SlideShare uma empresa Scribd logo
OUVIR- FUNDAMENTADO NA TEORIA
SOCIO-HUMANISTA DE BEATRIZ B.CAPELLA
E MARIA TEREZA LEOPARDI
ELISABETT MOREIRA DA SILVA
SUSANA RODRIGUES
INTRODUÇÃO:
Ao longo da história, varias teorias de enfermagem foram
criadas e contribuíram para o modelo atual do processo de
cuidar na assistência de enfermagem. Idealizadas por
profissionais da área, que viram na pratica a necessidade de
acrescentar seus conhecimentos aos conhecimentos
daqueles que os precederam. As teorias de enfermagem são
peças fundamentais no aprendizado de acadêmicos de
enfermagem em qualquer parte do mundo. Elas são o
resultado da sensibilidade e do conhecimento que são
características do profissional de enfermagem. As teorias
escolhidas na obra proposta trazem conhecimento e
despertam a nossa criatividade.
Teoria Ambientalista de Florence Nightingale
Nascida em 12 de maio de 1820 em Florença, Itália. Integrante de uma família rica, aberta a
cultura e a educação. Florence estudou línguas, história ,filosofia e religião. Seu primeiro
contato com doentes vinha do abito de visitar os pobres em suas casas. Em 1850 passou três
meses atendendo doentes em um hospital como forma de aprendizado. Aos 33 anos
começou sua carreira como superintendente de enfermagem na Inglaterra. Em 1854 tornou-
se voluntaria na epidemia de cólera em Londres. Permaneceu lá por quase 2 anos. Seus
métodos sanitaristas diminuíram de 42% para 2% a mortalidade entre soldados feridos na
Turquia onde ela passou a ser conhecida como a dama da lamparina. Alguns estudiosos
dizem que Florence não era só a dama com a lâmpada, mais sim a dama com cérebro. Aos 36
anos contraiu a febre da Crimeia, provavelmente tifo, com a saúde abalada, Florence
regressou a Inglaterra. Alguns registros indicam que ela voltou da guerra com desordem de
estresse pós traumático que a acompanhou pelo resto da vida. Em 1860 Florence recebeu
uma doação de 44.000 libras que foram usadas para a abertura da Escola de Enfermagem
Nightingale que tornou reconhecida a profissão no mundo todo. Florence foi a primeira
mulher a receber a honraria ao mérito do Rei Eduardo VII.
Com base em sua anotações e seu livros, mais de 10 ao longo de sua vida, vários autores
buscaram interpretar suas teorias de enfermagem e ideias. O foco principal da teoria de
Nightingale é a potencialização das forças restauradoras da natureza por meio de
intervenção no meio ambiente, já que esse atua sobre o ser humano. Cabendo a esse reunir
forças para resistir e recuperar-se das enfermidades.
Florence faleceu aos 90 anos e é considerada a precursora da enfermagem moderna sendo o
dia de seu nascimento dedicado o dia do profissional de Enfermagem.
Teorias das necessidades básicas
de Wanda Horta.
Nascida em 11 de agosto de 1926 em Belém do Pará. Tornou-se
enfermeira pela USP, em 1948.Pos graduada em didática aplicada a
enfermagem, tornou-se doutora e docente em fundamentos de
enfermagem em 1974.Exerceu funções didáticas, técnicas e
administrativas. Realizou palestras, conferencias e inúmeros
cursos. Sua teoria fundamenta-se em uma abordagem humanista e
empírica a partir da motivação humana de Maslow que diz que o
ser humano é parte integrante do universo e dessa integração surge
o estado de equilíbrio no tempo e no espaço. Os seres humanos
tem necessidades básicas que buscam satisfazer nesse processo
interativo entre homem e universo. Segundo Horta a enfermagem é
definida como uma ciência que tem por objetivo a satisfação de
necessidades humanas durante eventos que implicam em perda ou
diminuição da saúde. Para Horta o enfermeiro é o agente da ação de
enfermagem, através da sua capacidade como profissional
cientificamente embasado.
Teoria socio-humanista de Beatriz
B.Capella e MªTereza Leopardi
Beatriz Beduchi Capella nasceu em 25 de abril de 1954 em Blumenau SC, Cursou Enfermagem na
Universidade católica do PR. Doutora em Filosofia da enfermagem 1996.Tornou-se diretora de
enfermagem do Hospital da UFSC.
MªTereza Leopardi nasceu em Criciúma SC em 02 de novembro de 1949.Teve formação humana em
colégios de religiosos. Graduou-se em 1973 pela UFSC. Lecionou no curso técnico de enfermagem do
colégio Coração de Jesus. Especializou-se em enfermagem do trabalho. Lecionou graduação de
enfermagem na área clinica da UFSC. Mestre em saúde do adulto pela UFSC. Obteve o titulo de doutora
em ciências da enfermagem 1991 pela Universidade de São Paulo.
Assumiu a coordenação adjunta do curso de enfermagem da UNESC em 2001,em 2003 passou ao cargo de
coordenadora do curso apoiando a implantação da proposta de currículo integrado com base em três
elementos fundamentais: trabalho, metodologia de assistência de enfermagem e formação reflexiva.
A teoria socio-humanista focaliza o processo de trabalho e a organização. O trabalhador e o objeto de
trabalho são sujeitos de ação assistencial para a realização da finalidade, ou seja, satisfação das
necessidades integrais dos seres humanos, no limite próprio das suas atividades, no conjunto do trabalho
e da assistência a saúde. A pessoa enferma participa e decide em todas as fases. A ação é executada por um
trabalhador de enfermagem para a preservação e restauração da pessoa que precisa de ajuda. Por ser
relacional precisa que ambos participem da ação. O objeto de trabalho ,(enfermo)deve estar integrado ao
ambiente que foi preparado para ele e em função dele, deve ser tratado como individuo singular. As
necessidades do sujeito portador de carência de saúde supera todas as demais necessidades dos outros
envolvidos na ação. O trabalhador (enfermeiro) precisa fugir dos modelos impostos que impedem sua
criatividade sem deixar de ser racional.
Justificativa da escolha
Ao analisar as demais teorias observamos que cada uma acrescenta e amplia
passos importantes a serem seguidos no processo de cuidar.
Porém a escolha que fizemos traz três pontos que se sobressaem aos demais no
nosso ponto de vista:
 As autoras ,num dado momento de suas pesquisas que deram embasamento
cientifico a essa teoria, estavam voltados as necessidades da região sul do brasil
o que nos interessa pelo fato de aqui estarmos iniciando nossa vida
profissional.
 Uma dos autores tem forte ligação com a instituição que nos acolhe (UNESC)
O que torna importante a valorização do nosso curso.
 Os autores valorizam o profissional de enfermagem e defendem que ele receba
os meios adequados de trabalho, seja amplamente qualificado e que tenha
apoio de outros profissionais igualmente qualificados para que possam atingir
os seus objetivos.
Comunicação inicial: informações sobre direitos e deveres dos envolvidos no cuidado
Informações necessárias
Nome:
Data de nascimento:
Data da entrevista:
Numero de filhos:
Condição da comunicação:
Aparência geral:
Situação da dependência dos cuidados:
Etnia:
Familiar ou informante:
Queixa principal:
Estado civil:
Tipo de parto:
PROCESSO DE VIVER SUA
SUBJETIVIDADE
PROCESSO DE VIVER NO
CONTEXTO SOCIAL
PROCESSO DE VIVER OS
RELACIONAMENTOS
• Consciência de si e de suas
capacidades
• Receios medos
• Modo como diferencia-se dos
outros
• Objetivos pessoais significativos
• Atividade social, religiosa e
cultural, desejo de estar so ou
relacionar-se cuidando de si e do
outro
• Aspectos bio-funcionais
• Carência de saude.de informação
,de afeto...
• Sentimento sobre a enfermidade
• Saber ou informação em geral
• Motivo da busca de assistência
• Valores que influenciam suas
decisões, crenças, espiritualidade
• Escolhas e capacidade de
julgamento
• Padrão de atividade ou trabalho,
renda, expectativas financeiras
• Como a enfermidade afeta sua
vida
• Limites provenientes da
enfermidade
• Pessoas significativas
• Sentimentos e percepções sobre a
enfermidade
• Manifestação de afeto
• Relações familiares, doenças ou
perdas na família. Ocasiões festivas
e de laser ....
• Hábitos e costumes, o que causa
prazer ou desprazer, como sente
lugares, pessoas e restrições.
SEGUNDO A TEORIA DE CAPELLA E LEOPARDI- A COLETA DE DADOS DA-SE DA SEGUINTE FORMA:
Ouvir baseado na teoria proposta
PROCESSO DE VIVER
SUA SUBJETIVIDADE
PROCESSO DE VIVER
NO CONTESTO SOCIAL
PROCESSO DE VIVER
OS
RELACIONAMENTOS
1-Como tem se sentido
ultimamente?
2-Quais os seus
sentimentos em relação ao
que está acontecendo com
sua saúde?
3-Você sabe por que isso
está acontecendo com
você?
4-Por que você resolveu
que deveria buscar ajuda?
(perguntas bio funcionais
entram neste contexto)
1- Qual a sua religião?
2-por que essa e não outra?
3-o que você acha do atual
momento politico que
vivemos?
4-você está satisfeito com
o seu trabalho?
5-Você acha que recebe um
valor justo pelas
atividades que
desempenha?
6-Vocêpensa mudar de
profissão?
1-Quantas pessoas moram
na sua casa?
2-Perdeu algum parente
ou amigo recentemente?
Como isso lhe afetou?
3-Vocês têm um bom
relacionamento familiar?
4-Na sua família
costumam comemorar
aniversários, Natal ou
fazer reuniões de família?
Conclusão:
A partir das pesquisas e leituras que serviram como base
para esse trabalho, podemos concluir que o objetivo das
teorias são de tornar padronizado o trabalho do
profissional de enfermagem sem deixar que esse perca
sua criatividade natural e senso de auto critica. Que
embasamento cientifico e sensibilidade para perceber o
imperceptível caminham lado a lado e são características
natas do enfermeiro generalista.
REFERÊNCIAS:
Leopardi, Maria Tereza (2006)Teoria e Métodos em Assistência de Enfermagem,
Florianópolis ,2 ed.
Capella ,Beatriz Beduchi ,Uma abordagem Sócio-humanista para um método de fazer o
trabalho de enfermagem, (1996) Florianópolis, UFSC.
OBRIGADO PELA ATENÇÃO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
FernandaEvangelista17
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
Centro Universitário Ages
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Ghiordanno Bruno
 
Teoria de Imogene King
Teoria de Imogene KingTeoria de Imogene King
Teoria de Imogene King
Camilasantos2016
 
Madeleine leininger - Teorias
Madeleine leininger - TeoriasMadeleine leininger - Teorias
Madeleine leininger - Teorias
Fernanda Gomes
 
Sae
SaeSae
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
karensuelen
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
Proqualis
 
Aula de sus
Aula de susAula de sus
Aula de sus
Regina de Oliveira
 
Assistência de enfermagem na realização de exames diagnósticos
Assistência de enfermagem na realização de exames diagnósticosAssistência de enfermagem na realização de exames diagnósticos
Assistência de enfermagem na realização de exames diagnósticos
resenfe2013
 
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMSO que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
Proqualis
 
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
Maria Clara Figueiredo
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Proqualis
 
Entidades de classes - Enfermagem
Entidades de classes - EnfermagemEntidades de classes - Enfermagem
Entidades de classes - Enfermagem
Pedro Miguel
 
Florence Nightingale
Florence NightingaleFlorence Nightingale
Florence Nightingale
Laura Baldovino
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Luciane Santana
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissional
anapatricialima
 
Politica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de UrgenciasPolitica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de Urgencias
Valderi Ferreira
 

Mais procurados (20)

Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
 
Teoria de Imogene King
Teoria de Imogene KingTeoria de Imogene King
Teoria de Imogene King
 
Madeleine leininger - Teorias
Madeleine leininger - TeoriasMadeleine leininger - Teorias
Madeleine leininger - Teorias
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Aula de sus
Aula de susAula de sus
Aula de sus
 
Assistência de enfermagem na realização de exames diagnósticos
Assistência de enfermagem na realização de exames diagnósticosAssistência de enfermagem na realização de exames diagnósticos
Assistência de enfermagem na realização de exames diagnósticos
 
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMSO que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
 
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
 
éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
 
Entidades de classes - Enfermagem
Entidades de classes - EnfermagemEntidades de classes - Enfermagem
Entidades de classes - Enfermagem
 
Florence Nightingale
Florence NightingaleFlorence Nightingale
Florence Nightingale
 
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissional
 
Politica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de UrgenciasPolitica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de Urgencias
 

Semelhante a Teoria socio humanista de beatriz b capella e maria tereza leopardi

Cuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.ppt
Cuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.pptCuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.ppt
Cuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.ppt
GabrielaCordeiro26
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
LACES1
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
LACES1
 
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúdeComo trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Associação Viva e Deixe Viver
 
Historia da psicologia hospitalar ensaios universitários - robertalouzeiro
Historia da psicologia hospitalar   ensaios universitários - robertalouzeiroHistoria da psicologia hospitalar   ensaios universitários - robertalouzeiro
Historia da psicologia hospitalar ensaios universitários - robertalouzeiro
Jac Muller
 
Teorias do cuidado de Enfermagem - Slide
Teorias do cuidado de Enfermagem - SlideTeorias do cuidado de Enfermagem - Slide
Teorias do cuidado de Enfermagem - Slide
kassyannymenedy
 
Trabalho de humanização (1)
Trabalho de humanização (1)Trabalho de humanização (1)
Trabalho de humanização (1)
enfanhanguera
 
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagemTeoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
Anhanguera Enfermagem A/B
 
Conceções sobre hipnose
Conceções sobre hipnoseConceções sobre hipnose
Conceções sobre hipnose
Mário Rui Santos
 
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptxINTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
BeatrizWilmann
 
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Elisa Brietzke
 
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptxLegislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
GizeleSantos10
 
Saúde e doença: um olhar antropológico
Saúde e doença: um olhar antropológicoSaúde e doença: um olhar antropológico
Saúde e doença: um olhar antropológico
Flávia Rodrigues
 
Apresentação sensai "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...
Apresentação sensai  "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...Apresentação sensai  "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...
Apresentação sensai "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...
Laryssasampaio
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Luziane Costa
 
Apresentação sensai
Apresentação sensai Apresentação sensai
Apresentação sensai
grupoterminalidade
 
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
CarolinaMelo636868
 
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Até que a morte nos separe 3
Até que a morte nos separe 3Até que a morte nos separe 3
Até que a morte nos separe 3
Adriana Soczek Sampaio
 
Wanda horta e o cuidado.pptx
Wanda horta e o cuidado.pptxWanda horta e o cuidado.pptx
Wanda horta e o cuidado.pptx
JessiellyGuimares
 

Semelhante a Teoria socio humanista de beatriz b capella e maria tereza leopardi (20)

Cuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.ppt
Cuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.pptCuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.ppt
Cuidado_Transcultural_de_Madeleine_Leini.ppt
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúdeComo trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
Como trabalhar com cuidados paliativos na atenção à saúde
 
Historia da psicologia hospitalar ensaios universitários - robertalouzeiro
Historia da psicologia hospitalar   ensaios universitários - robertalouzeiroHistoria da psicologia hospitalar   ensaios universitários - robertalouzeiro
Historia da psicologia hospitalar ensaios universitários - robertalouzeiro
 
Teorias do cuidado de Enfermagem - Slide
Teorias do cuidado de Enfermagem - SlideTeorias do cuidado de Enfermagem - Slide
Teorias do cuidado de Enfermagem - Slide
 
Trabalho de humanização (1)
Trabalho de humanização (1)Trabalho de humanização (1)
Trabalho de humanização (1)
 
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagemTeoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
 
Conceções sobre hipnose
Conceções sobre hipnoseConceções sobre hipnose
Conceções sobre hipnose
 
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptxINTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
 
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
Programa da Disciplina de Psicologia Médica 1 da Unifesp 2014.
 
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptxLegislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
 
Saúde e doença: um olhar antropológico
Saúde e doença: um olhar antropológicoSaúde e doença: um olhar antropológico
Saúde e doença: um olhar antropológico
 
Apresentação sensai "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...
Apresentação sensai  "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...Apresentação sensai  "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...
Apresentação sensai "Relato de experiência - Formação e atuação do Grupo de ...
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Apresentação sensai
Apresentação sensai Apresentação sensai
Apresentação sensai
 
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
321961_HISTORIA_DA_ENFERMAGEM_convertido.pdf
 
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
 
Até que a morte nos separe 3
Até que a morte nos separe 3Até que a morte nos separe 3
Até que a morte nos separe 3
 
Wanda horta e o cuidado.pptx
Wanda horta e o cuidado.pptxWanda horta e o cuidado.pptx
Wanda horta e o cuidado.pptx
 

Teoria socio humanista de beatriz b capella e maria tereza leopardi

  • 1. OUVIR- FUNDAMENTADO NA TEORIA SOCIO-HUMANISTA DE BEATRIZ B.CAPELLA E MARIA TEREZA LEOPARDI ELISABETT MOREIRA DA SILVA SUSANA RODRIGUES
  • 2. INTRODUÇÃO: Ao longo da história, varias teorias de enfermagem foram criadas e contribuíram para o modelo atual do processo de cuidar na assistência de enfermagem. Idealizadas por profissionais da área, que viram na pratica a necessidade de acrescentar seus conhecimentos aos conhecimentos daqueles que os precederam. As teorias de enfermagem são peças fundamentais no aprendizado de acadêmicos de enfermagem em qualquer parte do mundo. Elas são o resultado da sensibilidade e do conhecimento que são características do profissional de enfermagem. As teorias escolhidas na obra proposta trazem conhecimento e despertam a nossa criatividade.
  • 3. Teoria Ambientalista de Florence Nightingale Nascida em 12 de maio de 1820 em Florença, Itália. Integrante de uma família rica, aberta a cultura e a educação. Florence estudou línguas, história ,filosofia e religião. Seu primeiro contato com doentes vinha do abito de visitar os pobres em suas casas. Em 1850 passou três meses atendendo doentes em um hospital como forma de aprendizado. Aos 33 anos começou sua carreira como superintendente de enfermagem na Inglaterra. Em 1854 tornou- se voluntaria na epidemia de cólera em Londres. Permaneceu lá por quase 2 anos. Seus métodos sanitaristas diminuíram de 42% para 2% a mortalidade entre soldados feridos na Turquia onde ela passou a ser conhecida como a dama da lamparina. Alguns estudiosos dizem que Florence não era só a dama com a lâmpada, mais sim a dama com cérebro. Aos 36 anos contraiu a febre da Crimeia, provavelmente tifo, com a saúde abalada, Florence regressou a Inglaterra. Alguns registros indicam que ela voltou da guerra com desordem de estresse pós traumático que a acompanhou pelo resto da vida. Em 1860 Florence recebeu uma doação de 44.000 libras que foram usadas para a abertura da Escola de Enfermagem Nightingale que tornou reconhecida a profissão no mundo todo. Florence foi a primeira mulher a receber a honraria ao mérito do Rei Eduardo VII. Com base em sua anotações e seu livros, mais de 10 ao longo de sua vida, vários autores buscaram interpretar suas teorias de enfermagem e ideias. O foco principal da teoria de Nightingale é a potencialização das forças restauradoras da natureza por meio de intervenção no meio ambiente, já que esse atua sobre o ser humano. Cabendo a esse reunir forças para resistir e recuperar-se das enfermidades. Florence faleceu aos 90 anos e é considerada a precursora da enfermagem moderna sendo o dia de seu nascimento dedicado o dia do profissional de Enfermagem.
  • 4. Teorias das necessidades básicas de Wanda Horta. Nascida em 11 de agosto de 1926 em Belém do Pará. Tornou-se enfermeira pela USP, em 1948.Pos graduada em didática aplicada a enfermagem, tornou-se doutora e docente em fundamentos de enfermagem em 1974.Exerceu funções didáticas, técnicas e administrativas. Realizou palestras, conferencias e inúmeros cursos. Sua teoria fundamenta-se em uma abordagem humanista e empírica a partir da motivação humana de Maslow que diz que o ser humano é parte integrante do universo e dessa integração surge o estado de equilíbrio no tempo e no espaço. Os seres humanos tem necessidades básicas que buscam satisfazer nesse processo interativo entre homem e universo. Segundo Horta a enfermagem é definida como uma ciência que tem por objetivo a satisfação de necessidades humanas durante eventos que implicam em perda ou diminuição da saúde. Para Horta o enfermeiro é o agente da ação de enfermagem, através da sua capacidade como profissional cientificamente embasado.
  • 5. Teoria socio-humanista de Beatriz B.Capella e MªTereza Leopardi Beatriz Beduchi Capella nasceu em 25 de abril de 1954 em Blumenau SC, Cursou Enfermagem na Universidade católica do PR. Doutora em Filosofia da enfermagem 1996.Tornou-se diretora de enfermagem do Hospital da UFSC. MªTereza Leopardi nasceu em Criciúma SC em 02 de novembro de 1949.Teve formação humana em colégios de religiosos. Graduou-se em 1973 pela UFSC. Lecionou no curso técnico de enfermagem do colégio Coração de Jesus. Especializou-se em enfermagem do trabalho. Lecionou graduação de enfermagem na área clinica da UFSC. Mestre em saúde do adulto pela UFSC. Obteve o titulo de doutora em ciências da enfermagem 1991 pela Universidade de São Paulo. Assumiu a coordenação adjunta do curso de enfermagem da UNESC em 2001,em 2003 passou ao cargo de coordenadora do curso apoiando a implantação da proposta de currículo integrado com base em três elementos fundamentais: trabalho, metodologia de assistência de enfermagem e formação reflexiva. A teoria socio-humanista focaliza o processo de trabalho e a organização. O trabalhador e o objeto de trabalho são sujeitos de ação assistencial para a realização da finalidade, ou seja, satisfação das necessidades integrais dos seres humanos, no limite próprio das suas atividades, no conjunto do trabalho e da assistência a saúde. A pessoa enferma participa e decide em todas as fases. A ação é executada por um trabalhador de enfermagem para a preservação e restauração da pessoa que precisa de ajuda. Por ser relacional precisa que ambos participem da ação. O objeto de trabalho ,(enfermo)deve estar integrado ao ambiente que foi preparado para ele e em função dele, deve ser tratado como individuo singular. As necessidades do sujeito portador de carência de saúde supera todas as demais necessidades dos outros envolvidos na ação. O trabalhador (enfermeiro) precisa fugir dos modelos impostos que impedem sua criatividade sem deixar de ser racional.
  • 6. Justificativa da escolha Ao analisar as demais teorias observamos que cada uma acrescenta e amplia passos importantes a serem seguidos no processo de cuidar. Porém a escolha que fizemos traz três pontos que se sobressaem aos demais no nosso ponto de vista:  As autoras ,num dado momento de suas pesquisas que deram embasamento cientifico a essa teoria, estavam voltados as necessidades da região sul do brasil o que nos interessa pelo fato de aqui estarmos iniciando nossa vida profissional.  Uma dos autores tem forte ligação com a instituição que nos acolhe (UNESC) O que torna importante a valorização do nosso curso.  Os autores valorizam o profissional de enfermagem e defendem que ele receba os meios adequados de trabalho, seja amplamente qualificado e que tenha apoio de outros profissionais igualmente qualificados para que possam atingir os seus objetivos.
  • 7. Comunicação inicial: informações sobre direitos e deveres dos envolvidos no cuidado Informações necessárias Nome: Data de nascimento: Data da entrevista: Numero de filhos: Condição da comunicação: Aparência geral: Situação da dependência dos cuidados: Etnia: Familiar ou informante: Queixa principal: Estado civil: Tipo de parto: PROCESSO DE VIVER SUA SUBJETIVIDADE PROCESSO DE VIVER NO CONTEXTO SOCIAL PROCESSO DE VIVER OS RELACIONAMENTOS • Consciência de si e de suas capacidades • Receios medos • Modo como diferencia-se dos outros • Objetivos pessoais significativos • Atividade social, religiosa e cultural, desejo de estar so ou relacionar-se cuidando de si e do outro • Aspectos bio-funcionais • Carência de saude.de informação ,de afeto... • Sentimento sobre a enfermidade • Saber ou informação em geral • Motivo da busca de assistência • Valores que influenciam suas decisões, crenças, espiritualidade • Escolhas e capacidade de julgamento • Padrão de atividade ou trabalho, renda, expectativas financeiras • Como a enfermidade afeta sua vida • Limites provenientes da enfermidade • Pessoas significativas • Sentimentos e percepções sobre a enfermidade • Manifestação de afeto • Relações familiares, doenças ou perdas na família. Ocasiões festivas e de laser .... • Hábitos e costumes, o que causa prazer ou desprazer, como sente lugares, pessoas e restrições. SEGUNDO A TEORIA DE CAPELLA E LEOPARDI- A COLETA DE DADOS DA-SE DA SEGUINTE FORMA:
  • 8. Ouvir baseado na teoria proposta PROCESSO DE VIVER SUA SUBJETIVIDADE PROCESSO DE VIVER NO CONTESTO SOCIAL PROCESSO DE VIVER OS RELACIONAMENTOS 1-Como tem se sentido ultimamente? 2-Quais os seus sentimentos em relação ao que está acontecendo com sua saúde? 3-Você sabe por que isso está acontecendo com você? 4-Por que você resolveu que deveria buscar ajuda? (perguntas bio funcionais entram neste contexto) 1- Qual a sua religião? 2-por que essa e não outra? 3-o que você acha do atual momento politico que vivemos? 4-você está satisfeito com o seu trabalho? 5-Você acha que recebe um valor justo pelas atividades que desempenha? 6-Vocêpensa mudar de profissão? 1-Quantas pessoas moram na sua casa? 2-Perdeu algum parente ou amigo recentemente? Como isso lhe afetou? 3-Vocês têm um bom relacionamento familiar? 4-Na sua família costumam comemorar aniversários, Natal ou fazer reuniões de família?
  • 9. Conclusão: A partir das pesquisas e leituras que serviram como base para esse trabalho, podemos concluir que o objetivo das teorias são de tornar padronizado o trabalho do profissional de enfermagem sem deixar que esse perca sua criatividade natural e senso de auto critica. Que embasamento cientifico e sensibilidade para perceber o imperceptível caminham lado a lado e são características natas do enfermeiro generalista.
  • 10. REFERÊNCIAS: Leopardi, Maria Tereza (2006)Teoria e Métodos em Assistência de Enfermagem, Florianópolis ,2 ed. Capella ,Beatriz Beduchi ,Uma abordagem Sócio-humanista para um método de fazer o trabalho de enfermagem, (1996) Florianópolis, UFSC.