SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
Gerenciamento de 
enfermagem em 
unidade de Urgência e 
Emergência 
PROF. AROLDO GAVIOLI
Área de urgência 
Importância 
↑ Demanda 
Magnitude Social 
Enfoque Multiprofissional 
Necessidade de gerenciar e cuidar na atenção às urgências
O processo de cuidar e gerenciar no 
trabalho do enfermeiro 
Papel de destaque O cuidar: 
•Observação 
•Levantamento de dados 
•Planejamento 
•Implementação 
•Evolução 
•Avaliação 
Interação entre: 
•Pacientes ↔ Trabalhadores 
da enfermagem ↔ diversos 
profissionais de saúde
O PROCESSO DE TRABALHO DO 
ENFERMEIRO 
pesquisar 
Processo de 
trabalho do 
enfermeiro 
ensinar 
gerenciar 
assistir
O Processo de gerenciar 
Foco: 
• Organizar a assistência 
• Proporcionar a qualificação do 
pessoal de enfermagem 
• Educação permanente/ 
continuada 
Apropriando-se de: 
• Modelos e métodos de 
administração 
• Força de trabalho da 
enfermagem 
• Equipamentos e materiais
GERENCIAR X CUIDAR 
Distanciamento 
• Gera inquietações pessoais e profissionais (Ex: Enfº. 
assistencial) 
Impõe um repensar da prática administrativa 
• Voltado para a assistência 
• Resgate do papel de gerente do cuidado.
Concepções de gerência de 
enfermagem 
clássica 
Voltada para a burocracia 
Centrada na divisão do trabalho 
atual 
Aproximação entre cuidar e gerenciar 
Articulação entre os processos 
Necessidade do usuários/instituição
Prática do enfermeiro dos 
serviços de urgência 
Deverá distanciar-se da concepção de gerenciamento burocrático. 
Aproximar-se da perspectiva que articula as atividades assistenciais 
e gerenciais. 
Cuidar e gerenciar são dimensões indissociáveis do trabalho do 
enfermeiro. 
O cuidado como foco das ações
Objetos do trabalho da 
enfermagem em urgências 
Organização do trabalho e os recursos humanos de enfermagem. 
• Planejamento 
• Previsão e provisão de recursos humanos e materiais. 
• Tomada de decisão. 
• Uso de sistemas de informação em saúde. 
• Educação continuada/permanente. 
• Supervisão e avaliação
O trabalho nas emergências 
brasileiras 
Desafio 
• Articular a centralidade do cuidado e a gerência de 
enfermagem. 
• Assistência de alta complexidade 
• Coordenação e articulação da equipe. 
• Mobilização de recursos subjetivos e objetivos. 
• Conciliar os objetivos das equipes e os organizacionais.
CASO PRÁTICO 
 A Enfermeira M.A. trabalha há 10 anos na sala de urgência de um 
hospital público, que atende atualmente a 120 leitos de internação, 
sendo 25 de terapia intensiva e 10 em unidade de cuidados semi-intensivos, 
distribuídos em quatro pavimentos, o primeiro 
atendimento das urgência e emergência ocorre nos seguintes espaços: 
 Sala do ACCR, 
 Sala de trauma (5 leitos monitorizados), 
 Sala de estabilização clínica (5 leitos monitorizados para pacientes com 
quadros clínicos estáveis) 
 7 consultórios (para atendimentos em diversas especialidades)
CASO PRÁTICO 
 No município, a Central de Regulação Médica é responsável pela regulação da 
demanda de atendimentos. A equipe de enfermagem da sala de urgência é 
constituída por 21 enfermeiros e 45 técnicos de enfermagem, que conforme escala 
rotativa são alocados nos três espaços citados acima. No dia 16 de agosto de 2014, 
plantão da manhã a enf.ª M.A. e dois técnicos de enfermagem estavam escalados na 
sala de trauma, onde o enfermeiro é responsável pelos 5 leitos da unidade. Suas 
atividades consistem em: 
 Orientar e supervisionar os auxiliares de enfermagem quanto aos cuidados a serem 
prestados. 
 Verificar e testar o funcionamentos dos equipamentos 
 Controlar e realizar a previsão de materiais e o estoque de medicação. 
 Realizar os cuidados de maior complexidade principalmente aos pacientes 
politraumatizados e com instabilidade hemodinâmica. 
 Ainda solicita avaliação médica dos paciente admitidos, requisita exames diagnósticos
CASO PRÁTICO 
 quando solicitados pelos médicos, admite e transfere os 
pacientes, auxilia em procedimentos médicos, além de gerenciar 
os conflitos que envolvem os pacientes, os familiares e os 
profissionais. 
 Após receber o plantão M.A. delegou as ações aos técnicos de 
enfermagem, que deveriam administrar a medicação e prestar os 
cuidados de higiene e conforto aos 3 pacientes que se 
encontravam na sala de trauma de o dia anterior, pois não 
haviam leitos vagos para a internação.
CASO PRÁTICO 
 Os técnicos medicaram todos os pacientes e iniciaram o banho do 
paciente politraumatizado (vítima de acidente de moto, com diagnóstico 
médico de TCE, fratura de MIE e TRM à esclarecer), esse paciente exigia a 
movimentação em bloco com pelo menos 3 profissionais. 
 A enfermeira M.A. antes de colaborar com os 2 técnicos nesse banho, 
checou os materiais e equipamentos prioritários da sala (material de 
intubação, respirados, desfibrilador, etc.), constatou que não havia 
respirador infantil na unidade. 
 Sendo assim solicitou com urgência na central de material e, desse modo 
os materiais e equipamentos necessários para o desenvolvimentos do 
plantão ficaram completos.
CASO PRÁTICO 
 Quadro: além disso, acionou a equipe médica responsável pelo 
paciente solicitando nova avaliação, com vistas a internação, 
uma vez que o paciente não deve permanecer por tempo 
prolongado na sala de trauma já que ao ser submetido a um 
protocolo de triagem/classificação de risco recebeu a 
classificação “vermelha” para atendimento imediato. Entretanto, 
embora o paciente devesse ser internado, não haviam leitos 
disponíveis. 
 Durante a realização do banho a enfermeira pôde observar o 
modo como os técnicos executam o cuidado e a forma de 
abordagem do paciente.
CASO PRÁTICO 
 Nesse caso é possível identificar aspectos relativos a: 
 Acesso regulado a serviços de maior densidade tecnológica; 
 Assistência do paciente baseada nas necessidades de saúde; 
 Gerenciamento de recursos materiais e equipamentos; 
 Gerenciamento e articulação de recursos humanos; 
 Supervisão; 
 Problema gerencial/planejamento: intervalo de tempo para alta.
PLANEJAMENTO 
Instrumento gerencial. 
• Inerente ao funcionamento do sistema 
de saúde. 
• Permite identificar os problemas de 
saúde da população:
18 
- Pode dizer-me que caminho devo tomar? 
- Isto depende do lugar para onde você quer ir. 
(Respondeu com muito propósito o gato) 
- Não tenho destino certo. 
- Neste caso qualquer caminho serve. 
(“Alice no País da Maravilhas” - Lewis 
Carrol)
PLANEJAMENTO 
Permite identificar os problemas de saúde da 
população: 
• Prioridade. 
• Modificar a situação encontrada. 
• Determinar as ações a serem desenvolvidas para o alcance dos 
objetivos preestabelecidos. 
• Avaliar os resultados obtidos pela aplicação das ações adotadas.
Planejamento em enfermagem - 
PES 
Mais utilizado é o Planejamento Estratégico 
Situacional (PES). 
• Voltado para resolução de problemas. 
• Aquilo que o profissional (ator) detecta na realidade e 
confronta com um padrão que considera inadequado ou 
intolerável que o estimula a enfrentá-lo, visando a 
promoção de mudanças (MATUS, 1996).
PES 
Processamento de problemas atuais, potenciais e macroproblemas. 
Como eles nasceram e se desenvolveram? 
Planos para resolver as suas causas. 
Viabilidade política do plano. 
Ataca o problema na prática, o que representa ter uma visão real sem generalizá-lo na 
descrição e nas propostas de solução.
PES 
Considera a existência de 
vários atores sociais: 
• O conflito é algo inerente 
às relações sociais 
• O poder, a tomada de 
decisão e o planejamento, 
devem ser compartilhados. 
Teoria da ação estratégica: 
• Fundamentada em juízo 
estratégico e amparada em 
cálculos interativos, que 
não se resumem apenas à 
consideração dos 
comportamentos sociais.
Como o PES colabora na 
construção da competência 
gerencial do enfermeiro? 
Planejamento integrado e participativo: 
• Organização dos serviços de saúde e para o enfrentamento de conflitos e problemas 
institucionais. 
Ferramenta potente para transformar a realidade: 
• Proporciona um aumento na capacidade direção, gerência e controle do sistema social. 
Método de processar problemas: 
• aplicabilidade na gestão em saúde 
Área da saúde: 
• problemas complexos e não estruturados
Enfermeiro - Planejamento e 
Coordenação da equipe 
Emergência: Problemas complexos e não estruturados 
Tecnologias disponíveis: 
Potencializar o seu tempo e garantir um cuidado integral aos pacientes. 
A administração do processo de trabalho, associado ao conhecimento científico e ao compromisso 
profissional do enfermeiro, configura-se como ferramenta essencial para melhorar o cuidado prestado
Caso prático 
O PES é composto de quarto momentos: 
explicativo, normativo, estratégico, tático-operacional. 
No caso descrito a seguir, 
apresentamos um exercício para refletir 
sobre o planejamento.
Indicadores de Avaliação 
São as medidas que quantificam e qualificam o impacto do 
plano sobre o atendimento ao usuário e a melhoria da 
organização hospitalar. 
É o momento de propor indicadores que permitam monitorar e 
avaliar a ação realizada. Por exemplo, tempo entre comunicação 
de alta e a efetiva saída do paciente do hospital.
Referências 
AZEVEDO, A. L. C. S.. Gerenciamento do cuidado de enfermagem em unidade de urgência/emergência traumática. 2010. Dissertação 
(mestrado) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP). Ribeirão Preto, 2010. 
CIAMPONE, M.H.T.; MELLEIRO, M.M.. O Planejamento e o processo decisório como instrumentos do processo de trabalho gerencial. In: 
KURCGANT, P. (Coord.). Gerenciamento em enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan: 2010. p. 35-50. 
DAL SASSO, G. T. M.; DARLI, M. C. B. C., CHAVES, L. D. P.; ET AL. Curso de Especialização em Linhas de Cuidado em Enfermagem: 
Módulo V - Classificação de risco e acolhimento Florianópilis - SC: Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC/Programa de 
Pósgraduação em enfermagem, 2013. 
DAROLT, C.F.. Concepções dos enfermeiros sobre integralidade em saúde no processo de trabalho em uma unidade de emergência. 
2007. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade do Vale do Itajaí. Itajaí, 2007. 
HAUSMANN, M.; PEDUZZI, M. Articulação entre as dimensões gerencial e assistencial do processo de trabalho do enfermeiro. Texto e 
Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 258-265, 2009. 
LALUNA, M.C.M.C.; FERRAZ, C.A. Compreensão das bases teóricas do planejamento participativo no currículo integrado de um curso 
de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.11, n.6, p.771-777,2003. 
MATUS,C. Política, planejamento e governo. Brasília: Ipea,1996. 
PEDUZZI, M.. A inserção do enfermeiro na equipe de saúde da família na perspectiva da promoção da saúde. In: SEMINÁRIO 
ESTADUAL: O ENFERMEIRO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA, 1., 2000, São Paulo. Anais... São Paulo: Secretaria de Estado da 
Saúde, 2000. CD-ROM 
WILLING, M. H.; LENARDT, M. H.. A prática gerencial do enfermeiro no processo de cuidar. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 7, n. 1, p. 
23-29, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Will Nunes
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaRicardo Augusto
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoSou Enfermagem
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoConceição Quirino
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005Rodrigo Abreu
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeISCISA
 
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptxSocorro Carneiro
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa utiElisama Cruz
 
Enferagem em clinica médica em clínica médica
Enferagem em clinica médica em clínica médica Enferagem em clinica médica em clínica médica
Enferagem em clinica médica em clínica médica Jackson Silva
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagemresenfe2013
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemCentro Universitário Ages
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacienteViviane da Silva
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentosViviane Campos
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoLuana Santos
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfThiagoCunha93
 

Mais procurados (20)

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
Enferagem em clinica médica em clínica médica
Enferagem em clinica médica em clínica médica Enferagem em clinica médica em clínica médica
Enferagem em clinica médica em clínica médica
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
Calculo de medicamentos
Calculo de medicamentosCalculo de medicamentos
Calculo de medicamentos
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 

Semelhante a Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência

Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemLuciane Santana
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemAroldo Gavioli
 
gestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptgestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptZoraide6
 
A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA TCC PÓS.docx
A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA TCC PÓS.docxA ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA TCC PÓS.docx
A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA TCC PÓS.docxPriscilaAnielly
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e materialLuciane Santana
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Proqualis
 
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínicaEpidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínicaRicardo Alexandre
 
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro   acolhimento com classificação de riscoAbbes e maassaro   acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de riscoJozy Anne Aguiar
 
Anais - VII Enenge
Anais - VII EnengeAnais - VII Enenge
Anais - VII EnengeSobragen
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI EnengeSobragen
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE Guilherme Barcellos
 
I forum urologia[1]
I forum urologia[1]I forum urologia[1]
I forum urologia[1]Urovideo.org
 
I Forum de residência médica em urologia
I Forum de residência médica em urologiaI Forum de residência médica em urologia
I Forum de residência médica em urologiaUrovideo.org
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Luciane Santana
 
Instrumento para coleta de dados em enfermagem
Instrumento para coleta de dados em enfermagemInstrumento para coleta de dados em enfermagem
Instrumento para coleta de dados em enfermagemNayara Kalline
 
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...Eli Paula
 
Enfermagem em Centro-Cirúrgico.pdf
Enfermagem em Centro-Cirúrgico.pdfEnfermagem em Centro-Cirúrgico.pdf
Enfermagem em Centro-Cirúrgico.pdfHELENO FAVACHO
 

Semelhante a Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência (20)

Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na EnfermagemGerenciamento Físico e Material na Enfermagem
Gerenciamento Físico e Material na Enfermagem
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
 
Anais
AnaisAnais
Anais
 
gestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptgestão da clínica.ppt
gestão da clínica.ppt
 
A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA TCC PÓS.docx
A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA TCC PÓS.docxA ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA TCC PÓS.docx
A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA TCC PÓS.docx
 
Artigo:Gerenciamento fisico e material
Artigo:Gerenciamento fisico  e materialArtigo:Gerenciamento fisico  e material
Artigo:Gerenciamento fisico e material
 
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
Trabalho em equipe e comunicação no ambiente hospitalar: hospitalistas e outr...
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínicaEpidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
 
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro   acolhimento com classificação de riscoAbbes e maassaro   acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
 
Anais - VII Enenge
Anais - VII EnengeAnais - VII Enenge
Anais - VII Enenge
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI Enenge
 
Anais - VI Enenge
Anais - VI EnengeAnais - VI Enenge
Anais - VI Enenge
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
 
I forum urologia[1]
I forum urologia[1]I forum urologia[1]
I forum urologia[1]
 
I Forum de residência médica em urologia
I Forum de residência médica em urologiaI Forum de residência médica em urologia
I Forum de residência médica em urologia
 
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015Visita técnica hospitalar 17 11-2015
Visita técnica hospitalar 17 11-2015
 
Instrumento para coleta de dados em enfermagem
Instrumento para coleta de dados em enfermagemInstrumento para coleta de dados em enfermagem
Instrumento para coleta de dados em enfermagem
 
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
A prática clínica do enfermeiro na atenção básica um processo em construção u...
 
Enfermagem em Centro-Cirúrgico.pdf
Enfermagem em Centro-Cirúrgico.pdfEnfermagem em Centro-Cirúrgico.pdf
Enfermagem em Centro-Cirúrgico.pdf
 

Mais de Aroldo Gavioli

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosAroldo Gavioli
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosAroldo Gavioli
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaAroldo Gavioli
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalAroldo Gavioli
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalAroldo Gavioli
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaAroldo Gavioli
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaAroldo Gavioli
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosAroldo Gavioli
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 

Mais de Aroldo Gavioli (20)

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicos
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Drogas psicotrópica
Drogas psicotrópicaDrogas psicotrópica
Drogas psicotrópica
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuos
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 

Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência

  • 1. Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência PROF. AROLDO GAVIOLI
  • 2. Área de urgência Importância ↑ Demanda Magnitude Social Enfoque Multiprofissional Necessidade de gerenciar e cuidar na atenção às urgências
  • 3. O processo de cuidar e gerenciar no trabalho do enfermeiro Papel de destaque O cuidar: •Observação •Levantamento de dados •Planejamento •Implementação •Evolução •Avaliação Interação entre: •Pacientes ↔ Trabalhadores da enfermagem ↔ diversos profissionais de saúde
  • 4. O PROCESSO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO pesquisar Processo de trabalho do enfermeiro ensinar gerenciar assistir
  • 5. O Processo de gerenciar Foco: • Organizar a assistência • Proporcionar a qualificação do pessoal de enfermagem • Educação permanente/ continuada Apropriando-se de: • Modelos e métodos de administração • Força de trabalho da enfermagem • Equipamentos e materiais
  • 6. GERENCIAR X CUIDAR Distanciamento • Gera inquietações pessoais e profissionais (Ex: Enfº. assistencial) Impõe um repensar da prática administrativa • Voltado para a assistência • Resgate do papel de gerente do cuidado.
  • 7. Concepções de gerência de enfermagem clássica Voltada para a burocracia Centrada na divisão do trabalho atual Aproximação entre cuidar e gerenciar Articulação entre os processos Necessidade do usuários/instituição
  • 8. Prática do enfermeiro dos serviços de urgência Deverá distanciar-se da concepção de gerenciamento burocrático. Aproximar-se da perspectiva que articula as atividades assistenciais e gerenciais. Cuidar e gerenciar são dimensões indissociáveis do trabalho do enfermeiro. O cuidado como foco das ações
  • 9. Objetos do trabalho da enfermagem em urgências Organização do trabalho e os recursos humanos de enfermagem. • Planejamento • Previsão e provisão de recursos humanos e materiais. • Tomada de decisão. • Uso de sistemas de informação em saúde. • Educação continuada/permanente. • Supervisão e avaliação
  • 10. O trabalho nas emergências brasileiras Desafio • Articular a centralidade do cuidado e a gerência de enfermagem. • Assistência de alta complexidade • Coordenação e articulação da equipe. • Mobilização de recursos subjetivos e objetivos. • Conciliar os objetivos das equipes e os organizacionais.
  • 11. CASO PRÁTICO  A Enfermeira M.A. trabalha há 10 anos na sala de urgência de um hospital público, que atende atualmente a 120 leitos de internação, sendo 25 de terapia intensiva e 10 em unidade de cuidados semi-intensivos, distribuídos em quatro pavimentos, o primeiro atendimento das urgência e emergência ocorre nos seguintes espaços:  Sala do ACCR,  Sala de trauma (5 leitos monitorizados),  Sala de estabilização clínica (5 leitos monitorizados para pacientes com quadros clínicos estáveis)  7 consultórios (para atendimentos em diversas especialidades)
  • 12. CASO PRÁTICO  No município, a Central de Regulação Médica é responsável pela regulação da demanda de atendimentos. A equipe de enfermagem da sala de urgência é constituída por 21 enfermeiros e 45 técnicos de enfermagem, que conforme escala rotativa são alocados nos três espaços citados acima. No dia 16 de agosto de 2014, plantão da manhã a enf.ª M.A. e dois técnicos de enfermagem estavam escalados na sala de trauma, onde o enfermeiro é responsável pelos 5 leitos da unidade. Suas atividades consistem em:  Orientar e supervisionar os auxiliares de enfermagem quanto aos cuidados a serem prestados.  Verificar e testar o funcionamentos dos equipamentos  Controlar e realizar a previsão de materiais e o estoque de medicação.  Realizar os cuidados de maior complexidade principalmente aos pacientes politraumatizados e com instabilidade hemodinâmica.  Ainda solicita avaliação médica dos paciente admitidos, requisita exames diagnósticos
  • 13. CASO PRÁTICO  quando solicitados pelos médicos, admite e transfere os pacientes, auxilia em procedimentos médicos, além de gerenciar os conflitos que envolvem os pacientes, os familiares e os profissionais.  Após receber o plantão M.A. delegou as ações aos técnicos de enfermagem, que deveriam administrar a medicação e prestar os cuidados de higiene e conforto aos 3 pacientes que se encontravam na sala de trauma de o dia anterior, pois não haviam leitos vagos para a internação.
  • 14. CASO PRÁTICO  Os técnicos medicaram todos os pacientes e iniciaram o banho do paciente politraumatizado (vítima de acidente de moto, com diagnóstico médico de TCE, fratura de MIE e TRM à esclarecer), esse paciente exigia a movimentação em bloco com pelo menos 3 profissionais.  A enfermeira M.A. antes de colaborar com os 2 técnicos nesse banho, checou os materiais e equipamentos prioritários da sala (material de intubação, respirados, desfibrilador, etc.), constatou que não havia respirador infantil na unidade.  Sendo assim solicitou com urgência na central de material e, desse modo os materiais e equipamentos necessários para o desenvolvimentos do plantão ficaram completos.
  • 15. CASO PRÁTICO  Quadro: além disso, acionou a equipe médica responsável pelo paciente solicitando nova avaliação, com vistas a internação, uma vez que o paciente não deve permanecer por tempo prolongado na sala de trauma já que ao ser submetido a um protocolo de triagem/classificação de risco recebeu a classificação “vermelha” para atendimento imediato. Entretanto, embora o paciente devesse ser internado, não haviam leitos disponíveis.  Durante a realização do banho a enfermeira pôde observar o modo como os técnicos executam o cuidado e a forma de abordagem do paciente.
  • 16. CASO PRÁTICO  Nesse caso é possível identificar aspectos relativos a:  Acesso regulado a serviços de maior densidade tecnológica;  Assistência do paciente baseada nas necessidades de saúde;  Gerenciamento de recursos materiais e equipamentos;  Gerenciamento e articulação de recursos humanos;  Supervisão;  Problema gerencial/planejamento: intervalo de tempo para alta.
  • 17. PLANEJAMENTO Instrumento gerencial. • Inerente ao funcionamento do sistema de saúde. • Permite identificar os problemas de saúde da população:
  • 18. 18 - Pode dizer-me que caminho devo tomar? - Isto depende do lugar para onde você quer ir. (Respondeu com muito propósito o gato) - Não tenho destino certo. - Neste caso qualquer caminho serve. (“Alice no País da Maravilhas” - Lewis Carrol)
  • 19. PLANEJAMENTO Permite identificar os problemas de saúde da população: • Prioridade. • Modificar a situação encontrada. • Determinar as ações a serem desenvolvidas para o alcance dos objetivos preestabelecidos. • Avaliar os resultados obtidos pela aplicação das ações adotadas.
  • 20. Planejamento em enfermagem - PES Mais utilizado é o Planejamento Estratégico Situacional (PES). • Voltado para resolução de problemas. • Aquilo que o profissional (ator) detecta na realidade e confronta com um padrão que considera inadequado ou intolerável que o estimula a enfrentá-lo, visando a promoção de mudanças (MATUS, 1996).
  • 21. PES Processamento de problemas atuais, potenciais e macroproblemas. Como eles nasceram e se desenvolveram? Planos para resolver as suas causas. Viabilidade política do plano. Ataca o problema na prática, o que representa ter uma visão real sem generalizá-lo na descrição e nas propostas de solução.
  • 22. PES Considera a existência de vários atores sociais: • O conflito é algo inerente às relações sociais • O poder, a tomada de decisão e o planejamento, devem ser compartilhados. Teoria da ação estratégica: • Fundamentada em juízo estratégico e amparada em cálculos interativos, que não se resumem apenas à consideração dos comportamentos sociais.
  • 23. Como o PES colabora na construção da competência gerencial do enfermeiro? Planejamento integrado e participativo: • Organização dos serviços de saúde e para o enfrentamento de conflitos e problemas institucionais. Ferramenta potente para transformar a realidade: • Proporciona um aumento na capacidade direção, gerência e controle do sistema social. Método de processar problemas: • aplicabilidade na gestão em saúde Área da saúde: • problemas complexos e não estruturados
  • 24. Enfermeiro - Planejamento e Coordenação da equipe Emergência: Problemas complexos e não estruturados Tecnologias disponíveis: Potencializar o seu tempo e garantir um cuidado integral aos pacientes. A administração do processo de trabalho, associado ao conhecimento científico e ao compromisso profissional do enfermeiro, configura-se como ferramenta essencial para melhorar o cuidado prestado
  • 25. Caso prático O PES é composto de quarto momentos: explicativo, normativo, estratégico, tático-operacional. No caso descrito a seguir, apresentamos um exercício para refletir sobre o planejamento.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32. Indicadores de Avaliação São as medidas que quantificam e qualificam o impacto do plano sobre o atendimento ao usuário e a melhoria da organização hospitalar. É o momento de propor indicadores que permitam monitorar e avaliar a ação realizada. Por exemplo, tempo entre comunicação de alta e a efetiva saída do paciente do hospital.
  • 33. Referências AZEVEDO, A. L. C. S.. Gerenciamento do cuidado de enfermagem em unidade de urgência/emergência traumática. 2010. Dissertação (mestrado) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP). Ribeirão Preto, 2010. CIAMPONE, M.H.T.; MELLEIRO, M.M.. O Planejamento e o processo decisório como instrumentos do processo de trabalho gerencial. In: KURCGANT, P. (Coord.). Gerenciamento em enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan: 2010. p. 35-50. DAL SASSO, G. T. M.; DARLI, M. C. B. C., CHAVES, L. D. P.; ET AL. Curso de Especialização em Linhas de Cuidado em Enfermagem: Módulo V - Classificação de risco e acolhimento Florianópilis - SC: Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC/Programa de Pósgraduação em enfermagem, 2013. DAROLT, C.F.. Concepções dos enfermeiros sobre integralidade em saúde no processo de trabalho em uma unidade de emergência. 2007. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade do Vale do Itajaí. Itajaí, 2007. HAUSMANN, M.; PEDUZZI, M. Articulação entre as dimensões gerencial e assistencial do processo de trabalho do enfermeiro. Texto e Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 258-265, 2009. LALUNA, M.C.M.C.; FERRAZ, C.A. Compreensão das bases teóricas do planejamento participativo no currículo integrado de um curso de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.11, n.6, p.771-777,2003. MATUS,C. Política, planejamento e governo. Brasília: Ipea,1996. PEDUZZI, M.. A inserção do enfermeiro na equipe de saúde da família na perspectiva da promoção da saúde. In: SEMINÁRIO ESTADUAL: O ENFERMEIRO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA, 1., 2000, São Paulo. Anais... São Paulo: Secretaria de Estado da Saúde, 2000. CD-ROM WILLING, M. H.; LENARDT, M. H.. A prática gerencial do enfermeiro no processo de cuidar. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 7, n. 1, p. 23-29, 2002.