SlideShare uma empresa Scribd logo
PREFEITURA DE CANAÃ DOS CARAJÁS
SECRETARIA DE SAÚDE
VIGILÂNCIA EM SAÚDE
VIGILÂNCIA SANITÁRIA

VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS
POR ALIMENTOS (VDTA)

FÁBIO ANDRÉ CAMPOS BAÍA
Médico Veterinário – CRMV-PA – 2426
Biomédico – CRBM – 570/PA

1

Esp. Gestão em Saúde Pública e Hematologia - Fiscal Sanitário - VISA – Portaria 630/2012
Contato: fabiomedicvet@veterinaria.com.br / (94) 9128-2261
O QUE É DTA E VDTA ?
 Doença Transmitida por Alimentos
 A contaminação de um alimento pode ocorrer em qualquer

uma das várias etapas da cadeia de produção
 Esta contaminação causa doença
 Vigilância das Doenças Transmitidas por Alimentos
 Todos os envolvidos na cadeia de produção de alimentos são

responsáveis pela segurança dos alimentos
2
CAUSAS DAS DTA
 Toxinas: produzidas pelas bactérias Staphylococcus aureus,







3

Clostridium spp,Bacillus cereus, Escherichia coli, Vibrio spp, etc
Bactérias: Salmonella spp, Shigella spp, Escherichia coli, etc
Vírus: Rotavirus, Norwalk, etc
Parasitas: Entamoeba spp, Giardia lamblia, Cryptosporidium
parvum, etc.
Substâncias tóxicas: Metais pesados, agrotóxicos, etc.
4
5
6
VDTA
 O PAPEL DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
 A vigilância sanitária promove o controle sanitário dos

alimentos
 Estabelece as regras a serem cumpridas
 Avalia as condições higiênicas e tecnológicas da cadeia de
produção
 Monitora a qualidade dos alimentos disponíveis no mercado,
por meio de análises laboratoriais.

7
VDTA
 Num caso de surto de DTA o papel da Vigilância Sanitária
 Notificar o surto de DTA à área de vigilância epidemiológica,

quando do conhecimento e/ou acesso à informação
 Participar das ações de planejamento com a equipe de
investigação epidemiológica, para o estabelecimento de
estratégias e definição das medidas de controle frente ao surto
de DTA
 Participar da atividade de campo, realizando a inspeção sanitária
do(s) local(is) envolvido(s) com o surto de DTA para a
identificação de pontos críticos na cadeia alimentar do alimento
suspeito e adoção de medidas de intervenção e controle
8
VDTA
 Num caso de surto de DTA o papel da Vigilância Sanitária
 Acionar as áreas de vigilância ambiental, saneamento e

vigilâncias zoo e fitossanitária (defesa e inspeção), quando
necessário, de acordo com a natureza do surto, respeitando as
áreas de competências
 Coletar, acondicionar e transportar, em conformidade com as
normas técnicas, as amostras do ambiente e dos alimentos
suspeitos envolvidos no surto e encaminhar ao laboratório de
saúde pública
 Aplicar, no âmbito de sua competência, as sanções legais
cabíveis aos responsáveis pela ocorrência do surto
9
VDTA
 Num caso de surto de DTA o papel da Vigilância Sanitária
 Informar às áreas integrantes da investigação epidemiológica, as

ações desenvolvidas e as medidas sanitárias adotadas
 Participar das discussões e conclusões da investigação
epidemiológica para elaboração do relatório final
 Sensibilizar os setores envolvidos com a produção, distribuição
e prestação de serviços de alimentos para a adoção de medidas
preventivas e de controle das DTA
 Capacitar recursos humanos no âmbito de sua competência

10
VDTA
 Num caso de surto de DTA o papel da Vigilância Sanitária
 Capacitar recursos humanos no âmbito de sua competência
 Realizar trabalho educativo continuado e sistemático junto aos

manipuladores de alimentos para a adoção de boas práticas
 Realizar ou apoiar o desenvolvimento de pesquisas técnicocientíficas específicas
 Criar mecanismos de disponibilização de documentação técnica
atualizada

11
INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE DTA
 Atividade do órgão municipal de saúde

 Exercida pelas vigilâncias do município e laboratório
 Objetivos da investigação
 coletar informações básicas necessárias ao controle do surto de DTA;
 diagnosticar a doença e identificar os agentes etiológicos relacionados






12

ao surto;
identificar a população de risco;
identificar os fatores de risco associados ao surto;
identificar a provável fonte de contaminação;
propor medidas de prevenção e controle pertinentes;
divulgar os resultados da investigação epidemiológica às áreas
envolvidas e à comunidade;
evitar que novos surtos ocorram.
INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE DTA
 10 passos da investigação de um surto
 1. Determinar a existência de um surto
 2. Confirmar diagnóstico

 3. Compor uma equipe
 4. Implementar medidas de controle imediatas
 5. Desenvolver definição, identificar e contar os casos

 6. Gerar hipótese
 7. Testar hipótese
 8. Analisar dados de tempo, lugar e pessoa
 9. Implementar medidas de prevenção e controle
13

 10. Comunicar resultados e avaliar impactos
INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE DTA
 Para a realização da atividade de campo é importante que a equipe disponha dos

seguintes materiais de apoio:















14

termômetros de uso geral e para carnes;
etiquetas para identificação da amostra e marcador de etiquetas;
fita adesiva;
lanterna;
medidor de pH, medidor de umidade, medidor de vácuo;
abridor de latas;
utensílio para coleta de amostras;
meio transportador compatível à amostra;
ficha de coleta de amostra;
álcool etílico a 70% ou hipoclorito de sódio a 2% para desinfecção de superfície;
gelo embalado em sacos plásticos fechados ou gelo reciclável;
gelo seco;
avental (bata ou jaleco), gorro, luvas descartáveis, botas de plástico;
caixas térmicas.
ALGUNS MATERIAIS

15
INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE DTA
 Investigação Epidemiológica: é de responsabilidade das

secretarias municipais de saúde -> secretarias estaduais ->
sistema nacional
 Notificação de DTA é compulsória

16
AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO

17
AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO

18
AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO

19
AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO

20
AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO

21
AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO

22
AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO

23
AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO

24
MEDIDAS DE PREVENÇÃO E
CONTROLE IMEDIATAS
 Tem como finalidade interromper a propagação do surto e

devem ser tomadas as seguintes medidas:

 evitar que os alimentos suspeitos continuem a ser consumidos,

distribuídos e comercializados;
 orientar quanto a mudança no processo de manipulação,
produção, acondicionamento, armazenamento e /ou
conservação do alimento;
 realizar busca ativa de outros casos;
 manter informada a(s) unidade(s) de saúde ou demais serviços
sobre o andamento da investigação;
 repassar informações ao público
25
BOM DIA E OBRIGADO!

26

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORESTreinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
cagsiqueira
 
Noções+do..
Noções+do..Noções+do..
Noções+do..
darmia lemos
 
E book: Como acontece uma contaminação cruzada?
E book: Como acontece uma contaminação cruzada?E book: Como acontece uma contaminação cruzada?
E book: Como acontece uma contaminação cruzada?
Neoprospecta
 
Treinamento para manipuladores de alimentos
Treinamento para manipuladores de alimentosTreinamento para manipuladores de alimentos
Treinamento para manipuladores de alimentos
Maria Fernanda Tenório Campana
 
Guia prático para os manipuladores
Guia prático para os manipuladoresGuia prático para os manipuladores
Guia prático para os manipuladores
Meryellen Moliterno
 
Cartilha Manipulador Alimentos I
Cartilha Manipulador Alimentos ICartilha Manipulador Alimentos I
Cartilha Manipulador Alimentos I
guest50b681
 
Manipulador de alimentos: higiene pessoal e saúde do manipulador
Manipulador de alimentos: higiene pessoal e saúde do manipuladorManipulador de alimentos: higiene pessoal e saúde do manipulador
Manipulador de alimentos: higiene pessoal e saúde do manipulador
KetlenBatista
 
Manual alimentos seguros
Manual alimentos segurosManual alimentos seguros
Manual alimentos seguros
Paula Mello
 
Boas práticas para manipulação de alimentos
Boas práticas para manipulação de alimentosBoas práticas para manipulação de alimentos
Boas práticas para manipulação de alimentos
Cleber Lima
 
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentosManual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
Deisi Colombo
 
Alimentos: higienização X contaminação
Alimentos: higienização X contaminaçãoAlimentos: higienização X contaminação
Alimentos: higienização X contaminação
Marta Magalhães
 
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOSGUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
Dennis Moliterno
 
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Alvaro Galdos
 
Introdução a microbiologia dos alimentos
Introdução a microbiologia dos alimentosIntrodução a microbiologia dos alimentos
Introdução a microbiologia dos alimentos
Priscilla Maria Carvalho Oliveira
 
Cartilha gicra rdc 216
Cartilha gicra rdc 216Cartilha gicra rdc 216
Cartilha gicra rdc 216
visacamacan
 
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da ProduçãoHigiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Sheila Cassenotte
 
Conservação dos alimentos
Conservação dos alimentosConservação dos alimentos
Conservação dos alimentos
Grazi Grazi
 
Manejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasManejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de Pragas
Andresa Gueiros
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
Rudy Altamirano Ruiz
 
Qualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteQualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e Ambiente
Ana Helena
 

Mais procurados (20)

Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORESTreinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS  PRÁTICAS DE  MANIPULADORES
Treinamento RU Unifal-MG. HIGIENE E BOAS PRÁTICAS DE MANIPULADORES
 
Noções+do..
Noções+do..Noções+do..
Noções+do..
 
E book: Como acontece uma contaminação cruzada?
E book: Como acontece uma contaminação cruzada?E book: Como acontece uma contaminação cruzada?
E book: Como acontece uma contaminação cruzada?
 
Treinamento para manipuladores de alimentos
Treinamento para manipuladores de alimentosTreinamento para manipuladores de alimentos
Treinamento para manipuladores de alimentos
 
Guia prático para os manipuladores
Guia prático para os manipuladoresGuia prático para os manipuladores
Guia prático para os manipuladores
 
Cartilha Manipulador Alimentos I
Cartilha Manipulador Alimentos ICartilha Manipulador Alimentos I
Cartilha Manipulador Alimentos I
 
Manipulador de alimentos: higiene pessoal e saúde do manipulador
Manipulador de alimentos: higiene pessoal e saúde do manipuladorManipulador de alimentos: higiene pessoal e saúde do manipulador
Manipulador de alimentos: higiene pessoal e saúde do manipulador
 
Manual alimentos seguros
Manual alimentos segurosManual alimentos seguros
Manual alimentos seguros
 
Boas práticas para manipulação de alimentos
Boas práticas para manipulação de alimentosBoas práticas para manipulação de alimentos
Boas práticas para manipulação de alimentos
 
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentosManual de boas práticas na manipulação de alimentos
Manual de boas práticas na manipulação de alimentos
 
Alimentos: higienização X contaminação
Alimentos: higienização X contaminaçãoAlimentos: higienização X contaminação
Alimentos: higienização X contaminação
 
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOSGUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
GUIA PRÁTICO PARA OS MANIPULADORES DE ALIMENTOS
 
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimentoAula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
Aula 3 fatores intrínsecos e extrínsecos que controlam o desenvolvimento
 
Introdução a microbiologia dos alimentos
Introdução a microbiologia dos alimentosIntrodução a microbiologia dos alimentos
Introdução a microbiologia dos alimentos
 
Cartilha gicra rdc 216
Cartilha gicra rdc 216Cartilha gicra rdc 216
Cartilha gicra rdc 216
 
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da ProduçãoHigiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
Higiene Pessoal, do Ambiente e da Produção
 
Conservação dos alimentos
Conservação dos alimentosConservação dos alimentos
Conservação dos alimentos
 
Manejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasManejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de Pragas
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 
Qualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteQualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e Ambiente
 

Semelhante a Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)

Acidente biologico conduta
Acidente biologico condutaAcidente biologico conduta
Acidente biologico conduta
Joana Darc Calado
 
Protocolo expos mat_biologicos
Protocolo expos mat_biologicosProtocolo expos mat_biologicos
Protocolo expos mat_biologicos
Ronivaldo Menegussi de Matos
 
Barreiras Sanitárias e Comércio Internacional
Barreiras Sanitárias e Comércio InternacionalBarreiras Sanitárias e Comércio Internacional
Barreiras Sanitárias e Comércio Internacional
Paulo Fernando Mota
 
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de TupãApresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo
 
Curso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougueCurso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougue
Fábio Baía
 
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdfManual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Vinícius Morais
 
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdfManual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Silvana Nazareth
 
Book Educativo JCI - PCI - Prevenção e Controle de Infecções.pdf
Book Educativo JCI  -  PCI - Prevenção e Controle de Infecções.pdfBook Educativo JCI  -  PCI - Prevenção e Controle de Infecções.pdf
Book Educativo JCI - PCI - Prevenção e Controle de Infecções.pdf
PaulaSantos435
 
Higiene copia
Higiene   copiaHigiene   copia
Higiene copia
Guilherme Verdum
 
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdfguia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
Marcio Domingues
 
Manual de campo_dengue
Manual de campo_dengueManual de campo_dengue
Manual de campo_dengue
Socorro Carneiro
 
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
keyzsilva
 
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arbovirosesLia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalhoDoenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
joselene beatriz
 
Workshop “Segurança e Higiene Alimentar em Monte Verde
Workshop “Segurança e Higiene Alimentar em Monte VerdeWorkshop “Segurança e Higiene Alimentar em Monte Verde
Workshop “Segurança e Higiene Alimentar em Monte Verde
marclick
 
HACCP_PowerPoint.pptx
HACCP_PowerPoint.pptxHACCP_PowerPoint.pptx
HACCP_PowerPoint.pptx
BrunoMendes258158
 
Manual pos vacinacao
Manual pos vacinacaoManual pos vacinacao
Manual pos vacinacao
philhote
 
001 manual pos_vacina
001 manual pos_vacina001 manual pos_vacina
001 manual pos_vacina
nanda_enfe
 
Acidentes com material biológico
Acidentes com material biológicoAcidentes com material biológico
Acidentes com material biológico
Renatbar
 
Bis labmanual3rdwebport
Bis labmanual3rdwebportBis labmanual3rdwebport
Bis labmanual3rdwebport
Francisco Brito Professor
 

Semelhante a Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA) (20)

Acidente biologico conduta
Acidente biologico condutaAcidente biologico conduta
Acidente biologico conduta
 
Protocolo expos mat_biologicos
Protocolo expos mat_biologicosProtocolo expos mat_biologicos
Protocolo expos mat_biologicos
 
Barreiras Sanitárias e Comércio Internacional
Barreiras Sanitárias e Comércio InternacionalBarreiras Sanitárias e Comércio Internacional
Barreiras Sanitárias e Comércio Internacional
 
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de TupãApresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
 
Curso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougueCurso de manipulador de alimentos: açougue
Curso de manipulador de alimentos: açougue
 
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdfManual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
 
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdfManual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
Manual doencas transmitidas_por_alimentos_pdf
 
Book Educativo JCI - PCI - Prevenção e Controle de Infecções.pdf
Book Educativo JCI  -  PCI - Prevenção e Controle de Infecções.pdfBook Educativo JCI  -  PCI - Prevenção e Controle de Infecções.pdf
Book Educativo JCI - PCI - Prevenção e Controle de Infecções.pdf
 
Higiene copia
Higiene   copiaHigiene   copia
Higiene copia
 
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdfguia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
guia_-_doencas_de_animais_aquaticos.pdf
 
Manual de campo_dengue
Manual de campo_dengueManual de campo_dengue
Manual de campo_dengue
 
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
2- biossegurança e higienização das mãos.pdf
 
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arbovirosesLia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
Lia Giraldo da Silva Augusto: Controle vetorial das arboviroses
 
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalhoDoenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
 
Workshop “Segurança e Higiene Alimentar em Monte Verde
Workshop “Segurança e Higiene Alimentar em Monte VerdeWorkshop “Segurança e Higiene Alimentar em Monte Verde
Workshop “Segurança e Higiene Alimentar em Monte Verde
 
HACCP_PowerPoint.pptx
HACCP_PowerPoint.pptxHACCP_PowerPoint.pptx
HACCP_PowerPoint.pptx
 
Manual pos vacinacao
Manual pos vacinacaoManual pos vacinacao
Manual pos vacinacao
 
001 manual pos_vacina
001 manual pos_vacina001 manual pos_vacina
001 manual pos_vacina
 
Acidentes com material biológico
Acidentes com material biológicoAcidentes com material biológico
Acidentes com material biológico
 
Bis labmanual3rdwebport
Bis labmanual3rdwebportBis labmanual3rdwebport
Bis labmanual3rdwebport
 

Mais de Fábio Baía

Leishmaniose - Leishmania
Leishmaniose - LeishmaniaLeishmaniose - Leishmania
Leishmaniose - Leishmania
Fábio Baía
 
Malaria - Plasmodium
Malaria - PlasmodiumMalaria - Plasmodium
Malaria - Plasmodium
Fábio Baía
 
Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos Corporais
Fábio Baía
 
Função das adrenais veterinária
Função das adrenais veterináriaFunção das adrenais veterinária
Função das adrenais veterinária
Fábio Baía
 
Defesa de Mestrado
Defesa de MestradoDefesa de Mestrado
Defesa de Mestrado
Fábio Baía
 
Função da Tireóide Veterinária
Função da Tireóide VeterináriaFunção da Tireóide Veterinária
Função da Tireóide Veterinária
Fábio Baía
 
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e VetoresCapacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Fábio Baía
 
Curso Atualização Hemostasia pdf
Curso Atualização Hemostasia pdfCurso Atualização Hemostasia pdf
Curso Atualização Hemostasia pdf
Fábio Baía
 

Mais de Fábio Baía (8)

Leishmaniose - Leishmania
Leishmaniose - LeishmaniaLeishmaniose - Leishmania
Leishmaniose - Leishmania
 
Malaria - Plasmodium
Malaria - PlasmodiumMalaria - Plasmodium
Malaria - Plasmodium
 
Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos Corporais
 
Função das adrenais veterinária
Função das adrenais veterináriaFunção das adrenais veterinária
Função das adrenais veterinária
 
Defesa de Mestrado
Defesa de MestradoDefesa de Mestrado
Defesa de Mestrado
 
Função da Tireóide Veterinária
Função da Tireóide VeterináriaFunção da Tireóide Veterinária
Função da Tireóide Veterinária
 
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e VetoresCapacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
Capacitação para Controladoras de Pragas e Vetores
 
Curso Atualização Hemostasia pdf
Curso Atualização Hemostasia pdfCurso Atualização Hemostasia pdf
Curso Atualização Hemostasia pdf
 

Treinamento em Vigilância das doenças transmitidas por alimentos (VDTA)

  • 1. PREFEITURA DE CANAÃ DOS CARAJÁS SECRETARIA DE SAÚDE VIGILÂNCIA EM SAÚDE VIGILÂNCIA SANITÁRIA VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS POR ALIMENTOS (VDTA) FÁBIO ANDRÉ CAMPOS BAÍA Médico Veterinário – CRMV-PA – 2426 Biomédico – CRBM – 570/PA 1 Esp. Gestão em Saúde Pública e Hematologia - Fiscal Sanitário - VISA – Portaria 630/2012 Contato: fabiomedicvet@veterinaria.com.br / (94) 9128-2261
  • 2. O QUE É DTA E VDTA ?  Doença Transmitida por Alimentos  A contaminação de um alimento pode ocorrer em qualquer uma das várias etapas da cadeia de produção  Esta contaminação causa doença  Vigilância das Doenças Transmitidas por Alimentos  Todos os envolvidos na cadeia de produção de alimentos são responsáveis pela segurança dos alimentos 2
  • 3. CAUSAS DAS DTA  Toxinas: produzidas pelas bactérias Staphylococcus aureus,     3 Clostridium spp,Bacillus cereus, Escherichia coli, Vibrio spp, etc Bactérias: Salmonella spp, Shigella spp, Escherichia coli, etc Vírus: Rotavirus, Norwalk, etc Parasitas: Entamoeba spp, Giardia lamblia, Cryptosporidium parvum, etc. Substâncias tóxicas: Metais pesados, agrotóxicos, etc.
  • 4. 4
  • 5. 5
  • 6. 6
  • 7. VDTA  O PAPEL DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA  A vigilância sanitária promove o controle sanitário dos alimentos  Estabelece as regras a serem cumpridas  Avalia as condições higiênicas e tecnológicas da cadeia de produção  Monitora a qualidade dos alimentos disponíveis no mercado, por meio de análises laboratoriais. 7
  • 8. VDTA  Num caso de surto de DTA o papel da Vigilância Sanitária  Notificar o surto de DTA à área de vigilância epidemiológica, quando do conhecimento e/ou acesso à informação  Participar das ações de planejamento com a equipe de investigação epidemiológica, para o estabelecimento de estratégias e definição das medidas de controle frente ao surto de DTA  Participar da atividade de campo, realizando a inspeção sanitária do(s) local(is) envolvido(s) com o surto de DTA para a identificação de pontos críticos na cadeia alimentar do alimento suspeito e adoção de medidas de intervenção e controle 8
  • 9. VDTA  Num caso de surto de DTA o papel da Vigilância Sanitária  Acionar as áreas de vigilância ambiental, saneamento e vigilâncias zoo e fitossanitária (defesa e inspeção), quando necessário, de acordo com a natureza do surto, respeitando as áreas de competências  Coletar, acondicionar e transportar, em conformidade com as normas técnicas, as amostras do ambiente e dos alimentos suspeitos envolvidos no surto e encaminhar ao laboratório de saúde pública  Aplicar, no âmbito de sua competência, as sanções legais cabíveis aos responsáveis pela ocorrência do surto 9
  • 10. VDTA  Num caso de surto de DTA o papel da Vigilância Sanitária  Informar às áreas integrantes da investigação epidemiológica, as ações desenvolvidas e as medidas sanitárias adotadas  Participar das discussões e conclusões da investigação epidemiológica para elaboração do relatório final  Sensibilizar os setores envolvidos com a produção, distribuição e prestação de serviços de alimentos para a adoção de medidas preventivas e de controle das DTA  Capacitar recursos humanos no âmbito de sua competência 10
  • 11. VDTA  Num caso de surto de DTA o papel da Vigilância Sanitária  Capacitar recursos humanos no âmbito de sua competência  Realizar trabalho educativo continuado e sistemático junto aos manipuladores de alimentos para a adoção de boas práticas  Realizar ou apoiar o desenvolvimento de pesquisas técnicocientíficas específicas  Criar mecanismos de disponibilização de documentação técnica atualizada 11
  • 12. INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE DTA  Atividade do órgão municipal de saúde  Exercida pelas vigilâncias do município e laboratório  Objetivos da investigação  coletar informações básicas necessárias ao controle do surto de DTA;  diagnosticar a doença e identificar os agentes etiológicos relacionados       12 ao surto; identificar a população de risco; identificar os fatores de risco associados ao surto; identificar a provável fonte de contaminação; propor medidas de prevenção e controle pertinentes; divulgar os resultados da investigação epidemiológica às áreas envolvidas e à comunidade; evitar que novos surtos ocorram.
  • 13. INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE DTA  10 passos da investigação de um surto  1. Determinar a existência de um surto  2. Confirmar diagnóstico  3. Compor uma equipe  4. Implementar medidas de controle imediatas  5. Desenvolver definição, identificar e contar os casos  6. Gerar hipótese  7. Testar hipótese  8. Analisar dados de tempo, lugar e pessoa  9. Implementar medidas de prevenção e controle 13  10. Comunicar resultados e avaliar impactos
  • 14. INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE DTA  Para a realização da atividade de campo é importante que a equipe disponha dos seguintes materiais de apoio:               14 termômetros de uso geral e para carnes; etiquetas para identificação da amostra e marcador de etiquetas; fita adesiva; lanterna; medidor de pH, medidor de umidade, medidor de vácuo; abridor de latas; utensílio para coleta de amostras; meio transportador compatível à amostra; ficha de coleta de amostra; álcool etílico a 70% ou hipoclorito de sódio a 2% para desinfecção de superfície; gelo embalado em sacos plásticos fechados ou gelo reciclável; gelo seco; avental (bata ou jaleco), gorro, luvas descartáveis, botas de plástico; caixas térmicas.
  • 16. INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE DTA  Investigação Epidemiológica: é de responsabilidade das secretarias municipais de saúde -> secretarias estaduais -> sistema nacional  Notificação de DTA é compulsória 16
  • 17. AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO 17
  • 18. AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO 18
  • 19. AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO 19
  • 20. AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO 20
  • 21. AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO 21
  • 22. AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO 22
  • 23. AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO 23
  • 24. AMOSTRAS PARA O LABORATÓRIO 24
  • 25. MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE IMEDIATAS  Tem como finalidade interromper a propagação do surto e devem ser tomadas as seguintes medidas:  evitar que os alimentos suspeitos continuem a ser consumidos, distribuídos e comercializados;  orientar quanto a mudança no processo de manipulação, produção, acondicionamento, armazenamento e /ou conservação do alimento;  realizar busca ativa de outros casos;  manter informada a(s) unidade(s) de saúde ou demais serviços sobre o andamento da investigação;  repassar informações ao público 25
  • 26. BOM DIA E OBRIGADO! 26