SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
DEPARTAMENTO DE QUÍMICA
QUÍMICA ORGÂNICA
PROFª. ADRIANA FLACH
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA:
EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
Autor: Ezequias Nogueira Guimarães
Boa Vista – RR.
Julho de 2016.
1. INTRODUÇÃO
O processo de solubilização de substâncias química acontece devido à interação entre o
soluto (a espécie que se deseja solubilizar) e o solvente (substância que a dissolve). Para que haja
essa interação é necessário observar alguns fatores como a estrutura da molécula, especialmente a
polaridade das ligações e o tipo de ligação.
A força molecular mais forte é a ligação de hidrogênio seguida pelo dipolo-dipolo e por
último a de van der Waals. Os compostos apolares ou fracamente polares tendem a serem solúveis
em solventes apolares ou de baixa polaridade, enquanto que compostos de alta polaridade são
solúveis em solventes também polares.
Os produtos de uma reação orgânica raramente não são substâncias puras, por isso há a
necessidade de realizar extrações seletivas ou lavagens do meio reacional para remoção de
impurezas (SOLOMONS, 1982).
Basicamente a extração líquido-líquido consiste em extrair continuamente uma ou mais
substancias de um material líquido. Envolve a partição do analito entre duas fases líquidas
imiscíveis (fase orgânica e fase aquosa) normalmente por agitação em um funil de separação. Por
isso os dois solventes devem ser imiscíveis para que ocorra a formação de um sistema bifásico e
assim seja possível a separação. Tal extração é uma das mais utilizadas principalmente para análises
químicas (VOGEL, 1989).
Para que sejam imiscíveis devem ter densidades diferentes. O solvente deve apresentar baixa
solubilidade na água, a escolha do segundo soluto é por um critério simples: ele tem que ser
imiscível com a água. Não há líquidos que sejam totalmente imiscíveis, por razões práticas a
solubilidade de um solvente no outro não deve ultrapassar os 10% (VOGEL, 1989).
Durante o processo pode ocorrer à formação de emulsões (gotas de material insolúvel que
permanecem em suspensão na outra fase). Em muitos casos, para evitá-las basta deixar a mistura
repousar por alguns instantes. Para emulsões mais persistentes, de difícil visualização das fases,
deve-se aumentar a diferença de densidades entre as mesmas. A adição de cloreto de sódio e etanol
tende a aumentar e diminuir, respectivamente, a densidade da fase aquosa (DIAS, et. al., 2004).
O processo de extração não é 100 % eficiente, o que significa dizer que nem todo soluto será
transferido totalmente de uma fase para outra em uma única etapa de extração. Quanto mais etapas
utilizadas na extração, mais eficiente será. Colocar todo o extrator de uma vez não terá a mesma
eficiência de se colocar dividido em três vezes, por exemplo. Dessa forma, o maior volume do
extrator ocasiona uma maior quantidade extraída se tal volume for dividido.
2. OBJETIVO
Ilustrar o uso dos processos de extração líquido-líquido de compostos orgânicos.
3. MATERIAIS UTILIZADOS
No experimento foram utilizados: funil de separação, Erlenmeyer, tubos de ensaio, estante
para tubos, provetas, suporte e argola. Os seguintes reagentes foram utilizados: solução aquosa
alcalina de urucum, solução de ácido clorídrico – 1,0 N e clorofórmio.
Figura 1. Instrumentos utilizados. Da esquerda para direita: tubo de ensaio, pipeta, estante para tubos, proveta
de 10 mL, suporte e argola, Erlenmeyer e funil de separação.
Fonte: Internet (Common License).
4. NORMAS DE SEGURANÇA4: Medidas de primeiros socorros
Composto: Clorofórmio.
Fórmula: CHCl3.
Cuidados: Líquido inflamável.
Causa efeito laxativo, queda de pressão sanguínea, úlcera e problemas de pele. Nocivo por ingestão.
Irritante para a pele.
Meios de extinção de incêndio: não combustível.
Densidade/ 20 ºC: 1,47 g/cm³.
Solubilidade: em água.
Composto: Ácido Clorídrico.
Fórmula: HCl.
Cuidados: Líquido inflamável. Provoca queimaduras. Irritante para as vias respiratórias.
Meios de extinção de incêndio: Usar dióxido de carbono ou pó químico seco.
Densidade: 1,19 g/cm³.
Solubilidade: em água: solúvel em qualquer proporção
Composto: Cloreto de Sódio.
Fórmula: NaCl.
Produto considerado não perigoso.
Meios de extinção de incêndio: não combustível.
Solubilidade: 1g em 3 mL de água. Muito pouco solúvel em álcool.
4.1 PRIMEIROS SOCORROS
Em caso de perigo real segue as seguintes precauções (Tabela 1). Procurar assistência
médica imediatamente, levando o rótulo do produto, sempre que possível.
Tabela 1. Primeiros socorros.
Composto Inalação Contato com a pele Contato com os olhos Ingestão
Ácido
Clorídrico
Remover para
local ventilado,
lavar boca e nariz
com água.
Lavar imediatamente
com água corrente.
Pode ser aplicada uma
solução de bicarbonato
de sódio a 1%.
Lavar imediatamente
com água por pelo
menos 15 minutos.
Lavar a boca, não
provocar vômito.
Não administrar
bicarbonato. Beber
muita água ou leite.
Cloreto de Remover para Lavar com água. Lavar com água Se o acidentado
Sódio local ventilado. corrente por 15
minutos.
estiver consciente,
dar grandes
quantidades de água
para beber.
INDUZIR
VÔMITO.
Clorofórmio Remover para
local arejado.
Manter livres as
vias respiratórias.
Lavar abundantemente
com água. Tirar as
roupas contaminadas.
Lavar imediatamente
com água corrente por
15 minutos.
Cuidado em caso de
vomito. Perigo de
aspiração.
Fonte: Ficha de informações de segurança de produtos químicos (FISPQ) 2016.
5. PARTE EXPERIMENTAL
O experimento começou com a medição de 10 mL da solução aquosa alcalina da semente de
urucú que já havia sido preparada pelas técnicas do laboratório. Os 10 mL foram pesados na
proveta e transferidos para um funil de separação. Posteriormente adicionou-se 10 mL de
clorofórmio no funil de separação e agitou-se cuidadosamente.
Terminada a agitação colocou-se o funil de separação no suporte, para que a mistura ficasse
em repouso. Quando se formou duas camadas delineadas, abriu-se a torneira do funil e recolheu-se
a fração aquosa em um Erlenmeyer e a fração orgânica em um tubo de ensaio, onde se observou e
anotou-se o constatado.
Em seguida, acidificou-se a fase aquosa, gota a gota até o pH = 1,0 utilizando solução
aquosa de HCl – 1,0 N. Terminada a acidificação, transferiu-se novamente a fração aquosa para o
funil de separação e repetiu-se o procedimento de extração por mais três vezes usando sempre uma
nova porção de solvente.
Colocou-se cada fração orgânica da primeira, segunda e terceira extração da solução aquosa
acidificada em tubos de ensaio diferentes, onde se observou e anotou-se o constatado.
6. RESULTADOS E DISCUSSÃO
O experimento utilizou uma solução aquosa de urucú (Bixa oreliana L.) para a retirada da
bixina, uma das substâncias que compõe a semente de urucú. O preparo da solução de bixina é
realizado com a solução de NaOH 5% para obtenção do extrato, dessa forma, a bixina passa a ser
mais polar, melhorando a sua solubilidade em água e formando assim a solução aquosa da semente
de urucú (DIAS, et. al., 2004). Como resultado da saponificação há a formação de água mais um sal
altamente solúvel em água.
A bixina (C25H30O4) é um monoéster do ácido carotenodióico solúvel em soluções de
reduzida polaridade. A molécula possui uma cadeia carbônica longa (Figura 2), que em uma
extremidade tem um éster e na outra um ácido carboxílico, possui pouca solubilidade com água
devido à sua grande cadeia carbônica, sendo solúvel principalmente em gorduras. (VOGEL, et. al.,
1989).
Figura 2. Forma molecular da bixina.
Fonte: Internet (Common License).
Na primeira extração formaram-se duas fases distintas, sendo uma transparente e outra
vermelha. A bixina possui uma polaridade pequena e devido a sua longa cadeia carbônica não
solubiliza muito em água, entretanto a bixina estava bastante solubilizada na água principalmente
por que durante o preparo da solução o NaOH tornou-a mais polar. A transferência da bixina da
parte aquosa para a parte orgânica aconteceu, porém de forma branda. Devido a esse aumento de
polaridade a bixina estava mais solúvel em água que no clorofórmio, que é um composto que tem
baixa polaridade. Isso foi notável por sua cor, que continuou muito clara e a solução da bixina
continuou com a cor muito intensa depois da extração. No caso do experimento a água onde a
solução de urucu está solubilizada é mais polar que o clorofórmio, então a bixina tende a se associar
mais as moléculas do clorofórmio. O clorofórmio é geralmente usado por ser menos tóxico.
Na segunda extração a acidificação do composto tornou a bixina menos polar e dessa forma,
menos solúvel com a água. O ácido clorídrico (HCl) na bixina forma uma ligação de hidrogênio que
é menos polar que as ligações iônicas formadas da interação bixina-NaOH, que deixava o soluto
mais polar com o objetivo de solubiliza-lo melhor em meio aquosa. Quanto mais covalente mais
solúvel no clorofórmio, por que o clorofórmio é pouco polar. A presença de uma ligação de caráter
iônico normalmente é capaz de conferir a molécula orgânica tal polaridade que a torna solúvel em
água (SOLOMONS, 1982). Formou-se uma emulsão entre as duas fases, a emulsão foi dissolvida
com cloreto de sódio (NaCl) em solução. Foi observada então uma coloração diferente no
clorofórmio, muito semelhante à coloração da bixina, indicando que a extração foi mais efetiva
dessa vez.
Na terceira extração ficou mais difícil separar as misturas porque as fases tinham uma
coloração muito parecida, porém a emulsão no meio indicava onde acontecia a separação de fases.
Novamente foi adicionada sal em solução para dissolver a emulsão. Na quarta e última extração a
coloração estava bem mais alaranjada, com a formação de uma emulsão mais clara.
A coloração da fase orgânica no decorrer da adição do solvente foi ficando mais clara por
que mais bixina foi sendo extraída da fase aquosa e se concentrado na fase orgânica. Em todos os
casos houve a formação de emulsão, talvez devido à agitação. Mesmo quando separada a parte
orgânica apresentava emulsão. A adição de cloreto de sódio aumenta a densidade da fase aquosa
tornando a bixina mais solúvel em clorofórmio.
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS
As quatro extrações foram realizadas com sucesso comprovando que realizar várias vezes o
mesmo processo é o método mais eficiente para realizar a extração.
BIBLIOGRAFIA
DIAS, A. G.; COSTA, M. A.; GUIMARÃES, P. I. C.; Guia prático de química orgânica:
Técnicas e Procedimentos: Aprendendo a fazer, volume1, Editora Interciência, Rio de Janeiro,
2004.
SOLOMONS, T. W Granham. Química Orgânica 1. Rio de Janeiro: LTC. 1982.
VOGEL, A. et al. Análise Química Quantitativa. 5ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S/A.
1989. 712 p.
ANEXOS
1) Qual o princípio básico do processo de extração com solventes?
O princípio básico é o da imiscibilidade. A extração líquido-líquido é possível devido à
diferença de solubilidade entre os compostos. Envolve a partição do analito entre duas fases
líquidas imiscíveis (fase orgânica e fase aquosa). Por isso o líquido ou solvente utilizado para a
extração tem que ser pouco solúvel no que contém a mistura/ substância, mas que solubilize bem o
soluto.
2) Por que a água é geralmente usada como um dos solventes na extração líquido-líquido?
A água apresenta um caráter fortemente polar, por isso ela é ótima para solubilizar
compostos com tendências polares e também por que a maior parte das substâncias orgânicas é
imiscível em água.
3) Quais as características de um bom solvente para que possa ser usado na extração de um
composto orgânico em uma solução aquosa?
O solvente deve ser insolúvel em água para que ocorra a formação de duas fazes distintas. A
densidade do solvente orgânico precisa ser maior que a da água para que as fases formadas sejam
bem definidas e para que a fase orgânica fique no fundo do funil de separação o que facilita a
separação e dificulta a formação de emulsões. O solvente também deve ser de fácil obtenção, barato
e o menos tóxico possível.
4) Qual fase (superior ou inferior) será a orgânica se uma solução aquosa (água = 1,0) for tratada
com:
Solvente Densidade (g.mL-1) Fase
Éter etílico 0,71 Fase superior
Clorofórmio 1,48 Fase inferior
Acetona 0,788 Fase superior
n-Hexano 0,659 Fase superior
Benzeno 0,876 Fase superior
5) Pode-se usar etanol para extrair uma substância que se encontra dissolvida em água? Justifique
sua resposta.
Não, porque o etanol é solúvel em água, devido ao seu caráter polar. Uma das condições
para a utilização de um segundo solvente para separação de um composto orgânico é que ele seja
solúvel e que seja imiscível (ou quase imiscível) com o líquido que contém a substância.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
aifa230600
 
Coeficiente partição (4)
Coeficiente partição (4)Coeficiente partição (4)
Coeficiente partição (4)
Anne Carolina Vieira Sampaio
 
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólicaRelatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
Aldo Henrique
 
Relatorio 5
Relatorio 5Relatorio 5
Relatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amôniaRelatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amônia
Ivys Antônio
 
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em AromáticosReações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
José Nunes da Silva Jr.
 
Solubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeSolubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e Miscibilidade
Alex Junior
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Dhion Meyg Fernandes
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
LuaneGS
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Ana Morais Nascimento
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Ivys Antônio
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Erica Souza
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
Léo Morais
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Dhion Meyg Fernandes
 
Aula de gravimetria
Aula de gravimetriaAula de gravimetria
Aula de gravimetria
Endler Marcel Borges
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
Ezequias Guimaraes
 
Relatorio cromatografia
Relatorio   cromatografiaRelatorio   cromatografia
Relatorio cromatografia
nildeci nascimento
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
Adrianne Mendonça
 
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
arceariane87
 
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analiticaGravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Emanuel Fraca
 

Mais procurados (20)

47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
 
Coeficiente partição (4)
Coeficiente partição (4)Coeficiente partição (4)
Coeficiente partição (4)
 
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólicaRelatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
 
Relatorio 5
Relatorio 5Relatorio 5
Relatorio 5
 
Relatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amôniaRelatório de preparação e caracterização da amônia
Relatório de preparação e caracterização da amônia
 
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em AromáticosReações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
 
Solubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeSolubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e Miscibilidade
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
 
Aula de gravimetria
Aula de gravimetriaAula de gravimetria
Aula de gravimetria
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
 
Relatorio cromatografia
Relatorio   cromatografiaRelatorio   cromatografia
Relatorio cromatografia
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
 
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
 
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analiticaGravimetria dos precipitados, Química analitica
Gravimetria dos precipitados, Química analitica
 

Semelhante a RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO

Roteiro de laboratório 2
Roteiro de laboratório 2Roteiro de laboratório 2
Roteiro de laboratório 2
Itamar Juliana
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Marcelo Costa
 
Extracao por solventes equipe 4
Extracao por solventes   equipe 4Extracao por solventes   equipe 4
Extracao por solventes equipe 4
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
matheusrl98
 
Quimicageral ii fisqui2_pucrs
Quimicageral ii fisqui2_pucrsQuimicageral ii fisqui2_pucrs
Quimicageral ii fisqui2_pucrs
adalberto miran
 
Respostas do relatorio
Respostas do relatorioRespostas do relatorio
Respostas do relatorio
Ionara Urrutia Moura
 
Relatório experimental iorgânica2
Relatório experimental iorgânica2Relatório experimental iorgânica2
Relatório experimental iorgânica2
Rodrigo Sintra
 
3196659 quimica-solucoes
3196659 quimica-solucoes3196659 quimica-solucoes
3196659 quimica-solucoes
Um Outro Olhar
 
Coagulantes
CoagulantesCoagulantes
Coagulantes
UNIP
 
Separaçao de materias
Separaçao de materiasSeparaçao de materias
Separaçao de materias
EEB Francisco Mazzola
 
Separação..
Separação..Separação..
Separação..
EEB Francisco Mazzola
 
Separação de materias
Separação de materiasSeparação de materias
Separação de materias
EEB Francisco Mazzola
 
Reações ácido base
Reações ácido baseReações ácido base
Reações ácido base
Celestino Silva
 
Unidade3 a 2014_csa_v4_gabarito
Unidade3 a 2014_csa_v4_gabaritoUnidade3 a 2014_csa_v4_gabarito
Unidade3 a 2014_csa_v4_gabarito
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Relatórios tratamento de água
Relatórios tratamento de águaRelatórios tratamento de água
Relatórios tratamento de água
Bárbara Luiza Welter
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Gabriela Begalli
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Hugo Fialho
 
Separação de materiais!
Separação de materiais!Separação de materiais!
Separação de materiais!
EEB Francisco Mazzola
 
Relatorio da síntese da acetona
Relatorio da síntese da acetonaRelatorio da síntese da acetona
Relatorio da síntese da acetona
Douglas Lício
 
Experimento 7 Equilíbrio químico
Experimento 7   Equilíbrio químicoExperimento 7   Equilíbrio químico
Experimento 7 Equilíbrio químico
Silvanildo Macário
 

Semelhante a RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO (20)

Roteiro de laboratório 2
Roteiro de laboratório 2Roteiro de laboratório 2
Roteiro de laboratório 2
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Extracao por solventes equipe 4
Extracao por solventes   equipe 4Extracao por solventes   equipe 4
Extracao por solventes equipe 4
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Quimicageral ii fisqui2_pucrs
Quimicageral ii fisqui2_pucrsQuimicageral ii fisqui2_pucrs
Quimicageral ii fisqui2_pucrs
 
Respostas do relatorio
Respostas do relatorioRespostas do relatorio
Respostas do relatorio
 
Relatório experimental iorgânica2
Relatório experimental iorgânica2Relatório experimental iorgânica2
Relatório experimental iorgânica2
 
3196659 quimica-solucoes
3196659 quimica-solucoes3196659 quimica-solucoes
3196659 quimica-solucoes
 
Coagulantes
CoagulantesCoagulantes
Coagulantes
 
Separaçao de materias
Separaçao de materiasSeparaçao de materias
Separaçao de materias
 
Separação..
Separação..Separação..
Separação..
 
Separação de materias
Separação de materiasSeparação de materias
Separação de materias
 
Reações ácido base
Reações ácido baseReações ácido base
Reações ácido base
 
Unidade3 a 2014_csa_v4_gabarito
Unidade3 a 2014_csa_v4_gabaritoUnidade3 a 2014_csa_v4_gabarito
Unidade3 a 2014_csa_v4_gabarito
 
Relatórios tratamento de água
Relatórios tratamento de águaRelatórios tratamento de água
Relatórios tratamento de água
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Separação de materiais!
Separação de materiais!Separação de materiais!
Separação de materiais!
 
Relatorio da síntese da acetona
Relatorio da síntese da acetonaRelatorio da síntese da acetona
Relatorio da síntese da acetona
 
Experimento 7 Equilíbrio químico
Experimento 7   Equilíbrio químicoExperimento 7   Equilíbrio químico
Experimento 7 Equilíbrio químico
 

Mais de Ezequias Guimaraes

VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
Ezequias Guimaraes
 
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUSMAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
Ezequias Guimaraes
 
Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
Ezequias Guimaraes
 
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do TacutuGeologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Ezequias Guimaraes
 
Interface homem-maquina
Interface  homem-maquinaInterface  homem-maquina
Interface homem-maquina
Ezequias Guimaraes
 
A Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
A Eletricidade e suas Aplicações - TermoelétricasA Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
A Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
Ezequias Guimaraes
 
TV Series to improve your English
TV Series to improve your EnglishTV Series to improve your English
TV Series to improve your English
Ezequias Guimaraes
 
Movie and Book - The Color Purple
Movie and Book - The Color PurpleMovie and Book - The Color Purple
Movie and Book - The Color Purple
Ezequias Guimaraes
 
Political system of the USA
Political system of the USAPolitical system of the USA
Political system of the USA
Ezequias Guimaraes
 
TV Series Outlander
TV Series OutlanderTV Series Outlander
TV Series Outlander
Ezequias Guimaraes
 
Proyecto para extracción de crudo
Proyecto para extracción de crudoProyecto para extracción de crudo
Proyecto para extracción de crudo
Ezequias Guimaraes
 
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
Ezequias Guimaraes
 
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERAPLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
Ezequias Guimaraes
 
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
Ezequias Guimaraes
 
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
Ezequias Guimaraes
 
METODO DE REDES - IMPACTO FINAL
METODO DE REDES - IMPACTO FINALMETODO DE REDES - IMPACTO FINAL
METODO DE REDES - IMPACTO FINAL
Ezequias Guimaraes
 
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOSCONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
Ezequias Guimaraes
 
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTOLICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
Ezequias Guimaraes
 
Vertederos Trapezoidales
Vertederos TrapezoidalesVertederos Trapezoidales
Vertederos Trapezoidales
Ezequias Guimaraes
 
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓNFundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Ezequias Guimaraes
 

Mais de Ezequias Guimaraes (20)

VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
 
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUSMAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
 
Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
 
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do TacutuGeologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
 
Interface homem-maquina
Interface  homem-maquinaInterface  homem-maquina
Interface homem-maquina
 
A Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
A Eletricidade e suas Aplicações - TermoelétricasA Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
A Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
 
TV Series to improve your English
TV Series to improve your EnglishTV Series to improve your English
TV Series to improve your English
 
Movie and Book - The Color Purple
Movie and Book - The Color PurpleMovie and Book - The Color Purple
Movie and Book - The Color Purple
 
Political system of the USA
Political system of the USAPolitical system of the USA
Political system of the USA
 
TV Series Outlander
TV Series OutlanderTV Series Outlander
TV Series Outlander
 
Proyecto para extracción de crudo
Proyecto para extracción de crudoProyecto para extracción de crudo
Proyecto para extracción de crudo
 
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
 
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERAPLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
 
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
 
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
 
METODO DE REDES - IMPACTO FINAL
METODO DE REDES - IMPACTO FINALMETODO DE REDES - IMPACTO FINAL
METODO DE REDES - IMPACTO FINAL
 
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOSCONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
 
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTOLICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
 
Vertederos Trapezoidales
Vertederos TrapezoidalesVertederos Trapezoidales
Vertederos Trapezoidales
 
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓNFundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
 

Último

LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 

Último (20)

LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA QUÍMICA ORGÂNICA PROFª. ADRIANA FLACH RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO Autor: Ezequias Nogueira Guimarães Boa Vista – RR. Julho de 2016.
  • 2. 1. INTRODUÇÃO O processo de solubilização de substâncias química acontece devido à interação entre o soluto (a espécie que se deseja solubilizar) e o solvente (substância que a dissolve). Para que haja essa interação é necessário observar alguns fatores como a estrutura da molécula, especialmente a polaridade das ligações e o tipo de ligação. A força molecular mais forte é a ligação de hidrogênio seguida pelo dipolo-dipolo e por último a de van der Waals. Os compostos apolares ou fracamente polares tendem a serem solúveis em solventes apolares ou de baixa polaridade, enquanto que compostos de alta polaridade são solúveis em solventes também polares. Os produtos de uma reação orgânica raramente não são substâncias puras, por isso há a necessidade de realizar extrações seletivas ou lavagens do meio reacional para remoção de impurezas (SOLOMONS, 1982). Basicamente a extração líquido-líquido consiste em extrair continuamente uma ou mais substancias de um material líquido. Envolve a partição do analito entre duas fases líquidas imiscíveis (fase orgânica e fase aquosa) normalmente por agitação em um funil de separação. Por isso os dois solventes devem ser imiscíveis para que ocorra a formação de um sistema bifásico e assim seja possível a separação. Tal extração é uma das mais utilizadas principalmente para análises químicas (VOGEL, 1989). Para que sejam imiscíveis devem ter densidades diferentes. O solvente deve apresentar baixa solubilidade na água, a escolha do segundo soluto é por um critério simples: ele tem que ser imiscível com a água. Não há líquidos que sejam totalmente imiscíveis, por razões práticas a solubilidade de um solvente no outro não deve ultrapassar os 10% (VOGEL, 1989). Durante o processo pode ocorrer à formação de emulsões (gotas de material insolúvel que permanecem em suspensão na outra fase). Em muitos casos, para evitá-las basta deixar a mistura repousar por alguns instantes. Para emulsões mais persistentes, de difícil visualização das fases, deve-se aumentar a diferença de densidades entre as mesmas. A adição de cloreto de sódio e etanol tende a aumentar e diminuir, respectivamente, a densidade da fase aquosa (DIAS, et. al., 2004). O processo de extração não é 100 % eficiente, o que significa dizer que nem todo soluto será transferido totalmente de uma fase para outra em uma única etapa de extração. Quanto mais etapas utilizadas na extração, mais eficiente será. Colocar todo o extrator de uma vez não terá a mesma eficiência de se colocar dividido em três vezes, por exemplo. Dessa forma, o maior volume do extrator ocasiona uma maior quantidade extraída se tal volume for dividido.
  • 3. 2. OBJETIVO Ilustrar o uso dos processos de extração líquido-líquido de compostos orgânicos. 3. MATERIAIS UTILIZADOS No experimento foram utilizados: funil de separação, Erlenmeyer, tubos de ensaio, estante para tubos, provetas, suporte e argola. Os seguintes reagentes foram utilizados: solução aquosa alcalina de urucum, solução de ácido clorídrico – 1,0 N e clorofórmio. Figura 1. Instrumentos utilizados. Da esquerda para direita: tubo de ensaio, pipeta, estante para tubos, proveta de 10 mL, suporte e argola, Erlenmeyer e funil de separação. Fonte: Internet (Common License).
  • 4. 4. NORMAS DE SEGURANÇA4: Medidas de primeiros socorros Composto: Clorofórmio. Fórmula: CHCl3. Cuidados: Líquido inflamável. Causa efeito laxativo, queda de pressão sanguínea, úlcera e problemas de pele. Nocivo por ingestão. Irritante para a pele. Meios de extinção de incêndio: não combustível. Densidade/ 20 ºC: 1,47 g/cm³. Solubilidade: em água. Composto: Ácido Clorídrico. Fórmula: HCl. Cuidados: Líquido inflamável. Provoca queimaduras. Irritante para as vias respiratórias. Meios de extinção de incêndio: Usar dióxido de carbono ou pó químico seco. Densidade: 1,19 g/cm³. Solubilidade: em água: solúvel em qualquer proporção Composto: Cloreto de Sódio. Fórmula: NaCl. Produto considerado não perigoso. Meios de extinção de incêndio: não combustível. Solubilidade: 1g em 3 mL de água. Muito pouco solúvel em álcool. 4.1 PRIMEIROS SOCORROS Em caso de perigo real segue as seguintes precauções (Tabela 1). Procurar assistência médica imediatamente, levando o rótulo do produto, sempre que possível. Tabela 1. Primeiros socorros. Composto Inalação Contato com a pele Contato com os olhos Ingestão Ácido Clorídrico Remover para local ventilado, lavar boca e nariz com água. Lavar imediatamente com água corrente. Pode ser aplicada uma solução de bicarbonato de sódio a 1%. Lavar imediatamente com água por pelo menos 15 minutos. Lavar a boca, não provocar vômito. Não administrar bicarbonato. Beber muita água ou leite. Cloreto de Remover para Lavar com água. Lavar com água Se o acidentado
  • 5. Sódio local ventilado. corrente por 15 minutos. estiver consciente, dar grandes quantidades de água para beber. INDUZIR VÔMITO. Clorofórmio Remover para local arejado. Manter livres as vias respiratórias. Lavar abundantemente com água. Tirar as roupas contaminadas. Lavar imediatamente com água corrente por 15 minutos. Cuidado em caso de vomito. Perigo de aspiração. Fonte: Ficha de informações de segurança de produtos químicos (FISPQ) 2016. 5. PARTE EXPERIMENTAL
  • 6. O experimento começou com a medição de 10 mL da solução aquosa alcalina da semente de urucú que já havia sido preparada pelas técnicas do laboratório. Os 10 mL foram pesados na proveta e transferidos para um funil de separação. Posteriormente adicionou-se 10 mL de clorofórmio no funil de separação e agitou-se cuidadosamente. Terminada a agitação colocou-se o funil de separação no suporte, para que a mistura ficasse em repouso. Quando se formou duas camadas delineadas, abriu-se a torneira do funil e recolheu-se a fração aquosa em um Erlenmeyer e a fração orgânica em um tubo de ensaio, onde se observou e anotou-se o constatado. Em seguida, acidificou-se a fase aquosa, gota a gota até o pH = 1,0 utilizando solução aquosa de HCl – 1,0 N. Terminada a acidificação, transferiu-se novamente a fração aquosa para o funil de separação e repetiu-se o procedimento de extração por mais três vezes usando sempre uma nova porção de solvente. Colocou-se cada fração orgânica da primeira, segunda e terceira extração da solução aquosa acidificada em tubos de ensaio diferentes, onde se observou e anotou-se o constatado. 6. RESULTADOS E DISCUSSÃO O experimento utilizou uma solução aquosa de urucú (Bixa oreliana L.) para a retirada da bixina, uma das substâncias que compõe a semente de urucú. O preparo da solução de bixina é realizado com a solução de NaOH 5% para obtenção do extrato, dessa forma, a bixina passa a ser mais polar, melhorando a sua solubilidade em água e formando assim a solução aquosa da semente de urucú (DIAS, et. al., 2004). Como resultado da saponificação há a formação de água mais um sal altamente solúvel em água. A bixina (C25H30O4) é um monoéster do ácido carotenodióico solúvel em soluções de reduzida polaridade. A molécula possui uma cadeia carbônica longa (Figura 2), que em uma extremidade tem um éster e na outra um ácido carboxílico, possui pouca solubilidade com água devido à sua grande cadeia carbônica, sendo solúvel principalmente em gorduras. (VOGEL, et. al., 1989). Figura 2. Forma molecular da bixina.
  • 7. Fonte: Internet (Common License). Na primeira extração formaram-se duas fases distintas, sendo uma transparente e outra vermelha. A bixina possui uma polaridade pequena e devido a sua longa cadeia carbônica não solubiliza muito em água, entretanto a bixina estava bastante solubilizada na água principalmente por que durante o preparo da solução o NaOH tornou-a mais polar. A transferência da bixina da parte aquosa para a parte orgânica aconteceu, porém de forma branda. Devido a esse aumento de polaridade a bixina estava mais solúvel em água que no clorofórmio, que é um composto que tem baixa polaridade. Isso foi notável por sua cor, que continuou muito clara e a solução da bixina continuou com a cor muito intensa depois da extração. No caso do experimento a água onde a solução de urucu está solubilizada é mais polar que o clorofórmio, então a bixina tende a se associar mais as moléculas do clorofórmio. O clorofórmio é geralmente usado por ser menos tóxico. Na segunda extração a acidificação do composto tornou a bixina menos polar e dessa forma, menos solúvel com a água. O ácido clorídrico (HCl) na bixina forma uma ligação de hidrogênio que é menos polar que as ligações iônicas formadas da interação bixina-NaOH, que deixava o soluto mais polar com o objetivo de solubiliza-lo melhor em meio aquosa. Quanto mais covalente mais solúvel no clorofórmio, por que o clorofórmio é pouco polar. A presença de uma ligação de caráter iônico normalmente é capaz de conferir a molécula orgânica tal polaridade que a torna solúvel em água (SOLOMONS, 1982). Formou-se uma emulsão entre as duas fases, a emulsão foi dissolvida com cloreto de sódio (NaCl) em solução. Foi observada então uma coloração diferente no clorofórmio, muito semelhante à coloração da bixina, indicando que a extração foi mais efetiva dessa vez. Na terceira extração ficou mais difícil separar as misturas porque as fases tinham uma coloração muito parecida, porém a emulsão no meio indicava onde acontecia a separação de fases. Novamente foi adicionada sal em solução para dissolver a emulsão. Na quarta e última extração a coloração estava bem mais alaranjada, com a formação de uma emulsão mais clara.
  • 8. A coloração da fase orgânica no decorrer da adição do solvente foi ficando mais clara por que mais bixina foi sendo extraída da fase aquosa e se concentrado na fase orgânica. Em todos os casos houve a formação de emulsão, talvez devido à agitação. Mesmo quando separada a parte orgânica apresentava emulsão. A adição de cloreto de sódio aumenta a densidade da fase aquosa tornando a bixina mais solúvel em clorofórmio. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS As quatro extrações foram realizadas com sucesso comprovando que realizar várias vezes o mesmo processo é o método mais eficiente para realizar a extração. BIBLIOGRAFIA DIAS, A. G.; COSTA, M. A.; GUIMARÃES, P. I. C.; Guia prático de química orgânica: Técnicas e Procedimentos: Aprendendo a fazer, volume1, Editora Interciência, Rio de Janeiro, 2004. SOLOMONS, T. W Granham. Química Orgânica 1. Rio de Janeiro: LTC. 1982. VOGEL, A. et al. Análise Química Quantitativa. 5ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S/A. 1989. 712 p. ANEXOS 1) Qual o princípio básico do processo de extração com solventes? O princípio básico é o da imiscibilidade. A extração líquido-líquido é possível devido à diferença de solubilidade entre os compostos. Envolve a partição do analito entre duas fases líquidas imiscíveis (fase orgânica e fase aquosa). Por isso o líquido ou solvente utilizado para a extração tem que ser pouco solúvel no que contém a mistura/ substância, mas que solubilize bem o soluto. 2) Por que a água é geralmente usada como um dos solventes na extração líquido-líquido? A água apresenta um caráter fortemente polar, por isso ela é ótima para solubilizar compostos com tendências polares e também por que a maior parte das substâncias orgânicas é imiscível em água. 3) Quais as características de um bom solvente para que possa ser usado na extração de um composto orgânico em uma solução aquosa?
  • 9. O solvente deve ser insolúvel em água para que ocorra a formação de duas fazes distintas. A densidade do solvente orgânico precisa ser maior que a da água para que as fases formadas sejam bem definidas e para que a fase orgânica fique no fundo do funil de separação o que facilita a separação e dificulta a formação de emulsões. O solvente também deve ser de fácil obtenção, barato e o menos tóxico possível. 4) Qual fase (superior ou inferior) será a orgânica se uma solução aquosa (água = 1,0) for tratada com: Solvente Densidade (g.mL-1) Fase Éter etílico 0,71 Fase superior Clorofórmio 1,48 Fase inferior Acetona 0,788 Fase superior n-Hexano 0,659 Fase superior Benzeno 0,876 Fase superior 5) Pode-se usar etanol para extrair uma substância que se encontra dissolvida em água? Justifique sua resposta. Não, porque o etanol é solúvel em água, devido ao seu caráter polar. Uma das condições para a utilização de um segundo solvente para separação de um composto orgânico é que ele seja solúvel e que seja imiscível (ou quase imiscível) com o líquido que contém a substância.