SlideShare uma empresa Scribd logo
SACRAMENTOS
ORDENANÇAS DE JESUS
O que é sacramento
É uma ordenança sagrada instituída por
Cristo para simbolizar, selar e aplicar ao
crente os benefícios da salvação. Cristo
instituiu dois sacramentos: o batismo e a
Santa Ceia ou Eucaristia, que quer dizer
"Ação de Graças" (Mt 28.20; 1Co 11.23-25).
O que é sacramento
A palavra sacramento não está na Bíblia. Ela foi usada em
relação ao batismo e â Ceia do Senhor, pela primeira vez,
por Tertuliano, um teólogo que viveu muitos anos após a
morte de Cristo e dos apóstolos. Mas isso não significa
que ela seja imprópria para designar as duas ordenanças
deixadas por Jesus para serem observadas por seus
servos. Sacramento era o nome dado ao juramento que o
soldado fazia de fidelidade ao imperador, até à morte.
O que é sacramento
E é neste sentido que nós usamos esse termo. No
batismo o crente faz um juramento de fidelidade a
Cristo até a morte; e quando participa da Santa Ceia,
o crente reafirma este juramento. Portanto, quando
falamos em sacramento estamos nos referindo a uma
ordenança sagrada, instituída por Jesus Cristo, para
simbolizar, selar e aplicar ao crente os benefícios da
salvação.
O Batismo
O Batismo
É um sacramento que consiste no
derramamento de água sobre a cabeça do
batizando, em nome do Pai, do Filho e do
Espírito Santo, indicando a recepção solene
do batizando na igreja e selando a sua união
com Cristo.
O Batismo por aspersão
Porque há relatos e circunstâncias na Bíblia que nos
levam a concluir que o batismo bíblíco não era
aplicado por imersão. Vejamos:
1. João Batista, por acaso, conseguia imergir no
Jordão as multidões que iam ter com ele? (Mt 3.5-6)
2. Onde, em Jerusalém, os apóstolos conseguiram
água para imergir três mil pessoas no dia de
Pentecoste? (At 2.41)
O Batismo por aspersão
3. Paulo foi batizado dentro da casa de Judas (At 9.
10-19). Haveria ali algum tanque onde ele pudesse
ser imerso?
4. O carcereiro de Filipos foi batizado por volta da
meia-noite, depois de um terremoto que fendera as
paredes da prisão (At 16.23-33). E possível pensar em
imersão num caso como esse?
Batismo por aspersão
1. As profecias sobre a nova era, a dispensação da graça, falam
da purificação dos povos pelo derramamento de água sobre
eles, numa alusão que inclui o batismo cristão (Ez 36.25; Is
44.32).
2. A palavra grega baptismós (batismo, em português) é usada
pelo autor da Epístola aos Hebreus (9.10), quando fala das
abluções no Antigo Testamento. Essas abluções eram feitas por
aspersão (Hb 9.19-21; Nm 8.7). Se no Antigo Testamento as
abluções eram por aspersão, por que teriam de ser diferentes
no Novo Testamento?
Batismo por aspersão
3. O batismo com o Espírito Santo nas Escrituras é descrito
como um derramamento (Is 44.3; J1 2.28-29; At 2.18-33;
10.45; 11.15-16). E Jesus disse aos seus discípulos: "João,
na verdade, batizou com água, mas vós sereis batizados
com o Espírito Santo" (At 1.5). Se o batismo com o Espírito
Santo significa que o Espírito é derramado sobre as
pessoas, podemos inferir que o batismo com água
também deve ser feito mediante derramamento de água
sobre os batizandos.
Batismo por aspersão
4. No batismo, a água é apenas símbolo, como o são
o pão e o vinho na Ceia do Senhor. Logo, não importa
a quantidade de água usada no batismo. Imaginemos
que a bandeira de um país, para simbolizá-lo,
precisasse ter o tamanho do país! No entanto,
sabemos que uma pequenina bandeira, dessas
usadas nas paradas escolares, é suficiente para
simbolizar um país.
O Batismo Infantil
No Novo Testamento são recebidas na igreja pelo
batismo, que substituiu a circuncisão (G12.11-12). Na
dispensação da lei, o menino que não fosse
circuncidado era eliminado do povo do Deus (Gn
17.14). O crente, na dispensação do Novo
Testamento, que não apresenta seus filhos para o
batismo está quebrando a aliança com Deus e
cometendo grande pecado.
O Batismo Infantil
Os textos bíblicos que falam da fé como pré-requisito para
receber o batismo não se referem às crianças. A prova é
que Marcos (16.16), depois de citar as palavras de Cristo -
"quem crer e for batizado será salvo" registra também -
"quem, porém, não crê, será condenado". Ora, se as
crianças não são capazes de crer e, por isso, não podem
ser batizadas, elas estão condenadas. No entanto, Jesus
afirmou: "... das tais é o reino de Deus", e sem qualquer
referência à fé.
O Batismo Infantil
Há, no Novo Testamento, registro de batismo de
criança?
O Novo Testamento registra o batismo de cinco
famílias inteiras (At 10.23-24, 48; 16.15, 41 33; 18.8;
1Co 1.16). Será que nessas famílias não havia
crianças? Orígenes, um teólogo da Igreja primitiva,
ensinou que os apóstolos batizavam crianças.
Conclusão
Ainda que ficasse provado que João Batista batizava por
imersão, que Jesus foi batizado por imersão e que os apóstolos
batizavam por imersão, poderíamos continuar batizando por
aspersão, sem desobedecer â Bíblia Sagrada. Pois no batismo a
água é símbolo; logo, não importa a quantidade. Lembremo-nos
de que quando Jesus instituiu a Santa Ceia ele usou
quantidades normais de pão e vinho, mas hoje celebramos a
Santa Ceia com um pequeno pedaço de pão e um pequenino
cálice de vinho ou de suco de uva.
Conclusão
Ninguém questiona a quantidade de pão e vinho
usada na Santa Ceia, pois todos sabem que estes
elementos são símbolos. No batismo a água é
símbolo, logo, a quantidade não importa. Se uma
pequena porção de pão e vinho é aceita como
elemento suficiente para a celebração da Santa Ceia,
por que uma pequena porção de água não é
suficiente para ministração do batismo?
Conclusão
Como a Bíblia não diz explicitamente a forma como o
batismo deve ser feito, praticamos a aspersão, pois ela é
mais prática — pode ser praticada em qualquer lugar, em
qualquer circunstância e com qualquer pessoa, mesmo
que o batizando seja um enfermo, uma pessoa muito
idosa ou um paralítico. Cremos que Deus não
determinaria uma forma de batismo que discriminasse
qualquer pessoa por deficiência física; e a aspersão não
discrimina ninguém.
Conclusão
Quando instituiu o batismo, Jesus não disse
explicitamente a forma como este sacramento devia ser
ministrado. Mas ordenou que o batismo fosse feito "em
nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo" (Mt 28.19).
isto significa que o batismo sela uma relação especial
entre o batizando e a Trindade. Nessa relação especial, o
batizando se compromete a viver em completa obediência
a Deus. E Deus o adota como filho, fazendo-o co-herdeiro
com Cristo.
A ceia do Senhor
A ceia do Senhor
A Ceia do Senhor tem como objetivo fortalecer
espiritualmente os crentes e manter a unidade da igreja.
"Os crentes comungam recebendo juntos o emblema do
corpo partido do Senhor e bebendo do vinho, símbolo do
seu sangue derramado, significando com isso que lhes
cumpre como igreja pensar unanimemente na fonte —
Cristo — de onde promana a salvação-.'
Assim como o batismo é o sucessor da circuncisão, a Ceia
do Senhor é a sucessora da páscoa.
A ceia do Senhor
A Ceia do Senhor é o sacramento que comemora e
proclama o sacrifício único, perfeito e completo que Cristo
fez para a nossa redenção. Ela se caracteriza "por
apresentar uma ou mais verdades espirituais mediante
sinais visíveis e externos". A Ceia do Senhor é uma
representação simbólica da morte de Cristo (1 Co 11.24-
26), um símbolo de nossa participação no sacrifício e na
vitória de Cristo (Jo 6.53) e, também, um símbolo da união
espiritual de todos os crentes (1 Co 10.17; 12.13).
A ceia do Senhor
A Ceia do Senhor é um meio de graça, isto é,
um meio que Deus usa para nos alimentar
espiritualmente, promovendo assim o nosso
crescimento espiritual.
Os Elementos da Santa Ceia
Na Santa Ceia, os crentes reunidos comem juntos um
pedaço de pão e bebem, também juntos, um cálice
de vinho. O pão e o vinho (ou suco de uva) foram
criados por Deus e são usados na celebração deste
sacramento para nos comunicar uma realidade que
vai além deles, mas que não se choca com eles. Mas
a Santa Ceia não é apenas pão e vinho; ela inclui
também outros elementos.
Os Elementos da Santa Ceia
Para cumprira sua finalidade, a Ceia representa várias
verdades espirituais por meio de sinais. Estes, afora os
elementos materiais do pão e do vinho, incluem atos do
ministro e do comungante. Diversas coisas são
significadas, no simbolismo claro deste sacramento:
o pão e o vinho escolhidos por Jesus, para representar o
seu corpo e o seu sangue, simbolizam adequadamente o
seu sacrifício e o efeito do mesmo;
Os Elementos da Santa Ceia
o efeito do pão e do vinho, como bons alimentos, fornecendo bem-
estar e força ao corpo, simboliza a segurança e o gozo espiritual da fé
em Cristo;
o fato de serem estes alimentos servidos na mesma mesa, e
participados por todos os irmãos presentes, simboliza ainda a unidade
da Igreja ("somos um só pão e um só corpo", diz Paulo em 1 Corinfios
10.17), e o amor fraternal da comunidade cristã.°
Deus criou todas as coisas, por isso ele pode, segundo a sua vontade,
escolher elementos da natureza para nos falar através deles. E é isso
que ele faz através da Santa Ceia.
A Presença de Jesus nos
Elementos da Ceia
As palavras de Jesus "isto é o meu corpo" e "isto é o meu
sangue" têm sido interpretadas de quatro maneiras
diferentes.
A Igreja Católica Romana afirma que, mediante a
consagração dos elementos, pelo sacerdote, a substância
do pão (hóstia) se transforma em corpo de Cristo, e a
substância do vinho se transforma em sangue de Jesus.
Por isso, esta doutrina é chamada transubstanciação.
A Presença de Jesus nos
Elementos da Ceia
Os luteranos e afins rejeitaram a transubstanciação.
Eles entendem que o pão continua sendo pão e o
vinho continua sendo vinho. Mas, junto com as
substâncias do pão e do vinho, no ato da celebração,
estão também as substâncias da carne e do sangue
de Jesus. Por isso essa doutrina é chamada
consubstanciação.
A Presença de Jesus nos
Elementos da Ceia
Zwínglio rejeitou a transubstanciação e a
consubstanciação. Para ele a Ceia é um
memorial do que Cristo fez pelos pecadores e
um ato de reafirmação de fé do participante.
Esta doutrina chama-se memorial. É a doutrina
adotada pela maioria das igrejas batistas e
pentecostais.
A Presença de Jesus nos
Elementos da Ceia
Calvino, embora herdeiro do movimento de reforma
iniciado por Zwínglio, não concordou com a interpretação
memorial. Para ele o pão e o vinho não se transformam
em outra substância, como afirma a transubstanciação. A
substância do corpo e do sangue de Jesus não se soma à
substância do pão e do vinho, como interpreta a
consubstanciação. Mas, também, a Ceia não é um simples
memorial, Jesus está presente espiritualmente no pão e
no vinho.
A Presença de Jesus nos
Elementos da Ceia
Esta presença espiritual é tão real como o pão e o
vinho. Por isto, ao participar do pão e do vinho, o
crente participa espiritualmente do corpo e do
sangue de Jesus. E assim como pão e vinho
alimentam o corpo, a presença espiritual de Jesus na
Ceia alimenta espiritualmente o participante. Esta é a
doutrina aceita pela Igreja Presbiteriana.
Bibliografia Básica
SPROUL, R.C. Verdades Essenciais da Fé Cristã. São Paulo: Cultura
Cristã, 2015.
NASCIMENTO, Adão Carlos e MATOS, Alderi de Sousa. O que todo
presbiteriano inteligente precisa saber. Santa Bárbara do Oeste SP:
SOCEP Editora, 2007.
NASCIMENTO, Adão Carlos. A razão de nossa Fé. São Paulo: Cultura
Cristã, 2015.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Culto e Liturgia
Culto e LiturgiaCulto e Liturgia
Escatologia - um estudo introdutório
Escatologia - um estudo introdutórioEscatologia - um estudo introdutório
Escatologia - um estudo introdutório
Viva a Igreja
 
Palestra Escatologia Bíblica.pdf
Palestra Escatologia Bíblica.pdfPalestra Escatologia Bíblica.pdf
Palestra Escatologia Bíblica.pdf
Lázaro Marks
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Luan Almeida
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Seitas e heresias identificando e refutando
Seitas e heresias  identificando e refutandoSeitas e heresias  identificando e refutando
Seitas e heresias identificando e refutando
Edmilson Fernandes
 
Corpo alma espirito
Corpo alma espiritoCorpo alma espirito
Corpo alma espirito
Dagmar Wendt
 
Panorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - ColossensesPanorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - Colossenses
Respirando Deus
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
Rosana Eugenio Dos Santos
 
A Bíblia - Para que ler e como ler
A Bíblia - Para que ler e como lerA Bíblia - Para que ler e como ler
A Bíblia - Para que ler e como ler
Márcio Melânia
 
Apostila - Resumo de Escatologia: Quais são os sinais dos cumprimentos profét...
Apostila - Resumo de Escatologia: Quais são os sinais dos cumprimentos profét...Apostila - Resumo de Escatologia: Quais são os sinais dos cumprimentos profét...
Apostila - Resumo de Escatologia: Quais são os sinais dos cumprimentos profét...
Jonas Martins Olímpio
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Éder Tomé
 
2) princípio do fim as 70 semanas de daniel
2) princípio do fim   as 70 semanas de daniel2) princípio do fim   as 70 semanas de daniel
2) princípio do fim as 70 semanas de daniel
Jean Jorge Silva
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
Wander Sousa
 
Panorama do NT - 1Pedro
Panorama do NT - 1PedroPanorama do NT - 1Pedro
Panorama do NT - 1Pedro
Respirando Deus
 
Lição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novoLição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novo
Éder Tomé
 
2. o estado intermediario dos mortos
2. o estado intermediario dos mortos2. o estado intermediario dos mortos
2. o estado intermediario dos mortos
Moisés Sampaio
 
Estudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e OfertasEstudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e Ofertas
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Panorama do NT - Tito
Panorama do NT - TitoPanorama do NT - Tito
Panorama do NT - Tito
Respirando Deus
 
Lição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 1 - A Doutrina da TrindadeLição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 1 - A Doutrina da Trindade
Éder Tomé
 

Mais procurados (20)

Culto e Liturgia
Culto e LiturgiaCulto e Liturgia
Culto e Liturgia
 
Escatologia - um estudo introdutório
Escatologia - um estudo introdutórioEscatologia - um estudo introdutório
Escatologia - um estudo introdutório
 
Palestra Escatologia Bíblica.pdf
Palestra Escatologia Bíblica.pdfPalestra Escatologia Bíblica.pdf
Palestra Escatologia Bíblica.pdf
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
 
Seitas e heresias identificando e refutando
Seitas e heresias  identificando e refutandoSeitas e heresias  identificando e refutando
Seitas e heresias identificando e refutando
 
Corpo alma espirito
Corpo alma espiritoCorpo alma espirito
Corpo alma espirito
 
Panorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - ColossensesPanorama do NT - Colossenses
Panorama do NT - Colossenses
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
 
A Bíblia - Para que ler e como ler
A Bíblia - Para que ler e como lerA Bíblia - Para que ler e como ler
A Bíblia - Para que ler e como ler
 
Apostila - Resumo de Escatologia: Quais são os sinais dos cumprimentos profét...
Apostila - Resumo de Escatologia: Quais são os sinais dos cumprimentos profét...Apostila - Resumo de Escatologia: Quais são os sinais dos cumprimentos profét...
Apostila - Resumo de Escatologia: Quais são os sinais dos cumprimentos profét...
 
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma ProtestanteLição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
Lição 4 – A história da Igreja até a Reforma Protestante
 
2) princípio do fim as 70 semanas de daniel
2) princípio do fim   as 70 semanas de daniel2) princípio do fim   as 70 semanas de daniel
2) princípio do fim as 70 semanas de daniel
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
 
Panorama do NT - 1Pedro
Panorama do NT - 1PedroPanorama do NT - 1Pedro
Panorama do NT - 1Pedro
 
Lição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novoLição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novo
 
2. o estado intermediario dos mortos
2. o estado intermediario dos mortos2. o estado intermediario dos mortos
2. o estado intermediario dos mortos
 
Estudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e OfertasEstudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e Ofertas
 
Panorama do NT - Tito
Panorama do NT - TitoPanorama do NT - Tito
Panorama do NT - Tito
 
Lição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 1 - A Doutrina da TrindadeLição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 1 - A Doutrina da Trindade
 

Semelhante a Sacramentos: Batismo e Ceia

Rituais e cerimônias da igreja_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Rituais e cerimônias da igreja_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos Rituais e cerimônias da igreja_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Rituais e cerimônias da igreja_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Gerson G. Ramos
 
Aula resumo batismo em águas
Aula resumo   batismo em águasAula resumo   batismo em águas
Aula resumo batismo em águas
Patrícia Souza
 
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptxLição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Celso Napoleon
 
A importância de ser Batizado.pdf
A importância de ser Batizado.pdfA importância de ser Batizado.pdf
A importância de ser Batizado.pdf
JooAlbertoSoaresdaSi
 
Pré revisão 2
Pré revisão 2Pré revisão 2
Pré revisão 2
Erick Diniz
 
Estudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinaiEstudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinai
Elisa Schenk
 
Lbj lição 5 Ordenanças da igreja
Lbj lição 5   Ordenanças da igrejaLbj lição 5   Ordenanças da igreja
Lbj lição 5 Ordenanças da igreja
boasnovassena
 
Os Sacramentos de Iniciação Cristã na Igreja
Os Sacramentos de Iniciação Cristã na IgrejaOs Sacramentos de Iniciação Cristã na Igreja
Os Sacramentos de Iniciação Cristã na Igreja
Walben
 
Lição 9 a pureza do movimento pentecostal
Lição 9   a pureza do movimento pentecostalLição 9   a pureza do movimento pentecostal
Lição 9 a pureza do movimento pentecostal
Jose Ventura
 
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptxLição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Celso Napoleon
 
Jornal dezembro
Jornal dezembroJornal dezembro
Jornal dezembro
saojosepascom
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Fábio Soares
 
Aceiadosenhor
AceiadosenhorAceiadosenhor
Aceiadosenhor
Videlk
 
Corpus christi 2 catecismo (portugues)
Corpus christi   2 catecismo (portugues)Corpus christi   2 catecismo (portugues)
Corpus christi 2 catecismo (portugues)
Martin M Flynn
 
Confirmacao
ConfirmacaoConfirmacao
Confirmacao
GERALDAMAGOLIVER
 
Jornal do Batismo
Jornal do BatismoJornal do Batismo
Jornal do Batismo
Alexandre Othon
 
Lição 09 a necessidade de termos uma vida santa
Lição 09  a necessidade de termos uma vida santaLição 09  a necessidade de termos uma vida santa
Lição 09 a necessidade de termos uma vida santa
Pr. Andre Luiz
 
- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt
- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt
- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt
Fabio Cavalcante
 
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Rubens Júnior
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
Catequese Anjos dos Céus
 

Semelhante a Sacramentos: Batismo e Ceia (20)

Rituais e cerimônias da igreja_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Rituais e cerimônias da igreja_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos Rituais e cerimônias da igreja_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Rituais e cerimônias da igreja_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
 
Aula resumo batismo em águas
Aula resumo   batismo em águasAula resumo   batismo em águas
Aula resumo batismo em águas
 
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptxLição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
Lição 10 - A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja.pptx
 
A importância de ser Batizado.pdf
A importância de ser Batizado.pdfA importância de ser Batizado.pdf
A importância de ser Batizado.pdf
 
Pré revisão 2
Pré revisão 2Pré revisão 2
Pré revisão 2
 
Estudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinaiEstudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinai
 
Lbj lição 5 Ordenanças da igreja
Lbj lição 5   Ordenanças da igrejaLbj lição 5   Ordenanças da igreja
Lbj lição 5 Ordenanças da igreja
 
Os Sacramentos de Iniciação Cristã na Igreja
Os Sacramentos de Iniciação Cristã na IgrejaOs Sacramentos de Iniciação Cristã na Igreja
Os Sacramentos de Iniciação Cristã na Igreja
 
Lição 9 a pureza do movimento pentecostal
Lição 9   a pureza do movimento pentecostalLição 9   a pureza do movimento pentecostal
Lição 9 a pureza do movimento pentecostal
 
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptxLição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
Lição 9 - O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja.pptx
 
Jornal dezembro
Jornal dezembroJornal dezembro
Jornal dezembro
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Aceiadosenhor
AceiadosenhorAceiadosenhor
Aceiadosenhor
 
Corpus christi 2 catecismo (portugues)
Corpus christi   2 catecismo (portugues)Corpus christi   2 catecismo (portugues)
Corpus christi 2 catecismo (portugues)
 
Confirmacao
ConfirmacaoConfirmacao
Confirmacao
 
Jornal do Batismo
Jornal do BatismoJornal do Batismo
Jornal do Batismo
 
Lição 09 a necessidade de termos uma vida santa
Lição 09  a necessidade de termos uma vida santaLição 09  a necessidade de termos uma vida santa
Lição 09 a necessidade de termos uma vida santa
 
- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt
- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt
- A PARTICIPAÇÃO NA SANTA MISSA (1).ppt
 
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
 

Mais de Geversom Sousa

Doutrina da mordomia cristã
Doutrina da mordomia cristãDoutrina da mordomia cristã
Doutrina da mordomia cristã
Geversom Sousa
 
A doutrina da Salvação
A doutrina da Salvação A doutrina da Salvação
A doutrina da Salvação
Geversom Sousa
 
Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado
Geversom Sousa
 
Deus: o Espírito Santo
Deus: o Espírito Santo Deus: o Espírito Santo
Deus: o Espírito Santo
Geversom Sousa
 
Deus: o Filho
Deus: o Filho Deus: o Filho
Deus: o Filho
Geversom Sousa
 
Deus: o Pai
Deus: o Pai Deus: o Pai
Deus: o Pai
Geversom Sousa
 
Deus Triuno - A doutrina da Trindade
Deus Triuno - A doutrina da TrindadeDeus Triuno - A doutrina da Trindade
Deus Triuno - A doutrina da Trindade
Geversom Sousa
 
Perdão
Perdão Perdão
Perdão
Geversom Sousa
 
A Revelação de Deus
A Revelação de DeusA Revelação de Deus
A Revelação de Deus
Geversom Sousa
 
Confissão de pecados
Confissão de pecadosConfissão de pecados
Confissão de pecados
Geversom Sousa
 
Amor a Deus
Amor a Deus Amor a Deus
Amor a Deus
Geversom Sousa
 
Santidade
SantidadeSantidade
Santidade
Geversom Sousa
 
O Temor do Senhor
O Temor do Senhor O Temor do Senhor
O Temor do Senhor
Geversom Sousa
 
Apocalipse aula 01
Apocalipse   aula 01Apocalipse   aula 01
Apocalipse aula 01
Geversom Sousa
 
EBD - Evangelho de Marcos - aula 01
EBD - Evangelho de Marcos - aula 01EBD - Evangelho de Marcos - aula 01
EBD - Evangelho de Marcos - aula 01
Geversom Sousa
 
Resenha - meu deus é maior que o câncer
Resenha - meu deus é maior que o câncerResenha - meu deus é maior que o câncer
Resenha - meu deus é maior que o câncer
Geversom Sousa
 
Relatorio de leitura corra com cavalos
Relatorio de leitura   corra com cavalosRelatorio de leitura   corra com cavalos
Relatorio de leitura corra com cavalos
Geversom Sousa
 
Domínio das nações sobre israel
Domínio das nações sobre israelDomínio das nações sobre israel
Domínio das nações sobre israel
Geversom Sousa
 
Hebreus 3.7 a 4.13 percorrendo do caminho
Hebreus 3.7 a 4.13   percorrendo do caminhoHebreus 3.7 a 4.13   percorrendo do caminho
Hebreus 3.7 a 4.13 percorrendo do caminho
Geversom Sousa
 
Hebreus 3.1 6 - Jesus maior que Moisés
Hebreus 3.1 6 - Jesus maior que MoisésHebreus 3.1 6 - Jesus maior que Moisés
Hebreus 3.1 6 - Jesus maior que Moisés
Geversom Sousa
 

Mais de Geversom Sousa (20)

Doutrina da mordomia cristã
Doutrina da mordomia cristãDoutrina da mordomia cristã
Doutrina da mordomia cristã
 
A doutrina da Salvação
A doutrina da Salvação A doutrina da Salvação
A doutrina da Salvação
 
Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado
 
Deus: o Espírito Santo
Deus: o Espírito Santo Deus: o Espírito Santo
Deus: o Espírito Santo
 
Deus: o Filho
Deus: o Filho Deus: o Filho
Deus: o Filho
 
Deus: o Pai
Deus: o Pai Deus: o Pai
Deus: o Pai
 
Deus Triuno - A doutrina da Trindade
Deus Triuno - A doutrina da TrindadeDeus Triuno - A doutrina da Trindade
Deus Triuno - A doutrina da Trindade
 
Perdão
Perdão Perdão
Perdão
 
A Revelação de Deus
A Revelação de DeusA Revelação de Deus
A Revelação de Deus
 
Confissão de pecados
Confissão de pecadosConfissão de pecados
Confissão de pecados
 
Amor a Deus
Amor a Deus Amor a Deus
Amor a Deus
 
Santidade
SantidadeSantidade
Santidade
 
O Temor do Senhor
O Temor do Senhor O Temor do Senhor
O Temor do Senhor
 
Apocalipse aula 01
Apocalipse   aula 01Apocalipse   aula 01
Apocalipse aula 01
 
EBD - Evangelho de Marcos - aula 01
EBD - Evangelho de Marcos - aula 01EBD - Evangelho de Marcos - aula 01
EBD - Evangelho de Marcos - aula 01
 
Resenha - meu deus é maior que o câncer
Resenha - meu deus é maior que o câncerResenha - meu deus é maior que o câncer
Resenha - meu deus é maior que o câncer
 
Relatorio de leitura corra com cavalos
Relatorio de leitura   corra com cavalosRelatorio de leitura   corra com cavalos
Relatorio de leitura corra com cavalos
 
Domínio das nações sobre israel
Domínio das nações sobre israelDomínio das nações sobre israel
Domínio das nações sobre israel
 
Hebreus 3.7 a 4.13 percorrendo do caminho
Hebreus 3.7 a 4.13   percorrendo do caminhoHebreus 3.7 a 4.13   percorrendo do caminho
Hebreus 3.7 a 4.13 percorrendo do caminho
 
Hebreus 3.1 6 - Jesus maior que Moisés
Hebreus 3.1 6 - Jesus maior que MoisésHebreus 3.1 6 - Jesus maior que Moisés
Hebreus 3.1 6 - Jesus maior que Moisés
 

Último

Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
MasaCalixto2
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 

Último (18)

Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 

Sacramentos: Batismo e Ceia

  • 2. O que é sacramento É uma ordenança sagrada instituída por Cristo para simbolizar, selar e aplicar ao crente os benefícios da salvação. Cristo instituiu dois sacramentos: o batismo e a Santa Ceia ou Eucaristia, que quer dizer "Ação de Graças" (Mt 28.20; 1Co 11.23-25).
  • 3. O que é sacramento A palavra sacramento não está na Bíblia. Ela foi usada em relação ao batismo e â Ceia do Senhor, pela primeira vez, por Tertuliano, um teólogo que viveu muitos anos após a morte de Cristo e dos apóstolos. Mas isso não significa que ela seja imprópria para designar as duas ordenanças deixadas por Jesus para serem observadas por seus servos. Sacramento era o nome dado ao juramento que o soldado fazia de fidelidade ao imperador, até à morte.
  • 4. O que é sacramento E é neste sentido que nós usamos esse termo. No batismo o crente faz um juramento de fidelidade a Cristo até a morte; e quando participa da Santa Ceia, o crente reafirma este juramento. Portanto, quando falamos em sacramento estamos nos referindo a uma ordenança sagrada, instituída por Jesus Cristo, para simbolizar, selar e aplicar ao crente os benefícios da salvação.
  • 6. O Batismo É um sacramento que consiste no derramamento de água sobre a cabeça do batizando, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, indicando a recepção solene do batizando na igreja e selando a sua união com Cristo.
  • 7. O Batismo por aspersão Porque há relatos e circunstâncias na Bíblia que nos levam a concluir que o batismo bíblíco não era aplicado por imersão. Vejamos: 1. João Batista, por acaso, conseguia imergir no Jordão as multidões que iam ter com ele? (Mt 3.5-6) 2. Onde, em Jerusalém, os apóstolos conseguiram água para imergir três mil pessoas no dia de Pentecoste? (At 2.41)
  • 8. O Batismo por aspersão 3. Paulo foi batizado dentro da casa de Judas (At 9. 10-19). Haveria ali algum tanque onde ele pudesse ser imerso? 4. O carcereiro de Filipos foi batizado por volta da meia-noite, depois de um terremoto que fendera as paredes da prisão (At 16.23-33). E possível pensar em imersão num caso como esse?
  • 9. Batismo por aspersão 1. As profecias sobre a nova era, a dispensação da graça, falam da purificação dos povos pelo derramamento de água sobre eles, numa alusão que inclui o batismo cristão (Ez 36.25; Is 44.32). 2. A palavra grega baptismós (batismo, em português) é usada pelo autor da Epístola aos Hebreus (9.10), quando fala das abluções no Antigo Testamento. Essas abluções eram feitas por aspersão (Hb 9.19-21; Nm 8.7). Se no Antigo Testamento as abluções eram por aspersão, por que teriam de ser diferentes no Novo Testamento?
  • 10. Batismo por aspersão 3. O batismo com o Espírito Santo nas Escrituras é descrito como um derramamento (Is 44.3; J1 2.28-29; At 2.18-33; 10.45; 11.15-16). E Jesus disse aos seus discípulos: "João, na verdade, batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo" (At 1.5). Se o batismo com o Espírito Santo significa que o Espírito é derramado sobre as pessoas, podemos inferir que o batismo com água também deve ser feito mediante derramamento de água sobre os batizandos.
  • 11. Batismo por aspersão 4. No batismo, a água é apenas símbolo, como o são o pão e o vinho na Ceia do Senhor. Logo, não importa a quantidade de água usada no batismo. Imaginemos que a bandeira de um país, para simbolizá-lo, precisasse ter o tamanho do país! No entanto, sabemos que uma pequenina bandeira, dessas usadas nas paradas escolares, é suficiente para simbolizar um país.
  • 12. O Batismo Infantil No Novo Testamento são recebidas na igreja pelo batismo, que substituiu a circuncisão (G12.11-12). Na dispensação da lei, o menino que não fosse circuncidado era eliminado do povo do Deus (Gn 17.14). O crente, na dispensação do Novo Testamento, que não apresenta seus filhos para o batismo está quebrando a aliança com Deus e cometendo grande pecado.
  • 13. O Batismo Infantil Os textos bíblicos que falam da fé como pré-requisito para receber o batismo não se referem às crianças. A prova é que Marcos (16.16), depois de citar as palavras de Cristo - "quem crer e for batizado será salvo" registra também - "quem, porém, não crê, será condenado". Ora, se as crianças não são capazes de crer e, por isso, não podem ser batizadas, elas estão condenadas. No entanto, Jesus afirmou: "... das tais é o reino de Deus", e sem qualquer referência à fé.
  • 14. O Batismo Infantil Há, no Novo Testamento, registro de batismo de criança? O Novo Testamento registra o batismo de cinco famílias inteiras (At 10.23-24, 48; 16.15, 41 33; 18.8; 1Co 1.16). Será que nessas famílias não havia crianças? Orígenes, um teólogo da Igreja primitiva, ensinou que os apóstolos batizavam crianças.
  • 15. Conclusão Ainda que ficasse provado que João Batista batizava por imersão, que Jesus foi batizado por imersão e que os apóstolos batizavam por imersão, poderíamos continuar batizando por aspersão, sem desobedecer â Bíblia Sagrada. Pois no batismo a água é símbolo; logo, não importa a quantidade. Lembremo-nos de que quando Jesus instituiu a Santa Ceia ele usou quantidades normais de pão e vinho, mas hoje celebramos a Santa Ceia com um pequeno pedaço de pão e um pequenino cálice de vinho ou de suco de uva.
  • 16. Conclusão Ninguém questiona a quantidade de pão e vinho usada na Santa Ceia, pois todos sabem que estes elementos são símbolos. No batismo a água é símbolo, logo, a quantidade não importa. Se uma pequena porção de pão e vinho é aceita como elemento suficiente para a celebração da Santa Ceia, por que uma pequena porção de água não é suficiente para ministração do batismo?
  • 17. Conclusão Como a Bíblia não diz explicitamente a forma como o batismo deve ser feito, praticamos a aspersão, pois ela é mais prática — pode ser praticada em qualquer lugar, em qualquer circunstância e com qualquer pessoa, mesmo que o batizando seja um enfermo, uma pessoa muito idosa ou um paralítico. Cremos que Deus não determinaria uma forma de batismo que discriminasse qualquer pessoa por deficiência física; e a aspersão não discrimina ninguém.
  • 18. Conclusão Quando instituiu o batismo, Jesus não disse explicitamente a forma como este sacramento devia ser ministrado. Mas ordenou que o batismo fosse feito "em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo" (Mt 28.19). isto significa que o batismo sela uma relação especial entre o batizando e a Trindade. Nessa relação especial, o batizando se compromete a viver em completa obediência a Deus. E Deus o adota como filho, fazendo-o co-herdeiro com Cristo.
  • 19. A ceia do Senhor
  • 20. A ceia do Senhor A Ceia do Senhor tem como objetivo fortalecer espiritualmente os crentes e manter a unidade da igreja. "Os crentes comungam recebendo juntos o emblema do corpo partido do Senhor e bebendo do vinho, símbolo do seu sangue derramado, significando com isso que lhes cumpre como igreja pensar unanimemente na fonte — Cristo — de onde promana a salvação-.' Assim como o batismo é o sucessor da circuncisão, a Ceia do Senhor é a sucessora da páscoa.
  • 21. A ceia do Senhor A Ceia do Senhor é o sacramento que comemora e proclama o sacrifício único, perfeito e completo que Cristo fez para a nossa redenção. Ela se caracteriza "por apresentar uma ou mais verdades espirituais mediante sinais visíveis e externos". A Ceia do Senhor é uma representação simbólica da morte de Cristo (1 Co 11.24- 26), um símbolo de nossa participação no sacrifício e na vitória de Cristo (Jo 6.53) e, também, um símbolo da união espiritual de todos os crentes (1 Co 10.17; 12.13).
  • 22. A ceia do Senhor A Ceia do Senhor é um meio de graça, isto é, um meio que Deus usa para nos alimentar espiritualmente, promovendo assim o nosso crescimento espiritual.
  • 23. Os Elementos da Santa Ceia Na Santa Ceia, os crentes reunidos comem juntos um pedaço de pão e bebem, também juntos, um cálice de vinho. O pão e o vinho (ou suco de uva) foram criados por Deus e são usados na celebração deste sacramento para nos comunicar uma realidade que vai além deles, mas que não se choca com eles. Mas a Santa Ceia não é apenas pão e vinho; ela inclui também outros elementos.
  • 24. Os Elementos da Santa Ceia Para cumprira sua finalidade, a Ceia representa várias verdades espirituais por meio de sinais. Estes, afora os elementos materiais do pão e do vinho, incluem atos do ministro e do comungante. Diversas coisas são significadas, no simbolismo claro deste sacramento: o pão e o vinho escolhidos por Jesus, para representar o seu corpo e o seu sangue, simbolizam adequadamente o seu sacrifício e o efeito do mesmo;
  • 25. Os Elementos da Santa Ceia o efeito do pão e do vinho, como bons alimentos, fornecendo bem- estar e força ao corpo, simboliza a segurança e o gozo espiritual da fé em Cristo; o fato de serem estes alimentos servidos na mesma mesa, e participados por todos os irmãos presentes, simboliza ainda a unidade da Igreja ("somos um só pão e um só corpo", diz Paulo em 1 Corinfios 10.17), e o amor fraternal da comunidade cristã.° Deus criou todas as coisas, por isso ele pode, segundo a sua vontade, escolher elementos da natureza para nos falar através deles. E é isso que ele faz através da Santa Ceia.
  • 26. A Presença de Jesus nos Elementos da Ceia As palavras de Jesus "isto é o meu corpo" e "isto é o meu sangue" têm sido interpretadas de quatro maneiras diferentes. A Igreja Católica Romana afirma que, mediante a consagração dos elementos, pelo sacerdote, a substância do pão (hóstia) se transforma em corpo de Cristo, e a substância do vinho se transforma em sangue de Jesus. Por isso, esta doutrina é chamada transubstanciação.
  • 27. A Presença de Jesus nos Elementos da Ceia Os luteranos e afins rejeitaram a transubstanciação. Eles entendem que o pão continua sendo pão e o vinho continua sendo vinho. Mas, junto com as substâncias do pão e do vinho, no ato da celebração, estão também as substâncias da carne e do sangue de Jesus. Por isso essa doutrina é chamada consubstanciação.
  • 28. A Presença de Jesus nos Elementos da Ceia Zwínglio rejeitou a transubstanciação e a consubstanciação. Para ele a Ceia é um memorial do que Cristo fez pelos pecadores e um ato de reafirmação de fé do participante. Esta doutrina chama-se memorial. É a doutrina adotada pela maioria das igrejas batistas e pentecostais.
  • 29. A Presença de Jesus nos Elementos da Ceia Calvino, embora herdeiro do movimento de reforma iniciado por Zwínglio, não concordou com a interpretação memorial. Para ele o pão e o vinho não se transformam em outra substância, como afirma a transubstanciação. A substância do corpo e do sangue de Jesus não se soma à substância do pão e do vinho, como interpreta a consubstanciação. Mas, também, a Ceia não é um simples memorial, Jesus está presente espiritualmente no pão e no vinho.
  • 30. A Presença de Jesus nos Elementos da Ceia Esta presença espiritual é tão real como o pão e o vinho. Por isto, ao participar do pão e do vinho, o crente participa espiritualmente do corpo e do sangue de Jesus. E assim como pão e vinho alimentam o corpo, a presença espiritual de Jesus na Ceia alimenta espiritualmente o participante. Esta é a doutrina aceita pela Igreja Presbiteriana.
  • 31. Bibliografia Básica SPROUL, R.C. Verdades Essenciais da Fé Cristã. São Paulo: Cultura Cristã, 2015. NASCIMENTO, Adão Carlos e MATOS, Alderi de Sousa. O que todo presbiteriano inteligente precisa saber. Santa Bárbara do Oeste SP: SOCEP Editora, 2007. NASCIMENTO, Adão Carlos. A razão de nossa Fé. São Paulo: Cultura Cristã, 2015.