SlideShare uma empresa Scribd logo
Profº Me. Israel Serique
Ética, Direitos Humanos e Cidadania
Ética, Ambiente de Trabalho, Direitos Humanos e Cidadania
O ser humano precisa “organizar” o mundo para superar o “caos”, necessita construir um mundo para si, um mundo que tenha um sentido
humano, e nesse processo, construir a si mesmo.
Cultura é como uma “Segunda Natureza” que possibilita aos seres humanos suprirem a ausência da estrutura de instintos biologicamente
determinados.
Cultura: Uma Criação Social
Esta “Segunda Natureza” que vestimos sobre nossa natureza biológica (a “Primeira” ) é fruto de criação social. Isto é resultado das
soluções e respostas criativas dadas pelos indivíduos e pelo grupo social frente aos desafios que a vida coloca.
Objetividade da Cultura
Toda cultura é uma criação humana, mas quando uma cultura determinada se torna a nossa “Segunda Natureza” temos muita dificuldade
em perceber isso. Os que não compartilham com as normas, os valores e os significados estabelecidos por esta cultura, são considerados como
anormais pela sociedade.
Relação Com o Diferente
O diferente é aquele que com sua simples presença e modo de ser nega a vaidade “Eterna” e absoluta da cultura vigente.
O processo de socialização
O processo de socialização dos indivíduos sempre é uma ação sócio-grupal através da qual a cultura vigente de uma coletividade é repassada para as
novas gerações. Contudo, O processo de construção social não é perfeito. A interiorização nunca é total, e com isso a exteriorização dos membros não
reproduz completamente a ordem estabelecida.
Legitimação da Ordem Estabelecida
Como todas as ordens estabelecidas buscam a segurança e a sua reprodução, os grupos sociais criam mecanismos de defesa diante destas
constantes “Ameaças” à realidade vigente.
Sociedade Tradicional
Nesta, a identidade social dos indivíduos é limitada pela própria tradição, pelo parentesco, pela localidade. São tradicionais aqueles povos
que mantêm um modo de vida intimamente relacionado ao meio ambiente em que vivem. Além disso, eles tem seus hábitos, culturas, ciências e
crenças transmitida de modo oral de geração em geração.
Na Sociedade Tradicional, temos como característica o reconhecimento de que a identidade social dos indivíduos é limitada pela própria
tradição, pelo parentesco e pela localidade. Em uma sociedade sem tradições a vida vem acompanhada da exigência de uma série de decisões.
Sociedade Moderna
Definimos algumas características representativas da sociedade moderna , quais sejam: Liberalismo; Individualismo; Destradicionalização”;
Urbanização; Industrialização e Racionalização.
A Sociedade moderna foi marcada por inúmeras transformações que impactaram no modo de vida e da relação entre os indivíduos.
Ética e a Construção da Realidade
A ética e suas implicações
Na modernidade tentou-se substituir a moral essencialista da idade média que regulava todas as esferas da vida social, pela moral
individualista ,onde cada um é, ao mesmo tempo, o seu legislador e juiz. E aquele que cria as regras de conduta pessoal e as aplica de acordo
com critério racionais e seus interesses pessoais.
Cada indivíduo se tornou autônomo para julgar o que é melhor para sí, na esfera da vida (econômica, política, direito, arte etc)
A moral individualista levou ao consumismo, que passou a ser o próprio espirito do capitalismo, a fragmentação das esferas da vida
social levou a desarmonia entre a ação de cada uma delas e o conjunto da sociedade.
O pior é que esta situação está se agravando. Alguma coisa deu errado no percurso da locomotiva do progresso.
A reflexão sobre a ética
A reflexão sobre a ética pode nos ajudar a compreender a crise que atravessam as sociedades hoje e a propor alternativas para elas.
As instituições modernas escondem uma moral interna que se corporifica num conjunto de normas e princípios.
Não importam as consequências nem o contexto e a origem da dívida é preciso pagar!
O sentimento ético
Analisada em seu contexto mais amplo, a ética é muito mais do que princípios a serem ponderados quando queremos tomar
determinadas decisões ou ações. A ética também está vinculada ao âmbito das emoções e dos sentimentos. Nesta esfera temos a indignação
ética, a qual pode ser entendida como a experiência que nos permite desmascarar o mal travestido de normalidade e descobrir , mesmo que
parcial e superficialmente, o bem e a justiça.
Os valores éticos e o mercado
Com a revolução industrial, o desenvolvimento das novas tecnologias e da computação, o mundo tornou-se uma grande aldeia global na
qual a concorrência pelo mercado afeta diretamente as estruturas da sociedade e as questões relacionadas à natureza e sua exploração. Nesta
conjuntura é preciso que os valores éticos sejam afirmados a fim de que haja um equilíbrio nestes pontos. Segundo Sung e Silva (2002), estes
valores éticos dizem respeito à compreensão de que todos nós fazemos parte da sociedade e da natureza, e que é preciso fazer com que a
economia se volte em função da qualidade de vida dos seres humanos.
Por uma ética de responsabilidade solidária
AS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DAS ORGANIZAÇÕES DENOMINADA BUROCRÁTICAS SÃO:
1. Divisão de trabalho entre os membros
2. A hierarquia representada graficamente por uma pirâmide
3. A regulamentação teórica e formal das operações
4. A impessoalidade do relacionamento interorgânico
5. A seleção do pessoal de acordo com os critérios e a capacidade e a sua progressão profissional.
A EMPRESA, INSTITUIÇÃO VENCEDORA
O Estado contemporâneo não consegue parar de guerrear, interna e externamente.
O golpe firme da industrialização e da sofisticação e da sociedade.
Sociólogos e economistas, cientistas políticos e juristas concordam sobre o fato de que o processo de industrialização das
sociedades modernas tenha aumentado enormemente as tarefas do estado.
OBSTÁCULOS ENFRENTADOS PELA EMPRESA
Um dos obstáculos enfrentados pela empresa e a revolução da tecnologia, a obsolescência e um fator de desgaste para a
atividade econômica.
Um dos obstáculos enfrentados pela empresa e a revolução da tecnologia, a obsolescência e um fator de desgaste para a
atividade econômica.
O futuro da empresa depende de sua fidelidade a politicas comunitárias de prestigio. Ninguém quer comprar de um fabricante
que explora mão de obra infantil
A empresa contemporânea ou assume a ética - denominada responsabilidade social ou talvez venha escolher fracassos que
podem leva-la ao desaparecimento do mercado.
O PAPEL DAS ONGS E DOS STAKEHOLDERS
Não é só a confiança no processo politico e no governo que desapareceu em alguns países, A credibilidade nas empresas
também se viu reduzida a patamares críticos.
Ética e a Empresa
UM CODIGO DE ETICA PARA AS EMPRESAS
Relacionar condutas antiéticas envolve um risco: tudo aquilo que não estiver exatamente caracterizado escapa ao rotulo e
passas a ser eticamente permitido.
A tendência e a generalização dos códigos de ética empresariais. Os valores inerentes a cultura de uma empresa podem ser
formalizadas e expressos no chamado código de ética empresarial.
Qual seria o conteúdo de um código de ética empresarial?
Depende da orientação de seus formuladores e da clientela a que se destina.
Os melhores códigos, contudo, tomam o cuidado de apresentar proibições e obrigações especificas.
A MATRIZ DA VIRTUDE
As inovações empresarias no setor da responsabilidades social ocorrem nas fronteiras, os quadrantes superiores da Matiz.
Na fronteira estratégica, tanto atendem á comunidade como aos acionistas . Na fronteira estrutural, beneficiam a sociedade, mas
não aos acionistas. Para que as empresas atuem nessa fronteira, a comunidade precisa tornar-se proativa, reivindicadora,
consciente, e provocar a elaboração normativa que exija das empresas uma conduta compatível com a maturidade da comunidade
em que se situam.
A DUPLA MORAL BRASILEIRA
Autores há que, entendem que “teimar em agir segundo a moral do oportunismo poderia sinalizar miopia por parte da
empresas que se pretendam competitivas. No reverso da medalha, a efetiva adesão ao profissionalismo e á idoneidade,
abandonando praticas empresarias duvidosas, constitui um virtuoso quebra-cabeça porque supõe deliberar sobre questões
controversas e, na sequência, implica exercitar padrões de conduta de caráter altruísta. A verdade é que a moral da integridade é o
discurso oficial presente em todas as oportunidades e exibido como atributo do caráter de todos os atores. Enquanto isso, a moral
do oportunismo é o discurso oficioso a permear a sociedade por inteiro.
A MORAL EMPRESARIAL DA PARCIALIDADE
A moral da parcialidade privilegia os interesses restritos: amigo meu não tem defeito; para os amigos tudo, para os inimigos
a lei.
A moral da parcialidade corresponde a um compromisso ambíguo entre a lealdade nas relações particularistas e a
conveniência das relações com os outros. É uma relação oportunista, e funciona em benefício daqueles que detêm o capital da
relação social.
A moral da parcialidade bate nas teclas:
Todo mundo faz isto;
Só os espertos têm vez;
Onde há dinheiro, babaca não entra;
Se nós não fizermos, outros farão;
Primeiro o nosso, o resto a gente vê depois.
O FUTURO DA EMPRESA
O certo e que a empresa contemporânea precisara se atualizar antevês a mudança de rumos da sociedade, antecipar-se as
necessidades, extrair das megatendências aquelas que interessam ao seu negócio .e pensar que uma educação mais consistente
levara o consumo e os stakehoiderse exigentes cada vez mais sofisticada.
O pessoal das empresas sabem exatamente oque ocorre quantas profissões desaparecem? quantos produtos já não tem
mais lugar no mercado para permanecer na área da escolarização formal no caminho evolutivo desde a pena de ganso que usamos
para escrever. A empresa organização inteligente e hábil a detectar as crises, já resistiu aos desvios do capitalismo e substitui as
frestadas experiências socializantes encontra na moral empresarial a opção mais adequada a sobrevivência e aperfeiçoamento na
turbulência era da efêmero e do descartável em que a espécie humana já se encontra envolvida.
O PAPEL SOCIAL E ÉTICO DAS EMPRESAS
Com o desenvolvimento da economia mundial e suas implicações no âmbito social e do meio ambiente ocorreu uma
gradativa e crescente reflexão sobre o papel social e ético das empresas. Neste processo de conceituação, chegou-se à conclusão
de que a ética na empresa significa a integração voluntária das preocupações sociais e ecológicas das empresas às suas atividades
comerciais e às relações com todas as partes envolvidas neste processo, com o fim de satisfazer as obrigações jurídicas ligadas ao
ser humano e ao meio ambiente.
ANTIGUIDADE
A Antiguidade tem início por volta 4.000 A.C., data que registra a invenção da escrita, pelos sumérios, na Mesopotâmia.
O período - que se seguiu até 476 D.C, com o fim ao Império Romano do Ocidente – ficou marcado pelo surgimento dos
Estados monárquicos, do escravismo, das religiões monoteístas, das ciências e, principalmente, da formação das primeiras grandes
civilizações.
OS CÓDIGOS DE DIREITO OU DE NORMAS MAIS ANTIGOS SÃO:
1. Código de Ur-Nammu
2. Código de Manu,
3. As Leis de Lipit-Ishtar
4. código de Hamurabi, e
5. As Leis das Dose Tábuas
Código de Ur-Nammu (Aproximadamente 2.040 A.C)
Código de Ur-Nammu escrito pelos sumérios - a mais remota manifestação de direito escrito que se tem notícia. Descreve
costumes antigos transformados em leis e cria as penas pecuniárias para delitos diversos ao invés das penas talianas.
É o principio da reparabilidade dos danos morais.
Código de Manu (Aproximadamente,1.500 a. C)
Foi escrito em sânscrito e é tido como a legislação mais antiga da Índia. Manu foi um personagem mítico, considerado
“Filho de Brahma e Pai dos Homens”.
Neste código há uma série de ideias sobre valores, tais como: Verdade, Justiça e Respeito. Os dados processuais que
versam sobre a credibilidade dos testemunhos atribuem validade diferente à palavra dos homens, conforme a casta que pertencem.
Construção histórica dos direitos humanos
As Leis de Lipit-Ishtar (Aproximadamente, 1924 a. C)
Escrito pelo Rei de Isin, cerca de 1924 a.C., encontrou-se o prólogo e 37 artigos. Era destinado a estabelecer o direito nas
regiões da Suméria e da Acádia.
Art.10 Se um homem cortar uma árvore pertencente ao jardim de outro homem deverá pagar uma mina e meia de prata.
Art.14 Se o escravo de um homem tiver pago pela própria liberdade, e se houver provas do fato, o cativo deverá ser posto
em liberdade.
Código de Hamurabi (Aproximadamente, 1700 A. C.)
Código de Hamurábi o mais célebre dos Códigos da Mesopotâmia. Criado pelo sexto rei da Babilônia Khammu-rabi, foi
redigido no seu império em 21 colunas que contem 282 (Duzentas e oitenta e duas) cláusulas ( artigo) esculpidos na rocha.
O código de Hamurabi é dividido em três classes sociais:
1. Awilum ( Filho do homem classe superior);
2. Muskênum ( classe do cidadão livre);
3. Wardum ( escravo marcado);
As Leis das Dose Tábuas (Aproximadamente, 450 A. C)
O Rei Justiniano publicou as leis das Dose Tábuas. Contendo dois princípios.
1. 12 peças de madeiras que foram colocadas de frente ao Fórum romano, de modo que todos pudesse lê-las e conhecê-las.
( nascimento da publicidade, das normas)
2. Foi uma das primeiras leis que ditaram normas eliminando as diferenças de classes - princípios da igualdade entre todos
habitantes. (nascimento do principio da igualdade)
IDADE MÉDIA
A Idade Média é um periodo da historia da Europa entre os séculos V e XV. Inicia-se com a Queda do Imperio Romano do Ocidente
e termina durante a transição para a Idade Media. A Idade Média é o período intermédio da divisão clássica da História ocidental em três
períodos: a Antiguidade, Idade Média e Idade Moderna, sendo frequentemente dividido em Alta e Baixa Idade Média.
A população foi dizimada por sucessivas carestias e pestes; só a peste negra foi responsável pela morte de um terço da população
europeia entre 1347 e 1350. O grande Cisma do Ocidente no seio da Igreja teve consequências profundas na sociedade e foi um dos
fatores que esteve na origem de inúmeras guerras entre estados. Assistiu-se também a diversas guerras civis e revoltas populares dentro
dos próprios reinos. O progresso cultural e tecnológico transformou por completo a sociedade europeia, concluindo a Idade Média e
dando início à Idade Moderna.
IDADE MODERNA
Com a idade Moderna, os racionalistas dos séculos XVII e XVIII, reformulam as teorias do direito natural, deixando de estar
submetido a uma ordem divina. Para os racionalistas todos os homens são por natureza livres e têm certos direitos inatos de que não
podem ser despojados quando entram em sociedade. Foi esta corrente de pensamento que acabou por inspirar o atual sistema
internacional de proteção dos direitos do homem.
A primeira declaração dos direitos humanos da época moderna é a Declaração de Direitos de Virginia de 12 de junho de 1776,
escrito por George Mason e proclamado pela Convenção da Virgínia. Esta grande medida influenciou Thomas Jefferson na declaração
dos direitos humanos que se existe na declaração de Independência dos Estados Unidos da América de 4 de julho de 1776, assim como
também influenciou a Assembleia Nacional francesa em sua declaração, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão de 1789esta
última definia o direito individual.
A noção de direitos humanos não experimentou grandes mudanças até o século seguinte com o início das lutas operárias, surgiram
novos direitos que pretendiam dar solução a determinados problemas sociais através da intervenção do Estado. Neste processo são
importantes a Revolução Russa e a Revolução mexicana.
Desde o nascimento da Organizações das Nações Unidas em 1945, o conceito de direitos humanos se tem universalizado,
alcançando uma grande importância na cultura jurídica internacional. Em 10 de Dezembro de 1948 a Declaração Universal dos Direitos
Humanos foi adotada e proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em sua Resolução 217 A (III), como resposta aos
horrores da Segunda Guerra Mundial e como intento de sentar as bases da nova ordem internacional que surgia atrás do armistício.
Coincidência ou não, foi proclamada no mesmo ano da proclamação do estado de Israel.
IDADE CONTEMPORÂNEA
Compreendido entre a Revolução Francesa de 1789 e os dias atuais, o período histórico conhecido como Idade Contemporânea é
marcado por transformações profundas na organização da sociedade e também por conflitos de amplitude mundial.
Critério Ético e Posturas Morais
Ética é para nós uma dimensão que nos permite o questionamento sobre as práticas, atitudes, regras é ações humanas. Para
que este questionamento seja possível é necessário saber qual o critério que estamos usando para avaliar a ação humana. O
critério que assumimos é a própria vida humana. Partimos do principio de que as sociedades existem para garantir a sobrevivência
dos seres humanos.
TRÊS POSTURAS SOBRE A MORAL
Sobre as questões morais se debruçaram grandes filósofos que produziram contribuições muito significativas, pretendemos
apresentar as posturas mais comuns que as pessoas adotam frente a questão moral. E claro que muitas delas podem refletir em
alguma medida a influência filosófica.
Moral essencialista
Trata-se de um conjunto de normas que devem servir de base para o comportamento moral dos indivíduos em toda e qualquer
situação. Geralmente esse conjunto de princípios esta alicerçado sobre um principio regulador de fundo filosófico ou, na maioria dos
casos, religioso.
Moral individualista
A moral individualista é a moral do capitalismo. Esse tipo de moral é bastante corrosiva porquê é simplesmente irresponsável,
este tipo de moral não responde as necessidades da convivência social, pois não se pode viver numa sociedade sem abrir mão de
algum interesse pessoal e imediato para que todos os membros da comunidade possam também ter acesso a um mínimo
indispensável para uma vida digna.
Ética da responsabilidade
Ela não se orienta somente por princípios mas principalmente pelo contexto e pelos efeitos que podem causar nossas ações.
Nessa perspectiva cada grupo social determina os padrões de conduta que devem ser seguidos pelos indivíduos desse grupo.
Estes padrões porem não devem ser universais e imutáveis mas sim relativos a cada situação determinada e sempre sujeitos a
mudanças, caso a comunidade as julgue necessárias.
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
1. Considerando que a afirmação legal dos Direitos Humanos e sua universalidade é
matéria relativamente nova na história da humanidade, como podemos defender a
importância desta conquista para as relações no campo de trabalho?
2. Considerando que o conceito de cidadania é um construto humano, tecido a partir
das reflexões sobre a dignidade humana, reflita sobre a importância deste conceito
para a vivência social.
3. Sabendo-se que as relações interpessoais e os modos de ser no mundo refletem os
valores morais de uma sociedade plural, o que é preciso fazer para que haja um
clima de cooperação e produtividade laboral no ambiente de trabalho?
Pare e Pense
Pare e Pense
Profº Ms. Israel Serique dos Santos [Doutorando e Mestre em Ciências da Religião (PUC-
Goiás); Licenciado em Pedagogia (UVA-Ceará) e História (UVA-Ceará)]; Bacharel em Teologia (FACETEN-
Roraima); licenciando em Matemática (UNIFAN-Goiás).
e-mail: israelserique@gmail.com
Ética, Direitos Humanos e Cidadania
Resumo do seminário “Ética, Cidadania e Direitos Humanos”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de JesusÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
ETICA
ETICAETICA
Filosofia na cidade (11º ano)
Filosofia na cidade (11º ano)Filosofia na cidade (11º ano)
Filosofia na cidade (11º ano)
Renata Antunes
 
Aula Cidadania
Aula CidadaniaAula Cidadania
Aula Cidadania
Ana Márcia
 
Etica cidadania- direitos-humanos
Etica cidadania- direitos-humanosEtica cidadania- direitos-humanos
Etica cidadania- direitos-humanos
Sonia Souza
 
Ética: cidadania e direitos by Janaira Franca
Ética: cidadania e direitos by Janaira FrancaÉtica: cidadania e direitos by Janaira Franca
Ética: cidadania e direitos by Janaira Franca
Profa. Janaíra França
 
Filosofia na cidade
Filosofia na cidadeFilosofia na cidade
Filosofia na cidade
Lipinha_13
 
Cidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosCidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanos
Dani Brandao
 
cidadania
cidadaniacidadania
cidadania
mluisavalente
 
éTica e sociedade
éTica e sociedadeéTica e sociedade
éTica e sociedade
leojusto
 
Ética, cidadania e direitos humanos 2012
Ética, cidadania e direitos humanos 2012Ética, cidadania e direitos humanos 2012
Ética, cidadania e direitos humanos 2012
Delziene Jesus
 
Etica e cidadania
Etica e cidadaniaEtica e cidadania
Etica e cidadania
Alex Alecrim
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
9aGrupo7
 
A Cidadania
A CidadaniaA Cidadania
A Cidadania
guest5a2946
 
Etica Pessoal E Profissional Melo
Etica Pessoal E Profissional MeloEtica Pessoal E Profissional Melo
Etica Pessoal E Profissional Melo
Nelcivone Soares de Melo
 
Sociologia atitudes de cidadania
Sociologia   atitudes de cidadaniaSociologia   atitudes de cidadania
Sociologia atitudes de cidadania
Gustavo Soares
 
A filosofia e a cidade
A filosofia e a cidadeA filosofia e a cidade
A filosofia e a cidade
juzu
 
Aula 1 Ética
Aula 1 ÉticaAula 1 Ética
Aula 1 Ética
etecmas
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania 9ºA
Cidadania 9ºACidadania 9ºA
Cidadania 9ºA
lauzinhas
 

Mais procurados (20)

ÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de JesusÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
ÉTica e cidadania Profº Gilberto de Jesus
 
ETICA
ETICAETICA
ETICA
 
Filosofia na cidade (11º ano)
Filosofia na cidade (11º ano)Filosofia na cidade (11º ano)
Filosofia na cidade (11º ano)
 
Aula Cidadania
Aula CidadaniaAula Cidadania
Aula Cidadania
 
Etica cidadania- direitos-humanos
Etica cidadania- direitos-humanosEtica cidadania- direitos-humanos
Etica cidadania- direitos-humanos
 
Ética: cidadania e direitos by Janaira Franca
Ética: cidadania e direitos by Janaira FrancaÉtica: cidadania e direitos by Janaira Franca
Ética: cidadania e direitos by Janaira Franca
 
Filosofia na cidade
Filosofia na cidadeFilosofia na cidade
Filosofia na cidade
 
Cidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosCidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanos
 
cidadania
cidadaniacidadania
cidadania
 
éTica e sociedade
éTica e sociedadeéTica e sociedade
éTica e sociedade
 
Ética, cidadania e direitos humanos 2012
Ética, cidadania e direitos humanos 2012Ética, cidadania e direitos humanos 2012
Ética, cidadania e direitos humanos 2012
 
Etica e cidadania
Etica e cidadaniaEtica e cidadania
Etica e cidadania
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
A Cidadania
A CidadaniaA Cidadania
A Cidadania
 
Etica Pessoal E Profissional Melo
Etica Pessoal E Profissional MeloEtica Pessoal E Profissional Melo
Etica Pessoal E Profissional Melo
 
Sociologia atitudes de cidadania
Sociologia   atitudes de cidadaniaSociologia   atitudes de cidadania
Sociologia atitudes de cidadania
 
A filosofia e a cidade
A filosofia e a cidadeA filosofia e a cidade
A filosofia e a cidade
 
Aula 1 Ética
Aula 1 ÉticaAula 1 Ética
Aula 1 Ética
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Cidadania 9ºA
Cidadania 9ºACidadania 9ºA
Cidadania 9ºA
 

Destaque

02 - Gestão de Empreendimentos de comunicação
02 - Gestão de Empreendimentos de comunicação02 - Gestão de Empreendimentos de comunicação
02 - Gestão de Empreendimentos de comunicação
Ricardo Americo
 
Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...
Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...
Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...
Washington Araújo
 
Prova filosofia 3º ano
Prova filosofia 3º anoProva filosofia 3º ano
Prova filosofia 3º ano
ananiasdoamaral
 
Prova ibc 03 02-13
Prova ibc 03 02-13Prova ibc 03 02-13
Prova ibc 03 02-13
Selma Coimbra
 
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismoTÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
Israel serique
 
Etica cidadania
Etica cidadaniaEtica cidadania
Etica cidadania
Edmilson Costa Benicio
 
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Questões para prova 2º ano do ensino médio ...
Questões para prova                           2º ano do ensino médio         ...Questões para prova                           2º ano do ensino médio         ...
Questões para prova 2º ano do ensino médio ...
maiara260894
 
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
Israel serique
 
Resumo direitos humanos e cidadania - concurso brigada militar
Resumo   direitos humanos e cidadania - concurso brigada militarResumo   direitos humanos e cidadania - concurso brigada militar
Resumo direitos humanos e cidadania - concurso brigada militar
Fabio Lucio
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
Fillipe Lobo
 
Direito administrtivo resumão
Direito administrtivo   resumãoDireito administrtivo   resumão
Direito administrtivo resumão
Paula Tavares
 
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e AntiguidadeHistória da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
Marcio Duarte
 

Destaque (13)

02 - Gestão de Empreendimentos de comunicação
02 - Gestão de Empreendimentos de comunicação02 - Gestão de Empreendimentos de comunicação
02 - Gestão de Empreendimentos de comunicação
 
Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...
Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...
Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...
 
Prova filosofia 3º ano
Prova filosofia 3º anoProva filosofia 3º ano
Prova filosofia 3º ano
 
Prova ibc 03 02-13
Prova ibc 03 02-13Prova ibc 03 02-13
Prova ibc 03 02-13
 
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismoTÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
TÓPICOS EM EDUCAÇÃO II: Resumo do 2º bimestre multicuralismo
 
Etica cidadania
Etica cidadaniaEtica cidadania
Etica cidadania
 
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
 
Questões para prova 2º ano do ensino médio ...
Questões para prova                           2º ano do ensino médio         ...Questões para prova                           2º ano do ensino médio         ...
Questões para prova 2º ano do ensino médio ...
 
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
 
Resumo direitos humanos e cidadania - concurso brigada militar
Resumo   direitos humanos e cidadania - concurso brigada militarResumo   direitos humanos e cidadania - concurso brigada militar
Resumo direitos humanos e cidadania - concurso brigada militar
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
 
Direito administrtivo resumão
Direito administrtivo   resumãoDireito administrtivo   resumão
Direito administrtivo resumão
 
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e AntiguidadeHistória da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
 

Semelhante a Ética, Direitos humanos, Cidadania: Resumo 2º bimestre net resumo

éTica no ambiente profissional
éTica no ambiente profissionaléTica no ambiente profissional
éTica no ambiente profissional
leojusto
 
RELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdf
RELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdfRELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdf
RELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdf
edlucenajp
 
ÉTICA
ÉTICAÉTICA
Apresentação 8 1.pptx
Apresentação 8 1.pptxApresentação 8 1.pptx
Apresentação 8 1.pptx
TauanaSilva6
 
Postura ética
Postura éticaPostura ética
Postura ética
leojusto
 
2º ano textos para leitura global
2º ano textos para leitura global2º ano textos para leitura global
2º ano textos para leitura global
Fabio Cruz
 
Gestão ambiental unidade VI
Gestão ambiental unidade VIGestão ambiental unidade VI
Gestão ambiental unidade VI
Harutchy
 
Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...
Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...
Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...
GEMFILOSOFIA
 
artigo.pdf
artigo.pdfartigo.pdf
artigo.pdf
gilcineia1
 
Ética e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoÉtica e o profissional da educação
Ética e o profissional da educação
Gerisval Pessoa
 
Inss etic-fabi
Inss etic-fabiInss etic-fabi
Inss etic-fabi
Neon Online
 
Responsabilidade social e ética - Economia e Gestão dos Media Docente Profess...
Responsabilidade social e ética - Economia e Gestão dos Media Docente Profess...Responsabilidade social e ética - Economia e Gestão dos Media Docente Profess...
Responsabilidade social e ética - Economia e Gestão dos Media Docente Profess...
A. Rui Teixeira Santos
 
57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade
57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade
57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade
UNIPE
 
COMO A ÉTICA AGREGA VALOR AO NEGÓCIO E AUMENTA A SATISFAÇÃO DOS PACIENTES
COMO A ÉTICA AGREGA VALOR AO NEGÓCIO E AUMENTA A SATISFAÇÃO DOS PACIENTESCOMO A ÉTICA AGREGA VALOR AO NEGÓCIO E AUMENTA A SATISFAÇÃO DOS PACIENTES
COMO A ÉTICA AGREGA VALOR AO NEGÓCIO E AUMENTA A SATISFAÇÃO DOS PACIENTES
CBA Consórcio Brasileiro de Acreditação
 
éTica e educação empresarial e profissional ii
éTica e educação empresarial e profissional iiéTica e educação empresarial e profissional ii
éTica e educação empresarial e profissional ii
R Gómez
 
Ética e Responsabilidade Social nas Instituições de Saúde
Ética e Responsabilidade Social nas Instituições de SaúdeÉtica e Responsabilidade Social nas Instituições de Saúde
Ética e Responsabilidade Social nas Instituições de Saúde
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Daiane
DaianeDaiane
Etica
EticaEtica
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Família Cristã
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Família Cristã
 

Semelhante a Ética, Direitos humanos, Cidadania: Resumo 2º bimestre net resumo (20)

éTica no ambiente profissional
éTica no ambiente profissionaléTica no ambiente profissional
éTica no ambiente profissional
 
RELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdf
RELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdfRELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdf
RELAÇÕES SOCIOPROFISSIONAIS, CIDADANIA E ÉTICA.pdf
 
ÉTICA
ÉTICAÉTICA
ÉTICA
 
Apresentação 8 1.pptx
Apresentação 8 1.pptxApresentação 8 1.pptx
Apresentação 8 1.pptx
 
Postura ética
Postura éticaPostura ética
Postura ética
 
2º ano textos para leitura global
2º ano textos para leitura global2º ano textos para leitura global
2º ano textos para leitura global
 
Gestão ambiental unidade VI
Gestão ambiental unidade VIGestão ambiental unidade VI
Gestão ambiental unidade VI
 
Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...
Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...
Produção de textos dos professores da formação educação do diálogo usando red...
 
artigo.pdf
artigo.pdfartigo.pdf
artigo.pdf
 
Ética e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoÉtica e o profissional da educação
Ética e o profissional da educação
 
Inss etic-fabi
Inss etic-fabiInss etic-fabi
Inss etic-fabi
 
Responsabilidade social e ética - Economia e Gestão dos Media Docente Profess...
Responsabilidade social e ética - Economia e Gestão dos Media Docente Profess...Responsabilidade social e ética - Economia e Gestão dos Media Docente Profess...
Responsabilidade social e ética - Economia e Gestão dos Media Docente Profess...
 
57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade
57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade
57131398 etica-profissional-aplicada-a-contabilidade
 
COMO A ÉTICA AGREGA VALOR AO NEGÓCIO E AUMENTA A SATISFAÇÃO DOS PACIENTES
COMO A ÉTICA AGREGA VALOR AO NEGÓCIO E AUMENTA A SATISFAÇÃO DOS PACIENTESCOMO A ÉTICA AGREGA VALOR AO NEGÓCIO E AUMENTA A SATISFAÇÃO DOS PACIENTES
COMO A ÉTICA AGREGA VALOR AO NEGÓCIO E AUMENTA A SATISFAÇÃO DOS PACIENTES
 
éTica e educação empresarial e profissional ii
éTica e educação empresarial e profissional iiéTica e educação empresarial e profissional ii
éTica e educação empresarial e profissional ii
 
Ética e Responsabilidade Social nas Instituições de Saúde
Ética e Responsabilidade Social nas Instituições de SaúdeÉtica e Responsabilidade Social nas Instituições de Saúde
Ética e Responsabilidade Social nas Instituições de Saúde
 
Daiane
DaianeDaiane
Daiane
 
Etica
EticaEtica
Etica
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
 
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humanaBioética, vulnerabilidade e dignidade humana
Bioética, vulnerabilidade e dignidade humana
 

Mais de Israel serique

UA 02.pdf
UA 02.pdfUA 02.pdf
UA 02.pdf
Israel serique
 
Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJA
Israel serique
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
Israel serique
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2
Israel serique
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1
Israel serique
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04
Israel serique
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
Israel serique
 
Edu básica 03
Edu básica 03Edu básica 03
Edu básica 03
Israel serique
 
Edu básica 01
Edu básica 01Edu básica 01
Edu básica 01
Israel serique
 
Edu básica 02:
Edu básica 02: Edu básica 02:
Edu básica 02:
Israel serique
 
Desenv e linguagem
Desenv e linguagemDesenv e linguagem
Desenv e linguagem
Israel serique
 
Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02
Israel serique
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01
Israel serique
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slide
Israel serique
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slide
Israel serique
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
Israel serique
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1
Israel serique
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Israel serique
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educação
Israel serique
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticos
Israel serique
 

Mais de Israel serique (20)

UA 02.pdf
UA 02.pdfUA 02.pdf
UA 02.pdf
 
Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJA
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
 
Edu básica 03
Edu básica 03Edu básica 03
Edu básica 03
 
Edu básica 01
Edu básica 01Edu básica 01
Edu básica 01
 
Edu básica 02:
Edu básica 02: Edu básica 02:
Edu básica 02:
 
Desenv e linguagem
Desenv e linguagemDesenv e linguagem
Desenv e linguagem
 
Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slide
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slide
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educação
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticos
 

Último

Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 

Último (20)

Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 

Ética, Direitos humanos, Cidadania: Resumo 2º bimestre net resumo

  • 1. Profº Me. Israel Serique Ética, Direitos Humanos e Cidadania Ética, Ambiente de Trabalho, Direitos Humanos e Cidadania
  • 2. O ser humano precisa “organizar” o mundo para superar o “caos”, necessita construir um mundo para si, um mundo que tenha um sentido humano, e nesse processo, construir a si mesmo. Cultura é como uma “Segunda Natureza” que possibilita aos seres humanos suprirem a ausência da estrutura de instintos biologicamente determinados. Cultura: Uma Criação Social Esta “Segunda Natureza” que vestimos sobre nossa natureza biológica (a “Primeira” ) é fruto de criação social. Isto é resultado das soluções e respostas criativas dadas pelos indivíduos e pelo grupo social frente aos desafios que a vida coloca. Objetividade da Cultura Toda cultura é uma criação humana, mas quando uma cultura determinada se torna a nossa “Segunda Natureza” temos muita dificuldade em perceber isso. Os que não compartilham com as normas, os valores e os significados estabelecidos por esta cultura, são considerados como anormais pela sociedade. Relação Com o Diferente O diferente é aquele que com sua simples presença e modo de ser nega a vaidade “Eterna” e absoluta da cultura vigente. O processo de socialização O processo de socialização dos indivíduos sempre é uma ação sócio-grupal através da qual a cultura vigente de uma coletividade é repassada para as novas gerações. Contudo, O processo de construção social não é perfeito. A interiorização nunca é total, e com isso a exteriorização dos membros não reproduz completamente a ordem estabelecida. Legitimação da Ordem Estabelecida Como todas as ordens estabelecidas buscam a segurança e a sua reprodução, os grupos sociais criam mecanismos de defesa diante destas constantes “Ameaças” à realidade vigente. Sociedade Tradicional Nesta, a identidade social dos indivíduos é limitada pela própria tradição, pelo parentesco, pela localidade. São tradicionais aqueles povos que mantêm um modo de vida intimamente relacionado ao meio ambiente em que vivem. Além disso, eles tem seus hábitos, culturas, ciências e crenças transmitida de modo oral de geração em geração. Na Sociedade Tradicional, temos como característica o reconhecimento de que a identidade social dos indivíduos é limitada pela própria tradição, pelo parentesco e pela localidade. Em uma sociedade sem tradições a vida vem acompanhada da exigência de uma série de decisões. Sociedade Moderna Definimos algumas características representativas da sociedade moderna , quais sejam: Liberalismo; Individualismo; Destradicionalização”; Urbanização; Industrialização e Racionalização. A Sociedade moderna foi marcada por inúmeras transformações que impactaram no modo de vida e da relação entre os indivíduos. Ética e a Construção da Realidade
  • 3. A ética e suas implicações Na modernidade tentou-se substituir a moral essencialista da idade média que regulava todas as esferas da vida social, pela moral individualista ,onde cada um é, ao mesmo tempo, o seu legislador e juiz. E aquele que cria as regras de conduta pessoal e as aplica de acordo com critério racionais e seus interesses pessoais. Cada indivíduo se tornou autônomo para julgar o que é melhor para sí, na esfera da vida (econômica, política, direito, arte etc) A moral individualista levou ao consumismo, que passou a ser o próprio espirito do capitalismo, a fragmentação das esferas da vida social levou a desarmonia entre a ação de cada uma delas e o conjunto da sociedade. O pior é que esta situação está se agravando. Alguma coisa deu errado no percurso da locomotiva do progresso. A reflexão sobre a ética A reflexão sobre a ética pode nos ajudar a compreender a crise que atravessam as sociedades hoje e a propor alternativas para elas. As instituições modernas escondem uma moral interna que se corporifica num conjunto de normas e princípios. Não importam as consequências nem o contexto e a origem da dívida é preciso pagar! O sentimento ético Analisada em seu contexto mais amplo, a ética é muito mais do que princípios a serem ponderados quando queremos tomar determinadas decisões ou ações. A ética também está vinculada ao âmbito das emoções e dos sentimentos. Nesta esfera temos a indignação ética, a qual pode ser entendida como a experiência que nos permite desmascarar o mal travestido de normalidade e descobrir , mesmo que parcial e superficialmente, o bem e a justiça. Os valores éticos e o mercado Com a revolução industrial, o desenvolvimento das novas tecnologias e da computação, o mundo tornou-se uma grande aldeia global na qual a concorrência pelo mercado afeta diretamente as estruturas da sociedade e as questões relacionadas à natureza e sua exploração. Nesta conjuntura é preciso que os valores éticos sejam afirmados a fim de que haja um equilíbrio nestes pontos. Segundo Sung e Silva (2002), estes valores éticos dizem respeito à compreensão de que todos nós fazemos parte da sociedade e da natureza, e que é preciso fazer com que a economia se volte em função da qualidade de vida dos seres humanos. Por uma ética de responsabilidade solidária
  • 4. AS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DAS ORGANIZAÇÕES DENOMINADA BUROCRÁTICAS SÃO: 1. Divisão de trabalho entre os membros 2. A hierarquia representada graficamente por uma pirâmide 3. A regulamentação teórica e formal das operações 4. A impessoalidade do relacionamento interorgânico 5. A seleção do pessoal de acordo com os critérios e a capacidade e a sua progressão profissional. A EMPRESA, INSTITUIÇÃO VENCEDORA O Estado contemporâneo não consegue parar de guerrear, interna e externamente. O golpe firme da industrialização e da sofisticação e da sociedade. Sociólogos e economistas, cientistas políticos e juristas concordam sobre o fato de que o processo de industrialização das sociedades modernas tenha aumentado enormemente as tarefas do estado. OBSTÁCULOS ENFRENTADOS PELA EMPRESA Um dos obstáculos enfrentados pela empresa e a revolução da tecnologia, a obsolescência e um fator de desgaste para a atividade econômica. Um dos obstáculos enfrentados pela empresa e a revolução da tecnologia, a obsolescência e um fator de desgaste para a atividade econômica. O futuro da empresa depende de sua fidelidade a politicas comunitárias de prestigio. Ninguém quer comprar de um fabricante que explora mão de obra infantil A empresa contemporânea ou assume a ética - denominada responsabilidade social ou talvez venha escolher fracassos que podem leva-la ao desaparecimento do mercado. O PAPEL DAS ONGS E DOS STAKEHOLDERS Não é só a confiança no processo politico e no governo que desapareceu em alguns países, A credibilidade nas empresas também se viu reduzida a patamares críticos. Ética e a Empresa
  • 5. UM CODIGO DE ETICA PARA AS EMPRESAS Relacionar condutas antiéticas envolve um risco: tudo aquilo que não estiver exatamente caracterizado escapa ao rotulo e passas a ser eticamente permitido. A tendência e a generalização dos códigos de ética empresariais. Os valores inerentes a cultura de uma empresa podem ser formalizadas e expressos no chamado código de ética empresarial. Qual seria o conteúdo de um código de ética empresarial? Depende da orientação de seus formuladores e da clientela a que se destina. Os melhores códigos, contudo, tomam o cuidado de apresentar proibições e obrigações especificas. A MATRIZ DA VIRTUDE As inovações empresarias no setor da responsabilidades social ocorrem nas fronteiras, os quadrantes superiores da Matiz. Na fronteira estratégica, tanto atendem á comunidade como aos acionistas . Na fronteira estrutural, beneficiam a sociedade, mas não aos acionistas. Para que as empresas atuem nessa fronteira, a comunidade precisa tornar-se proativa, reivindicadora, consciente, e provocar a elaboração normativa que exija das empresas uma conduta compatível com a maturidade da comunidade em que se situam. A DUPLA MORAL BRASILEIRA Autores há que, entendem que “teimar em agir segundo a moral do oportunismo poderia sinalizar miopia por parte da empresas que se pretendam competitivas. No reverso da medalha, a efetiva adesão ao profissionalismo e á idoneidade, abandonando praticas empresarias duvidosas, constitui um virtuoso quebra-cabeça porque supõe deliberar sobre questões controversas e, na sequência, implica exercitar padrões de conduta de caráter altruísta. A verdade é que a moral da integridade é o discurso oficial presente em todas as oportunidades e exibido como atributo do caráter de todos os atores. Enquanto isso, a moral do oportunismo é o discurso oficioso a permear a sociedade por inteiro.
  • 6. A MORAL EMPRESARIAL DA PARCIALIDADE A moral da parcialidade privilegia os interesses restritos: amigo meu não tem defeito; para os amigos tudo, para os inimigos a lei. A moral da parcialidade corresponde a um compromisso ambíguo entre a lealdade nas relações particularistas e a conveniência das relações com os outros. É uma relação oportunista, e funciona em benefício daqueles que detêm o capital da relação social. A moral da parcialidade bate nas teclas: Todo mundo faz isto; Só os espertos têm vez; Onde há dinheiro, babaca não entra; Se nós não fizermos, outros farão; Primeiro o nosso, o resto a gente vê depois. O FUTURO DA EMPRESA O certo e que a empresa contemporânea precisara se atualizar antevês a mudança de rumos da sociedade, antecipar-se as necessidades, extrair das megatendências aquelas que interessam ao seu negócio .e pensar que uma educação mais consistente levara o consumo e os stakehoiderse exigentes cada vez mais sofisticada. O pessoal das empresas sabem exatamente oque ocorre quantas profissões desaparecem? quantos produtos já não tem mais lugar no mercado para permanecer na área da escolarização formal no caminho evolutivo desde a pena de ganso que usamos para escrever. A empresa organização inteligente e hábil a detectar as crises, já resistiu aos desvios do capitalismo e substitui as frestadas experiências socializantes encontra na moral empresarial a opção mais adequada a sobrevivência e aperfeiçoamento na turbulência era da efêmero e do descartável em que a espécie humana já se encontra envolvida. O PAPEL SOCIAL E ÉTICO DAS EMPRESAS Com o desenvolvimento da economia mundial e suas implicações no âmbito social e do meio ambiente ocorreu uma gradativa e crescente reflexão sobre o papel social e ético das empresas. Neste processo de conceituação, chegou-se à conclusão de que a ética na empresa significa a integração voluntária das preocupações sociais e ecológicas das empresas às suas atividades comerciais e às relações com todas as partes envolvidas neste processo, com o fim de satisfazer as obrigações jurídicas ligadas ao ser humano e ao meio ambiente.
  • 7. ANTIGUIDADE A Antiguidade tem início por volta 4.000 A.C., data que registra a invenção da escrita, pelos sumérios, na Mesopotâmia. O período - que se seguiu até 476 D.C, com o fim ao Império Romano do Ocidente – ficou marcado pelo surgimento dos Estados monárquicos, do escravismo, das religiões monoteístas, das ciências e, principalmente, da formação das primeiras grandes civilizações. OS CÓDIGOS DE DIREITO OU DE NORMAS MAIS ANTIGOS SÃO: 1. Código de Ur-Nammu 2. Código de Manu, 3. As Leis de Lipit-Ishtar 4. código de Hamurabi, e 5. As Leis das Dose Tábuas Código de Ur-Nammu (Aproximadamente 2.040 A.C) Código de Ur-Nammu escrito pelos sumérios - a mais remota manifestação de direito escrito que se tem notícia. Descreve costumes antigos transformados em leis e cria as penas pecuniárias para delitos diversos ao invés das penas talianas. É o principio da reparabilidade dos danos morais. Código de Manu (Aproximadamente,1.500 a. C) Foi escrito em sânscrito e é tido como a legislação mais antiga da Índia. Manu foi um personagem mítico, considerado “Filho de Brahma e Pai dos Homens”. Neste código há uma série de ideias sobre valores, tais como: Verdade, Justiça e Respeito. Os dados processuais que versam sobre a credibilidade dos testemunhos atribuem validade diferente à palavra dos homens, conforme a casta que pertencem. Construção histórica dos direitos humanos
  • 8. As Leis de Lipit-Ishtar (Aproximadamente, 1924 a. C) Escrito pelo Rei de Isin, cerca de 1924 a.C., encontrou-se o prólogo e 37 artigos. Era destinado a estabelecer o direito nas regiões da Suméria e da Acádia. Art.10 Se um homem cortar uma árvore pertencente ao jardim de outro homem deverá pagar uma mina e meia de prata. Art.14 Se o escravo de um homem tiver pago pela própria liberdade, e se houver provas do fato, o cativo deverá ser posto em liberdade. Código de Hamurabi (Aproximadamente, 1700 A. C.) Código de Hamurábi o mais célebre dos Códigos da Mesopotâmia. Criado pelo sexto rei da Babilônia Khammu-rabi, foi redigido no seu império em 21 colunas que contem 282 (Duzentas e oitenta e duas) cláusulas ( artigo) esculpidos na rocha. O código de Hamurabi é dividido em três classes sociais: 1. Awilum ( Filho do homem classe superior); 2. Muskênum ( classe do cidadão livre); 3. Wardum ( escravo marcado); As Leis das Dose Tábuas (Aproximadamente, 450 A. C) O Rei Justiniano publicou as leis das Dose Tábuas. Contendo dois princípios. 1. 12 peças de madeiras que foram colocadas de frente ao Fórum romano, de modo que todos pudesse lê-las e conhecê-las. ( nascimento da publicidade, das normas) 2. Foi uma das primeiras leis que ditaram normas eliminando as diferenças de classes - princípios da igualdade entre todos habitantes. (nascimento do principio da igualdade)
  • 9. IDADE MÉDIA A Idade Média é um periodo da historia da Europa entre os séculos V e XV. Inicia-se com a Queda do Imperio Romano do Ocidente e termina durante a transição para a Idade Media. A Idade Média é o período intermédio da divisão clássica da História ocidental em três períodos: a Antiguidade, Idade Média e Idade Moderna, sendo frequentemente dividido em Alta e Baixa Idade Média. A população foi dizimada por sucessivas carestias e pestes; só a peste negra foi responsável pela morte de um terço da população europeia entre 1347 e 1350. O grande Cisma do Ocidente no seio da Igreja teve consequências profundas na sociedade e foi um dos fatores que esteve na origem de inúmeras guerras entre estados. Assistiu-se também a diversas guerras civis e revoltas populares dentro dos próprios reinos. O progresso cultural e tecnológico transformou por completo a sociedade europeia, concluindo a Idade Média e dando início à Idade Moderna. IDADE MODERNA Com a idade Moderna, os racionalistas dos séculos XVII e XVIII, reformulam as teorias do direito natural, deixando de estar submetido a uma ordem divina. Para os racionalistas todos os homens são por natureza livres e têm certos direitos inatos de que não podem ser despojados quando entram em sociedade. Foi esta corrente de pensamento que acabou por inspirar o atual sistema internacional de proteção dos direitos do homem. A primeira declaração dos direitos humanos da época moderna é a Declaração de Direitos de Virginia de 12 de junho de 1776, escrito por George Mason e proclamado pela Convenção da Virgínia. Esta grande medida influenciou Thomas Jefferson na declaração dos direitos humanos que se existe na declaração de Independência dos Estados Unidos da América de 4 de julho de 1776, assim como também influenciou a Assembleia Nacional francesa em sua declaração, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão de 1789esta última definia o direito individual. A noção de direitos humanos não experimentou grandes mudanças até o século seguinte com o início das lutas operárias, surgiram novos direitos que pretendiam dar solução a determinados problemas sociais através da intervenção do Estado. Neste processo são importantes a Revolução Russa e a Revolução mexicana. Desde o nascimento da Organizações das Nações Unidas em 1945, o conceito de direitos humanos se tem universalizado, alcançando uma grande importância na cultura jurídica internacional. Em 10 de Dezembro de 1948 a Declaração Universal dos Direitos Humanos foi adotada e proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em sua Resolução 217 A (III), como resposta aos horrores da Segunda Guerra Mundial e como intento de sentar as bases da nova ordem internacional que surgia atrás do armistício. Coincidência ou não, foi proclamada no mesmo ano da proclamação do estado de Israel. IDADE CONTEMPORÂNEA Compreendido entre a Revolução Francesa de 1789 e os dias atuais, o período histórico conhecido como Idade Contemporânea é marcado por transformações profundas na organização da sociedade e também por conflitos de amplitude mundial.
  • 10. Critério Ético e Posturas Morais Ética é para nós uma dimensão que nos permite o questionamento sobre as práticas, atitudes, regras é ações humanas. Para que este questionamento seja possível é necessário saber qual o critério que estamos usando para avaliar a ação humana. O critério que assumimos é a própria vida humana. Partimos do principio de que as sociedades existem para garantir a sobrevivência dos seres humanos. TRÊS POSTURAS SOBRE A MORAL Sobre as questões morais se debruçaram grandes filósofos que produziram contribuições muito significativas, pretendemos apresentar as posturas mais comuns que as pessoas adotam frente a questão moral. E claro que muitas delas podem refletir em alguma medida a influência filosófica. Moral essencialista Trata-se de um conjunto de normas que devem servir de base para o comportamento moral dos indivíduos em toda e qualquer situação. Geralmente esse conjunto de princípios esta alicerçado sobre um principio regulador de fundo filosófico ou, na maioria dos casos, religioso. Moral individualista A moral individualista é a moral do capitalismo. Esse tipo de moral é bastante corrosiva porquê é simplesmente irresponsável, este tipo de moral não responde as necessidades da convivência social, pois não se pode viver numa sociedade sem abrir mão de algum interesse pessoal e imediato para que todos os membros da comunidade possam também ter acesso a um mínimo indispensável para uma vida digna. Ética da responsabilidade Ela não se orienta somente por princípios mas principalmente pelo contexto e pelos efeitos que podem causar nossas ações. Nessa perspectiva cada grupo social determina os padrões de conduta que devem ser seguidos pelos indivíduos desse grupo. Estes padrões porem não devem ser universais e imutáveis mas sim relativos a cada situação determinada e sempre sujeitos a mudanças, caso a comunidade as julgue necessárias.
  • 11. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 12. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 13. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 14. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 15. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 16. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 17. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 18. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 19. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 20. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 21. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 22. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 23. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 24. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 25. O conceito de cidadania e suas implicações na vida social
  • 26. 1. Considerando que a afirmação legal dos Direitos Humanos e sua universalidade é matéria relativamente nova na história da humanidade, como podemos defender a importância desta conquista para as relações no campo de trabalho? 2. Considerando que o conceito de cidadania é um construto humano, tecido a partir das reflexões sobre a dignidade humana, reflita sobre a importância deste conceito para a vivência social. 3. Sabendo-se que as relações interpessoais e os modos de ser no mundo refletem os valores morais de uma sociedade plural, o que é preciso fazer para que haja um clima de cooperação e produtividade laboral no ambiente de trabalho? Pare e Pense Pare e Pense
  • 27. Profº Ms. Israel Serique dos Santos [Doutorando e Mestre em Ciências da Religião (PUC- Goiás); Licenciado em Pedagogia (UVA-Ceará) e História (UVA-Ceará)]; Bacharel em Teologia (FACETEN- Roraima); licenciando em Matemática (UNIFAN-Goiás). e-mail: israelserique@gmail.com Ética, Direitos Humanos e Cidadania Resumo do seminário “Ética, Cidadania e Direitos Humanos”