SlideShare uma empresa Scribd logo
Técnicas de banhos de maneira
humanizada
ENFª. ESP. ANDRIELLY FERNANDA
Conteúdo programático
3
• Definição de banho de leito;
• Objetivos;
• Responsabilidade;
• Tipos;
• Humanização;
• Material para o procedimento;
• Descrição do procedimento;
• Recomendações;
• Riscos;
BANHO DE LEITO PACIENTE ADULTO
4
• É a técnica de higienização corporal para pacientes
acamados e impossibilitados de se locomover.
OBJETIVO
5
-Proporcionar higiene e conforto ao paciente;
-Melhorar a autoimagem, pois promove relaxamento e
sentimento de bem estar;
-Redução dos odores corporais;
-Estimulação da circulação sanguínea devido ao
contato da água morna e a massagem corporal durante
a fricção da compressa na pele;
RESPONSÁVEIS
6
• Enfermeiros;
• Técnicos em Enfermagem.
-CONTRAINDICAÇÃO
•Em pacientes hemodinamicamente instáveis e
conforme orientação médica;
TIPOS DE BANHO
7
1-Asperção
2-Imersão
3-Ablução
4-No leito
banho chuveiro
banho na banheira
Jogando pequenas porções de água
usado para pacientes acamados e rep
absoluto.
HUMANIZAÇÃO NO BANHO
DE LEITO
• Respeito-
Crenças
Valorizar e respeitar os
valores
Relato de um paciente: .....chegam
tirando minha roupa quase todos os
dias, tem enfermeira que nem pede
autorização....Muitas vezes abrem
minha camisa sem pedir licença.....
8
Privacidade
BANHO DE LEITO ENVOLVE:
Humanização
Preferências pessoais;
Explicar ao paciente o
procedimento.
Satisfação do
paciente
Toque
MATERIAL PARA PROCEDIMENTO
9
• 01 toalha de rosto;
• 01 toalha de banho;
• Roupas de cama;
• Compressas;
• Sabonete do paciente ou sabão líquido
neutro;
• Roupa do paciente ou avental da
instituição;
• Comadre;
MATERIAL PARA PROCEDIMENTO
10
• Luvas de procedimento;
• Hamper;
• Biombo se necessário,
• 2 bacias;
• Mantenha sempre o máximo de privacidade do paciente,
colocando biombos em caso de quarto semi-privativo.
DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO
11
• Observar para que a temperatura e ventilação do
ambiente estejam agradáveis para o paciente
(quarto ou box não esteja muito frio ou muito
quente e que não haja correntes de ar) e que a sua
privacidade seja mantida;
• Lavar as mãos e providenciar o material
necessário;
DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO
• Colocar o material , em ordem de uso em cima da mesa
auxiliar;
• Explicar para o paciente o que vai ser feito, orientando-
o;
• Vestir aventais e calçar luvas de procedimento;
• Iniciarsoltando o lençol debaixo do paciente, expondo-o
o mínimo possível;
12
DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO
13
• Serão utilizadas duas bacias, uma para molhar as
compressas com água e sabão e a outra para
enxaguar somente com água;
• Seguir a sequência: cabelos, rosto (só com água),
orelhas e pescoço, braços e mãos, tórax e abdome,
pernas e pés, genitais e períneo (com água e
sabão);
• Lavar e enxaguar genitais e períneo com uma nova
compressa com o auxílio da comadre, ou seja,
deixar escorrer a água destas áreas para a
comadre;
DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO
14
• Trocar de compressa de lavagem, lateralizar o paciente e
lavar e enxaguar: pescoço (região posterior), dorso, região
glútea e períneo posterior;
• Trocar a água da bacia sempre que necessário;
• Preservar a intimidade do paciente descobrindo apenas as
partes a serem lavadas e, se em condições, solicitar ao
cliente que ele mesmo realize a higiene das partes íntimas;
• Hidratar o dorso e pontos de apoio com hidratante
padronizado ou de uso do paciente;
DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO
15
• Iniciar a troca de roupa de cama logo após o término da
lavagem da parte posterior do corpo com o cliente
lateralizado;
• Empurrar o lençol de baixo o mais próximo possível do cliente,
descobrindo a lateral do colchão;
• Estender o lençol limpo sobre o colchão, mais a proteção
impermeável e o lençol móvel;
• Lateralizar o cliente para o lado oposto, retirando o lençol
usado e puxando o lençol limpo;
• Colocar os lençóis usados dentro do hamper;
DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO
16
• Trocar o lençol de cima descobrindo parcialmente o
paciente;
• Estender a colcha e cobertor se necessário e posicionar
o cliente confortavelmente;
• Guardar o material utilizado e recolher a roupa usada
dentro do hamper;
• Retirar as luvas e os aventais, higienizar as mãos,
calçar uma luva na mão não dominante para empurrar o
hamper até o expurgo;
DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO
17
-Checar na prescrição de enfermagem e anotar o
procedimento realizado registrando aspecto da pele e
intercorrências (se houver);
•Fazer a evolução de enfermagem (enfermeiro)
relacionada ao cuidado efetuado e as condições do
paciente.
RISCOS DO BANHO
18
• Risco de Hipotermia;
• Risco de Instabilidade no Padrão Pulmonar;
• Risco de Instabilidade Hemodinâmica;
• Risco de Queda;
• Risco de Perda de Artefatos (sondas, catéteres vasculares,
drenos)
RECOMENDAÇÕES
19
• Fazer interação com o paciente durante o
procedimento, evitando conversas paralelas.
• Evitar mãos frias e prestar atenção no toque no corpo
do paciente.
• Tomar cuidado para que a água não atinja os ouvidos.
• Caso o paciente for idoso, evitar fricção e hidratar a
pele, pois a pele é mais ressecada devido a falta de
oleosidade natural da pele.
• Não jogar roupas de cama no chão.
RECOMENDAÇÕES
20
• Sempre que possível, o banho no leito deve ser
feito por duas pessoas.
• Durante o procedimento devem ser observadas
as condições da pele e das saliências ósseas,
para a prevenção de úlcera por pressão.
CONCLUSÃO
21
• A técnica do banho no leito possui um
grande significado na promoção do
conforto, higiene e impacto direto no
prognóstico do paciente, pois as boas
práticas de enfermagem relacionados a esta
técnica previnem situações de risco e
potencialmente fatais.
Amor ao próximo é o que nos
move.
É o amor que pode mudar o
mundo.
ENFª. ESP. ANDRIELLY FERNANDA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de higiene corporal 2012 cópia
Aula de higiene corporal 2012   cópiaAula de higiene corporal 2012   cópia
Aula de higiene corporal 2012 cópia
Alexsandro Ribeiro
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
Viviane da Silva
 
Como dar um banho no leito
Como dar um banho no leitoComo dar um banho no leito
Como dar um banho no leito
natalineller
 
Aula posicionamento completa
Aula posicionamento  completaAula posicionamento  completa
Aula posicionamento completa
Gleyce Brasileiro
 
AULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pptx
AULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pptxAULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pptx
AULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pptx
mauromaumau
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
Rivanilcede
 
Limpeza terminal
Limpeza terminalLimpeza terminal
Limpeza terminal
Viviane da Silva
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
Marci Oliveira
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
Gabriela Montargil
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
resenfe2013
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 
Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)
JulianaMyriamFraga
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
9999894014
 
AULA PRONTO Medidas de higiene e conforto.pdf
AULA PRONTO Medidas de higiene e conforto.pdfAULA PRONTO Medidas de higiene e conforto.pdf
AULA PRONTO Medidas de higiene e conforto.pdf
FabianaAlessandro2
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
Fernando de Oliveira Dutra
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
Tamyres Magalhães
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
Rodrigo Abreu
 
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptxAULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
lucas106085
 

Mais procurados (20)

Aula de higiene corporal 2012 cópia
Aula de higiene corporal 2012   cópiaAula de higiene corporal 2012   cópia
Aula de higiene corporal 2012 cópia
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Como dar um banho no leito
Como dar um banho no leitoComo dar um banho no leito
Como dar um banho no leito
 
Aula posicionamento completa
Aula posicionamento  completaAula posicionamento  completa
Aula posicionamento completa
 
AULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pptx
AULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pptxAULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pptx
AULA 1 - UTI GERAL ESTRUTURA.pptx
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
 
Limpeza terminal
Limpeza terminalLimpeza terminal
Limpeza terminal
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
 
AULA PRONTO Medidas de higiene e conforto.pdf
AULA PRONTO Medidas de higiene e conforto.pdfAULA PRONTO Medidas de higiene e conforto.pdf
AULA PRONTO Medidas de higiene e conforto.pdf
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
 
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptxAULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
AULA 01 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pptx
 

Semelhante a TECNICAS DE BANHO.ppt

banho no leito.pptx
banho no leito.pptxbanho no leito.pptx
banho no leito.pptx
carlasuzane2
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
DiegoFernandes857616
 
Introdução de Enfermagem
 Introdução de Enfermagem  Introdução de Enfermagem
Introdução de Enfermagem
KalianeValente
 
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdfAulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Johannesabreudeolive1
 
Compressas frias quentes higienização bucal
Compressas frias quentes higienização bucalCompressas frias quentes higienização bucal
Compressas frias quentes higienização bucal
Wagner Lima Teixeira
 
Curso 68
Curso 68Curso 68
Rotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagemRotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagem
Gis Ferreira
 
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem Campinas
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem   CampinasManual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem   Campinas
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem Campinas
guest11ba4c
 
Enf manual rotinas proc
Enf manual rotinas procEnf manual rotinas proc
Enf manual rotinas proc
Marcelo Leal Souza
 
Avd's
Avd'sAvd's
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
Artur Matavele Júnior
 
Estação (higiene respiratória aspiraçâo) turma b
Estação (higiene respiratória   aspiraçâo) turma bEstação (higiene respiratória   aspiraçâo) turma b
Estação (higiene respiratória aspiraçâo) turma b
cuidadoaoadulto
 
Sinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativosSinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativos
Alexandre Donha
 
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagemAULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
JoaraSilva1
 
4 - AULA PREPARO DO LEITO DO PACIENTE.pptx
4 - AULA PREPARO DO LEITO DO PACIENTE.pptx4 - AULA PREPARO DO LEITO DO PACIENTE.pptx
4 - AULA PREPARO DO LEITO DO PACIENTE.pptx
JoaraSilva1
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
Viviane da Silva
 
Higiene corporea do cliente
Higiene corporea do clienteHigiene corporea do cliente
Higiene corporea do cliente
Viviane da Silva
 
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
cuidadoaoadulto
 
Estação – troca de curativo do dreno de tórax turma b
Estação – troca de curativo do dreno de tórax turma bEstação – troca de curativo do dreno de tórax turma b
Estação – troca de curativo do dreno de tórax turma b
cuidadoaoadulto
 
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptx
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptxHigiene Conforto e segurança do pcte.pptx
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptx
tuttitutti1
 

Semelhante a TECNICAS DE BANHO.ppt (20)

banho no leito.pptx
banho no leito.pptxbanho no leito.pptx
banho no leito.pptx
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
 
Introdução de Enfermagem
 Introdução de Enfermagem  Introdução de Enfermagem
Introdução de Enfermagem
 
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdfAulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
Aulas 01 e 02 de Bases Fundamentais para Enfermagem - Prática.pdf
 
Compressas frias quentes higienização bucal
Compressas frias quentes higienização bucalCompressas frias quentes higienização bucal
Compressas frias quentes higienização bucal
 
Curso 68
Curso 68Curso 68
Curso 68
 
Rotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagemRotinas de procedimentos para enfermagem
Rotinas de procedimentos para enfermagem
 
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem Campinas
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem   CampinasManual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem   Campinas
Manual De Normas E Rotinas De Procedimentos Para A Enfermagem Campinas
 
Enf manual rotinas proc
Enf manual rotinas procEnf manual rotinas proc
Enf manual rotinas proc
 
Avd's
Avd'sAvd's
Avd's
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
 
Estação (higiene respiratória aspiraçâo) turma b
Estação (higiene respiratória   aspiraçâo) turma bEstação (higiene respiratória   aspiraçâo) turma b
Estação (higiene respiratória aspiraçâo) turma b
 
Sinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativosSinais vitais e curativos
Sinais vitais e curativos
 
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagemAULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
 
4 - AULA PREPARO DO LEITO DO PACIENTE.pptx
4 - AULA PREPARO DO LEITO DO PACIENTE.pptx4 - AULA PREPARO DO LEITO DO PACIENTE.pptx
4 - AULA PREPARO DO LEITO DO PACIENTE.pptx
 
administração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retaladministração de medicamentos Via retal
administração de medicamentos Via retal
 
Higiene corporea do cliente
Higiene corporea do clienteHigiene corporea do cliente
Higiene corporea do cliente
 
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
Estação Aula Prática (Troca de Curativo do Dreno de Tórax)
 
Estação – troca de curativo do dreno de tórax turma b
Estação – troca de curativo do dreno de tórax turma bEstação – troca de curativo do dreno de tórax turma b
Estação – troca de curativo do dreno de tórax turma b
 
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptx
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptxHigiene Conforto e segurança do pcte.pptx
Higiene Conforto e segurança do pcte.pptx
 

Mais de AndriellyFernanda1

BIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.pptBIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.ppt
AndriellyFernanda1
 
segurança do paciente.ppt
segurança do paciente.pptsegurança do paciente.ppt
segurança do paciente.ppt
AndriellyFernanda1
 
1 WEBINAR CULTURA DE PREV INFECÇÃO 21012016.ppt
1 WEBINAR CULTURA DE PREV INFECÇÃO 21012016.ppt1 WEBINAR CULTURA DE PREV INFECÇÃO 21012016.ppt
1 WEBINAR CULTURA DE PREV INFECÇÃO 21012016.ppt
AndriellyFernanda1
 
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
AndriellyFernanda1
 
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdfaulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
AndriellyFernanda1
 
SISTEMA TEGUMENTAR.ppt
SISTEMA TEGUMENTAR.pptSISTEMA TEGUMENTAR.ppt
SISTEMA TEGUMENTAR.ppt
AndriellyFernanda1
 
DEPILAÇÃO A LASER - PUC.pptx
DEPILAÇÃO A LASER - PUC.pptxDEPILAÇÃO A LASER - PUC.pptx
DEPILAÇÃO A LASER - PUC.pptx
AndriellyFernanda1
 
PSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.ppt
PSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.pptPSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.ppt
PSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.ppt
AndriellyFernanda1
 
psicologiadodesenvolvimento-160417000111.pdf
psicologiadodesenvolvimento-160417000111.pdfpsicologiadodesenvolvimento-160417000111.pdf
psicologiadodesenvolvimento-160417000111.pdf
AndriellyFernanda1
 
priscilaferrari-final-150628021110-lva1-app6891-convertido.pptx
priscilaferrari-final-150628021110-lva1-app6891-convertido.pptxpriscilaferrari-final-150628021110-lva1-app6891-convertido.pptx
priscilaferrari-final-150628021110-lva1-app6891-convertido.pptx
AndriellyFernanda1
 
Sistema Linfático aula 1.ppt
Sistema Linfático aula 1.pptSistema Linfático aula 1.ppt
Sistema Linfático aula 1.ppt
AndriellyFernanda1
 
criofrequencia.pdf
criofrequencia.pdfcriofrequencia.pdf
criofrequencia.pdf
AndriellyFernanda1
 
carboxiterapia 4p estetica.ppt
carboxiterapia 4p estetica.pptcarboxiterapia 4p estetica.ppt
carboxiterapia 4p estetica.ppt
AndriellyFernanda1
 

Mais de AndriellyFernanda1 (13)

BIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.pptBIOSSEGURANÇA.ppt
BIOSSEGURANÇA.ppt
 
segurança do paciente.ppt
segurança do paciente.pptsegurança do paciente.ppt
segurança do paciente.ppt
 
1 WEBINAR CULTURA DE PREV INFECÇÃO 21012016.ppt
1 WEBINAR CULTURA DE PREV INFECÇÃO 21012016.ppt1 WEBINAR CULTURA DE PREV INFECÇÃO 21012016.ppt
1 WEBINAR CULTURA DE PREV INFECÇÃO 21012016.ppt
 
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
 
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdfaulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
aulaacessosvenosos-140517001241-phpapp01.pdf
 
SISTEMA TEGUMENTAR.ppt
SISTEMA TEGUMENTAR.pptSISTEMA TEGUMENTAR.ppt
SISTEMA TEGUMENTAR.ppt
 
DEPILAÇÃO A LASER - PUC.pptx
DEPILAÇÃO A LASER - PUC.pptxDEPILAÇÃO A LASER - PUC.pptx
DEPILAÇÃO A LASER - PUC.pptx
 
PSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.ppt
PSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.pptPSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.ppt
PSICOLOGIA_APLICADA_A_ESTETICA_APOSTILA.ppt
 
psicologiadodesenvolvimento-160417000111.pdf
psicologiadodesenvolvimento-160417000111.pdfpsicologiadodesenvolvimento-160417000111.pdf
psicologiadodesenvolvimento-160417000111.pdf
 
priscilaferrari-final-150628021110-lva1-app6891-convertido.pptx
priscilaferrari-final-150628021110-lva1-app6891-convertido.pptxpriscilaferrari-final-150628021110-lva1-app6891-convertido.pptx
priscilaferrari-final-150628021110-lva1-app6891-convertido.pptx
 
Sistema Linfático aula 1.ppt
Sistema Linfático aula 1.pptSistema Linfático aula 1.ppt
Sistema Linfático aula 1.ppt
 
criofrequencia.pdf
criofrequencia.pdfcriofrequencia.pdf
criofrequencia.pdf
 
carboxiterapia 4p estetica.ppt
carboxiterapia 4p estetica.pptcarboxiterapia 4p estetica.ppt
carboxiterapia 4p estetica.ppt
 

Último

Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
rosilenenunes9
 
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdfQuest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
ighormt
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Sergio Wilfrido Vazquez Apestegui
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 

Último (8)

Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
 
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdfQuest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 

TECNICAS DE BANHO.ppt

  • 1. Técnicas de banhos de maneira humanizada ENFª. ESP. ANDRIELLY FERNANDA
  • 2.
  • 3. Conteúdo programático 3 • Definição de banho de leito; • Objetivos; • Responsabilidade; • Tipos; • Humanização; • Material para o procedimento; • Descrição do procedimento; • Recomendações; • Riscos;
  • 4. BANHO DE LEITO PACIENTE ADULTO 4 • É a técnica de higienização corporal para pacientes acamados e impossibilitados de se locomover.
  • 5. OBJETIVO 5 -Proporcionar higiene e conforto ao paciente; -Melhorar a autoimagem, pois promove relaxamento e sentimento de bem estar; -Redução dos odores corporais; -Estimulação da circulação sanguínea devido ao contato da água morna e a massagem corporal durante a fricção da compressa na pele;
  • 6. RESPONSÁVEIS 6 • Enfermeiros; • Técnicos em Enfermagem. -CONTRAINDICAÇÃO •Em pacientes hemodinamicamente instáveis e conforme orientação médica;
  • 7. TIPOS DE BANHO 7 1-Asperção 2-Imersão 3-Ablução 4-No leito banho chuveiro banho na banheira Jogando pequenas porções de água usado para pacientes acamados e rep absoluto.
  • 8. HUMANIZAÇÃO NO BANHO DE LEITO • Respeito- Crenças Valorizar e respeitar os valores Relato de um paciente: .....chegam tirando minha roupa quase todos os dias, tem enfermeira que nem pede autorização....Muitas vezes abrem minha camisa sem pedir licença..... 8 Privacidade BANHO DE LEITO ENVOLVE: Humanização Preferências pessoais; Explicar ao paciente o procedimento. Satisfação do paciente Toque
  • 9. MATERIAL PARA PROCEDIMENTO 9 • 01 toalha de rosto; • 01 toalha de banho; • Roupas de cama; • Compressas; • Sabonete do paciente ou sabão líquido neutro; • Roupa do paciente ou avental da instituição; • Comadre;
  • 10. MATERIAL PARA PROCEDIMENTO 10 • Luvas de procedimento; • Hamper; • Biombo se necessário, • 2 bacias; • Mantenha sempre o máximo de privacidade do paciente, colocando biombos em caso de quarto semi-privativo.
  • 11. DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO 11 • Observar para que a temperatura e ventilação do ambiente estejam agradáveis para o paciente (quarto ou box não esteja muito frio ou muito quente e que não haja correntes de ar) e que a sua privacidade seja mantida; • Lavar as mãos e providenciar o material necessário;
  • 12. DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO • Colocar o material , em ordem de uso em cima da mesa auxiliar; • Explicar para o paciente o que vai ser feito, orientando- o; • Vestir aventais e calçar luvas de procedimento; • Iniciarsoltando o lençol debaixo do paciente, expondo-o o mínimo possível; 12
  • 13. DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO 13 • Serão utilizadas duas bacias, uma para molhar as compressas com água e sabão e a outra para enxaguar somente com água; • Seguir a sequência: cabelos, rosto (só com água), orelhas e pescoço, braços e mãos, tórax e abdome, pernas e pés, genitais e períneo (com água e sabão); • Lavar e enxaguar genitais e períneo com uma nova compressa com o auxílio da comadre, ou seja, deixar escorrer a água destas áreas para a comadre;
  • 14. DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO 14 • Trocar de compressa de lavagem, lateralizar o paciente e lavar e enxaguar: pescoço (região posterior), dorso, região glútea e períneo posterior; • Trocar a água da bacia sempre que necessário; • Preservar a intimidade do paciente descobrindo apenas as partes a serem lavadas e, se em condições, solicitar ao cliente que ele mesmo realize a higiene das partes íntimas; • Hidratar o dorso e pontos de apoio com hidratante padronizado ou de uso do paciente;
  • 15. DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO 15 • Iniciar a troca de roupa de cama logo após o término da lavagem da parte posterior do corpo com o cliente lateralizado; • Empurrar o lençol de baixo o mais próximo possível do cliente, descobrindo a lateral do colchão; • Estender o lençol limpo sobre o colchão, mais a proteção impermeável e o lençol móvel; • Lateralizar o cliente para o lado oposto, retirando o lençol usado e puxando o lençol limpo; • Colocar os lençóis usados dentro do hamper;
  • 16. DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO 16 • Trocar o lençol de cima descobrindo parcialmente o paciente; • Estender a colcha e cobertor se necessário e posicionar o cliente confortavelmente; • Guardar o material utilizado e recolher a roupa usada dentro do hamper; • Retirar as luvas e os aventais, higienizar as mãos, calçar uma luva na mão não dominante para empurrar o hamper até o expurgo;
  • 17. DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO 17 -Checar na prescrição de enfermagem e anotar o procedimento realizado registrando aspecto da pele e intercorrências (se houver); •Fazer a evolução de enfermagem (enfermeiro) relacionada ao cuidado efetuado e as condições do paciente.
  • 18. RISCOS DO BANHO 18 • Risco de Hipotermia; • Risco de Instabilidade no Padrão Pulmonar; • Risco de Instabilidade Hemodinâmica; • Risco de Queda; • Risco de Perda de Artefatos (sondas, catéteres vasculares, drenos)
  • 19. RECOMENDAÇÕES 19 • Fazer interação com o paciente durante o procedimento, evitando conversas paralelas. • Evitar mãos frias e prestar atenção no toque no corpo do paciente. • Tomar cuidado para que a água não atinja os ouvidos. • Caso o paciente for idoso, evitar fricção e hidratar a pele, pois a pele é mais ressecada devido a falta de oleosidade natural da pele. • Não jogar roupas de cama no chão.
  • 20. RECOMENDAÇÕES 20 • Sempre que possível, o banho no leito deve ser feito por duas pessoas. • Durante o procedimento devem ser observadas as condições da pele e das saliências ósseas, para a prevenção de úlcera por pressão.
  • 21. CONCLUSÃO 21 • A técnica do banho no leito possui um grande significado na promoção do conforto, higiene e impacto direto no prognóstico do paciente, pois as boas práticas de enfermagem relacionados a esta técnica previnem situações de risco e potencialmente fatais.
  • 22. Amor ao próximo é o que nos move. É o amor que pode mudar o mundo. ENFª. ESP. ANDRIELLY FERNANDA