SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
Baixar para ler offline
Ligações Químicas: Parte II
Conteúdo
•
•
•
•
•
•
•

O Que se Espera de uma Teoria de Ligação
Introdução ao método da Ligação de Valência
Hibridização de Orbitais Atômicos
Ligações Covalentes Múltiplas
Teoria de Orbitais Moleculares
Elétrons Delocalizados: As Ligações na Molécula de
Benzeno.
Ligações em Metais
Por Quê São Necessárias Novas Teorias de
Ligação?
•A teoria de Lewis apresenta alguns problemas:
•Ela não explica a existência de condutores ou
semicondutores.
•São necessárias abordagens mais sofisticadas:
•Hibridização
•Orbitais moleculares a partir de orbitais atômicos.
O Que Se Espera de Uma Teoria de
Ligação?
• Aproxima-se os átomos, vindos do infinito.
– Os elétrons são atraídos por ambos os núcleos.
– Os elétrons se repelem
– Os núcleos se repelem

• Constrói-se um gráfico de energia potencial versus
distância.
– Energias negativas → forças de atração
– Energias positivas → forças de repulsão
Diagrama de Energia Potencial
Introdução ao Método da Ligação de
Valência
• Orbitais atômicos descrevem as ligações
covalentes
• A área de interpenetração (overlap) dos orbitais
está em fase.
• É um modelo localizado de ligação.
Ligações emH2S
Átomos isolados

Ligações covalentes

Os orbitais de ligação estão em cinza
Exemplo 1
Usando o método da ligação de valência para descrever uma
estrutura molecular.
Descreva a molécula de fosfina, PH3, pelo método da ligação
de valência
Identifique os elétrons de valência:
Exemplo 1
Esboce os orbitais:

Faça o overlap dos orbitais:

Descreva a forma:
são 92-94°

Piramidal trigonal (os ângulos observados
Hibridização de Orbitais Atômicos

Estado Fundamental

Estado Excitado

O número de orbitais hibridizados é igual ao de orbitais atômicos
Hibridização sp3
Hibridização sp3
Ligações no Metano
Hibridização sp3 no Nitrogênio
Ligações no Nitrogênio
Hibridização sp2
Orbitais no Boro

Combine para gerar
três orbitais sp2

Que são
representados
pelo conjunto
Hibridização sp
Orbitais no Berílio

Combine para gerar
três orbitais sp

Que são
representados
pelo conjunto
Hybridização sp3d e sp3d2

Orbitais sp3d

Orbitais sp3d2

Estrutura bipiramidal trigonal

Estrutura octaédrica
Orbitais Híbridos e VSEPR

• Escreva uma estrutura de Lewis plausível.
• Use a VSEPR para prever a geometria eletrônica.
• Escolha a hibridização apropriada.
Ligações Covalentes Múltiplas
• O etileno possui uma ligação dupla em sua
estrutura de Lewis.
• VSEPR: carbono trigonal planar
Etileno

Conjunto de orbitais sp2 + p

Ligações sigma (σ)

Overlap de orbitais p origina uma ligação pi (π)
Acetileno
• O Acetileno, C2H2, possui uma ligação tripla.
• VSEPR: carbono linear.

Formação de ligações σ

Formação de ligações π
Teoria de Orbitais Moleculares
• Os orbitais atômicos estão isolados nos átomos.
• Orbitais moleculares incluem dois ou mais
átomos
• Obtidos através de LCAO (CLOA):
– Combinação Linear de Orbitais Atômicos.

Ψ1 = φ1 + φ2

Ψ2 = φ1 - φ2
Combinação de Orbitais Atômicos
Adição

Subtração

Orbitais moleculares ligantes e antiligantes
Orbitais Moleculares do Hidrogênio
Plano
Nodal

Antiligante

Orbitais 1s de
Dois átomos
de hidrogênio
separados

Ligante
Orbitais moleculares
da molécula de H2

Densidade de carga
eletrônica
(probabilidade) ao
longo de uma linha
ligando os dois átomos

Diagrama
de níveis de
energia
Idéias Básicas a Respeito de OMs
• Número de OAs= número de OMs.
• Há sempre a formação de OMs ligantes E
antiligantes a partir do OAs.
• Os elétrons ocupam primeiro o OM de mais baixa
energia.
• O princípio da exclusão de Pauli se aplica:
– O número máximo de elétrons por OM é dois.

• A regra de Hund se aplica:
– Oms degenerados são preenchidos antes do
emparelhamento.
Ordem de Ligação
• Espécies estáveis possuem mais elétrons em
orbitais ligantes do que em orbitais antiligantes

No. e - em OMs Ligantes - No. e - em OMs Antiligantes
Ordem de Ligação=
2
Moléculas Diatômicas do Primeiro Período
OL = (e-lig - e-antilig )/2
OL H += (1-0)/2 = ½
2

OL H += (2-0)/2 = 1
2

OL He + = (2-1)/2 = ½
2

OL He + = (2-2)/2 = 0
2
Electronic Configuration of H2-type
Molecules
From the previous theory, we can fill the M Os with electrons for the
H2-type molecule:
Molecule e-configuration
H2+ 1σ (1σ1)
H2, He22+ 1σ2
H2–, He2+ 1σ2 1σ∗
H22–, He2 1σ2 1σ∗2

Bond order
½
1
½
0

bondlength
106 pm
74, ~75
~106, 108
not formed

Describe the relationships of bondlength & bondorder
and e-configurations; learn to reason

Theories of chemical bonding
Orbitais Moleculares do Segundo Período
• O primeiro período só utiliza orbitais 1s.
• No segundo período há orbitais 2s e 2p
disponíveis.
• Overlap de orbitais p:
– Overlap terminal é mais efetivo – ligação sigma (σ).
– Overlap lateral é bom – ligação pi (π).
Orbitais Moleculares do Segundo Período
Combinações de Orbitais p
(antiligante)

(ligante)

(antiligante)

(ligante)

(antiligante)

(ligante)
Diagrama de OM Esperado Para C2
Diagrama de OM Modificado ParaC2
Diagramas de OM Para Moléculas
Diatômicas do 2o. Período.
Diagramas Para Moléculas Diatômicas
Heteronucleares
Elétrons Delocalizados
Benzeno

Esquema das ligações σ

Esquema das ligações π

Representação simbólica
Benzene
The benzene structure has fascinated scientists for centuries. It’s bonding is
particularly interesting. The C atom utilizes sp2 hybrid AO in the sigma
bonds, and the remaining p AO overlap forming a ring of p bonds.
Sigma σ bonds are
represented by lines,
and the p orbitals for
the π bonds are shown
by balloon-shape blobs.
Note the + and – signs
of the p orbitals. Thus,
we represent it by

+

+

+

+
+

+

–

–
–

Theories of chemical bonding

–
More About Benzene

Theories of chemical bonding

42

Flávio Vichi, QFL-137, 2007
Benzeno

Orbitais
antiligantes

Orbitais
ligantes
Ozônio

Esquema das ligações σ

Orbital molecular π
delocalizado
Ligações em Metais
• Modelo do mar de
elétrons
– Núcleos em um mar de e-.
– Brilho metálico.
– Maleabilidade.
Força aplicada
Ligações em Metais
Teoria de Bandas.
• Extensão da TOM:
N átomos originam N orbitais
de energia muito próxima.
• N/2 são preenchidos.
A banda de valência.
• N/2 ficam vazios.
A banda de condução.

Banda
de
Energia
Teoria de Bandas

Metal

Metal

Semicondutor

Isolante
Semicondutores
• Semicondutores intrínsecos: band gap fixo.
• Ex: CDs, absorve luz violeta e parte da azul, e
reflete a luz menos energética: aparência amarelo
brilhante.
• GaAs: band gap pequeno, toda a luz visível é
absorvida: preto.
Semicondutores
• Semiciondutores extrínsecos: o band gap é controlado
através da adição de impurezas: dopagem.
• O nível de energia do P fica logo abaixo da banda de
condução do Si. P usa 5 elétrons para se ligar ao Si, e o
excedente pode ser doado.
• Semicondutor do tipo n se refere a negativo, o tipo de
carga que é MÓVEL.
• O nível de energia do Al fica logo acima da banda de
valência do Si. Elétrons podem entrar no orbital do Al,
deixando um BURACO na banda de valência. A carga
positiva pode se mover e este é portanto um semicondutor
tipo p.
Semicondutores
Banda de

Banda de

condução

condução

Nível
doador
Nível
aceptor
Banda de

Banda de

valência

valência
Semicondutor tipo n

Semicondutor tipo p
Células Fotovoltaicas
Luz solar

Silício tipo p
Silício tipo n

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
Aula   polaridade,  geometria molecular e forças intermolecularesAula   polaridade,  geometria molecular e forças intermoleculares
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermolecularesProfª Alda Ernestina
 
Aula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de BohrAula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de BohrNewton Silva
 
Ciencia dos Materiais- ligacoes quimicas
Ciencia dos Materiais- ligacoes quimicasCiencia dos Materiais- ligacoes quimicas
Ciencia dos Materiais- ligacoes quimicasRui Romeu Fiapiola
 
Quimica333 hibridizacao do carbono
Quimica333 hibridizacao  do carbonoQuimica333 hibridizacao  do carbono
Quimica333 hibridizacao do carbonoEdlas Junior
 
Aula 08 química geral
Aula 08 química geralAula 08 química geral
Aula 08 química geralTiago da Silva
 
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Geometria de complexos
Geometria de complexosGeometria de complexos
Geometria de complexosRay Sant'Anna
 
Química distribuição eletronica
Química   distribuição eletronicaQuímica   distribuição eletronica
Química distribuição eletronicaRubao1E
 
Aula 18 teoria da ligacao de valencia
Aula 18   teoria da ligacao de valenciaAula 18   teoria da ligacao de valencia
Aula 18 teoria da ligacao de valenciaTaline Cunha
 
Hibridização de orbitais atômicos
Hibridização de orbitais atômicosHibridização de orbitais atômicos
Hibridização de orbitais atômicosKaroline Leite Cunha
 
6. partículas subatômicas
6. partículas subatômicas6. partículas subatômicas
6. partículas subatômicasRebeca Vale
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicasestead2011
 
Qui143 aula 3 ligação química
Qui143 aula 3 ligação químicaQui143 aula 3 ligação química
Qui143 aula 3 ligação químicaGiovanni Marino
 

Mais procurados (20)

Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
Aula   polaridade,  geometria molecular e forças intermolecularesAula   polaridade,  geometria molecular e forças intermoleculares
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
 
Aula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de BohrAula 4 - Modelo Atômico de Bohr
Aula 4 - Modelo Atômico de Bohr
 
Ciencia dos Materiais- ligacoes quimicas
Ciencia dos Materiais- ligacoes quimicasCiencia dos Materiais- ligacoes quimicas
Ciencia dos Materiais- ligacoes quimicas
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Quimica333 hibridizacao do carbono
Quimica333 hibridizacao  do carbonoQuimica333 hibridizacao  do carbono
Quimica333 hibridizacao do carbono
 
Aula 08 química geral
Aula 08 química geralAula 08 química geral
Aula 08 química geral
 
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
Aula 05 - Estrutura dos átomos e molécula II (ligações quimicas)
 
Números quânticos
Números quânticosNúmeros quânticos
Números quânticos
 
Geometria de complexos
Geometria de complexosGeometria de complexos
Geometria de complexos
 
Química distribuição eletronica
Química   distribuição eletronicaQuímica   distribuição eletronica
Química distribuição eletronica
 
Aula 18 teoria da ligacao de valencia
Aula 18   teoria da ligacao de valenciaAula 18   teoria da ligacao de valencia
Aula 18 teoria da ligacao de valencia
 
Hibridização
HibridizaçãoHibridização
Hibridização
 
Hibridização de orbitais atômicos
Hibridização de orbitais atômicosHibridização de orbitais atômicos
Hibridização de orbitais atômicos
 
Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
 
Oxirreducao
OxirreducaoOxirreducao
Oxirreducao
 
6. partículas subatômicas
6. partículas subatômicas6. partículas subatômicas
6. partículas subatômicas
 
Números quânticos
Números quânticosNúmeros quânticos
Números quânticos
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 
Qui143 aula 3 ligação química
Qui143 aula 3 ligação químicaQui143 aula 3 ligação química
Qui143 aula 3 ligação química
 
Pilhas (básico)
Pilhas (básico)Pilhas (básico)
Pilhas (básico)
 

Semelhante a Ligações Químicas: Teorias de Ligação

AULA 2 GEOMETRIA MOLEC (1).ppt
AULA 2 GEOMETRIA MOLEC (1).pptAULA 2 GEOMETRIA MOLEC (1).ppt
AULA 2 GEOMETRIA MOLEC (1).pptRicardoBrunoFelix
 
Teoria estrutural 1
Teoria estrutural 1Teoria estrutural 1
Teoria estrutural 1Pam Pires
 
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemploSimone Belorte de Andrade
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas11112qmi007
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptRicardoBrunoFelix
 
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.MariajulianaAraujode1
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptGluciaCoutinho3
 
Tlv bond valence theory
Tlv   bond valence theoryTlv   bond valence theory
Tlv bond valence theoryRubens Costa
 
aula-10-quimica-fundamental-2019-3-ligações-covalentes-.pdf
aula-10-quimica-fundamental-2019-3-ligações-covalentes-.pdfaula-10-quimica-fundamental-2019-3-ligações-covalentes-.pdf
aula-10-quimica-fundamental-2019-3-ligações-covalentes-.pdfEloiCarlosGove
 
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.pptAula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.pptVaniaMaria37
 

Semelhante a Ligações Químicas: Teorias de Ligação (20)

Quimica geral 10
Quimica geral 10Quimica geral 10
Quimica geral 10
 
AULA 2 GEOMETRIA MOLEC (1).ppt
AULA 2 GEOMETRIA MOLEC (1).pptAULA 2 GEOMETRIA MOLEC (1).ppt
AULA 2 GEOMETRIA MOLEC (1).ppt
 
Eco 09
Eco 09Eco 09
Eco 09
 
Teoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalinoTeoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalino
 
0708 f01
0708 f010708 f01
0708 f01
 
Ligações Químicas.ppt
Ligações Químicas.pptLigações Químicas.ppt
Ligações Químicas.ppt
 
Unidade 01 Teoria Estrutural
Unidade 01   Teoria EstruturalUnidade 01   Teoria Estrutural
Unidade 01 Teoria Estrutural
 
Teoria estrutural 1
Teoria estrutural 1Teoria estrutural 1
Teoria estrutural 1
 
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
 
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
 
Aula_3_Ligações Químicas.pdf
Aula_3_Ligações Químicas.pdfAula_3_Ligações Químicas.pdf
Aula_3_Ligações Químicas.pdf
 
Tlv bond valence theory
Tlv   bond valence theoryTlv   bond valence theory
Tlv bond valence theory
 
Cap09 parte2
Cap09 parte2Cap09 parte2
Cap09 parte2
 
teoria do orbital
teoria do orbitalteoria do orbital
teoria do orbital
 
aula-10-quimica-fundamental-2019-3-ligações-covalentes-.pdf
aula-10-quimica-fundamental-2019-3-ligações-covalentes-.pdfaula-10-quimica-fundamental-2019-3-ligações-covalentes-.pdf
aula-10-quimica-fundamental-2019-3-ligações-covalentes-.pdf
 
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.pptAula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
Aula_4_ Geometria molecular e forças intermoleculares.ppt
 
2012 cap01 estrutura e ligação
2012 cap01  estrutura e ligação2012 cap01  estrutura e ligação
2012 cap01 estrutura e ligação
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 

Ligações Químicas: Teorias de Ligação

  • 2. Conteúdo • • • • • • • O Que se Espera de uma Teoria de Ligação Introdução ao método da Ligação de Valência Hibridização de Orbitais Atômicos Ligações Covalentes Múltiplas Teoria de Orbitais Moleculares Elétrons Delocalizados: As Ligações na Molécula de Benzeno. Ligações em Metais
  • 3. Por Quê São Necessárias Novas Teorias de Ligação? •A teoria de Lewis apresenta alguns problemas: •Ela não explica a existência de condutores ou semicondutores. •São necessárias abordagens mais sofisticadas: •Hibridização •Orbitais moleculares a partir de orbitais atômicos.
  • 4. O Que Se Espera de Uma Teoria de Ligação? • Aproxima-se os átomos, vindos do infinito. – Os elétrons são atraídos por ambos os núcleos. – Os elétrons se repelem – Os núcleos se repelem • Constrói-se um gráfico de energia potencial versus distância. – Energias negativas → forças de atração – Energias positivas → forças de repulsão
  • 6. Introdução ao Método da Ligação de Valência • Orbitais atômicos descrevem as ligações covalentes • A área de interpenetração (overlap) dos orbitais está em fase. • É um modelo localizado de ligação.
  • 7. Ligações emH2S Átomos isolados Ligações covalentes Os orbitais de ligação estão em cinza
  • 8. Exemplo 1 Usando o método da ligação de valência para descrever uma estrutura molecular. Descreva a molécula de fosfina, PH3, pelo método da ligação de valência Identifique os elétrons de valência:
  • 9. Exemplo 1 Esboce os orbitais: Faça o overlap dos orbitais: Descreva a forma: são 92-94° Piramidal trigonal (os ângulos observados
  • 10. Hibridização de Orbitais Atômicos Estado Fundamental Estado Excitado O número de orbitais hibridizados é igual ao de orbitais atômicos
  • 14. Hibridização sp3 no Nitrogênio
  • 17. Orbitais no Boro Combine para gerar três orbitais sp2 Que são representados pelo conjunto
  • 19. Orbitais no Berílio Combine para gerar três orbitais sp Que são representados pelo conjunto
  • 20. Hybridização sp3d e sp3d2 Orbitais sp3d Orbitais sp3d2 Estrutura bipiramidal trigonal Estrutura octaédrica
  • 21. Orbitais Híbridos e VSEPR • Escreva uma estrutura de Lewis plausível. • Use a VSEPR para prever a geometria eletrônica. • Escolha a hibridização apropriada.
  • 22. Ligações Covalentes Múltiplas • O etileno possui uma ligação dupla em sua estrutura de Lewis. • VSEPR: carbono trigonal planar
  • 23. Etileno Conjunto de orbitais sp2 + p Ligações sigma (σ) Overlap de orbitais p origina uma ligação pi (π)
  • 24. Acetileno • O Acetileno, C2H2, possui uma ligação tripla. • VSEPR: carbono linear. Formação de ligações σ Formação de ligações π
  • 25. Teoria de Orbitais Moleculares • Os orbitais atômicos estão isolados nos átomos. • Orbitais moleculares incluem dois ou mais átomos • Obtidos através de LCAO (CLOA): – Combinação Linear de Orbitais Atômicos. Ψ1 = φ1 + φ2 Ψ2 = φ1 - φ2
  • 26. Combinação de Orbitais Atômicos Adição Subtração Orbitais moleculares ligantes e antiligantes
  • 27. Orbitais Moleculares do Hidrogênio Plano Nodal Antiligante Orbitais 1s de Dois átomos de hidrogênio separados Ligante Orbitais moleculares da molécula de H2 Densidade de carga eletrônica (probabilidade) ao longo de uma linha ligando os dois átomos Diagrama de níveis de energia
  • 28. Idéias Básicas a Respeito de OMs • Número de OAs= número de OMs. • Há sempre a formação de OMs ligantes E antiligantes a partir do OAs. • Os elétrons ocupam primeiro o OM de mais baixa energia. • O princípio da exclusão de Pauli se aplica: – O número máximo de elétrons por OM é dois. • A regra de Hund se aplica: – Oms degenerados são preenchidos antes do emparelhamento.
  • 29. Ordem de Ligação • Espécies estáveis possuem mais elétrons em orbitais ligantes do que em orbitais antiligantes No. e - em OMs Ligantes - No. e - em OMs Antiligantes Ordem de Ligação= 2
  • 30. Moléculas Diatômicas do Primeiro Período OL = (e-lig - e-antilig )/2 OL H += (1-0)/2 = ½ 2 OL H += (2-0)/2 = 1 2 OL He + = (2-1)/2 = ½ 2 OL He + = (2-2)/2 = 0 2
  • 31. Electronic Configuration of H2-type Molecules From the previous theory, we can fill the M Os with electrons for the H2-type molecule: Molecule e-configuration H2+ 1σ (1σ1) H2, He22+ 1σ2 H2–, He2+ 1σ2 1σ∗ H22–, He2 1σ2 1σ∗2 Bond order ½ 1 ½ 0 bondlength 106 pm 74, ~75 ~106, 108 not formed Describe the relationships of bondlength & bondorder and e-configurations; learn to reason Theories of chemical bonding
  • 32. Orbitais Moleculares do Segundo Período • O primeiro período só utiliza orbitais 1s. • No segundo período há orbitais 2s e 2p disponíveis. • Overlap de orbitais p: – Overlap terminal é mais efetivo – ligação sigma (σ). – Overlap lateral é bom – ligação pi (π).
  • 33. Orbitais Moleculares do Segundo Período
  • 34. Combinações de Orbitais p (antiligante) (ligante) (antiligante) (ligante) (antiligante) (ligante)
  • 35. Diagrama de OM Esperado Para C2
  • 36. Diagrama de OM Modificado ParaC2
  • 37. Diagramas de OM Para Moléculas Diatômicas do 2o. Período.
  • 38. Diagramas Para Moléculas Diatômicas Heteronucleares
  • 40. Benzeno Esquema das ligações σ Esquema das ligações π Representação simbólica
  • 41. Benzene The benzene structure has fascinated scientists for centuries. It’s bonding is particularly interesting. The C atom utilizes sp2 hybrid AO in the sigma bonds, and the remaining p AO overlap forming a ring of p bonds. Sigma σ bonds are represented by lines, and the p orbitals for the π bonds are shown by balloon-shape blobs. Note the + and – signs of the p orbitals. Thus, we represent it by + + + + + + – – – Theories of chemical bonding –
  • 42. More About Benzene Theories of chemical bonding 42 Flávio Vichi, QFL-137, 2007
  • 44. Ozônio Esquema das ligações σ Orbital molecular π delocalizado
  • 45. Ligações em Metais • Modelo do mar de elétrons – Núcleos em um mar de e-. – Brilho metálico. – Maleabilidade. Força aplicada
  • 46. Ligações em Metais Teoria de Bandas. • Extensão da TOM: N átomos originam N orbitais de energia muito próxima. • N/2 são preenchidos. A banda de valência. • N/2 ficam vazios. A banda de condução. Banda de Energia
  • 48. Semicondutores • Semicondutores intrínsecos: band gap fixo. • Ex: CDs, absorve luz violeta e parte da azul, e reflete a luz menos energética: aparência amarelo brilhante. • GaAs: band gap pequeno, toda a luz visível é absorvida: preto.
  • 49. Semicondutores • Semiciondutores extrínsecos: o band gap é controlado através da adição de impurezas: dopagem. • O nível de energia do P fica logo abaixo da banda de condução do Si. P usa 5 elétrons para se ligar ao Si, e o excedente pode ser doado. • Semicondutor do tipo n se refere a negativo, o tipo de carga que é MÓVEL. • O nível de energia do Al fica logo acima da banda de valência do Si. Elétrons podem entrar no orbital do Al, deixando um BURACO na banda de valência. A carga positiva pode se mover e este é portanto um semicondutor tipo p.
  • 50. Semicondutores Banda de Banda de condução condução Nível doador Nível aceptor Banda de Banda de valência valência Semicondutor tipo n Semicondutor tipo p

Notas do Editor

  1. {"50":"Intrinsic semiconductors: fixed band gap. \nEx. CdS, absorbs violet light and some blue, reflects less energetic light. Thus looks bright yellow.\nGaAs, small band gap, all visible light is absorbed, looks black.\nExtrinsic semiconductors: band gap is controlled by addition of impurities – doping.\nEnergy level of P is just below the conduction band of Si. P uses four of five electrons to bond to Si, one left over can be donated.\nn-type semiconductor – n refers to negative, the type of charge that is MOBILE.\nEnergy level of Al is just above the valence band. Electrons can move into the Al orbital and leave a HOLE in the valence band. Positive charge can move around thus this is a p-type semiconductor.\n","28":"Pauli – maximum number of e- in an MO is two\nDegenerate orbitals are filled singly before e- pair up.\n","7":"Bonding atomic orbitals are shown in grey.\n","2":"Lewis theory has shortcomings. It does not explain conduction or semiconductors. More sophisticated approaches are required.\nHybridization. Molecular orbitals from atomic orbitals. \n","9":"Observed bond angles are 92-94°.\n","26":"Bonding and antibonding molecular orbitals.\n"}