SlideShare uma empresa Scribd logo
Periféricos de Redes
Periféricos de Redes
   Os    periféricos   de    uma    rede      são
    determinados             quase             que
    simultaneamente ao escolhermos uma
    topologia para trabalhar.
   São    necessários       para    regular    e
    determinar um padrão de acesso aos
    meios físicos compartilhado.
HUB
   Os Hubs são os dispositivos mais utilizados
    para a montagem de uma rede com topologia
    em estrela ou árvore.
   Têm como função realizar as conexões entre
    os equipamentos que compõem a rede.
   Podemos encontrar esse equipamentos em
    modelos de 4,8,16,24 e 32 portas.
HUB
Switch
   Podemos considerar o switch um "hub inteligente".
    Fisicamente ele é bem parecido com o hub, porém
    logicamente ele realmente opera a rede em forma de
    estrela. Os pacotes de dados são enviados diretamente
    para o destino, sem serem replicados para todas as
    máquinas. Além de aumentar o desempenho da rede,
    isso gera uma segurança maior. Várias transmissões
    podem ser efetuadas por vez, desde que tenham origem
    e destino diferentes.
   O Switch possui as demais características e vantagens
    do hub.
Switch
Roteadores
   O roteador é um periférico utilizado em redes maiores.
    Ele decide qual rota um pacote de dados deve tomar
    para chegar a seu destino. Basta imaginar que em uma
    rede grande existem diversos trechos. Um pacote de
    dados não pode simplesmente ser replicado em todos
    os trechos até achar o seu destino, como na topologia
    linear, senão a rede simplesmente não funcionará por
    excesso de colisões, além de tornar a rede insegura
    (imagine um pacote de dados destinado a um setor
    circulando em um setor completamente diferente).
Roteadores

   Existem basicamente dois tipos de
    roteadores.
   Estáticos
   Dinâmicos.
Roteadores
   Os roteadores estáticos são mais baratos e
    escolhem o menor caminho para o pacote de
    dados. Acontece que esses roteadores não
    levam em consideração o congestionamento da
    rede, onde o menor caminho pode estar sendo
    super   utilizado   enquanto   há     caminhos
    alternativos que podem estar com um fluxo de
    dados menor. Portanto, o menor caminho não
    necessariamente é o melhor caminho.
Roteadores
   No caso dos roteadores dinâmicos, eles
    escolhem o melhor caminho para os
    dados, já que levam em conta o
    congestionamento da rede. Talvez o
    pacote de dados siga por um caminho
    até   mais    longo,   porém    menos
    congestionado que, no final das contas,
    acaba sendo mais rápido.
Rack
Rack

   Armário usado para organizar os
    equipamentos de comunicação do
    cabeamento       estruturado.   Seu
    tamanho é medido pela quantidade de
    “Us” que ele suporta.
Patch Panel
Patch Panel
   É o painel que abriga os cabos de
    comunicação,        sua        montagem
    geralmente é feita no Rack, a parte
    frontal, usada para ligar os path cable, é
    onde são identificados os pontos, a parte
    traseira é onde são feitas as conexões
    com os pontos de comunicação.
Guia de Cabos
Guia de Cabos

   A guia de cabos tem por finalidade
    organizar   a passagem de cabos
    dentro do rack, assim evitando que os
    cabos fiquem jogados e solto dentro
    do equipamento.
Canaletas
Conector RJ45
Adaptadores de Rede
Cabo Par Trançado.
CABEAMENTO
ESTRUTURADO
Cabeamento      estruturado   pode   ser
definido como um sistema baseado na
padronização das interfaces e meios de
transmissão, de modo a tornar o
cabeamento independente da aplicação
e do leiaute.
CABEAMENTO
ESTRUTURADO
O projeto de cabeamento estruturado
não é feito apenas para obedecer às
normas de hoje, mas, também, para
que esteja de conformidade com as
tecnologias    futuras,   além       de
proporcionar grande flexibilidade de
alterações e expansões do sistema.
CABEAMENTO
ESTRUTURADO
Um sistema de cabeamento estruturado
permite o tráfego de qualquer tipo de sinal
elétrico   de    áudio,   vídeo,    controles
ambientais e de segurança, dados e
telefonia, convencional ou não, de baixa
intensidade,    independente   do    produto
adotado ou fornecedor.
CABEAMENTO
ESTRUTURADO
Este     tipo     de   cabeamento,      possibilita
mudanças, manutenções ou implementações
de forma rápida, segura e controlada, ou seja,
toda alteração do esquema de ocupação de
um     edifício   comercial   é   administrada   e
documentada seguindo-se um padrão de
identificação que não permite erros ou dúvidas
quanto aos cabos, tomadas, posições e
usuários.
CABEAMENTO
ESTRUTURADO
Tendo   base   que   um   sistema   de
cabeamento estruturado, quando da
instalação, está instalado em pisos,
canaletas e dutos, este sistema deve se
ter uma vida útil de no mínimo 10 anos,
este é o tempo médio da vida útil de
uma ocupação comercial.
PADRONIZAÇÃO
Uma norma ou padrão de cabeamento especifica
um sistema independente do fabricante.
Benefícios:
   Flexibilidade: mudança.
   Facilidade de Administração: troca de cabos.
   Vida Útil.
   Controle de Falhas.
   Custo e Investimento.
COMUNICAÇÃO DE DADOS
Tipos de ligação entre computadores:
   Ponto-a-Ponto: apenas dois pontos de
    comunicação.
   Ponto-Multiponto: três ou mais pontos
    de comunicação, com possibilidade de
    usar mesmo enlace (link).
Sentido de Comunicação
NORMAS TÉCNICAS
No Brasil, as normas mais conhecidas para cabeamento estruturado
são:

   ANSI/EIA/TIA-568: especifica sistemas de cabeamento estruturado
    para edifícios comerciais.

   EIA/TIA-570: padroniza a infra-estrutura para suportar voz, dados,
    vídeo, multimídia, TV, etc.

   NBR-14565: norma brasileira que traz os procedimentos básicos
    para elaboração de projetos de cabeamento estruturado em redes
    de telecomunicações.

   IEEE 802: desenvolveu e publicou uma série de normas para redes
    locais (LANs) e Metropolitanas (MANs) que foram adotadas
    mundialmente.
CABO COAXIAL

Consiste de dois condutores cilíndricos,
um interno e outro externo, separados
por um material dielétrico. O interno é o
condutor e o externo é proteção.
Resistência de 50.
CABO COAXIAL
PAR-TRANÇADO
Formado por 4 pares com cores padronizadas e resistência de 100.

   Sem blindagem: UTP (Unshielded Twisted Pair),

   Com blindagem: STP (Shielded Twisted Pair).

   Categorias: atual 5e (100MHz – 1Gbps) e 6 (250MHz –

    10Gbps).

   Capacidade de transmissão: 10Mbps, 100Mbps ,1Gbps e

    10Gbps.

   Conector: RJ-45.

   Distância máxima: 100m.

   Tipo Conexão: direto ou cruzado (crossover).
PAR-TRANÇADO
PAR-TRANÇADO
A norma EIA/TIA-568 determina a pinagem e
configuração.
Existem no mercado duas padronizações para a
pinagem categoria 5: padrão 568-A e 568-B, que
diferem apenas nas cores de dois pares de
condutores do cabo UTP.
Conector RJ-45:
   Macho (plug).
   Fêmea (jack).
PAR-TRANÇADO
PAR-TRANÇADO
FOTOS
FOTOS
FOTOS
FOTOS
FOTOS
FOTOS
FOTOS
FOTOS
FOTOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
fantic3o
 
Rede informática
Rede informática Rede informática
Rede informática
AnaRitaFerreiraPereira
 
Trabalho ac
Trabalho acTrabalho ac
Trabalho ac
fantic3o
 
Aula 05 introducao aos sistemas estruturados
Aula 05   introducao aos sistemas estruturadosAula 05   introducao aos sistemas estruturados
Aula 05 introducao aos sistemas estruturados
Capacitações.com.br Altemar Galvão
 
Rede de computadores
Rede de computadoresRede de computadores
Rede de computadores
Jairo Soares Dolores Mosca
 
Meios fisicos emil
Meios fisicos emilMeios fisicos emil
Meios fisicos emil
fantic3o
 
Apostila Digital
Apostila DigitalApostila Digital
Apostila Digital
Jakson Silva
 
Instalação de rede
Instalação de redeInstalação de rede
Instalação de rede
Sara Gonçalves
 
Aula05 padrões sem fio
Aula05   padrões sem fioAula05   padrões sem fio
Aula05 padrões sem fio
Carlos Veiga
 
Apostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturado
Apostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturadoApostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturado
Apostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturado
jpl200
 
Projecto final de AC
Projecto final de ACProjecto final de AC
Projecto final de AC
baglungekanchi
 
Componentes de uma rede
Componentes de uma rede   Componentes de uma rede
Componentes de uma rede
AnaRitaFerreiraPereira
 
Dispositivos de Rede
Dispositivos de RedeDispositivos de Rede
Dispositivos de Rede
Rui Ferreira
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
Jakson Silva
 
Apostila de cabeamento estruturado
Apostila de cabeamento estruturadoApostila de cabeamento estruturado
Apostila de cabeamento estruturado
Henrique Farias
 
Infraestrutura de Redes
Infraestrutura de RedesInfraestrutura de Redes
Infraestrutura de Redes
Leandro Machado
 
Infraestrutura e Componentes de Redes de Dados
Infraestrutura e Componentes de Redes de DadosInfraestrutura e Componentes de Redes de Dados
Infraestrutura e Componentes de Redes de Dados
tiredes
 
Aula08 tecnologia atm
Aula08   tecnologia atmAula08   tecnologia atm
Aula08 tecnologia atm
Carlos Veiga
 
Curso de redes de computador Parte 3
Curso de redes de computador Parte 3Curso de redes de computador Parte 3
Curso de redes de computador Parte 3
Djayllton Moraes
 
4 meios físicos ópticos
4 meios físicos ópticos4 meios físicos ópticos
4 meios físicos ópticos
Edmir Tavares de Arruda Junior
 

Mais procurados (20)

Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Rede informática
Rede informática Rede informática
Rede informática
 
Trabalho ac
Trabalho acTrabalho ac
Trabalho ac
 
Aula 05 introducao aos sistemas estruturados
Aula 05   introducao aos sistemas estruturadosAula 05   introducao aos sistemas estruturados
Aula 05 introducao aos sistemas estruturados
 
Rede de computadores
Rede de computadoresRede de computadores
Rede de computadores
 
Meios fisicos emil
Meios fisicos emilMeios fisicos emil
Meios fisicos emil
 
Apostila Digital
Apostila DigitalApostila Digital
Apostila Digital
 
Instalação de rede
Instalação de redeInstalação de rede
Instalação de rede
 
Aula05 padrões sem fio
Aula05   padrões sem fioAula05   padrões sem fio
Aula05 padrões sem fio
 
Apostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturado
Apostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturadoApostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturado
Apostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturado
 
Projecto final de AC
Projecto final de ACProjecto final de AC
Projecto final de AC
 
Componentes de uma rede
Componentes de uma rede   Componentes de uma rede
Componentes de uma rede
 
Dispositivos de Rede
Dispositivos de RedeDispositivos de Rede
Dispositivos de Rede
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Apostila de cabeamento estruturado
Apostila de cabeamento estruturadoApostila de cabeamento estruturado
Apostila de cabeamento estruturado
 
Infraestrutura de Redes
Infraestrutura de RedesInfraestrutura de Redes
Infraestrutura de Redes
 
Infraestrutura e Componentes de Redes de Dados
Infraestrutura e Componentes de Redes de DadosInfraestrutura e Componentes de Redes de Dados
Infraestrutura e Componentes de Redes de Dados
 
Aula08 tecnologia atm
Aula08   tecnologia atmAula08   tecnologia atm
Aula08 tecnologia atm
 
Curso de redes de computador Parte 3
Curso de redes de computador Parte 3Curso de redes de computador Parte 3
Curso de redes de computador Parte 3
 
4 meios físicos ópticos
4 meios físicos ópticos4 meios físicos ópticos
4 meios físicos ópticos
 

Destaque

8621 62260-1-pb
8621 62260-1-pb8621 62260-1-pb
8621 62260-1-pb
Hedielson Vieira
 
Programas Sociais de 3ª Geração
Programas Sociais de 3ª GeraçãoProgramas Sociais de 3ª Geração
Programas Sociais de 3ª Geração
msilvaonline
 
Unidade iii tipos de softwares
Unidade iii   tipos de softwaresUnidade iii   tipos de softwares
Unidade iii tipos de softwares
Daniel Moura
 
Tipos de software
Tipos de softwareTipos de software
Tipos de software
Henrique Fonseca
 
Aula 04 software
Aula 04 softwareAula 04 software
Aula 04 software
Matheus Brito
 
Tipos de Software
Tipos de SoftwareTipos de Software
Tipos de Software
Lucilene
 
Tipos de Software
Tipos de SoftwareTipos de Software
Tipos de Software
agospau14
 

Destaque (7)

8621 62260-1-pb
8621 62260-1-pb8621 62260-1-pb
8621 62260-1-pb
 
Programas Sociais de 3ª Geração
Programas Sociais de 3ª GeraçãoProgramas Sociais de 3ª Geração
Programas Sociais de 3ª Geração
 
Unidade iii tipos de softwares
Unidade iii   tipos de softwaresUnidade iii   tipos de softwares
Unidade iii tipos de softwares
 
Tipos de software
Tipos de softwareTipos de software
Tipos de software
 
Aula 04 software
Aula 04 softwareAula 04 software
Aula 04 software
 
Tipos de Software
Tipos de SoftwareTipos de Software
Tipos de Software
 
Tipos de Software
Tipos de SoftwareTipos de Software
Tipos de Software
 

Semelhante a Aula 05

Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
Weslley Andrade
 
31_Dias_Para_o_CCNA.pdf
31_Dias_Para_o_CCNA.pdf31_Dias_Para_o_CCNA.pdf
31_Dias_Para_o_CCNA.pdf
ssuser405a251
 
Informática Aplicada - Redes
Informática Aplicada - RedesInformática Aplicada - Redes
Informática Aplicada - Redes
Ricardo de Moraes
 
Comunicação de Dados - Modulo 5
 Comunicação de Dados - Modulo 5 Comunicação de Dados - Modulo 5
Comunicação de Dados - Modulo 5
Mariana Hiyori
 
Gv redes industriais
Gv redes industriaisGv redes industriais
Gv redes industriais
Gabriel Vinicios Silva Maganha
 
Redes
RedesRedes
Redes
Nuno Sousa
 
Rede
RedeRede
Tipos de dispositivos de rede
Tipos de dispositivos de redeTipos de dispositivos de rede
Tipos de dispositivos de rede
BrunoXina
 
Teconologias De Redes (Final)Mesmo
Teconologias De Redes (Final)MesmoTeconologias De Redes (Final)Mesmo
Teconologias De Redes (Final)Mesmo
Matheus
 
Equipment for interconnection of computer networks - 2004.
Equipment for interconnection of computer networks - 2004.Equipment for interconnection of computer networks - 2004.
Equipment for interconnection of computer networks - 2004.
Michel Alves
 
Mini curso redes_computadores
Mini curso redes_computadoresMini curso redes_computadores
Mini curso redes_computadores
elgi.elgi
 
O que é uma rede informática
O que é uma rede informáticaO que é uma rede informática
O que é uma rede informática
filipemolon
 
Seminário de Redes: Hub, Switch, Roteador, Modem e Acess Point.
Seminário de Redes: Hub, Switch, Roteador, Modem e Acess Point.Seminário de Redes: Hub, Switch, Roteador, Modem e Acess Point.
Seminário de Redes: Hub, Switch, Roteador, Modem e Acess Point.
Guilherme Santos
 
9948 – Redes e protocolos multimédia.pptx
9948 – Redes e protocolos multimédia.pptx9948 – Redes e protocolos multimédia.pptx
9948 – Redes e protocolos multimédia.pptx
BrancaSilva9
 
RedesIndustriais-unlocked.pdf
RedesIndustriais-unlocked.pdfRedesIndustriais-unlocked.pdf
RedesIndustriais-unlocked.pdf
filipeisep
 
Redes
RedesRedes
Controle Remoto de Residências
Controle Remoto de ResidênciasControle Remoto de Residências
Controle Remoto de Residências
Jaguaraci Silva
 
121 redes
121 redes121 redes
121 redes
ARILSON OLIVEIRA
 
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SPApresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
Carlos Mandolesi
 
1108
11081108
1108
Pelo Siro
 

Semelhante a Aula 05 (20)

Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
31_Dias_Para_o_CCNA.pdf
31_Dias_Para_o_CCNA.pdf31_Dias_Para_o_CCNA.pdf
31_Dias_Para_o_CCNA.pdf
 
Informática Aplicada - Redes
Informática Aplicada - RedesInformática Aplicada - Redes
Informática Aplicada - Redes
 
Comunicação de Dados - Modulo 5
 Comunicação de Dados - Modulo 5 Comunicação de Dados - Modulo 5
Comunicação de Dados - Modulo 5
 
Gv redes industriais
Gv redes industriaisGv redes industriais
Gv redes industriais
 
Redes
RedesRedes
Redes
 
Rede
RedeRede
Rede
 
Tipos de dispositivos de rede
Tipos de dispositivos de redeTipos de dispositivos de rede
Tipos de dispositivos de rede
 
Teconologias De Redes (Final)Mesmo
Teconologias De Redes (Final)MesmoTeconologias De Redes (Final)Mesmo
Teconologias De Redes (Final)Mesmo
 
Equipment for interconnection of computer networks - 2004.
Equipment for interconnection of computer networks - 2004.Equipment for interconnection of computer networks - 2004.
Equipment for interconnection of computer networks - 2004.
 
Mini curso redes_computadores
Mini curso redes_computadoresMini curso redes_computadores
Mini curso redes_computadores
 
O que é uma rede informática
O que é uma rede informáticaO que é uma rede informática
O que é uma rede informática
 
Seminário de Redes: Hub, Switch, Roteador, Modem e Acess Point.
Seminário de Redes: Hub, Switch, Roteador, Modem e Acess Point.Seminário de Redes: Hub, Switch, Roteador, Modem e Acess Point.
Seminário de Redes: Hub, Switch, Roteador, Modem e Acess Point.
 
9948 – Redes e protocolos multimédia.pptx
9948 – Redes e protocolos multimédia.pptx9948 – Redes e protocolos multimédia.pptx
9948 – Redes e protocolos multimédia.pptx
 
RedesIndustriais-unlocked.pdf
RedesIndustriais-unlocked.pdfRedesIndustriais-unlocked.pdf
RedesIndustriais-unlocked.pdf
 
Redes
RedesRedes
Redes
 
Controle Remoto de Residências
Controle Remoto de ResidênciasControle Remoto de Residências
Controle Remoto de Residências
 
121 redes
121 redes121 redes
121 redes
 
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SPApresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
 
1108
11081108
1108
 

Aula 05

  • 2. Periféricos de Redes  Os periféricos de uma rede são determinados quase que simultaneamente ao escolhermos uma topologia para trabalhar.  São necessários para regular e determinar um padrão de acesso aos meios físicos compartilhado.
  • 3. HUB  Os Hubs são os dispositivos mais utilizados para a montagem de uma rede com topologia em estrela ou árvore.  Têm como função realizar as conexões entre os equipamentos que compõem a rede.  Podemos encontrar esse equipamentos em modelos de 4,8,16,24 e 32 portas.
  • 4. HUB
  • 5. Switch  Podemos considerar o switch um "hub inteligente". Fisicamente ele é bem parecido com o hub, porém logicamente ele realmente opera a rede em forma de estrela. Os pacotes de dados são enviados diretamente para o destino, sem serem replicados para todas as máquinas. Além de aumentar o desempenho da rede, isso gera uma segurança maior. Várias transmissões podem ser efetuadas por vez, desde que tenham origem e destino diferentes.  O Switch possui as demais características e vantagens do hub.
  • 7. Roteadores  O roteador é um periférico utilizado em redes maiores. Ele decide qual rota um pacote de dados deve tomar para chegar a seu destino. Basta imaginar que em uma rede grande existem diversos trechos. Um pacote de dados não pode simplesmente ser replicado em todos os trechos até achar o seu destino, como na topologia linear, senão a rede simplesmente não funcionará por excesso de colisões, além de tornar a rede insegura (imagine um pacote de dados destinado a um setor circulando em um setor completamente diferente).
  • 8. Roteadores  Existem basicamente dois tipos de roteadores.  Estáticos  Dinâmicos.
  • 9. Roteadores  Os roteadores estáticos são mais baratos e escolhem o menor caminho para o pacote de dados. Acontece que esses roteadores não levam em consideração o congestionamento da rede, onde o menor caminho pode estar sendo super utilizado enquanto há caminhos alternativos que podem estar com um fluxo de dados menor. Portanto, o menor caminho não necessariamente é o melhor caminho.
  • 10. Roteadores  No caso dos roteadores dinâmicos, eles escolhem o melhor caminho para os dados, já que levam em conta o congestionamento da rede. Talvez o pacote de dados siga por um caminho até mais longo, porém menos congestionado que, no final das contas, acaba sendo mais rápido.
  • 11. Rack
  • 12. Rack  Armário usado para organizar os equipamentos de comunicação do cabeamento estruturado. Seu tamanho é medido pela quantidade de “Us” que ele suporta.
  • 14. Patch Panel  É o painel que abriga os cabos de comunicação, sua montagem geralmente é feita no Rack, a parte frontal, usada para ligar os path cable, é onde são identificados os pontos, a parte traseira é onde são feitas as conexões com os pontos de comunicação.
  • 16. Guia de Cabos  A guia de cabos tem por finalidade organizar a passagem de cabos dentro do rack, assim evitando que os cabos fiquem jogados e solto dentro do equipamento.
  • 21. CABEAMENTO ESTRUTURADO Cabeamento estruturado pode ser definido como um sistema baseado na padronização das interfaces e meios de transmissão, de modo a tornar o cabeamento independente da aplicação e do leiaute.
  • 22. CABEAMENTO ESTRUTURADO O projeto de cabeamento estruturado não é feito apenas para obedecer às normas de hoje, mas, também, para que esteja de conformidade com as tecnologias futuras, além de proporcionar grande flexibilidade de alterações e expansões do sistema.
  • 23. CABEAMENTO ESTRUTURADO Um sistema de cabeamento estruturado permite o tráfego de qualquer tipo de sinal elétrico de áudio, vídeo, controles ambientais e de segurança, dados e telefonia, convencional ou não, de baixa intensidade, independente do produto adotado ou fornecedor.
  • 24. CABEAMENTO ESTRUTURADO Este tipo de cabeamento, possibilita mudanças, manutenções ou implementações de forma rápida, segura e controlada, ou seja, toda alteração do esquema de ocupação de um edifício comercial é administrada e documentada seguindo-se um padrão de identificação que não permite erros ou dúvidas quanto aos cabos, tomadas, posições e usuários.
  • 25. CABEAMENTO ESTRUTURADO Tendo base que um sistema de cabeamento estruturado, quando da instalação, está instalado em pisos, canaletas e dutos, este sistema deve se ter uma vida útil de no mínimo 10 anos, este é o tempo médio da vida útil de uma ocupação comercial.
  • 26. PADRONIZAÇÃO Uma norma ou padrão de cabeamento especifica um sistema independente do fabricante. Benefícios:  Flexibilidade: mudança.  Facilidade de Administração: troca de cabos.  Vida Útil.  Controle de Falhas.  Custo e Investimento.
  • 27. COMUNICAÇÃO DE DADOS Tipos de ligação entre computadores:  Ponto-a-Ponto: apenas dois pontos de comunicação.  Ponto-Multiponto: três ou mais pontos de comunicação, com possibilidade de usar mesmo enlace (link).
  • 29. NORMAS TÉCNICAS No Brasil, as normas mais conhecidas para cabeamento estruturado são:  ANSI/EIA/TIA-568: especifica sistemas de cabeamento estruturado para edifícios comerciais.  EIA/TIA-570: padroniza a infra-estrutura para suportar voz, dados, vídeo, multimídia, TV, etc.  NBR-14565: norma brasileira que traz os procedimentos básicos para elaboração de projetos de cabeamento estruturado em redes de telecomunicações.  IEEE 802: desenvolveu e publicou uma série de normas para redes locais (LANs) e Metropolitanas (MANs) que foram adotadas mundialmente.
  • 30. CABO COAXIAL Consiste de dois condutores cilíndricos, um interno e outro externo, separados por um material dielétrico. O interno é o condutor e o externo é proteção. Resistência de 50.
  • 32. PAR-TRANÇADO Formado por 4 pares com cores padronizadas e resistência de 100.  Sem blindagem: UTP (Unshielded Twisted Pair),  Com blindagem: STP (Shielded Twisted Pair).  Categorias: atual 5e (100MHz – 1Gbps) e 6 (250MHz – 10Gbps).  Capacidade de transmissão: 10Mbps, 100Mbps ,1Gbps e 10Gbps.  Conector: RJ-45.  Distância máxima: 100m.  Tipo Conexão: direto ou cruzado (crossover).
  • 34. PAR-TRANÇADO A norma EIA/TIA-568 determina a pinagem e configuração. Existem no mercado duas padronizações para a pinagem categoria 5: padrão 568-A e 568-B, que diferem apenas nas cores de dois pares de condutores do cabo UTP. Conector RJ-45:  Macho (plug).  Fêmea (jack).
  • 37. FOTOS
  • 38. FOTOS
  • 39. FOTOS
  • 40. FOTOS
  • 41. FOTOS
  • 42. FOTOS
  • 43. FOTOS
  • 44. FOTOS
  • 45. FOTOS