SlideShare uma empresa Scribd logo

Relatório de Refratometria

Railane Freitas
Railane Freitas
Railane FreitasEstagiária em Laboratório de Imunologia e Biologia Molecular

Relatório de Refratometria

1 de 16
Baixar para ler offline
1




Relatório de Técnicas Eletroanalíticas

           Refratometria




               Relatório elaborado pelas alunas: Mércia Cunha

                                              Nayara Argolo

                                              Railane Freitas

                                          Turma: 8833 – G2




               Salvador,

          17 de Abril de 2012
2

SUMÁRIO

                                                                                                                              página

Introdução................................................................................................................       03

Objetivos..................................................................................................................      06

Materiais e reagentes................................................................................................            07

Procedimento experimental.......................................................................................                 07

Resultados e discussões............................................................................................              09

Conclusão..................................................................................................................      16

Referências bibliográficas.........................................................................................              17

Anexo.........................................................................................................................   18
3

INTRODUÇÃO

      O Índice de Refração é a razão entre a velocidade de radiação de uma frequência
da partícula no vácuo e a velocidade de radiação da mesma frequência no meio
considerado. Ou seja, o desvio que a luz sofre quando passa de um meio para o outro
depende da velocidade da luz nos dois meios. Como a diferença entre o índice de
refração no vácuo e no ar é de 0,03 %, então geralmente leva-se em consideração
somente o ar.
      Quando o primeiro meio é o vácuo, o índice de refração que relaciona a
velocidade da luz no vácuo com a velocidade no outro meio (v), é denominado índice de
refração absoluto (n): n = c /v.
      Em que: c é a velocidade da luz no vácuo (c = 3 x 108 m/s); v é a velocidade da luz
no meio;
      Se o índice de refração de um meio A é          e o índice de um meio B é         ,
definimos que chamaremos de índice de refração relativo entre dois meios, a relação
entre os índices de refração absolutos de cada um dos meios, de modo que:



      Mas como visto:



      Então podemos escrever:




      Ou seja:




      A refratometria é considerada um método instrumental, pois utiliza dos princípios
analíticos desta ciência que envolve fenômenos físicos. Quando uma luz penetra num
liquido ela muda de direção; isto é chamado de refração. O ângulo de refração, medido
em graus, indica à mudança de direção do feixe de luz. Um refratômetro obtém e
transforma os ângulos de refração em valores de índices de refração. O índice de
refração depende do comprimento de onda e da temperatura, assim como também varia
de acordo com a concentração do soluto, uma vez que o índice de refração aumenta
4

linearmente com a concentração somente quando esta for expressa por massa por
volume.
     A equação de Snell, também chamada de descartes, permite obter dados
qualitativos e quantitativos que possibilitam identificar e estimar a concentração de
solutos que apresentam o fenômeno da refração, relacionando os ângulos de incidência
e refração com os índices de refração. A razão entre o seno do ângulo de incidência (i) e
o seno do ângulo de refração (r) é constante e esta constante é igual ao índice de
refração relativo η, para um dado comprimento de onda, conforme se observa na
equação abaixo:
                                 n 2,1 = seno i/ seno r = v1/ v2


     n = índice de refração do meio 1 em relação ao meio 2
     i = ângulo de incidência
     r = ângulo de refração
     v1 = velocidade da luz no primeiro meio
     v2 = velocidade da luz no segundo meio


     Em geral, quando a densidade de um meio aumenta, o seu índice de refração
também aumenta. Como variações de temperatura e pressão alteram a densidade,
concluímos que essas alterações também alteram o índice de refracção. No caso dos
sólidos, essa alteração é pequena, mas para os líquidos, as variações de temperatura são
importantes, e no caso dos gases tanto as variações de temperatura como as de pressão
devem ser consideradas. O valor do índice de refração em qualquer meio, exceto o
vácuo, é sempre maior que a unidade (n>1). Portanto, quanto maior o índice de refração
de um material, em relação ao ar, maior será o desvio da luz quando passa do ar para
esse material. A maioria dos índices de refração é menor que 2; uma exceção é o
diamante, cujo índice é aproximadamente 2,4.
     Os equipamentos que fazem essa mensuração do índice de refração são os
chamados de refratômetros. O refratômetro é um equipamento para laboratório utilizado
para teste e controle em laboratórios, indústria alimentícia, de bebidas e outros para
indicar o índice de refração do elemento analisado. O índice de refração é proporcional
à concentração em porcentagem de sólidos dissolvidos em soluções aquosas (%Brix), o
que, no caso dos alimentos corresponde principalmente ao açúcar que eles contêm.
5

     A escala Brix é calibrada pelo número de gramas de açúcar contidos em 100 g de
solução. Quando se mede o índice de refração de uma solução de açúcar, a leitura em
percentagem de Brix deve combinar com a concentração real de açúcar na solução. As
escalas em percentagem de Brix apresentam as concentrações percentuais dos sólidos
solúveis contidos em uma amostra, incluindo açúcar, sais, proteínas, ácidos e etc.
     O refratômetro de Abbé faz uso do princípio de ângulo crítico ou ângulo limite de
reflexão total, pois três raios de radiação monocromática atravessam um meio de
diferentes densidades, onde dois são refratados e devem produzir luz no outro lado do
meio. Porém o terceiro raio, e todos os outros raios com ângulo de incidência igual ou
maior que o segundo, chamados de ‘raio crítico’, não são refratados, mas refletidos. O
campo no telescópio irá mostrar uma região clara e outra escura, a fina linha de
demarcação entre elas corresponde ao ângulo crítico, em que este ângulo é utilizado
para medir o índice de refração de várias substâncias, pois o ângulo crítico é diferente
para cada substância.




             Figura 1: Caminho da luz através do refratômetro de Abbé


     Este é o refratômetro mais comum e usado, detectando índices de refração entre
1,3 a 1,7 com uma precisão de ±0, 0003 unidades.
6

OBJETIVOS

  •   Determinar o índice de refração de óleos vegetais empregando o refratômetro de
      Abbé.
  •   Aplicar o índice de refração na identificação da qualidade de óleos vegetais.
  •   Determinar o % Brix de produtos açucarados, caldas e salmouras empregando o
      refratômetro de Abbé e o refratômetro portátil.

Recomendados

Relatório de polarimetria
Relatório de polarimetria Relatório de polarimetria
Relatório de polarimetria Railane Freitas
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoDhion Meyg Fernandes
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreDhion Meyg Fernandes
 
Aula 4. balanço de massa com reação química
Aula 4. balanço de massa com reação químicaAula 4. balanço de massa com reação química
Aula 4. balanço de massa com reação químicaLéyah Matheus
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésiaDianna Grandal
 
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIErica Souza
 
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Jenifer Rigo Almeida
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTAAdrianne Mendonça
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetricaaifa230600
 
Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água
Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água
Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água Fernanda Borges de Souza
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Ivys Antônio
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICARELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICAEzequias Guimaraes
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃOEzequias Guimaraes
 
Aula carboidratos
Aula carboidratosAula carboidratos
Aula carboidratosftprimo
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaMario Monteiro
 
Potenciométrica e Condutimetria
Potenciométrica e CondutimetriaPotenciométrica e Condutimetria
Potenciométrica e CondutimetriaMaria Teixiera
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Karen Pirovano
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISJessica Amaral
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Paulo George
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDOEzequias Guimaraes
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Dhion Meyg Fernandes
 
Seminário potenciometria
Seminário potenciometriaSeminário potenciometria
Seminário potenciometriaCarla Simon
 

Mais procurados (20)

Aula de gravimetria
Aula de gravimetriaAula de gravimetria
Aula de gravimetria
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
 
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
 
Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água
Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água
Relatório - complexometria determinação de cálcio e da dureza da água
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICARELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: SOLUBILIDADE DOS COMPOSTOS ORGÂNICA
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
 
Aula carboidratos
Aula carboidratosAula carboidratos
Aula carboidratos
 
Relatório de Cromatografia
Relatório de CromatografiaRelatório de Cromatografia
Relatório de Cromatografia
 
Cromatografia
CromatografiaCromatografia
Cromatografia
 
Relatório viscosidade
Relatório viscosidade Relatório viscosidade
Relatório viscosidade
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Potenciométrica e Condutimetria
Potenciométrica e CondutimetriaPotenciométrica e Condutimetria
Potenciométrica e Condutimetria
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
 
Relatorio 5
Relatorio 5Relatorio 5
Relatorio 5
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
 
Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.Preparação e propriedades da solução tampão.
Preparação e propriedades da solução tampão.
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
 
Seminário potenciometria
Seminário potenciometriaSeminário potenciometria
Seminário potenciometria
 

Destaque

Refratividade molar dos álcoois laisse dias ribeiro - pólo montes claros
Refratividade molar dos álcoois   laisse dias ribeiro - pólo montes clarosRefratividade molar dos álcoois   laisse dias ribeiro - pólo montes claros
Refratividade molar dos álcoois laisse dias ribeiro - pólo montes claroslaissedr
 
Refractometria
Refractometria Refractometria
Refractometria IPN
 
Análise instrumental aula1 introducao
Análise instrumental   aula1 introducaoAnálise instrumental   aula1 introducao
Análise instrumental aula1 introducaoPânico Final
 
Refratometriacamilla
RefratometriacamillaRefratometriacamilla
RefratometriacamillaCamilla Alves
 
Análise espectrofotométrica
Análise espectrofotométricaAnálise espectrofotométrica
Análise espectrofotométricaKadasha
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luzparamore146
 
Carac. físico-quimica de óleos vegetais
Carac. físico-quimica de óleos vegetaisCarac. físico-quimica de óleos vegetais
Carac. físico-quimica de óleos vegetaisÁdina Santana
 
aula 7. Tec. de oleos e derivados
aula 7. Tec. de oleos e derivadosaula 7. Tec. de oleos e derivados
aula 7. Tec. de oleos e derivadosprimaquim
 
Aula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaAula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaGustavo Silveira
 

Destaque (20)

Refratividade molar dos álcoois laisse dias ribeiro - pólo montes claros
Refratividade molar dos álcoois   laisse dias ribeiro - pólo montes clarosRefratividade molar dos álcoois   laisse dias ribeiro - pólo montes claros
Refratividade molar dos álcoois laisse dias ribeiro - pólo montes claros
 
Polarimetria
PolarimetriaPolarimetria
Polarimetria
 
Tabela brix
Tabela brixTabela brix
Tabela brix
 
Refractometria
Refractometria Refractometria
Refractometria
 
011 polarimetria
011 polarimetria011 polarimetria
011 polarimetria
 
Analise de agua
Analise de aguaAnalise de agua
Analise de agua
 
Refractometria
RefractometriaRefractometria
Refractometria
 
Análise instrumental aula1 introducao
Análise instrumental   aula1 introducaoAnálise instrumental   aula1 introducao
Análise instrumental aula1 introducao
 
Metodos de analises
Metodos de analisesMetodos de analises
Metodos de analises
 
Açúcares e correlatos adolpho lutz
Açúcares e correlatos adolpho lutzAçúcares e correlatos adolpho lutz
Açúcares e correlatos adolpho lutz
 
Metodos opticos
Metodos opticosMetodos opticos
Metodos opticos
 
Refratometriacamilla
RefratometriacamillaRefratometriacamilla
Refratometriacamilla
 
Cap4
Cap4Cap4
Cap4
 
Análise espectrofotométrica
Análise espectrofotométricaAnálise espectrofotométrica
Análise espectrofotométrica
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
 
Carac. físico-quimica de óleos vegetais
Carac. físico-quimica de óleos vegetaisCarac. físico-quimica de óleos vegetais
Carac. físico-quimica de óleos vegetais
 
aula 7. Tec. de oleos e derivados
aula 7. Tec. de oleos e derivadosaula 7. Tec. de oleos e derivados
aula 7. Tec. de oleos e derivados
 
Aula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaAula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílica
 
Polarimetria
PolarimetriaPolarimetria
Polarimetria
 
Roteiro aula pratica
Roteiro aula praticaRoteiro aula pratica
Roteiro aula pratica
 

Semelhante a Relatório de Refratometria

Precisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de VidrariasPrecisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de Vidrariasweberab
 
Transformacoes volumetrico
Transformacoes volumetricoTransformacoes volumetrico
Transformacoes volumetricoRogerioAlves66
 
Apostila (química analítica quantitativa) 2009
Apostila      (química analítica quantitativa) 2009Apostila      (química analítica quantitativa) 2009
Apostila (química analítica quantitativa) 2009Fernanda Bortoloto
 
Glossário Equipamentos.pdf
Glossário Equipamentos.pdfGlossário Equipamentos.pdf
Glossário Equipamentos.pdfrogeriopacheco6
 
Destilação simples e fracionada
Destilação simples e fracionadaDestilação simples e fracionada
Destilação simples e fracionadaAngela Guerra
 
Quimica Fisica - Valdo
Quimica Fisica - Valdo Quimica Fisica - Valdo
Quimica Fisica - Valdo Rock Dellura
 
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)marcelo capistrano
 
Relatório- APL 2.1 'Soluções: Como se preparam?'
Relatório- APL 2.1 'Soluções: Como se preparam?' Relatório- APL 2.1 'Soluções: Como se preparam?'
Relatório- APL 2.1 'Soluções: Como se preparam?' Leonardo Fernandes
 
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratadoSíntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratadoRodrigo Miguel
 
Preparação para o teste prático de Quimica A 10º ano
Preparação para o teste prático de Quimica A 10º anoPreparação para o teste prático de Quimica A 10º ano
Preparação para o teste prático de Quimica A 10º anoJoão Neves
 
Extração e Tratamento de Caldo
Extração e Tratamento de Caldo Extração e Tratamento de Caldo
Extração e Tratamento de Caldo Leandro Cândido
 

Semelhante a Relatório de Refratometria (20)

acidos padronizaçao.pdf
acidos padronizaçao.pdfacidos padronizaçao.pdf
acidos padronizaçao.pdf
 
Manual reagentespreview
Manual reagentespreviewManual reagentespreview
Manual reagentespreview
 
Precisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de VidrariasPrecisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de Vidrarias
 
Transformacoes volumetrico
Transformacoes volumetricoTransformacoes volumetrico
Transformacoes volumetrico
 
Apostila (química analítica quantitativa) 2009
Apostila      (química analítica quantitativa) 2009Apostila      (química analítica quantitativa) 2009
Apostila (química analítica quantitativa) 2009
 
Glossário Equipamentos.pdf
Glossário Equipamentos.pdfGlossário Equipamentos.pdf
Glossário Equipamentos.pdf
 
Destilação simples e fracionada
Destilação simples e fracionadaDestilação simples e fracionada
Destilação simples e fracionada
 
Quimica Fisica - Valdo
Quimica Fisica - Valdo Quimica Fisica - Valdo
Quimica Fisica - Valdo
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
relatório ´prática 03.docx
relatório ´prática 03.docxrelatório ´prática 03.docx
relatório ´prática 03.docx
 
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
141014595 relatorio-fisico-quimica-experimental (1)
 
Relatório- APL 2.1 'Soluções: Como se preparam?'
Relatório- APL 2.1 'Soluções: Como se preparam?' Relatório- APL 2.1 'Soluções: Como se preparam?'
Relatório- APL 2.1 'Soluções: Como se preparam?'
 
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratadoSíntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
Síntese do sulfato de tetra-aminocobre (II) mono-hidratado
 
Pop determinação do p h
Pop   determinação do p hPop   determinação do p h
Pop determinação do p h
 
Preparação para o teste prático de Quimica A 10º ano
Preparação para o teste prático de Quimica A 10º anoPreparação para o teste prático de Quimica A 10º ano
Preparação para o teste prático de Quimica A 10º ano
 
Reflexao refracao
Reflexao refracaoReflexao refracao
Reflexao refracao
 
Extração e Tratamento de Caldo
Extração e Tratamento de Caldo Extração e Tratamento de Caldo
Extração e Tratamento de Caldo
 
Trabalho de química
Trabalho de químicaTrabalho de química
Trabalho de química
 
Article i (1)
Article i (1)Article i (1)
Article i (1)
 
Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.
 

Relatório de Refratometria

  • 1. 1 Relatório de Técnicas Eletroanalíticas Refratometria Relatório elaborado pelas alunas: Mércia Cunha Nayara Argolo Railane Freitas Turma: 8833 – G2 Salvador, 17 de Abril de 2012
  • 2. 2 SUMÁRIO página Introdução................................................................................................................ 03 Objetivos.................................................................................................................. 06 Materiais e reagentes................................................................................................ 07 Procedimento experimental....................................................................................... 07 Resultados e discussões............................................................................................ 09 Conclusão.................................................................................................................. 16 Referências bibliográficas......................................................................................... 17 Anexo......................................................................................................................... 18
  • 3. 3 INTRODUÇÃO O Índice de Refração é a razão entre a velocidade de radiação de uma frequência da partícula no vácuo e a velocidade de radiação da mesma frequência no meio considerado. Ou seja, o desvio que a luz sofre quando passa de um meio para o outro depende da velocidade da luz nos dois meios. Como a diferença entre o índice de refração no vácuo e no ar é de 0,03 %, então geralmente leva-se em consideração somente o ar. Quando o primeiro meio é o vácuo, o índice de refração que relaciona a velocidade da luz no vácuo com a velocidade no outro meio (v), é denominado índice de refração absoluto (n): n = c /v. Em que: c é a velocidade da luz no vácuo (c = 3 x 108 m/s); v é a velocidade da luz no meio; Se o índice de refração de um meio A é e o índice de um meio B é , definimos que chamaremos de índice de refração relativo entre dois meios, a relação entre os índices de refração absolutos de cada um dos meios, de modo que: Mas como visto: Então podemos escrever: Ou seja: A refratometria é considerada um método instrumental, pois utiliza dos princípios analíticos desta ciência que envolve fenômenos físicos. Quando uma luz penetra num liquido ela muda de direção; isto é chamado de refração. O ângulo de refração, medido em graus, indica à mudança de direção do feixe de luz. Um refratômetro obtém e transforma os ângulos de refração em valores de índices de refração. O índice de refração depende do comprimento de onda e da temperatura, assim como também varia de acordo com a concentração do soluto, uma vez que o índice de refração aumenta
  • 4. 4 linearmente com a concentração somente quando esta for expressa por massa por volume. A equação de Snell, também chamada de descartes, permite obter dados qualitativos e quantitativos que possibilitam identificar e estimar a concentração de solutos que apresentam o fenômeno da refração, relacionando os ângulos de incidência e refração com os índices de refração. A razão entre o seno do ângulo de incidência (i) e o seno do ângulo de refração (r) é constante e esta constante é igual ao índice de refração relativo η, para um dado comprimento de onda, conforme se observa na equação abaixo: n 2,1 = seno i/ seno r = v1/ v2 n = índice de refração do meio 1 em relação ao meio 2 i = ângulo de incidência r = ângulo de refração v1 = velocidade da luz no primeiro meio v2 = velocidade da luz no segundo meio Em geral, quando a densidade de um meio aumenta, o seu índice de refração também aumenta. Como variações de temperatura e pressão alteram a densidade, concluímos que essas alterações também alteram o índice de refracção. No caso dos sólidos, essa alteração é pequena, mas para os líquidos, as variações de temperatura são importantes, e no caso dos gases tanto as variações de temperatura como as de pressão devem ser consideradas. O valor do índice de refração em qualquer meio, exceto o vácuo, é sempre maior que a unidade (n>1). Portanto, quanto maior o índice de refração de um material, em relação ao ar, maior será o desvio da luz quando passa do ar para esse material. A maioria dos índices de refração é menor que 2; uma exceção é o diamante, cujo índice é aproximadamente 2,4. Os equipamentos que fazem essa mensuração do índice de refração são os chamados de refratômetros. O refratômetro é um equipamento para laboratório utilizado para teste e controle em laboratórios, indústria alimentícia, de bebidas e outros para indicar o índice de refração do elemento analisado. O índice de refração é proporcional à concentração em porcentagem de sólidos dissolvidos em soluções aquosas (%Brix), o que, no caso dos alimentos corresponde principalmente ao açúcar que eles contêm.
  • 5. 5 A escala Brix é calibrada pelo número de gramas de açúcar contidos em 100 g de solução. Quando se mede o índice de refração de uma solução de açúcar, a leitura em percentagem de Brix deve combinar com a concentração real de açúcar na solução. As escalas em percentagem de Brix apresentam as concentrações percentuais dos sólidos solúveis contidos em uma amostra, incluindo açúcar, sais, proteínas, ácidos e etc. O refratômetro de Abbé faz uso do princípio de ângulo crítico ou ângulo limite de reflexão total, pois três raios de radiação monocromática atravessam um meio de diferentes densidades, onde dois são refratados e devem produzir luz no outro lado do meio. Porém o terceiro raio, e todos os outros raios com ângulo de incidência igual ou maior que o segundo, chamados de ‘raio crítico’, não são refratados, mas refletidos. O campo no telescópio irá mostrar uma região clara e outra escura, a fina linha de demarcação entre elas corresponde ao ângulo crítico, em que este ângulo é utilizado para medir o índice de refração de várias substâncias, pois o ângulo crítico é diferente para cada substância. Figura 1: Caminho da luz através do refratômetro de Abbé Este é o refratômetro mais comum e usado, detectando índices de refração entre 1,3 a 1,7 com uma precisão de ±0, 0003 unidades.
  • 6. 6 OBJETIVOS • Determinar o índice de refração de óleos vegetais empregando o refratômetro de Abbé. • Aplicar o índice de refração na identificação da qualidade de óleos vegetais. • Determinar o % Brix de produtos açucarados, caldas e salmouras empregando o refratômetro de Abbé e o refratômetro portátil.
  • 7. 7 MATERIAIS E REAGENTES Materiais; Equipamentos; Quantidade Amostras Quantidade Vidrarias Refratômetro de Abbé 1 Óleo de mamona 2 gotas Béqueres 3 Óleo de soja 2 gotas Solução de Pipetas 17 sacarose 2 gotas (10 a 50%) Algodão - Refrigerante 1 gota Papel macio - Geleia 1 porção Calda de conserva Espátula 1 de pêssego 1 gota Salmoura Acetona - 2 gotas (10 a 30%) Conserva de Éter - 1 gota azeitona - - Mel 1 gota PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 1. Verificou-se o equipamento utilizando água destilada. Conferiu-se o valor obtido com o tabelado para diferentes temperaturas. 2. Abriu-se a chave 8 e girou-se o sistema, para que o prisma opaco ficasse na posição horizontal. 3. Limpou-se cuidadosamente os prismas, utilizando papel macio umedecido com éter, secou-os bem. 4. Colocou-se 1 gota de casa amostra sobre o prisma opaco, sem tocá-lo com a pipeta. 5. Fechou-se o sistema rapidamente a fim de evitar a evaporação. 6. Girou-se a chave 10 até que a luz observada no ocular 1 tornou-se parcialmente escura. 7. Quando não houve nitidez da linha escuro-claro, girou-se o compensador 4 para que tal nitidez fosse melhor possível. 8. Girou-se a chave 10 até que a linha escuro-claro ficasse exatamente sobre o cruzamento das linhas do visor.
  • 8. 8 9. Leu-se o índice de refração e o % Brix no microscópio de leitura 12. 10. Abriu-se o sistema de primas e limpou-o muito bem. RESULTADOS E DISCUSSÕES n20°C λ % Brix % Brix n40 °C λ Amostra T (°C) medido corrigido
  • 9. 9 20º C / Óleo de mamona 75,02% / - 1, 478 1, 678 40ºC 20º C / Óleo de Soja (Soya) 70,61% / - 1, 475 1, 671 40ºC 20º C / 10,40% / Solução de sacarose 10% 1, 350 1, 344 40ºC 5,41% 20º C / 15,32% / Solução de sacarose 20% 1, 358 1, 358 40ºC 15,28% 20º C / 25,12% / Solução de sacarose 30% 1, 373 1, 373 40ºC 25,11% 20º C / 30,45% / Solução de sacarose 40% 1, 385 1, 385 40ºC 30,40% 20º C / 35,81% / Solução de sacarose 50% 1, 398 1, 402 40ºC 40,16% Refrigerante (Coca-Cola) 20ºC 10,13% 1, 349 - 20º C / 65,12% / Geléia 1, 455 1, 452 40ºC 60,72% Calda de conserva de fruta 20°C 15,20% 1, 358 - 20º C / 10,10% / Salmoura 10% 1, 349 1, 368 40ºC 20,44% 20º C / 15,62% / Salmoura 20% 1, 362 1, 368 40ºC 20,44% 20º C / 25,17% / Salmoura 30% 1, 374 1, 374 40ºC 25,16% Salmoura de conserva de azeitona 20º C 5,60% 1, 346 - 20º C / 75,76% / Mel 1, 489 1, 490 40ºC 75,74% O índice de refração (também conhecido pela variável nD) alem de mudar com o comprimento de onda também muda com a temperatura, então a temperaturas diferentes teremos índices de refração diferentes, como pode ser visto de acordo com a tabela de resultados onde encontram-se aferições para 20ºC e 40ºC. O índice de refração de uma substância pura é uma constante, mantidas as condições de temperatura e pressão e, como tal, pode ser usado como meio de identificação da mesma. Em análise de alimentos, embora não se tratem de substâncias puras no estrito sentido, em certos
  • 10. 10 casos, como o de óleos, gorduras e óleos essenciais, o índice de refração apresenta variação muito pequena e é então usado para uma avaliação do produto. Brix (símbolo °Bx) é uma escala numérica que mede a quantidade de compostos solúveis numa solução de sacarose. A escala Brix é utilizada na indústria de alimentos para medir a quantidade aproximada de açúcares em sucos de fruta, vinhos e na indústria de açúcar. A quantidade de compostos solúveis corresponde ao total de todos os compostos dissolvidos em água, começando com açúcar, sal, proteínas, ácidos e etc e os valores de leitura medido é a soma de todos eles. A quantidade de açúcar mensurada diretamente pelo refratômetro somente representará a quantidade de açúcar seca dissolvida na solução medida se ela contiver somente açúcar puro, o que raramente constitui o caso no cotidiano, ou seja, nas amostras de mel, geléia, refrigerante e conserva de pêssego, que são produtos comumente utilizados, não haverá apenas açúcar puro na sua composição. Uma solução de 25 °Bx tem 25 gramas do açúcar da sacarose por 100 gramas de líquido. Ou, para colocar de outra maneira, são 25 gramas do açúcar da sacarose e 75 gramas da água nos 100 gramas da solução. De acordo com os resultados obtidos experimentalmente a porcentagem de Brix medida aumenta de acordo com o aumento da porcentagem de sacarose na solução, tanto em relação à 20ºC quanto a 40ºC, ou seja, numa solução de sacarose a 50% (35, 81% / 40, 16% respectivamente) há mais açucares dissolvidos do que numa solução de sacarose a 10% (10, 40% / 5, 41% respectivamente ). É possível notar também que a medida que aumenta a temperatura a porcentagem de Brix tem um leve decréscimo, com exceção da sacarose a 50% que teve um acréscimo a 40ºC em relação a 20ºC. Já quando observamos o índice de refração, é possível chegar à conclusão de que ele aumenta, diminui, ou permanece o mesmo, com o aumento da temperatura quando se trata da sacarose, pois as temperaturas de 20ºC e 40ºC para a solução a 10% passou de 1, 350 para 1, 344, havendo um decréscimo, porém permaneceu o mesmo para as soluções de 20% a 40% e aumentou para a solução a 50% indo de 1, 398 para 1, 402. Grande parte dos alimentos consumidos diariamente contém açúcar. O teor de açúcar presente em bebidas é um dos parâmetros mais importantes para o controle de qualidade, de processos e valor nutricional. Na prática verificou-se o teor de açúcar da Coca-cola utilizando-se as propriedades de Índice de Refratometria na escala Brix, este que é utilizado na indústria para medir a quantidade aproximada de açucares em
  • 11. 11 diversos alimentos, permitindo saber-se a concentração real do açúcar nas amostras analisadas. Na prática observou que o índice de Refração e Brix foram respectivamente 1, 3491 e 10,13%, na qual não se pode haver uma comparação do índice com a teoria, pois não se encontrou dados teóricos referentes ao experimento, apenas o Brix, este que se enquadrou nos valores teóricos que variam de 5 a 15%. Comparando-se com a Calda de conserva de frutas, produto resultante da mistura de açúcar, água ou suco de fruta fervidos juntos, que também fora analisado em prática, observou-se um maior Índice de Refração 1, 3578 e porcentual de Brix 15,20%, no qual pode-se concluir que esse aumento é mediante a maior quantidade de sacarose na Calda de conserva Frutas, tal que varia com o aumento do Brix. Em escala industrial o Brix da calda precisa ser calculado e medido cuidadosamente antes de ser utilizado, para apresentar uma composição uniforme nas latas de frutas e grau Brix correto após o enlatamento e processamento industrial. Foram observados também índices de refração e Brix da Geleia, e Mel. As Géleia são conservas fabricadas com o suco das frutas, cozidas em calda. Estas devem possuir um teor de sacarose não muito alto, pois correm o risco de se tornar enjoativas. Por isso comparando-se ao mel, produto também analisado, observou-se menores porcentagens de Brix, mediante que a geleia deve ser menos açucarado que o Mel, e já que a porcentagem de Brix varia com a quantidade se sacarose, observa-se menor porcentagens de Brix a 20° e 40° (65,12% / 60,72%) da Geleia comparando-se com o Mel a 20° e 40° (75,76% / 75,74%). Na análise observou-se também que no caso da Geleia com o aumento da temperatura, houve um aumento na porcentagem de Brix, já no Mel com o aumento da temperatura houve um decréscimo da porcentagem de Brix. O Mel natural é um produto açucarado fornecido pela abelha apis mellifera l., apidae. O produto é uma solução aquosa concentrada de açúcares, geralmente com predominância de frutose e glucose, e de pequenas quantidades de dextrinas, enzimas, ceras, óleos voláteis, ácidos orgânicos, éteres, substâncias gomosas, albuminoides e minerais. A principal forma de falsificação do mel é pela adição de açúcar comercial, glucose e dextrinas, além disso, pode ocorrer no comércio mel artificial, que é constituído por açúcar com adição de substâncias aromáticas e/ou de mel natural. A análise do mel tem por finalidade descobrir se o produto é genuíno, artificial ou falsificado, diante disso analisa-se o Índice de Refração e Porcentual de Brix. Na prática observou-se que com o aumento da temperatura de 20° para 40°C, aumentou-se o Índice de Refração de 1,4891
  • 12. 12 para 1,4896, respectivamente. Diferente da Geleia que com o aumento da temperatura, diminuiu-se seu Índice de Refração (1, 45501 - 1, 4523). Os óleos vegetais são produtos provenientes principalmente de plantas oleaginosas, sendo utilizados em produtos alimentícios fazendo parte tanto a nível doméstico, quanto a nível industrial. A determinação do índice de refração está relacionada com o grau de saturação das ligações, mas é afetado por outros fatores tais como: teor de ácidos graxos livres, oxidação e tratamento térmico. De acordo com sua natureza os óleos possuem diferentes índices de refração, tais índices apresentam variação muito pequena sendo usados então para avaliação do produto, como critérios de qualidade, indicador de pureza, e identificação da maioria dos óleos, sabe-se que a partir dos índices de refração determinam-se as concentrações dos materiais diante disso, utiliza-se tal propriedade física como critério de qualidade. Os índices de refração aumentam com o índice de iodo podendo ser utilizados também, no controle de processos de hidrogenação de óleos insaturados. O óleo de mamona é bastante cotado mediante a sua versatilidade industrial, sendo um produto que faz parte na fabricação de plásticos, tintas, cosméticos, também utilizadas na biomedicina, elaboração de próteses, e no desenvolvimento da elaboração de biodiesel. O Óleo de Soja é o mais consumido mundialmente, no Brasil têm-se vários incentivos para a produção e comercialização do Óleo de Soja que pode ser produzido nas seguintes qualidades: bruto, refinado comestível, refinado industrial, lecitina. A vantagem do óleo de soja em relação a outros óleos deve-se ao seu baixo preço aliada à sua excelente qualidade cosmética, farmacêutica, alimentícia, veterinária, ração animal, industrial na produção de vernizes, tintas, plásticos, lubrificantes entre outros. Na prática, determinou-se o índice de refração a 20°C e 40°C dos Óleos de Mamona e Soja. Quanto ao Óleo de Mamona encontrou-se respectivamente os índices a 20°C e 40°C de 1,4781 e 1,6779, no qual o óleo a 20°C está de acordo se comparado à teoria (1,477 – 1,481), onde comprova-se que a está temperatura o óleo de Mamona está dentro dos critérios de qualidade. Já a 40°C, encontrou-se o índice de 1,6779, no qual o mesmo não está de acordo à teoria (1,466 – 1,473). Ao analisarmos os índices de refração do Óleo de soja a 20°C e 40°C, observou-se igualmente que a 20°C, o índice encontrado (1,4749) está conforme a variação do teórico que vai de 1,465 a 1,475, já a 40°C notou-se um maior índice de refração (1,6706) se comparado à teoria 1,466 - 1,470.
  • 13. 13 No experimento os Brix dos óleos não foram obtidos a 40°C, não havendo visualização, pois a faixa de medição em Brix vai de 0 a 95% e tais óleos a 40°C possuem Brix acima de 95%, onde não é possível visualização no aparelho de Abbé. As porcentagens de Brix visualizadas a 20°C dos Óleos de Mamona e Soja foram respectivamente, 75,02% e 70,61%, nos quais ambos estavam de acordo comparando-se as porcentagens teóricas de Brix dos óleos que vão de 0 a 80%, tais porcentagens são as concentrais de sólidos solúveis porcentuais contidos nas amostras de óleos. A salmoura é uma solução de água saturada de sal onde se pode conservar alimentos em geral, sendo assim, a conserva de azeitona também é considerada um exemplo de salmoura. De modo a manter a integridade do alimento, sua concentração de sal é alta, sendo este o sólido dissolvido presente em maiores proporções na salmoura, uma vez que o sal provoca a diminuição da atividade da água nos alimentos, que é um fator necessário para a reprodução microbiana, aumentando desta forma a conservação dos alimentos. Após a retirada do sal dos alimentos, o mesmo se torna vulnerável ao ataque dos microrganismos, pois a atividade da água deixou de ser limitante, motivo pelo qual pelo qual o alimento deverá ser rapidamente consumido ou processado. O sal para enlatamento deve conter, no mínimo, 99% de cloreto de sódio, e os de pureza abaixo de 98% não devem ser usados, pois essas impurezas podem reagir com a lata ou com o próprio produto, alterando a cor e porventura o sabor do mesmo, a água para a salmoura, pelo mesmo motivo, deve ser tão pura quanto possível. Determinou-se então o índice de refração e a %Brix da salmoura a diferentes concentrações (10, 20 e 30%) e da conserva de azeitona a uma temperatura média de 20ºC e depois analisou-se somente a salmoura (10, 20 e 30%) a uma temperatura média de 40ºC e percebeu-se que, de modo geral, com o aumento da concentração das amostras, houve também um aumento do índice de refração. Como se sabe que a %Brix indica a quantidade de sólidos dissolvidos na solução aquosa, supõe-se que aumentando a concentração desta amostra, aumentaremos a sua %Brix, o que de fato ocorreu na prática, de acordo com a tabela apresentada anteriormente. Do mesmo modo, com o aumento da %Brix, percebemos também o aumento do índice de refração dessas amostras, indicando que estes são diretamente proporcionais. Agora ao se comparar os valores obtidos em uma amostra a 20ºC e outra a 40ºC, percebemos que houve uma
  • 14. 14 diminuição no índice de refração, ou seja, a velocidade com que a luz atravessa o meio é alta, diminuindo, desta maneira, o índice de refração, já que a facilidade da passagem de luz é aumentada pela desorganização das partículas, uma vez que estas devido a energia que lhes foi fornecida estão sob constante agitação. Nas amostras de salmoura a 10% e 20% que estavam condicionadas a uma temperatura de 40ºC, percebeu-se que não houve uma variação conforme esperado, pois o índice de refração e a %Brix estavam praticamente iguais, o que nos leva a acreditar que houveram falhas na hora da limpeza do refratômetro entre a análise de uma amostra e outra, influenciando assim nos resultados finais. Como não encontramos os valores teóricos da %Brix e do índice de refração de todas as amostras na literatura, não foi possível uma análise mais detalhada destes e não tivemos como saber se os valores que encontramos na prática estão ou não conformes, ou seja, numa faixa próxima àquela tida como referência, podendo discutir razões para as prováveis discrepâncias que seriam encontradas. CONCLUSÃO A partir dos experimentos realizados em laboratório foi possível perceber que a refratometria é uma técnica de simples utilização sem necessitar de grandes recursos. É bastante útil para analisar substâncias e alimentos a base de sacarose e salmoura, atentando assim para a sua qualidade.
  • 15. 15 Para validar a teoria vista foram analisadas diferentes substâncias no experimento e a cada análise tornou-se possível conhecer a %Brix de cada uma, além do seu índice de refração, temas abordados anteriormente nesse relatório. Os objetivos previamente traçados foram alcançados com sucesso. Porém por falta de embasamento teórico houve certa dificuldade para a elaboração da discussão e em fazer conclusões objetivas das análises, tornando os resultados não muito confiáveis. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. http://www.ial.sp.gov.br/index.php? option=com_remository&Itemid=0&func=startdown&id=5 (Acessado em 16/04/2012)
  • 16. 16 2. http://www.mrvduarte.com/cariboost_files/apostila_analise_completa.pdf (Acessado em 17/04/2012) 3. http://www.deag.ufcg.edu.br/copeag/dissertacoes2006/DISSERTACAO %20COMPLETA%20-%20Ticiana%20Leite%20Costa.pdf (Acessado em 16/04/2012) 4. http://www.campestre.com.br/oleo-de-soja.shtml (Acessado em 17/04/2012 5. http://www.sbrt.ibict.br/dossie-tecnico/downloadsDT/MjM0 (Acessado em 18/04/2012)