SlideShare uma empresa Scribd logo
Os Invertebrados 
Platelmintos e Nematelmintos
Platelmintos 
Representados por organismos parasitas e de vida livre, tendo como características principais: 
Os platelmintos são vermes geralmente de corpo achatado, como uma fita. Daí o nome do grupo: 
Platysque significa achatado e helminthesque significa verme.
Principais características: 
1.Tubodigestórioincompleto:temapenasumaabertura–aboca–porondeingeremalimentoeeliminamfezes. 
algumasespéciesnãopossuemtubodigestório,sendoadaptadasàvidadeparasita,absorvendopelapeleoalimentojádigeridopelohospedeiro 
2.Ausênciadesistemacirculatório:transportedesubstânciasrealizadocélulaàcélula. 
3.Ausênciadesistemarespiratório:osplatelmintosrespiramabsorvendoeliberandogasespelapele.
Exemplos de Platelmintos: 
Planária 
As planárias são organismos de vida livre, com cerca de 1,5 cm, que se locomovem com o auxílio de cílios ao longo de seu corpo. 
1. Ocelos–não formam imagens, apenas percebem claro e escuro. 
2. Aurícula–percebem sensações gustatórias e olfatórias, ajudando o animal a encontrar alimento. 
3. Boca e Faringe–localizadas na região ventral. A faringe é protátil. 
4. Poro genital–também localizado na região ventral. 
Estrutura das Planárias:
Reprodução das Planárias: 
As planárias são hermafroditas e podem se reproduzir de forma assexuada e sexuada. 
Comotemumgrandepoderderegeneração,quandoumaplanáriasedivideouédividida,decadapartesurgeumanovaplanária. 
Assexuada 
Asplanáriascolocamseusporosgenitaisemcontatoeinseremseusespermatozóidesumanaoutra. Formam-seentãoovosquesãoliberadosnomeioexternoecadaovocontémumembriãoquepodegerarumanovaplanária. 
Sexuada
Exemplos de Platelmintos: 
Tênias 
São popularmente conhecidas como solitárias. Podem chegar a mais de 5 metros de comprimento no corpo do hospedeiro. 
As Taenia solium e Taenia saginata parasitam o homem. A primeira parasita também o porco e a segunda, o boi. 
O corpo da tênia pode ser dividido em 3 partes: 
1. Cabeça 
2. Pescoço 
3. Corpo ou estróbilo –é divido em segmentos chamados proglotes.
Ciclo reprodutivo das tênias: 
A tênia é hermafrodita e pode se autofecundar, isto é, ela fica grávida de si mesma. 
A autofecundação ocorre dentro de cada proglote (os segmentos do corpo da tênia) que se soltam após ficarem “grávidas”. 
Isso ocorre dentro do organismo do ser humano parasitado, isto é, que tem a tênia no intestino, que libera as proglotes com as fezes.
Ciclo reprodutivo das tênias: 
Asfezespodemcontaminarsoloouáguaqueserãoingeridosporporcosoubois. 
Aoseremingeridosporessesanimais,osovosserompemeliberamembriõesqueseinstalamemcertaspartesdosanimais,comomúsculo, transformando-seemlarvaseformandooscisticercos. 
Seumapessoaconsomecarnecontaminadamalcozida,alarvasealojaemseuintestinoesedesenvolveemadulto,eociclorecomeça.
Porco ou boi não contaminado 
Porco ou boi contaminado 
Homem não parasitado 
Homem parasitado 
liberam proglotes com ovos em locais onde vivem 
consumo de água ou alimento contaminado 
consumo de carne malcozida 
larvas se desenvolvem no intestino 
Teníase
Cisticercose 
Causada pela ingestão de ovos de tênia, presentes na água ou alimento contaminado. 
Nesse caso, vai ocorre no corpo humano o que ocorre no corpo do boi ou do porco. 
Os embriões penetram na corrente sanguínea e podem se alojar em diferentes partes do corpo, como órgãos, músculo, cérebro, etc., onde formam cisticercos. 
Formas de evitar as tênias 
1. Saneamento básico e contrução de fossas onde não há coleta de esgoto. 
2. Não eliminar fezes em locais inadequados, onde possam contaminar água e solo que possam ser ingeridos por porcos ou boi. 
3. Cozinhar bastante a carne, higienizar apropriadamento os alimentos e tomar apenas água tratada ou fervida.
Exemplos de Platelmintos: 
Esquistossomo (Schistosoma mansoni) 
Provoca uma doença denominada esquistossomose. 
Provoca aumento do entre outras coisas, aumento do volume abdome, devido ao inchaço de fígado e baço. 
Por isso, essa doença é popularmente chamada de “barriga d’água”. 
O esquistossomo não é hermafrodita como a planária e a tênia. Existe um verme macho e um verme fêmea. 
Após a reprodução, a fêmea libera os ovos nas veias do intestino, que é onde normalmente se abrigam. 
Esses ovos atravessam as paredes das veias e entram no próprio intestino, sendo eliminados juntos com as fezes.
Ciclo reprodutivo do esquistossomo: 
Cercária deixa o caramujo e penetra na pele humana 
As fezes podem contaminar água de lagos ou represas com esses ovos. 
Esses ovos darão origem a larvas denominadas miracídios. 
Os miracídios podem penetrar o corpo de uma caramujo Biomphalaria . 
Dentro dele, o miracídio dará origem a muitas larvas, chamada cercárias. 
As cercárias saem do caramujo e podem penetrar a pele humana. 
Ao penetrar a pele humana, entram na corrente sanguínea, se alojam nas veias que ligam o intestino ao fígado, onde se desenvolvem e forma adultos, e o ciclo recomeça.
Lagos e represas com caramujo Biomphalaria 
Caramujo contaminado 
Homem não parasitado 
Homem parasitado 
liberam fezes com ovos que contaminam 
formação de larvas miracídios 
formação de cercárias 
cercárias penetram na pele 
Esquistossomose
Nematelmintos 
Os nematelmintos são vermes de corpo cilíndrico afilado nas extremidades. 
Possuem tubo digestório completo, isto é, com boca e ânus. 
Geralmente possuem sexos separados.
Exemplos de Nematelmintos: 
Ancilóstomos (Ancylostoma duodenale) 
Vive no intestino delgado do ser humano e provoca a doença denominada ancilostomíase. 
Possuemganchosnabocacomosquaisproduzemferidasnasparedesdointestinoealimentam-sedosangueliberado.Comashemorragiasconstantes,apessoaficaanêmica. 
Apessoaparasitadanormalmenteficacomapeleamarelada.Porissoessadoençaépopularmentechamadade“amarelão”.
Ciclo do ancilóstomo: 
Aoatingiracorrentesanguínea,aslarvasseguememdireçãoaopulmão. 
Aslarvassedeslocam,então,pelatraquéiaatéalaringeedepoisatéafaringe. 
Nafaringe,sãoengolidaspassandopeloesôfago,estômagoealcançandoaparededointestino. 
Nointestinodedesenvolvememadultoseociclorecomeça. 
Apessoacontaminadaeliminaasfezescomovosnosolo. 
Misturadoscomaterraúmida,osovosoriginamlarvas. 
Quandoapeledeumapessoaentraemcontatocomessesolocontaminado,aslarvassãocapazesdeatravessarapeledapessoaeentrarnacorrentesanguínea.
Exemplos de Nematelmintos: 
Lombrigas (Ascaris lumbricoides)e Oxiúros (Enterobius vermicularis) 
Provocam a doença denominada ascaridíase e oxiurose, respectivamente. 
Aspessoaspodemserparasitadoapartirdoconsumodeáguaoualimentocontaminadocomovos. 
Aochegarnointestino,osovosserompemliberandolarvas. 
Nocasodaslombrigas,essaslarvasatravessamaparededointestinoecaemnacorrentesanguíneamigrandodospulmõesatéafaringe,depoisdafaringeatéointestinonovamente, ondepermanecerãojáadultas. 
As larvas de oxiúros permanecem no intestino, onde se desenvolvem em adultos. As fêmeas fecundadas migram para a região anal, provcando coceiras. Se uma pessoa coça e leva a mão à boca, pode ingerir os ovos.
Exemplos de Nematelmintos: 
Filárias 
Esses vermes entram no corpo humano através da picada do mosquito Culex. 
Então, se alojam nos vasos linfáticos, que são responsáveis pela drenagem de líquidos do nosso corpo. 
As filárias agem como um obstáculo, impedindo a passagem do líquido, gerando inchaço. 
Pelo aspecto que provoca, essa doença é conhecida como elefantíase.
Culexnão contaminado 
Culex contaminado 
Homem não contaminado 
Homem contaminado 
saliva do mosquito 
Ciclo da filária: 
é picado por 
vira 
vira
Principais características dos Platelmintos: 
1.Tubodigestórioincompleto:temapenasumaabertura–aboca–porondeingeremalimentoeeliminamfezes. 
algumasespéciesnãopossuemtubodigestório,sendoadaptadasàvidadeparasita,absorvendopelapeleoalimentojádigeridopelohospedeiro 
2.Ausênciadesistemacirculatório:transportedesubstânciasrealizadocélulaàcélula. 
3.Ausênciadesistemarespiratório:osplatelmintosrespiramabsorvendoeliberandogasespelapele.
Principais Características dos Nematelmintos 
•Os nematelmintos são vermes de corpo cilíndrico afilado nas extremidades. 
•Possuem tubo digestório completo, isto é, com boca e ânus. 
•Geralmente possuem sexos separados. 
•Doenças causadas por Nematelmintos: ancilostomíase (amarelão), ascaridíase (lombrigas), oxiurose e filariose (elefantíase).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Bio
 
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
Aula 1   caracteristicas gerais dos animaisAula 1   caracteristicas gerais dos animais
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
Grupo UNIASSELVI
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
Bio
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
Andrea Barreto
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Zoologia o estudo dos animais
Zoologia   o estudo dos animaisZoologia   o estudo dos animais
Zoologia o estudo dos animais
Iara Caetano
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
André Oliver
 
Evolução e sistemática
Evolução e sistemática Evolução e sistemática
Evolução e sistemática
Slides de Tudo
 
Filo Nematoda
Filo Nematoda Filo Nematoda
Filo Nematoda
Luis Carlos
 
Reprodução das bactérias
Reprodução das bactériasReprodução das bactérias
Reprodução das bactérias
Rogger Wins
 
Divisão celular
Divisão celularDivisão celular
Divisão celular
Gabriel Mendes de Almeida
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
Carson Souza
 
Apêndices dos arthropoda
Apêndices dos arthropodaApêndices dos arthropoda
Apêndices dos arthropoda
Fábio Ianomami
 
Fisiologia animal comparada (versão para aula)
Fisiologia animal comparada    (versão para aula)Fisiologia animal comparada    (versão para aula)
Fisiologia animal comparada (versão para aula)
Mario Leonel Rodrigues
 
Evolução dos vertebrados - Conquista do ambiente terrestre - Biologia
Evolução dos vertebrados - Conquista do ambiente terrestre - BiologiaEvolução dos vertebrados - Conquista do ambiente terrestre - Biologia
Evolução dos vertebrados - Conquista do ambiente terrestre - Biologia
Leila Santana
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
Flávio Booz
 
Ppt sobre os fósseis
Ppt sobre os fósseisPpt sobre os fósseis
Ppt sobre os fósseis
Ana Rita Bryan Bryan
 
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino MédioAula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Ronaldo Santana
 
Filos do Reino Animalia
Filos do Reino AnimaliaFilos do Reino Animalia
Filos do Reino Animalia
Kátia Depieri Andrade
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
GabrielaMansur
 

Mais procurados (20)

Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
 
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
Aula 1   caracteristicas gerais dos animaisAula 1   caracteristicas gerais dos animais
Aula 1 caracteristicas gerais dos animais
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 
Cnidários
CnidáriosCnidários
Cnidários
 
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.Bioenergética II  - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
Bioenergética II - Fotossíntese e Quimiossíntese - Aulas 33 e 34.
 
Zoologia o estudo dos animais
Zoologia   o estudo dos animaisZoologia   o estudo dos animais
Zoologia o estudo dos animais
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Evolução e sistemática
Evolução e sistemática Evolução e sistemática
Evolução e sistemática
 
Filo Nematoda
Filo Nematoda Filo Nematoda
Filo Nematoda
 
Reprodução das bactérias
Reprodução das bactériasReprodução das bactérias
Reprodução das bactérias
 
Divisão celular
Divisão celularDivisão celular
Divisão celular
 
Biologia - Platelmintos
Biologia - PlatelmintosBiologia - Platelmintos
Biologia - Platelmintos
 
Apêndices dos arthropoda
Apêndices dos arthropodaApêndices dos arthropoda
Apêndices dos arthropoda
 
Fisiologia animal comparada (versão para aula)
Fisiologia animal comparada    (versão para aula)Fisiologia animal comparada    (versão para aula)
Fisiologia animal comparada (versão para aula)
 
Evolução dos vertebrados - Conquista do ambiente terrestre - Biologia
Evolução dos vertebrados - Conquista do ambiente terrestre - BiologiaEvolução dos vertebrados - Conquista do ambiente terrestre - Biologia
Evolução dos vertebrados - Conquista do ambiente terrestre - Biologia
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Ppt sobre os fósseis
Ppt sobre os fósseisPpt sobre os fósseis
Ppt sobre os fósseis
 
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino MédioAula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
Aula de Biologia - Vertebrados (Peixes e Anfíbios) - 2° Ano Ensino Médio
 
Filos do Reino Animalia
Filos do Reino AnimaliaFilos do Reino Animalia
Filos do Reino Animalia
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 

Destaque

Filo porifera Prof Ricardo
Filo porifera Prof RicardoFilo porifera Prof Ricardo
Filo porifera Prof Ricardo
Ricardo Mateus Brito Menezes
 
Classificação do Reino Vegetal
Classificação do Reino VegetalClassificação do Reino Vegetal
Classificação do Reino Vegetal
lindana01
 
Reino das Plantas
Reino das PlantasReino das Plantas
Reino das Plantas
00367p
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
Carolina Suisso
 
Reino animalia - características gerais
Reino animalia - características geraisReino animalia - características gerais
Reino animalia - características gerais
Ricardo Mateus Brito Menezes
 
Reino das plantas
Reino das plantasReino das plantas
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
NAPNE
 
Botânica classificação dos vegetais
Botânica   classificação dos vegetaisBotânica   classificação dos vegetais
Botânica classificação dos vegetais
Paulo Henrique Alencar Nunes
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
Erick Ortiz
 
Filo Mollusca
Filo MolluscaFilo Mollusca
Filo Mollusca
Lucas Castro
 
Moluscos caracteristicas gerais
Moluscos   caracteristicas geraisMoluscos   caracteristicas gerais
Moluscos caracteristicas gerais
Ronalld Sabino
 
filo molusca
filo moluscafilo molusca
filo molusca
Fabio Santos Nery
 
Filo Mollusca
Filo MolluscaFilo Mollusca
Filo Mollusca
Diego Yamazaki Bolano
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
Teresa Cristina
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
Bio
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
Pedr457
 
Reino Vegetal
Reino VegetalReino Vegetal
Reino Vegetal
Giseli Trento
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
Ernesto Argüello
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
Julianalfaria
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
Marcos Mororó
 

Destaque (20)

Filo porifera Prof Ricardo
Filo porifera Prof RicardoFilo porifera Prof Ricardo
Filo porifera Prof Ricardo
 
Classificação do Reino Vegetal
Classificação do Reino VegetalClassificação do Reino Vegetal
Classificação do Reino Vegetal
 
Reino das Plantas
Reino das PlantasReino das Plantas
Reino das Plantas
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Reino animalia - características gerais
Reino animalia - características geraisReino animalia - características gerais
Reino animalia - características gerais
 
Reino das plantas
Reino das plantasReino das plantas
Reino das plantas
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
 
Botânica classificação dos vegetais
Botânica   classificação dos vegetaisBotânica   classificação dos vegetais
Botânica classificação dos vegetais
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
 
Filo Mollusca
Filo MolluscaFilo Mollusca
Filo Mollusca
 
Moluscos caracteristicas gerais
Moluscos   caracteristicas geraisMoluscos   caracteristicas gerais
Moluscos caracteristicas gerais
 
filo molusca
filo moluscafilo molusca
filo molusca
 
Filo Mollusca
Filo MolluscaFilo Mollusca
Filo Mollusca
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Reino Vegetal
Reino VegetalReino Vegetal
Reino Vegetal
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 
Reino plantae
Reino plantaeReino plantae
Reino plantae
 

Semelhante a Invertebrados platelmintos e nematelmintos

Filo platelminto
Filo platelmintoFilo platelminto
Filo platelminto
Danie Gongui
 
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
Zoo 1    de poríferos a nematelmintosZoo 1    de poríferos a nematelmintos
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
aulasdotubao
 
Zoologia: Nematelmintos
Zoologia: NematelmintosZoologia: Nematelmintos
Zoologia: Nematelmintos
Guilherme Orlandi Goulart
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
familiaestagio
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
Marcos Santos
 
Platelmintos.pdf
Platelmintos.pdfPlatelmintos.pdf
Platelmintos.pdf
Heber Mello
 
Platelmintos & Nematódeos
Platelmintos & NematódeosPlatelmintos & Nematódeos
Platelmintos & Nematódeos
Leandro Mota
 
Parte II Reino Animal - vermes
Parte II   Reino Animal - vermesParte II   Reino Animal - vermes
Parte II Reino Animal - vermes
Ribeirocan
 
Parte II Reino animal - Vermes
Parte II   Reino animal - VermesParte II   Reino animal - Vermes
Parte II Reino animal - Vermes
Ribeirocan
 
Zoologia: Platelmintos
Zoologia: PlatelmintosZoologia: Platelmintos
Zoologia: Platelmintos
Guilherme Orlandi Goulart
 
Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)
Romualdo Caetano Barros
 
Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)
Jocimara Monsani
 
Filo porífero, cnidário, platelminto Biologia
Filo porífero, cnidário, platelminto Biologia Filo porífero, cnidário, platelminto Biologia
Filo porífero, cnidário, platelminto Biologia
Uiles Martins
 
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
MICRO AULA 4 PARASITO.pdf
MICRO AULA 4 PARASITO.pdfMICRO AULA 4 PARASITO.pdf
MICRO AULA 4 PARASITO.pdf
FernandoBrito656910
 
Aula invertebrados
Aula invertebradosAula invertebrados
Aula invertebrados
Andre Luiz Nascimento
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Carla Brígida
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
eebniltonkucker
 
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+AnelideosPlatelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Vitor Maciel
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
bioblocmb
 

Semelhante a Invertebrados platelmintos e nematelmintos (20)

Filo platelminto
Filo platelmintoFilo platelminto
Filo platelminto
 
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
Zoo 1    de poríferos a nematelmintosZoo 1    de poríferos a nematelmintos
Zoo 1 de poríferos a nematelmintos
 
Zoologia: Nematelmintos
Zoologia: NematelmintosZoologia: Nematelmintos
Zoologia: Nematelmintos
 
Plano de aula 10
Plano de aula 10Plano de aula 10
Plano de aula 10
 
Principais verminoses humanas
Principais verminoses humanasPrincipais verminoses humanas
Principais verminoses humanas
 
Platelmintos.pdf
Platelmintos.pdfPlatelmintos.pdf
Platelmintos.pdf
 
Platelmintos & Nematódeos
Platelmintos & NematódeosPlatelmintos & Nematódeos
Platelmintos & Nematódeos
 
Parte II Reino Animal - vermes
Parte II   Reino Animal - vermesParte II   Reino Animal - vermes
Parte II Reino Animal - vermes
 
Parte II Reino animal - Vermes
Parte II   Reino animal - VermesParte II   Reino animal - Vermes
Parte II Reino animal - Vermes
 
Zoologia: Platelmintos
Zoologia: PlatelmintosZoologia: Platelmintos
Zoologia: Platelmintos
 
Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)Animais invertebrados (mazza)
Animais invertebrados (mazza)
 
Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)Reino animalia (metazoa)
Reino animalia (metazoa)
 
Filo porífero, cnidário, platelminto Biologia
Filo porífero, cnidário, platelminto Biologia Filo porífero, cnidário, platelminto Biologia
Filo porífero, cnidário, platelminto Biologia
 
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
 
MICRO AULA 4 PARASITO.pdf
MICRO AULA 4 PARASITO.pdfMICRO AULA 4 PARASITO.pdf
MICRO AULA 4 PARASITO.pdf
 
Aula invertebrados
Aula invertebradosAula invertebrados
Aula invertebrados
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
 
Poriferos
PoriferosPoriferos
Poriferos
 
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+AnelideosPlatelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
Platelmintos+Nematodeos+Moluscos+Anelideos
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 

Mais de NAPNE

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - Naturalismo
NAPNE
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - Resumo
NAPNE
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - Resumo
NAPNE
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento cultural
NAPNE
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
NAPNE
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
NAPNE
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTA
NAPNE
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUA
NAPNE
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
NAPNE
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
NAPNE
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
NAPNE
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - Física
NAPNE
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanos
NAPNE
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
NAPNE
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
NAPNE
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-História
NAPNE
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - Paisagens
NAPNE
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - Atividade
NAPNE
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e Cultura
NAPNE
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e Roma
NAPNE
 

Mais de NAPNE (20)

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - Naturalismo
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - Resumo
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - Resumo
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento cultural
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTA
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUA
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - Física
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanos
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-História
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - Paisagens
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - Atividade
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e Cultura
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e Roma
 

Último

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 

Invertebrados platelmintos e nematelmintos

  • 2. Platelmintos Representados por organismos parasitas e de vida livre, tendo como características principais: Os platelmintos são vermes geralmente de corpo achatado, como uma fita. Daí o nome do grupo: Platysque significa achatado e helminthesque significa verme.
  • 3. Principais características: 1.Tubodigestórioincompleto:temapenasumaabertura–aboca–porondeingeremalimentoeeliminamfezes. algumasespéciesnãopossuemtubodigestório,sendoadaptadasàvidadeparasita,absorvendopelapeleoalimentojádigeridopelohospedeiro 2.Ausênciadesistemacirculatório:transportedesubstânciasrealizadocélulaàcélula. 3.Ausênciadesistemarespiratório:osplatelmintosrespiramabsorvendoeliberandogasespelapele.
  • 4. Exemplos de Platelmintos: Planária As planárias são organismos de vida livre, com cerca de 1,5 cm, que se locomovem com o auxílio de cílios ao longo de seu corpo. 1. Ocelos–não formam imagens, apenas percebem claro e escuro. 2. Aurícula–percebem sensações gustatórias e olfatórias, ajudando o animal a encontrar alimento. 3. Boca e Faringe–localizadas na região ventral. A faringe é protátil. 4. Poro genital–também localizado na região ventral. Estrutura das Planárias:
  • 5. Reprodução das Planárias: As planárias são hermafroditas e podem se reproduzir de forma assexuada e sexuada. Comotemumgrandepoderderegeneração,quandoumaplanáriasedivideouédividida,decadapartesurgeumanovaplanária. Assexuada Asplanáriascolocamseusporosgenitaisemcontatoeinseremseusespermatozóidesumanaoutra. Formam-seentãoovosquesãoliberadosnomeioexternoecadaovocontémumembriãoquepodegerarumanovaplanária. Sexuada
  • 6. Exemplos de Platelmintos: Tênias São popularmente conhecidas como solitárias. Podem chegar a mais de 5 metros de comprimento no corpo do hospedeiro. As Taenia solium e Taenia saginata parasitam o homem. A primeira parasita também o porco e a segunda, o boi. O corpo da tênia pode ser dividido em 3 partes: 1. Cabeça 2. Pescoço 3. Corpo ou estróbilo –é divido em segmentos chamados proglotes.
  • 7. Ciclo reprodutivo das tênias: A tênia é hermafrodita e pode se autofecundar, isto é, ela fica grávida de si mesma. A autofecundação ocorre dentro de cada proglote (os segmentos do corpo da tênia) que se soltam após ficarem “grávidas”. Isso ocorre dentro do organismo do ser humano parasitado, isto é, que tem a tênia no intestino, que libera as proglotes com as fezes.
  • 8. Ciclo reprodutivo das tênias: Asfezespodemcontaminarsoloouáguaqueserãoingeridosporporcosoubois. Aoseremingeridosporessesanimais,osovosserompemeliberamembriõesqueseinstalamemcertaspartesdosanimais,comomúsculo, transformando-seemlarvaseformandooscisticercos. Seumapessoaconsomecarnecontaminadamalcozida,alarvasealojaemseuintestinoesedesenvolveemadulto,eociclorecomeça.
  • 9. Porco ou boi não contaminado Porco ou boi contaminado Homem não parasitado Homem parasitado liberam proglotes com ovos em locais onde vivem consumo de água ou alimento contaminado consumo de carne malcozida larvas se desenvolvem no intestino Teníase
  • 10. Cisticercose Causada pela ingestão de ovos de tênia, presentes na água ou alimento contaminado. Nesse caso, vai ocorre no corpo humano o que ocorre no corpo do boi ou do porco. Os embriões penetram na corrente sanguínea e podem se alojar em diferentes partes do corpo, como órgãos, músculo, cérebro, etc., onde formam cisticercos. Formas de evitar as tênias 1. Saneamento básico e contrução de fossas onde não há coleta de esgoto. 2. Não eliminar fezes em locais inadequados, onde possam contaminar água e solo que possam ser ingeridos por porcos ou boi. 3. Cozinhar bastante a carne, higienizar apropriadamento os alimentos e tomar apenas água tratada ou fervida.
  • 11. Exemplos de Platelmintos: Esquistossomo (Schistosoma mansoni) Provoca uma doença denominada esquistossomose. Provoca aumento do entre outras coisas, aumento do volume abdome, devido ao inchaço de fígado e baço. Por isso, essa doença é popularmente chamada de “barriga d’água”. O esquistossomo não é hermafrodita como a planária e a tênia. Existe um verme macho e um verme fêmea. Após a reprodução, a fêmea libera os ovos nas veias do intestino, que é onde normalmente se abrigam. Esses ovos atravessam as paredes das veias e entram no próprio intestino, sendo eliminados juntos com as fezes.
  • 12. Ciclo reprodutivo do esquistossomo: Cercária deixa o caramujo e penetra na pele humana As fezes podem contaminar água de lagos ou represas com esses ovos. Esses ovos darão origem a larvas denominadas miracídios. Os miracídios podem penetrar o corpo de uma caramujo Biomphalaria . Dentro dele, o miracídio dará origem a muitas larvas, chamada cercárias. As cercárias saem do caramujo e podem penetrar a pele humana. Ao penetrar a pele humana, entram na corrente sanguínea, se alojam nas veias que ligam o intestino ao fígado, onde se desenvolvem e forma adultos, e o ciclo recomeça.
  • 13. Lagos e represas com caramujo Biomphalaria Caramujo contaminado Homem não parasitado Homem parasitado liberam fezes com ovos que contaminam formação de larvas miracídios formação de cercárias cercárias penetram na pele Esquistossomose
  • 14. Nematelmintos Os nematelmintos são vermes de corpo cilíndrico afilado nas extremidades. Possuem tubo digestório completo, isto é, com boca e ânus. Geralmente possuem sexos separados.
  • 15. Exemplos de Nematelmintos: Ancilóstomos (Ancylostoma duodenale) Vive no intestino delgado do ser humano e provoca a doença denominada ancilostomíase. Possuemganchosnabocacomosquaisproduzemferidasnasparedesdointestinoealimentam-sedosangueliberado.Comashemorragiasconstantes,apessoaficaanêmica. Apessoaparasitadanormalmenteficacomapeleamarelada.Porissoessadoençaépopularmentechamadade“amarelão”.
  • 16. Ciclo do ancilóstomo: Aoatingiracorrentesanguínea,aslarvasseguememdireçãoaopulmão. Aslarvassedeslocam,então,pelatraquéiaatéalaringeedepoisatéafaringe. Nafaringe,sãoengolidaspassandopeloesôfago,estômagoealcançandoaparededointestino. Nointestinodedesenvolvememadultoseociclorecomeça. Apessoacontaminadaeliminaasfezescomovosnosolo. Misturadoscomaterraúmida,osovosoriginamlarvas. Quandoapeledeumapessoaentraemcontatocomessesolocontaminado,aslarvassãocapazesdeatravessarapeledapessoaeentrarnacorrentesanguínea.
  • 17. Exemplos de Nematelmintos: Lombrigas (Ascaris lumbricoides)e Oxiúros (Enterobius vermicularis) Provocam a doença denominada ascaridíase e oxiurose, respectivamente. Aspessoaspodemserparasitadoapartirdoconsumodeáguaoualimentocontaminadocomovos. Aochegarnointestino,osovosserompemliberandolarvas. Nocasodaslombrigas,essaslarvasatravessamaparededointestinoecaemnacorrentesanguíneamigrandodospulmõesatéafaringe,depoisdafaringeatéointestinonovamente, ondepermanecerãojáadultas. As larvas de oxiúros permanecem no intestino, onde se desenvolvem em adultos. As fêmeas fecundadas migram para a região anal, provcando coceiras. Se uma pessoa coça e leva a mão à boca, pode ingerir os ovos.
  • 18. Exemplos de Nematelmintos: Filárias Esses vermes entram no corpo humano através da picada do mosquito Culex. Então, se alojam nos vasos linfáticos, que são responsáveis pela drenagem de líquidos do nosso corpo. As filárias agem como um obstáculo, impedindo a passagem do líquido, gerando inchaço. Pelo aspecto que provoca, essa doença é conhecida como elefantíase.
  • 19. Culexnão contaminado Culex contaminado Homem não contaminado Homem contaminado saliva do mosquito Ciclo da filária: é picado por vira vira
  • 20. Principais características dos Platelmintos: 1.Tubodigestórioincompleto:temapenasumaabertura–aboca–porondeingeremalimentoeeliminamfezes. algumasespéciesnãopossuemtubodigestório,sendoadaptadasàvidadeparasita,absorvendopelapeleoalimentojádigeridopelohospedeiro 2.Ausênciadesistemacirculatório:transportedesubstânciasrealizadocélulaàcélula. 3.Ausênciadesistemarespiratório:osplatelmintosrespiramabsorvendoeliberandogasespelapele.
  • 21. Principais Características dos Nematelmintos •Os nematelmintos são vermes de corpo cilíndrico afilado nas extremidades. •Possuem tubo digestório completo, isto é, com boca e ânus. •Geralmente possuem sexos separados. •Doenças causadas por Nematelmintos: ancilostomíase (amarelão), ascaridíase (lombrigas), oxiurose e filariose (elefantíase).