SlideShare uma empresa Scribd logo
Roxana Cardoso nº20
Seito Oquinhé nº 23
Área de Projecto 2010/2011
Escola Secundária Frei Gonçalo de
Azevedo
 Introdução
 A Revolução Liberal Portuguesa
 O movimento Revolucionário de 1820
 A acção das Cortes Constituintes
 Regresso do Rei do Brasil em 1821 (A independência do
Brasil)
 Reacção dos absolutistas
 Conclusão
 Fontes
Foi-nos atribuído este tema, no principio ficámos
desmotivados pelo tema que nos tinha calhado, no
entanto esforçámo-nos e dêmos o nosso melhor para
da melhor forma desenvolve-lo para que todos
compreendessem e gostassem. Pedimos a vossa
atenção para a apresentação.
 Napoleão decretou o o Bloqueio Continental,
proibição de estabelecer comércio ou qualquer outro
tipo de relação com a Inglaterra. O seu objectivo era
provocar uma crise económica na Inglaterra e favorecer
a presença Francesa nos mercados Europeus. Portugal
como aliada à Inglaterra recusou obedecer ao
estipulado ( a este decreto imposto por Napoleão).
Linha azul limita as zonas da Europa
Condicionalismo
 Como represália, os Franceses invadiram Portugal três
vezes: A Primeira foi em 1807, a segunda em 1809 e a
terceira em 1810.
Nas vésperas da primeira invasão a corte retirou-se para o
Brasil.
 As invasões Francesas deixaram o nosso País em muito
mau estado. Portugal ficou devastado e arruinado, já
que os exércitos invasores praticaram roubos,
destruíram casas e ruas e deixaram as actividades
económicas (agricultura, industria e comércio)
praticamente paralisadas.
 Para além disto, a população Portuguesa estava
também descontente porque :
 Os portos brasileiros deixaram de ser exclusivos de
Portugal e abriram as portas ao comércio com outros
países.
Abertura dos
portos Brasileiros
 As invasões Francesas abalaram profundamente
Portugal:
- Economia nacional desorganizou-se devido à
devastação causada pelas operações militares.
- Em 1808 D. João VI decretou a abertura dos portos
brasileiros , em 1810 assinou um tratado de comércio
com Inglaterra dando-lhe privilégios.
 A família real e corte portuguesa continuam no
Brasil (o rei estava fora de Portugal e os Ingleses é
que estavam a ocupar os principais cargos na
governação e no exército em Portugal).
Por estes motivos o descontentamento da população
era geral e associado às novas ideias liberais (que
defendiam sobre tudo, uma maior participação na
vida política) gerou-se um clima favorável a
conspiração contra a situação em que o país vivia.
 Em 1815 o Brasil deixou de ser uma colónia
Portuguesa e foi levado a categoria de Reino,
tornando-se a cidade do Rio de Janeiro a sua
verdadeira capital (Hoje a sua capital é Brasília)
 Em 1820 foi criado o primeiro banco. Era evidente
a fuga de dinheiro para o Brasil na forma de rendas
e contribuições havia um grande desequilíbrio no
orçamento e ressentia em influencia britânica no
exército e na regência. Pelo que criou grande
descontentamento social, o que ajudou à
divulgação dos ideais da Revolução Francesa.
 Em 1817, Gomes Freire de Andrade, liderou uma tentativa
para mudar o regime, exigir o regresso do rei e expulsar os
ingleses do nosso país. Esta tentativa não foi bem sucedida
porque foram descobertos e os seus responsáveis foram
presos e condenados à morte.
 Em 1817 (no ano seguinte), um grupo de liberais do Porto
(constituído por juízes , comerciantes, proprietários e
militares)formou uma associação secreta – o Sinédrio - que
era liderado por Fernandes Tomás e tinha como objectivo
preparar uma revolução.
 No dia 24 de Agosto de 1820 estalou a revolução no
Porto. Esta revolução teve por objectivos obrigar o
monarca a regressar a Lisboa, a afastar a influencia
inglesa da governação e dos negócios, fazer com que o
Brasil retorna-se à situação de colónia e convocar as
cortes para a aprovação de uma constituição.
Rapidamente, a revolução estendeu-se a Lisboa e ao
resto do País. Os ingleses foram afastados do governo e
os revolucionários criaram um governo provisório que
tomou medidas para resolver os problemas do reino.
 As medidas mais importantes tomadas pelo
governo provisório da revolução de 1820 são:
Exigência do regresso do rei D. João VI a Portugal
Realização de eleições com o objectivo de escolher
deputados às cortes constituintes para elaborar
uma constituição ( documento que contém as leis
fundamentais de um país).
 As Cortes Constituintes concluíram a Constituição em
Setembro de 1822. A nova lei magna do país
estabelecia:
 A soberania da Nação, que através do voto devia eleger
os seus deputados
 Separação dos poderes (legislativo, executivo e
judicial)
 Igualdade dos cidadãos perante a lei (acabou-se desta
forma com os privilégios do clero e da nobreza validou
a divisão do poder em três poderes).
Independência do Brasil
A revolução liberal forçou o regresso de D. João VI a
Portugal em 1821, numa altura em que se sentia
que o Brasil pretendia tornar-se autónomo.
Em Portugal, as Cortes Constituintes quiseram
retirar os privilégios alcançados pelo Brasil durante
a permanência de D.João VI. Revoltados, os
brasileiros, proclamaram a sua independência em
1822.
 Os defensores do absolutismo recusaram aceitar as
regras liberais e não pararam de conspirar contra o
novo governo.
 Quando D.João VI faleceu em 1826,colocou-se o
problema da sucessão ao trono de Portugal. D.Pedro
era imperador do Brasil e D. Miguel adepto do
absolutismo.
Revolução liberal portuguesa 1820
Relembrámos a Revolução Liberal de 1820 as suas causas,
consequências e alterações na forma de governo.
Esperemos que tenham gostado e melhor entendido a
importância desta revolução pois, graças a ela , na
actualidade, temos direitos e existe a igualdade entre
os cidadãos.
 http://www.fd.unl.pt/Anexos/Investigacao/993.pdf
 http://www.augustopinto.net/resumo/revolucao.htm
 http://apontamentos-da-escola.blogs.sapo.pt/816.html
 Oficina da escrita da História volume 2 (8ºano)
Euclides Griné pp.40-44

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
jdlimaaear
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820
Inês Marques
 
Guerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesaGuerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesa
13_ines_silva
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
joanacunha9406
 
Guerra Civil Portuguesa
Guerra Civil PortuguesaGuerra Civil Portuguesa
Guerra Civil Portuguesa
Professores História
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ana Barreiros
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
cattonia
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
António Teixeira
 
A constituição de 1822
A constituição de 1822A constituição de 1822
A constituição de 1822
Maria Cerqueira
 
Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820
Temas de História de Portugal
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
Carla Freitas
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
A reacção absolutista
A reacção absolutistaA reacção absolutista
A reacção absolutista
Carla Teixeira
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
Carla Teixeira
 
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatívelA guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
Anabela Sobral
 
Invasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugalInvasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugal
Sara Catarina
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões Francesas
Jorge Almeida
 
G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrial
Vítor Santos
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 

Mais procurados (20)

A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820
 
Guerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesaGuerra civil portuguesa
Guerra civil portuguesa
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
 
Guerra Civil Portuguesa
Guerra Civil PortuguesaGuerra Civil Portuguesa
Guerra Civil Portuguesa
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820A revolução liberal de 1820
A revolução liberal de 1820
 
A constituição de 1822
A constituição de 1822A constituição de 1822
A constituição de 1822
 
Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
A reacção absolutista
A reacção absolutistaA reacção absolutista
A reacção absolutista
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
 
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatívelA guerra civil entre d. pedro e d. miguel   compatível
A guerra civil entre d. pedro e d. miguel compatível
 
Invasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugalInvasões francesas em portugal
Invasões francesas em portugal
 
As Invasões Francesas
As Invasões FrancesasAs Invasões Francesas
As Invasões Francesas
 
G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrial
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 

Destaque

As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
Carla Teixeira
 
Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820
ricardup
 
3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários
cattonia
 
35 revolução liberal de 1820
35   revolução liberal de 182035   revolução liberal de 1820
35 revolução liberal de 1820
Carla Freitas
 
Da Revolução Francesa Ao ImpéRio De NapoleãO
Da Revolução Francesa Ao ImpéRio De NapoleãODa Revolução Francesa Ao ImpéRio De NapoleãO
Da Revolução Francesa Ao ImpéRio De NapoleãO
jdlimaaear
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
Vítor Santos
 
Independencia do brasil
Independencia do brasilIndependencia do brasil
Independencia do brasil
Cleber Reis
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
DeaaSouza
 
Novo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómicoNovo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómico
ricardup
 
A revoluções liberais
A revoluções liberaisA revoluções liberais
A revoluções liberais
Eduardo Sousa
 
2ºteste
2ºteste2ºteste
2ºteste
Débora Fino
 
História A Módulo 5 Unidades 4 e 5
História A Módulo 5 Unidades 4 e 5História A Módulo 5 Unidades 4 e 5
História A Módulo 5 Unidades 4 e 5
Andreia Pacheco
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
Joana Algodão Doce
 
A implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugalA implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugal
BarbaraSilveira9
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
cattonia
 
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
I.Braz Slideshares
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
Jorge Almeida
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
Susana Simões
 
O Dia 25 de Abril de 1974
O Dia 25 de Abril de 1974O Dia 25 de Abril de 1974
O Dia 25 de Abril de 1974
diuguitofelgas
 

Destaque (19)

As causas da rev 1820
As causas da rev 1820As causas da rev 1820
As causas da rev 1820
 
Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820
 
3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários
 
35 revolução liberal de 1820
35   revolução liberal de 182035   revolução liberal de 1820
35 revolução liberal de 1820
 
Da Revolução Francesa Ao ImpéRio De NapoleãO
Da Revolução Francesa Ao ImpéRio De NapoleãODa Revolução Francesa Ao ImpéRio De NapoleãO
Da Revolução Francesa Ao ImpéRio De NapoleãO
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
 
Independencia do brasil
Independencia do brasilIndependencia do brasil
Independencia do brasil
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Novo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómicoNovo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómico
 
A revoluções liberais
A revoluções liberaisA revoluções liberais
A revoluções liberais
 
2ºteste
2ºteste2ºteste
2ºteste
 
História A Módulo 5 Unidades 4 e 5
História A Módulo 5 Unidades 4 e 5História A Módulo 5 Unidades 4 e 5
História A Módulo 5 Unidades 4 e 5
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
 
A implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugalA implantação do liberalismo em portugal
A implantação do liberalismo em portugal
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de AbrilC.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
C.L.C. 7 - Portugal antes e depois do 25 de Abril
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
 
O Dia 25 de Abril de 1974
O Dia 25 de Abril de 1974O Dia 25 de Abril de 1974
O Dia 25 de Abril de 1974
 

Semelhante a Revolução liberal portuguesa 1820

Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01
Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01
Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01
João Fernandes
 
Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01
Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01
Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01
João Fernandes
 
A revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugalA revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugal
QI- Centro de Estudos
 
A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
jdlimaaear
 
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
DanielaFilipaSilvaNa
 
A revolução do porto
A revolução do portoA revolução do porto
A revolução do porto
Nelia Salles Nantes
 
A revolução liberal do porto
A revolução liberal do portoA revolução liberal do porto
A revolução liberal do porto
historiando
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
Carolina Tavares
 
Processo de independência do Brasil
Processo de independência do BrasilProcesso de independência do Brasil
Processo de independência do Brasil
Ana Souza
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
pereiraepereira1
 
A fr no brasil e a independência
A fr no brasil e a independênciaA fr no brasil e a independência
A fr no brasil e a independência
Wilton Moretto
 
As revoluções liberais na europa – século xix
As revoluções liberais na europa – século xixAs revoluções liberais na europa – século xix
As revoluções liberais na europa – século xix
historiando
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
helenasoares
 
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp011820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
blade40p
 
Processo de independência do brasil
Processo de independência do brasilProcesso de independência do brasil
Processo de independência do brasil
Carlos Teles de Menezes Junior
 
A independência do brasil
A independência do brasilA independência do brasil
A independência do brasil
Janayna Lira
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
Janayna Lira
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
ProfessoresColeguium
 
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptxA IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
Paula Gomes Pereira Gomes
 

Semelhante a Revolução liberal portuguesa 1820 (20)

Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01
Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01
Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01
 
Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01
Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01
Revoluoliberalportuguesa1820 110528103240-phpapp01
 
A revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugalA revolução liberal em portugal
A revolução liberal em portugal
 
A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820A RevoluçãO Liberal De 1820
A RevoluçãO Liberal De 1820
 
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820
 
A revolução do porto
A revolução do portoA revolução do porto
A revolução do porto
 
A revolução liberal do porto
A revolução liberal do portoA revolução liberal do porto
A revolução liberal do porto
 
1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo1820 e o liberalismo
1820 e o liberalismo
 
Processo de independência do Brasil
Processo de independência do BrasilProcesso de independência do Brasil
Processo de independência do Brasil
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
 
A fr no brasil e a independência
A fr no brasil e a independênciaA fr no brasil e a independência
A fr no brasil e a independência
 
As revoluções liberais na europa – século xix
As revoluções liberais na europa – século xixAs revoluções liberais na europa – século xix
As revoluções liberais na europa – século xix
 
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
5 04 a implantacao do liberalismo em portugal
 
A revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasilA revolução liberal e a independência do brasil
A revolução liberal e a independência do brasil
 
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp011820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
1820 liberalismoppt-hgp6-2010-11-111128064940-phpapp01
 
Processo de independência do brasil
Processo de independência do brasilProcesso de independência do brasil
Processo de independência do brasil
 
A independência do brasil
A independência do brasilA independência do brasil
A independência do brasil
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808A transferência da corte para o brasil 1808
A transferência da corte para o brasil 1808
 
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptxA IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
A IMPLANTAÇÃO DO LEBERALISMO EM PORTUGAL.pptx
 

Revolução liberal portuguesa 1820

  • 1. Roxana Cardoso nº20 Seito Oquinhé nº 23 Área de Projecto 2010/2011 Escola Secundária Frei Gonçalo de Azevedo
  • 2.  Introdução  A Revolução Liberal Portuguesa  O movimento Revolucionário de 1820  A acção das Cortes Constituintes  Regresso do Rei do Brasil em 1821 (A independência do Brasil)  Reacção dos absolutistas  Conclusão  Fontes
  • 3. Foi-nos atribuído este tema, no principio ficámos desmotivados pelo tema que nos tinha calhado, no entanto esforçámo-nos e dêmos o nosso melhor para da melhor forma desenvolve-lo para que todos compreendessem e gostassem. Pedimos a vossa atenção para a apresentação.
  • 4.  Napoleão decretou o o Bloqueio Continental, proibição de estabelecer comércio ou qualquer outro tipo de relação com a Inglaterra. O seu objectivo era provocar uma crise económica na Inglaterra e favorecer a presença Francesa nos mercados Europeus. Portugal como aliada à Inglaterra recusou obedecer ao estipulado ( a este decreto imposto por Napoleão). Linha azul limita as zonas da Europa Condicionalismo
  • 5.  Como represália, os Franceses invadiram Portugal três vezes: A Primeira foi em 1807, a segunda em 1809 e a terceira em 1810. Nas vésperas da primeira invasão a corte retirou-se para o Brasil.
  • 6.  As invasões Francesas deixaram o nosso País em muito mau estado. Portugal ficou devastado e arruinado, já que os exércitos invasores praticaram roubos, destruíram casas e ruas e deixaram as actividades económicas (agricultura, industria e comércio) praticamente paralisadas.
  • 7.  Para além disto, a população Portuguesa estava também descontente porque :  Os portos brasileiros deixaram de ser exclusivos de Portugal e abriram as portas ao comércio com outros países. Abertura dos portos Brasileiros
  • 8.  As invasões Francesas abalaram profundamente Portugal: - Economia nacional desorganizou-se devido à devastação causada pelas operações militares. - Em 1808 D. João VI decretou a abertura dos portos brasileiros , em 1810 assinou um tratado de comércio com Inglaterra dando-lhe privilégios.
  • 9.  A família real e corte portuguesa continuam no Brasil (o rei estava fora de Portugal e os Ingleses é que estavam a ocupar os principais cargos na governação e no exército em Portugal). Por estes motivos o descontentamento da população era geral e associado às novas ideias liberais (que defendiam sobre tudo, uma maior participação na vida política) gerou-se um clima favorável a conspiração contra a situação em que o país vivia.
  • 10.  Em 1815 o Brasil deixou de ser uma colónia Portuguesa e foi levado a categoria de Reino, tornando-se a cidade do Rio de Janeiro a sua verdadeira capital (Hoje a sua capital é Brasília)  Em 1820 foi criado o primeiro banco. Era evidente a fuga de dinheiro para o Brasil na forma de rendas e contribuições havia um grande desequilíbrio no orçamento e ressentia em influencia britânica no exército e na regência. Pelo que criou grande descontentamento social, o que ajudou à divulgação dos ideais da Revolução Francesa.
  • 11.  Em 1817, Gomes Freire de Andrade, liderou uma tentativa para mudar o regime, exigir o regresso do rei e expulsar os ingleses do nosso país. Esta tentativa não foi bem sucedida porque foram descobertos e os seus responsáveis foram presos e condenados à morte.  Em 1817 (no ano seguinte), um grupo de liberais do Porto (constituído por juízes , comerciantes, proprietários e militares)formou uma associação secreta – o Sinédrio - que era liderado por Fernandes Tomás e tinha como objectivo preparar uma revolução.
  • 12.  No dia 24 de Agosto de 1820 estalou a revolução no Porto. Esta revolução teve por objectivos obrigar o monarca a regressar a Lisboa, a afastar a influencia inglesa da governação e dos negócios, fazer com que o Brasil retorna-se à situação de colónia e convocar as cortes para a aprovação de uma constituição. Rapidamente, a revolução estendeu-se a Lisboa e ao resto do País. Os ingleses foram afastados do governo e os revolucionários criaram um governo provisório que tomou medidas para resolver os problemas do reino.
  • 13.  As medidas mais importantes tomadas pelo governo provisório da revolução de 1820 são: Exigência do regresso do rei D. João VI a Portugal Realização de eleições com o objectivo de escolher deputados às cortes constituintes para elaborar uma constituição ( documento que contém as leis fundamentais de um país).
  • 14.  As Cortes Constituintes concluíram a Constituição em Setembro de 1822. A nova lei magna do país estabelecia:  A soberania da Nação, que através do voto devia eleger os seus deputados  Separação dos poderes (legislativo, executivo e judicial)  Igualdade dos cidadãos perante a lei (acabou-se desta forma com os privilégios do clero e da nobreza validou a divisão do poder em três poderes).
  • 15. Independência do Brasil A revolução liberal forçou o regresso de D. João VI a Portugal em 1821, numa altura em que se sentia que o Brasil pretendia tornar-se autónomo. Em Portugal, as Cortes Constituintes quiseram retirar os privilégios alcançados pelo Brasil durante a permanência de D.João VI. Revoltados, os brasileiros, proclamaram a sua independência em 1822.
  • 16.  Os defensores do absolutismo recusaram aceitar as regras liberais e não pararam de conspirar contra o novo governo.  Quando D.João VI faleceu em 1826,colocou-se o problema da sucessão ao trono de Portugal. D.Pedro era imperador do Brasil e D. Miguel adepto do absolutismo.
  • 18. Relembrámos a Revolução Liberal de 1820 as suas causas, consequências e alterações na forma de governo. Esperemos que tenham gostado e melhor entendido a importância desta revolução pois, graças a ela , na actualidade, temos direitos e existe a igualdade entre os cidadãos.
  • 19.  http://www.fd.unl.pt/Anexos/Investigacao/993.pdf  http://www.augustopinto.net/resumo/revolucao.htm  http://apontamentos-da-escola.blogs.sapo.pt/816.html  Oficina da escrita da História volume 2 (8ºano) Euclides Griné pp.40-44