feito inédito com ônibus operando no contrafluxo dos automóveis. Tinha como premissa melhorar as condições operacionais, dando maior fluidez ao transporte coletivo garantindo os níveis de serviço existente no sistema viário principal. Ainda nesta década, foram ampliados e implantados o sistema COMONOR II que passou a operar no corredor das avenidas Rangel Pestana e Celso Garcia, onde circulavam 500 ônibus por hora e sentido, transportando cerca de 30 mil passageiros por sentido, no horário de pico. Na década de 1980 outros novos corredores foram implantados em São Paulo. São os corredores da Av. Paes de Barros, com 3,9 km de extensão, na região da Vila Prudente e o corredor Santo Amaro/Nove de Julho, implantado em 1987 com 14,8km de extensão com um terminal situado na Av. Padre José Maria em Santo Amaro e outro na Praça da Bandeira, no Centro. Ambos operavam com plataformas no eixo da via e ônibus com porta a direita. Novas tecnologias e novo olhar para o transporte público surgiram na década de 1990, época em que ocorreu a implantação do Corredor Rio Branco – Emilio Carlos. Este foi o primeiro corredor a operar com ônibus com porta à esquerda, no trecho das avenidas Rio Branco, Marques de S. Vicente, Ermano Marchetti e Ordem e Progresso. Posteriormente uma variante passou a incluir a Av. Inajar de Souza e o corredor recebeu a denominação de Inajar de Souza– Rio Branco – Centro. Em 1995, foi extinta a antiga CMTC e foi criada a empresa que tem por finalidade a gestão do sistema de transporte da cidade e recebe o nome de SPTrans - São Paulo Transporte S.A. A virada do século faz com que o homem enxergue o mundo de forma diferente, questionando qualidade de vida nas grandes metrópoles e quanto o tempo pode interferir nos relacionamentos profissionais e familiares. O relógio, antes 8
  • 13. A Prioridade para o Transporte Público um mero adereço e aliado para regular nossas vidas, transforma-se em um grande obstáculo como aquele que o carrega nas mãos, como o coelho do conto de fadas. A era digital, as informações online, a necessidade de estar conectado com o mundo, a pressa para cumprir todos os compromissos assumidos, o tempo mais uma vez escasso. O avanço da tecnologia faz com que o homem empregue cada dia mais elementos que nos faça poupar tempo, gastar menos recursos e ganhar em qualidade. Os deslocamentos nas metrópoles são extensos, o emprego o estudo e o lazer nem sempre estão próximos de onde vivemos. É preciso ganhar tempo. É preciso fazer novas conexões, encurtar distâncias, gastar menos tempo nos deslocamentos. Foi pensando nisso que surgiram as novas formas de se tratar o transporte público, com ações operacionais, que priorizavam o transporte sobre pneus, como a Operação Via Livre e a aprovação do programa de bilhetagem eletrônica, piloto para implantação do Sistema Interligado. Esta foi a primeira etapa do Novo Sistema de Transporte Público do município. No ano de 2006 foi implantada a integração do Bilhete Único com o sistema metroferroviário. Com um desconto na tarifa, o usuário passou a poder fazer três viagens no sistema sobre pneus e mais um embarque no sistema sobre trilhos. Isso trouxe ganhos para os usuários do transporte público, proporcionando uma economia de tempo e de dinheiro. Em 2007 um novo sistema de transporte prioritário é inaugurado no eixo sudeste. É o corredor Expresso Tiradentes, que liga o centro da cidade, no Terminal Mercado ao Terminal Sacomã. A primeira década do século XXI terminou e nossos olhares estão voltados para a sustentabilidade do planeta, as tecnologias verdes, os combustíveis não poluentes. Com isso entram em testes novos combustíveis para os ônibus como o Biodiesel de cana-de-açúcar, combustível de fonte renovável. E com o Ônibus Híbrido, a tecnologia compõe dois motores, um a diesel e outro elétrico. A medida ajuda na economia do diesel e na redução de poluentes. O ÔNIBUS NO FUTURO PAULISTANO O transporte sobre pneus possui hoje uma malha que permite atender uma área maior, de forma que o usuário tenha pontos de embarque/desembarque próximos aos locais de início e término da viagem. 9
  • 14. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 O usuário pode desfrutar da possibilidade de observar a paisagem urbana, fazendo com que a viagem seja mais agradável e proveitosa, trazendo de volta ao cidadão à cidade e suas transformações diárias. Opostamente no METRÔ o passageiro fica confinado a uma paisagem cinza e escurecida que oferece como vantagem a velocidade, limitada ao máximo de 30km/h e o percurso otimizado. Entretanto está fixo aos trilhos tendo a viagem interrompida em casos de incidentes operacionais na via enquanto que em caso de obstrução o ônibus pode desviar não interrompendo a viagem. Os trilhos podem ser resgatados para percorrer distâncias maiores, fazendo principalmente a interligação metropolitana, ou seja, deslocando pessoas entre as cidades vizinhas sem deixar de cumprir seu eficiente papel dentro do município. Para mantermos a mobilidade e acessibilidade da cidade, temos que dar maior importância e prioridade ao transporte publico, com continuidade do planejamento, estudando novas soluções para o transporte sobre pneus. Caminhamos a cada dia para dar maior privilégio ao transporte coletivo em detrimento ao individual. Novos estudos e políticas deverão ser adotados como a implantação de duas faixas para ônibus nos principais corredores da cidade, visando a melhora da velocidade média, possibilitando a ultrapassagem nos pontos de parada, diminuindo o tempo de viagem e adequando a oferta nos horários de pico. A cidade é viva e mutante, as pessoas alteram os locais de moradia, estudo e trabalho e laser, precisamos estar atentos a esta realidade para adaptar a malha às necessidades da população. O ônibus é um elemento imprescindível para manter a mobilidade humana na cidade de São Paulo. A CIDADE EM NÚMEROS 10
  • 15. A Prioridade para o Transporte Público CORREDORES DE ÔNIBUS EXISTENTES Total: 119,3 km de corredores de ônibus distribuídos em 28 terminais municipais e um intermunicipal, 10 corredores exclusivos. 11
  • 16. A Cidade, o Tempo e os Transportes Públicos Christina Maria De Marchiori Borges São Paulo Transporte S/A - SPTrans – DT/SES/AAC Diretoria de Planejamento de Transportes e Gestão Corporativa Superintendência de Especificação dos Serviços Assessoria de Articulação Comunitária Rua Boa Vista, 236 - São Paulo SP- CEP 01014-000 Fone (11) 3396-7884 – christina.borges@sptrans.com.br A VIAGEM DE CHRONOS Os transportes públicos coletivos estão intimamente ligados ao crescimento das cidades industriais modernas, e surgiram como solução para o deslocamento da então recente mão de obra que migrava do campo para as cidades, no final do século XIX e início do século XX. Georg Simmel (1) analisou de maneira microscópica o movimento dessas populações nas cidades europeias, que se adensavam rapidamente e eram palco de novas relações sociais, que traduziam a intensificação do movimento urbano na vida nervosa dos indivíduos, os enfrentamentos nesses novos contextos, sensações de medo, espanto e dificuldades de convívio entre os indivíduos. Para este autor, a metrópole é vista como a sede da economia monetária. Para ele é a circulação do dinheiro que permite entender as transformações econômicas, sociais e políticas que mudaram a vida do homem de maneira decisiva, processo que passou pela intensificação dos fluxos de mercado, pela industrialização e pela modernidade. A circulação do dinheiro possibilitou as trocas de mercadorias e os deslocamentos de pessoas nos espaços. Os deslocamentos, assim, se colocam no centro das formas como os contatos se realizam pelos habitantes de uma metrópole. Mesmo nos dias de hoje considerados por muitos autores como sendo a passagem da era da modernidade para a pós-modernidade, a visão de Simmel mostra-se atual e empresta sentido ao que vem ocorrendo em muitas cidades que, com o desenvolvimento econômico do século XX, transformaram-se em metrópoles “globais”, mesmo em países periféricos, onde o capitalismo ocorreu tardiamente em relação aos países centrais, como é o caso do Brasil. Neste artigo, julgamos importante abordar São Paulo na perspectiva de metrópole, porque é nela em que se dá a mobilidade dos indivíduos, havendo uma relação intrínseca entre metrópole e os deslocamentos nela realizados. (1) Simmel, Georg, A Metrópole e a Vida Espiritual, 1903. 12
  • 17. A Cidade, o Tempo e os Transportes Públicos UM QUADRO DE REFERÊNCIA: A PESQUISA DE IMAGEM DOS TRANSPORTES DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O preâmbulo acima tem a finalidade de matizar alguns resultados que emergiram da pesquisa qualitativa (2) realizada pela ANTP, no ano de 2010, sobre a imagem da metrópole e dos transportes na Região Metropolitana de São Paulo (3), na qual os entrevistados representam a metrópole paulista a partir de duas perspectivas. Na primeira delas, São Paulo é vista como terra das oportunidades e das variedades. Relatam a grande oferta de empregos, bons salários, educação, cultura, acesso a bens e serviços, facilidades de deslocamento por meio do transporte coletivo e, também, a existência de opções de lazer. Na segunda perspectiva, que condensa outro conjunto de ideias dos pesquisados, são aludidas ideias de poder, disputa e controle. Em torno desse outro núcleo, os pesquisados descrevem a metrópole como um lugar de violência, de excesso de gente, desigualdades sociais profundas, de competição e de controles sociais inerentes à própria organização da cidade. São quase que unânimes em enfatizar excesso de tempo de vida que julgam perdido nos deslocamentos e a poluição sonora e atmosférica. A maneira como os usuários representam a metrópole complementa-se, aqui, com a imagem que constroem sobre os transportes públicos. Por um lado, o transporte coletivo é apontado como facilitador da vida das pessoas, que promove o deslocamento pelo espaço, o acesso à cidade, aos seus bens e à cidadania, por outro, ele é visto como gerador de cansaço e desgaste. A espera pela condução, o tempo despendido nos deslocamentos devido ao movimento intenso advindo da grande quantidade de veículos particulares e a superlotação dos modos coletivos desencadeiam situações de disputa por espaços, medo do semelhante e fazem com que as viagens se tornem tensas e carregadas de sensações e sentimentos controvertidos. Em pesquisa qualitativa da ANTP realizada no ano seguinte (2011), há outro resultado que chama especial atenção e que se relaciona com o que estamos comentando. Quando indagados a opinar sobre o principal fator que concorre na satisfação da qualidade de vida em São Paulo, os entrevistados apontaram ser o tempo: tempo suficiente para estar com a família, amigos e para fazer coisas de que gostam. Interessante assinalar que esse tempo, que é tão valorizado, é também aludido como perdido nos deslocamentos urbanos, conforme revelado na pesquisa do ano anterior. Isso nos permite concluir que os tempos das viagens urbanas, considerados excessivos interferem diretamente na satisfação da qualidade de vida dos habitantes da metrópole e, por consequência, na satisfação com os transportes coletivos. Essa importância dada ao tempo, como veremos, perpassa também a pesquisa de satisfação dos usuários com o sistema municipal de transporte por ônibus. 13
  • 18. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 Vale ressaltar que sobre os tempos das viagens, a Pesquisa de Origem- Destino 2007 da Região Metropolitana de São Paulo, realizada pela Cia. do Metropolitano de São Paulo- Metrô elucida que a percepção sobre o tempo considerado excessivo das viagens pelos usuários tem uma dimensão real: houve, de fato, um aumento nos tempos dos deslocamentos na Região Metropolitana de São Paulo, no período de 1997 a 2007: a duração média das viagens por todos os modos passou de 33 para 39 minutos e que isso acaba impactando tanto na duração das viagens por modo coletivo, quanto por modo individual. Nas viagens por modo coletivo a duração média aumentou de 59 para 67 minutos; por modo individual, cresceu de 27 para 31 minutos. As viagens a pé, tiveram um aumento de 15 para 16 minutos e por bicicleta, de 23 para 26 minutos. (2) Pesquisa qualitativa tem por base a psicologia e revelam tendências, percepções, atitudes e a construção das opiniões. Empregam roteiros com temas nos quais os entrevistados expressam livremente as suas opiniões. (3) “Imagem dos Transportes na Região Metropolitana de São Paulo”, pesquisa executada pela Toledo & Associados, sob a coordenação da ANTP e com o patrocínio da CPTM, EMTU, Metrô, Setpesp, SPTrans e SPUrbanuss, entidades responsáveis pelo transporte coletivo na metrópole de São Paulo. Acompanha a imagem dos transportes da RMSP, a saber: ônibus urbanos, metropolitanos e de outros municípios, metrô e trens da CPTM. PESQUISAS NA SPTRANS A SPTrans, como órgão gerenciador dos transportes municipais de passageiros na Cidade de São Paulo, vem igualmente realizando pesquisas de muitos operacionais sobre o desempenho dos serviços e, também, pesquisas de opinião. Como é sabido, a geração de informações constituem-se em importantes ferramentas para a gestão de negócios. As pesquisas de opinião têm a finalidade de conhecer atitudes, comportamentos, conhecer a receptividade e aprovação dos usuários a medidas e melhorias nos serviços. As pesquisas de opinião possibilitam ainda avaliar o nível de satisfação em relação aos serviços contratados. Abaixo estão relacionadas algumas pesquisas feitas pela SPTrans. • Receptividade à implantação de bibliotecas nos terminais de ônibus • Embarque e desembarque em ponto específico - Vila Anastácio • Atendimento prestado a pessoas com restrição de mobilidade no transporte público municipal • Receptividade à mudança de itinerários das linhas 7040-10 e 775F-10- Vila Olímpia - Rua Prof. Arthur Ramos • Pesquisa de avaliação do letreiro lateral do ônibus • Origem e destino as viagens dos ônibus de fretamento 14
  • 19. A Cidade, o Tempo e os Transportes Públicos • Circulação de ônibus urbanos municipais na Estrada de Itapecerica • Avaliação do treinamento a motorista de ônibus para melhorar a convivência com os ciclistas • Embarque e desembarque - Rua Boa Vista, 200 • Embarque e desembarque - Rua Toneleiros, 809 • Embarque e desembarque - Rua do Oratório, 1775 • Avaliação dos Serviços de Transportes Municipais na Cidade de São Paulo • Receptividade aos letreiros eletrônicos dos veículos • Lotação em ponto específico – Terminal Tiradentes • Origem e destino – Todas as linhas do Terminal Tiradentes • Avaliação do site da SPTrans • Origem e destino das linhas da Rua Diogo Jacome – Moema • Lotação em ponto específico – Avenida Francisco Morato • Contagem de Embarque e Desembarque – Terminal Vila Mariana • Origem e destino das viagens– Terminal Vila Mariana • Pesquisa de opinião sobre qualidade do serviço nas linhas 574W-10 e 4735-10 • Lotação em ponto específico – Parada Palmeiras • Embarque e desembarque – Parada Palmeiras • Receptividade à instalação de Handles nos ônibus Sobre a satisfação dos usuários, desde o ano de 2008 até a presente data vem sendo aplicadas rodadas de pesquisas quantitativas para acompanhar a satisfação geral com os serviços das empresas concessionárias e permissionárias e com os atributos operacionais tais como: conforto, segurança, rapidez, pontualidade, atendimento ao público, tarifa e Bilhete Único, dentre outros. ATRIBUTOS DO SERVIÇO Os resultados da última pesquisa quantitativa(4) realizada pela SPTrans, de maneira análoga à indicada pelos usuários na pesquisa da ANTP, confirmam que os atributos considerados mais críticos perpassam pelos mesmos eixos centrais dessa pesquisa, ou seja, evidenciam questões relacionadas ao tempo, como regularidade, atrasos e lotação. Os atributos mal avaliados pelos usuários na pesquisa da SPTrans são: rapidez (tempo de espera no ponto), regularidade (intervalos excessivos) e confiabilidade (chegar sem atrasos ao destino), com diferenciações de opiniões segundo as áreas de operação e o tipo de serviço prestado - concessão ou permissão. Por outro lado, foi aferido que os atributos que mais concorrem para a satisfação dos usuários com o sistema de transporte por ônibus em São Paulo são: a facilidade de uso que o Bilhete Único proporciona e a utilidade do serviço de 15
  • 20. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 meios de transporte. Também é fator de satisfação do usuário a capilaridade inerente do ônibus que pode alcançar locais que outros meios não conseguem atingir. Com uma escala variando de 5 a 0, onde 5 representa a satisfação máxima do usuário, a nota geral dada ao sistema ônibus na cidade de São Paulo foi 2,55. Aos serviços da Concessão foi atribuída a nota de 2,6 e à Permissão, a nota de 2,5. Estes valores se encontram posicionados na posição média da escala, na região que expressa o conceito de “regular” para os serviços. AVALIAÇÃO DA CONCESSÃO Na perspectiva do usuário, os serviços da Concessão foram ligeiramente melhor avaliados que os da permissão. Na comparação do desempenho entre as áreas de operação a Concessão teve o seu melhor desempenho na área 2, com nota média de 2,9. (4) As pesquisas quantitativas realizadas têm como base a estatística e são adequadas para quantificar opiniões e atitudes explícitas e conscientes dos entrevistados. São indicadas quando se sabe exatamente o que deve ser perguntado para se atingir os objetivos da pesquisa. Os resultados são apresentados em porcentagens, médias e escalas de atitudes. MÉDIAS DE SATISFAÇÃO POR ÁREA DE OPERAÇÃO Na área 2, todos os atributos pesquisados foram bem avaliados, tendo destaque, com média mais alta (3,73) a Utilidade do Sistema, e mais especificamente, a integração do ônibus com outros meios de transporte; o atendimento dos empregados (3,54) e o Bilhete Único (3,53). A área operacional onde a Concessão atingiu o valor mais baixo foi na área 6, com média de 2,4, concorrendo para isso a regularidade - quantidade de veículos em circulação (2,65) e a confiança de chegar ao destino sem atrasos (2,67). 16
  • 21. A Cidade, o Tempo e os Transportes Públicos AVALIAÇÃO DA PERMISSÃO Os serviços da permissão foram bem avaliados nas áreas 3 e 4, tendo ficado ambas com médias de 2,9. Na área 3 todos os atributos pesquisados foram bem conceituados, com a mesma ênfase da Concessão, ou seja, fica igualmente bem posicionada a utilidade do sistema, sobretudo, a integração com outros meios (4,0). Na área 4, a utilidade também é o fator que mais concorre para a satisfação, principalmente devido à facilidade de chegar aos terminais de transferência (4,0). As menores notas ocorreram nas áreas 6 e 7, ambas com 2,1. Os usuários deram notas mais baixas à permissão na área 6, considerando a regularidade- intervalo entre veículos (1,8) como sendo o aspecto mais crítico. Na área 7, a confiança de chegar sem atrasos foi o atributo pior avaliado pelos usuários CONSIDERAÇÕES FINAIS Em pesquisas qualitativas de avaliação do transporte na cidade de São Paulo os entrevistados verbalizam muitos avanços ocorridos nos serviços por ônibus nos últimos anos. Entusiasticamente os usuários mencionam renovação de frota, economia e praticidade do Bilhete Único, existência de muitos veículos acessíveis, corredores exclusivos, novos letreiros eletrônicos nos veículos, catalisadores nos escapamentos, ônibus bi-articulados e veículos com projetos arrojados e modernos. Entretanto, esses avanços reconhecidos pelos usuários, não se mostram suficientemente poderosos para mudar a imagem geral sobre o serviço de ônibus, à exceção do serviço das linhas que circulam em corredores exclusivos, nos quais há maior fluidez e viagens mais rápidas. Nestes corredores crescem os índices positivos de avaliação e aumenta a satisfação com sistema ônibus que alcança valores semelhantes aos do metrô. Viagens mais rápidas contribuem, sem dúvida, de maneira positiva para o fator considerado basilar da qualidade de vida na metrópole: o tempo para viver. 17
  • 22. O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo Ivan Metran Whately Secretaria Municipal de Transportes Assessoria Técnica do Gabinete Rua Boa Vista, 236 - São Paulo - SP - CEP 01014-000 iwhately@prefeitura.sp.gov.br QUADRO GERAL DOS SERVIÇOS DE ÔNIBUS: Ao ser chamado para escrever este artigo, sobre o papel dos ônibus nos serviços regulares de transporte coletivo público, no município de São Paulo, de plano, deparei-me com o gigantismo do sistema, em que se destaca a grande acessibilidade territorial deste modal de transporte e a imensa quantidade de veículos utilizados diariamente na operação das linhas. São cerca de 15.000 veículos - uma das maiores frotas do globo - circulando com itinerários em 4.371 km dos 17.293 km do sistema viário da cidade. Isto é, os ônibus percorrem em torno de 25% de todas as vias do território ocupado pelo município, através de 1.347 linhas, cujas ligações se articulam em 28 terminais urbanos e nas demais estações do sistema sobre trilhos. As quantidades de viagens também impressionam, pois são aproximadamente 10 milhões de passageiros diariamente transportados por ônibus, de um total de 16 milhões de viagens em todos os modos de transporte. Significa que os ônibus são responsáveis por 63 % das viagens de transportes públicos em São Paulo. O mapa (1), a seguir, proporciona uma visão macro do conjunto das linhas de ônibus e do seu acesso abrangente ao território urbano, em que os ônibus chegam a todas as regiões da cidade, oferecendo condições para aproximação dos habitantes da cidade das oportunidades e de suas atividades cotidianas, como: estudo, trabalho, serviços, lazer e entretenimento. 18
  • 23. O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo 19
  • 24. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 CARACTERÍSTICAS DA FROTA DE ÔNIBUS A despeito dos quantitativos exagerados, a frota de ônibus paulistana é de excelente qualidade. Dispõe de veículos novos, modernos, com avançada e diversificada tecnologia. A frota, que tem uma idade média de 4,6 anos, para atender às suas funções operacionais e condições específicas dos serviços, dispõe de diferentes modelos de veículos, a saber: ônibus bi-articulado; articulado; padrão alongado; padrão-básico, básico, mini-ônibus, micro-ônibus e midi-ônibus e vans. O avanço tecnológico da frota se reflete, principalmente, nas características de conforto e segurança introduzidas nos diferentes modelos de ônibus, tais como: piso baixo, espaço interno, motor traseiro, assentos confortáveis, portas amplas e eliminação de ruídos. Acrescente-se aos avanços, a melhoria na acessibilidade para todos os passageiros, em especial os cuidados introduzidos para os que têm dificuldade de locomoção. Também, como avanço tecnológico, remarcamos que parte dos veículos recebeu inovações tecnológicas sustentáveis que visam à redução de “Gases de Efeito Estufa”, entre outros: a frota de 200 tróleibus está em fase de modernização da rede aérea e de substituição dos veículos velhos por novos; a frota a combustão tem cerca de 60 ônibus rodando com etanol e 1.200 ônibus já rodam com uma mistura de 20% biodiesel. Os restantes vão rodar com diesel menos poluente (s-50) até serem substituídos, dentro de um processo de mudança da matriz energética de toda a frota que objetiva a necessidade de redução de toda a combustão fóssil a zero até o ano 2018, em obediência à Lei que Instituiu as Políticas de Mudanças Climáticas no Município de São Paulo. Além da tendência de incremento nos avanços tecnológicos, que fica patente na qualidade da renovação da frota, foram adquiridos veículos maiores, buscando-se o aumento de lugares para os passageiros nos veículos, mediante a tendência de adequação da tecnologia à demanda, através da opção: requalificar e expandir a oferta. Assim, nas renovações, optou-se por veículos com maior quantidade de lugares para os passageiros, sem, no entanto, reduzir o tamanho da frota em número de veículos. Para termos uma ideia da composição da frota e da sua evolução nos dois últimos anos, segundo a sua diversidade tecnológica, juntamos a tabela (1) a seguir. 20
  • 25. O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo CARACTERÍSTICAS DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTES PÚBLICOS Os serviços regulares de transporte coletivo público por ônibus são prestados por empresas operadoras, mediante contratos de concessão e permissão, com a finalidade de atender às necessidades atuais e futuras de deslocamento da população. Os serviços contratados de transporte são de utilidade pública e são executados em função do tipo de atendimento à demanda de passageiros e da localização dos itinerários. Para a contratação das empresas operadoras, a cidade foi dividida em 9 áreas de operação, com vistas à delegação da prestação dos serviços que são efetuados em dois tipos de operações específicas: Subsistema Estrutural e Subsistema Local. Os concessionários são responsáveis pelas linhas dos Subsistemas Estruturais e em parcela do Subsistema Local, sendo os permissionários responsáveis somente por linhas do Subsistema Local. Em termos conceituais, as linhas do Subsistema Estrutural são operadas nas vias onde há convergência das linhas de ônibus e, consequentemente, são as vias onde devem funcionar os corredores ou eixos de transporte público. As demais linhas que chegam às vias onde há concentração de linhas, ou as que trafegam por trechos menores de convergência, são as linhas do Subsistema Local. Quanto à distribuição de viagens das linhas de ônibus municipais, constata-se que a rede capilar atende com níveis de serviço satisfatórios a todas as regiões da cidade ou a quase todas as vias do território ocupado pelo município. As viagens que têm origem e destino na mesma zona são normalmente atendidas pelas linhas dos Subsistemas Locais, enquadrando-se perfeitamente ao seu papel como transporte de baixa capacidade. As demais viagens, com destino fora do âmbito local, têm origem em zonas de baixa demanda e atingem seus destinos através de conexões ao longo das linhas do Subsistema Estrutural de ônibus, ou pontualmente nos Terminais Urbanos Municipais e nas Estações do Transporte sobre Trilhos. Há também linhas do Subsistema Estrutural de ônibus 21
  • 26. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 ônibus que se conectam nas estações de Transporte sobre Trilhos, na condição de alimentadora ou componente da rede transporte que atende a cidade. A grande dificuldade que surge na prestação dos serviços dessa imensa rede de linhas de ônibus é a extensão da mancha urbana, que tem levado as populações mais dependentes dos transportes públicos cada vez para mais longe e, com isso, tornado mais afastado o destino das suas viagens. A implantação do Bilhete Único, por um lado, foi o instrumento facilitador que estimulou as integrações sem onerar o passageiro do sistema, mas, por outro lado, estimula o uso de longos percursos em um modo de transporte que não opera em altas velocidades, penalizando o passageiro pelo alongamento do tempo de viagem. Sem alteração das áreas de operação e dos contratos de concessão e de permissão, tampouco da estrutura geral dos itinerários das linhas de ônibus e terminais urbanos, foi consolidada uma rede de corredores preferenciais de ônibus na malha urbana da cidade para dar maior produtividade aos ônibus nas principais vias de convergência de linhas, justamente onde se concentram os maiores volumes de passageiros. REDE DE CORREDORES DE ÔNIBUS A cidade tem um conjunto de vias com uma infraestrutura físico-operacional para priorizar as linhas de ônibus em 10 corredores de ônibus, totalizando uma extensão de 128,77 km. Trata-se de uma rede estruturada, consistente de um corredor totalmente segregado e de 9 corredores providos com a demarcação de faixas exclusivas para ônibus à esquerda das pistas e plataformas de embarque no canteiro central. O corredor totalmente segregado é o Expresso Tiradentes, com atributos de desempenho semelhantes aos de um metrô. Embora os outros corredores tenham dispositivos para dar prioridade para os Transportes Públicos e ofereçam níveis de serviço superiores aos dos eixos compartilhados com os demais veículos, eles não dispõem dos principais atributos dos corredores de alto desempenho. Infelizmente, quando foram executadas as obras dos corredores não foram aproveitados o investimento e a oportunidade para introdução dos atributos de BRT’s, entre outros: faixas de ultrapassagem, escalonamento dos pontos de parada, cobrança externa, e operação/gestão de linhas expressas e semi- expressas. Como a rede consolidada de corredores de ônibus não abarcou todos os eixos onde há concentração de linhas, para complementar os vazios e ampliar a cobertura da malha urbana, a municipalidade estudou novos corredores, bem como elaborou projetos de requalificação de alguns dos corredores já consolidados. Assim, foram desenvolvidos os projetos nos seguintes eixos: Avenida Celso Garcia, Anhaia Mello, Capão Redondo-Vila Sônia, Binário Santo 22
  • 27. O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo ro e Berrini. Foram, também, desenvolvidos os projetos de requalificação nos seguintes eixos: M’Boi Mirim-Guarapiranga, Inajar de Souza, Pirituba-Lapa. Como a municipalidade não é o único provedor dos transportes públicos na cidade e os dois primeiros corredores novos, citados como projetos novos, tinham previsão de atendimento a uma capacidade limítrofe à dos transportes de média capacidade, o metrô assumiu a implantação no local de modal de transporte de maior capacidade e eles não tiveram prosseguimento como corredor de ônibus. Também sofreram alterações os projetos dos novos corredores Capão Redondo-Vila Sônia e Berrini, situados no mesmo trajeto do projeto do Monotrilho que, embora, não tenham sido substituídos por outro modal, sofreram revisões para serem adequados aos projetos dos outros modais aos quais se interconectam e se complementam. Ainda, com o mesmo propósito de complementar os vazios e ampliar a cobertura da malha urbana, a rede atual de corredores de ônibus da cidade passou por mais uma ampliação e foram projetados os Corredores Radial Leste, Itaquera e Carrão. Para os demais eixos onde há concentração de linhas, também foram projetados corredores com faixas exclusivas à direita para que nessas vias do sistema viário principal haja condições de melhorar o desempenho dos ônibus no trânsito compartilhado com os demais veículos. A rede de 10 corredores estruturados pode ser visualizada esquematicamente no mapa 2. 23
  • 28. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 24
  • 29. O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo DESEMPENHO DOS CORREDORES DE ÔNIBUS Para facilitar a mobilidade, modernizar a matriz energética dos transportes e aumentar a segurança do trânsito, foram implantadas ações que demandaram investimentos significativos do município ao longo dos últimos anos. Os resultados podem ser percebidos pelos usuários dos serviços de transporte público, com destaque positivo no caso dos ônibus. Embora a cidade injete mais de 800 veículos novos por dia em um sistema viário que foi construído para suportar a metade da quantidade da frota em circulação, a rede estruturada de corredores, provida com tratamento prioritário para os ônibus, bem como o acompanhamento operacional eficiente do tráfego saturado da cidade, asseguram padrões de qualidade aos deslocamentos da população, sobrepondo-se à caótica urbanização que tende para a insustentabilidade. Além do crescimento da frota de veículos nas vias e do aumento da população, a demanda por transporte progride no rastro do incremento das integrações entre as linhas de ônibus e entre elas e as dos modos sobre trilhos. Desde a implantação do Bilhete Único, nos ônibus municipais em 2004, seguida da extensão, do mesmo bilhete em 2007, à rede do Metrô e da CPTM, a quantidade de viagens (passageiros) cresceu 10,5 %, ante uma ampliação da oferta de lugares nos veículos de 13,8%. Embora a frota de ônibus tenha permanecido com aproximadamente o mesmo número de veículos, nas substituições por mais novos, optou-se por veículos maiores ou com mais lugares para os passageiros. Isso proporcionou melhor desempenho para os ônibus que ofertaram maior conforto aos usuários de todo o sistema, disponibilizando em torno de 30% a mais de lugares para os passageiros. A percepção dos usuários a respeito do conjunto dos corredores tem uma avaliação satisfatória, pois o atendimento é abrangente e confortável. No entanto, a análise pormenorizada de cada trecho dos corredores revela tempos longos de percurso devido às dimensões da cidade que não são percebidos positivamente pelos usuários. Não bastam faixas exclusivas e estações de embarque confortáveis, os usuários ainda precisam gastar menos tempo nas viagens mais extensas. Além do tempo perdido em decorrência das longas distâncias, os principais retardamentos nos trechos mais críticos dos corredores de ônibus são causados, principalmente, devido à espera nos pontos de embarque e nos semáforos. Constata-se que metade do tempo de viagem é gasto no deslocamento do veículo e a outra metade é dividida em tempos de espera nos pontos de embarque e nos semáforos. Outro fator incrementa o retardamento, é o excesso de veículos nos itinerários, pois provoca filas nos pontos de embarque e que poderão ser minorados pela racionalização e a troncalização das linhas entre terminais. Nas condições atuais de geometria e operação da rede de corredores, 25
  • 30. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 controles de tráfego, as velocidades médias operacionais variam entre 13 km/h a 18 km/h nos horários de pico. Na média diária das velocidades operacionais, não há um aumento significativo, pois variam entre 16 km/h a 20 km/h. Mesmo nos horários antes do pico da manhã e depois do pico da tarde, em que os ônibus não param em todos os pontos e não encontram dificuldades no trânsito, os ônibus não atingem grandes velocidades máximas médias operacionais, não passam de 25 km/h. Cabe notar que velocidades operacionais neste nível podem ser obtidas nos BRT’s até nos horários de pico, mas, para atingirem este desempenho, eles dispõem de estações com pré-embarque, faixas de ultrapassagem e, muitas vezes, cruzamentos em desnível. Fica fora, da média da rede de corredores de ônibus, o Expresso Tiradentes que mantém velocidades médias operacionais excelentes, sem variações nos horários de pico e fora deles, em torno de 35 km/h. A tabela, a seguir, reúne as informações operacionais dos corredores, relativas à: extensão, velocidades, quantidades de semáforos, quantidades de passageiros e de ônibus. 26
  • 31. O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo Observação: * velocidades prejudicadas por obras no corredor. Em complemento aos projetos de novos corredores, e enquanto eles não são implantados, foi desenvolvido um Programa de Aumento da Velocidade com o propósito de melhorar o desempenho da rede atual de corredores, mediante ações físico-operacionais de rápida implementação e baixo custo, tais como: regulagem de semáforos, inversão de posicionamento de plataformas de embarque, faixas exclusivas no contra-fluxo, canalizações de tráfego, reprogramação de linhas de ônibus, escalonamento de pontos de parada, coordenação de semáforos e pequenas obras. Colocadas em prática, as ações trouxeram aumentos de velocidade em torno de 7,5 % no ano de 2011 e estão programadas outras ações para estender a meta até 15 % em 2012. Os aumentos de velocidade nessa porcentagem, embora possam trazer aumento da oferta para os passageiros, não aportam ganhos significativos de tempo de viagem para os corredores extensos, se comparados com os corredores segregados ou pelos modais sobre trilhos. Nesse sentido, entre os corredores de ônibus, apenas o Expresso Tiradentes oferece tempo de percurso com desempenho comparável ao de metrô. Independentemente dos aumentos de velocidade nos corredores, é importante refletir sobre o que acontece com os tempos de viagem nos corredores curtos e nos longos. Nos corredores de comprimento inferior a 10 km, quais sejam: Vereador José Diniz - Ibirapuera - Santa Cruz, Jardim Ângela - Guarapiranga - Sto Amaro; Paes de Barros; Itapecerica - João Dias - Santo Amaro, os passageiros gastam em torno de 25 a 35 minutos para percorrer a sua extensão. São tempos de viagem aceitáveis para deslocamentos no meio urbano. Todavia, nos outros 5 corredores superiores a 10 km, a saber: Campo Limpo - Rebouças – Centro; Inajar - Rio Branco - Centro; Pirituba - Lapa - Centro; Parelheiros - Rio Bonito - Santo Amaro; Santo Amaro – Nove de Julho – Centro; os passageiros gastam em torno de 60 a 120 minutos para percorrer as suas extensões. São percursos longos e tempos incompatíveis com as necessidades de deslocamento da população na cidade. Os tempos de percurso dos corredores muito longos são agravados nos horários de pico, em que se concentram as maiores demandas, bem como os retardamentos nos pontos de embarque e no trânsito, tornando muito longo o tempo de viagem dos passageiros. Nesse caso, deveriam ser substituídos por modal de alta capacidade. Em continuação à reflexão sobre os tempos de viagem nos corredores, imaginemos transformar, em BRT’s, os mais longos e que padecem com tempos excessivos de percurso. Poderíamos obter melhor desempenho, resultado de um investimento com custo menor que o de uma implantação metroviária. Entretanto, como os corredores que mais necessitam da transformação já transportam em torno de 400 mil passageiros por dia, há que ser feita uma avaliação econômica de cada projeto para ponderar se é 27
  • 32. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 em modos de transporte, cuja capacidade já estaria no seu limite, beirando as quantidades que somente poderiam ser atendidas por modos sobre trilhos. Além disso, como esses corredores estão inseridos em áreas com uso e ocupação do solo consolidados, deve entrar pesado na avaliação econômica o alto custo das desapropriações e os danos ao comércio ou à população local. Alternativamente, às cirurgias profundas e devastadoras no tecido urbano que exigiriam a implantação de novos BRT’s, pode-se adotar uma ideia mais ousada e mais econômica que possibilita a ampliação da rede de média capacidade por meio de corredores de ônibus de alta capacidade. Trata-se de proposta que induziria a redução da participação do transporte individual no trânsito da cidade mediante a imposição de custo dinâmico, ou de pedágio urbano pela municipalidade. Com isso, seria induzida uma redistribuição modal, em que a participação dos atuais 45% do transporte individual no trânsito poderia passar para 30%. O espaço disponibilizado pelos automóveis no sistema viário principal da cidade poderia ser ocupado por uma rede de BRT’s com um custo reduzido e sem desapropriações. Numa reflexão como esta, em que são colocados juntos os modais sobre trilhos e sobre pneus, nunca é demais recordar as principais características de cada um e suas respectivas capacidades, com o propósito de compreender, melhor, o papel dos modais e os seus reais limites. Os modos de transporte, quanto às suas respectivas capacidades de transporte de passageiros, classificam-se em: REDE MULTIMODAL DE TRANSPORTE PÚBLICO Os transportes públicos no município de São Paulo são realizados por meio de uma rede composta por diferentes modais e cada um deve ter seu papel específico potencializado para o sucesso do conjunto. As linhas de ônibus municipais, gerenciadas pelo município, estão integradas física e tarifariamente à rede metropolitana sobre trilhos, gerenciada pelo Governo do Estado, constituída por 74 km de metrô e 130 km de trem com alcance metropolitano. A população de São Paulo dispõe, no mesmo território, de uma rede multimodal gerenciada pelos dois níveis de governo, composta de: ônibus, trem metropolitano e metrô. 28
  • 33. O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo Desde o início da operação do Metrô, foi induzida a integração física das linhas de ônibus municipais nas estações do sistema sobre trilhos, inicialmente, com a finalidade de seccionar as linhas concorrentes e, posteriormente, com o objetivo de integrar as linhas de ônibus em uma grande rede de transporte multimodal. Nessas circunstâncias, tanto as linhas de ônibus de menor capacidade, ou as linhas do Subsistema Local, quanto as de maior capacidade, ou as do Subsistema Estrutural, funcionam na alimentação da rede de Metrô e são componentes de uma rede de transporte multimodal. Em áreas densas com demandas expressivas de viagens, onde, ainda, não há cobertura da rede sobre trilhos, o atendimento à população é realizado pelos serviços de ônibus que funcionam em trechos sobrecarregados como auxiliares da rede de maior capacidade. No sentido da integração dos transportes e com forte apoio dos sistemas de informação, a partir de 2007, foi ampliado o uso do Bilhete Único entre os modais, o que contribue para estruturar a demanda de forma multimodal, tornando uma realidade a integração física e tarifária nas redes de trilhos metropolitanos e de pneus municipais. Os transportes públicos pertencem à categoria dos serviços em rede e a boa organização da rede de transporte precisa que sejam levados em conta os interesses da mobilidade e equilíbrio da distribuição territorial. A organização da ocupação do solo urbano é de vital importância para o bom desempenho dos transportes na cidade. A dosagem adequada entre esses dois componentes, também, deve se refletir no equilíbrio entre os modos de transporte e requer a intervenção pública quando um começa ser preponderante sobre os outros. A localização das atividades urbanas relativas a emprego, habitação, escola, serviços e lazer, distribuídas na extensão do território, exige uma infraestrutura de transporte compatível com as quantidades de deslocamento entre elas e com o afastamento entre origem e destino das viagens. A grande participação dos deslocamentos de longa distância no conjunto das viagens é uma das principais incoerências estruturais que afetam o bom desempenho de todos os modos de transporte que circulam na mancha urbana. As incoerências ficam ampliadas quando um modo de transporte não responde com bons níveis de serviço por estar sendo utilizado em contradição com a sua vocação. Todavia, o poder público não pode abdicar da sua obrigação de servir a população que tem o direito de ser atendida e deve assegurar a prestação de serviços, mesmo com níveis de serviço insatisfatórios, até que a infraestrutura atinja o equilíbrio multimodal. Enquanto as distorções de uso e ocupação do solo urbano não são organizadas, o conjunto dos meios de transporte precisa assegurar aos cidadãos o seu direito de acesso à sua cidade. 29
  • 34. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 PREPONDERÂNCIA DO NÚMERO DE VIAGENS POR ÔNIBUS Comparadas as três redes que operam em São Paulo e suas reais capacidades de transporte, imagina-se que os modais de transporte de massa, isto é, os sobre trilhos, que têm a maior capacidade de atender a demanda urbana na extensão de seu território, estariam absorvendo o maior número de passageiros. Todavia, não é o que ocorre. Atualmente, são transportados por ônibus 10,2 milhões de passageiros por dia, 3,1 milhões por metrô e 2,7 milhões pelos trens metropolitanos. Os números mostram a preponderância dos deslocamentos na cidade através de ônibus, pois detêm 63 % dos deslocamentos realizados por meio de transporte públicos. Embora não seja o modal de maior capacidade de transporte, os ônibus ainda exercem um papel preponderante na prestação de serviços de transportes públicos da cidade de São Paulo. Nessas condições, em que o sistema está desequilibrado e um dos modos, o de menor capacidade da rede, torna-se preponderante, a interferência do poder público deve evoluir. Os dois níveis de governo, embora mantenham contínuo diálogo que já resultou em inúmeras conquistas na direção da integração dos modais, ainda planeja, financia, executa e opera seus empreendimentos separadamente. Em que pesem as transferências de recursos financeiros do município para o Metrô, ainda faltam ações concretas para edificar um mesmo conjunto. Em cidades do mesmo porte que São Paulo e de redes de transporte semelhantes, costuma-se contar com uma autoridade de transporte, ou consórcio de municípios, para coordenar a rede multimodal, visando atender homogeneamente a população que não distingue a sua condição municipal ou metropolitana. É natural que surjam de maneira recorrente contradições sobre a gestão e a organização do sistema que deveria atender a população de forma eficaz e econômica. Ocorre que o setor comporta um grande número de componentes externos, os quais deveriam justificar o interesse permanente das autoridades públicas para o bom funcionamento dos transportes urbanos. Cabe notar que o bom funcionamento que se busca não é o financeiro, embora as decisões sempre convirjam nessa direção. Como vimos, a influência sobre os transportes transpassa as decisões do município, impondo a necessidade de uma coordenação regional para equilibrar as incoerências no funcionamento da rede. Todavia, a organização dos meios de transporte ainda depende de políticas em nível nacional que nem sempre marcha no mesmo sentido das necessidades, pois no contexto atual de crescimento econômico rápido, infelizmente, não puxa o desenvolvimento dos modos sobre trilhos. O crescimento lento das infraestruturas tende a manter a posição relativa dos diferentes modos e com isso comprometer o sistema, agravando as deficiências dos transportes públicos em geral, com reflexos desastrosos sobre os ônibus, aos quais se cobra um papel acima da sua capacidade. Estas considerações levam a pensar que a política nacional 30
  • 35. O Papel dos Ônibus nos Transportes Públicos de São Paulo de transporte não está sendo enfocada de forma sistêmica e equilibrada. Atualmente, está sendo feito um cálculo equivocado de aquecimento da economia, em que se sacrificam a modernização e ampliação das infraestruturas de transportes urbanos, em benefício do acesso estimulado da população para a aquisição de veículos individuais, bem como para facilidades na compra de motos que concorrem com os transportes públicos e, principalmente, tornam as vias, por onde devem circular os ônibus, saturadas. Dar ou voltar a dar aos transportes públicos um lugar adequado nos deslocamentos é da competência das políticas públicas ou mesmo das ações do poder público, agrupadas sob a denominação: MOBILIDADE URBANA. A rede multimodal de São Paulo é um caso específico, em razão da desequilibrada distribuição intermodal que impõe aos serviços de transporte por ônibus um papel preponderante e dos órgãos intervenientes em um mesmo sistema, o qual deveria por motivos intrínsecos funcionar como um todo e ter uma evolução equilibrada. CONCLUSÃO Os ônibus desempenham um papel preponderante nos transportes do município de São Paulo. Os 15 mil veículos em circulação são responsáveis por 2/3 do total de viagens realizadas na rede de transporte sobre pneus e sobre trilhos. A frota, embora numerosa, tem idade média de 4,6 anos e incorpora avanços tecnológicos em termos de conforto, segurança, acessibilidade e sustentabilidade. Nos últimos 5 anos, a quantidade de viagens cresceu 10,5 % e a oferta de lugares, 13,8%, sendo que, na substituição da frota por veículos mais novos, optou-se por veículos maiores, mantendo-se número de veículos constante. As linhas de ônibus percorrem 25% das vias da cidade, atuando em toda a extensão do município através de dois tipos de serviço: Linhas Estruturais e Linhas Locais. A rede de Linhas Locais tem papel de acessibilidade capilar essencial à população em toda a malha urbana e atende com níveis de serviço satisfatórios. As demais linhas têm papel de distribuição dos deslocamentos aos seus destinos, através de conexões ao longo das linhas do Subsistema Estrutural, ou pontualmente nos Terminais Urbanos Municipais e nas Estações do Transporte sobre Trilhos. Os ônibus, ainda, exercem papel estruturador dos transportes públicos da cidade, através da rede de corredores, numa extensão de 128,77 km. À exceção do Expresso Tiradentes, que atua com níveis de serviço comparáveis aos de Metrô, os outros nove corredores oferecem níveis de serviço superiores aos dos eixos compartilhados com os demais veículos, mas eles não dispõem dos principais atributos dos corredores de alto desempenho. Infelizmente, quando foram executadas as obras dos corredores não foram aproveitados o investimento e a oportunidade para introdução dos atributos de BRT’s. 31
  • 36. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 Assim, dependendo do comprimento dos corredores, as velocidades médias operacionais podem comprometer os tempos de viagens dos passageiros. Os mais curtos oferecem tempos aceitáveis para deslocamentos no meio urbano, isto é: 25 a 35 minutos. Os mais longos impõe viagens demoradas, isto é: de 60 a 120 minutos. Embora os corredores longos estejam oferecendo um serviço público essencial, estão exercendo papel compatível com outro modal. A transformação dos corredores que oferecem tempos excessivos de percurso em BRT’s poderia trazer melhor desempenho. Para isso, exigiriam um investimento com custo menor que o de uma infraestrutura sobre trilhos, mas como estão inseridos em áreas com uso e ocupação do solo consolidados, o custo elevado da transformação não se justifica, pois já operam no seu limite, beirando as quantidades que somente poderiam ser atendidos por modos sobre trilhos. Há uma alternativa para evitar a cirurgia devastadora do tecido urbano, seria a redistribuição modal, que reduziria a participação de 45% para 30% dos transportes individuais, mediante a imposição de custo dinâmico para o trânsito da cidade. O espaço disponibilizado pelos automóveis nas vias poderia ser ocupado por uma rede de BRT’s com um custo reduzido e sem desapropriações. A grande participação dos deslocamentos de longa distância no conjunto das viagens é uma das principais incoerências estruturais que afetam o bom desempenho de todos os modos de transporte que circulam na mancha urbana. O Bilhete Único, por um lado foi o instrumento facilitador que estimulou as integrações sem onerar o passageiro do sistema, mas por outro lado estimula o uso de longos percursos em um modo de transporte que não opera em altas velocidades, penalizando o passageiro pelo alongamento do tempo de viagem. Para vencer as distorções do sistema, impõem-se a coordenação do planejamento, financiamento, execução, tarifação e operação, através de entidade centralizadora dos transportes públicos que estão vinculados a diferentes níveis de governo. Os transportes ocupam um papel complementar aos meios de produção. Se eles funcionam bem, todas as atividades urbanas vão bem ou podem ter um desempenho muito melhor, pois a circulação de pessoas, de bens e de informações é indispensável ao desenvolvimento das sociedades ou à sua sobrevivência. A infraestrutura urbana é essencial para a circulação, marca uma etapa histórica de transformação da geografia humana e a operação dos modos de transporte sobre a cidade ultrapassa em importância o meio físico que lhe dá suporte. 32
  • 37. 33
  • 38. Seccionamento de Linhas de Ônibus Pedro Luiz de Brito Machado São Paulo Transporte S.A.- DT Diretoria de Planejamento de Transportes e de Gestão Corporativa Rua Boa Vista, 236-7º andar- São Paulo- SP- CEP 01014-000 Fone (11) 33966814- pedro.machado@sptrans.com.br No início de 2007, foi, finalmente, entregue à população de São Paulo o Expresso Tiradentes. Iniciando no Parque Dom Pedro, no centro da Cidade, a obra, que oferecia 8 Km de canaletas exclusivas nas quais rodariam ônibus especiais, permitia que esses coletivos pudessem se conectar às linhas de ônibus comuns do sudeste do município de São Paulo e dos municípios vizinhos do Grande ABCD, através de baldeação no Terminal Sacomã. O projeto permitia uma racionalização das linhas de ônibus da região: a partir do Terminal Sacomã, os usuários poderiam se dirigir ao centro pelo Corredor exclusivo em ônibus maiores e mais confortáveis e sem interferências de caminhões e de automóveis, que constituem quase 70% do tráfego da Av. do Estado. No terminal, os usuários dos ônibus comuns vindos dos bairros mais periféricos e das cidades vizinhas poderiam se transferir, com bastante conforto e sem acréscimo tarifário, aos ônibus maiores, mais confortáveis e rápidos do Corredor. Do Terminal, saíam ainda outras linhas também ligadas a outros pontos notáveis da cidade e à rede de Metrô que, àquela época, não havia chegado ao Sacomã. A implantação do Expresso Tiradentes constituiu-se num projeto clássico de “Racionalização Operacional do Sistema de Ônibus”, também chamado de “Troncalização”. Alguns o chamam ainda, de forma pejorativa, de “projeto corta linha”. Como em todo o Projeto de Racionalização Operacional, uma etapa importante para a sua implantação são as reuniões com as comunidades locais para explicar os benefícios gerados pelo projeto e inteirá-las das mudanças. Outra etapa é a de informar os operadores de ônibus as mudanças das linhas de cada um, discutir os impactos financeiros em cada empresa e garantir os 34
  • 39. Seccionamento de Linhas de Ônibus equilíbrios financeiros de cada contrato, entendendo, em apertada síntese, equilíbrio financeiro como a manutenção da relação receita/custo de cada empresa, e não como garantia da manutenção ou aumento do faturamento de cada uma delas. Voltando ao Expresso Tiradentes, especificamente em uma das reuniões com as comunidades, após uma detalhada apresentação do projeto, salpicada de todos os benefícios do mesmo à Cidade como um todo e aos usuários de forma geral e específica, a equipe apresentadora foi surpreendida por uma simpática usuária, uma Senhora, que pediu um aparte: “O projeto de vocês é muito bonito, o Corredor é maravilhoso, os ônibus do elevado são estupendos, vou reduzir o meu tempo de viagem, vou ter a tal da maior conectividade com diversas outras partes da Cidade, mas eu não quero nada disso: Quero continuar no meu ônibus, embarcando cedo no meu ponto inicial, em frente à padaria, sentando-me, cumprimentando o cobrador e o motorista, saudando os demais usuários companheiros diários de viagem; chego até a estranhar quando alguém falta... Quanto ao tempo de viagem, senhores, quando estou no ônibus é o único período do meu dia em que eu posso pensar e, às vezes, sonhar e recordar: em casa sou pressionada pelo meu marido e filhos, no trabalho pelo meu chefe... Por favor, não me tirem ou reduzam esses bons e únicos momentos que passo no ônibus” A equipe ouviu, entendeu e respeitou, mas já sabia que não poderia, e nem deveria, atendê-la. Foi assim desde o começo do transporte organizado em São Paulo e, acreditamos, em outras grandes cidades do País: Nasce uma comunidade: ergue-se uma pequena igreja, antes ainda do “Banco do Brasil” e das “Casas Pernambucanas” o grande desejo da nova comunidade é um “Ponto de Ônibus” com uma linha exclusiva, se possível expressa, até a Praça da Sé. Com o passar do tempo, a cidade cresce territorialmente à montante da nova comunidade. Cresce em termos de demografia e oferta de empregos entre a comunidade e a Sé. A linha deixa de ser expressa e os habitantes da comunidade começam a querer descer antes do Centro. Os habitantes que formam o adensamento populacional das comunidades mais antigas, a jusante, querem também subir nesta linha e aquela ligação que era da nova 35
  • 40. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 comunidade passa a ser compartilhada. Depois, essa mesma comunidade passa a se utilizar da linha de outra comunidade ainda mais nova criada à montante, e assim a rede de linhas da cidade foi crescendo e se expandindo de forma desordenada. A absoluta falta de espaço físico nas vias e a conveniência de se otimizarem os custos geraram a necessidade de se racionalizar o sistema, criando as integrações com o seccionamento das linhas. A simpática Senhora, da reunião no Sacomã, foi vítima do crescimento da cidade que escolheu ou que escolheram que vivesse. Compete a nós, Planejadores de Transporte, saber que essa realidade existe: várias pessoas se sentirão e serão realmente prejudicadas com os benefícios que pretendemos oferecer a outras milhares de pessoas. Conhecer essa realidade é fundamental como também saber que tal realidade será sempre usada por terceiros cujos reais interesses serão outros que não os da minoria que se considera, e é, afetada negativamente. Quanto à simpática munícipe do Sacomã, a Senhora, como todos nós, fomos vítimas e beneficiários do crescimento desmedido de São Paulo: nossa cidade nascida em 1554, só nos anos 30 do século XX começou a se preocupar com o seu planejamento; apenas em 1973 teve o seu primeiro Plano Diretor. Quem sabe a Senhora, ou a geração que a sucederá, consiga morar e trabalhar a distâncias razoáveis, e que a nossa Cidade e seus habitantes consigam melhor compatibilizar a pujança da Metrópole e o bem estar de seus habitantes. 36
  • 41. Seccionamento de Linhas de Ônibus FOTOS E DADOS DO TERMINAL SACOMÃ 37
  • 42. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 38
  • 43. 39
  • 44. Agilização da Operação dos Corredores e Terminais de Ônibus em São Paulo Angelo Fêde, Gilberto Teixeira. Wilma Xavier dos Santos e Caio Vinicius de Melo Paiva Ferreira São Paulo Transporte S/A - SPTrans DS/AST, DI/SPR/GCS, DI/SPR/GCS, SMT/GAB respectivamente. angelo.fede@sptrans.com.br gilberto.teixeira@sptrans.com.br wilma.santos@sptrans.com.br cvferreira@prefeitura.sp.gov.br A CIDADE DE SÃO PAULO “São Paulo é a quarta maior metrópole do mundo, a maior cidade da América do Sul e também do Brasil, Estende-se por 1.509 quilômetros quadrados e abriga cerca de 10,4 milhões de habitantes”. A malha viária é de 17.293 quilômetros e os motoristas paulistanos podem atravessar mais de 55 mil cruzamentos na cidade” (1). O transporte coletivo da metrópole conta com 335,1 km de trilhos, divididos em 74,3 km de metrô e 260,8 km de trens metropolitanos, que interligam a capital à região metropolitana; e uma frota de 14.951 ônibus, que operam 1348 linhas que circulam por 17.293 km de vias, dentre estas 119,3 km de corredores exclusivos. Estas linhas são divididas entre 482 locais e 866 estruturais e, na maioria das vezes, os transbordos são feitos em um dos 31 terminais de transferência. O TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS EM SÃO PAULO O funcionamento do sistema, embora eficiente, encontra alguns problemas operacionais, os quais serão abordados neste artigo, com o estudo de algumas soluções. Sistema de Bilhetagem A cidade adota o sistema de cobrança através de um bilhete chamado “BILHETE ÚNICO” que dá direito a realizar até 4 viagens no período de 3 horas com o valor de uma passagem (R$3,00) e pode ser utilizado para integração com o Metrô e com o trem urbano com um acréscimo de R$1,65, no pagamento. 40
  • 45. Agilização da Operação dos Corredores e Terminais de Ônibus em São Paulo Entraves no embarque/desembarque O fato de o sistema exigir que se faça a utilização do valor pago em até 3 horas para usufruir dos benefícios do Bilhete Único, gera um acúmulo de passageiros na parte da frente dos coletivos (sem passar a catraca e consequentemente viajando mas ainda sem abrir a contagem das 3 horas) o que retarda, em muito, a entrada dos demais passageiros, chegando ao limite da demora para embarque ultrapassar o intervalo previsto entre coletivos de uma mesma linha. Esses problemas sobrecarregam as plataformas dos terminais e os pontos de ônibus do percurso destas linhas, causando comboios de coletivos e consequente atraso em todo o sistema. Dificuldades na coleta de dados sobre embarque/desembarque de passageiros Os passageiros utilizam o Bilhete Único apenas ao entrarem nos coletivos, sendo assim os dados coletados pelo sistema referem-se apenas ao embarque e os dados sobre o desembarque não são coletados, dificultando a coleta de dados de origem-destino desses passageiros. Em alguns casos, quando os mesmos passageiros retornam ao sistema do ponto de desembarque, é possível identificar essa origem-destino, mas esse sistema resulta em uma coleta de dado bastante imprecisa, dificultando o planejamento operacional do sistema de transporte. 41
  • 46. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 AGILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMBARQUE E DESEMBARQUE O sistema atual Nos pontos mais sobrecarregados, que se encontrem dentro de terminais de passageiros, é implantado um pré- embarque que faz a cobrança da passagem desembarcada, agilizando a entrada dos usuários nos coletivo. O funcionamento do Pré-embarque baseia-se na segregação de uma parte da plataforma com gradis, tendo uma linha de bloqueio com catracas e validadores para entrada dos passageiros e cobrança da passagem desembarcada, assim, quando os ônibus encostam na plataforma os passageiros podem embarcar pelas portas traseiras, sem retenção e sem retardamentos. Esse modelo funciona perfeitamente para os terminais, agilizando a operação e evitando que a demora para o embarque ocasione filas de coletivos encostar na plataforma. Porém, como a segregação com gradis e as catracas são baixas, o modelo exige a presença de um fiscal em cada pré-embarque, para evitar que as pessoas pulem as catracas ou os gradis, fraudando assim o sistema. 42
  • 47. Agilização da Operação dos Corredores e Terminais de Ônibus em São Paulo No futuro, as catracas atuais podem ser modernizadas com o uso da tecnologia de portas de vidro e área de plataforma segregada com gradil alto ou fechamento em vidro, de maneira a dispensar a presença do fiscal permanente em cada pré-embarque e trazer ainda mais agilidade, conforto e segurança ao usuário. O pré-embarque embora bastante eficiente para os terminais mostra-se inoperante para aplicação nos pontos de passagem do restante da cidade, inclusive para os corredores existentes hoje, uma vez que seus pontos de parada são abertos, mesmos os que dispõem de cobertura, inviabilizando a cobrança desembarcada. Novo modelo de corredor – brt – projeto dos corredores leste – radial 1e2 O Corredor Radial Leste – Radial 1 e Radial 2, com 17 km, constitui a principal ligação viária para a Zona Leste, sendo de vital importância para a região tanto como complementação ao eixo Metrô-Trem CPTM quanto pelo seu perfil de pólo comercial e de serviços, tendo como destaques dois Shoppings Center de grande porte, dois cemitérios, vários hospitais, um centro esportivo, um centro cultural do SESC e inúmeras faculdades/ universidades. Estes corredores localizam-se na Região Leste do Município, tendo início na região central, passando pela área das Subprefeituras da Sé, Mooca e Penha e compõe-se de uma sequência de vias desenvolvendo-se no sentido Leste a partir do centro da cidade. Iniciando com a Av. Alcântara Machado, entre a Rua da Figueira e a Av. Salim Farah Maluf, prossegue como Rua Melo Freire, Av. Conde de Frontin, Rua Luiz Ayres até a estação Artur Alvim do Metrô. A implantação dos Corredores Leste – Radial deve possibilitar e promover conexões intermodais através de equipamentos que permitam e incentivem a integração com outros modos de transporte, incluindo os sistemas ferroviário, metroviário e o cicloviário. Esses novos corredores, que estão sendo projetados pela São Paulo Transporte – SPTrans – empresa responsável pelo gerenciamento e operação do sistema de transporte por ônibus na cidade de São Paulo, 43
  • 48. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 incorporam, em sua concepção, os conceitos do “Bus Rapid Transit (BRT)” para agilizar a operação, além de trazer alguns diferenciais que possuem o potencial para transformá-los em um novo padrão a ser seguido pela cidade. O conceito O Corredor terá faixa exclusiva à esquerda com pavimento rígido em toda a extensão e pavimento flexível nas demais faixas, nos dois sentidos. As plataformas terão altura de 28 cm ao longo de todo o Corredor, o número total de pontos de parada será de 19, sendo 8 paradas acessadas pela superfície, 11 paradas elevadas. Todas as paradas terão ultrapassagem. As paradas serão a cada 600 metros e contarão com cobrança de tarifa desembarcada. No viário e nas paradas, serão implantados rebaixamentos de calçada nas travessias de pedestres e, quando necessário, as calçadas serão recuperadas. As travessias de pedestres receberão iluminação. Todo o Corredor receberá sinalização semafórica sincronizada. Os diferenciais O desenvolvimento dos projetos das paradas deverá considerar a tarifação externa ao veículo com cobrança no acesso ao sistema, prevendo o isolamento físico através de vedos transparentes que permitam uma ventilação adequada e propiciem o uso de iluminação natural. Além dos módulos de embarque e desembarque e de passagem, em todas as paradas deverá ser prevista a implantação, entre outros, dos seguintes equipamentos atendendo completamente a todas as normas de acessibilidade e exigências da legislação trabalhista: bilheteria (de acordo com a demanda de cada parada), bloqueio através de catracas. As paradas com acesso por passarela deverão ter: bilheteria (de acordo com a demanda de cada parada, sanitários para funcionários (bilheteiros, fiscais, seguranças, etc.), sala de atendimento de emergência e segurança, depósito de materiais de limpeza). O Projeto de Informação ao Usuário de cada parada deverá contemplar todas as informações sobre as possibilidades de transferência, bem como orientações sobre os melhores trajetos no deslocamento entre as paradas. 44
  • 49. Agilização da Operação dos Corredores e Terminais de Ônibus em São Paulo a) Paradas em nível à esquerda na Radial Leste Serão implantadas 8 paradas à esquerda na Radial Leste, junto ao canteiro central. Os acessos para essas paradas serão em nível e serão alcançadas por meio de faixas de travessia de pedestres. Será atendido o disposto nas normas NBR-9050, com o rebaixamento de guias nas travessias para garantir acessibilidade aos usuários com mobilidade reduzida. As paradas terão plataformas elevadas a h=0,28m, piso em ladrilho hidráulico, piso podotátil de alerta e direcional, abrigos em estrutura metálica, pavimento rígido tanto na faixa de aproximação como na de ultrapassagem, iluminação, drenagem, sinalização, PMV’s. seção pretendida – parada em nível à esquerda b) Paradas à esquerda com acesso por meio de passarelas Serão implantadas 11 novas paradas à esquerda com acesso por meio de passarelas metálicas. O acesso para essas paradas será por elevadores, escadas rolantes e escadas fixas. Serão atendidos os dispostos nas normas NBR-9050 / NBR 13.994. As paradas terão plataformas elevadas a h=0,28m, piso em ladrilho hidráulico, piso podotátil de alerta e direcional, abrigos em estrutura metálica, pavimento rígido tanto na faixa de aproximação como na de ultrapassagem, iluminação, drenagem, sinalização, PMV’s. 45
  • 50. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 seção pretendida – parada com acesso por passarela – 2 sentidos c) Matriz energética Todas as paradas serão providas de uma central de captação de energia fotovoltaica, instalada em sua cobertura que deverá abastecer a iluminação, complementar á iluminação natural, por lâmpadas de led. Além desta, também será captada energia cinética, através do movimento dos veículos no pavimento defronte às paradas. d) Portas das plataformas Em vidro temperado, as portas deslizantes, funcionarão mediante sistema de radiofrequência entre as portas dos ônibus e as portas de plataforma da estação. A abertura das portas se verificará de forma controlada. Este sistema incluirá: equipamento emissor de radiofrequência instalado no ônibus; equipamento receptor de radiofrequência instalado na plataforma; sinal luminoso de aviso para passageiros na abertura e fechamento de portas, sinal sonoro de aviso para passageiros na abertura e fechamento de portas; monitorização de abertura e fechamento das portas; botão de emergência para abertura individual de cada porta; semáforo verde- vermelho de sinalização de parada para o ônibus que indicará quando as portas de plataforma estão fechadas e consequentemente o ônibus pode partir com os passageiros em segurança. 46
  • 51. Agilização da Operação dos Corredores e Terminais de Ônibus em São Paulo Modelo de porta da Wolpac, que poderá ser utilizado Esquemático de transmissão de dados porta CONCLUSÃO O pré-embarque resolve bem o gargalo embarque-desembarque nos terminais e nos corredores de ônibus o modelo do Corredor Leste Radial 1 e 2 também é bastante eficiente trazendo mais conforto, segurança e agilidade ao sistema, resta agora uma estudar uma solução que se mostre eficiente para aplicação nos pontos de passagem que se encontrem fora de terminais e corredores mas, isto será objeto de um outro estudo. 47
  • 52. Radial Leste – Composição das Matrizes de Origem e Destino e Utilização do Eixo. José Aparecido Marques de Gouveia São Paulo Transporte S/A – SPTrans – DG/AST Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação e Receita Assessoria Técnica Rua Três de Dezembro, 34 – São Paulo SP- CEP 01014-020 Fone (11) 3293-2721 – jose.gouveia@sptrans.com.br INTRODUÇÃO A Cidade de São Paulo está administrativamente dividida em trinta e uma subprefeituras, que são responsáveis por zelar pelos noventa e seis distritos que compõem o município. A população de São Paulo, estimada pelo INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE em 2011, é de 10,6 milhões de habitantes, com uma densidade demográfica de 7,43 mil habitantes por quilômetro quadrado. Em 2010, a cidade foi apontada por aquele instituto como sendo a mais populosa do Estado e do Brasil, com 10,4 milhões. De acordo, ainda, com o IBGE, a área total do município é de 1,522 mil km², nono maior em extensão territorial do país, e a sua área urbana, de 0,96 mil km², é a maior do país. A Zona Leste é composta por 11 subprefeituras, tem 329 km² de área, e cerca de 3,8 milhões de habitantes. A Radial Leste é a principal via de ligação de toda a região, iniciando-se no Centro, nas proximidades do Parque Dom Pedro II, e se estendendo até a Estação Guaianases, da CPTM, no extremo leste. 48
  • 53. Radial Leste – Composição das matrizes de origem e destino e utilização do eixo. OBJETIVO O trabalho realizado baseou-se na agregação dos dados obtidos da utilização do Bilhete Único. O objetivo foi fornecer as características de deslocamento das viagens realizadas no Eixo da Radial Leste, incluindo as provenientes do Metrô e da CPTM, com a elaboração de matrizes de viagens, considerando-se os embarques e desembarques, para apoiar o planejamento de novo modelo de transporte mais adequado para a região. O estudo da composição das viagens realizadas no eixo ofereceu subsídios aos técnicos, para elaboração do projeto de corredor exclusivo de ônibus para a região. Os estudos proporcionaram, também, maior conhecimento da relação entre os modais (Ônibus/Trilhos) e das características das viagens que têm origem e destino antes do eixo Radial Leste. METODOLOGIA, PROPOSIÇÃO E RESULTADO Com o estabelecimento de um novo conceito metodológico, desenvolvido pelos técnicos da SPTrans, foi possível identificar os eventos cotidianos das origens e destinos das viagens por meio do uso do Bilhete Único. Esse conceito consiste na análise de dados coletados através de dispositivos dos equipamentos embarcados nos veículos da frota do transporte público. Para melhor aproveitamento das informações obtidas através da integração dos dados registrados pelos validadores com o uso do Bilhete Único - 13 (treze) milhões de eventos registrados diariamente no Sistema de Bilhetagem Eletrônica –SBE - e dos dados registrados pelos AVLs (Automatic Vehicle Location) - 14 (quatorze) milhões de eventos de localização, gerados diariamente pelos 15.000 (quinze mil) AVLs - foi desenvolvido um sistema inteligente de avaliação das origens e destinos para a identificação/caracterização das viagens. A composição dos resultados permitiu aprofundar o conhecimento das características de deslocamento no eixo, bem como sua influência em outros modais paralelos. Critérios de composição do algoritmo: • Definição da localização geográfica (latitude/longitude) da transação do bilhete único no validador do veículo de forma parametrizada, considerando a sua hora de utilização; • Os eventos devem ter pelo menos 5 (cinco) minutos entre uma transação e outra; • São agregados os passageiros que utilizam os bloqueios do Metrô/CPTM, bem como os do pré-embarque nos Terminais e Expresso Tiradentes; 49
  • 54. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 • Tratamento das transações dos Bilhetes Especiais (Idosos, Mãe Paulistana, etc.); • Obtenção de matriz detalhada dos eventos do Bilhete Único por período. Resultados obtidos: • Base de informações associadas dos eventos de Bilhete Único com a posição geográfica do AVL, por tipo de uso; • Composição de base georeferenciada de todos os eventos do Bilhete Único; • Elaboração de Matrizes de eventos de Origem e Destino: - Distritais; - Setoriais; - Região; - Eixo viário. • Elaboração de mapas para estudo dos eventos por linha/local. Esse sistema tem por objetivo oferecer as informações de domínio das características de deslocamentos dos usuários do transporte coletivo (ônibus/ trilhos), essenciais para o planejamento operacional e estratégico, bem como elaborar medidas preventivas diversas, entre elas contra possíveis fraudes na utilização do Bilhete Único. Conceitos utilizados para processamento dos dados: • Identificação dos eventos de pagamento de tarifa; • Associação da latitude e longitude do evento com base em informação do AVL; • Composição de matriz dos locais de embarque, considerando o primeiro evento de pagamento de tarifa realizado no período; • Composição de matriz dos locais de embarque final considerando o evento de pagamento de tarifa; • Compilação dos dados das matrizes de embarque e análise dos resultados obtidos das características das viagens. Através da análise das informações coletadas, é possível identificar as características das viagens realizadas em um determinado período (dia, faixa horária e etc.) e os recursos disponibilizados (veículos/oferta), identificando os resultados obtidos após implantações/ alterações na operação, bem como a caracterização de outros fatores que possam demandar ajustes operacionais. Para a realização do estudo de deslocamento (embarque/desembarque) dos passageiros que utilizam o eixo Radial Leste foi aplicada metodologia para a avaliação dos eventos ocorridos no local, e elaboração de modelo de demonstração dos volumes associados. Essa metodologia baseou-se na 50
  • 55. Radial Leste – Composição das matrizes de origem e destino e utilização do eixo. identificação de todos os eventos intermediários de embarques e desembarques realizados nas integrações das viagens do eixo da Avenida Radial Leste. O estudo oferece subsídios para o planejamento e dimensionamento de um corredor com linhas expressas e semi-expressas, visando oferecer melhor atendimento e proporcionar aumento de velocidade dos ônibus, para atender a migração de demanda de outros modais (automóvel/motos) para o sistema de transporte coletivo da região. CONCEITO APLICADO NO PROCESSO a) Caracterização das linhas que utilizam o eixo Radial Leste A metodologia utilizou o critério de distribuição por eixos de deslocamento subdivididos por setores conforme apresentado na Figura 1: O eixo principal, denominado “Eixo 1”, compreende toda a extensão da Radial Leste, subdividido em 4 setores conforme demonstrado abaixo: Setor 1 – (S1) Trecho entre as estações Corinthians-Itaquera e Penha do Metrô; Setor 2 – (S2) Trecho entre as estações Penha e Tatuapé do Metrô; Setor 3 – (S3) Trecho entre a estação Tatuapé e a Praça Kennedy; Setor 4 – (S4) Trecho entre a Praça Kennedy até o Centro. O segundo eixo a ser estudado, denominado “Eixo 2”, compreende toda a extensão da Avenida Aricanduva, subdividido em 2 setores conforme abaixo: Setor 1 - (S1) Trecho entre as proximidades de São Mateus e Terminal Carrão; Setor 2 - (S2) Trecho entre as proximidades do Terminal Carrão até Av. Radial Leste. – Divisão dos eixos Radial Leste e Aricanduva 51
  • 56. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 b) Seleção das linhas Na elaboração deste estudo foi adotado o critério de seleção de linhas que percorrem mais de 30% (trinta por cento) de cada setor designado (Tabela 1). Essa seleção foi feita com base no percentual de sobreposição das linhas com cada setor a ser estudado, por meio de ferramenta de geoprocessamento (Mapinfo). Foram incluídas, nesse processo, as principais ligações das regiões Nordeste e Leste com destino ao Centro. Para o conhecimento do fluxo de viagens da região, além das linhas selecionadas foram avaliadas as linhas que integram o sistema Ônibus/Metrô e Ônibus/CPTM que percorrem o eixo avaliado (Tabela 2). Dentro desse contexto foram estudadas as ligações da região e as estações da CPTM situadas antes da região de Itaquera, ou seja, além da faixa de domínio da Linha 3 Vermelha do Metrô. Dados iniciais coletados: - Sistema ônibus: - Sistema Trilhos: 52
  • 57. Radial Leste – Composição das matrizes de origem e destino e utilização do eixo. - Linhas analisadas: c) Metodologia de análise por setor Na execução do trabalho de análise por setor foram identificados os eventos das 61 (sessenta e uma) linhas selecionadas, sendo classificados por sentido de deslocamento (1 Ida e 2 Volta) e sua passagem em cada setor, conforme exemplo descrito na Tabela 4, a seguir: 53
  • 58. Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 As viagens dentro de cada setor foram analisadas da seguinte forma: • Embarques ocorridos antes do setor; • Desembarques ocorridos antes do setor; • Seguem viagem no setor; • Com origem no setor; • Integrando no setor; • Com destino no setor; • Seguem viagem ao próximo setor. d) Análise dos resultados – Matrizes • Avaliação do Eixo CPTM/Metrô No processo de estudo das linhas que integram a rede Metrô/CPTM foram incluídos os eventos do Bilhete Único nos bloqueios das estações. Dessa forma foi possível verificar, além das integrações, as origens “lindeiras” nesses sistemas. Disposição das Estações de Metrô/CPTM por Setor PRINCIPAIS RESULTADOS Na análise da agregação dos dados obtidos em cada setor, foram obtidos os seguintes resultados, classificados e apresentados na tabela 5, a seguir: • Análise das viagens realizadas com a utilização do Bilhete Único no Metrô/ CPTM. 54
  • 59. Uso do Bilhete Único nas Estações do Metrô/CPTM até Sé Os passageiros que pagam tarifa nos trilhos com bilhetes magnéticos do tipo “Edmonson”, que correspondem a 19% do volume de passageiros transportados nos trilhos, não estão contabilizados nos dados acima. Radial Leste – Composição das matrizes de origem e destino e utilização do eixo. 55
  • 60. 56 Coletivo - Revista Técnica da SPTrans - Edição nº 1 / dezembro de 2012 Utilização do Bilhete Único nas Estações de Metrô/CPTM até Sé Gráfico dos embarques de passageiros das estações do Metrô e CPTM, contabilizados através do uso do Bilhete Único.