SlideShare uma empresa Scribd logo
A Coexistência Política Como Facto Humano Trabalho Realizado por:  Ana Moita nº1 Gilberto Esperança nº2 Mário Matos nº4 Rita Bicho nº9
O Homem e a Política Só o Homem, de entre os animais, possui a linguagem e será o discurso que tornará claro o útil e o prejudicial e, por conseguinte, o justo e o injusto.
Tribos: gens e genos Os diversos modelos de organização social constituídos ao longo da história demonstraram que o homem é um verdadeiro animal  político. Muito antes do desenvolvimento dos estados, as sociedades organizaram-se em corporações de grupos oriundos, formações sociais, que historicamente consideramos  tribos . Com isto, no paleolítico, o processo de sedentarização levou agricultores e pastores a concentrarem-se em pequenos povoados, constituindo as suas habitações, dando origem as primeiros aldeamentos. Com isto, o Homem sentiu a necessidade de cooperação de todos os elementos da comunidade, que conduziu ao estabelecimento de lideranças, à divisão de tarefas entre homens e mulheres, de acordo com as idades e as capacidade.
A idade e o sexo sempre constituíram formas de diferenciação social. As mulheres dedicavam-se às tarefas domésticas, os homens à caça e à pesca, e os grandiosos sábios, por terem mais idade, concentravam em si o governo da comunidade. Com o crescimento dos povoamentos complexificou-se a divisão do trabalho e a função de cada um, sendo que a riqueza e o prestígio foram determinantes para alcançar o poder.  As gens constituíam num conjunto de famílias que se encontravam ligadas politicamente com uma autoridade comum, o  Pater Gentis.  Usavam um nome comum, por pensarem ser descendentes de um mesmo antepassado. Os genos era um tipo de organização social da Grécia antiga, durante o período Homérico. Eram uma espécie de clãs ou de grandes famílias. Cada geno era chefiado pelo homem mais velho e o poder era passado do pai para o filho primogénito.
As cidades-estado e a Democracia   A Democracia Ateniense era formada com a participação de cidadãos atenienses (adultos; filhos de pai e mãe ateniense) que correspondiam a uma minoria, pois eram excluídos os estrangeiros, escravos e mulheres. Segundo Péricles: “Temos um regime político que não nos faz invejar as leis das cidades vizinhas. Pelo contrário, em vez de querer-mos imitá-las, somos o seu modelo e exemplo. O nome desse regime é DEMOCRACIA, porque procura satisfazer o maior número de pessoas e não apenas uma minoria. As nossas leis concedem os mesmos direitos a todos os cidadãos […]. Só o valor de cada cidadão conta para a atribuição de distinções e honras. O mérito vale mais do que fortuna. A pobreza não impede que um cidadão capaz desempenhe cargos políticos na Polis. […] somos tolerantes, mas mantendo-nos fiéis aos magistrados e às leis. […] numa palavra, a nossa cidade e a escola da Grécia”.  Tucídes, História da Guerra  do Poloponeso, séc. V a.C.
Segundo Aristóteles: “A nossa democracia tem alicerces fortes, como o da mesma pessoa não poder exercer duas vezes a mesma magistratura, de estas serem de curta duração e da administração caber aos cidadãos eleitos entra todos”.
A República e o Império Romano Entre o séc. IV e o séc. II d.C., Roma construiu um império grandioso, marcado por um modelo político absolutista, fomentado pelos Imperadores. A partir do séc. V a. C.,até à formação do Império Romano, Roma foi governada em regime de monarquia, derrubada em 509 a. C. por uma revolução chefiada pelos chefes das famílias poderosas, os patrícios, que implementaram. Nesta fase, que ficou marcada pela expansão e conquista de vastos territórios, o poder passou a residir na magistratura política, no senado e no comício da plebe (constituído pelos tribunais da plebe, dotados de direito de veto). A fim de assegurar a estabilidade e a segurança, Roma procurou o equilíbrio entre os três poderes.
Assim, na república romana, os cônsules (magistrados, supremos), em alturas de crise, elegiam um ditador para debelar. Este ditador tinha duas restrições: tinha um prazo de seis meses para vencer a crise (assim que o prazo acaba-se, o ditador abdicava); tinha de restringir as suas funções à resolução dessa crise. A história diz-nos que estes ditadores foram eficazes, pois a maior parte deles acabaram a tarefa, antes dos seis meses estabelecidos. O ditador não tinha em si mesmo todo o poder, contudo, concentrava em si o poder, pois era nomeado magistrado extraordinário pelos cônsules, podendo decidir qualquer tipo de acção penal sem estar sujeito a limitações.
Apesar de não poder eleger um ditador para debelar uma crise, o Senado podia, todavia, declarar um estado de crise quando a situação fosse de tal forma grave, que não pudesse ser controlado através da ditadura. Neste estado de profunda crise, as leis deixavam de existir, dando lugar à existência da anomia: cessavam as leis para autorizar a escolha de qualquer medida que se lhes afigurasse em prole da República. Esta situação alterou-se em 27 a C., quando Octávio se tornou imperador recebendo o título de Augusto e concentrando em si todos os poderes (político; legislativo; executivo; judicial; militar e religioso) criou-se, assim, o regime imperial. Este poder absoluto reflectiu-se na subordinação de todas as instituições políticas ao imperador, que concentrava na sua pessoa o comando supremo dos exércitos, o direito de veto sobre as decisões do senado, o controlo sobre a administração do Estado, sendo o sacerdote supremo, cargo que obrigava ao “culto ao imperador”
Feudalismo e Tutela Senhorial A época medieval da literatura portuguesa coincide, do ponto de vista histórico, com a Idade Média e iniciou-se pouco depois da constituição de Portugal enquanto reino independente. A literatura foi condicionada por factores sociais, políticos e culturais, tais como: a organização social, que assentava numa relação de vassalagem do servo face ao senhor, a intensa actividade guerreira a que a Reconquista Cristã obrigava e a sociedade essencialmente rural. O que distingue a lírica galego-portuguesa é que esta não foi um fenómeno circunscrito a um reino: os trovadores que a cultivavam eram portugueses, galegos, leoneses e castelhanos.
Numa fase inicial, a escola predominante era a da lírica galego-portuguesa; posteriormente desenvolveu-se um novo género literário, as novelas de cavalaria, baseadas nas vivências das cortes, que marcam a passagem de uma cultura de difusão oral para uma assente na escrita. Os grandes focos da cultura eram os mosteiros, onde eram copiadas as grandes obras da literatura do mundo antigo e medieval. A cultura popular, por seu lado, assentava na transmissão oral: jograis e músicos espalhavam narrativas lendárias ou cantigas e outras composições literárias.
A centralização do poder político na modernidade Conceito de  organização social e económica , define-se como a maximização de lucros com a maximização do bem-estar geral. A concepção liberal baseia-se na premissa de que não seria necessária a existência de um poder absoluto para gerir a vida económica e nem para maximizar a justiça social, os próprios indivíduos através de uma interpenetração do mercado contribuiriam para produzir eficiência na extracção e alocação de valores, bem como justiça social e bem-estar geral.
A teoria liberal do Estado fundamentava-se na competição de uma sociedade dividida, portanto, estimulava as partes a não se submeterem ao todo, cada um cuidava da sua vida, mas a administra-lo em condições de igualdade. Para que não ficasse apenas uma pessoa a mandar em tudo, criou-se uma divisão de poderes, o  Executivo , o  Legislativo  e o  Judicial . A teoria liberal tem uma forte inspiração democrática, caracterizada pelos princípios de igualdade e da participação. Em razão da própria natureza da ordem liberal, que dissemina a desigualdade entre os cidadãos, a igualdade de participação constitui-se na grande contradição do liberalismo. O partido político seria uma espécie de veículo que levaria a sociedade civil ao Estado.
Nação e Estado: modelos de organização social Nação , do latim  natio , de  natus  (nascido), é a reunião de pessoas, geralmente do mesmo grupo étnico, que falam o mesmo idioma e tendo os mesmos costumes, formando, assim, um povo, cujos elementos componentes trazem consigo as mesmas características étnicas e se mantêm unidos pelos hábitos, tradições, religião, língua e consciência nacional. Estado   é uma instituição organizada politica-social e juridicamente ocupando um território definido, normalmente onde a lei máxima é uma Constituição escrita, e dirigida por um governo, também possuindo soberania reconhecida internamente e externamente.
Associações plurinacionais e organizações não-governamentais (ONG) As  Organizações não governamentais  (ou também chamadas de  organizações não governamentais sem fins lucrativos ), também conhecidas pelo acrónimo  ONG , são associações do terceiro sector, da sociedade civil, que se declaram com finalidades públicas e sem fins lucrativos, que desenvolvem acções em diferentes áreas e que, geralmente, mobilizam a opinião pública e o apoio da população para modificar determinados aspectos da sociedade.
Estas organizações podem ainda complementar o trabalho do Estado, realizando acções onde ele não consegue chegar, podendo receber financiamentos e doações do mesmo, e também de entidades privadas, para tal fim. Actualmente, estudiosos têm defendido o uso da terminologia “ organizações da sociedade civil”  para designar as mesmas instituições.
Conclusão O que é a Política?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Constituição de 1976
Constituição de 1976Constituição de 1976
Constituição de 1976
Luis Dias
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
A revolução francesa 2
A revolução francesa 2A revolução francesa 2
A revolução francesa 2
Susana Simões
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
Ramiro Bicca
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
joana71
 
RevoluçõEs Liberais
RevoluçõEs LiberaisRevoluçõEs Liberais
RevoluçõEs Liberais
Maria Flora Sousa Douteiro
 
Breve evolução da Democracia
Breve evolução da DemocraciaBreve evolução da Democracia
Breve evolução da Democracia
cattonia
 
O Antigo Egipto
O Antigo EgiptoO Antigo Egipto
O Antigo Egipto
cattonia
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
Jacqueline Matilde
 
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaArea integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Carlos Henrique Tavares
 
17 sociedade feudal
17   sociedade feudal17   sociedade feudal
17 sociedade feudal
Carla Freitas
 
O processo de independencia do brasil (2)
O processo de independencia do brasil (2)O processo de independencia do brasil (2)
O processo de independencia do brasil (2)
Zeze Silva
 
Liberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpointLiberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpoint
maria40
 
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
Joemille Leal
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
Carlos Vieira
 
RevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Francesa
RevoluçãO Francesa
LianaSuzuki
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
cattonia
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e cultura
Fatima Freitas
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
cattonia
 

Mais procurados (20)

Constituição de 1976
Constituição de 1976Constituição de 1976
Constituição de 1976
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
A revolução francesa 2
A revolução francesa 2A revolução francesa 2
A revolução francesa 2
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
RevoluçõEs Liberais
RevoluçõEs LiberaisRevoluçõEs Liberais
RevoluçõEs Liberais
 
Breve evolução da Democracia
Breve evolução da DemocraciaBreve evolução da Democracia
Breve evolução da Democracia
 
O Antigo Egipto
O Antigo EgiptoO Antigo Egipto
O Antigo Egipto
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
 
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaArea integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
 
17 sociedade feudal
17   sociedade feudal17   sociedade feudal
17 sociedade feudal
 
O processo de independencia do brasil (2)
O processo de independencia do brasil (2)O processo de independencia do brasil (2)
O processo de independencia do brasil (2)
 
Liberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpointLiberalismo económico powerpoint
Liberalismo económico powerpoint
 
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
 
RevoluçãO Francesa
RevoluçãO FrancesaRevoluçãO Francesa
RevoluçãO Francesa
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e cultura
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 

Semelhante a áRea De IntegraçãO

O poder e o estado
O poder e o estadoO poder e o estado
O poder e o estado
Lucas Castro
 
Constitucionalismo
ConstitucionalismoConstitucionalismo
Constitucionalismo
Debora Rocha
 
As filosofias políticas
As filosofias políticasAs filosofias políticas
As filosofias políticas
lorrane2300
 
Democracia Grega
Democracia GregaDemocracia Grega
Democracia Grega
Escoladocs
 
A construção da democracia.docx
A construção da democracia.docxA construção da democracia.docx
A construção da democracia.docx
Rui Igreja
 
Estado democrático
Estado democráticoEstado democrático
Estado democrático
Claudia Bassanezi
 
Democracia (Democracy)
Democracia (Democracy)Democracia (Democracy)
Democracia (Democracy)
Maria Teixiera
 
O CRISTIANISMO, ESCRAVIDÃO E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL
O CRISTIANISMO, ESCRAVIDÃO E TRANSFORMAÇÃO SOCIALO CRISTIANISMO, ESCRAVIDÃO E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL
O CRISTIANISMO, ESCRAVIDÃO E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL
Israel serique
 
A pólis grega e o direito
A pólis grega e o direitoA pólis grega e o direito
A pólis grega e o direito
Gisele Finatti Baraglio
 
Estado e governo blog
Estado e governo   blogEstado e governo   blog
Estado e governo blog
dinicmax
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Jean jacques rousseau
Jean jacques rousseauJean jacques rousseau
Jean jacques rousseau
Rogerio Terra
 
Textos de sociologia 3º bimestre
Textos de sociologia   3º bimestreTextos de sociologia   3º bimestre
Textos de sociologia 3º bimestre
Renato Assis
 
Resumo ciências politicas - 1ºs pdf
Resumo   ciências politicas - 1ºs pdfResumo   ciências politicas - 1ºs pdf
Resumo ciências politicas - 1ºs pdf
Sos Financeira
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
Lucas Justino
 
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicosCi%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Athilla Henrique
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Alexandroca Simões
 
Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1
Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1
Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1
CETUR
 
IECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
IECJ - CAP. 11 - O poder e o EstadoIECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
IECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
profrodrigoribeiro
 
Política.pdf
Política.pdfPolítica.pdf
Política.pdf
ProfesMonteiro
 

Semelhante a áRea De IntegraçãO (20)

O poder e o estado
O poder e o estadoO poder e o estado
O poder e o estado
 
Constitucionalismo
ConstitucionalismoConstitucionalismo
Constitucionalismo
 
As filosofias políticas
As filosofias políticasAs filosofias políticas
As filosofias políticas
 
Democracia Grega
Democracia GregaDemocracia Grega
Democracia Grega
 
A construção da democracia.docx
A construção da democracia.docxA construção da democracia.docx
A construção da democracia.docx
 
Estado democrático
Estado democráticoEstado democrático
Estado democrático
 
Democracia (Democracy)
Democracia (Democracy)Democracia (Democracy)
Democracia (Democracy)
 
O CRISTIANISMO, ESCRAVIDÃO E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL
O CRISTIANISMO, ESCRAVIDÃO E TRANSFORMAÇÃO SOCIALO CRISTIANISMO, ESCRAVIDÃO E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL
O CRISTIANISMO, ESCRAVIDÃO E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL
 
A pólis grega e o direito
A pólis grega e o direitoA pólis grega e o direito
A pólis grega e o direito
 
Estado e governo blog
Estado e governo   blogEstado e governo   blog
Estado e governo blog
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Jean jacques rousseau
Jean jacques rousseauJean jacques rousseau
Jean jacques rousseau
 
Textos de sociologia 3º bimestre
Textos de sociologia   3º bimestreTextos de sociologia   3º bimestre
Textos de sociologia 3º bimestre
 
Resumo ciências politicas - 1ºs pdf
Resumo   ciências politicas - 1ºs pdfResumo   ciências politicas - 1ºs pdf
Resumo ciências politicas - 1ºs pdf
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
 
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicosCi%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1
Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1
Curso para Gestores Cidades Socialistas Módulo II Aula 1
 
IECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
IECJ - CAP. 11 - O poder e o EstadoIECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
IECJ - CAP. 11 - O poder e o Estado
 
Política.pdf
Política.pdfPolítica.pdf
Política.pdf
 

Mais de Rita

Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
Rita
 
GlobalizaçãO
GlobalizaçãOGlobalizaçãO
GlobalizaçãO
Rita
 
Flash
FlashFlash
Flash
Rita
 
Montagem e desmontagem de PC's
Montagem e desmontagem de PC'sMontagem e desmontagem de PC's
Montagem e desmontagem de PC's
Rita
 
RelatóRio1
RelatóRio1RelatóRio1
RelatóRio1
Rita
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
Rita
 
Disco Rígido
Disco RígidoDisco Rígido
Disco Rígido
Rita
 
Linux
LinuxLinux
Linux
Rita
 

Mais de Rita (8)

Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
GlobalizaçãO
GlobalizaçãOGlobalizaçãO
GlobalizaçãO
 
Flash
FlashFlash
Flash
 
Montagem e desmontagem de PC's
Montagem e desmontagem de PC'sMontagem e desmontagem de PC's
Montagem e desmontagem de PC's
 
RelatóRio1
RelatóRio1RelatóRio1
RelatóRio1
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
Disco Rígido
Disco RígidoDisco Rígido
Disco Rígido
 
Linux
LinuxLinux
Linux
 

áRea De IntegraçãO

  • 1. A Coexistência Política Como Facto Humano Trabalho Realizado por: Ana Moita nº1 Gilberto Esperança nº2 Mário Matos nº4 Rita Bicho nº9
  • 2. O Homem e a Política Só o Homem, de entre os animais, possui a linguagem e será o discurso que tornará claro o útil e o prejudicial e, por conseguinte, o justo e o injusto.
  • 3. Tribos: gens e genos Os diversos modelos de organização social constituídos ao longo da história demonstraram que o homem é um verdadeiro animal político. Muito antes do desenvolvimento dos estados, as sociedades organizaram-se em corporações de grupos oriundos, formações sociais, que historicamente consideramos tribos . Com isto, no paleolítico, o processo de sedentarização levou agricultores e pastores a concentrarem-se em pequenos povoados, constituindo as suas habitações, dando origem as primeiros aldeamentos. Com isto, o Homem sentiu a necessidade de cooperação de todos os elementos da comunidade, que conduziu ao estabelecimento de lideranças, à divisão de tarefas entre homens e mulheres, de acordo com as idades e as capacidade.
  • 4. A idade e o sexo sempre constituíram formas de diferenciação social. As mulheres dedicavam-se às tarefas domésticas, os homens à caça e à pesca, e os grandiosos sábios, por terem mais idade, concentravam em si o governo da comunidade. Com o crescimento dos povoamentos complexificou-se a divisão do trabalho e a função de cada um, sendo que a riqueza e o prestígio foram determinantes para alcançar o poder. As gens constituíam num conjunto de famílias que se encontravam ligadas politicamente com uma autoridade comum, o Pater Gentis. Usavam um nome comum, por pensarem ser descendentes de um mesmo antepassado. Os genos era um tipo de organização social da Grécia antiga, durante o período Homérico. Eram uma espécie de clãs ou de grandes famílias. Cada geno era chefiado pelo homem mais velho e o poder era passado do pai para o filho primogénito.
  • 5. As cidades-estado e a Democracia A Democracia Ateniense era formada com a participação de cidadãos atenienses (adultos; filhos de pai e mãe ateniense) que correspondiam a uma minoria, pois eram excluídos os estrangeiros, escravos e mulheres. Segundo Péricles: “Temos um regime político que não nos faz invejar as leis das cidades vizinhas. Pelo contrário, em vez de querer-mos imitá-las, somos o seu modelo e exemplo. O nome desse regime é DEMOCRACIA, porque procura satisfazer o maior número de pessoas e não apenas uma minoria. As nossas leis concedem os mesmos direitos a todos os cidadãos […]. Só o valor de cada cidadão conta para a atribuição de distinções e honras. O mérito vale mais do que fortuna. A pobreza não impede que um cidadão capaz desempenhe cargos políticos na Polis. […] somos tolerantes, mas mantendo-nos fiéis aos magistrados e às leis. […] numa palavra, a nossa cidade e a escola da Grécia”. Tucídes, História da Guerra do Poloponeso, séc. V a.C.
  • 6. Segundo Aristóteles: “A nossa democracia tem alicerces fortes, como o da mesma pessoa não poder exercer duas vezes a mesma magistratura, de estas serem de curta duração e da administração caber aos cidadãos eleitos entra todos”.
  • 7. A República e o Império Romano Entre o séc. IV e o séc. II d.C., Roma construiu um império grandioso, marcado por um modelo político absolutista, fomentado pelos Imperadores. A partir do séc. V a. C.,até à formação do Império Romano, Roma foi governada em regime de monarquia, derrubada em 509 a. C. por uma revolução chefiada pelos chefes das famílias poderosas, os patrícios, que implementaram. Nesta fase, que ficou marcada pela expansão e conquista de vastos territórios, o poder passou a residir na magistratura política, no senado e no comício da plebe (constituído pelos tribunais da plebe, dotados de direito de veto). A fim de assegurar a estabilidade e a segurança, Roma procurou o equilíbrio entre os três poderes.
  • 8. Assim, na república romana, os cônsules (magistrados, supremos), em alturas de crise, elegiam um ditador para debelar. Este ditador tinha duas restrições: tinha um prazo de seis meses para vencer a crise (assim que o prazo acaba-se, o ditador abdicava); tinha de restringir as suas funções à resolução dessa crise. A história diz-nos que estes ditadores foram eficazes, pois a maior parte deles acabaram a tarefa, antes dos seis meses estabelecidos. O ditador não tinha em si mesmo todo o poder, contudo, concentrava em si o poder, pois era nomeado magistrado extraordinário pelos cônsules, podendo decidir qualquer tipo de acção penal sem estar sujeito a limitações.
  • 9. Apesar de não poder eleger um ditador para debelar uma crise, o Senado podia, todavia, declarar um estado de crise quando a situação fosse de tal forma grave, que não pudesse ser controlado através da ditadura. Neste estado de profunda crise, as leis deixavam de existir, dando lugar à existência da anomia: cessavam as leis para autorizar a escolha de qualquer medida que se lhes afigurasse em prole da República. Esta situação alterou-se em 27 a C., quando Octávio se tornou imperador recebendo o título de Augusto e concentrando em si todos os poderes (político; legislativo; executivo; judicial; militar e religioso) criou-se, assim, o regime imperial. Este poder absoluto reflectiu-se na subordinação de todas as instituições políticas ao imperador, que concentrava na sua pessoa o comando supremo dos exércitos, o direito de veto sobre as decisões do senado, o controlo sobre a administração do Estado, sendo o sacerdote supremo, cargo que obrigava ao “culto ao imperador”
  • 10. Feudalismo e Tutela Senhorial A época medieval da literatura portuguesa coincide, do ponto de vista histórico, com a Idade Média e iniciou-se pouco depois da constituição de Portugal enquanto reino independente. A literatura foi condicionada por factores sociais, políticos e culturais, tais como: a organização social, que assentava numa relação de vassalagem do servo face ao senhor, a intensa actividade guerreira a que a Reconquista Cristã obrigava e a sociedade essencialmente rural. O que distingue a lírica galego-portuguesa é que esta não foi um fenómeno circunscrito a um reino: os trovadores que a cultivavam eram portugueses, galegos, leoneses e castelhanos.
  • 11. Numa fase inicial, a escola predominante era a da lírica galego-portuguesa; posteriormente desenvolveu-se um novo género literário, as novelas de cavalaria, baseadas nas vivências das cortes, que marcam a passagem de uma cultura de difusão oral para uma assente na escrita. Os grandes focos da cultura eram os mosteiros, onde eram copiadas as grandes obras da literatura do mundo antigo e medieval. A cultura popular, por seu lado, assentava na transmissão oral: jograis e músicos espalhavam narrativas lendárias ou cantigas e outras composições literárias.
  • 12. A centralização do poder político na modernidade Conceito de organização social e económica , define-se como a maximização de lucros com a maximização do bem-estar geral. A concepção liberal baseia-se na premissa de que não seria necessária a existência de um poder absoluto para gerir a vida económica e nem para maximizar a justiça social, os próprios indivíduos através de uma interpenetração do mercado contribuiriam para produzir eficiência na extracção e alocação de valores, bem como justiça social e bem-estar geral.
  • 13. A teoria liberal do Estado fundamentava-se na competição de uma sociedade dividida, portanto, estimulava as partes a não se submeterem ao todo, cada um cuidava da sua vida, mas a administra-lo em condições de igualdade. Para que não ficasse apenas uma pessoa a mandar em tudo, criou-se uma divisão de poderes, o Executivo , o Legislativo e o Judicial . A teoria liberal tem uma forte inspiração democrática, caracterizada pelos princípios de igualdade e da participação. Em razão da própria natureza da ordem liberal, que dissemina a desigualdade entre os cidadãos, a igualdade de participação constitui-se na grande contradição do liberalismo. O partido político seria uma espécie de veículo que levaria a sociedade civil ao Estado.
  • 14. Nação e Estado: modelos de organização social Nação , do latim natio , de natus (nascido), é a reunião de pessoas, geralmente do mesmo grupo étnico, que falam o mesmo idioma e tendo os mesmos costumes, formando, assim, um povo, cujos elementos componentes trazem consigo as mesmas características étnicas e se mantêm unidos pelos hábitos, tradições, religião, língua e consciência nacional. Estado é uma instituição organizada politica-social e juridicamente ocupando um território definido, normalmente onde a lei máxima é uma Constituição escrita, e dirigida por um governo, também possuindo soberania reconhecida internamente e externamente.
  • 15. Associações plurinacionais e organizações não-governamentais (ONG) As Organizações não governamentais (ou também chamadas de organizações não governamentais sem fins lucrativos ), também conhecidas pelo acrónimo ONG , são associações do terceiro sector, da sociedade civil, que se declaram com finalidades públicas e sem fins lucrativos, que desenvolvem acções em diferentes áreas e que, geralmente, mobilizam a opinião pública e o apoio da população para modificar determinados aspectos da sociedade.
  • 16. Estas organizações podem ainda complementar o trabalho do Estado, realizando acções onde ele não consegue chegar, podendo receber financiamentos e doações do mesmo, e também de entidades privadas, para tal fim. Actualmente, estudiosos têm defendido o uso da terminologia “ organizações da sociedade civil” para designar as mesmas instituições.
  • 17. Conclusão O que é a Política?