SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
68*(67­2'(352(',0ENTO PARA DETERMINA‚­2'2pH

1. Status de Revis‹o

Elaborado por:                                     Aprovado por:
1žUHYis‹o: 00                                                     Data: ___/____/______


2. Objetivo

       Definir o procedimento para a determina•‹o do pH, aferi•‹o e manuten•‹o do pHmetro.

3. Defini•›es

   ·   pH: pH ou potencial de hidrog•nio i™nico, Ž um ’ndice que indica a acidez, neutralidade ou
       alcalinidade de uma solu•‹o aquosa. O pH pode ser definido como:


A escala usual de pH varia de 0 a 14. O ponto mŽdio desta escala Ž o pH 7,0 que representa a
neutralidade (ex.pH da ‡gua pura). No pH 7,0 as concentra•›es de ’ons H3 O+ e OH- s‹o iguais.
Valores de pHs inferiores a 7,0 representam a faixa ‡cida e os valores acima deste representam a
faixa alcalina.
   ·   pHmetro (leia-se peag‰metro): s‹o aparelhos utilizados para determina•‹o de pH, s‹o
       instrumentos potenciomŽtricos, providos de amplificadores eletr™nicos de corrente com
       cŽlula de vidro-calomelano (eletrodo).


4. Procedimento

4.1. Requisitos prŽvios:

4.1.1.Se houver a forma•‹o de bolhas de ar dentro do bulbo do eletrodo, basta agit‡-lo para baixo
tal como se opera um term™metro cl’nico.
4.1.2.Nos eletrodos do tipo reabastec’vel, o n’vel de preenchimento precisa ser checado e
completado com solu•‹o eletrol’tica apropriada.
4.1.3.Antes de usar os eletrodos, a luva que cobre o furo de preenchimento dever‡ ser baixada
antes da execu•‹o das medi•›es e posteriormente a esta, recolocada na posi•‹o original.
4.1.4.Se a luva de prote•‹o ficar sem eletr—lito ou se o eletrodo n‹o for usado por muito tempo,
ele deve ser reativado ficando mergulhado v‡rias horas em um bŽquer com solu•‹o de KCl 3M ou
na solu•‹o recomendada pelo fabricante.A solu•‹o de KCl dever‡ ser trocada periodicamente.
4.1.5.Para secagem do eletrodo, simplesmente toque o eletrodo com o papel de filtro deixando-o
em contato com o bulbo do eletrodo por um breve per’odo para que o mesmo absorva a umidade.
N‹o esfregar o papel no bulbo, pois a eletricidade est‡tica gerada prejudicar‡ a calibra•‹o do
pHmetro.
4.1.6.Para obter uma maior precis‹o da medi•‹o do pH, a temperatura deve ser levada em
considera•‹o.
4.1.7.Para usar o acess—rio para compensa•‹o autom‡tica de temperatura do medidor, inserir a
sonda de temperatura na amostra, o mais pr—ximo poss’vel do eletrodo e aguardar por um ou dois


                                       P‡gina 1 de 1
68*(67­2'(352(',0ENTO PARA DETERMINA‚­2'2pH
minutos.
4.1.8.Se forem efetuadas sucessivas medi•›es em diferentes amostras, Ž recomend‡vel que o
eletrodo e a sonda de temperatura sejam totalmente limpos com ‡gua destilada e secos
suavemente com um papel de filtro, entre cada medi•‹o.
4.1.9.ƒ recomend‡vel a utiliza•‹o de pHmetro com resolu•‹o de pelo menos 0,01 unidades de
pH.


4.2. Aferi•‹o do pHmetro

4.2.1. Realizar a aferi•‹o do pHmetro diariamente ap—s 30 minutos da sua liga•‹o.
 5HWLUDU R UHFLSLHQWH RX ³OXYD SURWHWRUD´ FRQWHQGR D VROXomR GH .O 0 QD TXDO R HOHWURGR
est‡ mergulhado.
4.2.3. Lavar o eletrodo, com aux’lio de uma piseta, com jatos de ‡gua e sec‡-lo suavemente com
papel de filtro.
4.2.4. Imergir o eletrodo na solu•‹o tamp‹o de refer•ncia com valor de pH 4,0. Aguardar um
minuto e verificar o resultado. Caso o valor registrado pelo aparelho seja diferente do esperado
para solu•‹o tamp‹o refer•ncia, fazer o ajuste no bot‹o de calibra•‹o.
4.2.5.Desligar o bot‹o de leitura, retirar a solu•‹o tamp‹o e lavar o eletrodo conforme descrito no
item 4.2.3.
4.2.6. Imergir o eletrodo em uma segunda solu•‹o tamp‹o de refer•ncia de pH 7,0 ou pH 9,0.
Aguardar um minuto e verificar o valor de pH registrado. Este valor n‹o dever‡ apresentar
varia•›es superiores a 0,07 do valor esperado para solu•‹o tamp‹o refer•ncia. Se necess‡rio,
fa•a os ajustes no bot‹o de calibra•‹o. Verificar sempre a validade das solu•›es tamp‹o
refer•ncia.
4.2.7. Caso n‹o haja precis‹o nas medidas, verificar poss’veis danos nos eletrodos e se
necess‡rio realizar sua substitui•‹o.
4.2.8. Lavar e secar o eletrodo conforme descrito no item 4.2.3.
0HUJXOKDURHOHWURGRQRUHFLSLHQWHRX³OXYDSURWHWRUD´FRP.O0RXFRQIRUPHDRULHQWDomR
do fabricante.


4.3. Procedimento para a determina•‹o do pH

 5HWLUDU R UHFLSLHQWH RX ³OXYD SURWHWRUD´ FRQWHQGR D VROXomR GH .O 0 RX RXWUD VROXomR
recomendada pelo fabricante) na qual o eletrodo est‡ mergulhado.
4.3.2. Lavar o eletrodo com jatos de ‡gua destilada e secar suavemente com papel de filtro. As
temperaturas da ‡gua de lavagem e da solu•‹o da amostra n‹o devem diferir acima de 2o C.
4.3.3. Para a dilui•‹o das amostras, deve-se usar ‡gua destilada isenta de di—xido de carbono
(‡gua destilada fervida recentemente e resfriada).
4.3.4. Imergir o eletrodo na solu•‹o da amostra. Aguardar 1 minuto e efetuar a leitura do pH. A
determina•‹o do pH deve ser feita em triplicata.
4.3.5. Lavar novamente o eletrodo com ‡gua destilada, conservando-o a seguir em solu•‹o de
KCL 3M.
Nota: As solu•›es tamp‹o de refer•ncia est‹o comercialmente dispon’veis em variados pHs.
Outras solu•›es de pHs diferentes aos apresentados neste procedimento podem, eventualmente
serem empregadas na calibra•‹o (ex. pH 4,01, pH 6,86, pH 9,18), preferencialmente as solu•›es
relacionadas em comp•ndios oficiais.

                                             P‡gina 2 de 2
68*(67­2'(352(',0ENTO PARA DETERMINA‚­2'2pH

Observa•‹o: Adaptar o procedimento ao manual do equipamento dispon’vel em sua farm‡cia.



5. Registros da Qualidade



6. Hist—rico de Revis›es
N‹o aplic‡vel


7. Refer•ncias
    · Korolkovas, A. An‡lise Farmac•utica. 1a edi•‹o. Rio de Janeiro: Editora Guanabara,
       1988.Cap.3. p.30-34.
    · Mendham, J.; Denney, R.C.; Barnes, J.D.; Thomas, M.J.K. Vogel An‡lise Qu’mica
       Quantitativa. 6a edi•‹o. Rio de Janeiro: Livros TŽcnicos e Cient’ficos Editora S.A.,
       2002.p.291-293.
    · Ucko, D.A. Qu’mica Para as Ci•ncias da Saœde: Uma Introdu•‹o ˆ Qu’mica Geral,
       Org‰nica e Biol—gica. 1a edi•‹o. S‹o Paulo: Editora Manole Ltda, 1992. Cap. 7. p.204-235.
    · FarmacopŽia Brasileira 4a edi•‹o.
    · Amaral, M.P.H. e Vilela, M.A.P. Controle de Qualidade na Farm‡cia de Manipula•‹o. 1a
       edi•‹o. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2002. p.44-45.
    · Allen Jr. L.V. Use, Standardization, Care of a pH Meter. International Journal of
       Pharmaceutical Compounding. March/april 1997. p.11.



8. Anexos

N/R




                                       P‡gina 3 de 3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pop manutenção e limpeza do deionizador
Pop   manutenção e limpeza do deionizadorPop   manutenção e limpeza do deionizador
Pop manutenção e limpeza do deionizadorJuciê Vasconcelos
 
Relatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRelatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRailane Freitas
 
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
Pop   aquisição e qualificação de fornecedoresPop   aquisição e qualificação de fornecedores
Pop aquisição e qualificação de fornecedoresJuciê Vasconcelos
 
Pop rg 000_elaboracao_de_pop
Pop rg 000_elaboracao_de_popPop rg 000_elaboracao_de_pop
Pop rg 000_elaboracao_de_popAndreia Oliveira
 
5 pop 004.01 - treinamento
5   pop 004.01 - treinamento5   pop 004.01 - treinamento
5 pop 004.01 - treinamentoAndreia Carvalho
 
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzadaPop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzadaMeire Yumi Yamada
 
Pop treinamento
Pop treinamentoPop treinamento
Pop treinamentocafusp
 
Metodos de preparo e calculos homeopaticos
Metodos de preparo e calculos homeopaticosMetodos de preparo e calculos homeopaticos
Metodos de preparo e calculos homeopaticosPriscilla Mota
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Ivys Antônio
 
Pop interpretação do conteúdo de certificados de análises
Pop   interpretação do conteúdo de certificados de análisesPop   interpretação do conteúdo de certificados de análises
Pop interpretação do conteúdo de certificados de análisesJuciê Vasconcelos
 
PARÂMETROS NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...
PARÂMETROS  NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...PARÂMETROS  NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...
PARÂMETROS NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...Daiane Batista
 
Qualificação de Fornecedores em Farmácia Hospitalar
Qualificação de Fornecedores em Farmácia HospitalarQualificação de Fornecedores em Farmácia Hospitalar
Qualificação de Fornecedores em Farmácia HospitalarGuilherme Becker
 
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água paraJacqueline Schultz
 

Mais procurados (20)

Pop manutenção e limpeza do deionizador
Pop   manutenção e limpeza do deionizadorPop   manutenção e limpeza do deionizador
Pop manutenção e limpeza do deionizador
 
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADEComo fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
 
Relatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRelatório de Refratometria
Relatório de Refratometria
 
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
Pop   aquisição e qualificação de fornecedoresPop   aquisição e qualificação de fornecedores
Pop aquisição e qualificação de fornecedores
 
Procedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostrasProcedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostras
 
Pop alcoometria
Pop   alcoometriaPop   alcoometria
Pop alcoometria
 
Pop rg 000_elaboracao_de_pop
Pop rg 000_elaboracao_de_popPop rg 000_elaboracao_de_pop
Pop rg 000_elaboracao_de_pop
 
5 pop 004.01 - treinamento
5   pop 004.01 - treinamento5   pop 004.01 - treinamento
5 pop 004.01 - treinamento
 
Pop controle de embalagens
Pop   controle de embalagensPop   controle de embalagens
Pop controle de embalagens
 
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzadaPop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
 
Pop treinamento
Pop treinamentoPop treinamento
Pop treinamento
 
Metodos de preparo e calculos homeopaticos
Metodos de preparo e calculos homeopaticosMetodos de preparo e calculos homeopaticos
Metodos de preparo e calculos homeopaticos
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 
Pop encapsulação
Pop   encapsulaçãoPop   encapsulação
Pop encapsulação
 
Pop interpretação do conteúdo de certificados de análises
Pop   interpretação do conteúdo de certificados de análisesPop   interpretação do conteúdo de certificados de análises
Pop interpretação do conteúdo de certificados de análises
 
Biorreatores
BiorreatoresBiorreatores
Biorreatores
 
Pop09 limpeza
Pop09 limpezaPop09 limpeza
Pop09 limpeza
 
PARÂMETROS NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...
PARÂMETROS  NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...PARÂMETROS  NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...
PARÂMETROS NACIONAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA NOS SETORES...
 
Qualificação de Fornecedores em Farmácia Hospitalar
Qualificação de Fornecedores em Farmácia HospitalarQualificação de Fornecedores em Farmácia Hospitalar
Qualificação de Fornecedores em Farmácia Hospitalar
 
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
 

Semelhante a Determinação do pH

Espermoteste
EspermotesteEspermoteste
Espermotestepuikow
 
Medição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer CoulométricoMedição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer CoulométricoHainner Azevedo
 
Glossário Equipamentos.pdf
Glossário Equipamentos.pdfGlossário Equipamentos.pdf
Glossário Equipamentos.pdfrogeriopacheco6
 
Instrucoes ttpa bioclin
Instrucoes ttpa bioclinInstrucoes ttpa bioclin
Instrucoes ttpa bioclinrasg75
 
Manual para trabalhos em laboratorio
Manual para trabalhos em laboratorioManual para trabalhos em laboratorio
Manual para trabalhos em laboratorioRaquel Alves
 
It 004 exame pratico lp
It 004 exame pratico lpIt 004 exame pratico lp
It 004 exame pratico lpjunio Juninho
 
Apostila (química analítica quantitativa) 2009
Apostila      (química analítica quantitativa) 2009Apostila      (química analítica quantitativa) 2009
Apostila (química analítica quantitativa) 2009Fernanda Bortoloto
 
Precisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de VidrariasPrecisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de Vidrariasweberab
 
Quimica analitica pratica final
Quimica analitica pratica finalQuimica analitica pratica final
Quimica analitica pratica finalFernanda Luiza
 
Controle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologiaControle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologiaGerciane Neves
 
Texto nº 2 fundamentos da volumetria
Texto nº 2   fundamentos da volumetriaTexto nº 2   fundamentos da volumetria
Texto nº 2 fundamentos da volumetriaMarta Pinheiro
 
Dner me003-99 material betuminoso - determinação da penetração
Dner me003-99 material betuminoso - determinação da penetraçãoDner me003-99 material betuminoso - determinação da penetração
Dner me003-99 material betuminoso - determinação da penetraçãoBrenda Nogueira
 
Hplc preparativa seminário letícia fracarolli
Hplc preparativa seminário letícia fracarolliHplc preparativa seminário letícia fracarolli
Hplc preparativa seminário letícia fracarolliLetícia Fracarolli
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaLuaneGS
 

Semelhante a Determinação do pH (20)

Espermoteste
EspermotesteEspermoteste
Espermoteste
 
Roteiro 1---quimica-geral
Roteiro 1---quimica-geralRoteiro 1---quimica-geral
Roteiro 1---quimica-geral
 
Medição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer CoulométricoMedição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
 
Glossário Equipamentos.pdf
Glossário Equipamentos.pdfGlossário Equipamentos.pdf
Glossário Equipamentos.pdf
 
Instrucoes ttpa bioclin
Instrucoes ttpa bioclinInstrucoes ttpa bioclin
Instrucoes ttpa bioclin
 
Medida de volume
Medida de volumeMedida de volume
Medida de volume
 
Manual para trabalhos em laboratorio
Manual para trabalhos em laboratorioManual para trabalhos em laboratorio
Manual para trabalhos em laboratorio
 
It 004 exame pratico lp
It 004 exame pratico lpIt 004 exame pratico lp
It 004 exame pratico lp
 
Apostila (química analítica quantitativa) 2009
Apostila      (química analítica quantitativa) 2009Apostila      (química analítica quantitativa) 2009
Apostila (química analítica quantitativa) 2009
 
2012 05-r1
2012 05-r12012 05-r1
2012 05-r1
 
Precisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de VidrariasPrecisão e Exatidão de Vidrarias
Precisão e Exatidão de Vidrarias
 
Apostila pratica
Apostila praticaApostila pratica
Apostila pratica
 
Quimica analitica pratica final
Quimica analitica pratica finalQuimica analitica pratica final
Quimica analitica pratica final
 
Controle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologiaControle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologia
 
Texto nº 2 fundamentos da volumetria
Texto nº 2   fundamentos da volumetriaTexto nº 2   fundamentos da volumetria
Texto nº 2 fundamentos da volumetria
 
Dner me003-99 material betuminoso - determinação da penetração
Dner me003-99 material betuminoso - determinação da penetraçãoDner me003-99 material betuminoso - determinação da penetração
Dner me003-99 material betuminoso - determinação da penetração
 
Hplc preparativa seminário letícia fracarolli
Hplc preparativa seminário letícia fracarolliHplc preparativa seminário letícia fracarolli
Hplc preparativa seminário letícia fracarolli
 
Relatório estágio 2
Relatório estágio 2Relatório estágio 2
Relatório estágio 2
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
 
Apostila de imunologia
Apostila de imunologiaApostila de imunologia
Apostila de imunologia
 

Mais de Juciê Vasconcelos

Pop operação do agitador magnético
Pop   operação do agitador magnéticoPop   operação do agitador magnético
Pop operação do agitador magnéticoJuciê Vasconcelos
 
Pop manutenção preventiva de equipamentos
Pop   manutenção preventiva de equipamentosPop   manutenção preventiva de equipamentos
Pop manutenção preventiva de equipamentosJuciê Vasconcelos
 
Pop gerenciamento de resíduos de serviços de saúde
Pop   gerenciamento de resíduos de serviços de saúdePop   gerenciamento de resíduos de serviços de saúde
Pop gerenciamento de resíduos de serviços de saúdeJuciê Vasconcelos
 
Pop determinação do peso médio em cápsulas duras
Pop   determinação do peso médio em cápsulas durasPop   determinação do peso médio em cápsulas duras
Pop determinação do peso médio em cápsulas durasJuciê Vasconcelos
 

Mais de Juciê Vasconcelos (11)

Pop operação do agitador magnético
Pop   operação do agitador magnéticoPop   operação do agitador magnético
Pop operação do agitador magnético
 
Pop manutenção preventiva de equipamentos
Pop   manutenção preventiva de equipamentosPop   manutenção preventiva de equipamentos
Pop manutenção preventiva de equipamentos
 
Pop manipulação de xaropes
Pop   manipulação de xaropesPop   manipulação de xaropes
Pop manipulação de xaropes
 
Pop manipulação de pomadas
Pop   manipulação de pomadasPop   manipulação de pomadas
Pop manipulação de pomadas
 
Pop manipulação de pastas
Pop   manipulação de pastasPop   manipulação de pastas
Pop manipulação de pastas
 
Pop gerenciamento de resíduos de serviços de saúde
Pop   gerenciamento de resíduos de serviços de saúdePop   gerenciamento de resíduos de serviços de saúde
Pop gerenciamento de resíduos de serviços de saúde
 
Pop determinação do peso médio em cápsulas duras
Pop   determinação do peso médio em cápsulas durasPop   determinação do peso médio em cápsulas duras
Pop determinação do peso médio em cápsulas duras
 
Pop aditivação
Pop   aditivaçãoPop   aditivação
Pop aditivação
 
Pop
PopPop
Pop
 
Apostila legislacao ebserh
Apostila legislacao ebserhApostila legislacao ebserh
Apostila legislacao ebserh
 
Apostila saude publica
Apostila saude publicaApostila saude publica
Apostila saude publica
 

Determinação do pH

  • 1. 68*(67­2'(352(',0ENTO PARA DETERMINA‚­2'2pH 1. Status de Revis‹o Elaborado por: Aprovado por: 1žUHYis‹o: 00 Data: ___/____/______ 2. Objetivo Definir o procedimento para a determina•‹o do pH, aferi•‹o e manuten•‹o do pHmetro. 3. Defini•›es · pH: pH ou potencial de hidrog•nio i™nico, Ž um ’ndice que indica a acidez, neutralidade ou alcalinidade de uma solu•‹o aquosa. O pH pode ser definido como: A escala usual de pH varia de 0 a 14. O ponto mŽdio desta escala Ž o pH 7,0 que representa a neutralidade (ex.pH da ‡gua pura). No pH 7,0 as concentra•›es de ’ons H3 O+ e OH- s‹o iguais. Valores de pHs inferiores a 7,0 representam a faixa ‡cida e os valores acima deste representam a faixa alcalina. · pHmetro (leia-se peag‰metro): s‹o aparelhos utilizados para determina•‹o de pH, s‹o instrumentos potenciomŽtricos, providos de amplificadores eletr™nicos de corrente com cŽlula de vidro-calomelano (eletrodo). 4. Procedimento 4.1. Requisitos prŽvios: 4.1.1.Se houver a forma•‹o de bolhas de ar dentro do bulbo do eletrodo, basta agit‡-lo para baixo tal como se opera um term™metro cl’nico. 4.1.2.Nos eletrodos do tipo reabastec’vel, o n’vel de preenchimento precisa ser checado e completado com solu•‹o eletrol’tica apropriada. 4.1.3.Antes de usar os eletrodos, a luva que cobre o furo de preenchimento dever‡ ser baixada antes da execu•‹o das medi•›es e posteriormente a esta, recolocada na posi•‹o original. 4.1.4.Se a luva de prote•‹o ficar sem eletr—lito ou se o eletrodo n‹o for usado por muito tempo, ele deve ser reativado ficando mergulhado v‡rias horas em um bŽquer com solu•‹o de KCl 3M ou na solu•‹o recomendada pelo fabricante.A solu•‹o de KCl dever‡ ser trocada periodicamente. 4.1.5.Para secagem do eletrodo, simplesmente toque o eletrodo com o papel de filtro deixando-o em contato com o bulbo do eletrodo por um breve per’odo para que o mesmo absorva a umidade. N‹o esfregar o papel no bulbo, pois a eletricidade est‡tica gerada prejudicar‡ a calibra•‹o do pHmetro. 4.1.6.Para obter uma maior precis‹o da medi•‹o do pH, a temperatura deve ser levada em considera•‹o. 4.1.7.Para usar o acess—rio para compensa•‹o autom‡tica de temperatura do medidor, inserir a sonda de temperatura na amostra, o mais pr—ximo poss’vel do eletrodo e aguardar por um ou dois P‡gina 1 de 1
  • 2. 68*(67­2'(352(',0ENTO PARA DETERMINA‚­2'2pH minutos. 4.1.8.Se forem efetuadas sucessivas medi•›es em diferentes amostras, Ž recomend‡vel que o eletrodo e a sonda de temperatura sejam totalmente limpos com ‡gua destilada e secos suavemente com um papel de filtro, entre cada medi•‹o. 4.1.9.ƒ recomend‡vel a utiliza•‹o de pHmetro com resolu•‹o de pelo menos 0,01 unidades de pH. 4.2. Aferi•‹o do pHmetro 4.2.1. Realizar a aferi•‹o do pHmetro diariamente ap—s 30 minutos da sua liga•‹o. 5HWLUDU R UHFLSLHQWH RX ³OXYD SURWHWRUD´ FRQWHQGR D VROXomR GH .O 0 QD TXDO R HOHWURGR est‡ mergulhado. 4.2.3. Lavar o eletrodo, com aux’lio de uma piseta, com jatos de ‡gua e sec‡-lo suavemente com papel de filtro. 4.2.4. Imergir o eletrodo na solu•‹o tamp‹o de refer•ncia com valor de pH 4,0. Aguardar um minuto e verificar o resultado. Caso o valor registrado pelo aparelho seja diferente do esperado para solu•‹o tamp‹o refer•ncia, fazer o ajuste no bot‹o de calibra•‹o. 4.2.5.Desligar o bot‹o de leitura, retirar a solu•‹o tamp‹o e lavar o eletrodo conforme descrito no item 4.2.3. 4.2.6. Imergir o eletrodo em uma segunda solu•‹o tamp‹o de refer•ncia de pH 7,0 ou pH 9,0. Aguardar um minuto e verificar o valor de pH registrado. Este valor n‹o dever‡ apresentar varia•›es superiores a 0,07 do valor esperado para solu•‹o tamp‹o refer•ncia. Se necess‡rio, fa•a os ajustes no bot‹o de calibra•‹o. Verificar sempre a validade das solu•›es tamp‹o refer•ncia. 4.2.7. Caso n‹o haja precis‹o nas medidas, verificar poss’veis danos nos eletrodos e se necess‡rio realizar sua substitui•‹o. 4.2.8. Lavar e secar o eletrodo conforme descrito no item 4.2.3. 0HUJXOKDURHOHWURGRQRUHFLSLHQWHRX³OXYDSURWHWRUD´FRP.O0RXFRQIRUPHDRULHQWDomR do fabricante. 4.3. Procedimento para a determina•‹o do pH 5HWLUDU R UHFLSLHQWH RX ³OXYD SURWHWRUD´ FRQWHQGR D VROXomR GH .O 0 RX RXWUD VROXomR recomendada pelo fabricante) na qual o eletrodo est‡ mergulhado. 4.3.2. Lavar o eletrodo com jatos de ‡gua destilada e secar suavemente com papel de filtro. As temperaturas da ‡gua de lavagem e da solu•‹o da amostra n‹o devem diferir acima de 2o C. 4.3.3. Para a dilui•‹o das amostras, deve-se usar ‡gua destilada isenta de di—xido de carbono (‡gua destilada fervida recentemente e resfriada). 4.3.4. Imergir o eletrodo na solu•‹o da amostra. Aguardar 1 minuto e efetuar a leitura do pH. A determina•‹o do pH deve ser feita em triplicata. 4.3.5. Lavar novamente o eletrodo com ‡gua destilada, conservando-o a seguir em solu•‹o de KCL 3M. Nota: As solu•›es tamp‹o de refer•ncia est‹o comercialmente dispon’veis em variados pHs. Outras solu•›es de pHs diferentes aos apresentados neste procedimento podem, eventualmente serem empregadas na calibra•‹o (ex. pH 4,01, pH 6,86, pH 9,18), preferencialmente as solu•›es relacionadas em comp•ndios oficiais. P‡gina 2 de 2
  • 3. 68*(67­2'(352(',0ENTO PARA DETERMINA‚­2'2pH Observa•‹o: Adaptar o procedimento ao manual do equipamento dispon’vel em sua farm‡cia. 5. Registros da Qualidade 6. Hist—rico de Revis›es N‹o aplic‡vel 7. Refer•ncias · Korolkovas, A. An‡lise Farmac•utica. 1a edi•‹o. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1988.Cap.3. p.30-34. · Mendham, J.; Denney, R.C.; Barnes, J.D.; Thomas, M.J.K. Vogel An‡lise Qu’mica Quantitativa. 6a edi•‹o. Rio de Janeiro: Livros TŽcnicos e Cient’ficos Editora S.A., 2002.p.291-293. · Ucko, D.A. Qu’mica Para as Ci•ncias da Saœde: Uma Introdu•‹o ˆ Qu’mica Geral, Org‰nica e Biol—gica. 1a edi•‹o. S‹o Paulo: Editora Manole Ltda, 1992. Cap. 7. p.204-235. · FarmacopŽia Brasileira 4a edi•‹o. · Amaral, M.P.H. e Vilela, M.A.P. Controle de Qualidade na Farm‡cia de Manipula•‹o. 1a edi•‹o. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2002. p.44-45. · Allen Jr. L.V. Use, Standardization, Care of a pH Meter. International Journal of Pharmaceutical Compounding. March/april 1997. p.11. 8. Anexos N/R P‡gina 3 de 3