SlideShare uma empresa Scribd logo
Teoria da Enfermagem
Florence Nightingale
TEORIA AMBIENTALISTA 1810 -1920
Antes da Florence:
• Falta de Higiene;
• Ambientes não ventilados;
• Alimentação precária;
• Pessoas não capacitadas assumindo cuidados
aos doentes;
• Cirurgias eram feitas sem anestesias;
Quem foi Florence?
• Nasceu na cidade italiana de Florença;
• Foi pioneira no tratamento a feridos de guerra;
• Sua família considerava a enfermagem algo
inapropriado para uma dama de boa índole, por
isso, começou seus estudos após os 31 anos;
A Teoria Ambientalista era
Fundamental para o trabalho de
Florence e seus aprendizes.
Acreditava-se que o ambiente
influenciava diretamente
na recuperação do doente:
• Serviços de lavanderia e rouparia;
• Alimentação adequada;
• Organização de medicamentos;
• Higienização dos doentes;
Sem métodos adequados de higiene e
organização a condição clínica do
paciente poderia ser afetada, ou seja, o
ambiente e a situação poderia contribuir
para a cura, tanto quanto para a morte.
Teorias de Enfermagem: Teoria ambientalista
A GESTAÇÃO
• Florence separava as parturientes dos outros
doentes, pois não via a gravidez como doença;
• O ambiente para o parto e recuperação da nova
mãe, deveria ser aconchegante, proporcionando
conforto e tranquilidade.
• Seria essa a ideia que mais tarde levaria os
hospitais a criarem os estares para as parturientes e
seus recém-nascidos.
A Maternidade
Fatores essenciais para a
organização do ambiente:
• VENTILAÇÃO :
“conservar o ar que o paciente respira tão puro
quanto o ar exterior, sem deixá-lo sentir frio é o
primeiro e último princípio sobre o qual a atenção
da enfermeira deve fixar-se, sem o que todo o
restante que possa fazer por ele não terá nenhum
valor...”
• Iluminação:
“e não é apenas a claridade que desejam, mas a
luz solar direta”
• Calor: a enfermeira deve observar atentamente o
paciente a fim de evitar que ele se resfrie, prevenindo a
perda de calor vital, essencial à recuperação.
• Limpeza: “remove matérias nocivas do sistema”. Além
de proporcionar alívio e conforto, à enfermeira, que
“deve estar sempre limpa” e deve “ter o cuidado de
lavar as mãos frequentemente durante o dia”.
• Ruídos: elemento ambiental para o qual a
enfermeira deve estar atenta e qualquer sacrifício
é válido para assegurar o silêncio, pois nem um
bom arejamento, nem uma boa assistência serão
benéficos para o doente, sem o necessário silêncio.
• Odores: o odor resultante da doença deve ser
removido do corpo. Ao ventilar-se o quarto do
doente, deve-se evitar o ar proveniente de esgoto;
os utensílios de quarto devem ser mantidos limpos,
livres de odores e guardados em local apropriado.
• Alimentação: essencial ao processo de cura deve
ser minuciosamente observada pela enfermeira,
afinal cada um é o que come.
Florence priorizava o ambiente
físico, mas também se preocupava
com o emocional. Dizia o paciente
deveria estar constantemente
ocupado para que não ficasse
pensando o tempo inteiro na
doença.
“é incompreensível para qualquer
pessoa, a não ser para a enfermeira
experimentada ou para o paciente
antigo, o grau de sofrimento que os
nervos suportam ao olhar para as
mesmas paredes, o mesmo teto, o
mesmo ambiente”
Florence Nightingale
12/05/1820 - 13/08/1910

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
Fernanda Marinho
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Luziane Costa
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagemTeoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
Anhanguera Enfermagem A/B
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
FernandaEvangelista17
 
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagemSlaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Rosiane Maria
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissional
anapatricialima
 
Teoria do autocuidado orem
Teoria do autocuidado  oremTeoria do autocuidado  orem
Teoria do autocuidado orem
Anhanguera Enfermagem A/B
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissional
Fernando Dias
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
Katia Pontes Remijo
 
Teorias de enfermagem
Teorias de enfermagemTeorias de enfermagem
Teorias de enfermagem
Anhanguera Enfermagem A/B
 
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No BrasilHistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
Eduardo Gomes da Silva
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Marco Antonio
 
Wanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar HortaWanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar Horta
brunafreitas543908
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
resenfe2013
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
danilo oliveira
 
Teorias e modelos de enfermagem
Teorias e modelos de enfermagem Teorias e modelos de enfermagem
Teorias e modelos de enfermagem
resenfe2013
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
Ismael Costa
 

Mais procurados (20)

História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagemTeoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
 
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagemSlaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissional
 
Teoria do autocuidado orem
Teoria do autocuidado  oremTeoria do autocuidado  orem
Teoria do autocuidado orem
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissional
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
Teorias de enfermagem
Teorias de enfermagemTeorias de enfermagem
Teorias de enfermagem
 
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No BrasilHistóRia Da Enfermagem No Brasil
HistóRia Da Enfermagem No Brasil
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
 
Wanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar HortaWanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar Horta
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
 
Teorias e modelos de enfermagem
Teorias e modelos de enfermagem Teorias e modelos de enfermagem
Teorias e modelos de enfermagem
 
Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012Administração em enfermagem hupe 2012
Administração em enfermagem hupe 2012
 

Semelhante a Teorias de Enfermagem: Teoria ambientalista

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM
Sarasanmylle Almeida
 
teoria ambientalista.ppt
teoria ambientalista.pptteoria ambientalista.ppt
teoria ambientalista.ppt
JessiellyGuimares
 
Historia de Florence Nightingale, mãe da enfermagem
Historia de  Florence Nightingale, mãe da enfermagemHistoria de  Florence Nightingale, mãe da enfermagem
Historia de Florence Nightingale, mãe da enfermagem
RosaSantos738119
 
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptxINTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
BeatrizWilmann
 
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEMHUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
CarolMendona13
 
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptxTeoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
jhordana1
 
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptxLegislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
GizeleSantos10
 
HISTORIA DA ENFzzzzzzzzzzzzzzzzzaERMAGEM.pptx
HISTORIA DA ENFzzzzzzzzzzzzzzzzzaERMAGEM.pptxHISTORIA DA ENFzzzzzzzzzzzzzzzzzaERMAGEM.pptx
HISTORIA DA ENFzzzzzzzzzzzzzzzzzaERMAGEM.pptx
JooHenriqueCarvallho
 
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdfala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
Anderson Macedo
 
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfPacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
ThiagosilvaDeoliveir6
 
HISTORIA DA ENFERMAGEM ENFERMAGEM_2024/1
HISTORIA DA ENFERMAGEM ENFERMAGEM_2024/1HISTORIA DA ENFERMAGEM ENFERMAGEM_2024/1
HISTORIA DA ENFERMAGEM ENFERMAGEM_2024/1
JOICEMONALIZAVERNINI
 
INTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEM
INTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEMINTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEM
INTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEM
LuanMiguelCosta
 
Cuidados de Enfermagem durante o óbito e pós-óbito - Aula 7.pdf
Cuidados de Enfermagem durante o óbito e pós-óbito - Aula 7.pdfCuidados de Enfermagem durante o óbito e pós-óbito - Aula 7.pdf
Cuidados de Enfermagem durante o óbito e pós-óbito - Aula 7.pdf
JennyTeixeira1
 
Enfermagem e Ciencia UND2.pptx..........
Enfermagem e Ciencia UND2.pptx..........Enfermagem e Ciencia UND2.pptx..........
Enfermagem e Ciencia UND2.pptx..........
EmanuellaFreitasDiog
 
Práticas de cuidados nas primeiras civilizações humanas e expansão do ensino ...
Práticas de cuidados nas primeiras civilizações humanas e expansão do ensino ...Práticas de cuidados nas primeiras civilizações humanas e expansão do ensino ...
Práticas de cuidados nas primeiras civilizações humanas e expansão do ensino ...
ssuser985fa4
 
historia da enfermagem.docx
historia da enfermagem.docxhistoria da enfermagem.docx
historia da enfermagem.docx
TaisdeJesusSantos
 
1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf
1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf
1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf
DheniseMikaelly
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 
Aula1o 110225155828-phpapp02
Aula1o 110225155828-phpapp02Aula1o 110225155828-phpapp02
Aula1o 110225155828-phpapp02
Fernanda Silva
 

Semelhante a Teorias de Enfermagem: Teoria ambientalista (19)

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM
FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM
 
teoria ambientalista.ppt
teoria ambientalista.pptteoria ambientalista.ppt
teoria ambientalista.ppt
 
Historia de Florence Nightingale, mãe da enfermagem
Historia de  Florence Nightingale, mãe da enfermagemHistoria de  Florence Nightingale, mãe da enfermagem
Historia de Florence Nightingale, mãe da enfermagem
 
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptxINTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
 
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEMHUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptxTeoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
 
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptxLegislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
 
HISTORIA DA ENFzzzzzzzzzzzzzzzzzaERMAGEM.pptx
HISTORIA DA ENFzzzzzzzzzzzzzzzzzaERMAGEM.pptxHISTORIA DA ENFzzzzzzzzzzzzzzzzzaERMAGEM.pptx
HISTORIA DA ENFzzzzzzzzzzzzzzzzzaERMAGEM.pptx
 
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdfala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
ala 01 Hisotoria da Enfermagem.pdf
 
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdfPacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
Pacientes críticos - enf 19 pdf.pdf
 
HISTORIA DA ENFERMAGEM ENFERMAGEM_2024/1
HISTORIA DA ENFERMAGEM ENFERMAGEM_2024/1HISTORIA DA ENFERMAGEM ENFERMAGEM_2024/1
HISTORIA DA ENFERMAGEM ENFERMAGEM_2024/1
 
INTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEM
INTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEMINTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEM
INTRODUÇÃO ENFERMAGEM 2 HISTORIA DE ENFERMAGEM
 
Cuidados de Enfermagem durante o óbito e pós-óbito - Aula 7.pdf
Cuidados de Enfermagem durante o óbito e pós-óbito - Aula 7.pdfCuidados de Enfermagem durante o óbito e pós-óbito - Aula 7.pdf
Cuidados de Enfermagem durante o óbito e pós-óbito - Aula 7.pdf
 
Enfermagem e Ciencia UND2.pptx..........
Enfermagem e Ciencia UND2.pptx..........Enfermagem e Ciencia UND2.pptx..........
Enfermagem e Ciencia UND2.pptx..........
 
Práticas de cuidados nas primeiras civilizações humanas e expansão do ensino ...
Práticas de cuidados nas primeiras civilizações humanas e expansão do ensino ...Práticas de cuidados nas primeiras civilizações humanas e expansão do ensino ...
Práticas de cuidados nas primeiras civilizações humanas e expansão do ensino ...
 
historia da enfermagem.docx
historia da enfermagem.docxhistoria da enfermagem.docx
historia da enfermagem.docx
 
1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf
1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf
1aulaintroducao-de-enfermagem-150901145645-lva1-app6891.pdf
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Aula1o 110225155828-phpapp02
Aula1o 110225155828-phpapp02Aula1o 110225155828-phpapp02
Aula1o 110225155828-phpapp02
 

Teorias de Enfermagem: Teoria ambientalista

  • 1. Teoria da Enfermagem Florence Nightingale TEORIA AMBIENTALISTA 1810 -1920
  • 2. Antes da Florence: • Falta de Higiene; • Ambientes não ventilados; • Alimentação precária; • Pessoas não capacitadas assumindo cuidados aos doentes; • Cirurgias eram feitas sem anestesias;
  • 3. Quem foi Florence? • Nasceu na cidade italiana de Florença; • Foi pioneira no tratamento a feridos de guerra; • Sua família considerava a enfermagem algo inapropriado para uma dama de boa índole, por isso, começou seus estudos após os 31 anos;
  • 4. A Teoria Ambientalista era Fundamental para o trabalho de Florence e seus aprendizes.
  • 5. Acreditava-se que o ambiente influenciava diretamente na recuperação do doente: • Serviços de lavanderia e rouparia; • Alimentação adequada; • Organização de medicamentos; • Higienização dos doentes;
  • 6. Sem métodos adequados de higiene e organização a condição clínica do paciente poderia ser afetada, ou seja, o ambiente e a situação poderia contribuir para a cura, tanto quanto para a morte.
  • 8. A GESTAÇÃO • Florence separava as parturientes dos outros doentes, pois não via a gravidez como doença; • O ambiente para o parto e recuperação da nova mãe, deveria ser aconchegante, proporcionando conforto e tranquilidade. • Seria essa a ideia que mais tarde levaria os hospitais a criarem os estares para as parturientes e seus recém-nascidos.
  • 10. Fatores essenciais para a organização do ambiente: • VENTILAÇÃO : “conservar o ar que o paciente respira tão puro quanto o ar exterior, sem deixá-lo sentir frio é o primeiro e último princípio sobre o qual a atenção da enfermeira deve fixar-se, sem o que todo o restante que possa fazer por ele não terá nenhum valor...”
  • 11. • Iluminação: “e não é apenas a claridade que desejam, mas a luz solar direta”
  • 12. • Calor: a enfermeira deve observar atentamente o paciente a fim de evitar que ele se resfrie, prevenindo a perda de calor vital, essencial à recuperação. • Limpeza: “remove matérias nocivas do sistema”. Além de proporcionar alívio e conforto, à enfermeira, que “deve estar sempre limpa” e deve “ter o cuidado de lavar as mãos frequentemente durante o dia”.
  • 13. • Ruídos: elemento ambiental para o qual a enfermeira deve estar atenta e qualquer sacrifício é válido para assegurar o silêncio, pois nem um bom arejamento, nem uma boa assistência serão benéficos para o doente, sem o necessário silêncio. • Odores: o odor resultante da doença deve ser removido do corpo. Ao ventilar-se o quarto do doente, deve-se evitar o ar proveniente de esgoto; os utensílios de quarto devem ser mantidos limpos, livres de odores e guardados em local apropriado.
  • 14. • Alimentação: essencial ao processo de cura deve ser minuciosamente observada pela enfermeira, afinal cada um é o que come.
  • 15. Florence priorizava o ambiente físico, mas também se preocupava com o emocional. Dizia o paciente deveria estar constantemente ocupado para que não ficasse pensando o tempo inteiro na doença.
  • 16. “é incompreensível para qualquer pessoa, a não ser para a enfermeira experimentada ou para o paciente antigo, o grau de sofrimento que os nervos suportam ao olhar para as mesmas paredes, o mesmo teto, o mesmo ambiente”