SlideShare uma empresa Scribd logo
O Terceiro Setor hoje no Brasil       O Terceiro Setor é constituído por organizações privadas sem fins lucrativos que geram bens, serviços públicos e privados. Todas elas têm como objetivo o desenvolvimento político, econômico, social e cultural no meio em que atuam.       Exemplos de organizações do Terceiro Setor são as organizações não governamentais (ONGs), as associações e fundações.  - O Estado é o Primeiro Setor - O Mercado é o Segundo Setor  - Entidades da Sociedade Civil formam o Terceiro Setor Crescimento      O Terceiro Setor não para de crescer no Brasil. São mais de 250 mil ONGs no país, que movimentam R$ 12 bilhões/ano1, oriundos da prestação de serviços, do comércio de produtos e da arrecadação de doações.       O valor corresponde a 1,2% do PIB brasileiro e demonstra enorme potencial de crescimento, pois o setor já movimenta 6% do PIB em países da Europa e nos EUA. Outro dado confirma a expansão: em 1995, entre as pessoas físicas, no Brasil, havia 15 milhões de doadores2, número que em 1998 já havia triplicado, chegando a 44,2 milhões de pessoas, ou 50% da população adulta brasileira
Crescimento      O Terceiro Setor não para de crescer no Brasil. São mais de 250 mil ONGs no país, que movimentam R$ 12 bilhões/ano1, oriundos da prestação de serviços, do comércio de produtos e da arrecadação de doações.        O valor corresponde a 1,2% do PIB brasileiro e demonstra enorme potencial de crescimento, pois o setor já movimenta 6% do PIB em países da Europa e nos EUA. Outro dado confirma a expansão: em 1995, entre as pessoas físicas, no Brasil, havia 15 milhões de doadores2, número que em 1998 já havia triplicado, chegando a 44,2 milhões de pessoas, ou 50% da população adulta brasileira
3 (Três) Tipos de Estruturas Alternativas– para a empresa lidar com ações de responsabilidade social As Organizações de Terceiro Setor (OTS)
EMPRESA AÇÕES PARA ATINGIR OBJETIVOS DO NEGÓCIO AÇÕES PARA ATINGIR OBJETIVOS SOCIAIS $$ Opção A . – A empresa internaliza as atividades operacionalizando  diretamente os projetos sociais
Opção A  -  Internalização da atividade social, por meio da  Operacionalização direta de projetos sociais pela própria estrutura Organizacional da empresa. É o caso em que existiria alta especificidade das ações da empresa, em função do Tipo e do local das ações sociais a serem desenvolvidas. Por exemplo, ações  Sociais/ambientais que têm efeito direto e interligado c/ a atv. Central da empresa, Como uma determinada ação corretiva ou preventiva de potenciais efeitos  ambientais da empresa na sua área de atuação. Também é o caso de uma ação intrinsecamente relacionada com a atv.,  Especialmente as ações internas dirigidas aos próprios funcionários, com efeitos  no desempenho da empresa. Ou quando se deseja explorar de forma intensa a  Especificidade da marca, associando diretamente determinada prática de  Responsabilidade social ao negócio da empresa.
Opção B . – A empresa desenvolve ações sociais por meio de outra organização sob seu controle EMPRESA AÇÕES PARA ATINGIR OBJETIVOS DO NEGÓCIO ORGANIZAÇÕES ESPECIALIZADAS SOB CONTROLE HIERÁRQUICO DA EMPRESA (ex.: Fundação) $$ AÇÕES PARA ATINGIR OBJETIVOS SOCIAIS
Opção B  -  Criação de uma estrutura própria especializada em Atividades sociais. É o caso das fundações  empresariais, criadas especificamente para lidar com as Ações de responsabilidade social dirigidas à comunidade, sob controle da empresa Mantenedora. Esse caso justifica-se quando não existe necessariamente uma ligação  intrínseca direta entre a ação de responsabilidade social e a ativ. Central da empresa. Entretanto, a empresa mantenedora deseja ter sob seu controle os objetivo básicos E as estratégias dessa organização e, de alguma forma, explorar a “especificidade da marca”, associando a imagem da empresa às atvs sociais desenvolvidas pela  organização sob seu controle hierárquico. As fundações empresariais vêm ganhando destaque como parte integrante  do terceiro setor com a ampliação das ações sociais por parte das empresas, que Procuram desenvolver seus projetos sociais por meio de uma estrutura própria  especializada. Alguns exemplos são: Fundação Bradesco, Fundação C&A, Fundação Acesita, Fundação Belgo, Fundação Itaú, entre outras, que vêm obtendo projeção por suas atvs.
Opção C . – A empresa desenvolve ações sociais por meio de parcerias com outras organizações, sem operacionalizar diretamente as atividades EMPRESA AÇÕES PARA ATINGIR OBJETIVOS DO NEGÓCIO ORGANIZAÇÕES ESPECIALIZADAS ( Sem controle hierárquico da empresa) $$ AÇÕES PARA ATINGIR OBJETIVOS SOCIAIS
Opção C  -  Ações sociais por meio de parcerias com outras organizações Nessa opção, a empresa não opera diretamente as ações sociais, e também não Mantém sob seu controle uma organização externa para lidar com ações sociais. As iniciativas da empresa são  spot , ou seja, dão-se por meio de doações, contratos  De parceria ou outras formas indiretas de atuação social.  O grau de envolvimento E o comprometimento com os resultados e as conseqüências das ações sociais São menores que nos modelos anteriores. De acordo com o enfoque da  teoria da agência , deve-se considerar que  a estrutura seja capaz de atingir dois requisitos: 1 – A minimização dos custos de  agência  (conflitos na relação  agente-principal). 2 – A efetividade das ações sociais. A partir de uma determinada complexidade ou volume das ações sociais, A opção  B  seria a mais indicada. Primeiro, porque haveria uma clara separação  das funções-objetivo das duas organizações. A empresa poderia financiar a  Organização externa – sob seu controle hierárquico – com uma quantidade  Especificada de recursos, e os  agentes  seriam responsáveis pelas ações,  Monitorados pelos donatários – em última instância, os acionistas da empresa.
Os agentes, por sua vez, estariam concentrados somente nas estratégias e ações Voltadas para os objetivos do negócio. As fundações empresariais se enquadram Nesse universo. A outra razão é baseada no argumento funcional, pois os tipos de ação  e o perfil dos  agentes  que lidam com organizações com e sem fins lucrativos são Diferentes em muitos aspectos. Como conseqüência, o grau de especialização  Requerido para o gerenciamento dessas organizações é distinto. As ações tanto Dos  agentes  da empresa com fins lucrativos como dos  agentes  da empresa  Social se tornam mais transparentes e verificáveis. Em tese, esses argumentos sustentam a separação de funções – objetivos Do negócio e objetivos sociais – entre diferentes entidades. Mas a separação das Atvs. Requer um claro e eficaz sistema de monitoramento e controle. A despeito da emergência das fundações empresariais no Brasil, a maioria das empresas com programas sociais não possui estrutura especializada para o gerenciamento dos investimentos sociais. Essa estrutura contribuiria para se obter mais qualidade e eficiência na aplicação de recursos.  No contexto brasileiro, em uma amostra de 379 questionários enviados p/ empresas com atuação social, 78 % desenvolviam ações sociais sem fundações Próprias de apoio, e 22 % desenvolviam ações por meio de fundações.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra De Rs E 3º Setor 30.05.07
Palestra De Rs E 3º Setor   30.05.07Palestra De Rs E 3º Setor   30.05.07
Palestra De Rs E 3º Setor 30.05.07
taniamaciel
 
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...
Felippe Kopanakis
 
Módulo 1 - O Terceiro Setor
Módulo 1 - O Terceiro SetorMódulo 1 - O Terceiro Setor
Módulo 1 - O Terceiro Setor
Portal Voluntários Online
 
Terceiro setor
Terceiro setorTerceiro setor
Terceiro setor
AlexanderLights
 
Unidade i. a terceiro setor
Unidade i. a terceiro setorUnidade i. a terceiro setor
Unidade i. a terceiro setor
Sandy Faidherb
 
Terceiro setor e responsabilidade social das organizações curso
Terceiro setor e responsabilidade social das organizações  cursoTerceiro setor e responsabilidade social das organizações  curso
Terceiro setor e responsabilidade social das organizações curso
Rosane Domingues
 
Desafios da gestão organizações do terceiro setor
Desafios da gestão organizações do terceiro setorDesafios da gestão organizações do terceiro setor
Desafios da gestão organizações do terceiro setor
ulissesporto
 
Terceiro Setor no Brasil
Terceiro Setor no BrasilTerceiro Setor no Brasil
Terceiro Setor no Brasil
Prime Work Consultoria
 
Manual do Terceiro Setor
Manual do Terceiro SetorManual do Terceiro Setor
Manual do Terceiro Setor
Caio Pontes
 
Sustentabilidade Terceiro Setor
Sustentabilidade Terceiro SetorSustentabilidade Terceiro Setor
Sustentabilidade Terceiro Setor
Celia Carvalho
 
Manual de procedimento para terceiro setor
Manual de procedimento para terceiro setorManual de procedimento para terceiro setor
Manual de procedimento para terceiro setor
Debrita21
 
Apres Terceiro Setor
Apres Terceiro SetorApres Terceiro Setor
Apres Terceiro Setor
allviana
 
Especializações do marketing 3a aula - 23/02/2011
Especializações do marketing   3a aula - 23/02/2011Especializações do marketing   3a aula - 23/02/2011
Especializações do marketing 3a aula - 23/02/2011
Unip e Uniplan
 
Terceiro setor cláudio
Terceiro setor   cláudioTerceiro setor   cláudio
Terceiro setor cláudio
Claudio Lammardo Neto (Cachorrão)
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
saracfmarques2013
 
Importancia do Terceiro Setor e a contribuição do gerenciamento de projetos
Importancia do Terceiro Setor e a contribuição do gerenciamento de projetosImportancia do Terceiro Setor e a contribuição do gerenciamento de projetos
Importancia do Terceiro Setor e a contribuição do gerenciamento de projetos
AtmanSocial
 
Negocios com impacto social
Negocios com impacto socialNegocios com impacto social
Negocios com impacto social
Renato Antunes
 
RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EMPRESARIAIS - Prof. Noe Assunção
RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EMPRESARIAIS - Prof. Noe AssunçãoRESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EMPRESARIAIS - Prof. Noe Assunção
RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EMPRESARIAIS - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
GLOSSÁRIO  DO  TERCEIRO  SETOR GLOSSÁRIO  DO  TERCEIRO  SETOR
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
Rosane Domingues
 
Contabilidade setor
Contabilidade setorContabilidade setor
Contabilidade setor
custos contabil
 

Mais procurados (20)

Palestra De Rs E 3º Setor 30.05.07
Palestra De Rs E 3º Setor   30.05.07Palestra De Rs E 3º Setor   30.05.07
Palestra De Rs E 3º Setor 30.05.07
 
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O TERCEIRO SETOR: FORTALECER AS ORGANIZAÇÕES PARA A S...
 
Módulo 1 - O Terceiro Setor
Módulo 1 - O Terceiro SetorMódulo 1 - O Terceiro Setor
Módulo 1 - O Terceiro Setor
 
Terceiro setor
Terceiro setorTerceiro setor
Terceiro setor
 
Unidade i. a terceiro setor
Unidade i. a terceiro setorUnidade i. a terceiro setor
Unidade i. a terceiro setor
 
Terceiro setor e responsabilidade social das organizações curso
Terceiro setor e responsabilidade social das organizações  cursoTerceiro setor e responsabilidade social das organizações  curso
Terceiro setor e responsabilidade social das organizações curso
 
Desafios da gestão organizações do terceiro setor
Desafios da gestão organizações do terceiro setorDesafios da gestão organizações do terceiro setor
Desafios da gestão organizações do terceiro setor
 
Terceiro Setor no Brasil
Terceiro Setor no BrasilTerceiro Setor no Brasil
Terceiro Setor no Brasil
 
Manual do Terceiro Setor
Manual do Terceiro SetorManual do Terceiro Setor
Manual do Terceiro Setor
 
Sustentabilidade Terceiro Setor
Sustentabilidade Terceiro SetorSustentabilidade Terceiro Setor
Sustentabilidade Terceiro Setor
 
Manual de procedimento para terceiro setor
Manual de procedimento para terceiro setorManual de procedimento para terceiro setor
Manual de procedimento para terceiro setor
 
Apres Terceiro Setor
Apres Terceiro SetorApres Terceiro Setor
Apres Terceiro Setor
 
Especializações do marketing 3a aula - 23/02/2011
Especializações do marketing   3a aula - 23/02/2011Especializações do marketing   3a aula - 23/02/2011
Especializações do marketing 3a aula - 23/02/2011
 
Terceiro setor cláudio
Terceiro setor   cláudioTerceiro setor   cláudio
Terceiro setor cláudio
 
Terceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade socialTerceiro setor e Responsabilidade social
Terceiro setor e Responsabilidade social
 
Importancia do Terceiro Setor e a contribuição do gerenciamento de projetos
Importancia do Terceiro Setor e a contribuição do gerenciamento de projetosImportancia do Terceiro Setor e a contribuição do gerenciamento de projetos
Importancia do Terceiro Setor e a contribuição do gerenciamento de projetos
 
Negocios com impacto social
Negocios com impacto socialNegocios com impacto social
Negocios com impacto social
 
RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EMPRESARIAIS - Prof. Noe Assunção
RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EMPRESARIAIS - Prof. Noe AssunçãoRESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EMPRESARIAIS - Prof. Noe Assunção
RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EMPRESARIAIS - Prof. Noe Assunção
 
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
GLOSSÁRIO  DO  TERCEIRO  SETOR GLOSSÁRIO  DO  TERCEIRO  SETOR
GLOSSÁRIO DO TERCEIRO SETOR
 
Contabilidade setor
Contabilidade setorContabilidade setor
Contabilidade setor
 

Destaque

RELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIAL
RELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIALRELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIAL
RELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIAL
Rosane Domingues
 
política social e políticas públicas
política social e políticas públicaspolítica social e políticas públicas
política social e políticas públicas
Leonardo Rocha
 
Questao social e Politicas Sociais
Questao social e Politicas Sociais Questao social e Politicas Sociais
Questao social e Politicas Sociais
GlauciaAS
 
Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...
Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...
Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...
Isabel Amaral
 
Políticas públicas
Políticas públicasPolíticas públicas
Políticas públicas
jorge luiz dos santos de souza
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
Alinebrauna Brauna
 
Trabalho de questao social! seminári!
Trabalho de questao social! seminári!Trabalho de questao social! seminári!
Trabalho de questao social! seminári!
Mony Lima
 
POLÍTICAS PÚBLICAS: Princípios, Propósitos e Processos
POLÍTICAS PÚBLICAS: Princípios, Propósitos e ProcessosPOLÍTICAS PÚBLICAS: Princípios, Propósitos e Processos
POLÍTICAS PÚBLICAS: Princípios, Propósitos e Processos
fcmatosbh
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasil
Arare Carvalho Júnior
 
Questão Social
Questão SocialQuestão Social
Questão Social
Carol Alves
 
Questão Social no Brasil
Questão Social no BrasilQuestão Social no Brasil
política social - fundamentos e história
política social - fundamentos e históriapolítica social - fundamentos e história
política social - fundamentos e história
Rafael Dionisio
 
Políticas públicas sefaz
Políticas públicas sefazPolíticas públicas sefaz
Políticas públicas sefaz
Fábio Maia
 
Aula de pós graduação polítca social e questão social1
Aula de pós graduação   polítca social e questão social1Aula de pós graduação   polítca social e questão social1
Aula de pós graduação polítca social e questão social1
Estevam Cesar
 
Apostila 04 questão social
Apostila 04   questão socialApostila 04   questão social
Apostila 04 questão social
Marilda Cardoso
 
Politicas publicas
Politicas publicasPoliticas publicas
Politicas publicas
pibidsociais
 
Políticas públicas alm
Políticas públicas almPolíticas públicas alm
Políticas públicas alm
Antonio Medina
 
Apresentação serviços social
Apresentação serviços socialApresentação serviços social
Apresentação serviços social
jorge luiz dos santos de souza
 
A relação do serviço social com os movimentos
A relação do serviço social com os movimentosA relação do serviço social com os movimentos
A relação do serviço social com os movimentos
Rosane Domingues
 
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid..."A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
Edson De Souza
 

Destaque (20)

RELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIAL
RELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIALRELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIAL
RELIGIÃO E POLÍTICAS SOCIAIS - SERVIÇO SOCIAL
 
política social e políticas públicas
política social e políticas públicaspolítica social e políticas públicas
política social e políticas públicas
 
Questao social e Politicas Sociais
Questao social e Politicas Sociais Questao social e Politicas Sociais
Questao social e Politicas Sociais
 
Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...
Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...
Democratizar a gestão das políticas sociais – um desafio a ser enfrentado pel...
 
Políticas públicas
Políticas públicasPolíticas públicas
Políticas públicas
 
Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2Apresentação politica de assistencia social 2
Apresentação politica de assistencia social 2
 
Trabalho de questao social! seminári!
Trabalho de questao social! seminári!Trabalho de questao social! seminári!
Trabalho de questao social! seminári!
 
POLÍTICAS PÚBLICAS: Princípios, Propósitos e Processos
POLÍTICAS PÚBLICAS: Princípios, Propósitos e ProcessosPOLÍTICAS PÚBLICAS: Princípios, Propósitos e Processos
POLÍTICAS PÚBLICAS: Princípios, Propósitos e Processos
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasil
 
Questão Social
Questão SocialQuestão Social
Questão Social
 
Questão Social no Brasil
Questão Social no BrasilQuestão Social no Brasil
Questão Social no Brasil
 
política social - fundamentos e história
política social - fundamentos e históriapolítica social - fundamentos e história
política social - fundamentos e história
 
Políticas públicas sefaz
Políticas públicas sefazPolíticas públicas sefaz
Políticas públicas sefaz
 
Aula de pós graduação polítca social e questão social1
Aula de pós graduação   polítca social e questão social1Aula de pós graduação   polítca social e questão social1
Aula de pós graduação polítca social e questão social1
 
Apostila 04 questão social
Apostila 04   questão socialApostila 04   questão social
Apostila 04 questão social
 
Politicas publicas
Politicas publicasPoliticas publicas
Politicas publicas
 
Políticas públicas alm
Políticas públicas almPolíticas públicas alm
Políticas públicas alm
 
Apresentação serviços social
Apresentação serviços socialApresentação serviços social
Apresentação serviços social
 
A relação do serviço social com os movimentos
A relação do serviço social com os movimentosA relação do serviço social com os movimentos
A relação do serviço social com os movimentos
 
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid..."A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
"A importancia do SUAS como Política Pública como garantia de Direitos do Cid...
 

Semelhante a Terceiro Setor Aula 01

Trabalho Acadêmico
Trabalho Acadêmico Trabalho Acadêmico
Trabalho Acadêmico
valeriasilverio
 
Gestão social democratica
Gestão social democratica Gestão social democratica
Gestão social democratica
Karla Lopes
 
Tidir atualizado dia 31 10-10
Tidir atualizado dia 31 10-10Tidir atualizado dia 31 10-10
Tidir atualizado dia 31 10-10
valeriasilverio
 
Trabalho Científico TIDIR 2
Trabalho Científico TIDIR 2Trabalho Científico TIDIR 2
Trabalho Científico TIDIR 2
valeriasilverio
 
Responsabilidade Social:um novo papel das empresas
Responsabilidade Social:um novo papel das empresasResponsabilidade Social:um novo papel das empresas
Responsabilidade Social:um novo papel das empresas
Conspiração Mineira pela Educação
 
fundacaosemear.ppt
fundacaosemear.pptfundacaosemear.ppt
fundacaosemear.ppt
Thayanne5
 
fundacaosemear.ppt
fundacaosemear.pptfundacaosemear.ppt
fundacaosemear.ppt
858969
 
Artigo a responsabilidade_social_da_empresa_como_atitude_p.
Artigo a responsabilidade_social_da_empresa_como_atitude_p.Artigo a responsabilidade_social_da_empresa_como_atitude_p.
Artigo a responsabilidade_social_da_empresa_como_atitude_p.
wzuckerj
 
Investimento Social Empresarial no Brasil
Investimento Social Empresarial no BrasilInvestimento Social Empresarial no Brasil
Investimento Social Empresarial no Brasil
Raquel Cristina Neves Rocha
 
A responsabilidade social corporativa como instrumento de marketing
A responsabilidade social corporativa como instrumento de marketingA responsabilidade social corporativa como instrumento de marketing
A responsabilidade social corporativa como instrumento de marketing
Amanda Jhonys
 
Trabalho mkt societal
Trabalho mkt societalTrabalho mkt societal
Trabalho mkt societal
Fabiana Sentieiro
 
A_Responsabilidade_Social_nas_Organizacoes_Percepc.pdf
A_Responsabilidade_Social_nas_Organizacoes_Percepc.pdfA_Responsabilidade_Social_nas_Organizacoes_Percepc.pdf
A_Responsabilidade_Social_nas_Organizacoes_Percepc.pdf
BrainerRani
 
Responsabilidade social e a formação de parcerias multissetorias: a experiênc...
Responsabilidade social e a formação de parcerias multissetorias: a experiênc...Responsabilidade social e a formação de parcerias multissetorias: a experiênc...
Responsabilidade social e a formação de parcerias multissetorias: a experiênc...
fcmatosbh
 
Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social
Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento socialModelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social
Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social
Symnetics Business Transformation
 
Organizações da Iniciativa Privada e a Governança Social Integrada
Organizações da Iniciativa Privada e a Governança  Social IntegradaOrganizações da Iniciativa Privada e a Governança  Social Integrada
Organizações da Iniciativa Privada e a Governança Social Integrada
Fundação Dom Cabral - FDC
 
parte4-organizao-171014133358.pptx
parte4-organizao-171014133358.pptxparte4-organizao-171014133358.pptx
parte4-organizao-171014133358.pptx
KamilaRissi1
 
Pipa na Revista Cidade Nova
Pipa na Revista Cidade NovaPipa na Revista Cidade Nova
Pipa na Revista Cidade Nova
Pipa_vc
 
Terceiro setor
Terceiro setorTerceiro setor
Terceiro setor
Jorge Luiz Lima Andrade
 
4[1]empreendedorismo
4[1]empreendedorismo4[1]empreendedorismo
4[1]empreendedorismo
SANDRALAMEU
 
Negocios impacto 1212 share
Negocios impacto 1212 shareNegocios impacto 1212 share
Negocios impacto 1212 share
Michel Freller
 

Semelhante a Terceiro Setor Aula 01 (20)

Trabalho Acadêmico
Trabalho Acadêmico Trabalho Acadêmico
Trabalho Acadêmico
 
Gestão social democratica
Gestão social democratica Gestão social democratica
Gestão social democratica
 
Tidir atualizado dia 31 10-10
Tidir atualizado dia 31 10-10Tidir atualizado dia 31 10-10
Tidir atualizado dia 31 10-10
 
Trabalho Científico TIDIR 2
Trabalho Científico TIDIR 2Trabalho Científico TIDIR 2
Trabalho Científico TIDIR 2
 
Responsabilidade Social:um novo papel das empresas
Responsabilidade Social:um novo papel das empresasResponsabilidade Social:um novo papel das empresas
Responsabilidade Social:um novo papel das empresas
 
fundacaosemear.ppt
fundacaosemear.pptfundacaosemear.ppt
fundacaosemear.ppt
 
fundacaosemear.ppt
fundacaosemear.pptfundacaosemear.ppt
fundacaosemear.ppt
 
Artigo a responsabilidade_social_da_empresa_como_atitude_p.
Artigo a responsabilidade_social_da_empresa_como_atitude_p.Artigo a responsabilidade_social_da_empresa_como_atitude_p.
Artigo a responsabilidade_social_da_empresa_como_atitude_p.
 
Investimento Social Empresarial no Brasil
Investimento Social Empresarial no BrasilInvestimento Social Empresarial no Brasil
Investimento Social Empresarial no Brasil
 
A responsabilidade social corporativa como instrumento de marketing
A responsabilidade social corporativa como instrumento de marketingA responsabilidade social corporativa como instrumento de marketing
A responsabilidade social corporativa como instrumento de marketing
 
Trabalho mkt societal
Trabalho mkt societalTrabalho mkt societal
Trabalho mkt societal
 
A_Responsabilidade_Social_nas_Organizacoes_Percepc.pdf
A_Responsabilidade_Social_nas_Organizacoes_Percepc.pdfA_Responsabilidade_Social_nas_Organizacoes_Percepc.pdf
A_Responsabilidade_Social_nas_Organizacoes_Percepc.pdf
 
Responsabilidade social e a formação de parcerias multissetorias: a experiênc...
Responsabilidade social e a formação de parcerias multissetorias: a experiênc...Responsabilidade social e a formação de parcerias multissetorias: a experiênc...
Responsabilidade social e a formação de parcerias multissetorias: a experiênc...
 
Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social
Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento socialModelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social
Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social
 
Organizações da Iniciativa Privada e a Governança Social Integrada
Organizações da Iniciativa Privada e a Governança  Social IntegradaOrganizações da Iniciativa Privada e a Governança  Social Integrada
Organizações da Iniciativa Privada e a Governança Social Integrada
 
parte4-organizao-171014133358.pptx
parte4-organizao-171014133358.pptxparte4-organizao-171014133358.pptx
parte4-organizao-171014133358.pptx
 
Pipa na Revista Cidade Nova
Pipa na Revista Cidade NovaPipa na Revista Cidade Nova
Pipa na Revista Cidade Nova
 
Terceiro setor
Terceiro setorTerceiro setor
Terceiro setor
 
4[1]empreendedorismo
4[1]empreendedorismo4[1]empreendedorismo
4[1]empreendedorismo
 
Negocios impacto 1212 share
Negocios impacto 1212 shareNegocios impacto 1212 share
Negocios impacto 1212 share
 

Terceiro Setor Aula 01

  • 1. O Terceiro Setor hoje no Brasil      O Terceiro Setor é constituído por organizações privadas sem fins lucrativos que geram bens, serviços públicos e privados. Todas elas têm como objetivo o desenvolvimento político, econômico, social e cultural no meio em que atuam.      Exemplos de organizações do Terceiro Setor são as organizações não governamentais (ONGs), as associações e fundações. - O Estado é o Primeiro Setor - O Mercado é o Segundo Setor - Entidades da Sociedade Civil formam o Terceiro Setor Crescimento      O Terceiro Setor não para de crescer no Brasil. São mais de 250 mil ONGs no país, que movimentam R$ 12 bilhões/ano1, oriundos da prestação de serviços, do comércio de produtos e da arrecadação de doações.       O valor corresponde a 1,2% do PIB brasileiro e demonstra enorme potencial de crescimento, pois o setor já movimenta 6% do PIB em países da Europa e nos EUA. Outro dado confirma a expansão: em 1995, entre as pessoas físicas, no Brasil, havia 15 milhões de doadores2, número que em 1998 já havia triplicado, chegando a 44,2 milhões de pessoas, ou 50% da população adulta brasileira
  • 2. Crescimento      O Terceiro Setor não para de crescer no Brasil. São mais de 250 mil ONGs no país, que movimentam R$ 12 bilhões/ano1, oriundos da prestação de serviços, do comércio de produtos e da arrecadação de doações.       O valor corresponde a 1,2% do PIB brasileiro e demonstra enorme potencial de crescimento, pois o setor já movimenta 6% do PIB em países da Europa e nos EUA. Outro dado confirma a expansão: em 1995, entre as pessoas físicas, no Brasil, havia 15 milhões de doadores2, número que em 1998 já havia triplicado, chegando a 44,2 milhões de pessoas, ou 50% da população adulta brasileira
  • 3. 3 (Três) Tipos de Estruturas Alternativas– para a empresa lidar com ações de responsabilidade social As Organizações de Terceiro Setor (OTS)
  • 4. EMPRESA AÇÕES PARA ATINGIR OBJETIVOS DO NEGÓCIO AÇÕES PARA ATINGIR OBJETIVOS SOCIAIS $$ Opção A . – A empresa internaliza as atividades operacionalizando diretamente os projetos sociais
  • 5. Opção A - Internalização da atividade social, por meio da Operacionalização direta de projetos sociais pela própria estrutura Organizacional da empresa. É o caso em que existiria alta especificidade das ações da empresa, em função do Tipo e do local das ações sociais a serem desenvolvidas. Por exemplo, ações Sociais/ambientais que têm efeito direto e interligado c/ a atv. Central da empresa, Como uma determinada ação corretiva ou preventiva de potenciais efeitos ambientais da empresa na sua área de atuação. Também é o caso de uma ação intrinsecamente relacionada com a atv., Especialmente as ações internas dirigidas aos próprios funcionários, com efeitos no desempenho da empresa. Ou quando se deseja explorar de forma intensa a Especificidade da marca, associando diretamente determinada prática de Responsabilidade social ao negócio da empresa.
  • 6. Opção B . – A empresa desenvolve ações sociais por meio de outra organização sob seu controle EMPRESA AÇÕES PARA ATINGIR OBJETIVOS DO NEGÓCIO ORGANIZAÇÕES ESPECIALIZADAS SOB CONTROLE HIERÁRQUICO DA EMPRESA (ex.: Fundação) $$ AÇÕES PARA ATINGIR OBJETIVOS SOCIAIS
  • 7. Opção B - Criação de uma estrutura própria especializada em Atividades sociais. É o caso das fundações empresariais, criadas especificamente para lidar com as Ações de responsabilidade social dirigidas à comunidade, sob controle da empresa Mantenedora. Esse caso justifica-se quando não existe necessariamente uma ligação intrínseca direta entre a ação de responsabilidade social e a ativ. Central da empresa. Entretanto, a empresa mantenedora deseja ter sob seu controle os objetivo básicos E as estratégias dessa organização e, de alguma forma, explorar a “especificidade da marca”, associando a imagem da empresa às atvs sociais desenvolvidas pela organização sob seu controle hierárquico. As fundações empresariais vêm ganhando destaque como parte integrante do terceiro setor com a ampliação das ações sociais por parte das empresas, que Procuram desenvolver seus projetos sociais por meio de uma estrutura própria especializada. Alguns exemplos são: Fundação Bradesco, Fundação C&A, Fundação Acesita, Fundação Belgo, Fundação Itaú, entre outras, que vêm obtendo projeção por suas atvs.
  • 8. Opção C . – A empresa desenvolve ações sociais por meio de parcerias com outras organizações, sem operacionalizar diretamente as atividades EMPRESA AÇÕES PARA ATINGIR OBJETIVOS DO NEGÓCIO ORGANIZAÇÕES ESPECIALIZADAS ( Sem controle hierárquico da empresa) $$ AÇÕES PARA ATINGIR OBJETIVOS SOCIAIS
  • 9. Opção C - Ações sociais por meio de parcerias com outras organizações Nessa opção, a empresa não opera diretamente as ações sociais, e também não Mantém sob seu controle uma organização externa para lidar com ações sociais. As iniciativas da empresa são spot , ou seja, dão-se por meio de doações, contratos De parceria ou outras formas indiretas de atuação social. O grau de envolvimento E o comprometimento com os resultados e as conseqüências das ações sociais São menores que nos modelos anteriores. De acordo com o enfoque da teoria da agência , deve-se considerar que a estrutura seja capaz de atingir dois requisitos: 1 – A minimização dos custos de agência (conflitos na relação agente-principal). 2 – A efetividade das ações sociais. A partir de uma determinada complexidade ou volume das ações sociais, A opção B seria a mais indicada. Primeiro, porque haveria uma clara separação das funções-objetivo das duas organizações. A empresa poderia financiar a Organização externa – sob seu controle hierárquico – com uma quantidade Especificada de recursos, e os agentes seriam responsáveis pelas ações, Monitorados pelos donatários – em última instância, os acionistas da empresa.
  • 10. Os agentes, por sua vez, estariam concentrados somente nas estratégias e ações Voltadas para os objetivos do negócio. As fundações empresariais se enquadram Nesse universo. A outra razão é baseada no argumento funcional, pois os tipos de ação e o perfil dos agentes que lidam com organizações com e sem fins lucrativos são Diferentes em muitos aspectos. Como conseqüência, o grau de especialização Requerido para o gerenciamento dessas organizações é distinto. As ações tanto Dos agentes da empresa com fins lucrativos como dos agentes da empresa Social se tornam mais transparentes e verificáveis. Em tese, esses argumentos sustentam a separação de funções – objetivos Do negócio e objetivos sociais – entre diferentes entidades. Mas a separação das Atvs. Requer um claro e eficaz sistema de monitoramento e controle. A despeito da emergência das fundações empresariais no Brasil, a maioria das empresas com programas sociais não possui estrutura especializada para o gerenciamento dos investimentos sociais. Essa estrutura contribuiria para se obter mais qualidade e eficiência na aplicação de recursos. No contexto brasileiro, em uma amostra de 379 questionários enviados p/ empresas com atuação social, 78 % desenvolviam ações sociais sem fundações Próprias de apoio, e 22 % desenvolviam ações por meio de fundações.