SlideShare uma empresa Scribd logo
Disciplina de Português Profª:  Helena Maria Coutinho
Lisboa(?),1525(?) - Lisboa, 10 de Junho de 1580 Luís de Camões. Gravura em cobre de Fernando Gomes.  Este é considerado o mais autêntico retrato do poeta, cujo original, que se perdeu, foi pintado ainda em sua vida. Torre do Tombo
Desconhece-se a data e local exacto onde Camões terá nascido, no entanto admite-se que nasceu  entre 1517 e 1525 .  A sua família, de origem galega, fixou-se no concelho de Chaves, na freguesia de Vilar de Nantes, e mais tarde mudou-se para Coimbra e para Lisboa, ambos lugares reivindicam ser o local do seu nascimento.  O pai de Camões chamava-se Simão Vaz de Camões, a sua mãe Ana de Sá e Macedo.  Camões era por via paterna trineto do trovador galego Vasco Pires de Camões e, por via materna, aparentado com o navegador Vasco da Gama.
Da família Camões sabe-se, presentemente:
U. de Coimbra  Durante algum tempo viveu em  Coimbra , onde frequentou o curso de Humanidades, provavelmente no Mosteiro de Santa Cruz, onde o seu tio D. Bento de Camões era padre.  Não existem registos da passagem do poeta por Coimbra, contudo a cultura refinada dos seus escritos torna a única universidade de Portugal da altura o lugar mais provável da sua educação.
Coimbra, séc. XVI
Lisboa nos inícios do séc. XVI.  Duarte Galvão,  Crónica d'el Rei Dom Afonso Henriques , c. 1520 Entre 1542 e 1545  viveu em Lisboa, trocando os estudos pela presença na corte de D. João III, conquistando a fama de poeta e de feitio altivo.
Através da sua ligação à casa do Conde de Linhares, a D. Francisco de Noronha, e provavelmente como preceptor do filho de D. António, em  1549  viajou para  Ceuta , seguindo a carreira militar e por lá permaneceu até  1551 .  Foi em  Ceuta  que em combate perdeu o seu olho direito mas ainda assim manteve as suas potencialidades de combate.
Quando regressou a Lisboa não demorou a voltar à vida boémia.  São-lhe atribuídos vários amores, não só por damas da corte mas até pela própria irmã do Rei D. Manuel I.  Segundo Manuel de Faria e Sousa, o seu principal biógrafo e comentador, em  1550  Camões destina-se a  viajar até à Índia .  Consta do registo da Armada desse ano, que Faria encontrou a seguinte indicação “ Luís de Camões, filho de Simão Vaz e Ana de Sá, moradores em Lisboa na Mouraria; escudeiro, de 25 anos, barbirruivo, trouxe por fiador a seu pai; vai na nau de S. Pedro dos Burgaleses. ” Camões ia assentado entre os homens de armas, no entanto sabe-se que nunca chegou a embarcar.
Por essa altura teria caído em desagrado na corte, a ponto de ser desterrado para Constância.
No dia de Corpus Christi de 1552 Camões entrou numa rixa no Rossio onde feriu Gonçalo Borges, acabando preso.  Assim, é preso na Cadeia do Tronco, em Lisboa, onde passou alguns meses, após os quais, obtendo o perdão do agredido, consegue também o indulto de D. João III.  Rua das Portas de Santo Antão (Túnel do Pátio da Cadeia do Tronco)
1553: É libertado por carta régia de perdão de 7.3.1552 e embarca para a Índia ao serviço do rei. Sabe-se que, em 1556, Camões exerce o serviço militar e alguns cargos administrativos na Índia.  Goa no Sec. XVI
Camões na prisão de Goa, em pintura anónima de 1556. Na época teria surgido a público uma sátira anónima criticando a imoralidade e a corrupção reinantes, que foi atribuída a Camões. Sendo as sátiras condenadas pelas Ordenações Manuelinas, terá sido preso por isso. Mas colocou-se a hipótese de a prisão ter ocorrido graças a dívidas contraídas.  É possível que permanecesse na prisão até 1561, ou antes disso tenha sido novamente condenado, pois, assumindo o governo Dom Francisco Coutinho, foi por ele liberto, empregado e protegido. 1556.
Nos anos seguintes, serviu no Oriente, ora como  soldado , ora como  funcionário , pensando-se que esteve mesmo em território chinês, onde teria exercido o cargo de  Provedor dos Defuntos e Ausentes , a partir de  1558 . Oriente; Chineses, gravuras, séc XV e XVI
Em  1556  Camões partiu para Macau onde viveu numa gruta (hoje com o seu nome) e onde continuou os seus escritos. É aqui que Camões terá escrito uma grande parte da sua obra “Os Lusíadas”.
 
Jardim de L. de Camões, em Macau
Naufragou na foz do rio Mekong, onde conseguiu conservar de forma heróica o manuscrito da sua obra, então já adiantada; No entanto, neste desastre morreu a sua companheira chinesa Dinamene, celebrada posteriormente numa série de sonetos.
Naufragou na foz do rio Mekong, onde conseguiu conservar de forma heróica o manuscrito da sua obra, então já adiantada, no entanto, neste desastre morreu a sua companheira chinesa Dinamene, celebrada posteriormente numa série de sonetos.
 
Em Agosto de  1560  regressou a  Goa  onde solicitou a protecção do Vice-Rei D. Constantino de Bragança num longo poema em oitavas.  1562:   Acabou por ser aprisionado por dívidas tendo dirigido súplicas em verso ao novo Vice-Rei, D. Francisco Coutinho, conde do Redondo, para ser liberto.  É libertado pelo vice-rei e distinguido como seu protegido.
De regresso ao Reino, em  1568  fez escala na  ilha de Moçambique  onde, passados dois anos, Diogo do Couto o encontrou. Durante esse período Camões viveu às custas de amigos e trabalhou na revisão de “Os Lusíadas” e na composição de “um Parnaso de Luís de Camões, com poesia, filosofia e outras ciências”, obra que foi roubada.
Diogo do Couto financiou-lhe o resto da viagem até Lisboa, onde Camões aportou em Abril de 1570, na nau de Santa Clara.
No ano de 1571 obteve licença da Santa Inquisição para publicar a sua obra, o que aconteceu no ano seguinte em  1572 .  Meses antes lera o poema a D. Sebastião.  Camões lendo  Os Lus í adas , por António Carneiro.
Em  1572  A 28 de Junho de 1572  D. Sebastião  concedeu ao poeta uma tença anual no valor de 15000 réis ,  recompensando-o pelos seus serviços no Oriente e pelo poema épico que entretanto publicara.
Em  1580,  Camões assistiu em Lisboa à partida do exército português para o norte de África.  No dia 10 de Junho desse mesmo ano Luís Vaz de Camões faleceu numa casa de Santana em Lisboa, sendo enterrado numa campa rasa numa das igrejas das proximidades.
D. Gonçalo Coutinho, um amigo de Camões, inscreveu na lápide da sepultura que reservara para o poeta: “ Aqui jaz Luís Vaz de Camões, príncipe dos poetas do seu tempo. Viveu pobre e miseravelmente e assim morreu.”  O seu túmulo perdeu-se com o terramoto de 1755, pelo que se ignora o paradeiro dos restos mortais do poeta, que não está sepultado em nenhum dos dois túmulos oficiais que hoje lhe são dedicados, um no Mosteiro dos Jerónimos e o outro no Panteão Nacional.
 
No entanto, sobre a vida de Camões é difícil distinguir aquilo que é realidade, daquilo que é mito e lenda romântica.
As Obras Camões afirma-se sobretudo na poesia lírica ( Rimas ), com grande variedade de géneros:   sonetos, canções, éclogas, redondilhas, etc..
Outras obras Apesar de ter escrito sobretudo poemas, Camões também se dedicou ao teatro e escreveu algumas comédias, como por exemplo:  Os Anfitriões, El-Rei Seleuco  e Filodemo .   Estas comédias ocupam um lugar à parte no teatro quinhentista, pois cada uma delas tinha uma dinâmica e um estilo próprios.  Seguiram o estilo dos poemas de Camões e falavam essencialmente de problemas morais e da problemática amorosa.
Além  d’ Os Lusíadas ,  da poesia lírica e do teatro  Camões escreveu ainda  cartas  que nos dão a conhecer as convivências literárias e boémias de Lisboa.
Estátua do poeta na Praça Luís de Camões, ao Bairro Alto em Lisboa
Praça Luís de Camões 1932, óleo sobre tela, 54x65,6 cm  Museu da Cidade, Lisboa Abel Manta
Sem informação
Em Sintra
…  em Constância Monumento ao poeta no Jardim Luís de Camões, Leiria.
Camões em pintura de José Malhoa. Luís Vaz de Camões  por François Geratd
«Camões na prisão de Goa» Óleo sobre tela de Maureaux
Camões por Mário Botas
retratado por Mestre António Soares
Retrato de Camões, óleo de A. Neves e Souza
Retrato de Camões, José Guimarães
Camões, pintura de Júlio Pomar
Azulejos Rua das Portas de Santo Antão (Túnel do Pátio da Cadeia do Tronco)
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Maria Góis
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
Ministério da Educação
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
gracacruz
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Susana Simões
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidadeEnc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Fernanda Pereira
 
Características do Romantismo
Características do RomantismoCaracterísticas do Romantismo
Características do Romantismo
Anabela Fernandes
 
Estilo manuelino
Estilo manuelinoEstilo manuelino
Estilo manuelino
berenvaz
 
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Os Maias   Episódios da Vida RomânticaOs Maias   Episódios da Vida Romântica
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Patrícia Pereira
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
Rosalina Simão Nunes
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
Paulo Gomes
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
Becre Celorico de Basto
 
Antero de Quental
Antero de QuentalAntero de Quental
Antero de Quental
010693
 
Os Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo XOs Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo X
António Fernandes
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Neizy Mandinga
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
Fernanda Pantoja
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
Isabel Martins
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 

Mais procurados (20)

Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidadeEnc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
 
Características do Romantismo
Características do RomantismoCaracterísticas do Romantismo
Características do Romantismo
 
Estilo manuelino
Estilo manuelinoEstilo manuelino
Estilo manuelino
 
Os Maias Episódios da Vida Romântica
Os Maias   Episódios da Vida RomânticaOs Maias   Episódios da Vida Romântica
Os Maias Episódios da Vida Romântica
 
Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
 
Antero de Quental
Antero de QuentalAntero de Quental
Antero de Quental
 
Os Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo XOs Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo X
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 

Destaque

Vida E Obra De Gil Vicente
Vida E Obra De Gil VicenteVida E Obra De Gil Vicente
Vida E Obra De Gil Vicente
Delfina Vernuccio
 
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
lurdesmartins
 
Camões e a epopeia
Camões e a epopeiaCamões e a epopeia
Camões e a epopeia
isabeldovaletrabucho
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
sin3stesia
 
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil VicenteOrigem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
João Duarte
 
Amor é um fogo
Amor é um fogoAmor é um fogo
Amor é um fogo
Paula Oliveira Cruz
 
Gil vicente
Gil vicente Gil vicente
Gil vicente
Paula Oliveira Cruz
 
Gil Vicente - a vida e obra
Gil Vicente - a vida e obraGil Vicente - a vida e obra
Gil Vicente - a vida e obra
Rosalina Simão Nunes
 
Vida e Obra de Gil Vicente
Vida e Obra de Gil VicenteVida e Obra de Gil Vicente
Vida e Obra de Gil Vicente
Tiago Barata
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
Helena Coutinho
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
Lurdes Augusto
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
Helena Coutinho
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Angela Silva
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 

Destaque (16)

Vida E Obra De Gil Vicente
Vida E Obra De Gil VicenteVida E Obra De Gil Vicente
Vida E Obra De Gil Vicente
 
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
 
Camões e a epopeia
Camões e a epopeiaCamões e a epopeia
Camões e a epopeia
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
 
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil VicenteOrigem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
Origem do teatro / Vida e Obra de Gil Vicente
 
Amor é um fogo
Amor é um fogoAmor é um fogo
Amor é um fogo
 
Gil vicente
Gil vicente Gil vicente
Gil vicente
 
Gil Vicente - a vida e obra
Gil Vicente - a vida e obraGil Vicente - a vida e obra
Gil Vicente - a vida e obra
 
Vida e Obra de Gil Vicente
Vida e Obra de Gil VicenteVida e Obra de Gil Vicente
Vida e Obra de Gil Vicente
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentaçãoAnalise dos poemas de camoes ... apresentação
Analise dos poemas de camoes ... apresentação
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 

Semelhante a Camoes vida-e-obra

Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .pptLuiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Marlene Cunhada
 
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.pptLuis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Marlene Cunhada
 
Camões e os lusíadas
Camões e os lusíadasCamões e os lusíadas
Camões e os lusíadas
Maria Rodrigues
 
Camões
CamõesCamões
Vida de camões epopeia
Vida de camões epopeiaVida de camões epopeia
Vida de camões epopeia
claudiarmarques
 
Luis vaz de camões
Luis vaz de camões Luis vaz de camões
Luis vaz de camões
Maria30031999
 
Luis vaz de camões
Luis vaz de camõesLuis vaz de camões
Luis vaz de camões
Maria30031999
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
teresakashino
 
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Alvaro Gomes
 
Autobiografia de Luís de Camões
Autobiografia de Luís de CamõesAutobiografia de Luís de Camões
Autobiografia de Luís de Camões
LetceO
 
Português - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoPortuguês - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou Classicismo
Luana D'Luna
 
Luís de camões nasceu em 1524 ou 25
Luís de camões nasceu em 1524 ou 25Luís de camões nasceu em 1524 ou 25
Luís de camões nasceu em 1524 ou 25
entreaspalavrasdecamoes
 
Luís de Camões
Luís de Camões Luís de Camões
Luís de Camões
entreaspalavrasdecamoes
 
Luís de Camões
Luís de CamõesLuís de Camões
Luís de Camões
entreaspalavrasdecamoes
 
Luís de Camões
Luís de Camões Luís de Camões
Luís de Camões
entreaspalavrasdecamoes
 
Biografia de Luís de Camões
Biografia de Luís de CamõesBiografia de Luís de Camões
Biografia de Luís de Camões
entreaspalavrasdecamoes
 
BIOGRAFIAS GIL VICENTE TIAGO REBELO LESLEY PERASE DITA VON TEESE FERNÃO LOPES...
BIOGRAFIAS GIL VICENTE TIAGO REBELO LESLEY PERASE DITA VON TEESE FERNÃO LOPES...BIOGRAFIAS GIL VICENTE TIAGO REBELO LESLEY PERASE DITA VON TEESE FERNÃO LOPES...
BIOGRAFIAS GIL VICENTE TIAGO REBELO LESLEY PERASE DITA VON TEESE FERNÃO LOPES...
Universidade Lusófona/ Faculdade de direito
 
Biografia de Luís de Camões
Biografia de Luís de CamõesBiografia de Luís de Camões
Biografia de Luís de Camões
entreaspalavrasdecamoes
 
Luís Vaz de camões
Luís Vaz de camõesLuís Vaz de camões
Luís Vaz de camões
Gateira
 
Vida de camões
Vida de camõesVida de camões
Vida de camões
Célia Tavares
 

Semelhante a Camoes vida-e-obra (20)

Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .pptLuiz  Vaz  de  Camoes - Vida-e-Obra .ppt
Luiz Vaz de Camoes - Vida-e-Obra .ppt
 
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.pptLuis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
Luis - Vaz - de - Camoes-Vida-e-Obra.ppt
 
Camões e os lusíadas
Camões e os lusíadasCamões e os lusíadas
Camões e os lusíadas
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Vida de camões epopeia
Vida de camões epopeiaVida de camões epopeia
Vida de camões epopeia
 
Luis vaz de camões
Luis vaz de camões Luis vaz de camões
Luis vaz de camões
 
Luis vaz de camões
Luis vaz de camõesLuis vaz de camões
Luis vaz de camões
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
 
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
 
Autobiografia de Luís de Camões
Autobiografia de Luís de CamõesAutobiografia de Luís de Camões
Autobiografia de Luís de Camões
 
Português - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoPortuguês - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou Classicismo
 
Luís de camões nasceu em 1524 ou 25
Luís de camões nasceu em 1524 ou 25Luís de camões nasceu em 1524 ou 25
Luís de camões nasceu em 1524 ou 25
 
Luís de Camões
Luís de Camões Luís de Camões
Luís de Camões
 
Luís de Camões
Luís de CamõesLuís de Camões
Luís de Camões
 
Luís de Camões
Luís de Camões Luís de Camões
Luís de Camões
 
Biografia de Luís de Camões
Biografia de Luís de CamõesBiografia de Luís de Camões
Biografia de Luís de Camões
 
BIOGRAFIAS GIL VICENTE TIAGO REBELO LESLEY PERASE DITA VON TEESE FERNÃO LOPES...
BIOGRAFIAS GIL VICENTE TIAGO REBELO LESLEY PERASE DITA VON TEESE FERNÃO LOPES...BIOGRAFIAS GIL VICENTE TIAGO REBELO LESLEY PERASE DITA VON TEESE FERNÃO LOPES...
BIOGRAFIAS GIL VICENTE TIAGO REBELO LESLEY PERASE DITA VON TEESE FERNÃO LOPES...
 
Biografia de Luís de Camões
Biografia de Luís de CamõesBiografia de Luís de Camões
Biografia de Luís de Camões
 
Luís Vaz de camões
Luís Vaz de camõesLuís Vaz de camões
Luís Vaz de camões
 
Vida de camões
Vida de camõesVida de camões
Vida de camões
 

Mais de Helena Coutinho

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Helena Coutinho
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
Helena Coutinho
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
Helena Coutinho
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
Helena Coutinho
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
Helena Coutinho
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
Helena Coutinho
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
Helena Coutinho
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
Helena Coutinho
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
Helena Coutinho
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
Helena Coutinho
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
Helena Coutinho
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
Helena Coutinho
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
Helena Coutinho
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
Helena Coutinho
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
Helena Coutinho
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Helena Coutinho
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
Helena Coutinho
 

Mais de Helena Coutinho (20)

. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhançasSanto antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
Santo antónio e padre antónio vieira – diferenças e semelhanças
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Cap iii louvores particular
Cap iii louvores particularCap iii louvores particular
Cap iii louvores particular
 
Cap ii louvores geral
Cap ii louvores geralCap ii louvores geral
Cap ii louvores geral
 
1. introd e estrutura
1. introd e estrutura1. introd e estrutura
1. introd e estrutura
 
Contexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieiraContexto histórico padre antónio vieira
Contexto histórico padre antónio vieira
 
. O texto dramático
. O texto dramático. O texto dramático
. O texto dramático
 
. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir. Batalha de alcácer quibir
. Batalha de alcácer quibir
 
Fls figuras reais
Fls figuras reaisFls figuras reais
Fls figuras reais
 
. Enredo
. Enredo. Enredo
. Enredo
 
. A obra e o contexto
. A obra e o contexto. A obra e o contexto
. A obra e o contexto
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Sete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob serviaSete anos de pastor jacob servia
Sete anos de pastor jacob servia
 
Oh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em anoOh! como se me alonga, de ano em ano
Oh! como se me alonga, de ano em ano
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 

Camoes vida-e-obra

  • 1. Disciplina de Português Profª: Helena Maria Coutinho
  • 2. Lisboa(?),1525(?) - Lisboa, 10 de Junho de 1580 Luís de Camões. Gravura em cobre de Fernando Gomes. Este é considerado o mais autêntico retrato do poeta, cujo original, que se perdeu, foi pintado ainda em sua vida. Torre do Tombo
  • 3. Desconhece-se a data e local exacto onde Camões terá nascido, no entanto admite-se que nasceu entre 1517 e 1525 . A sua família, de origem galega, fixou-se no concelho de Chaves, na freguesia de Vilar de Nantes, e mais tarde mudou-se para Coimbra e para Lisboa, ambos lugares reivindicam ser o local do seu nascimento. O pai de Camões chamava-se Simão Vaz de Camões, a sua mãe Ana de Sá e Macedo. Camões era por via paterna trineto do trovador galego Vasco Pires de Camões e, por via materna, aparentado com o navegador Vasco da Gama.
  • 4. Da família Camões sabe-se, presentemente:
  • 5. U. de Coimbra Durante algum tempo viveu em Coimbra , onde frequentou o curso de Humanidades, provavelmente no Mosteiro de Santa Cruz, onde o seu tio D. Bento de Camões era padre. Não existem registos da passagem do poeta por Coimbra, contudo a cultura refinada dos seus escritos torna a única universidade de Portugal da altura o lugar mais provável da sua educação.
  • 7. Lisboa nos inícios do séc. XVI.  Duarte Galvão, Crónica d'el Rei Dom Afonso Henriques , c. 1520 Entre 1542 e 1545 viveu em Lisboa, trocando os estudos pela presença na corte de D. João III, conquistando a fama de poeta e de feitio altivo.
  • 8. Através da sua ligação à casa do Conde de Linhares, a D. Francisco de Noronha, e provavelmente como preceptor do filho de D. António, em 1549 viajou para Ceuta , seguindo a carreira militar e por lá permaneceu até 1551 . Foi em Ceuta que em combate perdeu o seu olho direito mas ainda assim manteve as suas potencialidades de combate.
  • 9. Quando regressou a Lisboa não demorou a voltar à vida boémia. São-lhe atribuídos vários amores, não só por damas da corte mas até pela própria irmã do Rei D. Manuel I. Segundo Manuel de Faria e Sousa, o seu principal biógrafo e comentador, em 1550 Camões destina-se a viajar até à Índia . Consta do registo da Armada desse ano, que Faria encontrou a seguinte indicação “ Luís de Camões, filho de Simão Vaz e Ana de Sá, moradores em Lisboa na Mouraria; escudeiro, de 25 anos, barbirruivo, trouxe por fiador a seu pai; vai na nau de S. Pedro dos Burgaleses. ” Camões ia assentado entre os homens de armas, no entanto sabe-se que nunca chegou a embarcar.
  • 10. Por essa altura teria caído em desagrado na corte, a ponto de ser desterrado para Constância.
  • 11. No dia de Corpus Christi de 1552 Camões entrou numa rixa no Rossio onde feriu Gonçalo Borges, acabando preso. Assim, é preso na Cadeia do Tronco, em Lisboa, onde passou alguns meses, após os quais, obtendo o perdão do agredido, consegue também o indulto de D. João III. Rua das Portas de Santo Antão (Túnel do Pátio da Cadeia do Tronco)
  • 12. 1553: É libertado por carta régia de perdão de 7.3.1552 e embarca para a Índia ao serviço do rei. Sabe-se que, em 1556, Camões exerce o serviço militar e alguns cargos administrativos na Índia. Goa no Sec. XVI
  • 13. Camões na prisão de Goa, em pintura anónima de 1556. Na época teria surgido a público uma sátira anónima criticando a imoralidade e a corrupção reinantes, que foi atribuída a Camões. Sendo as sátiras condenadas pelas Ordenações Manuelinas, terá sido preso por isso. Mas colocou-se a hipótese de a prisão ter ocorrido graças a dívidas contraídas. É possível que permanecesse na prisão até 1561, ou antes disso tenha sido novamente condenado, pois, assumindo o governo Dom Francisco Coutinho, foi por ele liberto, empregado e protegido. 1556.
  • 14. Nos anos seguintes, serviu no Oriente, ora como soldado , ora como funcionário , pensando-se que esteve mesmo em território chinês, onde teria exercido o cargo de Provedor dos Defuntos e Ausentes , a partir de 1558 . Oriente; Chineses, gravuras, séc XV e XVI
  • 15. Em 1556 Camões partiu para Macau onde viveu numa gruta (hoje com o seu nome) e onde continuou os seus escritos. É aqui que Camões terá escrito uma grande parte da sua obra “Os Lusíadas”.
  • 16.  
  • 17. Jardim de L. de Camões, em Macau
  • 18. Naufragou na foz do rio Mekong, onde conseguiu conservar de forma heróica o manuscrito da sua obra, então já adiantada; No entanto, neste desastre morreu a sua companheira chinesa Dinamene, celebrada posteriormente numa série de sonetos.
  • 19. Naufragou na foz do rio Mekong, onde conseguiu conservar de forma heróica o manuscrito da sua obra, então já adiantada, no entanto, neste desastre morreu a sua companheira chinesa Dinamene, celebrada posteriormente numa série de sonetos.
  • 20.  
  • 21. Em Agosto de 1560 regressou a Goa onde solicitou a protecção do Vice-Rei D. Constantino de Bragança num longo poema em oitavas. 1562: Acabou por ser aprisionado por dívidas tendo dirigido súplicas em verso ao novo Vice-Rei, D. Francisco Coutinho, conde do Redondo, para ser liberto. É libertado pelo vice-rei e distinguido como seu protegido.
  • 22. De regresso ao Reino, em 1568 fez escala na ilha de Moçambique onde, passados dois anos, Diogo do Couto o encontrou. Durante esse período Camões viveu às custas de amigos e trabalhou na revisão de “Os Lusíadas” e na composição de “um Parnaso de Luís de Camões, com poesia, filosofia e outras ciências”, obra que foi roubada.
  • 23. Diogo do Couto financiou-lhe o resto da viagem até Lisboa, onde Camões aportou em Abril de 1570, na nau de Santa Clara.
  • 24. No ano de 1571 obteve licença da Santa Inquisição para publicar a sua obra, o que aconteceu no ano seguinte em 1572 . Meses antes lera o poema a D. Sebastião. Camões lendo Os Lus í adas , por António Carneiro.
  • 25. Em 1572 A 28 de Junho de 1572 D. Sebastião concedeu ao poeta uma tença anual no valor de 15000 réis , recompensando-o pelos seus serviços no Oriente e pelo poema épico que entretanto publicara.
  • 26. Em 1580, Camões assistiu em Lisboa à partida do exército português para o norte de África. No dia 10 de Junho desse mesmo ano Luís Vaz de Camões faleceu numa casa de Santana em Lisboa, sendo enterrado numa campa rasa numa das igrejas das proximidades.
  • 27. D. Gonçalo Coutinho, um amigo de Camões, inscreveu na lápide da sepultura que reservara para o poeta: “ Aqui jaz Luís Vaz de Camões, príncipe dos poetas do seu tempo. Viveu pobre e miseravelmente e assim morreu.” O seu túmulo perdeu-se com o terramoto de 1755, pelo que se ignora o paradeiro dos restos mortais do poeta, que não está sepultado em nenhum dos dois túmulos oficiais que hoje lhe são dedicados, um no Mosteiro dos Jerónimos e o outro no Panteão Nacional.
  • 28.  
  • 29. No entanto, sobre a vida de Camões é difícil distinguir aquilo que é realidade, daquilo que é mito e lenda romântica.
  • 30. As Obras Camões afirma-se sobretudo na poesia lírica ( Rimas ), com grande variedade de géneros: sonetos, canções, éclogas, redondilhas, etc..
  • 31. Outras obras Apesar de ter escrito sobretudo poemas, Camões também se dedicou ao teatro e escreveu algumas comédias, como por exemplo: Os Anfitriões, El-Rei Seleuco e Filodemo . Estas comédias ocupam um lugar à parte no teatro quinhentista, pois cada uma delas tinha uma dinâmica e um estilo próprios. Seguiram o estilo dos poemas de Camões e falavam essencialmente de problemas morais e da problemática amorosa.
  • 32. Além d’ Os Lusíadas , da poesia lírica e do teatro Camões escreveu ainda cartas que nos dão a conhecer as convivências literárias e boémias de Lisboa.
  • 33. Estátua do poeta na Praça Luís de Camões, ao Bairro Alto em Lisboa
  • 34. Praça Luís de Camões 1932, óleo sobre tela, 54x65,6 cm Museu da Cidade, Lisboa Abel Manta
  • 37. … em Constância Monumento ao poeta no Jardim Luís de Camões, Leiria.
  • 38. Camões em pintura de José Malhoa. Luís Vaz de Camões por François Geratd
  • 39. «Camões na prisão de Goa» Óleo sobre tela de Maureaux
  • 41. retratado por Mestre António Soares
  • 42. Retrato de Camões, óleo de A. Neves e Souza
  • 43. Retrato de Camões, José Guimarães
  • 44. Camões, pintura de Júlio Pomar
  • 45. Azulejos Rua das Portas de Santo Antão (Túnel do Pátio da Cadeia do Tronco)
  • 46.