SlideShare uma empresa Scribd logo
Índice
Introdução ----------------------------------------------------------------------- Pág. 03
Propriedades Físicas e Químicas----------------------------------------- Pág. 05
Objetivo -------------------------------------------------------------------------- Pág. 07
Materiais e Reagentes ------------------------------------------------------- Pág. 07
Parte experimental ------------------------------------------------------------ Pág. 08
Prática 1 -------------------------------------------------------------------- Pág. 08
Prática 2 -------------------------------------------------------------------- Pág. 08
Resultados e discussões ---------------------------------------------------- Pág. 09
6.1 Prática 1 ---------------------------------------------------------------- Pág. 09
6.2 Prática 2 ---------------------------------------------------------------- Pág. 09
Conclusão ----------------------------------------------------------------------- Pág. 10
Revisão Bibliográfica --------------------------------------------------------- Pág. 11
2. Propriedades Físicas e Químicas
As propriedades dos metais alcalinos estão intimamente relacionadas com sua
estrutura eletrônica e seu tamanho. Todos os elementos são metais, excelentes
condutores de eletricidade e moles. São muito reativos e perdem rapidamente o
brilho quando expostos ao ar seco. Todos reagem com água, liberando hidrogênio e
formando os correspondentes hidróxidos. Queimam ao
ar formando óxidos, embora o produto formado varia de acordo com o metal.
Reagem com enxofre formando sulfetos. São muito eletropositivos formando bases
muito fortes e oxossais muito estáveis. [J.D.Lee, 1999]
Já as propriedades dos metais alcalinos-terrosos apresentam as mesmas
tendências nas propriedades que foram observadas no grupo 1, contudo, o berílio é
um exceção. Cálcio, estrôncio e bário reagem facilmente com água fria, liberando
hidrogênio e formando os hidróxidos. [J.D.Lee, 1999]
Ca + 2H2O Ca(OH)2 + H2
O magnésio não reage com água fria, mas é capaz de decompor água quente.
[J.D.Lee, 1999]
Mg + 2H2O Mg(OH)2 + H2
Ou
Mg + 2H2O MgO + H2
O hidróxido de berílioé anfótero, mas os outros, de Mg, Ca, Sr e Ba, são básicos. A
força da base aumenta do Mg ao Ba, de modo que os elementos do grupo 2
apresentam a tendência normal de aumento de suas propriedades básicas, de cima
para baixo dentro do grupo. [J.D.Lee, 1999]
Todos os metais do grupo 2 reagem com ácidos liberando H2, embora o berílio reaja
lentamente. O Be reage com NaOH, porém Mg, Ca, Sr e Ba não
reagem, sendo tipicamente básicos. Essas reações ilustram o caráter crescente dos
elementos, ao se descer pelo grupo. [J.D.Lee, 1999]
Mg + 2HCl MgCl2 + H2
Be + 2NaOH + 2H2O Na2[Be(OH)4] + H2
Ou
Be + 2NaOH + 2H2O NaBeO2 . H2O + H2
Todos os elementos desse grupo queimam em atmosfera de O2 formando óxidos,
MO. O Mg queima ao ar emitindo um brilho extremamente
intenso e liberando uma grande quantidade de calor. Esse fato é aproveitado para
dar início a uma reação térmita com alumínio (reação aluminotérmica) e
também como fonte de luz nos antigos bulbos de flash fotográfico. [J.D.Lee, 1999]
Mg + ar MgO + Mg3N2
O MgO não é muito reativo, principalmente quando previamente aquecido a altas
temperaturas. Por esse motivo, é utilizado como material refratário. Possui várias
propriedades que o torna adequado para o revestimento de altos fornos, tais como:
Elevados pontos de fusão (~ 2800o
C).
Pressões de vapor extremamente baixas.
Elevada condutividade térmica.
Inércia química.
Alta resistividade elétrica. [J.D.Lee, 1999]
O Mg(OH)2 é muito pouco solúvel em água ( cerca de 1x 10-4
g l-1
a 20 o
C), mas os
hidróxidos são solúveis e a solubilidade aumenta ao se descer pelo grupo ( Ca(OH)2
~ 2 g l-1
; Sr(OH)2 ~ 8 g l-1
e Ba(OH)2 ~ 39 g l-1
). O
Mg(OH)2 é fracamente básico, sendo usado no tratamento de acidez associada à
indigestão. Os outros hidróxidos são bases fortes. [J.D.Lee, 1999]
Objetivo
O objetivo deste relatório é de observar a reatividade do elemento sódio
metálico.A partir das reações realizadas, a análise do produto formado e a forma
como tal elemento reagiu, podemos concluir algumas de suas propriedades
características e a reatividade do mesmo.
4. Materiais e Reagentes
- Fenolftaleína;
- Béqueres;
- Pinça Metálica;
- Vidro de relógio;
- Bico de Bunsen;
- Cadinho;
- Tubo de ensaio;
- Amostras metálicas de Mg e Na;
- Mármore em pó (CaCO3).
5. Parte Experimental
5.1 Prática 1. Metais Alcalinos.
a) Observação da oxidação espontânea dos metais:
Cortou-se em pequenos pedaços de Na e deixou-os por alguns minutos expostos ao
ar.
b) Formação de hidróxidos:
Encheu-se um béquer com água e adicionou-se uma pequena amostra de metal. E
observou-se a reação que ocorre. E para comprovar a formação do hidróxido
pingou-se algumas gotas de fenolftaleína sobre a solução.
5.2 Prática 2. Metais Alcalinos Terrosos.
a) Formação de óxidos e Formação de hidróxido de magnésio:
Aqueceu-se com o auxilio da pinça metálica, um pedaço de magnésio metálico em
fita sobre um vidro de relógio (não olhou-se diretamente para a luz que se
desprende, pois a luz emitida na combustão do magnésio é rica em radiação
quimicamente ativa).
Adicionou-se o resíduo da combustão em um tubo de ensaio com água. Agitou-se e
cotejou-se fenolftaleína para confirmar a formação do hidróxido.
b) Formação de hidróxido de cálcio:
Aqueceu-se no cadinho uma porça de carbonato de cálcio. Deixou-se o cadinho
esfriar e testou-se a formação de CaO (oxido), pela adição de água ao cadinho e
posteriormente gotejo-se fenolftaleína para observar a coloração rósea que indicou-
se a formação do hidróxido de cálcio.
6. Resultados e Discussões
6.1 Prática 1. Metais Alcalinos.
a) Observação da oxidação espontânea dos metais:
Verificou que a coloração do metal torna-se rapidamente esbranquiçada, devido à
rápida de uma camada de oxido em suas superfícies.
b) Formação de hidróxidos:
Houve uma efervescência, constatando a liberação de H2. Formou-se uma base
(NaOH) que é visto pela coloração rosa do indicador Fenolftaleína. O Na funde-se
com o calor liberado na reação e fica “dançando” sobre a superfície da água. A
equação que representa a reação observada é:
2 Na + H2O → 2 NaOH
6.2 Prática 2. Metais Alcalinos Terrosos.
a) Formação de óxidos e Formação de hidróxido de magnésio:
Observamos que, ao aquecer o magnésio metálico, houve uma queima do elemento
sólido, com emissão de um brilho intenso e liberação de uma grande quantidade de
calor. Ao adicionarmos o produto da combustão em um tubo de ensaio com água,
provou-se, através do uso do indicador, que tratava-se do óxido básico de magnésio.
Formação de hidróxido de cálcio:
Observamos que houve a formação de seu óxido correspondente, com posterior
liberação de gás carbônico. Esta reação foi confirmada após a adição da água ao
cadinho e posterior gotejamento do indicador, mostrando que havia CaO:
CaO + H2O → Ca(OH)2
7. Conclusão
Podemos concluir que, os metais alcalinos e alcalinos terrosos possuem
semelhanças e diferenças distintas. Em relação à reatividade, tanto os metais
alcalinos quanto os alcalinos terrosos reagem com oxigênio do ar formando seus
respectivos óxidos.
Em relação à formação de óxidos e hidróxidos, somente os elementos do grupo dos
alcalinos terrosos podem ser preparados pela combinação direta dos elementos ou
pela decomposição térmica dos carbonatos. Em relação à solubilidade dos sais,
todos os cloretos de metais alcalinos e alcalinos terrosos utilizados na preparação
das soluções apresentam solubilidade em água.
Revisão Bibliográfica
MAHAN, B. M. Química: Um curso universitário. 4. ed. São Paulo : Edgard Blucher,
2003;
BROWN, T. L. Química: A ciência central. 2 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall,
2005;
LEE, J. D. Química Inorgânica não tão concisa. 5. ed. São Paulo: Edgard Blucher,
1999;
Metais Alcalinos Terrosos. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org /wik/ metal_ alca
lino-terroso>. Acesso em 12 Set.2009.
A soda cáustica (NaOH – hidróxido de sódio) é, nas condições ambiente, um sólido
branco bastante higroscópico (absorve a água presente no ar). Caracteriza-se por
ser uma base de Arrhenius muito forte, portanto, é utilizada para neutralizar ácidos
fortes ou tornar rapidamente alcalino um meio reacional, mesmo em poucas
concentrações. Sua obtenção origina-se da eletrólise de cloreto de sódio (NaCl) em
meio aquoso.
É frequentemente utilizada para desobstrução de encanamentos por ser capaz de
dissolver gorduras. Entretanto, pelo seu poder corrosivo, é muito perigosa e pode
provocar desde vermelhidão (em contato com a pele) até queimaduras graves.
Propriedades Físico-Químicas
Estado Físico: Sólido higroscópico
Cor: Branco leitoso
Odor: Inodoro
Temperatura de fusão: 322°C
Temperatura de ebulição: 1388°C
Densidade específica: 2,13 g/cm³
Combustível: Não
Utilização
Tratamento de efluentes (resíduos), através da mudança de pH;
Tratamento de celulose;
Detergentes e sabões;
Borrachas remanufaturadas;
Catalisador de hidrólise de nitrilas, ésteres e cloretos de acila;
Fabricação de vidros opacos;
Indústria alimentícia (correção de pH).
Toxicologia e Primeiros Socorros
O hidróxido de sódio é muito reativo e corrosivo, por isso deve ser manipulado com
o máximo de cuidado. Seus efeitos podem ser vistos independente da via de
contaminação:
Ingestão
A ingestão de soda cáustica é extremamente perigosa porque pode causar graves
queimaduras e perfurações nos tecidos da boca, garganta, esôfago e estômago.
Caso isso ocorra, não se deve ingerir nada além de grandes volumes de água; o
vômito deve ser evitado (se for espontâneo, deve-se deixar as vias respiratórias
desobstruídas), e o serviço médico deve ser procurado imediatamente.
Inalação
A presença de borrifos de NaOH no ar pode provocar pneumonia química, a
depender do tempo de exposição e da concentração.
Com esse tipo de contaminação, o melhor a ser
feito é levar a vítima para um local arejado. Se a mesma não estiver respirando,
deve-se forçar reanimação e, se possível, administrar oxigênio puro. Em seguida,
procurar atendimento médico.
Contato com a pele
Pode causar desde vermelhidão e ardência a queimaduras severas. Portanto, deve-
se lavar o local atingido com água corrente e procurar serviço médico, mesmo com
pequenas contaminações.
Contato com os olhos
O NaOH pode provocar queimaduras muito graves no tecido ocular, assim, deve-se
lavar os olhos por, pelo menos, 20 minutos com água corrente deixando as
pálpebras bem abertas. Sendo imprescindível, também, serviço médico apropriado.
Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Hidróxido_de_sódio
http://www.nutritotal.com.br/perguntas/?acao=bu&categoria=1&id=436
http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/330
http://www.caii.com.br/downloads/fispq-sodaescama.doc
A reação é extremamente exotérmica (libera calor), e pela grande reatividade do
metal é uma reação violenta (lembra que está bem na esquerda da tabela periódica?
bemmmmm eletropositivo?).
Evidentemente foi usada uma quantidade mínima de sódio, o experimento foi feito
por razões didáticas, de modo controlado, em lugar adequado e por profissionais
capacitados e protegidos por EPIs.
A coloração da água está rosada porque se colocou o indicador fenolftaleina (incolor
para ácido, "rosa" para bases). Quando o sódio metálico reage com a água, há
formação de hidróxido de sódio (NaOH) a chamada soda cáustica.
Na +H2O ---> NaOH
NaOH + H2O ---> Na+ + OH-
Fica claro que o fogo em sódio metálico nunca, jamais, em tempo algum pode ser
apagado por água (a água é que provoca o fogo...). O fogo assim deve ser extintor
por abafamento
Tina de vidro.
Faca.
Pinça metálica.
Reagentes e material
necessário
Um pequeno bocado de sódio metálico.
Água.
Solução alcoólica de fenolftaleína (opcional).
Deita água na tina de vidro até cerca de meia altura.
Adiciona algumas gotas (3 a 4 gotas) de solução alcoólica de fenoftaleína à
água.
Corta uma pequena porção de sódio, com a ajuda de uma pequena faca e
uma pinça metálica.
Nunca toques com as mãos no sódio !
Adiciona o sódio à água e afasta-te imediatamente, cerca de 2 metros.
Observa a reação química.
É seguramente das mais espetaculares reacções químicas!
Procedimento
experimental
Explicação
Ficou gravada na memória de gerações de estudantes que tiveram a oportunidade
de a observar nas suas aulas de química.
A elevada reatividade do sódio metálico revela-se aqui no contacto com a água.
Desta combinação resultam o hidróxido de sódio (que se dissolve na água) e o
hidrogénio. O gás hidrogénio liberta-se na superfície de contacto entre o sódio e a
água com uma rapidez tal que faz do pequeno pedaço de sódio um mini-hovercraft.
A equação química correspondente é:
2 Na (s) + 2 H2O (l) ---> 2 NaOH (sol. aquosa) + H2 (g)
Simultaneamente verifica-se um aumento acentuado de temperatura, o que por
vezes provoca a ignição do hidrogénio. Este fato aliado ao carácter corrosivo do
sódio metálico torna-a uma reação perigosa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
Endler Marcel Borges
 
APOSTILA DE QUÍMICA INORGÂNICA
APOSTILA DE QUÍMICA INORGÂNICAAPOSTILA DE QUÍMICA INORGÂNICA
APOSTILA DE QUÍMICA INORGÂNICA
primaquim
 
Elementos do bloco p
Elementos do bloco pElementos do bloco p
Elementos do bloco p
Vanessa Neres
 
Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios
Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios
Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios
Lucas Valente
 
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e SaisQuímica Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Lucas Valente
 
Grupo I ao VI (Identificação de ânions)
Grupo I ao VI (Identificação de ânions)Grupo I ao VI (Identificação de ânions)
Grupo I ao VI (Identificação de ânions)
Sarah Ornellas
 
Apostila de Química Analítica Qualitativa
Apostila de Química Analítica QualitativaApostila de Química Analítica Qualitativa
Apostila de Química Analítica Qualitativa
Dharma Initiative
 
Relatório corrosão
Relatório corrosãoRelatório corrosão
Relatório corrosão
Lidia Azevedo Ferreira
 
Inorganica reacoes-e-funcoes
Inorganica reacoes-e-funcoesInorganica reacoes-e-funcoes
Inorganica reacoes-e-funcoes
Maria Amélia Lattaro
 
5361 13022-1-pb(1)
5361 13022-1-pb(1)5361 13022-1-pb(1)
5361 13022-1-pb(1)
Felipe Avelino
 
Química função inorgânica
Química   função inorgânicaQuímica   função inorgânica
Química função inorgânica
Rubao1E
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Jessica Amaral
 
Quimica Analitica - Valdo'
Quimica Analitica - Valdo' Quimica Analitica - Valdo'
Quimica Analitica - Valdo'
Rock Dellura
 
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioSíntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Cybele Sobrenome
 
Aulainterativarevisaoquimica
AulainterativarevisaoquimicaAulainterativarevisaoquimica
Aulainterativarevisaoquimica
Leticia Ferraz
 
24 xidos-2-1216605956716891-8
24 xidos-2-1216605956716891-824 xidos-2-1216605956716891-8
24 xidos-2-1216605956716891-8
Edlas Junior
 
Halogênios
HalogêniosHalogênios
Halogênios
Rubens Costa
 
Geo 5 Minerais Sua IdentificaçãO
Geo 5   Minerais    Sua IdentificaçãOGeo 5   Minerais    Sua IdentificaçãO
Geo 5 Minerais Sua IdentificaçãO
Nuno Correia
 
Aula 28042015
Aula 28042015Aula 28042015
Aula 28042015
Endler Marcel Borges
 
Pratica 13 quimica
Pratica 13  quimicaPratica 13  quimica
Pratica 13 quimica
Caroline Bertuluci
 

Mais procurados (20)

Aula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umidaAula cations e anions via umida
Aula cations e anions via umida
 
APOSTILA DE QUÍMICA INORGÂNICA
APOSTILA DE QUÍMICA INORGÂNICAAPOSTILA DE QUÍMICA INORGÂNICA
APOSTILA DE QUÍMICA INORGÂNICA
 
Elementos do bloco p
Elementos do bloco pElementos do bloco p
Elementos do bloco p
 
Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios
Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios
Química Inorgânica - Estudo da família dos Halogênios
 
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e SaisQuímica Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
Química Geral - Acidos, Hidroxidos e Sais
 
Grupo I ao VI (Identificação de ânions)
Grupo I ao VI (Identificação de ânions)Grupo I ao VI (Identificação de ânions)
Grupo I ao VI (Identificação de ânions)
 
Apostila de Química Analítica Qualitativa
Apostila de Química Analítica QualitativaApostila de Química Analítica Qualitativa
Apostila de Química Analítica Qualitativa
 
Relatório corrosão
Relatório corrosãoRelatório corrosão
Relatório corrosão
 
Inorganica reacoes-e-funcoes
Inorganica reacoes-e-funcoesInorganica reacoes-e-funcoes
Inorganica reacoes-e-funcoes
 
5361 13022-1-pb(1)
5361 13022-1-pb(1)5361 13022-1-pb(1)
5361 13022-1-pb(1)
 
Química função inorgânica
Química   função inorgânicaQuímica   função inorgânica
Química função inorgânica
 
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAISQuimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
Quimica Experimental - Relatorio REAÇÕES COM METAIS
 
Quimica Analitica - Valdo'
Quimica Analitica - Valdo' Quimica Analitica - Valdo'
Quimica Analitica - Valdo'
 
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioSíntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
 
Aulainterativarevisaoquimica
AulainterativarevisaoquimicaAulainterativarevisaoquimica
Aulainterativarevisaoquimica
 
24 xidos-2-1216605956716891-8
24 xidos-2-1216605956716891-824 xidos-2-1216605956716891-8
24 xidos-2-1216605956716891-8
 
Halogênios
HalogêniosHalogênios
Halogênios
 
Geo 5 Minerais Sua IdentificaçãO
Geo 5   Minerais    Sua IdentificaçãOGeo 5   Minerais    Sua IdentificaçãO
Geo 5 Minerais Sua IdentificaçãO
 
Aula 28042015
Aula 28042015Aula 28042015
Aula 28042015
 
Pratica 13 quimica
Pratica 13  quimicaPratica 13  quimica
Pratica 13 quimica
 

Semelhante a íNdice

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOSRELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
Ezequias Guimaraes
 
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdfLABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
Santos Raimundo
 
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos MetaisSérie Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Vitor Peixoto
 
Apostila de 2012
Apostila de 2012Apostila de 2012
Apostila de 2012
Rosa0708
 
Inor parte 2
Inor parte 2Inor parte 2
Inor parte 2
Fábio Oisiovici
 
ELEMENTOS DO BLOCO 13.pptx.................mmmmmm...m
ELEMENTOS DO BLOCO 13.pptx.................mmmmmm...mELEMENTOS DO BLOCO 13.pptx.................mmmmmm...m
ELEMENTOS DO BLOCO 13.pptx.................mmmmmm...m
202210082
 
EXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
EXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICAEXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
EXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
primaquim
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
Larissa Cadorin
 
8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf
8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf
8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf
FernandaMarcelinoCor
 
82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt
82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt
82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt
André Luis Della Volpe
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
Ezequias Guimaraes
 
Messages
MessagesMessages
Messages
Laah Santana
 
72285373 apostila-quimica-inorganica
72285373 apostila-quimica-inorganica72285373 apostila-quimica-inorganica
72285373 apostila-quimica-inorganica
uagno
 
Calcogênios família 6 a - química
Calcogênios   família 6 a - químicaCalcogênios   família 6 a - química
Calcogênios família 6 a - química
Tiago dos Reis Almeida
 
Conceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de reduçãoConceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de redução
Celestino Silva
 
Ligaçãox propriedades v2_2014
Ligaçãox propriedades v2_2014Ligaçãox propriedades v2_2014
Ligaçãox propriedades v2_2014
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
Fagner Aquino
 
Família do Carbono (4A ou 14)
Família do Carbono (4A ou 14)Família do Carbono (4A ou 14)
Família do Carbono (4A ou 14)
Alana Félix
 
Reação química 2014
Reação química 2014Reação química 2014
Reação química 2014
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
loirissimavivi
 

Semelhante a íNdice (20)

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOSRELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DE HIDRÓXIDOS DOS METAIS ALCALINOS TERROSOS
 
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdfLABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
LABORATÓRIO-DE-QUÍMICA-DOS-ELEMENTOS-QUI081-2017-GRUPO-2.pdf
 
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos MetaisSérie Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
 
Apostila de 2012
Apostila de 2012Apostila de 2012
Apostila de 2012
 
Inor parte 2
Inor parte 2Inor parte 2
Inor parte 2
 
ELEMENTOS DO BLOCO 13.pptx.................mmmmmm...m
ELEMENTOS DO BLOCO 13.pptx.................mmmmmm...mELEMENTOS DO BLOCO 13.pptx.................mmmmmm...m
ELEMENTOS DO BLOCO 13.pptx.................mmmmmm...m
 
EXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
EXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICAEXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
EXERCICIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf
8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf
8 - Reações químicas estudo qualitativo.pdf
 
82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt
82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt
82216475-Grupo-2-Os-Metais-Alcalinos-Terrosos.ppt
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
 
Messages
MessagesMessages
Messages
 
72285373 apostila-quimica-inorganica
72285373 apostila-quimica-inorganica72285373 apostila-quimica-inorganica
72285373 apostila-quimica-inorganica
 
Calcogênios família 6 a - química
Calcogênios   família 6 a - químicaCalcogênios   família 6 a - química
Calcogênios família 6 a - química
 
Conceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de reduçãoConceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de redução
 
Ligaçãox propriedades v2_2014
Ligaçãox propriedades v2_2014Ligaçãox propriedades v2_2014
Ligaçãox propriedades v2_2014
 
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
 
Família do Carbono (4A ou 14)
Família do Carbono (4A ou 14)Família do Carbono (4A ou 14)
Família do Carbono (4A ou 14)
 
Reação química 2014
Reação química 2014Reação química 2014
Reação química 2014
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
 

íNdice

  • 1. Índice Introdução ----------------------------------------------------------------------- Pág. 03 Propriedades Físicas e Químicas----------------------------------------- Pág. 05 Objetivo -------------------------------------------------------------------------- Pág. 07 Materiais e Reagentes ------------------------------------------------------- Pág. 07 Parte experimental ------------------------------------------------------------ Pág. 08 Prática 1 -------------------------------------------------------------------- Pág. 08 Prática 2 -------------------------------------------------------------------- Pág. 08 Resultados e discussões ---------------------------------------------------- Pág. 09 6.1 Prática 1 ---------------------------------------------------------------- Pág. 09 6.2 Prática 2 ---------------------------------------------------------------- Pág. 09 Conclusão ----------------------------------------------------------------------- Pág. 10 Revisão Bibliográfica --------------------------------------------------------- Pág. 11 2. Propriedades Físicas e Químicas As propriedades dos metais alcalinos estão intimamente relacionadas com sua estrutura eletrônica e seu tamanho. Todos os elementos são metais, excelentes condutores de eletricidade e moles. São muito reativos e perdem rapidamente o brilho quando expostos ao ar seco. Todos reagem com água, liberando hidrogênio e formando os correspondentes hidróxidos. Queimam ao
  • 2. ar formando óxidos, embora o produto formado varia de acordo com o metal. Reagem com enxofre formando sulfetos. São muito eletropositivos formando bases muito fortes e oxossais muito estáveis. [J.D.Lee, 1999] Já as propriedades dos metais alcalinos-terrosos apresentam as mesmas tendências nas propriedades que foram observadas no grupo 1, contudo, o berílio é um exceção. Cálcio, estrôncio e bário reagem facilmente com água fria, liberando hidrogênio e formando os hidróxidos. [J.D.Lee, 1999] Ca + 2H2O Ca(OH)2 + H2 O magnésio não reage com água fria, mas é capaz de decompor água quente. [J.D.Lee, 1999] Mg + 2H2O Mg(OH)2 + H2 Ou Mg + 2H2O MgO + H2 O hidróxido de berílioé anfótero, mas os outros, de Mg, Ca, Sr e Ba, são básicos. A força da base aumenta do Mg ao Ba, de modo que os elementos do grupo 2 apresentam a tendência normal de aumento de suas propriedades básicas, de cima para baixo dentro do grupo. [J.D.Lee, 1999] Todos os metais do grupo 2 reagem com ácidos liberando H2, embora o berílio reaja lentamente. O Be reage com NaOH, porém Mg, Ca, Sr e Ba não reagem, sendo tipicamente básicos. Essas reações ilustram o caráter crescente dos elementos, ao se descer pelo grupo. [J.D.Lee, 1999] Mg + 2HCl MgCl2 + H2 Be + 2NaOH + 2H2O Na2[Be(OH)4] + H2
  • 3. Ou Be + 2NaOH + 2H2O NaBeO2 . H2O + H2 Todos os elementos desse grupo queimam em atmosfera de O2 formando óxidos, MO. O Mg queima ao ar emitindo um brilho extremamente intenso e liberando uma grande quantidade de calor. Esse fato é aproveitado para dar início a uma reação térmita com alumínio (reação aluminotérmica) e também como fonte de luz nos antigos bulbos de flash fotográfico. [J.D.Lee, 1999] Mg + ar MgO + Mg3N2 O MgO não é muito reativo, principalmente quando previamente aquecido a altas temperaturas. Por esse motivo, é utilizado como material refratário. Possui várias propriedades que o torna adequado para o revestimento de altos fornos, tais como: Elevados pontos de fusão (~ 2800o C). Pressões de vapor extremamente baixas. Elevada condutividade térmica. Inércia química. Alta resistividade elétrica. [J.D.Lee, 1999] O Mg(OH)2 é muito pouco solúvel em água ( cerca de 1x 10-4 g l-1 a 20 o C), mas os hidróxidos são solúveis e a solubilidade aumenta ao se descer pelo grupo ( Ca(OH)2 ~ 2 g l-1 ; Sr(OH)2 ~ 8 g l-1 e Ba(OH)2 ~ 39 g l-1 ). O Mg(OH)2 é fracamente básico, sendo usado no tratamento de acidez associada à indigestão. Os outros hidróxidos são bases fortes. [J.D.Lee, 1999]
  • 4. Objetivo O objetivo deste relatório é de observar a reatividade do elemento sódio metálico.A partir das reações realizadas, a análise do produto formado e a forma como tal elemento reagiu, podemos concluir algumas de suas propriedades características e a reatividade do mesmo. 4. Materiais e Reagentes - Fenolftaleína; - Béqueres; - Pinça Metálica; - Vidro de relógio; - Bico de Bunsen; - Cadinho; - Tubo de ensaio; - Amostras metálicas de Mg e Na; - Mármore em pó (CaCO3). 5. Parte Experimental 5.1 Prática 1. Metais Alcalinos. a) Observação da oxidação espontânea dos metais: Cortou-se em pequenos pedaços de Na e deixou-os por alguns minutos expostos ao ar.
  • 5. b) Formação de hidróxidos: Encheu-se um béquer com água e adicionou-se uma pequena amostra de metal. E observou-se a reação que ocorre. E para comprovar a formação do hidróxido pingou-se algumas gotas de fenolftaleína sobre a solução. 5.2 Prática 2. Metais Alcalinos Terrosos. a) Formação de óxidos e Formação de hidróxido de magnésio: Aqueceu-se com o auxilio da pinça metálica, um pedaço de magnésio metálico em fita sobre um vidro de relógio (não olhou-se diretamente para a luz que se desprende, pois a luz emitida na combustão do magnésio é rica em radiação quimicamente ativa). Adicionou-se o resíduo da combustão em um tubo de ensaio com água. Agitou-se e cotejou-se fenolftaleína para confirmar a formação do hidróxido. b) Formação de hidróxido de cálcio: Aqueceu-se no cadinho uma porça de carbonato de cálcio. Deixou-se o cadinho esfriar e testou-se a formação de CaO (oxido), pela adição de água ao cadinho e posteriormente gotejo-se fenolftaleína para observar a coloração rósea que indicou- se a formação do hidróxido de cálcio. 6. Resultados e Discussões 6.1 Prática 1. Metais Alcalinos. a) Observação da oxidação espontânea dos metais: Verificou que a coloração do metal torna-se rapidamente esbranquiçada, devido à rápida de uma camada de oxido em suas superfícies. b) Formação de hidróxidos:
  • 6. Houve uma efervescência, constatando a liberação de H2. Formou-se uma base (NaOH) que é visto pela coloração rosa do indicador Fenolftaleína. O Na funde-se com o calor liberado na reação e fica “dançando” sobre a superfície da água. A equação que representa a reação observada é: 2 Na + H2O → 2 NaOH 6.2 Prática 2. Metais Alcalinos Terrosos. a) Formação de óxidos e Formação de hidróxido de magnésio: Observamos que, ao aquecer o magnésio metálico, houve uma queima do elemento sólido, com emissão de um brilho intenso e liberação de uma grande quantidade de calor. Ao adicionarmos o produto da combustão em um tubo de ensaio com água, provou-se, através do uso do indicador, que tratava-se do óxido básico de magnésio. Formação de hidróxido de cálcio: Observamos que houve a formação de seu óxido correspondente, com posterior liberação de gás carbônico. Esta reação foi confirmada após a adição da água ao cadinho e posterior gotejamento do indicador, mostrando que havia CaO: CaO + H2O → Ca(OH)2 7. Conclusão Podemos concluir que, os metais alcalinos e alcalinos terrosos possuem semelhanças e diferenças distintas. Em relação à reatividade, tanto os metais alcalinos quanto os alcalinos terrosos reagem com oxigênio do ar formando seus respectivos óxidos. Em relação à formação de óxidos e hidróxidos, somente os elementos do grupo dos alcalinos terrosos podem ser preparados pela combinação direta dos elementos ou pela decomposição térmica dos carbonatos. Em relação à solubilidade dos sais,
  • 7. todos os cloretos de metais alcalinos e alcalinos terrosos utilizados na preparação das soluções apresentam solubilidade em água. Revisão Bibliográfica MAHAN, B. M. Química: Um curso universitário. 4. ed. São Paulo : Edgard Blucher, 2003; BROWN, T. L. Química: A ciência central. 2 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005; LEE, J. D. Química Inorgânica não tão concisa. 5. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1999; Metais Alcalinos Terrosos. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org /wik/ metal_ alca lino-terroso>. Acesso em 12 Set.2009. A soda cáustica (NaOH – hidróxido de sódio) é, nas condições ambiente, um sólido branco bastante higroscópico (absorve a água presente no ar). Caracteriza-se por ser uma base de Arrhenius muito forte, portanto, é utilizada para neutralizar ácidos fortes ou tornar rapidamente alcalino um meio reacional, mesmo em poucas concentrações. Sua obtenção origina-se da eletrólise de cloreto de sódio (NaCl) em meio aquoso.
  • 8. É frequentemente utilizada para desobstrução de encanamentos por ser capaz de dissolver gorduras. Entretanto, pelo seu poder corrosivo, é muito perigosa e pode provocar desde vermelhidão (em contato com a pele) até queimaduras graves. Propriedades Físico-Químicas Estado Físico: Sólido higroscópico Cor: Branco leitoso Odor: Inodoro Temperatura de fusão: 322°C Temperatura de ebulição: 1388°C Densidade específica: 2,13 g/cm³ Combustível: Não Utilização Tratamento de efluentes (resíduos), através da mudança de pH; Tratamento de celulose; Detergentes e sabões; Borrachas remanufaturadas; Catalisador de hidrólise de nitrilas, ésteres e cloretos de acila; Fabricação de vidros opacos; Indústria alimentícia (correção de pH). Toxicologia e Primeiros Socorros O hidróxido de sódio é muito reativo e corrosivo, por isso deve ser manipulado com o máximo de cuidado. Seus efeitos podem ser vistos independente da via de contaminação: Ingestão A ingestão de soda cáustica é extremamente perigosa porque pode causar graves queimaduras e perfurações nos tecidos da boca, garganta, esôfago e estômago. Caso isso ocorra, não se deve ingerir nada além de grandes volumes de água; o
  • 9. vômito deve ser evitado (se for espontâneo, deve-se deixar as vias respiratórias desobstruídas), e o serviço médico deve ser procurado imediatamente. Inalação A presença de borrifos de NaOH no ar pode provocar pneumonia química, a depender do tempo de exposição e da concentração. Com esse tipo de contaminação, o melhor a ser feito é levar a vítima para um local arejado. Se a mesma não estiver respirando, deve-se forçar reanimação e, se possível, administrar oxigênio puro. Em seguida, procurar atendimento médico. Contato com a pele Pode causar desde vermelhidão e ardência a queimaduras severas. Portanto, deve- se lavar o local atingido com água corrente e procurar serviço médico, mesmo com pequenas contaminações. Contato com os olhos O NaOH pode provocar queimaduras muito graves no tecido ocular, assim, deve-se lavar os olhos por, pelo menos, 20 minutos com água corrente deixando as pálpebras bem abertas. Sendo imprescindível, também, serviço médico apropriado.
  • 10. Fontes: http://pt.wikipedia.org/wiki/Hidróxido_de_sódio http://www.nutritotal.com.br/perguntas/?acao=bu&categoria=1&id=436 http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/330 http://www.caii.com.br/downloads/fispq-sodaescama.doc A reação é extremamente exotérmica (libera calor), e pela grande reatividade do metal é uma reação violenta (lembra que está bem na esquerda da tabela periódica? bemmmmm eletropositivo?). Evidentemente foi usada uma quantidade mínima de sódio, o experimento foi feito por razões didáticas, de modo controlado, em lugar adequado e por profissionais capacitados e protegidos por EPIs. A coloração da água está rosada porque se colocou o indicador fenolftaleina (incolor para ácido, "rosa" para bases). Quando o sódio metálico reage com a água, há formação de hidróxido de sódio (NaOH) a chamada soda cáustica. Na +H2O ---> NaOH NaOH + H2O ---> Na+ + OH- Fica claro que o fogo em sódio metálico nunca, jamais, em tempo algum pode ser apagado por água (a água é que provoca o fogo...). O fogo assim deve ser extintor por abafamento Tina de vidro. Faca. Pinça metálica. Reagentes e material necessário
  • 11. Um pequeno bocado de sódio metálico. Água. Solução alcoólica de fenolftaleína (opcional). Deita água na tina de vidro até cerca de meia altura. Adiciona algumas gotas (3 a 4 gotas) de solução alcoólica de fenoftaleína à água. Corta uma pequena porção de sódio, com a ajuda de uma pequena faca e uma pinça metálica. Nunca toques com as mãos no sódio ! Adiciona o sódio à água e afasta-te imediatamente, cerca de 2 metros. Observa a reação química. É seguramente das mais espetaculares reacções químicas! Procedimento experimental Explicação
  • 12. Ficou gravada na memória de gerações de estudantes que tiveram a oportunidade de a observar nas suas aulas de química. A elevada reatividade do sódio metálico revela-se aqui no contacto com a água. Desta combinação resultam o hidróxido de sódio (que se dissolve na água) e o hidrogénio. O gás hidrogénio liberta-se na superfície de contacto entre o sódio e a água com uma rapidez tal que faz do pequeno pedaço de sódio um mini-hovercraft. A equação química correspondente é: 2 Na (s) + 2 H2O (l) ---> 2 NaOH (sol. aquosa) + H2 (g) Simultaneamente verifica-se um aumento acentuado de temperatura, o que por vezes provoca a ignição do hidrogénio. Este fato aliado ao carácter corrosivo do sódio metálico torna-a uma reação perigosa.