SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
1. Conceito e Definição.
2. Como surgiu.
3. O que representa?
4. Quadro Comparativo.
5. Acompanhando os passos de Jesus.
6. A data e o mês que se comemora a Páscoa.
7. Símbolos da Páscoa Judaica.
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06– Páscoa
1. Conceito e definição.
“Páscoa, também chamada SÉDER
(ordem) é uma palavra de origem
hebraica, PÊSSACH – (PÊÇAR), que
significando passar por cima ou passar
poupando”. Bispo Átila Brandão
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
1. Como Surgiu
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
Surgiu conforme registra a Bíblia em Êxodo 12, no ano de 1500 antes da E.C, em Gosén no Egito,
nos últimos instantes que precederam a saída do povo judeu, após 430 anos de cativeiro egípcio,
para a tão prometida e sonhada Terra que mana leite e mel. Naquele exato momento, instantes
que antecederam a última praga sobre os egípcios, a mortandade dos primogênitos, Deus
determinou: “ISH SEH LE BÊITH AVOTH SEH LA BAITH (SHEMOT – Êxodo) 12:3.”
2. Como Surgiu
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 046– Páscoa
Um Cordeiro HOMEM para cada casa, um cordeiro para cada família. – Observe que, em
hebraico, macho é ZARRAH e fêmea é NEKEVAH, e no texto citado não aparece ZARRAH SEH, um
cordeiro macho, mas, ISH SEH, um cordeiro homem. – Determinou ainda que cada família deveria
tomar o cordeiro, simbolizando um Homem (ISH SEH) matá-lo, recolher o sangue numa bacia e
pintar as vergas e os umbrais das casas, para que, no momento em que o MALACH (MÁLAR) HA –
MAVET (O Anjo da Morte) passasse sobre o Egito para matar os primogênitos, tanto de homens,
quanto de animais, não atingisse aqueles que estivessem nas casas pintadas com o sangue. O
Anjo passaria poupando da morte o povo que assim houvesse procedido. Porque assim disse
Deus: Vê-RAITÍ ÉT HADAM U-FASSÁRHTI ALÊHEM - “E vendo Eu sangue, passarei por cima de
vós.” – SHEMOT – (Êxodo) 12:13b.
2. Como Surgiu
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
Remonta a Páscoa ao GAN EDEN (Jardim do Prazer), logo após a queda de ADAM
(Adão), quando o Senhor abatendo um cordeiro, fez vestes da sua pele e as vestiu
em ADAM (Adão) e em HAVAH (Eva) (Gn 3:21 “E fez o SENHOR Deus a Adão e à
sua mulher túnicas de peles, e os vestiu”), mostrando a Sua Provisão completa,
Misericórdia e Amor.
2. Como Surgiu
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
Vêmo-la, também, à época do Patriarca AVRAHAM AVINU (Abraão Nosso Pai), conforme registra
BERESHIT (Gênesis) 22:7-8, no exato momento em que marchava em demanda ao AR
MORIAH (Monte do Perfume de Deus) Monte Moriá para fazer a AKEDAH HA-ITZCHAK (a
amarração, a ligadura de Isaque para sacrificá-lo a Deus) e este lhe pergunta: VA-IOMER
ITZCHAK EL-AVRAHAM AVI: VA-IOMER, AVI; VA-IOMER, HINENI BENI. VA-IOMER: HINÊ HA-ESH
VE-HÁ-ETSSIM; VE-AIEH HA-SE LE-OLAH? – “E disse Isaque a Abraão seu pai: E disse, pai; e disse,
eis-me aqui meu filho. E disse: Eis aqui o fogo e as lenhas, e onde está o cordeiro substituto,
propício para o holocausto?”.
VA-IOMER AVRAHAM: ELOHIM IREÊ LÓ HA SEH LE OLAH, BENI! (E disse Abraão: “O Senhor
proverá para Si o Cordeiro da Páscoa. Meu filho”).
Porisso Jesus disse: “Abraão viu o Meu Dia e se alegrou”. (João 8:56)
3. O que representa?
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06– Páscoa
Aquele cordeiro pascoal, ish seh (cordeiro homem) imolado para salvar o povo da morte
iminente, é a representação de IESHUA (JESUS), na Cruz do Calvário, morrendo pelos pecados da
humanidade.
Razão disto é que, quando Jesus aproximava-se das águas do YARDEN (Jordão), para ser batizado
por Seu primo IOHANAN HA MATEBIL (João Batista), que ali batizava o povo, foi por este visto,
após o que falou João à multidão e apontando para Jesus, disse: HINE ISH SEH HA ELOHIM
HANISHOH ETE HATATE HA ARETZ (“Eis ali o Cordeiro Homem de Deus que tira o pecado da
terra” – João 1:29)
Páscoa, conforme nos leciona Paulo de Tarso em I Coríntios5:7, é Jesus Cristo imolado!
4.Quadro Comparativo
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
PÊSSACH começa na noite de 14 de NISSAN ou AVIV correspondendo ao nosso 14 de abril, é
ZEMAN CHERUTÊNU (data da libertação), é CHAG HA-AVIV (festa da primavera), é
também CHAG HA-MATZOT(festa dos pães ázimos ou pães sem CHAMÉTZ (fermento). É
também a época da colheita da cevada e do linho. É o fim da estação das chuvas e o começo da
primavera, a estação das flores. É o início da lua nova. É o dia da transformação das 12 Tribos de
Israel em um povo, data em que ocorreram duas mudanças fundamentais e profundas na vida
de ISRAEL:
1) De escravo em LIVRE;
2) Solo nú e entorpecido em campos floridos e alegres.
Antigo Testamento
Êxodo 12
Novo Testamento
1º- No dia 10 de abril de 1500, AEC, tome um Cordeiro
sem defeito, macho de um ano, sem mancha
(versículo 5);
1528 anos depois, no dia 10 de abril de 28, EC, Jesus
entrou em Jerusalém, montado num jumentinho pelo
Portão das Ovelhas, por onde entram na Cidade os
cordeiros destinados ao sacrifício na Páscoa;
2º- Leve o cordeiro para casa para examiná-lo nos dias
11,12 e 13 para fim de detectar se tem ou não
defeitos;
Nos dias 11,12 e 13, ele andou pelas ruas da cidade para
ser examinado pelo povo e pelas autoridades e o KOHEN
HÁ GADOL, o Sumo Sacerdote, disse: “é necessário que
um homem morra pelo povo”. (João 11:50 ) . Logo, Ele
não tinha defeitos, nem manchas, era o Cordeiro Homem
propicio para o sacrifício;
4. Quadro Comparativo
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
PÊSSACH começa na noite de 14 de NISSAN ou AVIV correspondendo ao nosso 14 de abril, é
ZEMAN CHERUTÊNU (data da libertação), é CHAG HA-AVIV (festa da primavera), é
também CHAG HA-MATZOT(festa dos pães ázimos ou pães sem CHAMÉTZ (fermento). É
também a época da colheita da cevada e do linho. É o fim da estação das chuvas e o começo da
primavera, a estação das flores. É o início da lua nova. É o dia da transformação das 12 Tribos de
Israel em um povo, data em que ocorreram duas mudanças fundamentais e profundas na vida
de ISRAEL:
1) De escravo em LIVRE;
2) Solo nú e entorpecido em campos floridos e alegres.
Antigo Testamento
Êxodo 12
Novo Testamento
Pôncio Pilatos, o braço de Roma, Governador da Judéia,
declarou “não vejo nesse homem, pecado algum” (Lucas 23:4)
Foi preso no GAT SHIMANI (Lagar, prensa de azeite) e
conduzido à Casa do Sumo Sacerdote, porque, “tudo quanto
passar debaixo da Vara do Sacerdote é Santo ao Senhor” (Lv
27:32), e só o Sumo Sacerdote era autorizado apresentar a
vítima ao Senhor. Sem a Bênção do Sumo Sacerdote, Deus não
aceita o sacrifício, pois é sacrifício de tolos ! (Ec 5:4);
3º- E, no 14º dia, 15 horas, mate o cordeiro e recolha o seu
sangue numa bacia e pixe as vergas e os umbrais da sua casa
com esse sangue.
E, por fim, no dia 14 de abril de 28, às 15 horas, Jesus no alto
da cruz, bradou “Pai, nas tuas mãos entrego o meu Espírito, e,
morreu” (Lc 23:46).
5. Acompanhando os passos de Jesus
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
SEGUNDA-FEIRA
Jesus sai de Betânia, vai a Jerusalém e no caminho amaldiçoa uma figueira. Em Jerusalém,
protesta contra os vendilhões no templo e à tarde, retorna a Betânia. (Mt. 21.12-13;Mc. 11.15-
18);
TERÇA-FEIRA
Jesus retorna a Jerusalém e prediz a data de Sua morte, debate com líderes religiosos, vai ao
monte das Oliveiras e fala do tempo do fim. (Mc. 13.1-4);
QUARTA-FEIRA
Judas trai Jesus. Uma mulher em Betânia unge Jesus. (MT. 26.6-13;Mc.14.1-9.);
5. Acompanhando os passos de Jesus
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
QUINTA-FEIRA
(18 às 22h) Jesus come a última Páscoa judaica, celebra a primeira Ceia cristã com os discípulos
e lava os seus pés. Mt. 26.17-29;Mc. 14.12-25;Lc. 22.7-20;Jo. 13.1-38;
(23h a – 0h) Jesus ora no Jardim do Getsêmani enquanto aguarda Sua prisão, logo a seguir.
Mt.26.36-46;Mc.14.32-42;Lc. 22.40-46);
SEXTA-FEIRA
(1h às 2h) Jesus é julgado, e é torturado fisicamente;
(3h às 5h)Jesus no palácio de (José) Caifás.(Mt. 26.57;Jo. 18.24);
(5 às 6h)Jesus passa pelo terceiro julgamento quando decidem pedir ao governo romano para
mata-lo.(Mt.27.1;Lc.23.1;Jo.18.28);
5. Acompanhando os passos de Jesus
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
(6h às 7h) Jesus passa pelo quarto julgamento. Pilatos, afirma não ter encontrado pecado nEle.
(MT. 27.11-14;Mc.15.2-5;Lc. 23.1-5;Jo.18.28-37);
(7.30 às 8h)Jesus passa pelo quinto julgamento, perante Herodes Antipas. (Lc.23.7-11);
(8 às 9h)Jesus passa pelo sexto e último julgamento. Pilatos, não vê nEle crime digno de
morte.(Mt.27.26;Mc.15.15;Lc. 23.23-24;Jo.19.16);
Paulo escrevendo aos hebreus, judeus crentes, diz que Jesus tinha que ser declarado “… Santo,
irrepreensível, imaculado, e inviolado pelos pecadores”. (Hb 7.26) A lei dizia que o cordeiro teria
que ser sem defeito;
(9h às 10h) Jesus comparece ao Pretório Soldados de Pilatos se divertem, torturando-O colocam
uma coroa de espinhos Nele. (Mt. 27.27-31);
5. Acompanhando os passos de Jesus
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
(10h às 11h) Jesus é forçado a carregar Sua própria cruz para o Calvário, com a ajuda de um
judeu negro, Simão de Cirene. (As duas peças da cruz pesavam 80 quilos.) (Mt.27.32-
34;Mc.15.21-24;Lc.23.26-31;Jo.19.16-17);
(12h) Jesus é pregado na cruz.(Mt.27.35-36;Mc.25.22-24;Lc.23.33);
(13h) Jesus clama pelo Pai: “Deus meu, Deus meu por que me abandonaste?”
(Mt.27.46;Mc.15.34;Jo.19.28);
(14h) Jesus declara que tudo foi pago. (Jo.19.30ª.Lc.23.46.);
(15h) Jesus morre. Cumprem-se todos os símbolos dos holocaustos e sacrifícios judaicos. O
CORDEIRO É IMOLADO. (Mt.27.51-52; Mc.15.37) Os soldados não conheciam as profecias, mais
não quebraram as pernas de Jesus, como o fizeram com os outros crucificados. Jo.19.31-33);
(18h) Jesus é sepultado no túmulo de José de Arimatéia.- (Mt.27.57-60;Mc.15.42-47;Lc.23.50-
56; Jo.19.31-42.);
5. Acompanhando os passos de Jesus
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
SÁBADO.
Como aconteceu na criação física (Gn.2.2);
também na criação espiritual (2ªCo.5.17);
DOMINGO
. “… Jesus, o nazareno, que foi crucificado; ele ressurgiu; não está aqui;” Esta é a mensagem
angelical. ” No primeiro dia da semana (domingo) Maria Madalena foi ao sepulcro de
madrugada, sendo ainda escuro, e viu que a pedra fora removida do sepulcro” (Jo.20.1-2;
Mc.16.6) Jesus ressuscitou. Aleluia! Aleluia!
6. A data e o mês que se comemora a páscoa.
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
PÊSSACH começa na noite de 14 de NISSAN ou AVIV correspondendo ao nosso 14 de abril, é
ZEMAN CHERUTÊNU (data da libertação), é CHAG HA-AVIV (festa da primavera), é
também CHAG HA-MATZOT(festa dos pães ázimos ou pães sem CHAMÉTZ (fermento). É
também a época da colheita da cevada e do linho. É o fim da estação das chuvas e o começo da
primavera, a estação das flores. É o início da lua nova. É o dia da transformação das 12 Tribos de
Israel em um povo, data em que ocorreram duas mudanças fundamentais e profundas na vida
de ISRAEL:
1) De escravo em LIVRE;
2) Solo nú e entorpecido em campos floridos e alegres.
7. Símbolos da Páscoa Judaica.
A mesa do PÊSSACH , a KEARAH (Fonte), com os símbolos da Páscoa, é assim
ornada com:
MAROR (erva amarga, lembrando a vida amarga da escravidão no Egito);
ZEROAH (pernil de carneiro assado);
CHARÓSSET (mistura de maçãs e nozes picadas amassadas com vinho,
formando uma pasta semelhante ao barro amassado pelos escravos judeus para
fazer os tijolos no Egito);
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
7. Símbolos da Páscoa Judaica.
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
1 – RITÁ (trigo); 2 – SEORÁ (cevada); 3 – ZÁIT (azeitona) (oliva), 4 – TEENÁ (figo); 5 –
RIMÓN (romã); 6 –TAMAR (tâmara); 7 – GUÉFEN (uva);
Complementam a mesa de SÉDER, 3 MATZOT (pães ázimos), simbolizando as 3 categorias do
povo judeu: I – COHANIM, descendentes de Aarón; II – LEVIIM, descendente de Leví; III –
AM ISRAEL, todo o povo de Israel.
Escola das Tribos. 19.04.2015
Aula 06 – Páscoa
http://www.ibca.org.br/a-pascoa/
http://www.ibca.org.br/jesus-morreu-sexta-feira-mesmo/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Jean
 
Quaresma
QuaresmaQuaresma
Quaresma
Manoella Bazzo
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
Viva a Igreja
 
Sacramento da eucaristia
Sacramento da eucaristiaSacramento da eucaristia
Sacramento da eucaristia
Jorge Pereira
 
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do SenhorLição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Éder Tomé
 
Sacramento da Eucaristia.pptx
Sacramento da Eucaristia.pptxSacramento da Eucaristia.pptx
Sacramento da Eucaristia.pptx
BrunoPaz18
 
Os sacramento do batismo
Os sacramento do batismoOs sacramento do batismo
Os sacramento do batismo
torrasko
 
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximoQuaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
Bernadetecebs .
 
Santa Ceia do Senhor
Santa Ceia do SenhorSanta Ceia do Senhor
Santa Ceia do Senhor
Almy Alves
 
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo TestamentoLição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Éder Tomé
 
Panorama[1]
Panorama[1]Panorama[1]
Panorama[1]
Bruno Da Ros
 
Genesis o livro da criação divina
Genesis   o livro da criação divinaGenesis   o livro da criação divina
Genesis o livro da criação divina
Valmir Nascimento Milomem Santos
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
Romulo Roosemberg
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águas
Icm Bela Vista
 
1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)
Daniel Junior
 
Tipologia aula 1
Tipologia aula 1Tipologia aula 1
Tipologia aula 1
jaime junior
 
A Doutrina de Cristo
A Doutrina de CristoA Doutrina de Cristo
A Doutrina de Cristo
André Luiz Marques
 
Detonando o adventismo
Detonando o adventismoDetonando o adventismo
Detonando o adventismo
and_psi
 
O livro de josué
O livro de josuéO livro de josué
O livro de josué
mbrandao7
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolos Atos dos apostolos
Atos dos apostolos
LUCAS CANAVARRO
 

Mais procurados (20)

Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Quaresma
QuaresmaQuaresma
Quaresma
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
 
Sacramento da eucaristia
Sacramento da eucaristiaSacramento da eucaristia
Sacramento da eucaristia
 
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do SenhorLição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
 
Sacramento da Eucaristia.pptx
Sacramento da Eucaristia.pptxSacramento da Eucaristia.pptx
Sacramento da Eucaristia.pptx
 
Os sacramento do batismo
Os sacramento do batismoOs sacramento do batismo
Os sacramento do batismo
 
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximoQuaresma momento de estender as mãos ao próximo
Quaresma momento de estender as mãos ao próximo
 
Santa Ceia do Senhor
Santa Ceia do SenhorSanta Ceia do Senhor
Santa Ceia do Senhor
 
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo TestamentoLição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
 
Panorama[1]
Panorama[1]Panorama[1]
Panorama[1]
 
Genesis o livro da criação divina
Genesis   o livro da criação divinaGenesis   o livro da criação divina
Genesis o livro da criação divina
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águas
 
1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)
 
Tipologia aula 1
Tipologia aula 1Tipologia aula 1
Tipologia aula 1
 
A Doutrina de Cristo
A Doutrina de CristoA Doutrina de Cristo
A Doutrina de Cristo
 
Detonando o adventismo
Detonando o adventismoDetonando o adventismo
Detonando o adventismo
 
O livro de josué
O livro de josuéO livro de josué
O livro de josué
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolos Atos dos apostolos
Atos dos apostolos
 

Semelhante a Páscoa

Lição 4 A Celebração da Primeira Páscoa
Lição 4   A Celebração da Primeira PáscoaLição 4   A Celebração da Primeira Páscoa
Lição 4 A Celebração da Primeira Páscoa
Pr. Andre Luiz
 
Historia de israel aula 10 páscoa
Historia de israel aula 10 páscoaHistoria de israel aula 10 páscoa
Historia de israel aula 10 páscoa
RICARDO CARDOSO
 
Pascoa
PascoaPascoa
Pascoa
PascoaPascoa
Lição 11 A Páscoa
Lição 11   A PáscoaLição 11   A Páscoa
Lição 11 A Páscoa
Wander Sousa
 
A pascoa visao_espirita jsoh
A pascoa visao_espirita jsohA pascoa visao_espirita jsoh
A pascoa visao_espirita jsoh
jesussalveoshumildes
 
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentidoA Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
iev.comunidade
 
A celebração da primeira páscoa
A celebração da primeira páscoaA celebração da primeira páscoa
A celebração da primeira páscoa
Moisés Sampaio
 
Significado da pascoa
Significado da pascoaSignificado da pascoa
Significado da pascoa
Jigdalias Rodrigues
 
Significado da Pascoa
Significado da PascoaSignificado da Pascoa
Significado da Pascoa
Jigdalias Rodrigues
 
A verdadeira pascoa
A verdadeira pascoaA verdadeira pascoa
A verdadeira pascoa
Adriano Pascoa
 
O verdadeiro sentido da páscoa (2)
O verdadeiro sentido da páscoa (2)O verdadeiro sentido da páscoa (2)
O verdadeiro sentido da páscoa (2)
Antonio Filho
 
PÁSCOA - O QUE SIGNIFICA PARA JUDEUS , CRISTÃO E CATÓLICOS.ppt
PÁSCOA - O QUE SIGNIFICA PARA JUDEUS , CRISTÃO E CATÓLICOS.pptPÁSCOA - O QUE SIGNIFICA PARA JUDEUS , CRISTÃO E CATÓLICOS.ppt
PÁSCOA - O QUE SIGNIFICA PARA JUDEUS , CRISTÃO E CATÓLICOS.ppt
JdiasBazar
 
Festas_bíblicas.pptx
Festas_bíblicas.pptxFestas_bíblicas.pptx
Festas_bíblicas.pptx
benjamin35767
 
ORIGEM DA PÁSCOA E SUA RELAÇÃO COM JESUS.pdf
ORIGEM DA PÁSCOA E SUA RELAÇÃO COM JESUS.pdfORIGEM DA PÁSCOA E SUA RELAÇÃO COM JESUS.pdf
ORIGEM DA PÁSCOA E SUA RELAÇÃO COM JESUS.pdf
Nelson Pereira
 
A VERDADEIRA PÁSCOA É CRISTO, DEVEMOS ENTENDER O VERDADEIRO SIGNIFICADO DA PÁ...
A VERDADEIRA PÁSCOA É CRISTO, DEVEMOS ENTENDER O VERDADEIRO SIGNIFICADO DA PÁ...A VERDADEIRA PÁSCOA É CRISTO, DEVEMOS ENTENDER O VERDADEIRO SIGNIFICADO DA PÁ...
A VERDADEIRA PÁSCOA É CRISTO, DEVEMOS ENTENDER O VERDADEIRO SIGNIFICADO DA PÁ...
WarlingtonMoura1
 
averdadeirapascoa-130329135443-phpapp01.pdf
averdadeirapascoa-130329135443-phpapp01.pdfaverdadeirapascoa-130329135443-phpapp01.pdf
averdadeirapascoa-130329135443-phpapp01.pdf
TiaD5
 
Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"
Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"
Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"
tatianaeed
 
Tranformando pelo perdao
Tranformando pelo perdaoTranformando pelo perdao
Tranformando pelo perdao
arthurgomes33
 
A salvação judaica
A salvação judaicaA salvação judaica
A salvação judaica
JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 

Semelhante a Páscoa (20)

Lição 4 A Celebração da Primeira Páscoa
Lição 4   A Celebração da Primeira PáscoaLição 4   A Celebração da Primeira Páscoa
Lição 4 A Celebração da Primeira Páscoa
 
Historia de israel aula 10 páscoa
Historia de israel aula 10 páscoaHistoria de israel aula 10 páscoa
Historia de israel aula 10 páscoa
 
Pascoa
PascoaPascoa
Pascoa
 
Pascoa
PascoaPascoa
Pascoa
 
Lição 11 A Páscoa
Lição 11   A PáscoaLição 11   A Páscoa
Lição 11 A Páscoa
 
A pascoa visao_espirita jsoh
A pascoa visao_espirita jsohA pascoa visao_espirita jsoh
A pascoa visao_espirita jsoh
 
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentidoA Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
 
A celebração da primeira páscoa
A celebração da primeira páscoaA celebração da primeira páscoa
A celebração da primeira páscoa
 
Significado da pascoa
Significado da pascoaSignificado da pascoa
Significado da pascoa
 
Significado da Pascoa
Significado da PascoaSignificado da Pascoa
Significado da Pascoa
 
A verdadeira pascoa
A verdadeira pascoaA verdadeira pascoa
A verdadeira pascoa
 
O verdadeiro sentido da páscoa (2)
O verdadeiro sentido da páscoa (2)O verdadeiro sentido da páscoa (2)
O verdadeiro sentido da páscoa (2)
 
PÁSCOA - O QUE SIGNIFICA PARA JUDEUS , CRISTÃO E CATÓLICOS.ppt
PÁSCOA - O QUE SIGNIFICA PARA JUDEUS , CRISTÃO E CATÓLICOS.pptPÁSCOA - O QUE SIGNIFICA PARA JUDEUS , CRISTÃO E CATÓLICOS.ppt
PÁSCOA - O QUE SIGNIFICA PARA JUDEUS , CRISTÃO E CATÓLICOS.ppt
 
Festas_bíblicas.pptx
Festas_bíblicas.pptxFestas_bíblicas.pptx
Festas_bíblicas.pptx
 
ORIGEM DA PÁSCOA E SUA RELAÇÃO COM JESUS.pdf
ORIGEM DA PÁSCOA E SUA RELAÇÃO COM JESUS.pdfORIGEM DA PÁSCOA E SUA RELAÇÃO COM JESUS.pdf
ORIGEM DA PÁSCOA E SUA RELAÇÃO COM JESUS.pdf
 
A VERDADEIRA PÁSCOA É CRISTO, DEVEMOS ENTENDER O VERDADEIRO SIGNIFICADO DA PÁ...
A VERDADEIRA PÁSCOA É CRISTO, DEVEMOS ENTENDER O VERDADEIRO SIGNIFICADO DA PÁ...A VERDADEIRA PÁSCOA É CRISTO, DEVEMOS ENTENDER O VERDADEIRO SIGNIFICADO DA PÁ...
A VERDADEIRA PÁSCOA É CRISTO, DEVEMOS ENTENDER O VERDADEIRO SIGNIFICADO DA PÁ...
 
averdadeirapascoa-130329135443-phpapp01.pdf
averdadeirapascoa-130329135443-phpapp01.pdfaverdadeirapascoa-130329135443-phpapp01.pdf
averdadeirapascoa-130329135443-phpapp01.pdf
 
Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"
Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"
Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"
 
Tranformando pelo perdao
Tranformando pelo perdaoTranformando pelo perdao
Tranformando pelo perdao
 
A salvação judaica
A salvação judaicaA salvação judaica
A salvação judaica
 

Mais de Jovens Do Caminho

Autoridade Espiritual 1
Autoridade Espiritual 1Autoridade Espiritual 1
Autoridade Espiritual 1
Jovens Do Caminho
 
Autoridade Espiritual 2
Autoridade Espiritual 2Autoridade Espiritual 2
Autoridade Espiritual 2
Jovens Do Caminho
 
Autoridade Espiritual 3
Autoridade Espiritual 3Autoridade Espiritual 3
Autoridade Espiritual 3
Jovens Do Caminho
 
As armas da nossa milícia 1
As armas da nossa milícia 1As armas da nossa milícia 1
As armas da nossa milícia 1
Jovens Do Caminho
 
As armas da nossa milícia 2
As armas da nossa milícia 2As armas da nossa milícia 2
As armas da nossa milícia 2
Jovens Do Caminho
 
Dons Espirituais 1
Dons Espirituais 1Dons Espirituais 1
Dons Espirituais 1
Jovens Do Caminho
 
Dons Espirituais 2
Dons Espirituais 2Dons Espirituais 2
Dons Espirituais 2
Jovens Do Caminho
 
Dons Espirituais 3
Dons Espirituais 3Dons Espirituais 3
Dons Espirituais 3
Jovens Do Caminho
 
Apocalipse 1
Apocalipse 1Apocalipse 1
Apocalipse 1
Jovens Do Caminho
 
Escatologia 2
Escatologia 2 Escatologia 2
Escatologia 2
Jovens Do Caminho
 
Escatologia 3
Escatologia 3Escatologia 3
Escatologia 3
Jovens Do Caminho
 
Escatologia 4
Escatologia 4Escatologia 4
Escatologia 4
Jovens Do Caminho
 
Autoridade Espiritual
Autoridade EspiritualAutoridade Espiritual
Autoridade Espiritual
Jovens Do Caminho
 
Lei
LeiLei
Bibliologia Parte 1
Bibliologia Parte 1Bibliologia Parte 1
Bibliologia Parte 1
Jovens Do Caminho
 
Bibliologia Parte 2
Bibliologia Parte 2Bibliologia Parte 2
Bibliologia Parte 2
Jovens Do Caminho
 
Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1
Jovens Do Caminho
 
Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2
Jovens Do Caminho
 
A queda do homem
A queda do homemA queda do homem
A queda do homem
Jovens Do Caminho
 
Justificação
JustificaçãoJustificação
Justificação
Jovens Do Caminho
 

Mais de Jovens Do Caminho (20)

Autoridade Espiritual 1
Autoridade Espiritual 1Autoridade Espiritual 1
Autoridade Espiritual 1
 
Autoridade Espiritual 2
Autoridade Espiritual 2Autoridade Espiritual 2
Autoridade Espiritual 2
 
Autoridade Espiritual 3
Autoridade Espiritual 3Autoridade Espiritual 3
Autoridade Espiritual 3
 
As armas da nossa milícia 1
As armas da nossa milícia 1As armas da nossa milícia 1
As armas da nossa milícia 1
 
As armas da nossa milícia 2
As armas da nossa milícia 2As armas da nossa milícia 2
As armas da nossa milícia 2
 
Dons Espirituais 1
Dons Espirituais 1Dons Espirituais 1
Dons Espirituais 1
 
Dons Espirituais 2
Dons Espirituais 2Dons Espirituais 2
Dons Espirituais 2
 
Dons Espirituais 3
Dons Espirituais 3Dons Espirituais 3
Dons Espirituais 3
 
Apocalipse 1
Apocalipse 1Apocalipse 1
Apocalipse 1
 
Escatologia 2
Escatologia 2 Escatologia 2
Escatologia 2
 
Escatologia 3
Escatologia 3Escatologia 3
Escatologia 3
 
Escatologia 4
Escatologia 4Escatologia 4
Escatologia 4
 
Autoridade Espiritual
Autoridade EspiritualAutoridade Espiritual
Autoridade Espiritual
 
Lei
LeiLei
Lei
 
Bibliologia Parte 1
Bibliologia Parte 1Bibliologia Parte 1
Bibliologia Parte 1
 
Bibliologia Parte 2
Bibliologia Parte 2Bibliologia Parte 2
Bibliologia Parte 2
 
Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1
 
Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2
 
A queda do homem
A queda do homemA queda do homem
A queda do homem
 
Justificação
JustificaçãoJustificação
Justificação
 

Último

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 

Último (20)

Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 

Páscoa

  • 1. Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa
  • 2. 1. Conceito e Definição. 2. Como surgiu. 3. O que representa? 4. Quadro Comparativo. 5. Acompanhando os passos de Jesus. 6. A data e o mês que se comemora a Páscoa. 7. Símbolos da Páscoa Judaica. Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06– Páscoa
  • 3. 1. Conceito e definição. “Páscoa, também chamada SÉDER (ordem) é uma palavra de origem hebraica, PÊSSACH – (PÊÇAR), que significando passar por cima ou passar poupando”. Bispo Átila Brandão Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa
  • 4. 1. Como Surgiu Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa Surgiu conforme registra a Bíblia em Êxodo 12, no ano de 1500 antes da E.C, em Gosén no Egito, nos últimos instantes que precederam a saída do povo judeu, após 430 anos de cativeiro egípcio, para a tão prometida e sonhada Terra que mana leite e mel. Naquele exato momento, instantes que antecederam a última praga sobre os egípcios, a mortandade dos primogênitos, Deus determinou: “ISH SEH LE BÊITH AVOTH SEH LA BAITH (SHEMOT – Êxodo) 12:3.”
  • 5. 2. Como Surgiu Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 046– Páscoa Um Cordeiro HOMEM para cada casa, um cordeiro para cada família. – Observe que, em hebraico, macho é ZARRAH e fêmea é NEKEVAH, e no texto citado não aparece ZARRAH SEH, um cordeiro macho, mas, ISH SEH, um cordeiro homem. – Determinou ainda que cada família deveria tomar o cordeiro, simbolizando um Homem (ISH SEH) matá-lo, recolher o sangue numa bacia e pintar as vergas e os umbrais das casas, para que, no momento em que o MALACH (MÁLAR) HA – MAVET (O Anjo da Morte) passasse sobre o Egito para matar os primogênitos, tanto de homens, quanto de animais, não atingisse aqueles que estivessem nas casas pintadas com o sangue. O Anjo passaria poupando da morte o povo que assim houvesse procedido. Porque assim disse Deus: Vê-RAITÍ ÉT HADAM U-FASSÁRHTI ALÊHEM - “E vendo Eu sangue, passarei por cima de vós.” – SHEMOT – (Êxodo) 12:13b.
  • 6. 2. Como Surgiu Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa Remonta a Páscoa ao GAN EDEN (Jardim do Prazer), logo após a queda de ADAM (Adão), quando o Senhor abatendo um cordeiro, fez vestes da sua pele e as vestiu em ADAM (Adão) e em HAVAH (Eva) (Gn 3:21 “E fez o SENHOR Deus a Adão e à sua mulher túnicas de peles, e os vestiu”), mostrando a Sua Provisão completa, Misericórdia e Amor.
  • 7. 2. Como Surgiu Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa Vêmo-la, também, à época do Patriarca AVRAHAM AVINU (Abraão Nosso Pai), conforme registra BERESHIT (Gênesis) 22:7-8, no exato momento em que marchava em demanda ao AR MORIAH (Monte do Perfume de Deus) Monte Moriá para fazer a AKEDAH HA-ITZCHAK (a amarração, a ligadura de Isaque para sacrificá-lo a Deus) e este lhe pergunta: VA-IOMER ITZCHAK EL-AVRAHAM AVI: VA-IOMER, AVI; VA-IOMER, HINENI BENI. VA-IOMER: HINÊ HA-ESH VE-HÁ-ETSSIM; VE-AIEH HA-SE LE-OLAH? – “E disse Isaque a Abraão seu pai: E disse, pai; e disse, eis-me aqui meu filho. E disse: Eis aqui o fogo e as lenhas, e onde está o cordeiro substituto, propício para o holocausto?”. VA-IOMER AVRAHAM: ELOHIM IREÊ LÓ HA SEH LE OLAH, BENI! (E disse Abraão: “O Senhor proverá para Si o Cordeiro da Páscoa. Meu filho”). Porisso Jesus disse: “Abraão viu o Meu Dia e se alegrou”. (João 8:56)
  • 8. 3. O que representa? Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06– Páscoa Aquele cordeiro pascoal, ish seh (cordeiro homem) imolado para salvar o povo da morte iminente, é a representação de IESHUA (JESUS), na Cruz do Calvário, morrendo pelos pecados da humanidade. Razão disto é que, quando Jesus aproximava-se das águas do YARDEN (Jordão), para ser batizado por Seu primo IOHANAN HA MATEBIL (João Batista), que ali batizava o povo, foi por este visto, após o que falou João à multidão e apontando para Jesus, disse: HINE ISH SEH HA ELOHIM HANISHOH ETE HATATE HA ARETZ (“Eis ali o Cordeiro Homem de Deus que tira o pecado da terra” – João 1:29) Páscoa, conforme nos leciona Paulo de Tarso em I Coríntios5:7, é Jesus Cristo imolado!
  • 9. 4.Quadro Comparativo Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa PÊSSACH começa na noite de 14 de NISSAN ou AVIV correspondendo ao nosso 14 de abril, é ZEMAN CHERUTÊNU (data da libertação), é CHAG HA-AVIV (festa da primavera), é também CHAG HA-MATZOT(festa dos pães ázimos ou pães sem CHAMÉTZ (fermento). É também a época da colheita da cevada e do linho. É o fim da estação das chuvas e o começo da primavera, a estação das flores. É o início da lua nova. É o dia da transformação das 12 Tribos de Israel em um povo, data em que ocorreram duas mudanças fundamentais e profundas na vida de ISRAEL: 1) De escravo em LIVRE; 2) Solo nú e entorpecido em campos floridos e alegres. Antigo Testamento Êxodo 12 Novo Testamento 1º- No dia 10 de abril de 1500, AEC, tome um Cordeiro sem defeito, macho de um ano, sem mancha (versículo 5); 1528 anos depois, no dia 10 de abril de 28, EC, Jesus entrou em Jerusalém, montado num jumentinho pelo Portão das Ovelhas, por onde entram na Cidade os cordeiros destinados ao sacrifício na Páscoa; 2º- Leve o cordeiro para casa para examiná-lo nos dias 11,12 e 13 para fim de detectar se tem ou não defeitos; Nos dias 11,12 e 13, ele andou pelas ruas da cidade para ser examinado pelo povo e pelas autoridades e o KOHEN HÁ GADOL, o Sumo Sacerdote, disse: “é necessário que um homem morra pelo povo”. (João 11:50 ) . Logo, Ele não tinha defeitos, nem manchas, era o Cordeiro Homem propicio para o sacrifício;
  • 10. 4. Quadro Comparativo Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa PÊSSACH começa na noite de 14 de NISSAN ou AVIV correspondendo ao nosso 14 de abril, é ZEMAN CHERUTÊNU (data da libertação), é CHAG HA-AVIV (festa da primavera), é também CHAG HA-MATZOT(festa dos pães ázimos ou pães sem CHAMÉTZ (fermento). É também a época da colheita da cevada e do linho. É o fim da estação das chuvas e o começo da primavera, a estação das flores. É o início da lua nova. É o dia da transformação das 12 Tribos de Israel em um povo, data em que ocorreram duas mudanças fundamentais e profundas na vida de ISRAEL: 1) De escravo em LIVRE; 2) Solo nú e entorpecido em campos floridos e alegres. Antigo Testamento Êxodo 12 Novo Testamento Pôncio Pilatos, o braço de Roma, Governador da Judéia, declarou “não vejo nesse homem, pecado algum” (Lucas 23:4) Foi preso no GAT SHIMANI (Lagar, prensa de azeite) e conduzido à Casa do Sumo Sacerdote, porque, “tudo quanto passar debaixo da Vara do Sacerdote é Santo ao Senhor” (Lv 27:32), e só o Sumo Sacerdote era autorizado apresentar a vítima ao Senhor. Sem a Bênção do Sumo Sacerdote, Deus não aceita o sacrifício, pois é sacrifício de tolos ! (Ec 5:4); 3º- E, no 14º dia, 15 horas, mate o cordeiro e recolha o seu sangue numa bacia e pixe as vergas e os umbrais da sua casa com esse sangue. E, por fim, no dia 14 de abril de 28, às 15 horas, Jesus no alto da cruz, bradou “Pai, nas tuas mãos entrego o meu Espírito, e, morreu” (Lc 23:46).
  • 11. 5. Acompanhando os passos de Jesus Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa SEGUNDA-FEIRA Jesus sai de Betânia, vai a Jerusalém e no caminho amaldiçoa uma figueira. Em Jerusalém, protesta contra os vendilhões no templo e à tarde, retorna a Betânia. (Mt. 21.12-13;Mc. 11.15- 18); TERÇA-FEIRA Jesus retorna a Jerusalém e prediz a data de Sua morte, debate com líderes religiosos, vai ao monte das Oliveiras e fala do tempo do fim. (Mc. 13.1-4); QUARTA-FEIRA Judas trai Jesus. Uma mulher em Betânia unge Jesus. (MT. 26.6-13;Mc.14.1-9.);
  • 12. 5. Acompanhando os passos de Jesus Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa QUINTA-FEIRA (18 às 22h) Jesus come a última Páscoa judaica, celebra a primeira Ceia cristã com os discípulos e lava os seus pés. Mt. 26.17-29;Mc. 14.12-25;Lc. 22.7-20;Jo. 13.1-38; (23h a – 0h) Jesus ora no Jardim do Getsêmani enquanto aguarda Sua prisão, logo a seguir. Mt.26.36-46;Mc.14.32-42;Lc. 22.40-46); SEXTA-FEIRA (1h às 2h) Jesus é julgado, e é torturado fisicamente; (3h às 5h)Jesus no palácio de (José) Caifás.(Mt. 26.57;Jo. 18.24); (5 às 6h)Jesus passa pelo terceiro julgamento quando decidem pedir ao governo romano para mata-lo.(Mt.27.1;Lc.23.1;Jo.18.28);
  • 13. 5. Acompanhando os passos de Jesus Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa (6h às 7h) Jesus passa pelo quarto julgamento. Pilatos, afirma não ter encontrado pecado nEle. (MT. 27.11-14;Mc.15.2-5;Lc. 23.1-5;Jo.18.28-37); (7.30 às 8h)Jesus passa pelo quinto julgamento, perante Herodes Antipas. (Lc.23.7-11); (8 às 9h)Jesus passa pelo sexto e último julgamento. Pilatos, não vê nEle crime digno de morte.(Mt.27.26;Mc.15.15;Lc. 23.23-24;Jo.19.16); Paulo escrevendo aos hebreus, judeus crentes, diz que Jesus tinha que ser declarado “… Santo, irrepreensível, imaculado, e inviolado pelos pecadores”. (Hb 7.26) A lei dizia que o cordeiro teria que ser sem defeito; (9h às 10h) Jesus comparece ao Pretório Soldados de Pilatos se divertem, torturando-O colocam uma coroa de espinhos Nele. (Mt. 27.27-31);
  • 14. 5. Acompanhando os passos de Jesus Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa (10h às 11h) Jesus é forçado a carregar Sua própria cruz para o Calvário, com a ajuda de um judeu negro, Simão de Cirene. (As duas peças da cruz pesavam 80 quilos.) (Mt.27.32- 34;Mc.15.21-24;Lc.23.26-31;Jo.19.16-17); (12h) Jesus é pregado na cruz.(Mt.27.35-36;Mc.25.22-24;Lc.23.33); (13h) Jesus clama pelo Pai: “Deus meu, Deus meu por que me abandonaste?” (Mt.27.46;Mc.15.34;Jo.19.28); (14h) Jesus declara que tudo foi pago. (Jo.19.30ª.Lc.23.46.); (15h) Jesus morre. Cumprem-se todos os símbolos dos holocaustos e sacrifícios judaicos. O CORDEIRO É IMOLADO. (Mt.27.51-52; Mc.15.37) Os soldados não conheciam as profecias, mais não quebraram as pernas de Jesus, como o fizeram com os outros crucificados. Jo.19.31-33); (18h) Jesus é sepultado no túmulo de José de Arimatéia.- (Mt.27.57-60;Mc.15.42-47;Lc.23.50- 56; Jo.19.31-42.);
  • 15. 5. Acompanhando os passos de Jesus Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa SÁBADO. Como aconteceu na criação física (Gn.2.2); também na criação espiritual (2ªCo.5.17); DOMINGO . “… Jesus, o nazareno, que foi crucificado; ele ressurgiu; não está aqui;” Esta é a mensagem angelical. ” No primeiro dia da semana (domingo) Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu que a pedra fora removida do sepulcro” (Jo.20.1-2; Mc.16.6) Jesus ressuscitou. Aleluia! Aleluia!
  • 16. 6. A data e o mês que se comemora a páscoa. Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa PÊSSACH começa na noite de 14 de NISSAN ou AVIV correspondendo ao nosso 14 de abril, é ZEMAN CHERUTÊNU (data da libertação), é CHAG HA-AVIV (festa da primavera), é também CHAG HA-MATZOT(festa dos pães ázimos ou pães sem CHAMÉTZ (fermento). É também a época da colheita da cevada e do linho. É o fim da estação das chuvas e o começo da primavera, a estação das flores. É o início da lua nova. É o dia da transformação das 12 Tribos de Israel em um povo, data em que ocorreram duas mudanças fundamentais e profundas na vida de ISRAEL: 1) De escravo em LIVRE; 2) Solo nú e entorpecido em campos floridos e alegres.
  • 17. 7. Símbolos da Páscoa Judaica. A mesa do PÊSSACH , a KEARAH (Fonte), com os símbolos da Páscoa, é assim ornada com: MAROR (erva amarga, lembrando a vida amarga da escravidão no Egito); ZEROAH (pernil de carneiro assado); CHARÓSSET (mistura de maçãs e nozes picadas amassadas com vinho, formando uma pasta semelhante ao barro amassado pelos escravos judeus para fazer os tijolos no Egito); Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa
  • 18. 7. Símbolos da Páscoa Judaica. Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa 1 – RITÁ (trigo); 2 – SEORÁ (cevada); 3 – ZÁIT (azeitona) (oliva), 4 – TEENÁ (figo); 5 – RIMÓN (romã); 6 –TAMAR (tâmara); 7 – GUÉFEN (uva); Complementam a mesa de SÉDER, 3 MATZOT (pães ázimos), simbolizando as 3 categorias do povo judeu: I – COHANIM, descendentes de Aarón; II – LEVIIM, descendente de Leví; III – AM ISRAEL, todo o povo de Israel.
  • 19. Escola das Tribos. 19.04.2015 Aula 06 – Páscoa http://www.ibca.org.br/a-pascoa/ http://www.ibca.org.br/jesus-morreu-sexta-feira-mesmo/