SlideShare uma empresa Scribd logo
Teoria de
Enfermagem
Martha Rogers
Introdução: Preceitos e bases
Rogers acreditava que:
Devemos conhecer a história da
humanidade e da enfermagem para
podermos evoluir.
Criando assim novas práticas e
aperfeiçoando as técnicas já existentes.
Pelo seu conhecimento de diversas áreas, Rogers desenvolveu em 1970 sua teoria denominada Sistema Aberto para
Enfermagem, baseando-se na teoria geral dos sistemas.
Todo ser humano está em constante
troca com o meio ambiente, e todo
individuo é um todo unificado.
E por isso, a enfermagem deve ser
humanística e humanitária. Dedicada a
preocupação compassiva, prevenção
da doença e capacitação dos
enfermeiros.
5 Pressupostos
1° pressuposto:
O ser humano é um todo unificado, possuindo uma integralidade individual e manifestando
características que são mais diferentes que a soma das partes.
2° pressuposto:
O indivíduo e o ambienteestão continuamente trocando matéria e energia um com o outro.
3° pressuposto:
O processo de vida dos seres humanos evolui irreversível e unidirecionalmente ao longo de
uma sequência de espaço tempo.
4° pressuposto:
Os padroes indentificam os seres humanos e refletem sua totalidade inovadora.
5° pressuposto:
O individuo é caracterizado pela capacidade de abstração, vizualização, linguagem e
pensamentos, sensação e criação.
4 Blocos Constituintes
1 - CAMPOS DE ENERGIA
2- ABERTURA
3- PADRÃO
4- PANDIMENSIONALIDADE
Os CAMPO DE ENERGIA não tem limites;
São indivisíveis, estendem-se ao infinito e são
dinâmicos.Portanto estes campos tem
ABERTURA,permitindo a troca com outros campos.
Essa troca tem um PADRÃO que não é fixo e muda
conforme a necessidade. As trocas entre os campos
ocorre na PANDIMENSIONALIDADE que é um
domínio não é limitado pelo espaço ou pelo tempo.
“
“Ajudar as pessoas a atingirem seu máximo
potencial de saúde, compreendendo a parte
física e energética, reforçando que o homem
seja visto pela enfermagem como um ser que
tem sua própria integridade, mas também esta
em interação com o ambiente e suas
variáveis.”
Martha Rogers
CASO CLÍNICO
R.S.S, 30 anos, sexo masculino, solteiro, sedentário, fumante,
etilista crônico. Paciente vítima de trauma torácico por arma branca,
deu entrada no dia 27/03/2018. Identificado pneumotórax primário
traumático a partir da TC de tórax e abdômen. Foi encaminhado ao
centro cirúrgico onde realizou toracotomia exploradora, transferido
ao CTI para pós operatório imediato. Paciente lúcido porém
desorientado, agressivo, contido ao leito, eupneico em ar ambiente,
anictérico, acianótico, instalado cateter vesical de demora, sem
drenos. Crânio sem anomalias, região cervical sem gânglios,
abdome plano, flácido,indolor a palpação, MMII sem edemas,
pulsos pediosos palpáveis, sem alterações. Ausculta Pulmonar:
MVUA, ausculta limpa, sem alterações patológicas. Ausculta
Cardíaca: RCR em 2T, BNF sem sopros.
SSVV: PA: 120x80 mmHg, pulso:90 bpm, FR:20 irpm, T:36,8°C.
Paciente em processo de alta, porém muito agressivo devido a
abstinência alcoólica. Impossibilitando-o de ficar em clínica médica.
DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM
•Comportamento de saúde propenso a riscos relacionado aos maus hábitos de
vida, evidenciado pelo alcoolismo.
•Confusão aguda relacionada a abstinência alcoólica, evidenciada pela dislalia e
desorientação no espaço/tempo.
•Risco de violência direcionada a outros relacionada a abstinência alcoólica.
•Eliminação urinária prejudicada, relacionada ao baixo volume urinário
evidenciada pelo aspecto turvo da diurese.
NANDA
ENFERMAGEMIMPLEMENTAÇÃO DE
NIC
•Enfatizar o indivíduo e família quanto à participação no cuidado para promoção
e recuperação de saúde.
•Observar sentimentos de irritabilidade, medo, ansiedade e solidão, buscando
subsídios para compreender o estado emocional do paciente e possibilitar-lhe
apoio.
•Manter paciente contido ao leito, lhe acalmando, sempre que necessário.
•Auxiliar o paciente no controle do sono diurno, discutir com o paciente/família
as medidas de conforto, técnicas de monitoramento do sono e as mudanças no
estilo de vida.
AVALIAÇÃO DE ENFERMAGEM
NOC
•Reintegrar este indivíduo no meio social.
•Buscar que o paciente se acalme e entenda sua necessidade de melhora.
•Evitar quaisquer risco aos profissionais de saúde e as pessoas ao redor.
•Propiciar um maior conforto, buscando tranquilizá-lo.
CONCLUSÃO
 Vimos que, na ciência do Ser
Humano Unitário de Rogers, é
considerado que a utilização do
potencial criador dos
enfermeiros é essencial para o
desenvolvimento da prática e do
corpo de conhecimentos de
enfermagem. E para que isto
entrasse em prática no cuidado
ao cliente, visamos focar em
prescrições que o ajudem a
melhorar tanto fisicamente como
psicologicamente.
 Os sentimentos de medo,
angústia, ansiedade, tristeza, e etc,
provocam tensões musculares que
dificultam o trânsito energético.
Com a centralização , e tendo um
olhar integrado e unificado entre as
relações paciente e ambiente, é
possível atentarmos para análise
bioenergética da vida. Nesta,
apontamos a necessidade de
relações humanas e sociais como
pulsações energéticas geradoras
de uma expressão emocional
potencializadora da vida.
 Em vez de focar na doença, na
morte, no sofrimento, vai se
buscar uma verdadeira escuta
no contexto que estiver inserido.
Buscando sempre intervir da
melhor maneira possível.
BIBLIOGRAFIA
•http://www.scielo.br/pdf/reben/v64n3/v64n3a14.pdf
•https://www.revistas.usp.br/revistadc/article/viewFile/
•https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v13/n2/pdf/v13n2a02.pdf
•http://www.revistas.usp.br/reeusp/article/view/136626/1323

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teorias de Enfermagem
Teorias de EnfermagemTeorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
Enf.Savana das G.
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Luziane Costa
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importância
Célia Costa
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
Katia Pontes Remijo
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
Elter Alves
 
Dorothea orem
Dorothea oremDorothea orem
Dorothea orem
rutbert
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Yasmin Casini
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Aroldo Gavioli
 
Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de Enfermagem
Paulo Aragão
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagemTeoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
Anhanguera Enfermagem A/B
 
Teoria de Imogene King
Teoria de Imogene KingTeoria de Imogene King
Teoria de Imogene King
Camilasantos2016
 
Teorias e modelos de enfermagem
Teorias e modelos de enfermagem Teorias e modelos de enfermagem
Teorias e modelos de enfermagem
resenfe2013
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
Aroldo Gavioli
 
Jean watson
Jean watsonJean watson
Jean watson
Fabi Rodrigues
 
Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4
Morgana Oliveira
 
Teoria do autocuidado orem
Teoria do autocuidado  oremTeoria do autocuidado  orem
Teoria do autocuidado orem
Anhanguera Enfermagem A/B
 
Florence Nightingale
Florence NightingaleFlorence Nightingale
Florence Nightingale
Laura Baldovino
 
Wanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar HortaWanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar Horta
Roberta Araujo
 

Mais procurados (20)

Teorias de Enfermagem
Teorias de EnfermagemTeorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Enfermagem o papel e a importância
Enfermagem   o papel e a importânciaEnfermagem   o papel e a importância
Enfermagem o papel e a importância
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Dorothea orem
Dorothea oremDorothea orem
Dorothea orem
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de Enfermagem
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagemTeoria das relações interpessoais em enfermagem
Teoria das relações interpessoais em enfermagem
 
Teoria de Imogene King
Teoria de Imogene KingTeoria de Imogene King
Teoria de Imogene King
 
Teorias e modelos de enfermagem
Teorias e modelos de enfermagem Teorias e modelos de enfermagem
Teorias e modelos de enfermagem
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Jean watson
Jean watsonJean watson
Jean watson
 
Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4Sinais vitais aula 4
Sinais vitais aula 4
 
Teoria do autocuidado orem
Teoria do autocuidado  oremTeoria do autocuidado  orem
Teoria do autocuidado orem
 
Florence Nightingale
Florence NightingaleFlorence Nightingale
Florence Nightingale
 
Wanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar HortaWanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar Horta
 

Semelhante a Teoria de enfermagem (Martha Rogers)

Teoria de enfermagem (Martha Rogers)
Teoria de enfermagem (Martha Rogers)Teoria de enfermagem (Martha Rogers)
Teoria de enfermagem (Martha Rogers)
Izabelle Figueiró
 
Wanda horta e o cuidado.pptx
Wanda horta e o cuidado.pptxWanda horta e o cuidado.pptx
Wanda horta e o cuidado.pptx
JessiellyGuimares
 
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOFUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
JessicaAngelo5
 
Apresentação ma 1
Apresentação ma 1Apresentação ma 1
Dorothea E Orem(pronto).pptx
Dorothea E Orem(pronto).pptxDorothea E Orem(pronto).pptx
Dorothea E Orem(pronto).pptx
SergioBSantos1
 
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminalPrincípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Associação Viva e Deixe Viver
 
aulaadrienewandahorta-150811205704-lva1-app6892 (1).pptx
aulaadrienewandahorta-150811205704-lva1-app6892 (1).pptxaulaadrienewandahorta-150811205704-lva1-app6892 (1).pptx
aulaadrienewandahorta-150811205704-lva1-app6892 (1).pptx
ShesterDamaceno1
 
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptxteoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
JessiellyGuimares
 
Sistematização de enfermagem
Sistematização de enfermagemSistematização de enfermagem
Sistematização de enfermagem
Simone Lima
 
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEMHUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
CarolMendona13
 
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptxFUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
douglas870578
 
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outroPsicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Cintia Colotoni
 
história
história história
história
wesley rodrigues
 
2006 -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.
2006  -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.2006  -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.
2006 -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.
Rodrigo Bastos
 
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptxINTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
BeatrizWilmann
 
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptxAula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
CarlaAlves362153
 
Teoria de Enfermagem - Dorothea Orem
Teoria de Enfermagem - Dorothea OremTeoria de Enfermagem - Dorothea Orem
Teoria de Enfermagem - Dorothea Orem
Wendrews Miguel
 
Aula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdf
Aula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdfAula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdf
Aula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdf
profalicebolelli
 
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Arte Despertar
 
Até que a morte nos separe 3
Até que a morte nos separe 3Até que a morte nos separe 3
Até que a morte nos separe 3
Adriana Soczek Sampaio
 

Semelhante a Teoria de enfermagem (Martha Rogers) (20)

Teoria de enfermagem (Martha Rogers)
Teoria de enfermagem (Martha Rogers)Teoria de enfermagem (Martha Rogers)
Teoria de enfermagem (Martha Rogers)
 
Wanda horta e o cuidado.pptx
Wanda horta e o cuidado.pptxWanda horta e o cuidado.pptx
Wanda horta e o cuidado.pptx
 
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOFUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
 
Apresentação ma 1
Apresentação ma 1Apresentação ma 1
Apresentação ma 1
 
Dorothea E Orem(pronto).pptx
Dorothea E Orem(pronto).pptxDorothea E Orem(pronto).pptx
Dorothea E Orem(pronto).pptx
 
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminalPrincípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
Princípios éticos no cuidado com paciente pediátrico terminal
 
aulaadrienewandahorta-150811205704-lva1-app6892 (1).pptx
aulaadrienewandahorta-150811205704-lva1-app6892 (1).pptxaulaadrienewandahorta-150811205704-lva1-app6892 (1).pptx
aulaadrienewandahorta-150811205704-lva1-app6892 (1).pptx
 
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptxteoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
teoria autocuidado, ADAPTAÇÃO E interpessoal.pptx
 
Sistematização de enfermagem
Sistematização de enfermagemSistematização de enfermagem
Sistematização de enfermagem
 
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEMHUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
HUMANIZAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptxFUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
 
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outroPsicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outro
 
história
história história
história
 
2006 -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.
2006  -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.2006  -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.
2006 -01_-_a_enfermagem_nas_novas_terapias_alternativas_no_sus.
 
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptxINTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
 
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptxAula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
 
Teoria de Enfermagem - Dorothea Orem
Teoria de Enfermagem - Dorothea OremTeoria de Enfermagem - Dorothea Orem
Teoria de Enfermagem - Dorothea Orem
 
Aula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdf
Aula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdfAula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdf
Aula 1-2. Cuidado de Enf, Anotações e Evolução.pdf
 
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
Revista Bons Fluídos - Dezembro de 2012
 
Até que a morte nos separe 3
Até que a morte nos separe 3Até que a morte nos separe 3
Até que a morte nos separe 3
 

Último

Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Ruan130129
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
WilberthLincoln1
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 

Último (8)

Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptxTreinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
Treinamento NR35_Trabalho em Altura 2024.pptx
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
3° Aula.ppt historia do Sistema Unico de Saude
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 

Teoria de enfermagem (Martha Rogers)

  • 2. Introdução: Preceitos e bases Rogers acreditava que: Devemos conhecer a história da humanidade e da enfermagem para podermos evoluir. Criando assim novas práticas e aperfeiçoando as técnicas já existentes. Pelo seu conhecimento de diversas áreas, Rogers desenvolveu em 1970 sua teoria denominada Sistema Aberto para Enfermagem, baseando-se na teoria geral dos sistemas. Todo ser humano está em constante troca com o meio ambiente, e todo individuo é um todo unificado. E por isso, a enfermagem deve ser humanística e humanitária. Dedicada a preocupação compassiva, prevenção da doença e capacitação dos enfermeiros.
  • 3. 5 Pressupostos 1° pressuposto: O ser humano é um todo unificado, possuindo uma integralidade individual e manifestando características que são mais diferentes que a soma das partes. 2° pressuposto: O indivíduo e o ambienteestão continuamente trocando matéria e energia um com o outro. 3° pressuposto: O processo de vida dos seres humanos evolui irreversível e unidirecionalmente ao longo de uma sequência de espaço tempo. 4° pressuposto: Os padroes indentificam os seres humanos e refletem sua totalidade inovadora. 5° pressuposto: O individuo é caracterizado pela capacidade de abstração, vizualização, linguagem e pensamentos, sensação e criação.
  • 4. 4 Blocos Constituintes 1 - CAMPOS DE ENERGIA 2- ABERTURA 3- PADRÃO 4- PANDIMENSIONALIDADE Os CAMPO DE ENERGIA não tem limites; São indivisíveis, estendem-se ao infinito e são dinâmicos.Portanto estes campos tem ABERTURA,permitindo a troca com outros campos. Essa troca tem um PADRÃO que não é fixo e muda conforme a necessidade. As trocas entre os campos ocorre na PANDIMENSIONALIDADE que é um domínio não é limitado pelo espaço ou pelo tempo.
  • 5. “ “Ajudar as pessoas a atingirem seu máximo potencial de saúde, compreendendo a parte física e energética, reforçando que o homem seja visto pela enfermagem como um ser que tem sua própria integridade, mas também esta em interação com o ambiente e suas variáveis.” Martha Rogers
  • 7. R.S.S, 30 anos, sexo masculino, solteiro, sedentário, fumante, etilista crônico. Paciente vítima de trauma torácico por arma branca, deu entrada no dia 27/03/2018. Identificado pneumotórax primário traumático a partir da TC de tórax e abdômen. Foi encaminhado ao centro cirúrgico onde realizou toracotomia exploradora, transferido ao CTI para pós operatório imediato. Paciente lúcido porém desorientado, agressivo, contido ao leito, eupneico em ar ambiente, anictérico, acianótico, instalado cateter vesical de demora, sem drenos. Crânio sem anomalias, região cervical sem gânglios, abdome plano, flácido,indolor a palpação, MMII sem edemas, pulsos pediosos palpáveis, sem alterações. Ausculta Pulmonar: MVUA, ausculta limpa, sem alterações patológicas. Ausculta Cardíaca: RCR em 2T, BNF sem sopros. SSVV: PA: 120x80 mmHg, pulso:90 bpm, FR:20 irpm, T:36,8°C. Paciente em processo de alta, porém muito agressivo devido a abstinência alcoólica. Impossibilitando-o de ficar em clínica médica.
  • 8. DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM •Comportamento de saúde propenso a riscos relacionado aos maus hábitos de vida, evidenciado pelo alcoolismo. •Confusão aguda relacionada a abstinência alcoólica, evidenciada pela dislalia e desorientação no espaço/tempo. •Risco de violência direcionada a outros relacionada a abstinência alcoólica. •Eliminação urinária prejudicada, relacionada ao baixo volume urinário evidenciada pelo aspecto turvo da diurese. NANDA
  • 9. ENFERMAGEMIMPLEMENTAÇÃO DE NIC •Enfatizar o indivíduo e família quanto à participação no cuidado para promoção e recuperação de saúde. •Observar sentimentos de irritabilidade, medo, ansiedade e solidão, buscando subsídios para compreender o estado emocional do paciente e possibilitar-lhe apoio. •Manter paciente contido ao leito, lhe acalmando, sempre que necessário. •Auxiliar o paciente no controle do sono diurno, discutir com o paciente/família as medidas de conforto, técnicas de monitoramento do sono e as mudanças no estilo de vida.
  • 10. AVALIAÇÃO DE ENFERMAGEM NOC •Reintegrar este indivíduo no meio social. •Buscar que o paciente se acalme e entenda sua necessidade de melhora. •Evitar quaisquer risco aos profissionais de saúde e as pessoas ao redor. •Propiciar um maior conforto, buscando tranquilizá-lo.
  • 11. CONCLUSÃO  Vimos que, na ciência do Ser Humano Unitário de Rogers, é considerado que a utilização do potencial criador dos enfermeiros é essencial para o desenvolvimento da prática e do corpo de conhecimentos de enfermagem. E para que isto entrasse em prática no cuidado ao cliente, visamos focar em prescrições que o ajudem a melhorar tanto fisicamente como psicologicamente.  Os sentimentos de medo, angústia, ansiedade, tristeza, e etc, provocam tensões musculares que dificultam o trânsito energético. Com a centralização , e tendo um olhar integrado e unificado entre as relações paciente e ambiente, é possível atentarmos para análise bioenergética da vida. Nesta, apontamos a necessidade de relações humanas e sociais como pulsações energéticas geradoras de uma expressão emocional potencializadora da vida.  Em vez de focar na doença, na morte, no sofrimento, vai se buscar uma verdadeira escuta no contexto que estiver inserido. Buscando sempre intervir da melhor maneira possível.