Textos de sociologia 3º bimestre

778 visualizações

Publicada em

Sociologia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
778
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Textos de sociologia 3º bimestre

  1. 1. O que é Democracia: Democracia significa povo, e é um termo que vem do grego. É um regime de governo em que todas as importantes decisões políticas estão com o povo, que elegem seus representantes por meio do voto. É um regime de governo que pode existir no sistema presidencialista, onde o presidente é o maior representante do povo, ou no sistema parlamentarista, onde existe o presidente eleito pelo povo e o primeiro ministro que toma as principais decisões políticas. Democracia é um regime de governo que pode existir também, no sistema republicano, ou no sistema monárquico, onde há a indicação do primeiro ministro que realmente governa. A democracia tem princípios que protegem a liberdade humana e baseia-se no governo da maioria, associado aos direitos individuais e das minorias. Uma das principais funções da democracia é a proteção dos direitos humanos fundamentais, como as liberdades de expressão, de religião, a proteção legal, e as oportunidades de participação na vida política, econômica, e cultural da sociedade. Os cidadãos tem os direitos expressos, e os deveres de participar no sistema político que vai proteger seus direitos e sua liberdade. A democracia pode ser direta ou democracia pura, quando o povo expressa sua vontade por meio do voto direto. Democracia Representativa ou indireta o povo exprime sua vontade elegendo representantes que tomam as decisões em nome deles. O que é Democracia: Democracia significa povo, e é um termo que vem do grego. É um regime de governo em que todas as importantes decisões políticas estão com o povo, que elegem seus representantes por meio do voto. É um regime de governo que pode existir no sistema presidencialista, onde o presidente é o maior representante do povo, ou no sistema parlamentarista, onde existe o presidente eleito pelo povo e o primeiro ministro que toma as principais decisões políticas. Democracia é um regime de governo que pode existir também, no sistema republicano, ou no sistema monárquico, onde há a indicação do primeiro ministro que realmente governa. A democracia tem princípios que protegem a liberdade humana e baseia-se no governo da maioria, associado aos direitos individuais e das minorias. Uma das principais funções da democracia é a proteção dos direitos humanos fundamentais, como as liberdades de expressão, de religião, a proteção legal, e as oportunidades de participação na vida política, econômica, e cultural da sociedade. Os cidadãos tem os direitos expressos, e os deveres de participar no sistema político que vai proteger seus direitos e sua liberdade. A democracia pode ser direta ou democracia pura, quando o povo expressa sua vontade por meio do voto direto. Democracia Representativa ou indireta o povo exprime sua vontade elegendo representantes que tomam as decisões em nome deles.
  2. 2. Gênero e os movimentos feministas A partir da década de 1960, as atitudes tradicionais em relação ao gênero e à vida sexual vêem passando por uma grande transformação. Para alguns estudiosos, está ocorrendo uma verdadeira revolução nos costumes com a introdução de visões e concepções mais liberais. As várias formas de preconceito contra as mulheres foram atacadas e submetidas a fortes críticas em todas as esferas da vida social. Especialmente no Ocidente, as práticas sexuais tornaram-se, gradativamente, mais permissivas trazendo, em conseqüência, alguns novos problemas de natureza social como o desarranjo das formas tradicionais da família e o aumento dos casos de gravidez na adolescência. O movimento feminista foi um fator importante na luta social e cultural contra os padrões tradicionais sobre os gêneros, tanto em relação às posições que defendiam o fundamento biológico da divisão sexual do trabalho, quanto no que diz respeito às concepções sobre a vida sexual em geral. A preocupação com a posição desigual da mulher na sociedade deu origem a varias teorias que tentam explicar as desigualdades de gênero, sugerindo idéias para a superação dessas desigualdades. As explicações desenvolvidas por essas teorias giram em torno de uma variedade de longos e profundos processos sociais, tais como o patriarcalismo (tipo de organização social onde predomina a sistemática dominação das mulheres pelos homens), o sexismo, o capitalismo, o racismo e as diferenças étnicas. As diversas escolas feministas discordam entre si sobre os fatores determinantes ou mais influentes na dominação exercida pelos homens sobre as mulheres, mas reconhecem as muitas dimensões interligadas que favorecem a opressão das mulheres: a submissão ao homem na estrutura familiar (supremacia da autoridade paterna), a violência doméstica contra a mulher, a remuneração salarial inferior na ocupação dos mesmos cargos e funções no mercado de trabalho, a supremacia dos homens na política e nas posições de poder social (como nas direções das empresas), a permanência dos valores culturais tradicionais alimentados pela propaganda, pela mídia e até mesmo pela escola em seus vários níveis. Um outro fator de natureza cultural que contribui para manter e alimentar a desigualdade de gênero é, de um modo geral, a religião. Nesse aspecto os pensadores clássicos da Sociologia, Marx e Durkheim, consideraram as religiões como um produto dos próprios homens vivendo em sociedade. Dessa forma, todas as grandes religiões do mundo têm tradicionalmente colocado a mulher em uma posição de subordinação. “Sacerdotes católicos, mulás muçulmanos, assim como rabinos judeus de orientação mais conservadora e ortodoxa, devem ser homens. Permitiu-se que as mulheres atuassem como ministras protestantes apenas a partir da metade do século XIX e como rabinas, nas vertentes mais liberais do judaísmo, bem mais tarde, nos anos de 1970. Deus é normalmente percebido como homem pelos grandes sistemas religiosos do mundo.” (em Sociologia- Sua Bússola para um Novo Mundo, Robert Brym e outros, editora Thomson, 2006, p.397) - Seria possível ou desejável eliminar as diferenças de gênero na sociedade? - É possível manter as diferenças de gênero mesmo eliminando as desigualdades de gênero? -O que é a homofobia? Glossário: - patriarcalismo – diz-se de um sistema de estruturas e práticas sociais em que os homens dominam, oprimem e exploram as mulheres. - sexismo – forma de relacionar-se com as pessoas a partir de concepções estereotipadas sobre os diferentes sexos, envolvendo preconceitos e discriminações construídos culturalmente.
  3. 3. POPULAÇÕES RURAIS E URBANAS Os modos de vida urbana e rural são dois tipos de sociedade estreitamente interdependentes. Esta relação é determinada pelo duplo pressuposto da existência dum excedente agrícola e a possibilidade de trocar esse excedente. A realização desta permuta é determinada por um conjunto de factores em duplo sentido, nomeadamente através do uso dos transportes e do comércio. Uma parte do produto do trabalho dos camponeses converte-se em mercadorias a escoar para o mercado, dando começo à prática duma produção mercantil monetária. O campo proporciona a alimentação e os homens da cidade fornecem as ferramentas, os artigos manufacturados e a tecnologia. Se a agricultura tornou possível o nascimento da cidade e condicionou a sua evolução, por sua vez, a cidade tornou-se essencial para facilitar as trocas ou a aplicação e manutenção de inovações técnicas. As relações entre a cidade e o campo ligam o desenvolvimento do fenómeno urbano ao excedente agrícola. É evidente a impossibilidade da existência de cidades sem agricultura. No essencial, a relação entre as classes dominantes das cidades e os camponeses e artesãos mantinham-se com pequenas variantes: uma concentração de população tributária composta de artesãos especializados e de camponeses que asseguravam a produção agrícola e o trabalho braçal como mão-de-obra para obras públicas, escavação de canais e construção de templos. A diferença entre a população urbana e rural não implica apenas uma diferença de domicílio e de actividade, mas também diferenças no estatuto profissional, no tipo de habitação, no ritmo de trabalho, etc. A cidade aparece como centro de atividade de uma classe artesanal organizada em corporações independentes e como centro de mercados internos e de trocas externas. A concentração na cidade dos ofícios e do comércio, acentua a separação entre a cidade e o campo. Com o desenvolvimento das cidades, os seus habitantes começaram a distinguir-se dos do campo e a ter a sua organização própria. Desenvolvem sistemas administrativos, jurídicos e fiscais correspondentes à natureza das suas actividades. Tomam nas suas mãos a função policial e a defesa dos ataques do exterior. Adquirem um estatuto privilegiado em relação ao dos habitantes do campo. O poder urbano tende a exercer uma espécie de autoridade absoluta sobre as populações rurais forçando-as a servir os seus interesses de boa vontade ou pela coação, se for capaz de a impor. Os camponeses resignam-se, por vezes, a obedecer-lhe por temerem a destruição da sua civilização e terem dificuldade em trocar os seus locais por outros. As cidades dependiam do campo para a sua subsistência, mas também os camponeses necessitavam dos mercados citadinos para vender os seus produtos. Por consequência, a agricultura adaptou-se às necessidades da população urbana. Pouco a pouco, a procura estendia-se às matérias-primas necessárias à produção industrial, como a lã e o linho. Campos de cultura do trigo foram transformados em pastagens. Tornou-se numa regra a especialização agrícola regional. Na Europa Ocidental, no século XVI, a população rural representava uma grande maioria. Mas as cidades, mais do que as zonas rurais, começaram a ser as principais beneficiadas com o aumento populacional. Tratou-se dum fenómeno mais urbano que rural, estimulado pelo desenvolvimento industrial e comercial. O ambiente económico da época deu lugar a migrações que se traduziram quer numa tendência urbana quer numa tendência para a ruralidade próxima do meio urbano. Em alguns países, a população começou a abandonar o interior e a fixar-se na faixa costeira. Estas alterações correspondem mais a um novo equilíbrio económico interregional. Carlos Gomes –Antecedentes do Capitalismo.

×