SlideShare uma empresa Scribd logo
. ⁄ . ⁄ . ●  ●  , º  ● -  169
Convite à pesquisa em Filosofia e Ciências Humanas:
Orientações básicas para a formulação de um projeto
  *
Resumo ● O texto faz um convite à pesquisa em filosofia e ciências humanas. Dirige-se àqueles que têm
desejo de saber e ainda não organizaram esse desejo de modo que possam satisfazê-lo porque, não têm
experiência em pesquisa. Sem pretender apresentar idéias novas, procura indicar os passos necessários para
aformulaçãodeumprojetodepesquisa,tomandocomopontodepartidaacuriosidadepessoaleoferecendo
ao principiante um“mapa para o tesouro”.Procura mostrar também que os aspectos formais deumprojeto
não precisam ser apenas normas burocráticas ou um peso: podem ser instrumentos para tornar possível e
prazerosa a aventura da pesquisa.
Palavras-chave ● iniciação científica, pesquisa, metolodogia.
Title ● An Invitation to Researching in Philosophy and Human Sciences: Basic orientations for the
Definition of a Project.
Abstract ● This paper makes an invitation to researching in Philosophy and Human Sciences. It aims at
those who wish to learn but have not organized this wish in order to satisfy it since they have no experience
in researching. We do not intend to present new ideas,but we tryto show the necessary steps towards the
definition of a research project leaving from personal curiosity,and offering a‘treasure map’. We also try
to show that the formal aspects of a given project do not have to be limited to bureaucratic rules or be an
obstacle: they can be tools to make the adventure of researching both possible and pleasant.
Keywords ● scientific initiation, research,methodology.
Data de recebimento: 09/02/2004.
Data de aceitação: 27/02/2004.
* Professor doutor do Programa de Pós-graduaçào e da
graduação em Filosofia da USJT.
E-mail: prof.heliogentil@usjt.br.
Formular um projeto de pesquisa não significa
enfrentar um bicho-de-sete-cabeças, como às vezes
parece para quem tem de fazê-lo pela primeira
vez. É, antes de mais nada,o início de uma pequena
aventura e, ao mesmo tempo, o desenvolvimento
de um exercício de aprendizagem1. O processo
todo pode ser tão prazeroso quanto a preparação
para uma festa e tão útil quanto uma boa viagem,
deixando belas – e úteis – lembranças, para o resto
da vida. Trata-se fundamentalmente de organizar-
se para responder a uma pergunta, para satisfazer
uma curiosidade, para descobrir algo que ainda
não se conhece. Qualquer que seja nossa área de
atuação profissional, muitos serão os momentos
em que nos depararemos com uma pergunta cuja
resposta ignoramos tanto quanto ela nos é neces-
sária. Como fazer para responder a ela? Eis o que
o exercício da formulação de um projeto de pes-
quisa e seu posterior desenvolvimento podem nos
ensinar.
A primeira condição para um bom projeto de
pesquisa é a formulação clara e precisa da pergun-
ta. Como se sabe, uma pergunta bem formulada
já é meio caminho andado para se conseguir res-
ponder a ela.Toda pergunta já traz em sua formu-
lação o encaminhamento da resposta. O que se
quer saber?O que precisamente quero saber?Qual é
a pergunta a que pretendo responder com meu traba-
lho de pesquisa? Não se trata, evidentemente, de
responder à pergunta na formulação do projeto,
mas no desenvolvimento posterior da pesquisa.
O projeto apresenta a pergunta, esclarece seu sen-
tido e sua importância teórica e/ou social, indica
os caminhos que se pretende seguir para alcançar
a resposta. Muitos principiantes enrolam-se aqui,
confundem-se entre fazer um projeto e fazer uma
pesquisa. O projeto é só a base para a pesquisa, a
plataforma de lançamento para o vôo.
Formular bem a pergunta que se quer res-
ponder com a pesquisa implica refletir sobre ela,
sobre seus termos, sobre as palavras usadas e sua
170   ● Convite à pesquisa
articulação. Muitas são as maneiras pelas quais se
pode perguntar a mesma coisa – aparentemente.
Na verdade, cada uma delas é uma pergunta dife-
rente.Uma boa maneira de começar a pensar sobre
a pergunta é fazer variações sobre ela, usando os
mesmos termos ou termos próximos. E listar as
perguntas relacionadas, aquelas que aparecem
mais ou menos próximas e às vezes até se confun-
dem com ela a um primeiro olhar.
Assim vai-se esclarecendo a rede de questõesque
se liga a ela,a“problemática” da qual ela faz parte2
– desenha-se o campo de interrogações no qual a
pergunta tem sentido e relevância. Nenhuma per-
gunta existe solta no ar. Pelo modo como é formu-
lada, pelos termos que usa, pelo olhar que lança
sobre a realidade ou pelo olhar sobre a realidade
a partir do qual é formulada, ela já se define
como relacionada a uma tradição de pensamento,
ela já pertence a uma certa linhagem teórica.
Muito do trabalho de conhecimento científico e
filosófico, se não todo ele, se faz nesse diálogo
desdobrado ao longo do tempo, nesse desenvol-
vimento de certa linha de pensamento, nesse se-
guir adiante do que já se sabe.
Todo o trabalho de investigação científica e
filosófica começa por deixar claro seu ponto de
partida. O que já sabemos abre caminho para o que
não sabemos, para a descoberta de algo que ainda
não sabemos. Quanto mais claro estiver esse pon-
to de partida, maiores são as chances de levar
adiante a investigação e produzir um conhecimen-
to novo. Trata-se de localizar bem o projeto no
campo de saber a que pertence, esclarecendo a que
linhagem teórica ele está filiado, esclarecendo a
partir de que referências se está pensando e formu-
lando a pergunta. Em termos mais específicos,
trata-se de definir com que outros trabalhos ou
autores se está dialogando.
Nesse ponto é que uma pesquisa bibliográfica
é indispensável. Faz parte de toda pesquisa, seja
ela empírica ou teórica. Trata-se de conhecer o
que já se escreveu sobre a problemática, que per-
guntas já foram feitas sobre o tema, de que ma-
neira elas foram feitas, que respostas foram dadas.
Não é possível, evidentemente, ler tudo o que já
se escreveu sobre determinada problemática, mas
deve-se procurar, dentro do material acessível e
do tempo disponível, entrar em contato com o
que de principal e mais importante existe já publi-
cado. Para definir isto é útil a orientação de um
profissional mais experiente na área, que ajude a
selecionar o material a ser lido. Na ausência desse
profissional, os bons manuais introdutórios e a
comparação das bibliografias finais das obras
disponíveis já oferecem boas indicações sobre o
que é importante ou não. O levantamento inicial
sobre uma dada problemática pode ser feito por
qualquer pessoa, em qualquer biblioteca ou ter-
minal de computador3. Lembre-se também dos
bibliotecários: são de muita ajuda, sempre.
Definida a bibliografia básica, passamos à lei-
tura. Prestar atenção à maneira como os autores
formularam suas perguntas é uma maneira de
descobrir como formular melhor a sua. Assim,
ao ler um texto importante dentro da problemá-
tica que interessa, cabe procurar entender:
a) Qual é a pergunta principal que o autor se
fez inicialmente?
b) Que caminho ele tomou para procurar
responder a ela?
c) Que respostas encontrou?
Essas perguntas também podem ser, em ter-
mos mais comuns no campo da filosofia, assim
formuladas:
a) Qual é o problema que o autor aborda?
b) Quais são suas teses sobre ele?
c) Que argumentos apresenta?
Identificados esses três pontos básicos – per-
gunta, caminho, resposta ou problema, teses, argu-
mentos –, pode-se perguntar o que ficou de fora,
destacar aquilo que o autor não levou em consi-
deração refletindo sobre o trabalho a partir de
nosso ponto de vista4:
a) Que aspectos da realidade não foram toca-
dos por suas perguntas e respostas?
b) Considerando a pergunta que ele mesmo
fez inicialmente, o que a resposta que ele
apresenta tem de satisfatório e o que tem
de insatisfatório?
. ⁄ . ⁄ . ●  ●  , º  ● -  171
c) Que outros caminhos eram possíveis para
responder àquela pergunta e ele não consi-
derou?
d) Que outras perguntas importantes podem
ser feitas em torno da problemática? Qual
é o valor relativo de cada uma delas?
Esse breve roteiro de perguntas serve para es-
tabelecer um diálogo sistemático e fecundo com os
textos, desenvolvendo uma compreensão mais sé-
ria e exata das pretensões e resultados alcançados
por outros pesquisadores. Seu exercício – ainda
que trabalhoso, principalmente para quem está
começando – traz a nós, leitores, uma base para a
formulação mais clara e precisa de nossa própria
pergunta.
É preciso mencionar aqui uma diferença que
quase sempre escapa aos iniciantes no trabalho
de pesquisa:a diferença entre o processo de inves-
tigação e o processo de apresentação do trabalho.
Ao entrar em contato com as obras – artigos ou
livros – em que os autores apresentam os resulta-
dos de suas investigações de forma ordenada, num
discurso logicamente encadeado, pode-se acre-
ditar que a pesquisa foi-se produzindo naquela
mesma ordem, com a mesma clara e transparente
concatenação lógica. É um equívoco. O trabalho
real de investigação, principalmente o de investi-
gação teórica, trabalho de pensamento, é cheio de
idasevindas,hesitações e confusões. É uma combi-
nação dinâmica de ordem e caos. Para se chegar a
uma formulação clara e ordenada de uma idéia,
para se chegar à apresentação lógica de argumen-
tos bem encadeados, há que se enfrentar e domi-
nar o caos – o caos das informações dispersas, das
formulações variadas, das intuições e relações
ainda pouco claras.
No processo real de investigação teórica – pró-
prio da filosofia, mas também presente de modo
inexorável em muitos momentos do trabalho de
qualquer ciência – as pistas às vezes são muitas,
tateia-se em muitas direções, reúne-se material
sem saber exatamente por quê, muitas vezes a
partir de uma intuição ainda vaga, sem se saber a
priori como todo aquele material disperso vai um
dia se ordenar, se é que o vai mesmo.As fichas de
leitura acumulam-se, as anotações multiplicam-se
em relativa desordem; as intuições articulam ou
simplesmente reúnem pedaços aqui e ali: eis o
trabalho de pesquisa em andamento. Embora se-
jam muito úteis, indispensáveis mesmo, as dife-
rentes formas de organização desse material e de
controle desse processo – Umberto Eco oferece
excelentes sugestões no livro indicado ao final –,
na prática o pesquisador beira o abismo do caos
quase o tempo todo, trabalhando duro e lutando
muito com e contra esse caos para chegar àquela
apresentação ordenada dos resultados de sua
pesquisa. Ele tem de aprender a suportar aquele
caos, se quer mesmo descobrir algo. Suportar as
perguntas não respondidas, suportar a ausência
de respostas, suportar a insatisfação com as res-
postas prontas e rápidas que acodem para tapar
o buraco – suportar o abismo do não saber. Para
isto é preciso rigor e precisão com o que se sabe,
com o que se formula. Daí o valor de organizar
bem as idéias, apresentá-las coerentemente e de
forma bem fundamentada.
Depois das leituras, dos fichamentos e anota-
ções exploratórias de suas idéias em confronto
com as idéias formuladas pelos autores conheci-
dos, vem o trabalho de apresentar de forma orde-
nada o que se tem. As idéias devem ser ordenadas,
não para simplesmente cumprir as exigências
burocráticas deste ou daquele regulamento ou
modelo, mas para se tornarem mais claras, inteli-
gíveis, transmissíveis e fecundas. Qualquer leitor
interessado na problemática em questão deve ser
capaz de acompanhar o raciocínio apresentado,
compreender seus fundamentos, seus argumentos
e suas conclusões, entendendo de onde se partiu e
aonde se chegou. Isto é importante não só para
os outros: ajuda o pesquisador a organizar suas
próprias idéias, tomando posse delas, esclare-
cendo onde está, tornando nítido o que já tem e o
que ainda falta. É isso o que se procura fazer ini-
cialmente com a elaboração do projeto de pesquisa:
mapeia-se o terreno, delimita-se o território já
conhecido e prepara-se o avanço pelo desconheci-
do, sustentando e tornando proveitoso o caminhar
a partir dessa base. Fazer isso periodicamente ao
longo do trabalho também é muito útil.
Embora varie um pouco a lista dos tópicos
pedidos por diferentes instituições e agências
172   ● Convite à pesquisa
financiadoras, geralmente o esquema básico de um
projeto divide-se nas seguintes partes: Introdução,
Justificativa, Objetivos, Metodologia, Cronograma
e Bibliografia.
A Introdução apresenta o problema que se pre-
tende investigar, situando-o no campo que lhe é
próprio e definindo a perspectiva teórica com que
vai ser tratado. Isso se faz com o que muitas vezes
se chama de “revisão de literatura” ou “revisão
bibliográfica” – há uma apresentação muito boa
da função que esta cumpre em qualquer pesquisa
no livro de Sergio Luna indicado adiante. Espera-
se que aqui o pesquisador demonstre saber em
que campo está entrando, de que jogo está partici-
pando. Ele faz isso apresentando e comentando os
autores e obras que fazem parte do campo e que
trataram do problema, mostrando sua proximi-
dade e sua distância em relação ao que eles pensam
e/ou já descobriram. Demonstra com isso o com-
promisso do projeto com o processo coletivo de
produção de conhecimento e o localiza com pre-
cisão, vinculando-o a uma determinada perspec-
tiva teórica, mostrando os autores e trabalhos
com os quais está dialogando.
Em termos esquemáticos podemos dizer que
uma introdução deve apresentar da forma mais
clara possível uma resposta às seguintes perguntas:
a) Qual é o tema ou assunto que lhe interessa
pensar? Com que problemática você se
preocupa aqui?
b) Que autores trabalharam sobre ela?
c) De que perspectiva? A partir de que ponto
de vista?
d) Em que obras?
e) Com que resultados?
f) A partir desses resultados, que problemas
permanecem? Que problemas não foram
resolvidos pelos trabalhos já feitos (apre-
sentados em d)? Que perguntas não foram
respondidas por eles? Que perguntas ain-
da podem ser feitas?
g) Entre estas perguntas, qual é aquela a que
você pretende responder com seu trabalho?
Qual é, entre todos os problemas que com-
põem a problemática, o problema especí-
fico que você pretende investigar?
h) O que você pretende fazer para responder
à pergunta específica que você escolheu? (a
resposta aqui já aponta para a metodolo-
gia, a ser especificada adiante; aqui se faz
só uma indicação muito geral, para marcar
a pretensão do projeto).
Uma vez assim localizada a pesquisa que se
pretende fazer, o próximo passo é esclarecer a
importância de sua realização, demonstrar a sua
relevância, tanto científica quanto social, mos-
trando o que ela vem acrescentar ao que já se sabe,
a contribuição que se pretende trazer com ela para
o saber deste campo e a utilidade que esta contri-
buição pode ter. Trata-se do que geralmente se
chama de Justificativa. Por que se deve investir
tempo, trabalho e, muitas vezes, dinheiro, nessa
pesquisa? O que justifica isso? Eis o que é preciso
responder nesse tópico. Em outros termos, deve-
se deixar claro:
a) Qual o valor dessa investigação proposta?
b) Qual o valor de responder à pergunta que
seu trabalho pretende responder?
c) O que sua investigação pretende acrescen-
tar ao que já se sabe?
d) De que modo os resultados de sua pesquisa
contribuirão para o campo de estudos
escolhido?
e) Qual será a utilidade desse resultado?
A descrição dosObjetivos vem a seguir. Quanto
mais precisas a definição e a apresentação dos obje-
tivos, mais claro fica o projeto e mais bem dire-
cionada fica a pesquisa. O que se pretende alcançar
com a realização dessa pesquisa, no que se refere
de conhecimento? Que conhecimento pretende-se
produzir? Os objetivos devem ser definidos tendo
em vista essas perguntas, e devem ser formulados
como metas a serem alcançadas. É interessante
distinguir o objetivo geral dos objetivos específicos,
sendo estes últimos aqueles que, uma vez realiza-
dos, levam à realização do objetivo geral.
Há uma boa síntese dos diferentes tipos de
objetivos possíveis para uma pesquisa no livro
de Sergio Luna referido adiante e há bons exem-
plos práticos no já indicado livrode Umberto Eco.
. ⁄ . ⁄ . ●  ●  , º  ● -  173
Na filosofia podem ser definidos, por exemplo,
como:
a) conceitos a serem esclarecidos,
b) relações a serem estabelecidas
(entre autores, conceitos, argumentos,
obras etc.),
c) fundamentos e argumentos a serem exami-
nados,
d) conclusões e/ou implicações a serem tiradas
(implicações de uma idéia, de um argu-
mento, de um conceito, de uma linha de
raciocínio etc.).
Com esses objetivos bem estabelecidos, pode-
se definir e apresentar o caminho que se pretende
percorrer para alcançá-los. A apresentação desse
caminho é geralmente chamada de Metodologia,
e inclui a definição dos recursos que se pretende
utilizar e do trabalho que se pretende fazer para
atingir aquelas metas estabelecidas como objeti-
vos da pesquisa.
Em filosofia, embora se fale muitas vezes em
diferentes “métodos” – tais como o “dialético”, o
“hermenêutico” ou o “estruturalista”, por exemplo
–, de modo geral aceita-se que a metodologia de
pesquisa define-se basicamente pela leitura e a
reflexão, incluindo o levantamento bibliográfico
e a seleção da bibliografia pertinente como ativi-
dades indispensáveis.
Por fim, é necessário fazer o planejamento do
trabalho ao longo do tempo disponível, conside-
rando-se o tempo real que se pretende dedicar ao
trabalho.
Constrói-se então um Cronograma, no qual
as atividades programadas são distribuídas num
esquema visualmente nítido e claro, acessível a
um simples olhar.
Trata-se de um instrumento indispensável, não
só para o acompanhamento externo do desenvol-
vimento do trabalho, mas tambémpara o próprio
pesquisador. Um bom projeto de pesquisa deve
se demonstrar viável no período de tempo pre-
visto, contando com a disponibilidade de tempo
do pesquisador para dedicar-se a ele e com algu-
ma margem para imprevistos, que quase sempre
acontecem.
Dois outros tópicos podem ser úteis, sendo
mesmo exigidos por algumas instituições. O
primeiroéuma Apresentação, em que, como o pró-
prio título já diz, faz-se uma apresentação resu-
mida do projeto, definindo em poucas palavras o
objeto de estudo (que inclui necessariamente o
campo a que pertence e a teoria que o sustenta e
lhe dá sentido), os objetivos da pesquisa e sua
metodologia. Às vezes é pedida essa apresentação
como Resumo.
O segundo tópico diz respeito à especificação
de indicadores que permitam o acompanha-
mento do trabalho, definição dos elementos cuja
presença demonstre o andamento do trabalho,
isto é se este está sendo desenvolvido satisfato-
riamente. Trata-se de estabelecer Índices para a
avaliação do trabalho.
E, por fim mesmo, um projeto de pesquisa não
se apresenta sem as Referências Bibliográficas, a
listagem em ordem alfabética por autor das obras
que serviram de referência para a elaboração
do projeto, incluindo os livros já lidos e os que
se pretende ler.
A um especialista da área, seu conteúdo já
revela a um primeiro olhar o conhecimento do
campo que o pesquisador possui e muito da pos-
sível pertinência do projeto. De um projeto que
aborda determinada problemática e ignora as
principais obras já escritas sobre ela, não se pode
esperar muito.
Este texto pretende apenas oferecer uma peque-
na introdução à elaboração de um projeto de
pesquisa, como um convite à aventura de desco-
brir, ao prazer de aprender.A bibliografia selecio-
nada indica obras acessíveis em português cuja
leitura pode ser muito útil, com destaque para as
de Umberto Eco, Como se faz uma tese, e Sergio
Luna,Planejamento de pesquisa: Uma introdução.
Elas apresentam de forma clara e muito mais de-
talhada esse processo de elaboração de um proje-
to de pesquisa.
A “tese” no título do livro de Eco não deve in-
timidar: é um livro que deveria ser lido por todo
aluno no início da graduação, pois oferece exce-
lentes indicações sobre como aproveitar da me-
lhor maneira possível, para o resto da vida, o que
é oferecido pela formação universitária.
174   ● Convite à pesquisa
Bibliografia selecionada
BACHELARD, G. A formação do espírito científico. Trad. de
E. dos S. Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.
BOURDIEU, P. et al. A profissão de sociólogo: Preliminares
epistemológicas. Trad.de G. J.F. Teixeira. São Paulo:
Vozes, 1999.
BRITO, E. F. & CHANG, L. H. (orgs.).Filosofia e método.
São Paulo: Loyola, 2002.
COSSUTTA, F. Elementos para a leitura dos textos
filosóficos. Trad. de A.de N. Begnami et al. São Paulo:
Martins Fontes, 2001.
ECO, U. Como se faz uma tese. Trad. de G. S. Cardoso. São
Paulo: Perspectiva, 1983.
FOLSCHEID,D. & WUNENBURGER, J. J. Metodologia
filosófica. Trad. de P. Neves. São Paulo:Martins Fontes,
1997.
LIBANIO, J. B. Introdução à vida intelectual.São Paulo:
Loyola, 2001.
LUNA, S. V. Planejamento de pesquisa: Uma introdução.
São Paulo: Educ, 1996.
MARTINICH, A. P. Ensaio filosófico: O que é, como se faz.
Trad. de A. U. Sobral. São Paulo: Loyola, 2002.
PORTA, M. A. G. A filosofia a partir de seus problemas. São
Paulo: Loyola, 2002.
SAVATER, F. As perguntas da vida. Trad. de M. Stahel. São
Paulo: Martins Fontes, 2001.
TIERNO, B. As melhores técnicas de estudo. Trad. de C.
Schilling. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
WEBER, M.“A ciência como vocação”. In: Ciência e
política: Duas vocações. Trad. de L.Hegenberg & O. S.
Mota. São Paulo: Cultrix, s.d.
Notas
1 Como toda aventura da produção de conhecimento,
também este texto deve muito a outras pessoas. Agradeço
aqui, particularmente, aos professores Alberto Ribeiro de
Barros,Antônio José da Silva,Floriano Jonas César, Ernesto
Maria Giusti, Plínio Junqueira Smith, Sônia Maria Dion e
Yolanda Glória Gamboa Muñoz,colegas da Filosofia da
USJT,pela leitura atenta de uma primeira versão e pelas
observações com que contribuíram para torná-lo mais claro
e preciso.
2 “Problemática” aqui designa um campo de questões já
definido por uma certa abordagem sistemática, científica ou
filosófica, e que se aproxima em sua generalidade do que é
algumas vezes nomeado como“tema” ou “assunto”. É no
interior destes que se deve escolher um“problema” específico
para a pesquisa, uma“pergunta”entre as muitas possíveis.
3 Umberto Eco dá boas indicações sobre como fazer isto,
construindo um bom exemplo, no livro Como se faz uma
tese.
4 As respostas a essas perguntas (de“d”a “g”) tanto podem
servir como levantamento de possíveis caminhos para uma
pesquisa empírica, sugerindo ou identificando hipóteses a
serem verificadas, como também podem constituir-se no
próprio resultado de uma investigação teórica, reflexiva.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual de investigação
Manual de investigaçãoManual de investigação
Manual de investigação
Pedro Alexandre Silva Pereira
 
My trabalhos científicos – dicas úteis
My trabalhos científicos – dicas úteisMy trabalhos científicos – dicas úteis
My trabalhos científicos – dicas úteis
IFSC
 
Apostila de metodologia artigo Dulce 2016
Apostila de metodologia artigo Dulce 2016Apostila de metodologia artigo Dulce 2016
Apostila de metodologia artigo Dulce 2016
Angelo Leandro
 
RESENHA Do artesanato intelectual
RESENHA Do artesanato intelectualRESENHA Do artesanato intelectual
RESENHA Do artesanato intelectual
Hemily Sued
 
Investigação das informações
Investigação das informaçõesInvestigação das informações
Investigação das informações
Laysa Cunha
 
Como se faz uma tese :: Umberto Eco
Como se faz uma tese :: Umberto EcoComo se faz uma tese :: Umberto Eco
Como se faz uma tese :: Umberto Eco
André Camargo
 
Elaboração do projeto de pesquisa
Elaboração do projeto de pesquisaElaboração do projeto de pesquisa
Elaboração do projeto de pesquisa
Sandra Pereira
 
INTRODUÇÃO A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptx
INTRODUÇÃO  A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptxINTRODUÇÃO  A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptx
INTRODUÇÃO A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptx
luandecarlossilvadea
 
Projeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-PesquisaProjeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-Pesquisa
Jesrayne Nascimento
 
Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013
Jesrayne Nascimento
 
Como escrever teses
Como escrever tesesComo escrever teses
Como escrever teses
Cursos Profissionalizantes
 
Texto aula 7
Texto aula 7Texto aula 7
Texto aula 7
faculdade sumare
 

Mais procurados (12)

Manual de investigação
Manual de investigaçãoManual de investigação
Manual de investigação
 
My trabalhos científicos – dicas úteis
My trabalhos científicos – dicas úteisMy trabalhos científicos – dicas úteis
My trabalhos científicos – dicas úteis
 
Apostila de metodologia artigo Dulce 2016
Apostila de metodologia artigo Dulce 2016Apostila de metodologia artigo Dulce 2016
Apostila de metodologia artigo Dulce 2016
 
RESENHA Do artesanato intelectual
RESENHA Do artesanato intelectualRESENHA Do artesanato intelectual
RESENHA Do artesanato intelectual
 
Investigação das informações
Investigação das informaçõesInvestigação das informações
Investigação das informações
 
Como se faz uma tese :: Umberto Eco
Como se faz uma tese :: Umberto EcoComo se faz uma tese :: Umberto Eco
Como se faz uma tese :: Umberto Eco
 
Elaboração do projeto de pesquisa
Elaboração do projeto de pesquisaElaboração do projeto de pesquisa
Elaboração do projeto de pesquisa
 
INTRODUÇÃO A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptx
INTRODUÇÃO  A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptxINTRODUÇÃO  A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptx
INTRODUÇÃO A METODOLOGIA CIENTÍFICA.pptx
 
Projeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-PesquisaProjeto de Pré-Pesquisa
Projeto de Pré-Pesquisa
 
Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013Projeto de pesquisa 2013
Projeto de pesquisa 2013
 
Como escrever teses
Como escrever tesesComo escrever teses
Como escrever teses
 
Texto aula 7
Texto aula 7Texto aula 7
Texto aula 7
 

Destaque

香港六合彩
香港六合彩香港六合彩
香港六合彩
香港六合彩
 
Chart Of Accounts
Chart Of AccountsChart Of Accounts
Chart Of Accounts
Sajid Ali
 
Scanned from a Xerox Multifunction Device
Scanned from a Xerox Multifunction DeviceScanned from a Xerox Multifunction Device
Scanned from a Xerox Multifunction Device
Donn Jacob Cobrana
 
Untitled Presentation
Untitled PresentationUntitled Presentation
Untitled Presentation
Plantel Bacalar
 
Scenes from Turkiye
Scenes from TurkiyeScenes from Turkiye
Scenes from Turkiye
TAFSUS
 
1 what baptism does not do
1 what baptism does not do1 what baptism does not do
1 what baptism does not do
Larry Tomlin
 
香港六合彩
香港六合彩香港六合彩
香港六合彩
香港六合彩
 
Caraline Dirks. Portfolio-2
Caraline Dirks. Portfolio-2Caraline Dirks. Portfolio-2
Caraline Dirks. Portfolio-2
Caraline Dirks
 
20160923140733760
2016092314073376020160923140733760
20160923140733760
Laboratório de Informática
 
CV Mats Röhr english
CV Mats Röhr englishCV Mats Röhr english
CV Mats Röhr english
Mats R
 
六合彩
六合彩六合彩
Agiles Personalmanagement für agile Organisationen
Agiles Personalmanagement für agile OrganisationenAgiles Personalmanagement für agile Organisationen
Agiles Personalmanagement für agile Organisationen
Stephan Kaiser
 
Lean UX vs Design Thinking (lang: ENG)
Lean UX vs Design Thinking (lang: ENG)Lean UX vs Design Thinking (lang: ENG)
Lean UX vs Design Thinking (lang: ENG)
Ideacto
 

Destaque (13)

香港六合彩
香港六合彩香港六合彩
香港六合彩
 
Chart Of Accounts
Chart Of AccountsChart Of Accounts
Chart Of Accounts
 
Scanned from a Xerox Multifunction Device
Scanned from a Xerox Multifunction DeviceScanned from a Xerox Multifunction Device
Scanned from a Xerox Multifunction Device
 
Untitled Presentation
Untitled PresentationUntitled Presentation
Untitled Presentation
 
Scenes from Turkiye
Scenes from TurkiyeScenes from Turkiye
Scenes from Turkiye
 
1 what baptism does not do
1 what baptism does not do1 what baptism does not do
1 what baptism does not do
 
香港六合彩
香港六合彩香港六合彩
香港六合彩
 
Caraline Dirks. Portfolio-2
Caraline Dirks. Portfolio-2Caraline Dirks. Portfolio-2
Caraline Dirks. Portfolio-2
 
20160923140733760
2016092314073376020160923140733760
20160923140733760
 
CV Mats Röhr english
CV Mats Röhr englishCV Mats Röhr english
CV Mats Röhr english
 
六合彩
六合彩六合彩
六合彩
 
Agiles Personalmanagement für agile Organisationen
Agiles Personalmanagement für agile OrganisationenAgiles Personalmanagement für agile Organisationen
Agiles Personalmanagement für agile Organisationen
 
Lean UX vs Design Thinking (lang: ENG)
Lean UX vs Design Thinking (lang: ENG)Lean UX vs Design Thinking (lang: ENG)
Lean UX vs Design Thinking (lang: ENG)
 

Semelhante a Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas

Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...
Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...
Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...
Leandro Benevides
 
Etapas importantes na elabora+º+úo do Projeto de Pesquisa.pptx
Etapas importantes na elabora+º+úo do Projeto de Pesquisa.pptxEtapas importantes na elabora+º+úo do Projeto de Pesquisa.pptx
Etapas importantes na elabora+º+úo do Projeto de Pesquisa.pptx
LarissaSilvaOliveira4
 
Metodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa Rossinholi
Metodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa RossinholiMetodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa Rossinholi
Metodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa Rossinholi
ETEC Monsenhor Antonio Magliano
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
FSCCarvalho
 
Elaboração de projeto de pesquisa tcc
Elaboração de projeto de pesquisa tccElaboração de projeto de pesquisa tcc
Elaboração de projeto de pesquisa tcc
Instituto Federal do Paraná - IFPR
 
Elaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.ppt
Elaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.pptElaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.ppt
Elaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.ppt
Cláudio Rennó
 
Elaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.ppt
Elaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.pptElaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.ppt
Elaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.ppt
AevyWolter
 
Hjiiioo.ppt
Hjiiioo.pptHjiiioo.ppt
Hjiiioo.ppt
MarcosSantos268545
 
Como elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisaComo elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisa
Deborah Cattani
 
Como elaborar projetos
Como elaborar projetosComo elaborar projetos
Como elaborar projetos
Tania cristina
 
aula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptxaula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptx
Zoraide6
 

Semelhante a Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas (11)

Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...
Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...
Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...
 
Etapas importantes na elabora+º+úo do Projeto de Pesquisa.pptx
Etapas importantes na elabora+º+úo do Projeto de Pesquisa.pptxEtapas importantes na elabora+º+úo do Projeto de Pesquisa.pptx
Etapas importantes na elabora+º+úo do Projeto de Pesquisa.pptx
 
Metodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa Rossinholi
Metodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa RossinholiMetodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa Rossinholi
Metodologia de Pesquisa- Aula 1 - Marisa Rossinholi
 
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptxdSZ5jBu2J3NME3g.pptx
dSZ5jBu2J3NME3g.pptx
 
Elaboração de projeto de pesquisa tcc
Elaboração de projeto de pesquisa tccElaboração de projeto de pesquisa tcc
Elaboração de projeto de pesquisa tcc
 
Elaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.ppt
Elaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.pptElaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.ppt
Elaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.ppt
 
Elaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.ppt
Elaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.pptElaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.ppt
Elaboração de Projeto de Pesquisa TCC Letras EAD.ppt
 
Hjiiioo.ppt
Hjiiioo.pptHjiiioo.ppt
Hjiiioo.ppt
 
Como elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisaComo elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisa
 
Como elaborar projetos
Como elaborar projetosComo elaborar projetos
Como elaborar projetos
 
aula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptxaula artigo iquali.pptx
aula artigo iquali.pptx
 

Mais de Liliane Barros

A escolha do tema
A escolha do temaA escolha do tema
A escolha do tema
Liliane Barros
 
Formação de professores não especializados
Formação de professores não especializadosFormação de professores não especializados
Formação de professores não especializados
Liliane Barros
 
C1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricocultural
C1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricoculturalC1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricocultural
C1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricocultural
Liliane Barros
 
C1 1.3-o ludico n apratica docente
C1 1.3-o ludico n apratica docenteC1 1.3-o ludico n apratica docente
C1 1.3-o ludico n apratica docente
Liliane Barros
 
C1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processo
C1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processoC1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processo
C1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processo
Liliane Barros
 
Cienciaeexperiencia
CienciaeexperienciaCienciaeexperiencia
Cienciaeexperiencia
Liliane Barros
 
Polos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestores
Polos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestoresPolos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestores
Polos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestores
Liliane Barros
 
Ofício circular nº 25 doc para pós-graduação
Ofício circular nº 25   doc para pós-graduaçãoOfício circular nº 25   doc para pós-graduação
Ofício circular nº 25 doc para pós-graduação
Liliane Barros
 
Cabeçalho anped
Cabeçalho anpedCabeçalho anped
Cabeçalho anped
Liliane Barros
 
Pratica docente es
Pratica docente esPratica docente es
Pratica docente es
Liliane Barros
 
Quadro das concepcoess_pedagogicas
Quadro das concepcoess_pedagogicasQuadro das concepcoess_pedagogicas
Quadro das concepcoess_pedagogicas
Liliane Barros
 
Docencia na universidade maria isabel cunha
Docencia na universidade maria isabel cunhaDocencia na universidade maria isabel cunha
Docencia na universidade maria isabel cunha
Liliane Barros
 
Perspectivas atuais da educação
Perspectivas atuais da educaçãoPerspectivas atuais da educação
Perspectivas atuais da educação
Liliane Barros
 

Mais de Liliane Barros (13)

A escolha do tema
A escolha do temaA escolha do tema
A escolha do tema
 
Formação de professores não especializados
Formação de professores não especializadosFormação de professores não especializados
Formação de professores não especializados
 
C1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricocultural
C1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricoculturalC1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricocultural
C1 1.1-a historidade-doludiconaabordagemhistoricocultural
 
C1 1.3-o ludico n apratica docente
C1 1.3-o ludico n apratica docenteC1 1.3-o ludico n apratica docente
C1 1.3-o ludico n apratica docente
 
C1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processo
C1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processoC1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processo
C1 1.3-jogos e brincadeiras como ferramentas no processo
 
Cienciaeexperiencia
CienciaeexperienciaCienciaeexperiencia
Cienciaeexperiencia
 
Polos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestores
Polos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestoresPolos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestores
Polos de aplicação da avaliação do curso de formação de gestores
 
Ofício circular nº 25 doc para pós-graduação
Ofício circular nº 25   doc para pós-graduaçãoOfício circular nº 25   doc para pós-graduação
Ofício circular nº 25 doc para pós-graduação
 
Cabeçalho anped
Cabeçalho anpedCabeçalho anped
Cabeçalho anped
 
Pratica docente es
Pratica docente esPratica docente es
Pratica docente es
 
Quadro das concepcoess_pedagogicas
Quadro das concepcoess_pedagogicasQuadro das concepcoess_pedagogicas
Quadro das concepcoess_pedagogicas
 
Docencia na universidade maria isabel cunha
Docencia na universidade maria isabel cunhaDocencia na universidade maria isabel cunha
Docencia na universidade maria isabel cunha
 
Perspectivas atuais da educação
Perspectivas atuais da educaçãoPerspectivas atuais da educação
Perspectivas atuais da educação
 

Último

TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 

Último (20)

TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 

Convite à pesquisa em filosofia e em ciências humanas

  • 1. . ⁄ . ⁄ . ●  ●  , º  ● -  169 Convite à pesquisa em Filosofia e Ciências Humanas: Orientações básicas para a formulação de um projeto   * Resumo ● O texto faz um convite à pesquisa em filosofia e ciências humanas. Dirige-se àqueles que têm desejo de saber e ainda não organizaram esse desejo de modo que possam satisfazê-lo porque, não têm experiência em pesquisa. Sem pretender apresentar idéias novas, procura indicar os passos necessários para aformulaçãodeumprojetodepesquisa,tomandocomopontodepartidaacuriosidadepessoaleoferecendo ao principiante um“mapa para o tesouro”.Procura mostrar também que os aspectos formais deumprojeto não precisam ser apenas normas burocráticas ou um peso: podem ser instrumentos para tornar possível e prazerosa a aventura da pesquisa. Palavras-chave ● iniciação científica, pesquisa, metolodogia. Title ● An Invitation to Researching in Philosophy and Human Sciences: Basic orientations for the Definition of a Project. Abstract ● This paper makes an invitation to researching in Philosophy and Human Sciences. It aims at those who wish to learn but have not organized this wish in order to satisfy it since they have no experience in researching. We do not intend to present new ideas,but we tryto show the necessary steps towards the definition of a research project leaving from personal curiosity,and offering a‘treasure map’. We also try to show that the formal aspects of a given project do not have to be limited to bureaucratic rules or be an obstacle: they can be tools to make the adventure of researching both possible and pleasant. Keywords ● scientific initiation, research,methodology. Data de recebimento: 09/02/2004. Data de aceitação: 27/02/2004. * Professor doutor do Programa de Pós-graduaçào e da graduação em Filosofia da USJT. E-mail: prof.heliogentil@usjt.br. Formular um projeto de pesquisa não significa enfrentar um bicho-de-sete-cabeças, como às vezes parece para quem tem de fazê-lo pela primeira vez. É, antes de mais nada,o início de uma pequena aventura e, ao mesmo tempo, o desenvolvimento de um exercício de aprendizagem1. O processo todo pode ser tão prazeroso quanto a preparação para uma festa e tão útil quanto uma boa viagem, deixando belas – e úteis – lembranças, para o resto da vida. Trata-se fundamentalmente de organizar- se para responder a uma pergunta, para satisfazer uma curiosidade, para descobrir algo que ainda não se conhece. Qualquer que seja nossa área de atuação profissional, muitos serão os momentos em que nos depararemos com uma pergunta cuja resposta ignoramos tanto quanto ela nos é neces- sária. Como fazer para responder a ela? Eis o que o exercício da formulação de um projeto de pes- quisa e seu posterior desenvolvimento podem nos ensinar. A primeira condição para um bom projeto de pesquisa é a formulação clara e precisa da pergun- ta. Como se sabe, uma pergunta bem formulada já é meio caminho andado para se conseguir res- ponder a ela.Toda pergunta já traz em sua formu- lação o encaminhamento da resposta. O que se quer saber?O que precisamente quero saber?Qual é a pergunta a que pretendo responder com meu traba- lho de pesquisa? Não se trata, evidentemente, de responder à pergunta na formulação do projeto, mas no desenvolvimento posterior da pesquisa. O projeto apresenta a pergunta, esclarece seu sen- tido e sua importância teórica e/ou social, indica os caminhos que se pretende seguir para alcançar a resposta. Muitos principiantes enrolam-se aqui, confundem-se entre fazer um projeto e fazer uma pesquisa. O projeto é só a base para a pesquisa, a plataforma de lançamento para o vôo. Formular bem a pergunta que se quer res- ponder com a pesquisa implica refletir sobre ela, sobre seus termos, sobre as palavras usadas e sua
  • 2. 170   ● Convite à pesquisa articulação. Muitas são as maneiras pelas quais se pode perguntar a mesma coisa – aparentemente. Na verdade, cada uma delas é uma pergunta dife- rente.Uma boa maneira de começar a pensar sobre a pergunta é fazer variações sobre ela, usando os mesmos termos ou termos próximos. E listar as perguntas relacionadas, aquelas que aparecem mais ou menos próximas e às vezes até se confun- dem com ela a um primeiro olhar. Assim vai-se esclarecendo a rede de questõesque se liga a ela,a“problemática” da qual ela faz parte2 – desenha-se o campo de interrogações no qual a pergunta tem sentido e relevância. Nenhuma per- gunta existe solta no ar. Pelo modo como é formu- lada, pelos termos que usa, pelo olhar que lança sobre a realidade ou pelo olhar sobre a realidade a partir do qual é formulada, ela já se define como relacionada a uma tradição de pensamento, ela já pertence a uma certa linhagem teórica. Muito do trabalho de conhecimento científico e filosófico, se não todo ele, se faz nesse diálogo desdobrado ao longo do tempo, nesse desenvol- vimento de certa linha de pensamento, nesse se- guir adiante do que já se sabe. Todo o trabalho de investigação científica e filosófica começa por deixar claro seu ponto de partida. O que já sabemos abre caminho para o que não sabemos, para a descoberta de algo que ainda não sabemos. Quanto mais claro estiver esse pon- to de partida, maiores são as chances de levar adiante a investigação e produzir um conhecimen- to novo. Trata-se de localizar bem o projeto no campo de saber a que pertence, esclarecendo a que linhagem teórica ele está filiado, esclarecendo a partir de que referências se está pensando e formu- lando a pergunta. Em termos mais específicos, trata-se de definir com que outros trabalhos ou autores se está dialogando. Nesse ponto é que uma pesquisa bibliográfica é indispensável. Faz parte de toda pesquisa, seja ela empírica ou teórica. Trata-se de conhecer o que já se escreveu sobre a problemática, que per- guntas já foram feitas sobre o tema, de que ma- neira elas foram feitas, que respostas foram dadas. Não é possível, evidentemente, ler tudo o que já se escreveu sobre determinada problemática, mas deve-se procurar, dentro do material acessível e do tempo disponível, entrar em contato com o que de principal e mais importante existe já publi- cado. Para definir isto é útil a orientação de um profissional mais experiente na área, que ajude a selecionar o material a ser lido. Na ausência desse profissional, os bons manuais introdutórios e a comparação das bibliografias finais das obras disponíveis já oferecem boas indicações sobre o que é importante ou não. O levantamento inicial sobre uma dada problemática pode ser feito por qualquer pessoa, em qualquer biblioteca ou ter- minal de computador3. Lembre-se também dos bibliotecários: são de muita ajuda, sempre. Definida a bibliografia básica, passamos à lei- tura. Prestar atenção à maneira como os autores formularam suas perguntas é uma maneira de descobrir como formular melhor a sua. Assim, ao ler um texto importante dentro da problemá- tica que interessa, cabe procurar entender: a) Qual é a pergunta principal que o autor se fez inicialmente? b) Que caminho ele tomou para procurar responder a ela? c) Que respostas encontrou? Essas perguntas também podem ser, em ter- mos mais comuns no campo da filosofia, assim formuladas: a) Qual é o problema que o autor aborda? b) Quais são suas teses sobre ele? c) Que argumentos apresenta? Identificados esses três pontos básicos – per- gunta, caminho, resposta ou problema, teses, argu- mentos –, pode-se perguntar o que ficou de fora, destacar aquilo que o autor não levou em consi- deração refletindo sobre o trabalho a partir de nosso ponto de vista4: a) Que aspectos da realidade não foram toca- dos por suas perguntas e respostas? b) Considerando a pergunta que ele mesmo fez inicialmente, o que a resposta que ele apresenta tem de satisfatório e o que tem de insatisfatório?
  • 3. . ⁄ . ⁄ . ●  ●  , º  ● -  171 c) Que outros caminhos eram possíveis para responder àquela pergunta e ele não consi- derou? d) Que outras perguntas importantes podem ser feitas em torno da problemática? Qual é o valor relativo de cada uma delas? Esse breve roteiro de perguntas serve para es- tabelecer um diálogo sistemático e fecundo com os textos, desenvolvendo uma compreensão mais sé- ria e exata das pretensões e resultados alcançados por outros pesquisadores. Seu exercício – ainda que trabalhoso, principalmente para quem está começando – traz a nós, leitores, uma base para a formulação mais clara e precisa de nossa própria pergunta. É preciso mencionar aqui uma diferença que quase sempre escapa aos iniciantes no trabalho de pesquisa:a diferença entre o processo de inves- tigação e o processo de apresentação do trabalho. Ao entrar em contato com as obras – artigos ou livros – em que os autores apresentam os resulta- dos de suas investigações de forma ordenada, num discurso logicamente encadeado, pode-se acre- ditar que a pesquisa foi-se produzindo naquela mesma ordem, com a mesma clara e transparente concatenação lógica. É um equívoco. O trabalho real de investigação, principalmente o de investi- gação teórica, trabalho de pensamento, é cheio de idasevindas,hesitações e confusões. É uma combi- nação dinâmica de ordem e caos. Para se chegar a uma formulação clara e ordenada de uma idéia, para se chegar à apresentação lógica de argumen- tos bem encadeados, há que se enfrentar e domi- nar o caos – o caos das informações dispersas, das formulações variadas, das intuições e relações ainda pouco claras. No processo real de investigação teórica – pró- prio da filosofia, mas também presente de modo inexorável em muitos momentos do trabalho de qualquer ciência – as pistas às vezes são muitas, tateia-se em muitas direções, reúne-se material sem saber exatamente por quê, muitas vezes a partir de uma intuição ainda vaga, sem se saber a priori como todo aquele material disperso vai um dia se ordenar, se é que o vai mesmo.As fichas de leitura acumulam-se, as anotações multiplicam-se em relativa desordem; as intuições articulam ou simplesmente reúnem pedaços aqui e ali: eis o trabalho de pesquisa em andamento. Embora se- jam muito úteis, indispensáveis mesmo, as dife- rentes formas de organização desse material e de controle desse processo – Umberto Eco oferece excelentes sugestões no livro indicado ao final –, na prática o pesquisador beira o abismo do caos quase o tempo todo, trabalhando duro e lutando muito com e contra esse caos para chegar àquela apresentação ordenada dos resultados de sua pesquisa. Ele tem de aprender a suportar aquele caos, se quer mesmo descobrir algo. Suportar as perguntas não respondidas, suportar a ausência de respostas, suportar a insatisfação com as res- postas prontas e rápidas que acodem para tapar o buraco – suportar o abismo do não saber. Para isto é preciso rigor e precisão com o que se sabe, com o que se formula. Daí o valor de organizar bem as idéias, apresentá-las coerentemente e de forma bem fundamentada. Depois das leituras, dos fichamentos e anota- ções exploratórias de suas idéias em confronto com as idéias formuladas pelos autores conheci- dos, vem o trabalho de apresentar de forma orde- nada o que se tem. As idéias devem ser ordenadas, não para simplesmente cumprir as exigências burocráticas deste ou daquele regulamento ou modelo, mas para se tornarem mais claras, inteli- gíveis, transmissíveis e fecundas. Qualquer leitor interessado na problemática em questão deve ser capaz de acompanhar o raciocínio apresentado, compreender seus fundamentos, seus argumentos e suas conclusões, entendendo de onde se partiu e aonde se chegou. Isto é importante não só para os outros: ajuda o pesquisador a organizar suas próprias idéias, tomando posse delas, esclare- cendo onde está, tornando nítido o que já tem e o que ainda falta. É isso o que se procura fazer ini- cialmente com a elaboração do projeto de pesquisa: mapeia-se o terreno, delimita-se o território já conhecido e prepara-se o avanço pelo desconheci- do, sustentando e tornando proveitoso o caminhar a partir dessa base. Fazer isso periodicamente ao longo do trabalho também é muito útil. Embora varie um pouco a lista dos tópicos pedidos por diferentes instituições e agências
  • 4. 172   ● Convite à pesquisa financiadoras, geralmente o esquema básico de um projeto divide-se nas seguintes partes: Introdução, Justificativa, Objetivos, Metodologia, Cronograma e Bibliografia. A Introdução apresenta o problema que se pre- tende investigar, situando-o no campo que lhe é próprio e definindo a perspectiva teórica com que vai ser tratado. Isso se faz com o que muitas vezes se chama de “revisão de literatura” ou “revisão bibliográfica” – há uma apresentação muito boa da função que esta cumpre em qualquer pesquisa no livro de Sergio Luna indicado adiante. Espera- se que aqui o pesquisador demonstre saber em que campo está entrando, de que jogo está partici- pando. Ele faz isso apresentando e comentando os autores e obras que fazem parte do campo e que trataram do problema, mostrando sua proximi- dade e sua distância em relação ao que eles pensam e/ou já descobriram. Demonstra com isso o com- promisso do projeto com o processo coletivo de produção de conhecimento e o localiza com pre- cisão, vinculando-o a uma determinada perspec- tiva teórica, mostrando os autores e trabalhos com os quais está dialogando. Em termos esquemáticos podemos dizer que uma introdução deve apresentar da forma mais clara possível uma resposta às seguintes perguntas: a) Qual é o tema ou assunto que lhe interessa pensar? Com que problemática você se preocupa aqui? b) Que autores trabalharam sobre ela? c) De que perspectiva? A partir de que ponto de vista? d) Em que obras? e) Com que resultados? f) A partir desses resultados, que problemas permanecem? Que problemas não foram resolvidos pelos trabalhos já feitos (apre- sentados em d)? Que perguntas não foram respondidas por eles? Que perguntas ain- da podem ser feitas? g) Entre estas perguntas, qual é aquela a que você pretende responder com seu trabalho? Qual é, entre todos os problemas que com- põem a problemática, o problema especí- fico que você pretende investigar? h) O que você pretende fazer para responder à pergunta específica que você escolheu? (a resposta aqui já aponta para a metodolo- gia, a ser especificada adiante; aqui se faz só uma indicação muito geral, para marcar a pretensão do projeto). Uma vez assim localizada a pesquisa que se pretende fazer, o próximo passo é esclarecer a importância de sua realização, demonstrar a sua relevância, tanto científica quanto social, mos- trando o que ela vem acrescentar ao que já se sabe, a contribuição que se pretende trazer com ela para o saber deste campo e a utilidade que esta contri- buição pode ter. Trata-se do que geralmente se chama de Justificativa. Por que se deve investir tempo, trabalho e, muitas vezes, dinheiro, nessa pesquisa? O que justifica isso? Eis o que é preciso responder nesse tópico. Em outros termos, deve- se deixar claro: a) Qual o valor dessa investigação proposta? b) Qual o valor de responder à pergunta que seu trabalho pretende responder? c) O que sua investigação pretende acrescen- tar ao que já se sabe? d) De que modo os resultados de sua pesquisa contribuirão para o campo de estudos escolhido? e) Qual será a utilidade desse resultado? A descrição dosObjetivos vem a seguir. Quanto mais precisas a definição e a apresentação dos obje- tivos, mais claro fica o projeto e mais bem dire- cionada fica a pesquisa. O que se pretende alcançar com a realização dessa pesquisa, no que se refere de conhecimento? Que conhecimento pretende-se produzir? Os objetivos devem ser definidos tendo em vista essas perguntas, e devem ser formulados como metas a serem alcançadas. É interessante distinguir o objetivo geral dos objetivos específicos, sendo estes últimos aqueles que, uma vez realiza- dos, levam à realização do objetivo geral. Há uma boa síntese dos diferentes tipos de objetivos possíveis para uma pesquisa no livro de Sergio Luna referido adiante e há bons exem- plos práticos no já indicado livrode Umberto Eco.
  • 5. . ⁄ . ⁄ . ●  ●  , º  ● -  173 Na filosofia podem ser definidos, por exemplo, como: a) conceitos a serem esclarecidos, b) relações a serem estabelecidas (entre autores, conceitos, argumentos, obras etc.), c) fundamentos e argumentos a serem exami- nados, d) conclusões e/ou implicações a serem tiradas (implicações de uma idéia, de um argu- mento, de um conceito, de uma linha de raciocínio etc.). Com esses objetivos bem estabelecidos, pode- se definir e apresentar o caminho que se pretende percorrer para alcançá-los. A apresentação desse caminho é geralmente chamada de Metodologia, e inclui a definição dos recursos que se pretende utilizar e do trabalho que se pretende fazer para atingir aquelas metas estabelecidas como objeti- vos da pesquisa. Em filosofia, embora se fale muitas vezes em diferentes “métodos” – tais como o “dialético”, o “hermenêutico” ou o “estruturalista”, por exemplo –, de modo geral aceita-se que a metodologia de pesquisa define-se basicamente pela leitura e a reflexão, incluindo o levantamento bibliográfico e a seleção da bibliografia pertinente como ativi- dades indispensáveis. Por fim, é necessário fazer o planejamento do trabalho ao longo do tempo disponível, conside- rando-se o tempo real que se pretende dedicar ao trabalho. Constrói-se então um Cronograma, no qual as atividades programadas são distribuídas num esquema visualmente nítido e claro, acessível a um simples olhar. Trata-se de um instrumento indispensável, não só para o acompanhamento externo do desenvol- vimento do trabalho, mas tambémpara o próprio pesquisador. Um bom projeto de pesquisa deve se demonstrar viável no período de tempo pre- visto, contando com a disponibilidade de tempo do pesquisador para dedicar-se a ele e com algu- ma margem para imprevistos, que quase sempre acontecem. Dois outros tópicos podem ser úteis, sendo mesmo exigidos por algumas instituições. O primeiroéuma Apresentação, em que, como o pró- prio título já diz, faz-se uma apresentação resu- mida do projeto, definindo em poucas palavras o objeto de estudo (que inclui necessariamente o campo a que pertence e a teoria que o sustenta e lhe dá sentido), os objetivos da pesquisa e sua metodologia. Às vezes é pedida essa apresentação como Resumo. O segundo tópico diz respeito à especificação de indicadores que permitam o acompanha- mento do trabalho, definição dos elementos cuja presença demonstre o andamento do trabalho, isto é se este está sendo desenvolvido satisfato- riamente. Trata-se de estabelecer Índices para a avaliação do trabalho. E, por fim mesmo, um projeto de pesquisa não se apresenta sem as Referências Bibliográficas, a listagem em ordem alfabética por autor das obras que serviram de referência para a elaboração do projeto, incluindo os livros já lidos e os que se pretende ler. A um especialista da área, seu conteúdo já revela a um primeiro olhar o conhecimento do campo que o pesquisador possui e muito da pos- sível pertinência do projeto. De um projeto que aborda determinada problemática e ignora as principais obras já escritas sobre ela, não se pode esperar muito. Este texto pretende apenas oferecer uma peque- na introdução à elaboração de um projeto de pesquisa, como um convite à aventura de desco- brir, ao prazer de aprender.A bibliografia selecio- nada indica obras acessíveis em português cuja leitura pode ser muito útil, com destaque para as de Umberto Eco, Como se faz uma tese, e Sergio Luna,Planejamento de pesquisa: Uma introdução. Elas apresentam de forma clara e muito mais de- talhada esse processo de elaboração de um proje- to de pesquisa. A “tese” no título do livro de Eco não deve in- timidar: é um livro que deveria ser lido por todo aluno no início da graduação, pois oferece exce- lentes indicações sobre como aproveitar da me- lhor maneira possível, para o resto da vida, o que é oferecido pela formação universitária.
  • 6. 174   ● Convite à pesquisa Bibliografia selecionada BACHELARD, G. A formação do espírito científico. Trad. de E. dos S. Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996. BOURDIEU, P. et al. A profissão de sociólogo: Preliminares epistemológicas. Trad.de G. J.F. Teixeira. São Paulo: Vozes, 1999. BRITO, E. F. & CHANG, L. H. (orgs.).Filosofia e método. São Paulo: Loyola, 2002. COSSUTTA, F. Elementos para a leitura dos textos filosóficos. Trad. de A.de N. Begnami et al. São Paulo: Martins Fontes, 2001. ECO, U. Como se faz uma tese. Trad. de G. S. Cardoso. São Paulo: Perspectiva, 1983. FOLSCHEID,D. & WUNENBURGER, J. J. Metodologia filosófica. Trad. de P. Neves. São Paulo:Martins Fontes, 1997. LIBANIO, J. B. Introdução à vida intelectual.São Paulo: Loyola, 2001. LUNA, S. V. Planejamento de pesquisa: Uma introdução. São Paulo: Educ, 1996. MARTINICH, A. P. Ensaio filosófico: O que é, como se faz. Trad. de A. U. Sobral. São Paulo: Loyola, 2002. PORTA, M. A. G. A filosofia a partir de seus problemas. São Paulo: Loyola, 2002. SAVATER, F. As perguntas da vida. Trad. de M. Stahel. São Paulo: Martins Fontes, 2001. TIERNO, B. As melhores técnicas de estudo. Trad. de C. Schilling. São Paulo: Martins Fontes, 2003. WEBER, M.“A ciência como vocação”. In: Ciência e política: Duas vocações. Trad. de L.Hegenberg & O. S. Mota. São Paulo: Cultrix, s.d. Notas 1 Como toda aventura da produção de conhecimento, também este texto deve muito a outras pessoas. Agradeço aqui, particularmente, aos professores Alberto Ribeiro de Barros,Antônio José da Silva,Floriano Jonas César, Ernesto Maria Giusti, Plínio Junqueira Smith, Sônia Maria Dion e Yolanda Glória Gamboa Muñoz,colegas da Filosofia da USJT,pela leitura atenta de uma primeira versão e pelas observações com que contribuíram para torná-lo mais claro e preciso. 2 “Problemática” aqui designa um campo de questões já definido por uma certa abordagem sistemática, científica ou filosófica, e que se aproxima em sua generalidade do que é algumas vezes nomeado como“tema” ou “assunto”. É no interior destes que se deve escolher um“problema” específico para a pesquisa, uma“pergunta”entre as muitas possíveis. 3 Umberto Eco dá boas indicações sobre como fazer isto, construindo um bom exemplo, no livro Como se faz uma tese. 4 As respostas a essas perguntas (de“d”a “g”) tanto podem servir como levantamento de possíveis caminhos para uma pesquisa empírica, sugerindo ou identificando hipóteses a serem verificadas, como também podem constituir-se no próprio resultado de uma investigação teórica, reflexiva.