SlideShare uma empresa Scribd logo
PAPER
Jacir L. Casagrande
O paper caracteriza-se principalmente pela originalidade, ou seja, as
reflexões devem ser do autor do paper. Segundo Medeiros (1997), se o autor
apenas compilou informações sem fazer avaliações ou interpretações sobre
elas, o produto do seu trabalho será um relatório e não um paper.
Espera-se de quem o escreve uma avaliação e/ou interpretação dos
fatos ou das informações que foram recolhidas, ou seja, o desenvolvimento
sintético de um ponto de vista acerca de um tema, de uma realidade
observada, de um texto. É uma tomada de posição definida e a expressão
dos conhecimentos de forma original.
Para elucidar melhor o conceito de paper, vale lembrar o que ele não é:
O paper não é: a) um resumo de um artigo ou livro (ou outra fonte);
b) idéias de outras pessoas, repetidas não criticamente; c) uma
série de citações, não importa se habilmente postas juntas: d)
opinião pessoal evidenciada, não demonstrada; e) cópia do trabalho
de outra pessoa sem reconhecê-la, quer o trabalho seja ou não
publicado, profissional ou amador: isto é plágio (ROTH apud
MEDEIROS, 1997, p. 187).
A realidade e a educação atual não podem aceitar aquele aluno que
simplesmente decora textos para tirar boas notas e que simplesmente reúne
um amontoado de idéias de outros autores e apresenta isso como se fosse
seu. Hoje, exige-se que um aluno saiba ler e interpretar, que questione e se
posicione diante da realidade e do que é dito, apresentando suas próprias
idéias. Isso é sinal de maturidade intelectual.
Através do paper, o educando desenvolve sua capacidade de reflexão e
criatividade diante do que está escrito (livro, artigo, revista, jornal...), diante
do que é apresentado (palestra, congresso, seminário, curso...) e também
diante do que pode ser observado numa realidade (empresa, projeto,
entidade, viagem de estudos...).
É uma reflexão original, em que o educando deixa de ser um receptor
passivo e passa a ser um sujeito crítico e ativo na construção de novos
conhecimentos. Paper é uma "posição", do autor, mas é também o
posicionamento de outros autores sobre o assunto. Por isso, pode exigir, a
pesquisa de estudos já efetuados por outros autores.
Trata-se de um tipo de trabalho pequeno, conciso. Pode tratar de um
problema, um tema, uma questão, uma situação e/ou abordar apenas uma
parte de um texto ou realidade observada. A decisão sobre qual ponto
específico a abordar, pode ser definido pelo professor ou pelo próprio aluno.
Deve ficar evidente, que o fato do paper ter uma abrangência menor
em termos de conteúdo, não significa dizer que o conteúdo deva ser
abordado com menos profundidade. A delimitação do tema propicia o
aprofundamento do conteúdo.
Quantas páginas deve ter o paper? O mais usado é o paper de duas
páginas. Na verdade o tamanho ou quantidade de páginas pode ser definido
pelo professor, considerando a demanda ou necessidade do conteúdo a ser
trabalhado
A estrutura do paper:
1 Dados de identificação
2 Introdução: é o 1º
parágrafo, onde deve aparecer o objetivo, delimitação
ou objeto específico de reflexão.
3 Desenvolvimento: deve aparecer de forma clara, o posicionamento,
avaliação ou questionamento do autor em relação ao ponto específico que
foi abordado.
4 Conclusão: é último parágrafo, a síntese concisa das principais idéias
defendidas no desenvolvimento do trabalho.
5 Referências: textos, obras, materiais consultados.
PAPER
UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA
CURSO:
DISCIPLINA: CIÊNCIA E PESQUISA
PROFESSOR : JACIR L. CASAGRANDE
ALUNO:
APRENDIZAGEM EM GRUPO
Neste paper pretendemos destacar a importância da aprendizagem em
grupo para as empresas que, através de um planejamento estratégico
objetivam colocar-se a frente das concorrentes na virada deste século. As
idéias que aprensentamos seguem o pensamento de Senge em sua obra A
Quinta Disciplina.
É importante perceber que uma equipe se torna mais eficiente, quando
consegue canalizar as energias individuais, criando-se uma sinergia na
direção da concretização dos objetivos comuns, que se tornam uma extensão
dos objetivos individuais.
O aprendizado em grupo torna-se fundamental para o sucesso da
organização quando considerado como um processo de alinhamento e
desenvolvimento da capacidade de um grupo criar os resultados desejados, o
que implica na criação de um objetivo comum e também do domínio pessoal.
Neste sentido, como bem coloca Senge, o aprendizado individual, até
certo ponto torna-se irrelevante para o aprendizado organizacional. No
entanto, quando grupos aprendem em conjunto, tornam-se microcosmos de
aprendizado para a organização inteira, onde as realizações do grupo podem
determinar um padrão de aprendizado para toda a organização.
O aprendizado pode ser considerado como de pouca valia para a
organização se o grupo não aprender a canalizar o potencial de muitas
mentes, de maneira que a inteligência do conjunto seja maior que a
individual. É de fundamental importância que cada membro tenha consciência
de que faz parte de uma equipe e passe a agir de modo a complementar as
ações dos outros integrantes.
Senge coloca com muita propriedade que, a disciplina do aprendizado
em grupo requer a prática do diálogo e da discussão. No diálogo, o grupo
analisa questões complexas sob diferentes pontos de vista, comunicando
suas idéias livremente. O resultado dos processos de comunicação
permanente nas organizações, é uma análise livre que traz à tona a
experiência e o modo de pensar das pessoas, sem precisar se ater a
nenhuma opinião individual.
É muito interessante a percepção de que através do diálogo as
pessoas podem entender a incoerência de seu pensamento. O diálogo torna-
se fundamental para ajudar as pessoas a verem a importância da natureza
representativa e participativa do pensamento nas organizações, da
construção coletiva do raciocínio. E uma das razões pelas quais o diálogo é
tão importante para o sucesso das organizações está no fato de criar
condições para descobrir o profundo sentido do aprendizado em grupo.
O aprendizado em grupo através do diálogo, da participação, da
discussão e enfim de todos os processos de comunicação dentro das
organizações, não acontece de forma harmônica e pacífica. Concluímos com
a visão do autor de que, as grandes equipes não são caracterizadas pela
ausência de conflito, mas um dos indicadores mais seguros de que uma
equipe vem aprendendo continuamente é a existência de conflito de idéias,
pois ele é produtivo. O livre fluxo de idéias conflitantes é primordial para o
raciocínio criativo, para a descoberta de novas soluções que ninguém
conseguiria encontrar individualmente.
SENGE, Peter M. A Quinta Disciplina: arte, teoria e prática da organização
de aprendizagem 9a
. ed.. São Paulo: Editora Best Seller, 1990, Cap. 12, pg.
211-235.
APRESENTAÇÃO DE ARTIGOS EM PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS
Jacir L. Casagrande
Segundo a NBR 6022 de 08/1994, o artigo é um texto com autoria
declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e
resultados nas diversas áreas do conhecimento.
O artigo, apesar de sua dimensão reduzida, pode ser entendido
como um trabalho completo. Segundo Köche (1997), o artigo é a
apresentação sintética, dos resultados de investigação ou estudo realizados
para resolver um problema ou questão.
Para Salvador (1977, p.24), existem cinco razões para escrever
artigos científicos:
a) expor aspectos novos por nós descobertos, mediante o estudo e a
pesquisa, a respeito de uma questão, ou de aspectos que julgamos
terem sido tratados apenas superficialmente, ou soluções novas
para questões conhecidas; b) expor de uma maneira nova uma
questão já antiga; c) anunciar resultados de pesquisa, que será
exposta futuramente em livro; d) desenvolver aspectos secundários
de uma questão que não tiveram o devido tratamento em livro que
foi editado ou que será editado; e) abordar assuntos controvertidos
para os quais não houve tempo de preparar um livro.
Os artigos publicados em periódicos, revistas, meios eletrônicos ou
defendidos em eventos, são meios atualizados de informações e devem ser
valorizados pelos acadêmicos e professores, como fontes de pesquisa privilegiada.
A NBR 6022/1994, fixa recomendações a serem seguidas, para a
publicação de um artigo, conforme estrutura:
1 Elementos pré-textuais:
a) título: deve expressar o conteúdo do artigo
b) autoria: nome(s) do(s) autor(es), acompanhado(s) de breve
currículo que o(s) qualifique na área de conhecimento do artigo. O currículo,
bem como o endereço para contato, eventuais agradecimentos do(s)
autor(es) e a data de entrega dos originais à redação do periódico devem
aparecer em rodapé na página de abertura ou como nota editorial no final do
artigo.
c) resumo: parágrafo que sintetiza os objetivos pretendidos, a
metodologia e as conclusões alcançadas no artigo. Para a elaboração de
resumos, ver NBR 6028/1990.
d) palavras-chave: termos indicativos do conteúdo do artigo.
2Elementos textuais
a) Texto: corpo do artigo estruturado em introdução,
desenvolvimento e conclusão. No caso de divisão em seções, sua ordenação
deve seguir o sistema de numeração progressiva (ver NBR 6024), com
subtítulos de caráter informativo.
A introdução apresenta o tema, a questão, o problema, a
justificativa, a finalidade do artigo, bem como os indicativos da metodologia
utilizada na pesquisa.
O desenvolvimento trata da matéria de forma abrangente e
objetiva.é a apresentação dos resultados do estudo.
A conclusão destaca os resultados obtidos e pode abrir
perspectivas para novas pesquisas.
b)Elementos de apoio
Notas, citações, tabelas, quadros, fórmulas e ilustrações,
apresentados de acordo com a normatização correspondente em vigor.
Sempre que possível, deve-se evitar o uso de notas de rodapé ou no final de
texto e a separação de partes do texto em anexos e apêndices.
c) Referencias: lista dos trabalhos citados no artigo (ver NBR
6023).
3 Elementos pós-textuais
a) apêndice: texto escrito pelo autor e que complementa a
argumentação principal do artigo.
b) anexo: documento, nem sempre do autor do artigo, que serve de
fundamentação, comprovação ou ilustração.
c) tradução do resumo: apresentação do resumo, precedido do
título, em língua diferente daquela em que o artigo está escrito ou seguindo
determinações do conselho editorial ao qual o artigo será submetido.
Apesar da normatização existente, é bom salientar que nem todas
as revistas e periódicos seguem a mesma ordem dos elementos. Os
conselhos editoriais podem modificar alguns itens atendendo a necessidades
específicas.
RESENHA CRÍTICA COMO TRABALHO ACADÊMICO
Jacir L. Casagrande
A resenha crítica como trabalho acadêmico, provoca o
desencadeamento do processo da autêntica investigação no estudante de
graduação. É considerado por alguns metodólogos, como sendo um tipo
trabalho muito complexo para ser cobrado na graduação. No entanto, as
experiências práticas demonstram que se bem orientada, a resenha crítica,
produz um amadurecimento do acadêmico, ao iniciá-lo na verdadeira
pesquisa bibliográfica. Ela é também um tipo de trabalho que se o professor
definir o livro ou texto de referência, o acadêmico não vai encontrar pronto na
internet e nem vai poder simplesmente copiar de algum lugar. Recomenda-se
que o texto de referência seja um texto científico e que não tenha menos de
20 páginas, para não impor maiores dificuldades aos acadêmicos. É muito
mais difícil fazer um boa resenha de um texto pequeno ou ruim, sem
consistência ou densidade na abordagem do assunto.
Resenha é uma síntese descritiva e crítica do conteúdo de uma
obra. Na elaboração de uma resenha bibliográfica há necessidade de que o
autor tenha conhecimento do assunto, além de criticidade. Possui papel
importante na formação científica de todo estudante e dos especialistas
(Marcantonio, 1996, p. 72)
Seguindo as orientações da ABNT, através da NBR 6028, que
denominou a resenha de resumo crítico, Andrade (1997, p. 60-61), apresenta
a resenha:
como um tipo de resumo crítico mais abrangente, que permite
comentários e opiniões; um tipo de trabalho mais complexo, que
exige conhecimento do assunto, para estabelecer comparação com
outras obras da mesma área e maturidade intelectual para fazer
avaliação e emitir juízos de valor.
Para Andrade (1997), a resenha é um instrumento útil para quem
redige, pois além da capacidade de síntese, tem que demonstrar
conhecimento do assunto e de outras obras a ele referentes, capacidade de
crítica, de interpretação e de formulação de juízos de valor.
Segundo Salomon (1977, p.168), a elaboração de resenhas, “não
só é importante, mas imprescindível para desenvolver a mentalidade
científica, constituíndo-se no primeiro passo para introduzir o iniciante na
pesquisa e na elaboração de trabalhos monográficos”.
Severino (1985, p.181) também confirma esta perspectiva ao
afirmar que: “a elaboração de resenhas concretiza o desejo de os estudantes
contribuírem às revistas especializadas de sua área, e uma efetiva maneira
de se iniciar no campo das publicações”.
Para Lakatos e Marconi (1996, p. 243), “a resenha crítica consiste
na leitura, no resumo, na crítica e na formulação de um conceito de valor do
livro feitos pelo resenhista”.
Para Salvador (1979, p.139) a elaboração de uma resenha crítica
exige alguns requisitos básicos: “a) conhecimento completo da obra; b)
competência na matéria; c) capacidade de juizo de valor; d) independência
de juízo; e) correção e urbanidade; f) fidelidade ao pensamento do autor”.
A resenha crítica como trabalho acadêmico deve apresentar a
seguinte estrutura:
CAPA: distribuir os dados conforme orientações metodológicas da UNISUL.
FOLHA DE ROSTO: distribuir os dados conforme orientações metodológicas
da UNISUL.
SUMÁRIO: seguir as orientações metodológicas da UNISUL
1 INTRODUÇÃO
O assunto deve ser apresentado no primeiro parágrafo, partindo de
algumas considerações mais genéricas até chegar ao ponto em que será
dada maior ênfase. A seguir, o autor deve demonstrar a importância da
abordagem, os objetivos, método ou caminho de sua abordagem, para
despertar o interesse do leitor. Também deve ser apresentado na introdução
o livro o texto de referência indicado para a resenha crítica, bem como, os
autores que serão utilizados como apoio na análise.
2 APRESENTAÇÃO DAS IDÉIAS DO TEXTO
O acadêmico deve apresentar as idéias principais e secundárias,
discutidas pelo autor, no livro, capítulo ou artigo indicado. Para atingir tal
propósito, naturalmente o acadêmico deverá considerar todos os
procedimentos recomendados para se fazer um bom resumo, como: manter
uma atitude permanentemente crítica e reflexiva com relação ao que está
lendo, manter a fidelidade ao texto original e ao redigir, usar frases breves,
diretas e objetivas. Havendo necessidade, pode-se fazer transcrições literais
colocando-as entre aspas, seguidas do número da página entre parênteses.
Recomenda-se não seguir as subdivisões do texto original. As idéias
principais podem ser apresentadas num único bloco, porém, encadeadas em
uma seqüência lógica. (Galliano, 1986).
3 APRECIAÇÃO CRÍTICA
A partir da compreensão objetiva da mensagem comunicada pelo
livro, capítulo ou artigo indicado, o acadêmico deverá tomar posição própria
em relação as idéias apresentadas, numa tentativa de superar a estrita
mensagem transmitida pelo autor do texto, explorar as idéias expostas,
dialogar com o autor concordando ou discordando. Levar em consideração a
validade ou aplicabilidade das idéias expostas pelo autor do texto.
Segundo Galliano (1986), para que a resenha crítica esteja
fundamentada, é preciso considerar a opinião de outros autores que
trabalham com a temática abordada, em outros livros, artigos de periódicos,
revistas e jornais. Também pode ser considerada a experiência profissional, a
visão de mundo, o momento histórico vivido pelo resenhista.
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Para a elaboração das considerações finais deve-se levar em conta
os objetivos propostos, apontando as principais reflexões apresentadas no
decorrer do trabalho. O acadêmico expõe claramente seu ponto de vista mais
marcante na apreciação crítica.
5 REFERÊNCIAS
Nas referências bibliográficas devem aparecer todas as obras
consultadas para a produção da resenha crítica, seguindo as orientações da
ABNT.
6 ANEXOS
Quando o texto de referência para a resenha crítica for de escolha
livre dos acadêmicos, este texto deve ser colocado em anexo. Quando o
texto for definido pelo professor da disciplina, não há necessidade de
colocá-lo em anexo, por ser conhecido por todos (professor e
acadêmicos).
REFERÊNCIAS
ALVES, R. Filosofia da ciências. São Paulo: Brasiliense, 1985.
ANDRADE, Maria M. de. Introdução à Metodologia do trabalho científico. 2a
ed. São
Paulo: Atlas, 1997.
BARROS, A.J.P. e LEHFELD, Neide A. S. Fundamentos de Metodologia. São Paulo:
McGraw-Hill, 1986.
CERVO, A. L. e BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. 3a
. Ed. São Paulo: McGraw-
Hill, 1983.
GALLIANO, A. Guilherme. O Método Científico: teoria e prática. São Paulo: Harper,
1979.
LAKATOS, Eva Ma
. e MARCONI, Marina de Andrade. Técnicas de Pesquisa. São Paulo:
Atlas, 1982.
LUCKESI, Cipriano et. al. Fazer Universidade: uma proposta metodológica. São Paulo:
Cortez, 1984.
KÖCHE, José C. Fundamentos de Metodologia Científica. 12a
. Ed. Amp. Porto Alegre:
Vozes, 1988.
MARCANTONIO, Antonia T.: DOS SANTOS, Martha M. e LEHFELD, Neide A. de S.
Elaboração e divulgação do trabalho científico. São Paulo, Atlas 1996.
MEDEIROS, João Bosco. Redação Científica: a prática de fichamentos, resumos,
resenhas. São Paulo: Atlas, 1997.
OLIVEIRA, Silvio L. Tratado de Metodologia Científica. São Paulo: Pioneira, 1997.
SEVERINO, Antônio J. Metodologia da Trabalho Científico. 19a
. Ed. São Paulo:
Cortez, 1993.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Cleidilene Lima
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
José Antonio Ferreira da Silva
 
Carta de-intencao-modelo
Carta de-intencao-modeloCarta de-intencao-modelo
Carta de-intencao-modelo
Ezinalva Lima
 
Bazzo, walter a. introducao aos-estudos_cts, 2003
Bazzo, walter a.   introducao aos-estudos_cts, 2003Bazzo, walter a.   introducao aos-estudos_cts, 2003
Bazzo, walter a. introducao aos-estudos_cts, 2003
Jessica Leite
 
Modelo para-requerimento
Modelo para-requerimentoModelo para-requerimento
Modelo para-requerimento
Marcus Antonio
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
Felipe Leo
 
Trabalho de estatística
Trabalho de estatísticaTrabalho de estatística
Trabalho de estatística
1721lab
 
Modelo de procuração para advogado
Modelo de procuração para advogadoModelo de procuração para advogado
Modelo de procuração para advogado
Hugo Almeida
 
2 microec isg_ 2013_2014_parte ii_cap 3 a 5
2 microec isg_ 2013_2014_parte ii_cap 3 a 52 microec isg_ 2013_2014_parte ii_cap 3 a 5
2 microec isg_ 2013_2014_parte ii_cap 3 a 5
Pedro Miguel Santos
 
SPSS – Tutorial para Iniciantes
SPSS – Tutorial para IniciantesSPSS – Tutorial para Iniciantes
SPSS – Tutorial para Iniciantes
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
A capa de um trabalho escolar
A capa de um trabalho escolarA capa de um trabalho escolar
A capa de um trabalho escolar
Elizete Lopes
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaio
Adriele Leal
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
Luciano Pires
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
taise_paz
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 
Exemplo de um artigo cientifico
Exemplo de um artigo cientificoExemplo de um artigo cientifico
Exemplo de um artigo cientifico
Helenilson Silveira
 
Como elaborar uma recensão critica (4)
Como elaborar uma recensão critica (4)Como elaborar uma recensão critica (4)
Como elaborar uma recensão critica (4)
010693
 
Artigo cientifico (como fazer)
Artigo cientifico (como fazer)Artigo cientifico (como fazer)
Artigo cientifico (como fazer)
Fernanda Câmara
 
Modelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fimModelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fim
renataiatsunik
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
Luciano Pires
 

Mais procurados (20)

Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
Exemplo de um artigo cientifico ( modelo paper)
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
 
Carta de-intencao-modelo
Carta de-intencao-modeloCarta de-intencao-modelo
Carta de-intencao-modelo
 
Bazzo, walter a. introducao aos-estudos_cts, 2003
Bazzo, walter a.   introducao aos-estudos_cts, 2003Bazzo, walter a.   introducao aos-estudos_cts, 2003
Bazzo, walter a. introducao aos-estudos_cts, 2003
 
Modelo para-requerimento
Modelo para-requerimentoModelo para-requerimento
Modelo para-requerimento
 
Economia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisãoEconomia – exercícios de revisão
Economia – exercícios de revisão
 
Trabalho de estatística
Trabalho de estatísticaTrabalho de estatística
Trabalho de estatística
 
Modelo de procuração para advogado
Modelo de procuração para advogadoModelo de procuração para advogado
Modelo de procuração para advogado
 
2 microec isg_ 2013_2014_parte ii_cap 3 a 5
2 microec isg_ 2013_2014_parte ii_cap 3 a 52 microec isg_ 2013_2014_parte ii_cap 3 a 5
2 microec isg_ 2013_2014_parte ii_cap 3 a 5
 
SPSS – Tutorial para Iniciantes
SPSS – Tutorial para IniciantesSPSS – Tutorial para Iniciantes
SPSS – Tutorial para Iniciantes
 
A capa de um trabalho escolar
A capa de um trabalho escolarA capa de um trabalho escolar
A capa de um trabalho escolar
 
Estrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaioEstrutura+do+ensaio
Estrutura+do+ensaio
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 
Exemplo de um artigo cientifico
Exemplo de um artigo cientificoExemplo de um artigo cientifico
Exemplo de um artigo cientifico
 
Como elaborar uma recensão critica (4)
Como elaborar uma recensão critica (4)Como elaborar uma recensão critica (4)
Como elaborar uma recensão critica (4)
 
Artigo cientifico (como fazer)
Artigo cientifico (como fazer)Artigo cientifico (como fazer)
Artigo cientifico (como fazer)
 
Modelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fimModelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fim
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
 

Destaque

Paper TRABALHO DE GRADUAÇÃO
Paper TRABALHO DE GRADUAÇÃOPaper TRABALHO DE GRADUAÇÃO
Paper TRABALHO DE GRADUAÇÃO
Polliane Almeida
 
Noções para desenvolvimento artigo analítico
Noções para desenvolvimento artigo analíticoNoções para desenvolvimento artigo analítico
Noções para desenvolvimento artigo analítico
Guilherme Carvalho
 
Fazer, escrever ou elaborar paper ou artigo tecnico
Fazer, escrever ou elaborar paper ou artigo tecnicoFazer, escrever ou elaborar paper ou artigo tecnico
Fazer, escrever ou elaborar paper ou artigo tecnico
Dionísio Carmo-Neto
 
Usabilidade com Paper Prototype
Usabilidade com Paper PrototypeUsabilidade com Paper Prototype
Usabilidade com Paper Prototype
eudisnet
 
Padrões de design orientado a objetos
Padrões de design orientado a objetosPadrões de design orientado a objetos
Padrões de design orientado a objetos
Glauco Vinicius Argentino de Oliveira
 
Resenha
ResenhaResenha
Resenha
Lxa Alx
 
Conhecimento impírico e senso comum
Conhecimento impírico e senso comumConhecimento impírico e senso comum
Conhecimento impírico e senso comum
Miih Bianca
 
Paper
PaperPaper
Resenha do Livro: História & Ensino de História. Por: Silvânio Paulo de Barce...
Resenha do Livro: História & Ensino de História. Por: Silvânio Paulo de Barce...Resenha do Livro: História & Ensino de História. Por: Silvânio Paulo de Barce...
Resenha do Livro: História & Ensino de História. Por: Silvânio Paulo de Barce...
guest750a1ab
 
7 como elaborar um poster
7   como elaborar um poster7   como elaborar um poster
7 como elaborar um poster
Biblioteca Amares
 
04 resumo,resenha,fichamento
04 resumo,resenha,fichamento04 resumo,resenha,fichamento
04 resumo,resenha,fichamento
Joao Balbi
 
Aula 3 revisão de literatura e metodologia
Aula 3 revisão de literatura e metodologiaAula 3 revisão de literatura e metodologia
Aula 3 revisão de literatura e metodologia
bioalvarenga
 
Tipos de trabalhos acadêmicos
Tipos de trabalhos acadêmicosTipos de trabalhos acadêmicos
Tipos de trabalhos acadêmicos
Ana Paula Sloboda Hauck
 
Normas Para O Resumo Simples
Normas Para O Resumo SimplesNormas Para O Resumo Simples
Normas Para O Resumo Simples
Simposio de Cooperacao Binacional
 
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento verdades, mentiras e p...
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento   verdades, mentiras e p...Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento   verdades, mentiras e p...
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento verdades, mentiras e p...
Angela Albarello Tolfo
 
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Klicia Mendonca
 
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTModelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Rosineia Oliveira dos Santos
 

Destaque (17)

Paper TRABALHO DE GRADUAÇÃO
Paper TRABALHO DE GRADUAÇÃOPaper TRABALHO DE GRADUAÇÃO
Paper TRABALHO DE GRADUAÇÃO
 
Noções para desenvolvimento artigo analítico
Noções para desenvolvimento artigo analíticoNoções para desenvolvimento artigo analítico
Noções para desenvolvimento artigo analítico
 
Fazer, escrever ou elaborar paper ou artigo tecnico
Fazer, escrever ou elaborar paper ou artigo tecnicoFazer, escrever ou elaborar paper ou artigo tecnico
Fazer, escrever ou elaborar paper ou artigo tecnico
 
Usabilidade com Paper Prototype
Usabilidade com Paper PrototypeUsabilidade com Paper Prototype
Usabilidade com Paper Prototype
 
Padrões de design orientado a objetos
Padrões de design orientado a objetosPadrões de design orientado a objetos
Padrões de design orientado a objetos
 
Resenha
ResenhaResenha
Resenha
 
Conhecimento impírico e senso comum
Conhecimento impírico e senso comumConhecimento impírico e senso comum
Conhecimento impírico e senso comum
 
Paper
PaperPaper
Paper
 
Resenha do Livro: História & Ensino de História. Por: Silvânio Paulo de Barce...
Resenha do Livro: História & Ensino de História. Por: Silvânio Paulo de Barce...Resenha do Livro: História & Ensino de História. Por: Silvânio Paulo de Barce...
Resenha do Livro: História & Ensino de História. Por: Silvânio Paulo de Barce...
 
7 como elaborar um poster
7   como elaborar um poster7   como elaborar um poster
7 como elaborar um poster
 
04 resumo,resenha,fichamento
04 resumo,resenha,fichamento04 resumo,resenha,fichamento
04 resumo,resenha,fichamento
 
Aula 3 revisão de literatura e metodologia
Aula 3 revisão de literatura e metodologiaAula 3 revisão de literatura e metodologia
Aula 3 revisão de literatura e metodologia
 
Tipos de trabalhos acadêmicos
Tipos de trabalhos acadêmicosTipos de trabalhos acadêmicos
Tipos de trabalhos acadêmicos
 
Normas Para O Resumo Simples
Normas Para O Resumo SimplesNormas Para O Resumo Simples
Normas Para O Resumo Simples
 
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento verdades, mentiras e p...
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento   verdades, mentiras e p...Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento   verdades, mentiras e p...
Resenha crítica sobre o livro a arte do planejamento verdades, mentiras e p...
 
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa Experimental e Pesquisa...
 
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTModelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
 

Semelhante a Definição de Paper

RESENHA Do artesanato intelectual
RESENHA Do artesanato intelectualRESENHA Do artesanato intelectual
RESENHA Do artesanato intelectual
Hemily Sued
 
Manual do tcc 2010
Manual do tcc 2010Manual do tcc 2010
Manual do tcc 2010
Eduardo Natario
 
ReferêNcias Para A ElaboraçãO De Um Artigo De Pesquisa
ReferêNcias Para A ElaboraçãO De Um Artigo De PesquisaReferêNcias Para A ElaboraçãO De Um Artigo De Pesquisa
ReferêNcias Para A ElaboraçãO De Um Artigo De Pesquisa
joao jose saraiva da fonseca
 
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UABApresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Renata Aquino
 
Artigos cientificos
Artigos cientificosArtigos cientificos
Artigos cientificos
Robson Peixoto
 
Redação do texto científico i
Redação do texto científico iRedação do texto científico i
Redação do texto científico i
Paola Barbosa Dias
 
Manual do TCC 2011 - 1
Manual do TCC 2011 - 1Manual do TCC 2011 - 1
Manual do TCC 2011 - 1
Eduardo Natario
 
APRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptx
APRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptxAPRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptx
APRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptx
EugrencioJooMaposse
 
Metodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa Rossinholi
Metodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa RossinholiMetodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa Rossinholi
Metodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa Rossinholi
ETEC Monsenhor Antonio Magliano
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
FSCCarvalho
 
Como escrever texto_científico
Como escrever texto_científicoComo escrever texto_científico
Como escrever texto_científico
matemagico10lula
 
Ementario - Técnicas de Leitura e Normas da ABNT.pdf
Ementario - Técnicas de Leitura e Normas da ABNT.pdfEmentario - Técnicas de Leitura e Normas da ABNT.pdf
Ementario - Técnicas de Leitura e Normas da ABNT.pdf
Wesley De Lai Cruz
 
Artigo Científico - Passo a Passo.pdf
Artigo Científico - Passo a Passo.pdfArtigo Científico - Passo a Passo.pdf
Artigo Científico - Passo a Passo.pdf
IsaacBruno8
 
Metodologia científica 2
Metodologia científica 2Metodologia científica 2
Metodologia científica 2
Aldenei Barros
 
Aula 21 de março 04 andreucci
Aula 21 de março 04 andreucciAula 21 de março 04 andreucci
Aula 21 de março 04 andreucci
Ronilson de Souza Luiz
 
P2 noite
P2 noiteP2 noite
Aula 9 e 10
Aula 9 e 10Aula 9 e 10
Modelo de projeto
Modelo de projetoModelo de projeto
Modelo de projeto
FLAVIA TEIXEIRA
 
Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas
Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanasConvite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas
Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas
Liliane Barros
 
Convite a pesquisa em Filosofia e Ciencias Humanas: Orientações básicas para ...
Convite a pesquisa em Filosofia e Ciencias Humanas: Orientações básicas para ...Convite a pesquisa em Filosofia e Ciencias Humanas: Orientações básicas para ...
Convite a pesquisa em Filosofia e Ciencias Humanas: Orientações básicas para ...
Alessandra Teixeira
 

Semelhante a Definição de Paper (20)

RESENHA Do artesanato intelectual
RESENHA Do artesanato intelectualRESENHA Do artesanato intelectual
RESENHA Do artesanato intelectual
 
Manual do tcc 2010
Manual do tcc 2010Manual do tcc 2010
Manual do tcc 2010
 
ReferêNcias Para A ElaboraçãO De Um Artigo De Pesquisa
ReferêNcias Para A ElaboraçãO De Um Artigo De PesquisaReferêNcias Para A ElaboraçãO De Um Artigo De Pesquisa
ReferêNcias Para A ElaboraçãO De Um Artigo De Pesquisa
 
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UABApresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
 
Artigos cientificos
Artigos cientificosArtigos cientificos
Artigos cientificos
 
Redação do texto científico i
Redação do texto científico iRedação do texto científico i
Redação do texto científico i
 
Manual do TCC 2011 - 1
Manual do TCC 2011 - 1Manual do TCC 2011 - 1
Manual do TCC 2011 - 1
 
APRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptx
APRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptxAPRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptx
APRESENTACAO ARTIGOS CIENTIFICOS VERSAO FINAL.pptx
 
Metodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa Rossinholi
Metodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa RossinholiMetodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa Rossinholi
Metodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa Rossinholi
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
 
Como escrever texto_científico
Como escrever texto_científicoComo escrever texto_científico
Como escrever texto_científico
 
Ementario - Técnicas de Leitura e Normas da ABNT.pdf
Ementario - Técnicas de Leitura e Normas da ABNT.pdfEmentario - Técnicas de Leitura e Normas da ABNT.pdf
Ementario - Técnicas de Leitura e Normas da ABNT.pdf
 
Artigo Científico - Passo a Passo.pdf
Artigo Científico - Passo a Passo.pdfArtigo Científico - Passo a Passo.pdf
Artigo Científico - Passo a Passo.pdf
 
Metodologia científica 2
Metodologia científica 2Metodologia científica 2
Metodologia científica 2
 
Aula 21 de março 04 andreucci
Aula 21 de março 04 andreucciAula 21 de março 04 andreucci
Aula 21 de março 04 andreucci
 
P2 noite
P2 noiteP2 noite
P2 noite
 
Aula 9 e 10
Aula 9 e 10Aula 9 e 10
Aula 9 e 10
 
Modelo de projeto
Modelo de projetoModelo de projeto
Modelo de projeto
 
Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas
Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanasConvite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas
Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas
 
Convite a pesquisa em Filosofia e Ciencias Humanas: Orientações básicas para ...
Convite a pesquisa em Filosofia e Ciencias Humanas: Orientações básicas para ...Convite a pesquisa em Filosofia e Ciencias Humanas: Orientações básicas para ...
Convite a pesquisa em Filosofia e Ciencias Humanas: Orientações básicas para ...
 

Definição de Paper

  • 1. PAPER Jacir L. Casagrande O paper caracteriza-se principalmente pela originalidade, ou seja, as reflexões devem ser do autor do paper. Segundo Medeiros (1997), se o autor apenas compilou informações sem fazer avaliações ou interpretações sobre elas, o produto do seu trabalho será um relatório e não um paper. Espera-se de quem o escreve uma avaliação e/ou interpretação dos fatos ou das informações que foram recolhidas, ou seja, o desenvolvimento sintético de um ponto de vista acerca de um tema, de uma realidade observada, de um texto. É uma tomada de posição definida e a expressão dos conhecimentos de forma original. Para elucidar melhor o conceito de paper, vale lembrar o que ele não é: O paper não é: a) um resumo de um artigo ou livro (ou outra fonte); b) idéias de outras pessoas, repetidas não criticamente; c) uma série de citações, não importa se habilmente postas juntas: d) opinião pessoal evidenciada, não demonstrada; e) cópia do trabalho de outra pessoa sem reconhecê-la, quer o trabalho seja ou não publicado, profissional ou amador: isto é plágio (ROTH apud MEDEIROS, 1997, p. 187). A realidade e a educação atual não podem aceitar aquele aluno que simplesmente decora textos para tirar boas notas e que simplesmente reúne um amontoado de idéias de outros autores e apresenta isso como se fosse seu. Hoje, exige-se que um aluno saiba ler e interpretar, que questione e se posicione diante da realidade e do que é dito, apresentando suas próprias idéias. Isso é sinal de maturidade intelectual. Através do paper, o educando desenvolve sua capacidade de reflexão e criatividade diante do que está escrito (livro, artigo, revista, jornal...), diante do que é apresentado (palestra, congresso, seminário, curso...) e também diante do que pode ser observado numa realidade (empresa, projeto, entidade, viagem de estudos...). É uma reflexão original, em que o educando deixa de ser um receptor passivo e passa a ser um sujeito crítico e ativo na construção de novos conhecimentos. Paper é uma "posição", do autor, mas é também o
  • 2. posicionamento de outros autores sobre o assunto. Por isso, pode exigir, a pesquisa de estudos já efetuados por outros autores. Trata-se de um tipo de trabalho pequeno, conciso. Pode tratar de um problema, um tema, uma questão, uma situação e/ou abordar apenas uma parte de um texto ou realidade observada. A decisão sobre qual ponto específico a abordar, pode ser definido pelo professor ou pelo próprio aluno. Deve ficar evidente, que o fato do paper ter uma abrangência menor em termos de conteúdo, não significa dizer que o conteúdo deva ser abordado com menos profundidade. A delimitação do tema propicia o aprofundamento do conteúdo. Quantas páginas deve ter o paper? O mais usado é o paper de duas páginas. Na verdade o tamanho ou quantidade de páginas pode ser definido pelo professor, considerando a demanda ou necessidade do conteúdo a ser trabalhado A estrutura do paper: 1 Dados de identificação 2 Introdução: é o 1º parágrafo, onde deve aparecer o objetivo, delimitação ou objeto específico de reflexão. 3 Desenvolvimento: deve aparecer de forma clara, o posicionamento, avaliação ou questionamento do autor em relação ao ponto específico que foi abordado. 4 Conclusão: é último parágrafo, a síntese concisa das principais idéias defendidas no desenvolvimento do trabalho. 5 Referências: textos, obras, materiais consultados.
  • 3. PAPER UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO: DISCIPLINA: CIÊNCIA E PESQUISA PROFESSOR : JACIR L. CASAGRANDE ALUNO: APRENDIZAGEM EM GRUPO Neste paper pretendemos destacar a importância da aprendizagem em grupo para as empresas que, através de um planejamento estratégico objetivam colocar-se a frente das concorrentes na virada deste século. As idéias que aprensentamos seguem o pensamento de Senge em sua obra A Quinta Disciplina. É importante perceber que uma equipe se torna mais eficiente, quando consegue canalizar as energias individuais, criando-se uma sinergia na direção da concretização dos objetivos comuns, que se tornam uma extensão dos objetivos individuais. O aprendizado em grupo torna-se fundamental para o sucesso da organização quando considerado como um processo de alinhamento e desenvolvimento da capacidade de um grupo criar os resultados desejados, o que implica na criação de um objetivo comum e também do domínio pessoal. Neste sentido, como bem coloca Senge, o aprendizado individual, até certo ponto torna-se irrelevante para o aprendizado organizacional. No entanto, quando grupos aprendem em conjunto, tornam-se microcosmos de aprendizado para a organização inteira, onde as realizações do grupo podem determinar um padrão de aprendizado para toda a organização. O aprendizado pode ser considerado como de pouca valia para a organização se o grupo não aprender a canalizar o potencial de muitas mentes, de maneira que a inteligência do conjunto seja maior que a individual. É de fundamental importância que cada membro tenha consciência de que faz parte de uma equipe e passe a agir de modo a complementar as ações dos outros integrantes. Senge coloca com muita propriedade que, a disciplina do aprendizado em grupo requer a prática do diálogo e da discussão. No diálogo, o grupo
  • 4. analisa questões complexas sob diferentes pontos de vista, comunicando suas idéias livremente. O resultado dos processos de comunicação permanente nas organizações, é uma análise livre que traz à tona a experiência e o modo de pensar das pessoas, sem precisar se ater a nenhuma opinião individual. É muito interessante a percepção de que através do diálogo as pessoas podem entender a incoerência de seu pensamento. O diálogo torna- se fundamental para ajudar as pessoas a verem a importância da natureza representativa e participativa do pensamento nas organizações, da construção coletiva do raciocínio. E uma das razões pelas quais o diálogo é tão importante para o sucesso das organizações está no fato de criar condições para descobrir o profundo sentido do aprendizado em grupo. O aprendizado em grupo através do diálogo, da participação, da discussão e enfim de todos os processos de comunicação dentro das organizações, não acontece de forma harmônica e pacífica. Concluímos com a visão do autor de que, as grandes equipes não são caracterizadas pela ausência de conflito, mas um dos indicadores mais seguros de que uma equipe vem aprendendo continuamente é a existência de conflito de idéias, pois ele é produtivo. O livre fluxo de idéias conflitantes é primordial para o raciocínio criativo, para a descoberta de novas soluções que ninguém conseguiria encontrar individualmente. SENGE, Peter M. A Quinta Disciplina: arte, teoria e prática da organização de aprendizagem 9a . ed.. São Paulo: Editora Best Seller, 1990, Cap. 12, pg. 211-235. APRESENTAÇÃO DE ARTIGOS EM PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS Jacir L. Casagrande Segundo a NBR 6022 de 08/1994, o artigo é um texto com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento.
  • 5. O artigo, apesar de sua dimensão reduzida, pode ser entendido como um trabalho completo. Segundo Köche (1997), o artigo é a apresentação sintética, dos resultados de investigação ou estudo realizados para resolver um problema ou questão. Para Salvador (1977, p.24), existem cinco razões para escrever artigos científicos: a) expor aspectos novos por nós descobertos, mediante o estudo e a pesquisa, a respeito de uma questão, ou de aspectos que julgamos terem sido tratados apenas superficialmente, ou soluções novas para questões conhecidas; b) expor de uma maneira nova uma questão já antiga; c) anunciar resultados de pesquisa, que será exposta futuramente em livro; d) desenvolver aspectos secundários de uma questão que não tiveram o devido tratamento em livro que foi editado ou que será editado; e) abordar assuntos controvertidos para os quais não houve tempo de preparar um livro. Os artigos publicados em periódicos, revistas, meios eletrônicos ou defendidos em eventos, são meios atualizados de informações e devem ser valorizados pelos acadêmicos e professores, como fontes de pesquisa privilegiada. A NBR 6022/1994, fixa recomendações a serem seguidas, para a publicação de um artigo, conforme estrutura: 1 Elementos pré-textuais: a) título: deve expressar o conteúdo do artigo b) autoria: nome(s) do(s) autor(es), acompanhado(s) de breve currículo que o(s) qualifique na área de conhecimento do artigo. O currículo, bem como o endereço para contato, eventuais agradecimentos do(s) autor(es) e a data de entrega dos originais à redação do periódico devem aparecer em rodapé na página de abertura ou como nota editorial no final do artigo. c) resumo: parágrafo que sintetiza os objetivos pretendidos, a metodologia e as conclusões alcançadas no artigo. Para a elaboração de resumos, ver NBR 6028/1990. d) palavras-chave: termos indicativos do conteúdo do artigo. 2Elementos textuais
  • 6. a) Texto: corpo do artigo estruturado em introdução, desenvolvimento e conclusão. No caso de divisão em seções, sua ordenação deve seguir o sistema de numeração progressiva (ver NBR 6024), com subtítulos de caráter informativo. A introdução apresenta o tema, a questão, o problema, a justificativa, a finalidade do artigo, bem como os indicativos da metodologia utilizada na pesquisa. O desenvolvimento trata da matéria de forma abrangente e objetiva.é a apresentação dos resultados do estudo. A conclusão destaca os resultados obtidos e pode abrir perspectivas para novas pesquisas. b)Elementos de apoio Notas, citações, tabelas, quadros, fórmulas e ilustrações, apresentados de acordo com a normatização correspondente em vigor. Sempre que possível, deve-se evitar o uso de notas de rodapé ou no final de texto e a separação de partes do texto em anexos e apêndices. c) Referencias: lista dos trabalhos citados no artigo (ver NBR 6023). 3 Elementos pós-textuais a) apêndice: texto escrito pelo autor e que complementa a argumentação principal do artigo. b) anexo: documento, nem sempre do autor do artigo, que serve de fundamentação, comprovação ou ilustração. c) tradução do resumo: apresentação do resumo, precedido do título, em língua diferente daquela em que o artigo está escrito ou seguindo determinações do conselho editorial ao qual o artigo será submetido. Apesar da normatização existente, é bom salientar que nem todas as revistas e periódicos seguem a mesma ordem dos elementos. Os conselhos editoriais podem modificar alguns itens atendendo a necessidades específicas.
  • 7. RESENHA CRÍTICA COMO TRABALHO ACADÊMICO Jacir L. Casagrande A resenha crítica como trabalho acadêmico, provoca o desencadeamento do processo da autêntica investigação no estudante de graduação. É considerado por alguns metodólogos, como sendo um tipo trabalho muito complexo para ser cobrado na graduação. No entanto, as experiências práticas demonstram que se bem orientada, a resenha crítica, produz um amadurecimento do acadêmico, ao iniciá-lo na verdadeira pesquisa bibliográfica. Ela é também um tipo de trabalho que se o professor definir o livro ou texto de referência, o acadêmico não vai encontrar pronto na internet e nem vai poder simplesmente copiar de algum lugar. Recomenda-se que o texto de referência seja um texto científico e que não tenha menos de 20 páginas, para não impor maiores dificuldades aos acadêmicos. É muito mais difícil fazer um boa resenha de um texto pequeno ou ruim, sem consistência ou densidade na abordagem do assunto. Resenha é uma síntese descritiva e crítica do conteúdo de uma obra. Na elaboração de uma resenha bibliográfica há necessidade de que o autor tenha conhecimento do assunto, além de criticidade. Possui papel importante na formação científica de todo estudante e dos especialistas (Marcantonio, 1996, p. 72) Seguindo as orientações da ABNT, através da NBR 6028, que denominou a resenha de resumo crítico, Andrade (1997, p. 60-61), apresenta a resenha: como um tipo de resumo crítico mais abrangente, que permite comentários e opiniões; um tipo de trabalho mais complexo, que exige conhecimento do assunto, para estabelecer comparação com outras obras da mesma área e maturidade intelectual para fazer avaliação e emitir juízos de valor. Para Andrade (1997), a resenha é um instrumento útil para quem redige, pois além da capacidade de síntese, tem que demonstrar conhecimento do assunto e de outras obras a ele referentes, capacidade de crítica, de interpretação e de formulação de juízos de valor. Segundo Salomon (1977, p.168), a elaboração de resenhas, “não só é importante, mas imprescindível para desenvolver a mentalidade
  • 8. científica, constituíndo-se no primeiro passo para introduzir o iniciante na pesquisa e na elaboração de trabalhos monográficos”. Severino (1985, p.181) também confirma esta perspectiva ao afirmar que: “a elaboração de resenhas concretiza o desejo de os estudantes contribuírem às revistas especializadas de sua área, e uma efetiva maneira de se iniciar no campo das publicações”. Para Lakatos e Marconi (1996, p. 243), “a resenha crítica consiste na leitura, no resumo, na crítica e na formulação de um conceito de valor do livro feitos pelo resenhista”. Para Salvador (1979, p.139) a elaboração de uma resenha crítica exige alguns requisitos básicos: “a) conhecimento completo da obra; b) competência na matéria; c) capacidade de juizo de valor; d) independência de juízo; e) correção e urbanidade; f) fidelidade ao pensamento do autor”. A resenha crítica como trabalho acadêmico deve apresentar a seguinte estrutura: CAPA: distribuir os dados conforme orientações metodológicas da UNISUL. FOLHA DE ROSTO: distribuir os dados conforme orientações metodológicas da UNISUL. SUMÁRIO: seguir as orientações metodológicas da UNISUL 1 INTRODUÇÃO O assunto deve ser apresentado no primeiro parágrafo, partindo de algumas considerações mais genéricas até chegar ao ponto em que será dada maior ênfase. A seguir, o autor deve demonstrar a importância da abordagem, os objetivos, método ou caminho de sua abordagem, para despertar o interesse do leitor. Também deve ser apresentado na introdução o livro o texto de referência indicado para a resenha crítica, bem como, os autores que serão utilizados como apoio na análise. 2 APRESENTAÇÃO DAS IDÉIAS DO TEXTO
  • 9. O acadêmico deve apresentar as idéias principais e secundárias, discutidas pelo autor, no livro, capítulo ou artigo indicado. Para atingir tal propósito, naturalmente o acadêmico deverá considerar todos os procedimentos recomendados para se fazer um bom resumo, como: manter uma atitude permanentemente crítica e reflexiva com relação ao que está lendo, manter a fidelidade ao texto original e ao redigir, usar frases breves, diretas e objetivas. Havendo necessidade, pode-se fazer transcrições literais colocando-as entre aspas, seguidas do número da página entre parênteses. Recomenda-se não seguir as subdivisões do texto original. As idéias principais podem ser apresentadas num único bloco, porém, encadeadas em uma seqüência lógica. (Galliano, 1986). 3 APRECIAÇÃO CRÍTICA A partir da compreensão objetiva da mensagem comunicada pelo livro, capítulo ou artigo indicado, o acadêmico deverá tomar posição própria em relação as idéias apresentadas, numa tentativa de superar a estrita mensagem transmitida pelo autor do texto, explorar as idéias expostas, dialogar com o autor concordando ou discordando. Levar em consideração a validade ou aplicabilidade das idéias expostas pelo autor do texto. Segundo Galliano (1986), para que a resenha crítica esteja fundamentada, é preciso considerar a opinião de outros autores que trabalham com a temática abordada, em outros livros, artigos de periódicos, revistas e jornais. Também pode ser considerada a experiência profissional, a visão de mundo, o momento histórico vivido pelo resenhista. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Para a elaboração das considerações finais deve-se levar em conta os objetivos propostos, apontando as principais reflexões apresentadas no decorrer do trabalho. O acadêmico expõe claramente seu ponto de vista mais marcante na apreciação crítica.
  • 10. 5 REFERÊNCIAS Nas referências bibliográficas devem aparecer todas as obras consultadas para a produção da resenha crítica, seguindo as orientações da ABNT. 6 ANEXOS Quando o texto de referência para a resenha crítica for de escolha livre dos acadêmicos, este texto deve ser colocado em anexo. Quando o texto for definido pelo professor da disciplina, não há necessidade de colocá-lo em anexo, por ser conhecido por todos (professor e acadêmicos). REFERÊNCIAS ALVES, R. Filosofia da ciências. São Paulo: Brasiliense, 1985. ANDRADE, Maria M. de. Introdução à Metodologia do trabalho científico. 2a ed. São Paulo: Atlas, 1997. BARROS, A.J.P. e LEHFELD, Neide A. S. Fundamentos de Metodologia. São Paulo: McGraw-Hill, 1986. CERVO, A. L. e BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. 3a . Ed. São Paulo: McGraw- Hill, 1983. GALLIANO, A. Guilherme. O Método Científico: teoria e prática. São Paulo: Harper, 1979. LAKATOS, Eva Ma . e MARCONI, Marina de Andrade. Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 1982. LUCKESI, Cipriano et. al. Fazer Universidade: uma proposta metodológica. São Paulo: Cortez, 1984. KÖCHE, José C. Fundamentos de Metodologia Científica. 12a . Ed. Amp. Porto Alegre: Vozes, 1988. MARCANTONIO, Antonia T.: DOS SANTOS, Martha M. e LEHFELD, Neide A. de S. Elaboração e divulgação do trabalho científico. São Paulo, Atlas 1996. MEDEIROS, João Bosco. Redação Científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. São Paulo: Atlas, 1997. OLIVEIRA, Silvio L. Tratado de Metodologia Científica. São Paulo: Pioneira, 1997. SEVERINO, Antônio J. Metodologia da Trabalho Científico. 19a . Ed. São Paulo: Cortez, 1993.