SlideShare uma empresa Scribd logo
Pronúncio
PORTUGAL
Três sílabas
Debruçadas
sobre o mar
João Pedro Mésseder
Prelude to a Kiss
A Reason To Believe
FECHOU A ESCOLA EM GRIJÓ
Ao Frederico Amaral Neves
I
Dantes ouviam-se as crianças a caminho da escola
e eram como pássaros de som nas manhãs de Grijó.
Não eram muitas, mas as vozes joviais
davam sinal de que a aldeia resistia,
continha à distância o deserto que a ronda
como a alcateia ronda uma rês tresmalhada.
Agora as crianças, todas as manhãs,
são acondicionadas como mercadorias
numa viatura com vocação de furgoneta.
Lembram judeus amontoados
em vagões jota a caminho de algures.
Vão aprender em terra estranha o que os seus pais
e os pais dos seus pais aprenderam em Grijó.
II
Só se voltam a ouvir ao fim da tarde
quando a viatura as despeja no largo da aldeia
como artigos que ficaram por vender.
Mas ouvem-se pouco, porque vêm cansadas.
Ouvem-se pouco e triste porque o seu dia
foi deportado para outra terra onde
não se lhe firmam raízes.
O senhor ministro das Finanças está contente,
porque poupa meia dúzia de euros
com a violenta trasfega da infância.
Mas está triste Grijó, porque já não ouve
as suas aves da manhã a caminho da escola
— e por isso pode dizer-se que a aldeia encolheu,
ficaram uns metros mais perto
as dunas de amanhã.
III
Caladas as vozes tagarelas das crianças,
nos dias de Grijó poucas mais vozes se ouvem
do que as de alguns velhos que antecipam
em palavras raras, conformadas,
o dia em que o silêncio cobrirá com estrondo
o (des)povoado definitivamente.
O senhor ministro das Finanças terá poupado
mais alguns euros com a instauração
deste opressivo silêncio final,
e ficará contente.
Grijó não.
A. M. Pires Cabral
I Want to ride my Bicycle
A UMA BICICLETA DESENHADA NA CELA
Nesta parede que me veste
da cabeça aos pés, inteira,
bem hajas, companheira,
as viagens que me deste.
Aqui,
onde o dia é mal nascido,
jamais me cansou
o rumo que deixou
o lápis proibido...
Bem haja a mão que te criou!
Olhos montados no teu selim
pedalei, atravessei
e viajei
para além de mim.
Luís Veiga Leitão
Vegetativa lágrima
DA FRÁGIl SABEDORIA e ARTE DA RESPIRAÇÃO
Há dias em que, de tanto ruído, não ouço nada. Mas ainda não
Estou surdo e fico silencioso, como parecem estar as estrelas.
Se queres conquistar um público, se te queres vender
(tal a TV, os políticos, os best-sellers), terás de baixar a bola –
Bater com o focinho no chão da multidão. Se porém o que desejas é
Ser, procurar “voar outro” (Pessoa) – terás que o fazer sozinho.
O luxo não é possuir coisas, o luxo é cantar, olhar o verde
das ultimas árvores, a terra sumarenta do outono; o luxo
É dizer ao filho que aprenda com os erros e despir-me na
Praia e que o sol me possua ou as águas ou o teu olhar.
Um luxo que por vezes me intimida porque o mundo está
Doente e tudo se desmorona em volta.
O silêncio, o que é o silêncio ? Perguntei ao mestre.
- Uma floresta cheia de ruído.
Palavras vãs…Vãs são as palavras quando o silêncio, ou
Apenas um sorriso, dizem o que há a dizer…o que não é
Possível dizer-se…necessário dizer…
- Como está a tua mulher? Não é minha, apenas viajamos juntos. Casimiro de Brito
Ir no ficar
Refrações
AVE ; PÁSSARO; ÁRVORE
Ave
Alada
a palavra solta
a veloz consoante do voo
Pássaro
Sobre o campo
um som de flecha
uma palavra veloz
ÁRVORE
É feita de aves e vento
E a linfa que a percorre
nutre por dentro a palavra
como o v que alimenta o verde
o vento a erva e o vale João Pedro Mésseder
Sentido no branco
PÁGINA
Aberta
a primeira sílaba
como o branco
à espera
Do primeiro aço
Do primeiro traço
do
primeiro verso?
João Pedro Mésseder
Daqui Nasceu Portugal
TERNURA
Deixa beijar
Tua fonte
Teus cabelos
Tuas mãos
Com mansidão
Neste lençol
Feito de Sol
Teus lábios não
Matilde Rosa Araújo
Fundo…frágil segredo
DOS VERSOS QUE LI…VER SÓ COM OS OLHOS…PORTUGUÊS E VIVO…
Dos versos que eu li
(Bem mais de um milhão)
Tão poucos senti
No meu coração!
E dos que o tocaram
Quantos lá ficaram?
Quantos florirão?
E esses ainda
(Tão menos ainda!)
Que fruto darão?
Ver só com olhos
É fácil e vão:
Por dentro das coisas
É que as coisas são.
Português e vivo
É diminutivo.
Só fazemos bem
Torres de Belém.
Carlos Queiroz
Árvore à janela
PEQUENA ORAÇÃO ; QUASE-IRONIA; CANÇÃO BASTANTE ROMÂNTICA
Quando a nossa dor descansa,
E as lágrimas nos olhos são mais frescas que o orvalho nas
flores…
Ave-Maria.
Esta tristeza calada
É coitada, minha amiga…
Companheira dedicada,
Confrangida e delicada,
Não me abandona por nada…
… E eu gosto que ela me siga.
A minha vida é uma
Torre de espuma
Toda a tremer…
Se vem o vento,
A minha vida
Enfraquecida,
Sem um lamento
Vai-se perder!...
Que pena tenho
Da minha vida!
Cristovam Pavia
Senhores do silêncio
Solidão
Como quem tece um xale
para o frio da alma
invento os teus braços
nos meus ombros,
o verão da tua boca
na minha pele.
No meu outono, agreste,
invento-te.
E a tua lembrança,
que não foi nem houve,
porque não existes
ou o teu destino é longe
e noutro lugar
atravessa a noite.
Luísa Dacosta
Porto espelho de sentidos
NOS SEMÁFOROS… MERCADO DO BOLHÃO…. ALEGRIA DESCONHECIDA
NOS SEMÁFOROS DA RUA DE SANTA CATARINA
Ao menos os teus olhos
permanecem verdes
todo o ano
MERCADO DO BOLHÃO
No meio das couves de sabóia e dos espinafres
o sorriso gelado
de um molho de nabos
Jorge de Sousa Braga
Jorge de Sousa Braga
de súbito
o prazer de sentir o sol
manso de Inverno
caminhar suavemente no passeio
numa hora morta
encontrar no vidro das casas comerciais
o espanto do rosto
o risco distraído de atravessar a rua
depois
talvez comer uma maçã
um café
fumar um cigarro
observar uma mulher pela transparência
do vidro
Amanhã vai ser diferente Francisco Duarte Mangas
Fúria de Senhor
INCONSTÂNCIA
Procurei o amor que me mentiu.
Pedi à Vida mais do que ela dava.
Eterna sonhadora edificava
Meu castelo de luz que me caiu!
Tanto clarão nas trevas refulgiu,
E tanto beijo a boca me queimava!
E era o sol que os longes deslumbrava
Igual a tanto sol que me fugiu!
Passei a vida a amar e a esquecer...
Um sol a apagar-se e outro a acender
Nas brumas dos atalhos por onde
ando...
E este amor que assim me vai fugindo
É igual a outro amor que vai surgindo,
Que há de partir também... nem eu sei
quando...
Florbela Espanca
MINHA TRAGÉDIA
Tenho ódio à luz e raiva à claridade
Do sol, alegre, quente, na subida.
Parece que a minh’alma é perseguida
Por um carrasco cheio de maldade!
Ó minha vã, inútil mocidade,
Trazes-me embriagada, entontecida! ...
Duns beijos que me deste noutra vida,
Trago em meus lábios roxos, a saudade! ...
Eu não gosto do sol, eu tenho medo
Que me leiam nos olhos o segredo
De não amar ninguém, de ser assim!
Gosto da Noite imensa, triste, preta,
Como esta estranha e doida borboleta
Que eu sinto sempre a voltejar em mim! ...
Florbela Espanca
EM VÃO
Passo triste na vida e triste sou,
Um pobre a quem jamais quiseram bem!
Um caminhante exausto que passou,
Que não diz onde vai nem donde vem.
Ah! Sem piedade, a rir, tanto desdém
A flor da minha boca desdenhou!
Solitário convento onde ninguém
A silenciosa cela procurou!
E eu quero bem a tudo, a toda a gente...
Ando a amar assim, perdidamente,
A acalentar o mundo nos meus braços!
E tem passado, em vão, a mocidade
Sem que no meu caminho uma saudade
Abra em flor a sombra dos meus passos!
Florbela Espanca
Deposição de outono
TEXTOUTONO ; DANÇA
Cai...
A primeira acastanhada
folha-texto de Outono
Na minha serenidade.
Brilham na teia
os olhos orvalho
da incansável e bela
tecedeira.
Como bailarina em pontas
descia a amarelada folha
suave, delicada, em doce rodopio...
Paixão da queda.
A. V
A. V
De anjos e de
loucos…
EU…JÁ NÃO SEI QUERO SONHO
Vou sabendo aceitar a visitação silenciosa da ternura. Instala-
se. Nada diz. Acabo por a perceber perfeitamente. Eu já...
Rejeito a frágil folha rosto de lágrima percorrida. O meu olhar
não tem pressa. Eu não...
Que este rumor interior de beleza comovida regressa sempre
ao lugar de partida. Eu sei...
Como barco em horizonte distante, acenar recolhido até que.
Eu quero...
Continuar a entregar-me despudoradamente ao Instante que
Existe no passado - presente, nesta força imorredoira de
merecer-me de Vida merecida. Eu sonho...
A. V
Solitude standing
ENVELHEÇO COM A TARDE
Cai mansa, etérea e fria a tarde.
Cinco horas da tarde. Os senhores do Jardim olham-me com espanto ou anseio de alimento.
Está frio, aconchego o cachecol, levanto as abas do sobretudo, coloco as mãos no bolso. Distendo as pernas.
Olho de olhar alongado para um rio profundo, lagunar, que me observa.
Estou só, completamente só.
Estou bem.
Ouço o arfar compassado da minha respiração em dó menor ao som do Stabat Mater de Pergolesi, cantado por angélica voz de contratenor.
Começa a ser comum perscrutar o silêncio que habita em mim, ou por problema de habitação, o que vai sobrando de mim no silêncio.
Estou só, profundamente só. Pleno, comovido a leste de mim, que para minha perdição – salvação só me encontro na bússola do cá dentro.
Um frágil ramo de tília desnudada observa-me. Sorrio-lhe e a brisa abana-a como se treme.
Esvai-se a tarde em horizontes laranja. As primeiras luzes-candeias tremeluzem do lado de lá. Convoco-as para o meu lado de cá, companheiras de
entardecimento.
Estou só. Profundamente só.
Envelheço com a tarde e estou bem.
Preciso destes amplexos de serenidade para ser feliz.
Despeço-me deste escuro verde-musgo com um sorriso aos bancos vermelhos. Aceno-lhes por dentro, e , no seu vazio de ninguém, vislumbro
promessas pacificadoras de outros entardeceres.
Com o fim da tarde envelheço e estou feliz. Talvez Ele andasse por ali, de certeza que andou por ali, hálito profundo de vida…
Talvez. Resolvi fixá-lo com a minha Pelikan no meu moleskine .
Caminho arborizado e noturno entre as áleas. Uma nesga de lua espreita-me. Algumas raízes de mim ali ficam.
Envelheci com a tarde.
Não me importo, gostamos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
Sérgio Pitaki
 
Poetas da I República
Poetas da I RepúblicaPoetas da I República
Poetas da I República
anapaulaoliveira
 
Livro de poemas dos alunos do 8º Ano C e D, do Bartolomeu
Livro de poemas  dos alunos do 8º Ano C e D, do BartolomeuLivro de poemas  dos alunos do 8º Ano C e D, do Bartolomeu
Livro de poemas dos alunos do 8º Ano C e D, do Bartolomeu
Paulo Sérgio
 
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anosIEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Poemas sobre árvores e as florestas
Poemas sobre árvores e as florestas Poemas sobre árvores e as florestas
Poemas sobre árvores e as florestas
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Poetas e poesia
Poetas e poesiaPoetas e poesia
Poetas e poesia
Sandrine Saraiva
 
POETAS E POESIA
POETAS E POESIAPOETAS E POESIA
POETAS E POESIA
Washington Ferreira
 
Pablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperada
Pablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperadaPablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperada
Pablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperada
Carlos Elson Cunha
 
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃOSEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
Sérgio Pitaki
 
Poemas
PoemasPoemas
Poemas
xyagox
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
senadecarlosfreitas
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
senadecarlosfreitas
 
Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019
Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019
Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019
AMEOPOEMA Editora
 
50
5050
Literatura Piauiense
Literatura PiauienseLiteratura Piauiense
Literatura Piauiense
Hildalene Pinheiro
 
Natércia Freire
Natércia FreireNatércia Freire
Natércia Freire
davidaaduarte
 
A biblioteca saiu da escola 1
A biblioteca saiu da escola 1A biblioteca saiu da escola 1
A biblioteca saiu da escola 1
PeroVaz
 

Mais procurados (17)

VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
 
Poetas da I República
Poetas da I RepúblicaPoetas da I República
Poetas da I República
 
Livro de poemas dos alunos do 8º Ano C e D, do Bartolomeu
Livro de poemas  dos alunos do 8º Ano C e D, do BartolomeuLivro de poemas  dos alunos do 8º Ano C e D, do Bartolomeu
Livro de poemas dos alunos do 8º Ano C e D, do Bartolomeu
 
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anosIEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
 
Poemas sobre árvores e as florestas
Poemas sobre árvores e as florestas Poemas sobre árvores e as florestas
Poemas sobre árvores e as florestas
 
Poetas e poesia
Poetas e poesiaPoetas e poesia
Poetas e poesia
 
POETAS E POESIA
POETAS E POESIAPOETAS E POESIA
POETAS E POESIA
 
Pablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperada
Pablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperadaPablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperada
Pablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperada
 
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃOSEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
 
Poemas
PoemasPoemas
Poemas
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
 
Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019
Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019
Suplemento Acre - 016 novembro dezembro 2019
 
50
5050
50
 
Literatura Piauiense
Literatura PiauienseLiteratura Piauiense
Literatura Piauiense
 
Natércia Freire
Natércia FreireNatércia Freire
Natércia Freire
 
A biblioteca saiu da escola 1
A biblioteca saiu da escola 1A biblioteca saiu da escola 1
A biblioteca saiu da escola 1
 

Semelhante a Sessão leitura poética 2014

Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Besaf Biblioteca
 
Poesias mostra cultural
Poesias mostra culturalPoesias mostra cultural
Poesias mostra cultural
Barbara Coelho
 
Antologia livro
Antologia   livroAntologia   livro
Antologia livro
Brendda Neves
 
Um velhinho um violao
Um velhinho um violaoUm velhinho um violao
Um velhinho um violao
Mensagens Virtuais
 
Monsaraz
MonsarazMonsaraz
Monsaraz
Umberto Pacheco
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
senadecarlosfreitas
 
Livro ebook
Livro ebookLivro ebook
Livro ebook
senadecarlosfreitas
 
Monsaraz Alentejo
Monsaraz AlentejoMonsaraz Alentejo
Monsaraz Alentejo
BiaEsteves
 
Leituras
LeiturasLeituras
Leituras
guida04
 
Monsaraz
MonsarazMonsaraz
Monsaraz
Umberto Pacheco
 
Monsaraz
MonsarazMonsaraz
Monsaraz
BiaEsteves
 
Monsaraz
MonsarazMonsaraz
Monsaraz
BiaEsteves
 
20120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_320120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_3
bib2009
 
Contemp julho__25
Contemp  julho__25Contemp  julho__25
Contemp julho__25
michelechristine
 
Musicas da tafona
Musicas da tafonaMusicas da tafona
Musicas da tafona
Identidade Campeira
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
Jairo Coêlho
 
Eugenio de Andrade
Eugenio de AndradeEugenio de Andrade
Eugenio de Andrade
Mensagens Virtuais
 
Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4
Licinio Borges
 
Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4
Júlio Salgueiral
 
Eugenio Andrade 4
Eugenio Andrade 4Eugenio Andrade 4
Eugenio Andrade 4
Helena
 

Semelhante a Sessão leitura poética 2014 (20)

Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
 
Poesias mostra cultural
Poesias mostra culturalPoesias mostra cultural
Poesias mostra cultural
 
Antologia livro
Antologia   livroAntologia   livro
Antologia livro
 
Um velhinho um violao
Um velhinho um violaoUm velhinho um violao
Um velhinho um violao
 
Monsaraz
MonsarazMonsaraz
Monsaraz
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
 
Livro ebook
Livro ebookLivro ebook
Livro ebook
 
Monsaraz Alentejo
Monsaraz AlentejoMonsaraz Alentejo
Monsaraz Alentejo
 
Leituras
LeiturasLeituras
Leituras
 
Monsaraz
MonsarazMonsaraz
Monsaraz
 
Monsaraz
MonsarazMonsaraz
Monsaraz
 
Monsaraz
MonsarazMonsaraz
Monsaraz
 
20120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_320120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_3
 
Contemp julho__25
Contemp  julho__25Contemp  julho__25
Contemp julho__25
 
Musicas da tafona
Musicas da tafonaMusicas da tafona
Musicas da tafona
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Eugenio de Andrade
Eugenio de AndradeEugenio de Andrade
Eugenio de Andrade
 
Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4
 
Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4
 
Eugenio Andrade 4
Eugenio Andrade 4Eugenio Andrade 4
Eugenio Andrade 4
 

Mais de Arlindo Rodrigues Vieira

O holocausto def
O holocausto   defO holocausto   def
O holocausto def
Arlindo Rodrigues Vieira
 
Do autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democraciaDo autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democracia
Arlindo Rodrigues Vieira
 
O FASCISMO ITALIANO - O NAZISMO
O FASCISMO ITALIANO - O NAZISMOO FASCISMO ITALIANO - O NAZISMO
O FASCISMO ITALIANO - O NAZISMO
Arlindo Rodrigues Vieira
 
O Império Romano no apogeu do império
O Império Romano no apogeu do impérioO Império Romano no apogeu do império
O Império Romano no apogeu do império
Arlindo Rodrigues Vieira
 
Grécia antig apps
Grécia antig appsGrécia antig apps
Grécia antig apps
Arlindo Rodrigues Vieira
 
A crise dos anos 30
A crise dos anos 30A crise dos anos 30
A crise dos anos 30
Arlindo Rodrigues Vieira
 

Mais de Arlindo Rodrigues Vieira (6)

O holocausto def
O holocausto   defO holocausto   def
O holocausto def
 
Do autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democraciaDo autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democracia
 
O FASCISMO ITALIANO - O NAZISMO
O FASCISMO ITALIANO - O NAZISMOO FASCISMO ITALIANO - O NAZISMO
O FASCISMO ITALIANO - O NAZISMO
 
O Império Romano no apogeu do império
O Império Romano no apogeu do impérioO Império Romano no apogeu do império
O Império Romano no apogeu do império
 
Grécia antig apps
Grécia antig appsGrécia antig apps
Grécia antig apps
 
A crise dos anos 30
A crise dos anos 30A crise dos anos 30
A crise dos anos 30
 

Último

759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 

Sessão leitura poética 2014

  • 1.
  • 4. Prelude to a Kiss A Reason To Believe
  • 5. FECHOU A ESCOLA EM GRIJÓ Ao Frederico Amaral Neves I Dantes ouviam-se as crianças a caminho da escola e eram como pássaros de som nas manhãs de Grijó. Não eram muitas, mas as vozes joviais davam sinal de que a aldeia resistia, continha à distância o deserto que a ronda como a alcateia ronda uma rês tresmalhada. Agora as crianças, todas as manhãs, são acondicionadas como mercadorias numa viatura com vocação de furgoneta. Lembram judeus amontoados em vagões jota a caminho de algures. Vão aprender em terra estranha o que os seus pais e os pais dos seus pais aprenderam em Grijó.
  • 6. II Só se voltam a ouvir ao fim da tarde quando a viatura as despeja no largo da aldeia como artigos que ficaram por vender. Mas ouvem-se pouco, porque vêm cansadas. Ouvem-se pouco e triste porque o seu dia foi deportado para outra terra onde não se lhe firmam raízes. O senhor ministro das Finanças está contente, porque poupa meia dúzia de euros com a violenta trasfega da infância. Mas está triste Grijó, porque já não ouve as suas aves da manhã a caminho da escola — e por isso pode dizer-se que a aldeia encolheu, ficaram uns metros mais perto as dunas de amanhã.
  • 7. III Caladas as vozes tagarelas das crianças, nos dias de Grijó poucas mais vozes se ouvem do que as de alguns velhos que antecipam em palavras raras, conformadas, o dia em que o silêncio cobrirá com estrondo o (des)povoado definitivamente. O senhor ministro das Finanças terá poupado mais alguns euros com a instauração deste opressivo silêncio final, e ficará contente. Grijó não. A. M. Pires Cabral
  • 8. I Want to ride my Bicycle
  • 9. A UMA BICICLETA DESENHADA NA CELA Nesta parede que me veste da cabeça aos pés, inteira, bem hajas, companheira, as viagens que me deste. Aqui, onde o dia é mal nascido, jamais me cansou o rumo que deixou o lápis proibido... Bem haja a mão que te criou! Olhos montados no teu selim pedalei, atravessei e viajei para além de mim. Luís Veiga Leitão
  • 11. DA FRÁGIl SABEDORIA e ARTE DA RESPIRAÇÃO Há dias em que, de tanto ruído, não ouço nada. Mas ainda não Estou surdo e fico silencioso, como parecem estar as estrelas. Se queres conquistar um público, se te queres vender (tal a TV, os políticos, os best-sellers), terás de baixar a bola – Bater com o focinho no chão da multidão. Se porém o que desejas é Ser, procurar “voar outro” (Pessoa) – terás que o fazer sozinho. O luxo não é possuir coisas, o luxo é cantar, olhar o verde das ultimas árvores, a terra sumarenta do outono; o luxo É dizer ao filho que aprenda com os erros e despir-me na Praia e que o sol me possua ou as águas ou o teu olhar. Um luxo que por vezes me intimida porque o mundo está Doente e tudo se desmorona em volta. O silêncio, o que é o silêncio ? Perguntei ao mestre. - Uma floresta cheia de ruído. Palavras vãs…Vãs são as palavras quando o silêncio, ou Apenas um sorriso, dizem o que há a dizer…o que não é Possível dizer-se…necessário dizer… - Como está a tua mulher? Não é minha, apenas viajamos juntos. Casimiro de Brito
  • 13. AVE ; PÁSSARO; ÁRVORE Ave Alada a palavra solta a veloz consoante do voo Pássaro Sobre o campo um som de flecha uma palavra veloz ÁRVORE É feita de aves e vento E a linfa que a percorre nutre por dentro a palavra como o v que alimenta o verde o vento a erva e o vale João Pedro Mésseder
  • 15. PÁGINA Aberta a primeira sílaba como o branco à espera Do primeiro aço Do primeiro traço do primeiro verso? João Pedro Mésseder
  • 17. TERNURA Deixa beijar Tua fonte Teus cabelos Tuas mãos Com mansidão Neste lençol Feito de Sol Teus lábios não Matilde Rosa Araújo
  • 19. DOS VERSOS QUE LI…VER SÓ COM OS OLHOS…PORTUGUÊS E VIVO… Dos versos que eu li (Bem mais de um milhão) Tão poucos senti No meu coração! E dos que o tocaram Quantos lá ficaram? Quantos florirão? E esses ainda (Tão menos ainda!) Que fruto darão? Ver só com olhos É fácil e vão: Por dentro das coisas É que as coisas são. Português e vivo É diminutivo. Só fazemos bem Torres de Belém. Carlos Queiroz
  • 21. PEQUENA ORAÇÃO ; QUASE-IRONIA; CANÇÃO BASTANTE ROMÂNTICA Quando a nossa dor descansa, E as lágrimas nos olhos são mais frescas que o orvalho nas flores… Ave-Maria. Esta tristeza calada É coitada, minha amiga… Companheira dedicada, Confrangida e delicada, Não me abandona por nada… … E eu gosto que ela me siga. A minha vida é uma Torre de espuma Toda a tremer… Se vem o vento, A minha vida Enfraquecida, Sem um lamento Vai-se perder!... Que pena tenho Da minha vida! Cristovam Pavia
  • 23. Solidão Como quem tece um xale para o frio da alma invento os teus braços nos meus ombros, o verão da tua boca na minha pele. No meu outono, agreste, invento-te. E a tua lembrança, que não foi nem houve, porque não existes ou o teu destino é longe e noutro lugar atravessa a noite. Luísa Dacosta
  • 24. Porto espelho de sentidos
  • 25. NOS SEMÁFOROS… MERCADO DO BOLHÃO…. ALEGRIA DESCONHECIDA NOS SEMÁFOROS DA RUA DE SANTA CATARINA Ao menos os teus olhos permanecem verdes todo o ano MERCADO DO BOLHÃO No meio das couves de sabóia e dos espinafres o sorriso gelado de um molho de nabos Jorge de Sousa Braga Jorge de Sousa Braga de súbito o prazer de sentir o sol manso de Inverno caminhar suavemente no passeio numa hora morta encontrar no vidro das casas comerciais o espanto do rosto o risco distraído de atravessar a rua depois talvez comer uma maçã um café fumar um cigarro observar uma mulher pela transparência do vidro Amanhã vai ser diferente Francisco Duarte Mangas
  • 27. INCONSTÂNCIA Procurei o amor que me mentiu. Pedi à Vida mais do que ela dava. Eterna sonhadora edificava Meu castelo de luz que me caiu! Tanto clarão nas trevas refulgiu, E tanto beijo a boca me queimava! E era o sol que os longes deslumbrava Igual a tanto sol que me fugiu! Passei a vida a amar e a esquecer... Um sol a apagar-se e outro a acender Nas brumas dos atalhos por onde ando... E este amor que assim me vai fugindo É igual a outro amor que vai surgindo, Que há de partir também... nem eu sei quando... Florbela Espanca
  • 28. MINHA TRAGÉDIA Tenho ódio à luz e raiva à claridade Do sol, alegre, quente, na subida. Parece que a minh’alma é perseguida Por um carrasco cheio de maldade! Ó minha vã, inútil mocidade, Trazes-me embriagada, entontecida! ... Duns beijos que me deste noutra vida, Trago em meus lábios roxos, a saudade! ... Eu não gosto do sol, eu tenho medo Que me leiam nos olhos o segredo De não amar ninguém, de ser assim! Gosto da Noite imensa, triste, preta, Como esta estranha e doida borboleta Que eu sinto sempre a voltejar em mim! ... Florbela Espanca
  • 29. EM VÃO Passo triste na vida e triste sou, Um pobre a quem jamais quiseram bem! Um caminhante exausto que passou, Que não diz onde vai nem donde vem. Ah! Sem piedade, a rir, tanto desdém A flor da minha boca desdenhou! Solitário convento onde ninguém A silenciosa cela procurou! E eu quero bem a tudo, a toda a gente... Ando a amar assim, perdidamente, A acalentar o mundo nos meus braços! E tem passado, em vão, a mocidade Sem que no meu caminho uma saudade Abra em flor a sombra dos meus passos! Florbela Espanca
  • 31. TEXTOUTONO ; DANÇA Cai... A primeira acastanhada folha-texto de Outono Na minha serenidade. Brilham na teia os olhos orvalho da incansável e bela tecedeira. Como bailarina em pontas descia a amarelada folha suave, delicada, em doce rodopio... Paixão da queda. A. V A. V
  • 32. De anjos e de loucos…
  • 33. EU…JÁ NÃO SEI QUERO SONHO Vou sabendo aceitar a visitação silenciosa da ternura. Instala- se. Nada diz. Acabo por a perceber perfeitamente. Eu já... Rejeito a frágil folha rosto de lágrima percorrida. O meu olhar não tem pressa. Eu não... Que este rumor interior de beleza comovida regressa sempre ao lugar de partida. Eu sei... Como barco em horizonte distante, acenar recolhido até que. Eu quero... Continuar a entregar-me despudoradamente ao Instante que Existe no passado - presente, nesta força imorredoira de merecer-me de Vida merecida. Eu sonho... A. V
  • 35. ENVELHEÇO COM A TARDE Cai mansa, etérea e fria a tarde. Cinco horas da tarde. Os senhores do Jardim olham-me com espanto ou anseio de alimento. Está frio, aconchego o cachecol, levanto as abas do sobretudo, coloco as mãos no bolso. Distendo as pernas. Olho de olhar alongado para um rio profundo, lagunar, que me observa. Estou só, completamente só. Estou bem. Ouço o arfar compassado da minha respiração em dó menor ao som do Stabat Mater de Pergolesi, cantado por angélica voz de contratenor. Começa a ser comum perscrutar o silêncio que habita em mim, ou por problema de habitação, o que vai sobrando de mim no silêncio. Estou só, profundamente só. Pleno, comovido a leste de mim, que para minha perdição – salvação só me encontro na bússola do cá dentro. Um frágil ramo de tília desnudada observa-me. Sorrio-lhe e a brisa abana-a como se treme. Esvai-se a tarde em horizontes laranja. As primeiras luzes-candeias tremeluzem do lado de lá. Convoco-as para o meu lado de cá, companheiras de entardecimento. Estou só. Profundamente só. Envelheço com a tarde e estou bem. Preciso destes amplexos de serenidade para ser feliz. Despeço-me deste escuro verde-musgo com um sorriso aos bancos vermelhos. Aceno-lhes por dentro, e , no seu vazio de ninguém, vislumbro promessas pacificadoras de outros entardeceres. Com o fim da tarde envelheço e estou feliz. Talvez Ele andasse por ali, de certeza que andou por ali, hálito profundo de vida… Talvez. Resolvi fixá-lo com a minha Pelikan no meu moleskine . Caminho arborizado e noturno entre as áleas. Uma nesga de lua espreita-me. Algumas raízes de mim ali ficam. Envelheci com a tarde. Não me importo, gostamos.