SlideShare uma empresa Scribd logo
Prova aberta de Língua Portuguesa
     UFMG-2012
          Manoel Neves
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Neste arquivo, você encontra as questões das provas “A” [de 01 a 06] e da prova “B” [07 a 10] .
Língua Portuguesa, UFMG-2012
         Leia este texto.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
João e Maria não são mais as crianças ingênuas que se deixavam iludir por uma casa feita de doces no
meio da floresta. Adultos, tornaram-se caçadores mercenários que querem vingança contra bruxa que
um dia ameaçou suas vidas. A Bela Adormecida, por sua vez, já não é vítima do feitiço de uma bruxa
invejosa. Por vontade própria, ela cai em sono profundo para satisfazer o fetiche dos homens.
Não, não deu a louca nos contos de fadas. Foi o cinema que decidiu cortar o "felizes para sempre" do
roteiro mais popular dessas histórias e recontá-las sob perspectiva mais adulta e, em alguns casos,
mais sombria também, como nos exemplos acima. Seguindo "A garota da capa vermelha", longa
baseado no conto Chapeuzinho Vermelho que estreou nos cinemas este mês, pelo menos mais outros
seis filmes inspirados em contos de fadas, mas com abordagem bem diferente das doces adaptações
feitas pela Disney [...], devem chegar à tela grande entre este ano e o próximo.
O olhar menos ingênuo e mais pesado que os novos filmes lançam sobre os contos de fadas espelha
aspectos da própria atualidade. "A fera", por exemplo, que ainda não tem data de estreia no Brasil,
traz "A bela e a fera" para o século XXI propositalmente. "Eu adorei a ideia de tornar contemporânea a
história e ambientá-la em um colégio. O conto trata da forma como se lida com a aparência e achei a
escola o cenário ideal para explorar a obsessão que a nossa cultura e a nossa juventude têm pelo
visual", comentou o diretor Daniel Barnz, em entrevista de divulgação do filme.
Essa sintonia com o presente ultrapassa a questão da temática e encontra eco também na própria
origem dessas narrativas, cujas primeiras versões, de séculos atrás, nada tinham de infantil.
                          Jornal Pampulha 30 abr./6 maio 2011, Capa 3. [fragmento]
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Com base nessa leitura, justifique o título do texto.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
O título do texto – “E eles não foram felizes para sempre” – remete o leitor ao gênero textual
“conto de fadas” e dialoga com um de seus elementos mais relevantes – o final feliz. Nesse
gênero, há sempre um herói que defende os mais fracos contra as forças do mal; ao cabo da
história, o bem triunfa e, enfim, haverá paz, prosperidade e felicidade para o herói ao lado das
pessoas que ama, que podem ser seus parentes ou seu par amoroso. Ao contrário da
idealização característica dos contos de fadas, o locutor, no artigo em questão, mostra que o
cinema contemporâneo recria esse gênero por uma perspectiva adulta, sombria, que,
paradoxalmente, rompe com a ideia tradicional dos referidos contos, mas se aproxima de suas
versões originais. Sendo assim, o título em análise refere-se à perspectiva crítica, adulta e
realista adotada pelo cinema contemporâneo para recontar os contos de fada.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Indique os elementos a que cada um destes termos, ou expressões, faz referência no texto:
                                    Adultos (linha 2):
                            Caçadores mercenários (linha 2):
                                      Ela (linha 4):
                             Nos exemplos acima (linha 7):
                                 Essa sintonia (linha 17):
Língua Portuguesa, UFMG-2012
                                 Adultos (linha 2):
                                   João e Maria.
                         Caçadores mercenários (linha 2):
                                   João e Maria.
                                   Ela (linha 4):
                                 Bela Adormecida.
                           Nos exemplos acima (linha 7):
  versões, do 1º parágrafo, p/ histórias de “João e Maria” e da “Bela Adormecida”.
                              Essa sintonia (linha 17):
relação entre as versões do cinema contemporâneo dos contos de fada e a realidade
Língua Portuguesa, UFMG-2012
        Leia estes cartazes
Mostra “Menas: o certo do errado, o errado do certo”, realizada no Museu de Língua Portuguesa, em 2010, com o
objetivo de valorizar a linguagem popular. Disponível em: <http://notícias.r7.com>. Acesso em: 20 jun. 2011.
Mostra “Menas: o certo do errado, o errado do certo”, realizada no Museu de Língua Portuguesa, em 2010, com o
objetivo de valorizar a linguagem popular. Disponível em: <http://notícias.r7.com>. Acesso em: 20 jun. 2011.
Mostra “Menas: o certo do errado, o errado do certo”, realizada no Museu de Língua Portuguesa, em 2010, com o
objetivo de valorizar a linguagem popular. Disponível em: <http://notícias.r7.com>. Acesso em: 20 jun. 2011.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
EXPLIQUE, do ponto de vista da gramática normativa, o problema que ocorre na frase
apresentada em cada um desses cartazes.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
                                           CARTAZ 01
No cartaz 01, houve um erro de concordância nominal, pois a palavra “meio” não deveria
concordar com o vocábulo “dia” já que se substitui o termo hora, elíptico na frase.
                                           CARTAZ 02
No cartaz 02, o pronome não funciona como complemento preposicionado, mas como sujeito
do infinitivo [do verbo fazer]. Por isso, deveria ser substituído pelo pronome pessoal reto “eu”.
                                           CARTAZ 03
No cartaz 03, há uma incongruência semântica, na medida em que a palavra “fora” remete a
exclusão e a palavra “incluir” refere-se a inserção. Desse modo, o verbo deveria “incluir” deveria
ser substituído por um antônimo e o advérbio “fora” deveria ser retirado da frase, a fim de que
se evite a redundância.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Reescreva a frase apresentada em cada um desses cartazes, de modo a adequá-las às regras do
português padrão.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
            CARTAZ 01
       Já é meio-dia e meia.
            CARTAZ 02
        Isto é para eu fazer.
            CARTAZ 03
      Pode me excluir dessa.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
         Leia estes textos.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Muitas vezes nos mandam cortar nossos adjetivos. O bom estilo, conforme dizem, sobrevive
perfeitamente sem eles; bastariam o resistente arco dos substantivos e a flecha dinâmica e
onipresente dos verbos. Contudo, um mundo sem adjetivos é triste como um hospital no domingo. A
luz azul se infiltra pelas janelas frias, as lâmpadas fluorescentes emitem um murmúrio débil.
Substantivos e verbos bastam apenas a soldados e líderes de países totalitários. Pois o adjetivo é o
imprescindível avalista da individualidade de pessoas e coisas. Vejo um pilha de melões na bancada de
uma quitanda. Para um adversário dos adjetivos, não há dificuldade: "Melões estão empilhados na
bancada da quitanda." Todavia um dos melões é pálido [...]; outro é verde, imaturo, cheio de
arrogância juvenil; outro ainda tem faces encovadas e está perdido num silêncio profundo e fúnebre .
Vida longa ao adjetivo! Pequeno ou grande, esquecido ou corrente. Precisamos de você, esbelto e
maleável adjetivo que repousa delicadamente sobre coisas e pessoas e cuida para que elas não
percam o gosto revigorante da individualidade. cidades e ruas sombrias se banham de um sol pálido e
cruel. Nuvens cor de asa de pombo, nuvens negras, nuvens enormes e cheias de fúria, o que seria de
vocês sem a retaguarda dos voláteis adjetivos?
A ética também não sobreviveria um dia sem adjetivos. Bom, mau, sagaz, generoso, vingativo,
apaixonado, nobre - essas palavras cintilam como guilhotinas afiadas.
E também não existiriam as lembranças não fosse pelo adjetivo. A memória é feita de adjetivos. Uma
rua comprida, um dia abrasador de agosto, o portão rangente que dá para um jardim ali, em meio aos
pés de groselha cobertos pelo pó de verão, os teus dedos despachados... (tudo bem, teus é pronome
possessivo).
                 ZAGAJEWSI, Adam. Em defesa dos adjetivos. Piauí 52. São Paulo, jan. 2011, p. 47.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Vamos chamar de nomes um grupo de itens tradicionalmente chamados “substantivos” e “adjetivos”;
os nomes, nessa função, são uma subclasse dos nominais.
               PERINI, Mário. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2010. p.300.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
APRESENTE dois argumentos de que o autor se vale, no Texto 1, para defender o emprego do
adjetivo.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
                                         ARGUMENTO 01
O adjetivo é, para o locutor, imprescindível para avaliar as características específicas das pessoas
e das coisas, resguardando, assim, suas individualidades. De acordo com os exemplos
levantados, os adjetivos permitiriam diferenciar cada elemento pertencente a um conjunto de
elementos semelhantes – como no exemplo que caracteriza, de maneiras diversas, diferentes
melões em uma pilha dessas frutas.
                                         ARGUMENTO 02
O adjetivo seria também imprescindível para a ética, que está fundamentada nas noções de
"bom", "mau", "sagaz", "generoso", "vingativo", "apaixonado", "nobre".
                                         ARGUMENTO 03
Adjetivos seriam, ainda, essenciais às lembranças, visto que a memória é, para o locutor, feita
de adjetivos, tendo em vista que são eles que permitem expressar subjetividade ou, em outras
palavras, fixar a impressão dos indivíduos sobre as pessoas, as coisas e as situações que fizeram
parte de suas vidas.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Relacionando o conteúdo dos textos 1 e 2, ANALISE a principal diferença entre eles.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
No texto 01, adjetivos e substantivos são tratados como classes de palavras distintas. Os
adjetivos teriam a função de expressar a individualidade dos seres e das coisas ao permitirem
particularizá-los sob a ótica de cada indivíduo, enquanto os substantivos cumpririam, de modo
bem mais objetivo, a função de nomear. No texto 02, adjetivos e substantivos são tratados como
uma única classe de palavras, à qual Perini nomeia genericamente de "nomes". O linguista
entende a classe dos "nomes", que abarcaria tanto substantivos quanto adjetivos, como uma
subclasse dos "nominais", grupo do qual fariam parte substantivos, adjetivos, pronomes,
numerais e artigos.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
         Leia estes textos.
Língua Portuguesa, UFMG-2012




GONSALES, F.. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/fsp/quadrin/f30609201005.htm>. Acesso em: 20 jun. 2011.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
A moça do tempo anunciou na emissora de TV: “Ao norte do Brasil, haverá chuva intensa e muito
calor no período”. A região norte do Brasil é composta pelos estados de Roraima, Amapá, Amazonas,
Pará, Acre, Rondônia e Tocantins. Só que, ao apontar a vasta região amazônica, ela se enganou de
preposição. Não é “ao norte” e, sim, “no norte” do país que desabaria a procela. São diferentes, não
só formalmente.
                           Revista Língua Portuguesa, ano.5, n.54, abr.2010. p.19.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
A precisão no uso dos termos é fundamental para definir com clareza o que se quer expressar.
Nos textos 1 e 2, o emprego da preposição seguida, ou não, de artigo e o uso de diferentes
preposições remetem a sentidos diferentes nos contextos em que ocorrem.
Explicite o efeito de sentido resultante do uso de:
                                       de/do, no texto 01:
                                       no/ao, no texto 02:
Língua Portuguesa, UFMG-2012
                                       de/do, no texto 01
A preposição "de" indica que se trata de uma cadeira apoiada no chão usada para se balançar
[de: finalidade, cadeira feita para balançar]. Já a preposição "do" indica que a cadeira fica presa
por correntes a um balanço [do: parte de objetivo, balanço no qual há uma cadeira].
                                       no/ao, no texto 02
A preposição “a”, na expressão “ao norte” do país, indica que choveria em todo o hemisfério
norte, incluindo nos estados da região nordeste e nos países que se situam na região aludida,
tais como Suriname, Colômbia e Guiana. A preposição “em”, na expressão “no norte” indica que
choverá especificamente nos estados que formam a região norte do Brasil.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Leia estes textos, em que se aborda a aprovação pelo MEC do livro Por uma vida melhor e se
discutem questões relacionadas ao ensino da língua materna:
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Morro e não consigo ver tudo. Na quadra da vida em que nos encontramos, esta expressão popular se
torna latente. O Ministério da Educação aprova o uso do livro “Por uma vida melhor”, da “Coleção
Viver, Aprender”, cujo conteúdo ensina o aluno a falar errado. É isso mesmo! A justificativa tem uma
certa pompa ao criar um novo apêndice linguístico, quando fundamenta que o aluno do ensino
fundamental deve aprender a usar a “norma popular da língua portuguesa”. Os autores da obra
defendem o uso da “língua popular” afirmando que a “norma culta não leva em consideração a
chamada língua viva”. Ora, ora! Temos, aí, tempos revolucionários, que implicam novas regras na
comunicação e expressão. Há poucas semanas foi o surgimento de projeto de lei que determina a
extinção de palavras estrangeiras em escritas oficiais e em publicidades. Agora, em documento oficial
– um livro aceito pelo MEC –, escreve-se errado para ensinar a falar errado. Assim sendo, não
poderemos criticar a presença de Tiririca no parlamento nacional, a vociferação de Bolsonaro, a
quantidade de lastimáveis programas no horário nobre da televisão e outras barbaridades
perpetradas à cultura brasileira.
   SANTOS, M. Jornal do Comércio, 17/5/2011. Disponível em: <http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=62332>.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
[...] Polêmica? Por que polêmica, meus senhores e minhas senhoras? Já faz mais de quinze anos que
os livros didáticos de língua portuguesa disponíveis no mercado e avaliados e aprovados pelo
Ministério da Educação abordam o tema da variação linguística e do seu tratamento em sala de aula.
Não é coisa de petista, fiquem tranquilas senhoras comentaristas políticas da televisão brasileira e
seus colegas explanadores do óbvio.
Já no governo FHC, sob a gestão do ministro Paulo Renato, os livros didáticos de português avaliados
pelo MEC começavam a abordar os fenômenos da variação linguística, o caráter inevitavelmente
heterogêneo de qualquer língua viva falada no mundo, a mudança irreprimível que transformou, tem
transformado, transforma e transformará qualquer idioma usado por uma comunidade humana.
Somente com uma abordagem assim as alunas e os alunos provenientes das chamadas “classes
populares” poderão se reconhecer no material didático e não se sentir alvo de zombaria e
preconceito.
[...] Nenhum linguista sério, brasileiro ou estrangeiro, jamais disse ou escreveu que os estudantes
usuários de variedades linguísticas mais distantes das normas urbanas de prestígio deveriam
permanecer ali, fechados em sua comunidade, em sua cultura e em sua língua. O que esses
profissionais vêm tentando fazer as pessoas entenderem é que defender uma coisa não significa
automaticamente combater a outra. Defender o respeito à variedade linguística dos estudantes não
significa que não cabe à escola introduzi-los ao mundo da cultura letrada e aos discursos que ela
aciona. Cabe à escola ensinar aos alunos o que eles não sabem! Parece óbvio, mas é preciso repetir
isso a todo momento.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
[...] O mais divertido (para mim, pelo menos, talvez por um pouco de masoquismo) é ver os mesmos
defensores da suposta “língua certa”, no exato momento em que a defendem, empregar regras
linguísticas que a tradição normativa que eles acham que defendem rejeitaria imediatamente. Pois
ontem, vendo o Jornal das Dez, da GloboNews, ouvi da boca do sr. Carlos Monforte essa deliciosa
pergunta: “Como é que fica então as concordâncias?”. Ora, sr. Monforte, eu lhe devolvo a pergunta:
“E as concordâncias, como é que ficam então?
BAGNO, Marcos. Disponível em: <http://marcosbagno.com.br/site/?page_id=745>. (Fragmento). Acesso em: 20 jun. 2011.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
EXPLICITE o ponto de vista defendido em cada texto e CITE argumentos que os autores
mobilizam para defender sua posição.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Milton Santos, por meio de uma perspectiva irônica, condena o conteúdo do livro Por uma vida
melhor, ou seja, o trabalho com as variantes linguísticas populares na escola. Desse modo,
valoriza apenas o ensino do português padrão, adotando uma perspectiva excludente e
preconceituosa do ponto de vista linguístico. Para fundamentar seu ponto de vista, aponta o
fato de que esse livro, por ter sido aprovado pelo próprio Ministério da Educação e Cultura,
funciona como documento oficial, em que se escreve errado para ensinar a falar errado, o que
evidencia a chegada de "tempos revolucionários, que implicam novas regras na comunicação e
expressão". O autor argumenta, ainda, que, como a adoção da perspectiva imposta no livro e
oficializada pelo MEC, os lastimáveis programas de televisão e "outras barbaridades perpetradas
à cultura brasileira" estariam justificadas oficialmente.
Marcos Bagno, por sua vez, defende o trabalho com as variantes linguísticas populares na
escola. Para fundamentar seu ponto de vista, enfatiza o caráter heterogêneo das línguas vivas e
as transformações inevitáveis por que elas passam, já que são usadas por uma comunidade
humana em permanente evolução. Além disso, aponta o fato de que as chamadas classes
populares podem se reconhecer no material didático, sentido-se respeitadas, integradas, e não
como alvo de preconceito, o que facilitaria o processo de ensino-aprendizagem. O autor deixa
claro, ainda, que o trabalho com variedades populares da língua na escola não exclui oi ensino
da norma padrão. Para ele, cabe a essa instituição introduzir os alunos "ao mundo da cultura
letrada e aos discursos que ela aciona", sem desprezar o conhecimento de língua que eles já
possuem.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
No final do texto 02, o autor cita a fala de um jornalista como exemplo que contraria a
gramática normativa.
a) IDENTIFIQUE a regra gramatical a que se refere o autor e EXPLIQUE por que ela não foi
respeitada na fala do jornalista citado.
b) REESCREVA a frase do jornalista, de modo a adequá-la à norma do português padrão.
c) EXPLIQUE por que o autor do texto qualifica a situação de emprego da frase do jornalista
como "divertida".
Língua Portuguesa, UFMG-2012
A regra de concordância infringida pelo jornalista é a que indica que o verbo concorda com o
sujeito a que se refere, em número e pessoa. Para seguir o padrão formal, culto, da língua, o
jornalista deveria falar "Como é que ficam, então, as concordâncias". Para Bagno, a situação é
divertida porque o suposto defensor do padrão formal, culto, incorre naquilo que ele considera
erro e, supostamente, condena.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Leia estes trechos, atentando para os conectivos neles destacados.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Ouvimos o ferrolho da porta que dava para o corredor interno; era a mãe que abria. Eu, uma vez que
digo tudo, digo aqui que não tive tempo de soltar as mãos da minha amiga...
                    MACHADO DE ASSIS, J. M. Dom Casmurro. São Paulo: Globo, 1997. p.67.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
Fomos jantar com a minha velha. Já lhe podia chamar assim, posto que os seus cabelos brancos não o
fossem todos nem totalmente, e o rosto estivesse comparativamente fresco.
                    MACHADO DE ASSIS, J. M. Dom Casmurro. São Paulo: Globo, 1997. p.165.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
a) REESCREVA cada um desses trechos, substituindo o conectivo destacado por outro de igual
valor e fazendo as adaptações necessárias.
b) EXPLICITE o tipo de relação que cada um desses conectivos estabelece entre as orações, nos
trechos em que estão empregados.
Língua Portuguesa, UFMG-2012
                                       TRECHO 01
Relação de causa. Quaisquer destes articuladores poderiam ser usados: porque, visto que,
como, já que.
                                       TRECHO 02
Relação de concessão. Quaisquer destes articuladores poderiam ser usados: ainda que, desde
que, mesmo que, apesar de que.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste 4_contos_12ºA_online.pdf
Teste 4_contos_12ºA_online.pdfTeste 4_contos_12ºA_online.pdf
Teste 4_contos_12ºA_online.pdf
CarlosBatista883613
 
O menino da sua mãe
O menino da sua mãeO menino da sua mãe
O menino da sua mãe
Guilherme Néri
 
Gil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_iiGil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_ii
Aparecida Mallagoli
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
layssa09
 
Projeto “O Jogo do Poema”
Projeto “O Jogo do Poema” Projeto “O Jogo do Poema”
Projeto “O Jogo do Poema”
Sistema Municipal de Bibliotecas
 
Visita virtual A Casa de Anne Frank
Visita virtual  A Casa de Anne FrankVisita virtual  A Casa de Anne Frank
Visita virtual A Casa de Anne Frank
Maria Gomes
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
Dina Baptista
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
Paula CAA
 
Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)
1103sancho
 
Fábulas 1
Fábulas 1Fábulas 1
Plano nacional de leitura
Plano nacional de leituraPlano nacional de leitura
Plano nacional de leitura
Diogo Tavares
 
Orgulho e preconceito mariana afonso
Orgulho e preconceito   mariana afonsoOrgulho e preconceito   mariana afonso
Orgulho e preconceito mariana afonso
fantas45
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
Gabriela Izidorio
 
Os Lusíadas - Canto III
Os Lusíadas - Canto IIIOs Lusíadas - Canto III
Os Lusíadas - Canto III
Cláudia Augusto
 
O meu pé de laranja lima
O meu pé de laranja limaO meu pé de laranja lima
O meu pé de laranja lima
Margarida Lobo
 
Gênero épico
Gênero épicoGênero épico
Gênero épico
Isabella Neves Silva
 
Lagrima de preta, estrutura, opinião
Lagrima de preta, estrutura, opiniãoLagrima de preta, estrutura, opinião
Lagrima de preta, estrutura, opinião
bruno fmp
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
FilipaFonseca
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Orgulho e preconceito mª josé
Orgulho e preconceito   mª joséOrgulho e preconceito   mª josé
Orgulho e preconceito mª josé
fantas45
 

Mais procurados (20)

Teste 4_contos_12ºA_online.pdf
Teste 4_contos_12ºA_online.pdfTeste 4_contos_12ºA_online.pdf
Teste 4_contos_12ºA_online.pdf
 
O menino da sua mãe
O menino da sua mãeO menino da sua mãe
O menino da sua mãe
 
Gil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_iiGil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_ii
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Projeto “O Jogo do Poema”
Projeto “O Jogo do Poema” Projeto “O Jogo do Poema”
Projeto “O Jogo do Poema”
 
Visita virtual A Casa de Anne Frank
Visita virtual  A Casa de Anne FrankVisita virtual  A Casa de Anne Frank
Visita virtual A Casa de Anne Frank
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
 
Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)Cesário+v.. (1)
Cesário+v.. (1)
 
Fábulas 1
Fábulas 1Fábulas 1
Fábulas 1
 
Plano nacional de leitura
Plano nacional de leituraPlano nacional de leitura
Plano nacional de leitura
 
Orgulho e preconceito mariana afonso
Orgulho e preconceito   mariana afonsoOrgulho e preconceito   mariana afonso
Orgulho e preconceito mariana afonso
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Os Lusíadas - Canto III
Os Lusíadas - Canto IIIOs Lusíadas - Canto III
Os Lusíadas - Canto III
 
O meu pé de laranja lima
O meu pé de laranja limaO meu pé de laranja lima
O meu pé de laranja lima
 
Gênero épico
Gênero épicoGênero épico
Gênero épico
 
Lagrima de preta, estrutura, opinião
Lagrima de preta, estrutura, opiniãoLagrima de preta, estrutura, opinião
Lagrima de preta, estrutura, opinião
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Orgulho e preconceito mª josé
Orgulho e preconceito   mª joséOrgulho e preconceito   mª josé
Orgulho e preconceito mª josé
 

Semelhante a Prova aberta de língua portuguesa ufmg 2012

Revisao portugues
Revisao portuguesRevisao portugues
Revisao portugues
Sarah Guimarães Portela
 
1º gramática
1º gramática1º gramática
1º gramática
newtonbonfim
 
Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2
Isabella Silva
 
Seminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem FiguradaSeminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem Figurada
Joana Darc Remigio Coelho
 
Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010
ma.no.el.ne.ves
 
BANCO DE QUESTOES PORTUGUES.pdf
BANCO DE QUESTOES PORTUGUES.pdfBANCO DE QUESTOES PORTUGUES.pdf
BANCO DE QUESTOES PORTUGUES.pdf
Marco Tostes
 
Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)
Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)
Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)
Andréa Sousa Silveira Silva
 
Gramática aula 14 - concordância nominal i
Gramática   aula 14 - concordância nominal iGramática   aula 14 - concordância nominal i
Gramática aula 14 - concordância nominal i
mfmpafatima
 
ENEM-1998 resolvido e comentado
ENEM-1998 resolvido e comentadoENEM-1998 resolvido e comentado
ENEM-1998 resolvido e comentado
ma.no.el.ne.ves
 
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
Antônio Fernandes
 
Lista 05 - lingua portuguesa - mat e vesp pronta daniela fran a
Lista 05    - lingua portuguesa - mat e vesp pronta daniela fran aLista 05    - lingua portuguesa - mat e vesp pronta daniela fran a
Lista 05 - lingua portuguesa - mat e vesp pronta daniela fran a
Breno Lacerda
 
Primeiros anos
Primeiros anosPrimeiros anos
Primeiros anos
Diego Prezia
 
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritoresProalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Ana Paula Ferreira
 
Material do cursinho
Material do cursinhoMaterial do cursinho
Material do cursinho
Marconildo Viegas
 
Visão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagemVisão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagem
ma.no.el.ne.ves
 
Aval. global 3º ano gramática
Aval. global 3º ano gramáticaAval. global 3º ano gramática
Aval. global 3º ano gramática
Valderice Costa
 
Segunda prova do enem 2010: aspectos gramaticais
Segunda prova do enem 2010: aspectos gramaticaisSegunda prova do enem 2010: aspectos gramaticais
Segunda prova do enem 2010: aspectos gramaticais
ma.no.el.ne.ves
 
Concordância verbal na construção do texto..ppt
Concordância verbal na construção do texto..pptConcordância verbal na construção do texto..ppt
Concordância verbal na construção do texto..ppt
AlcyeneRodrigues
 
Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017
Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017
Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017
ArenadaMatemgica
 
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
Antônio Fernandes
 

Semelhante a Prova aberta de língua portuguesa ufmg 2012 (20)

Revisao portugues
Revisao portuguesRevisao portugues
Revisao portugues
 
1º gramática
1º gramática1º gramática
1º gramática
 
Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2
 
Seminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem FiguradaSeminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem Figurada
 
Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010
 
BANCO DE QUESTOES PORTUGUES.pdf
BANCO DE QUESTOES PORTUGUES.pdfBANCO DE QUESTOES PORTUGUES.pdf
BANCO DE QUESTOES PORTUGUES.pdf
 
Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)
Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)
Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)
 
Gramática aula 14 - concordância nominal i
Gramática   aula 14 - concordância nominal iGramática   aula 14 - concordância nominal i
Gramática aula 14 - concordância nominal i
 
ENEM-1998 resolvido e comentado
ENEM-1998 resolvido e comentadoENEM-1998 resolvido e comentado
ENEM-1998 resolvido e comentado
 
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
 
Lista 05 - lingua portuguesa - mat e vesp pronta daniela fran a
Lista 05    - lingua portuguesa - mat e vesp pronta daniela fran aLista 05    - lingua portuguesa - mat e vesp pronta daniela fran a
Lista 05 - lingua portuguesa - mat e vesp pronta daniela fran a
 
Primeiros anos
Primeiros anosPrimeiros anos
Primeiros anos
 
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritoresProalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
 
Material do cursinho
Material do cursinhoMaterial do cursinho
Material do cursinho
 
Visão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagemVisão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagem
 
Aval. global 3º ano gramática
Aval. global 3º ano gramáticaAval. global 3º ano gramática
Aval. global 3º ano gramática
 
Segunda prova do enem 2010: aspectos gramaticais
Segunda prova do enem 2010: aspectos gramaticaisSegunda prova do enem 2010: aspectos gramaticais
Segunda prova do enem 2010: aspectos gramaticais
 
Concordância verbal na construção do texto..ppt
Concordância verbal na construção do texto..pptConcordância verbal na construção do texto..ppt
Concordância verbal na construção do texto..ppt
 
Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017
Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017
Concurso ao Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais Turmas I e II/2017
 
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
APOSTILA DE INTERPRETAÇÃO TEXTUAL COM QUESTÕES DE SEMIÓTICA.
 

Mais de ma.no.el.ne.ves

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
ma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
ma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
ma.no.el.ne.ves
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
ma.no.el.ne.ves
 

Mais de ma.no.el.ne.ves (20)

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
 

Prova aberta de língua portuguesa ufmg 2012

  • 1. Prova aberta de Língua Portuguesa UFMG-2012 Manoel Neves
  • 2. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Neste arquivo, você encontra as questões das provas “A” [de 01 a 06] e da prova “B” [07 a 10] .
  • 3. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Leia este texto.
  • 4. Língua Portuguesa, UFMG-2012 João e Maria não são mais as crianças ingênuas que se deixavam iludir por uma casa feita de doces no meio da floresta. Adultos, tornaram-se caçadores mercenários que querem vingança contra bruxa que um dia ameaçou suas vidas. A Bela Adormecida, por sua vez, já não é vítima do feitiço de uma bruxa invejosa. Por vontade própria, ela cai em sono profundo para satisfazer o fetiche dos homens. Não, não deu a louca nos contos de fadas. Foi o cinema que decidiu cortar o "felizes para sempre" do roteiro mais popular dessas histórias e recontá-las sob perspectiva mais adulta e, em alguns casos, mais sombria também, como nos exemplos acima. Seguindo "A garota da capa vermelha", longa baseado no conto Chapeuzinho Vermelho que estreou nos cinemas este mês, pelo menos mais outros seis filmes inspirados em contos de fadas, mas com abordagem bem diferente das doces adaptações feitas pela Disney [...], devem chegar à tela grande entre este ano e o próximo. O olhar menos ingênuo e mais pesado que os novos filmes lançam sobre os contos de fadas espelha aspectos da própria atualidade. "A fera", por exemplo, que ainda não tem data de estreia no Brasil, traz "A bela e a fera" para o século XXI propositalmente. "Eu adorei a ideia de tornar contemporânea a história e ambientá-la em um colégio. O conto trata da forma como se lida com a aparência e achei a escola o cenário ideal para explorar a obsessão que a nossa cultura e a nossa juventude têm pelo visual", comentou o diretor Daniel Barnz, em entrevista de divulgação do filme. Essa sintonia com o presente ultrapassa a questão da temática e encontra eco também na própria origem dessas narrativas, cujas primeiras versões, de séculos atrás, nada tinham de infantil. Jornal Pampulha 30 abr./6 maio 2011, Capa 3. [fragmento]
  • 5. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Com base nessa leitura, justifique o título do texto.
  • 6. Língua Portuguesa, UFMG-2012 O título do texto – “E eles não foram felizes para sempre” – remete o leitor ao gênero textual “conto de fadas” e dialoga com um de seus elementos mais relevantes – o final feliz. Nesse gênero, há sempre um herói que defende os mais fracos contra as forças do mal; ao cabo da história, o bem triunfa e, enfim, haverá paz, prosperidade e felicidade para o herói ao lado das pessoas que ama, que podem ser seus parentes ou seu par amoroso. Ao contrário da idealização característica dos contos de fadas, o locutor, no artigo em questão, mostra que o cinema contemporâneo recria esse gênero por uma perspectiva adulta, sombria, que, paradoxalmente, rompe com a ideia tradicional dos referidos contos, mas se aproxima de suas versões originais. Sendo assim, o título em análise refere-se à perspectiva crítica, adulta e realista adotada pelo cinema contemporâneo para recontar os contos de fada.
  • 7. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Indique os elementos a que cada um destes termos, ou expressões, faz referência no texto: Adultos (linha 2): Caçadores mercenários (linha 2): Ela (linha 4): Nos exemplos acima (linha 7): Essa sintonia (linha 17):
  • 8. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Adultos (linha 2): João e Maria. Caçadores mercenários (linha 2): João e Maria. Ela (linha 4): Bela Adormecida. Nos exemplos acima (linha 7): versões, do 1º parágrafo, p/ histórias de “João e Maria” e da “Bela Adormecida”. Essa sintonia (linha 17): relação entre as versões do cinema contemporâneo dos contos de fada e a realidade
  • 9. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Leia estes cartazes
  • 10. Mostra “Menas: o certo do errado, o errado do certo”, realizada no Museu de Língua Portuguesa, em 2010, com o objetivo de valorizar a linguagem popular. Disponível em: <http://notícias.r7.com>. Acesso em: 20 jun. 2011.
  • 11. Mostra “Menas: o certo do errado, o errado do certo”, realizada no Museu de Língua Portuguesa, em 2010, com o objetivo de valorizar a linguagem popular. Disponível em: <http://notícias.r7.com>. Acesso em: 20 jun. 2011.
  • 12. Mostra “Menas: o certo do errado, o errado do certo”, realizada no Museu de Língua Portuguesa, em 2010, com o objetivo de valorizar a linguagem popular. Disponível em: <http://notícias.r7.com>. Acesso em: 20 jun. 2011.
  • 13. Língua Portuguesa, UFMG-2012 EXPLIQUE, do ponto de vista da gramática normativa, o problema que ocorre na frase apresentada em cada um desses cartazes.
  • 14. Língua Portuguesa, UFMG-2012 CARTAZ 01 No cartaz 01, houve um erro de concordância nominal, pois a palavra “meio” não deveria concordar com o vocábulo “dia” já que se substitui o termo hora, elíptico na frase. CARTAZ 02 No cartaz 02, o pronome não funciona como complemento preposicionado, mas como sujeito do infinitivo [do verbo fazer]. Por isso, deveria ser substituído pelo pronome pessoal reto “eu”. CARTAZ 03 No cartaz 03, há uma incongruência semântica, na medida em que a palavra “fora” remete a exclusão e a palavra “incluir” refere-se a inserção. Desse modo, o verbo deveria “incluir” deveria ser substituído por um antônimo e o advérbio “fora” deveria ser retirado da frase, a fim de que se evite a redundância.
  • 15. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Reescreva a frase apresentada em cada um desses cartazes, de modo a adequá-las às regras do português padrão.
  • 16. Língua Portuguesa, UFMG-2012 CARTAZ 01 Já é meio-dia e meia. CARTAZ 02 Isto é para eu fazer. CARTAZ 03 Pode me excluir dessa.
  • 17. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Leia estes textos.
  • 18. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Muitas vezes nos mandam cortar nossos adjetivos. O bom estilo, conforme dizem, sobrevive perfeitamente sem eles; bastariam o resistente arco dos substantivos e a flecha dinâmica e onipresente dos verbos. Contudo, um mundo sem adjetivos é triste como um hospital no domingo. A luz azul se infiltra pelas janelas frias, as lâmpadas fluorescentes emitem um murmúrio débil. Substantivos e verbos bastam apenas a soldados e líderes de países totalitários. Pois o adjetivo é o imprescindível avalista da individualidade de pessoas e coisas. Vejo um pilha de melões na bancada de uma quitanda. Para um adversário dos adjetivos, não há dificuldade: "Melões estão empilhados na bancada da quitanda." Todavia um dos melões é pálido [...]; outro é verde, imaturo, cheio de arrogância juvenil; outro ainda tem faces encovadas e está perdido num silêncio profundo e fúnebre . Vida longa ao adjetivo! Pequeno ou grande, esquecido ou corrente. Precisamos de você, esbelto e maleável adjetivo que repousa delicadamente sobre coisas e pessoas e cuida para que elas não percam o gosto revigorante da individualidade. cidades e ruas sombrias se banham de um sol pálido e cruel. Nuvens cor de asa de pombo, nuvens negras, nuvens enormes e cheias de fúria, o que seria de vocês sem a retaguarda dos voláteis adjetivos? A ética também não sobreviveria um dia sem adjetivos. Bom, mau, sagaz, generoso, vingativo, apaixonado, nobre - essas palavras cintilam como guilhotinas afiadas. E também não existiriam as lembranças não fosse pelo adjetivo. A memória é feita de adjetivos. Uma rua comprida, um dia abrasador de agosto, o portão rangente que dá para um jardim ali, em meio aos pés de groselha cobertos pelo pó de verão, os teus dedos despachados... (tudo bem, teus é pronome possessivo). ZAGAJEWSI, Adam. Em defesa dos adjetivos. Piauí 52. São Paulo, jan. 2011, p. 47.
  • 19. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Vamos chamar de nomes um grupo de itens tradicionalmente chamados “substantivos” e “adjetivos”; os nomes, nessa função, são uma subclasse dos nominais. PERINI, Mário. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2010. p.300.
  • 20. Língua Portuguesa, UFMG-2012 APRESENTE dois argumentos de que o autor se vale, no Texto 1, para defender o emprego do adjetivo.
  • 21. Língua Portuguesa, UFMG-2012 ARGUMENTO 01 O adjetivo é, para o locutor, imprescindível para avaliar as características específicas das pessoas e das coisas, resguardando, assim, suas individualidades. De acordo com os exemplos levantados, os adjetivos permitiriam diferenciar cada elemento pertencente a um conjunto de elementos semelhantes – como no exemplo que caracteriza, de maneiras diversas, diferentes melões em uma pilha dessas frutas. ARGUMENTO 02 O adjetivo seria também imprescindível para a ética, que está fundamentada nas noções de "bom", "mau", "sagaz", "generoso", "vingativo", "apaixonado", "nobre". ARGUMENTO 03 Adjetivos seriam, ainda, essenciais às lembranças, visto que a memória é, para o locutor, feita de adjetivos, tendo em vista que são eles que permitem expressar subjetividade ou, em outras palavras, fixar a impressão dos indivíduos sobre as pessoas, as coisas e as situações que fizeram parte de suas vidas.
  • 22. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Relacionando o conteúdo dos textos 1 e 2, ANALISE a principal diferença entre eles.
  • 23. Língua Portuguesa, UFMG-2012 No texto 01, adjetivos e substantivos são tratados como classes de palavras distintas. Os adjetivos teriam a função de expressar a individualidade dos seres e das coisas ao permitirem particularizá-los sob a ótica de cada indivíduo, enquanto os substantivos cumpririam, de modo bem mais objetivo, a função de nomear. No texto 02, adjetivos e substantivos são tratados como uma única classe de palavras, à qual Perini nomeia genericamente de "nomes". O linguista entende a classe dos "nomes", que abarcaria tanto substantivos quanto adjetivos, como uma subclasse dos "nominais", grupo do qual fariam parte substantivos, adjetivos, pronomes, numerais e artigos.
  • 24. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Leia estes textos.
  • 25. Língua Portuguesa, UFMG-2012 GONSALES, F.. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/fsp/quadrin/f30609201005.htm>. Acesso em: 20 jun. 2011.
  • 26. Língua Portuguesa, UFMG-2012 A moça do tempo anunciou na emissora de TV: “Ao norte do Brasil, haverá chuva intensa e muito calor no período”. A região norte do Brasil é composta pelos estados de Roraima, Amapá, Amazonas, Pará, Acre, Rondônia e Tocantins. Só que, ao apontar a vasta região amazônica, ela se enganou de preposição. Não é “ao norte” e, sim, “no norte” do país que desabaria a procela. São diferentes, não só formalmente. Revista Língua Portuguesa, ano.5, n.54, abr.2010. p.19.
  • 27. Língua Portuguesa, UFMG-2012 A precisão no uso dos termos é fundamental para definir com clareza o que se quer expressar. Nos textos 1 e 2, o emprego da preposição seguida, ou não, de artigo e o uso de diferentes preposições remetem a sentidos diferentes nos contextos em que ocorrem. Explicite o efeito de sentido resultante do uso de: de/do, no texto 01: no/ao, no texto 02:
  • 28. Língua Portuguesa, UFMG-2012 de/do, no texto 01 A preposição "de" indica que se trata de uma cadeira apoiada no chão usada para se balançar [de: finalidade, cadeira feita para balançar]. Já a preposição "do" indica que a cadeira fica presa por correntes a um balanço [do: parte de objetivo, balanço no qual há uma cadeira]. no/ao, no texto 02 A preposição “a”, na expressão “ao norte” do país, indica que choveria em todo o hemisfério norte, incluindo nos estados da região nordeste e nos países que se situam na região aludida, tais como Suriname, Colômbia e Guiana. A preposição “em”, na expressão “no norte” indica que choverá especificamente nos estados que formam a região norte do Brasil.
  • 29. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Leia estes textos, em que se aborda a aprovação pelo MEC do livro Por uma vida melhor e se discutem questões relacionadas ao ensino da língua materna:
  • 30. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Morro e não consigo ver tudo. Na quadra da vida em que nos encontramos, esta expressão popular se torna latente. O Ministério da Educação aprova o uso do livro “Por uma vida melhor”, da “Coleção Viver, Aprender”, cujo conteúdo ensina o aluno a falar errado. É isso mesmo! A justificativa tem uma certa pompa ao criar um novo apêndice linguístico, quando fundamenta que o aluno do ensino fundamental deve aprender a usar a “norma popular da língua portuguesa”. Os autores da obra defendem o uso da “língua popular” afirmando que a “norma culta não leva em consideração a chamada língua viva”. Ora, ora! Temos, aí, tempos revolucionários, que implicam novas regras na comunicação e expressão. Há poucas semanas foi o surgimento de projeto de lei que determina a extinção de palavras estrangeiras em escritas oficiais e em publicidades. Agora, em documento oficial – um livro aceito pelo MEC –, escreve-se errado para ensinar a falar errado. Assim sendo, não poderemos criticar a presença de Tiririca no parlamento nacional, a vociferação de Bolsonaro, a quantidade de lastimáveis programas no horário nobre da televisão e outras barbaridades perpetradas à cultura brasileira. SANTOS, M. Jornal do Comércio, 17/5/2011. Disponível em: <http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=62332>.
  • 31. Língua Portuguesa, UFMG-2012 [...] Polêmica? Por que polêmica, meus senhores e minhas senhoras? Já faz mais de quinze anos que os livros didáticos de língua portuguesa disponíveis no mercado e avaliados e aprovados pelo Ministério da Educação abordam o tema da variação linguística e do seu tratamento em sala de aula. Não é coisa de petista, fiquem tranquilas senhoras comentaristas políticas da televisão brasileira e seus colegas explanadores do óbvio. Já no governo FHC, sob a gestão do ministro Paulo Renato, os livros didáticos de português avaliados pelo MEC começavam a abordar os fenômenos da variação linguística, o caráter inevitavelmente heterogêneo de qualquer língua viva falada no mundo, a mudança irreprimível que transformou, tem transformado, transforma e transformará qualquer idioma usado por uma comunidade humana. Somente com uma abordagem assim as alunas e os alunos provenientes das chamadas “classes populares” poderão se reconhecer no material didático e não se sentir alvo de zombaria e preconceito. [...] Nenhum linguista sério, brasileiro ou estrangeiro, jamais disse ou escreveu que os estudantes usuários de variedades linguísticas mais distantes das normas urbanas de prestígio deveriam permanecer ali, fechados em sua comunidade, em sua cultura e em sua língua. O que esses profissionais vêm tentando fazer as pessoas entenderem é que defender uma coisa não significa automaticamente combater a outra. Defender o respeito à variedade linguística dos estudantes não significa que não cabe à escola introduzi-los ao mundo da cultura letrada e aos discursos que ela aciona. Cabe à escola ensinar aos alunos o que eles não sabem! Parece óbvio, mas é preciso repetir isso a todo momento.
  • 32. Língua Portuguesa, UFMG-2012 [...] O mais divertido (para mim, pelo menos, talvez por um pouco de masoquismo) é ver os mesmos defensores da suposta “língua certa”, no exato momento em que a defendem, empregar regras linguísticas que a tradição normativa que eles acham que defendem rejeitaria imediatamente. Pois ontem, vendo o Jornal das Dez, da GloboNews, ouvi da boca do sr. Carlos Monforte essa deliciosa pergunta: “Como é que fica então as concordâncias?”. Ora, sr. Monforte, eu lhe devolvo a pergunta: “E as concordâncias, como é que ficam então? BAGNO, Marcos. Disponível em: <http://marcosbagno.com.br/site/?page_id=745>. (Fragmento). Acesso em: 20 jun. 2011.
  • 33. Língua Portuguesa, UFMG-2012 EXPLICITE o ponto de vista defendido em cada texto e CITE argumentos que os autores mobilizam para defender sua posição.
  • 34. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Milton Santos, por meio de uma perspectiva irônica, condena o conteúdo do livro Por uma vida melhor, ou seja, o trabalho com as variantes linguísticas populares na escola. Desse modo, valoriza apenas o ensino do português padrão, adotando uma perspectiva excludente e preconceituosa do ponto de vista linguístico. Para fundamentar seu ponto de vista, aponta o fato de que esse livro, por ter sido aprovado pelo próprio Ministério da Educação e Cultura, funciona como documento oficial, em que se escreve errado para ensinar a falar errado, o que evidencia a chegada de "tempos revolucionários, que implicam novas regras na comunicação e expressão". O autor argumenta, ainda, que, como a adoção da perspectiva imposta no livro e oficializada pelo MEC, os lastimáveis programas de televisão e "outras barbaridades perpetradas à cultura brasileira" estariam justificadas oficialmente. Marcos Bagno, por sua vez, defende o trabalho com as variantes linguísticas populares na escola. Para fundamentar seu ponto de vista, enfatiza o caráter heterogêneo das línguas vivas e as transformações inevitáveis por que elas passam, já que são usadas por uma comunidade humana em permanente evolução. Além disso, aponta o fato de que as chamadas classes populares podem se reconhecer no material didático, sentido-se respeitadas, integradas, e não como alvo de preconceito, o que facilitaria o processo de ensino-aprendizagem. O autor deixa claro, ainda, que o trabalho com variedades populares da língua na escola não exclui oi ensino da norma padrão. Para ele, cabe a essa instituição introduzir os alunos "ao mundo da cultura letrada e aos discursos que ela aciona", sem desprezar o conhecimento de língua que eles já possuem.
  • 35. Língua Portuguesa, UFMG-2012 No final do texto 02, o autor cita a fala de um jornalista como exemplo que contraria a gramática normativa. a) IDENTIFIQUE a regra gramatical a que se refere o autor e EXPLIQUE por que ela não foi respeitada na fala do jornalista citado. b) REESCREVA a frase do jornalista, de modo a adequá-la à norma do português padrão. c) EXPLIQUE por que o autor do texto qualifica a situação de emprego da frase do jornalista como "divertida".
  • 36. Língua Portuguesa, UFMG-2012 A regra de concordância infringida pelo jornalista é a que indica que o verbo concorda com o sujeito a que se refere, em número e pessoa. Para seguir o padrão formal, culto, da língua, o jornalista deveria falar "Como é que ficam, então, as concordâncias". Para Bagno, a situação é divertida porque o suposto defensor do padrão formal, culto, incorre naquilo que ele considera erro e, supostamente, condena.
  • 37. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Leia estes trechos, atentando para os conectivos neles destacados.
  • 38. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Ouvimos o ferrolho da porta que dava para o corredor interno; era a mãe que abria. Eu, uma vez que digo tudo, digo aqui que não tive tempo de soltar as mãos da minha amiga... MACHADO DE ASSIS, J. M. Dom Casmurro. São Paulo: Globo, 1997. p.67.
  • 39. Língua Portuguesa, UFMG-2012 Fomos jantar com a minha velha. Já lhe podia chamar assim, posto que os seus cabelos brancos não o fossem todos nem totalmente, e o rosto estivesse comparativamente fresco. MACHADO DE ASSIS, J. M. Dom Casmurro. São Paulo: Globo, 1997. p.165.
  • 40. Língua Portuguesa, UFMG-2012 a) REESCREVA cada um desses trechos, substituindo o conectivo destacado por outro de igual valor e fazendo as adaptações necessárias. b) EXPLICITE o tipo de relação que cada um desses conectivos estabelece entre as orações, nos trechos em que estão empregados.
  • 41. Língua Portuguesa, UFMG-2012 TRECHO 01 Relação de causa. Quaisquer destes articuladores poderiam ser usados: porque, visto que, como, já que. TRECHO 02 Relação de concessão. Quaisquer destes articuladores poderiam ser usados: ainda que, desde que, mesmo que, apesar de que.