SlideShare uma empresa Scribd logo
Artigo de opinião
Professora Ana Lúcia Moura Neves
Artigo de
opinião
É um
gênero
textual
Dissertativo
Discorre sobre um tema específico.
Argumentativo
Mostra o ponto de vista do autor
sobre o assunto usando
argumentos com o objetivo de
convencer o leitor.
Diferencia-se da
dissertação
clássica por ser
POLÊMICO e
manifestar
claramente a
posição do autor.
A diferença é que,
na notícia, o jornalista
traz informações sobre
dados e fatos, e no
artigo de opinião, o
articulista opina sobre
a questão polêmica
que uma notícia pode
despertar.
O artigo de opinião, normalmente, é publicado em jornais e
revistas e, nele, o autor fala sobre um fato atual, alguma notícia
ou assunto em voga.
Não merecemos Carnaval
Alexandre Vidal Porto
Nos últimos dias, estive em Denver, Nova York e Washington. Nos Estados
ouvi falar do Brasil mais do que gostaria.
Em todos os canais de notícia, nosso país aparece como referência de ponto
da epidemia de zika. Nos restaurantes, as pessoas comentam.
Sem nos darmos conta, transformamo-nos em ameaça para a saúde global.
falando para o mundo. O Brasil tornou-se território estéril, o país em que não se
pode engravidar. Você, mulher em idade reprodutiva, viria para cá?
Faremos uma Olímpiada no Rio de Janeiro, e a notícia que vemos estampada
mundo afora é a de lixo boiando nas águas pútridas da baía de Guanabara. As
fotos da imundície não são montagem, e os atletas estrangeiros expressam
preocupação. As autoridades brasileiras dizem que a água é segura. Você
e daria um mergulho?
De acordo com pesquisa citada pelo site "Business Insider", o Brasil tem 19
das 50 cidades mais violentas do planeta em termos de homicídios per
capita. É mais fácil ser assassinado no Brasil que na maioria dos países do
mundo.
Se você for homossexual ou negro, suas chances de ter morte violenta são
ainda maiores. Você se arriscaria a vir passar as férias no Brasil e virar
estatística de criminalidade?
As referências elogiosas ao país desapareceram. Ninguém entende
exatamente o que acontece. Quando me pedem para explicar, eu falo de
uma classe política parasitária, de falta de espírito público e vergonha na
cara, de incompetência, arrogância e corrupção.
A sensação que fica é de que o país é um lugar perigoso, berço de
desonestos, onde se morre antes da hora.
Antes que o Planalto acuse: não se trata de complexo de vira-latas nem de
complô contra o Brasil. Trata-se da realidade que nós, ignorando ou não,
vivemos.
Até a simpatia com que contavam os brasileiros mundo afora parece ter-se
perdido na cara amarrada da presidente que não consegue presidir. O
mundo até queria gostar do Brasil, mas o país não se ajuda.
Você gastaria seu dinheirinho para vir para cá? Você se arriscaria a sofrer
violência desnecessariamente, a adoecer por descaso das autoridades
sanitárias, a ter um filho microcefálico porque quem tinha de fazer seu
trabalho não fez?
Viver já é perigoso demais para que você se exponha às estatísticas. Para ter
férias e diversão, há muitos outros lugares além do nosso desgovernado
país –e sempre se pode assistir à Olímpiada na televisão.
Enquanto isso, passamos semanas nos preaquecendo para o Carnaval.
Nas minhas mídias sociais, as pessoas aparecem fantasiadas, e uma
amiga me disse ontem que passou a tarde costurando uma saia de cetim
azul.
Pergunto-me como nos damos ao luxo, com tanta coisa precisando ser
feita no país. Eu não entendo. O resto do mundo não entende.
Nada me parece mais individualista e inconsequente do que dançar
enquanto nosso país se desfaz. Não merecemos recesso –momesco ou
não– enquanto não terminarmos a faxina da sujeira que nos envolve.
http://www1.folha.uol.com.br/colunas/alexandrevidalporto/2016/02/1736036-nao-merecemos-carnaval.shtml
(Acesso em 18/05/2016)
Para discussão…
 Quem é o autor do texto? Em que esse autor é especialista?
 Onde o texto foi publicado?
 Qual a questão polêmica?
 O autor refere-se a um acontecimento que o levou a escrever
artigo. Que acontecimento foi esse?
 Qual a posição do autor a respeito da polêmica?
 Que argumentos ele usa para justificar sua posição?
 No texto, o autor apresenta argumentos de pessoas que
discordam dele. Que argumentos são esses?
 O autor propõe alguma alternativa de solução para a polêmica?
Estrutura do artigo de opinião
SEMPRE
POLÊMICO
CONTESTAÇÃO
Leia o artigo de opinião Engravidar é um ato egoísta e identifique
nele os seguintes aspectos do artigo de opinião:
 A autora do texto e sua especialidade.
 Onde e quando o texto foi publicado.
 Qual a questão polêmica e qual a tese da autora sobre essa
questão.
 A situação que levou a autora a escrever sobre o tema.
 Os argumentos ela usa para justificar sua posição.
 Os argumentos que a autora apresenta de pessoas que
dela e como ela contesta esses argumentos.
A proposta da autora para solucionar a questão.
Engravidar é um ato egoísta
Desde a desinformação entre os mais pobres até a irresponsabilidade de
de classe média.
Karen Gimenez
É provável que minhas palavras incomodem as leitoras da Super que estão
folheando a revista ao lado de seus rechonchudos bebês. Ou mesmo desperte
sanha dos cristãos mais fervorosos que lembrarão a célebre frase bíblica
e multiplicai-vos”. Acontece que, quando tal frase foi dita, a humanidade vivia
num mundo completamente diferente. Ainda não havia recenseamento
populacional preciso e a Terra parecia pronta para receber todos que aqui
chegassem. Hoje, isso não é mais verdade. Dados internacionais mostram que
mais de seis bilhões de seres humanos sobre o planeta. O pior é que, em 2050,
esse número deve saltar para nove bilhões. Ou seja: em pouco menos de 50
anos, adicionaremos no planeta a metade da população que temos hoje – e
custa nada lembrar que levamos cerca de 100 000 anos para atingir esse
Há vários motivos para essa explosão demográfica. Desde a desinformação
entre os mais pobres até a irresponsabilidade de famílias de classe média.
Independentemente do motivo, o fato é que a população cresce em
progressão geométrica, aumentando os problemas sociais e gerando mais
violência. Países como a China tentam aplicar o controle de natalidade. Mas o
problema é mundial e precisa ser encarado de frente por todos. Não dá mais
para se esconder atrás de dogmas morais ou religiosos, enaltecendo o dom da
maternidade e o milagre de gerar uma nova vida.
Por motivos que estão mais ligados ao lucro do que a preocupações
humanitárias, a ciência colabora com essa explosão populacional
desenvolvendo, a cada dia, métodos de fertilização artificial. Mas por que, em
vez de gerar cada vez mais crianças, não damos condições decentes às que
estão abandonadas ou que são obrigadas a trabalhar em fornos de carvão?
Em vez de promover métodos de fertilização artificial, por que não se
promovem eficientes campanhas de adoção?
Países como o Brasil precisam abandonar posturas hipócritas que dificultam a
adoção internacional. As nações ricas, que têm taxas de crescimento negativo,
precisam de crianças. Já o Brasil, a Índia e a China têm milhares de crianças
desamparadas. Por que, então, não facilitamos o caminho para que elas possam
ser criadas por quem tem condições de dar-lhes uma vida confortável?
Infelizmente, a hipocrisia não é só do governo. É também de boa parte da
imprensa e da população. As mulheres que passam anos fazendo tratamento
para engravidar, gastando até dezenas de milhares de dólares, são consideradas,
por boa parte das pessoas, heroínas. Tudo porque conseguiram gerar uma nova
vida. Imagine o quanto seria útil se todo esse investimento fosse usado para
educar crianças que já nasceram.
Depois de conversar com várias pessoas sobre esse tema, costumo ouvir os
mesmos argumentos. O mais enfático deles é aquele que defende o desejo da
mulher de gerar uma vida dentro de si. Não haveria nada, afinal, que
substituísse o ato de sentir um novo ser crescendo dentro da barriga de uma
mulher. Mas, ao seguir essa linha de raciocínio, o que a mulher busca, na
verdade, é a auto-satisfação – e não seria exagero dizer que ela estaria mais
preocupada em conquistar esse prazer do que pensando no bebê em si. Outra
argumentação comum é a de que, ao adotar um bebê, não se tem a garantia
de saber a origem da criança. Essa desconfiança parte da tese, sem
fundamento, de que o filho de um criminoso pode se tornar um criminoso,
mesmo que cresça cercado de carinho. Pelo que eu sei, os genes não
garantem que alguém será um mau-caráter ou um cidadão exemplar. Até
porque criminosos como Hitler e o “Unabomber” eram filhos legítimos de
famílias consideradas normais.
Se a genética e o desejo de engravidar não justificam o repúdio contra a
adoção, é possível concluir que o que as futuras mães querem é a garantia
de que seus filhos terão um tom de pele próximo do delas. O desejo de
engravidar a qualquer custo também tem seu lado racista. Até mesmo
porque boa parte das crianças abandonadas que poderiam ser adotadas no
Brasil são negras.
Num planeta cada vez mais desigual, uma mulher que investe em
tratamentos para gravidez é, de certa forma, uma egoísta – assim como um
casal que tem cinco ou seis filhos. Não têm qualquer preocupação com o
futuro do bebê nem com o futuro do planeta. Essa mulher quer apenas
provar para ela e para a sociedade que é capaz de cumprir uma falsa
obrigação moral: engravidar num mundo cada vez mais cheio de gente.
Revista Superinteressante, edição 180, setembro de 2002
Lembre-se de que, em um artigo de
opinião, você deve
 começar contextualizando, ou seja, relatando um fato ou um conjunto de fatos
que levou você a escrever sobre aquele tema;
 posicionar-se em relação à questão polêmica que você está colocando em
discussão;
 conversar com o leitor, chamando-lhe a atenção em determinados momentos,
apelando para seu raciocínio e chamando-o para concordar com você;
 fazer uso consciente da adjetivação. O uso de adjetivos fortes para
desmerecer a opinião contrária à sua é um traço marcante do artigo de opinião.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
IedaSantana
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
Renally Arruda
 
Genero textual charge
Genero textual chargeGenero textual charge
Genero textual charge
Fabio Junior Sarti
 
Conto
ContoConto
Editorial
EditorialEditorial
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
Marcelo Cordeiro Souza
 
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTORELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
maria saleti Saleti
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Conto de terror
Conto de terrorConto de terror
Conto de terror
Rosângela Ferreira Luz
 
A CRÔNICA
A CRÔNICAA CRÔNICA
A CRÔNICA
Hermeson Aciole
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
Leisiane Jesus
 
Charge e Cartum
Charge e CartumCharge e Cartum
Charge e Cartum
aylton sheverino
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
Ana Castro
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
Kátia Silva da Costa
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
Cynthia Funchal
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADES
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADESLÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADES
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADES
JhonatanCesar6
 
Transitividade verbal
Transitividade verbalTransitividade verbal
Transitividade verbal
PaolaLins
 
Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentação
Jamille Rabelo
 

Mais procurados (20)

Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
O gênero textual entrevista
O gênero textual   entrevistaO gênero textual   entrevista
O gênero textual entrevista
 
Genero textual charge
Genero textual chargeGenero textual charge
Genero textual charge
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Editorial
EditorialEditorial
Editorial
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
 
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTORELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Conto de terror
Conto de terrorConto de terror
Conto de terror
 
A CRÔNICA
A CRÔNICAA CRÔNICA
A CRÔNICA
 
Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
 
Charge e Cartum
Charge e CartumCharge e Cartum
Charge e Cartum
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
 
Aposto e vocativo
Aposto e vocativoAposto e vocativo
Aposto e vocativo
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADES
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADESLÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADES
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADES
 
Transitividade verbal
Transitividade verbalTransitividade verbal
Transitividade verbal
 
Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentação
 

Semelhante a Artigo de opinião

Revista conservadora - Porque o Brasil não tem um partido conservador
Revista conservadora - Porque o Brasil não tem um partido conservadorRevista conservadora - Porque o Brasil não tem um partido conservador
Revista conservadora - Porque o Brasil não tem um partido conservador
Revista O Conservador
 
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃOESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
Estadodedireito
 
MEMORIAL DA DOR.docx
MEMORIAL DA DOR.docxMEMORIAL DA DOR.docx
MEMORIAL DA DOR.docx
Nelson Pereira
 
MEMORIAL DA DOR.docx
MEMORIAL DA DOR.docxMEMORIAL DA DOR.docx
MEMORIAL DA DOR.docx
Nelson Pereira
 
42780_1bedcad8c8c2a014ba2e87626b41e389.pptx
42780_1bedcad8c8c2a014ba2e87626b41e389.pptx42780_1bedcad8c8c2a014ba2e87626b41e389.pptx
42780_1bedcad8c8c2a014ba2e87626b41e389.pptx
Vivian Marxreiter
 
Introdução - Dissertação Argumentativa
Introdução - Dissertação ArgumentativaIntrodução - Dissertação Argumentativa
Introdução - Dissertação Argumentativa
Cynthia Funchal
 
Pos verdade como-compreender_um_tempo_em
Pos verdade como-compreender_um_tempo_emPos verdade como-compreender_um_tempo_em
Pos verdade como-compreender_um_tempo_em
Geldes Castro
 
Pawel Kuczinski
Pawel KuczinskiPawel Kuczinski
Pawel Kuczinski
David Pires
 
Realidade Escondida
Realidade EscondidaRealidade Escondida
Realidade Escondida
Espaço Emrc
 
488 an 13_agosto_2014.ok2 (1)
488 an 13_agosto_2014.ok2 (1)488 an 13_agosto_2014.ok2 (1)
488 an 13_agosto_2014.ok2 (1)
Roberto Rabat Chame
 
Do texto dissertativo ao artigo de opinião
Do texto dissertativo ao artigo de opiniãoDo texto dissertativo ao artigo de opinião
Do texto dissertativo ao artigo de opinião
Ana Paula Felipe
 
Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)
Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)
Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)
Carlos Silva
 
18 texto-argumentativo-exercc3adcios-gabriella-pni
18 texto-argumentativo-exercc3adcios-gabriella-pni18 texto-argumentativo-exercc3adcios-gabriella-pni
18 texto-argumentativo-exercc3adcios-gabriella-pni
Olivier Fausti Olivier
 
Jornal Inconfidência - Edição 235
Jornal Inconfidência - Edição 235Jornal Inconfidência - Edição 235
Jornal Inconfidência - Edição 235
Lucio Borges
 
Apostila estudo sobre sociedade
Apostila   estudo sobre sociedadeApostila   estudo sobre sociedade
Apostila estudo sobre sociedade
João Batista Pastor
 
Dilma, doeu...
Dilma, doeu...Dilma, doeu...
Dilma, doeu...
Gelci Agne
 
Dilma, doeu...
Dilma, doeu...Dilma, doeu...
Dilma, doeu...
Gelci Agne
 
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
Cynthia Funchal
 
Onde Voce Guarda O Seu Racismo Mauricio Santoro
Onde Voce Guarda O Seu Racismo   Mauricio SantoroOnde Voce Guarda O Seu Racismo   Mauricio Santoro
Onde Voce Guarda O Seu Racismo Mauricio Santoro
guesta7e113
 
Reporter capixaba 82
Reporter capixaba 82Reporter capixaba 82
Reporter capixaba 82
Frédéric Decatoire
 

Semelhante a Artigo de opinião (20)

Revista conservadora - Porque o Brasil não tem um partido conservador
Revista conservadora - Porque o Brasil não tem um partido conservadorRevista conservadora - Porque o Brasil não tem um partido conservador
Revista conservadora - Porque o Brasil não tem um partido conservador
 
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃOESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
ESTADO DE DIREITO - 21 EDIÇÃO
 
MEMORIAL DA DOR.docx
MEMORIAL DA DOR.docxMEMORIAL DA DOR.docx
MEMORIAL DA DOR.docx
 
MEMORIAL DA DOR.docx
MEMORIAL DA DOR.docxMEMORIAL DA DOR.docx
MEMORIAL DA DOR.docx
 
42780_1bedcad8c8c2a014ba2e87626b41e389.pptx
42780_1bedcad8c8c2a014ba2e87626b41e389.pptx42780_1bedcad8c8c2a014ba2e87626b41e389.pptx
42780_1bedcad8c8c2a014ba2e87626b41e389.pptx
 
Introdução - Dissertação Argumentativa
Introdução - Dissertação ArgumentativaIntrodução - Dissertação Argumentativa
Introdução - Dissertação Argumentativa
 
Pos verdade como-compreender_um_tempo_em
Pos verdade como-compreender_um_tempo_emPos verdade como-compreender_um_tempo_em
Pos verdade como-compreender_um_tempo_em
 
Pawel Kuczinski
Pawel KuczinskiPawel Kuczinski
Pawel Kuczinski
 
Realidade Escondida
Realidade EscondidaRealidade Escondida
Realidade Escondida
 
488 an 13_agosto_2014.ok2 (1)
488 an 13_agosto_2014.ok2 (1)488 an 13_agosto_2014.ok2 (1)
488 an 13_agosto_2014.ok2 (1)
 
Do texto dissertativo ao artigo de opinião
Do texto dissertativo ao artigo de opiniãoDo texto dissertativo ao artigo de opinião
Do texto dissertativo ao artigo de opinião
 
Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)
Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)
Família em Perigo! - Ideologia de gênero (Revista Gospel)
 
18 texto-argumentativo-exercc3adcios-gabriella-pni
18 texto-argumentativo-exercc3adcios-gabriella-pni18 texto-argumentativo-exercc3adcios-gabriella-pni
18 texto-argumentativo-exercc3adcios-gabriella-pni
 
Jornal Inconfidência - Edição 235
Jornal Inconfidência - Edição 235Jornal Inconfidência - Edição 235
Jornal Inconfidência - Edição 235
 
Apostila estudo sobre sociedade
Apostila   estudo sobre sociedadeApostila   estudo sobre sociedade
Apostila estudo sobre sociedade
 
Dilma, doeu...
Dilma, doeu...Dilma, doeu...
Dilma, doeu...
 
Dilma, doeu...
Dilma, doeu...Dilma, doeu...
Dilma, doeu...
 
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
 
Onde Voce Guarda O Seu Racismo Mauricio Santoro
Onde Voce Guarda O Seu Racismo   Mauricio SantoroOnde Voce Guarda O Seu Racismo   Mauricio Santoro
Onde Voce Guarda O Seu Racismo Mauricio Santoro
 
Reporter capixaba 82
Reporter capixaba 82Reporter capixaba 82
Reporter capixaba 82
 

Mais de Ana Lúcia Moura Neves

Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Ana Lúcia Moura Neves
 
Texto dissertativo expositivo
Texto dissertativo expositivoTexto dissertativo expositivo
Texto dissertativo expositivo
Ana Lúcia Moura Neves
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Ana Lúcia Moura Neves
 
Notícia gênero textual
Notícia gênero textualNotícia gênero textual
Notícia gênero textual
Ana Lúcia Moura Neves
 
Resumo - gênero textual
Resumo - gênero textualResumo - gênero textual
Resumo - gênero textual
Ana Lúcia Moura Neves
 
Paralelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semânticoParalelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semântico
Ana Lúcia Moura Neves
 
Contra-argumentação
Contra-argumentaçãoContra-argumentação
Contra-argumentação
Ana Lúcia Moura Neves
 
Literatura brasileira resumo
Literatura brasileira resumoLiteratura brasileira resumo
Literatura brasileira resumo
Ana Lúcia Moura Neves
 
Tipos de argumentação
Tipos de argumentaçãoTipos de argumentação
Tipos de argumentação
Ana Lúcia Moura Neves
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
Ana Lúcia Moura Neves
 
Inferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendidoInferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendido
Ana Lúcia Moura Neves
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase

Mais de Ana Lúcia Moura Neves (12)

Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Texto dissertativo expositivo
Texto dissertativo expositivoTexto dissertativo expositivo
Texto dissertativo expositivo
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Notícia gênero textual
Notícia gênero textualNotícia gênero textual
Notícia gênero textual
 
Resumo - gênero textual
Resumo - gênero textualResumo - gênero textual
Resumo - gênero textual
 
Paralelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semânticoParalelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semântico
 
Contra-argumentação
Contra-argumentaçãoContra-argumentação
Contra-argumentação
 
Literatura brasileira resumo
Literatura brasileira resumoLiteratura brasileira resumo
Literatura brasileira resumo
 
Tipos de argumentação
Tipos de argumentaçãoTipos de argumentação
Tipos de argumentação
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
 
Inferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendidoInferências - pressuposto e subentendido
Inferências - pressuposto e subentendido
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 

Artigo de opinião

  • 1. Artigo de opinião Professora Ana Lúcia Moura Neves
  • 2. Artigo de opinião É um gênero textual Dissertativo Discorre sobre um tema específico. Argumentativo Mostra o ponto de vista do autor sobre o assunto usando argumentos com o objetivo de convencer o leitor. Diferencia-se da dissertação clássica por ser POLÊMICO e manifestar claramente a posição do autor.
  • 3. A diferença é que, na notícia, o jornalista traz informações sobre dados e fatos, e no artigo de opinião, o articulista opina sobre a questão polêmica que uma notícia pode despertar. O artigo de opinião, normalmente, é publicado em jornais e revistas e, nele, o autor fala sobre um fato atual, alguma notícia ou assunto em voga.
  • 4. Não merecemos Carnaval Alexandre Vidal Porto Nos últimos dias, estive em Denver, Nova York e Washington. Nos Estados ouvi falar do Brasil mais do que gostaria. Em todos os canais de notícia, nosso país aparece como referência de ponto da epidemia de zika. Nos restaurantes, as pessoas comentam. Sem nos darmos conta, transformamo-nos em ameaça para a saúde global. falando para o mundo. O Brasil tornou-se território estéril, o país em que não se pode engravidar. Você, mulher em idade reprodutiva, viria para cá? Faremos uma Olímpiada no Rio de Janeiro, e a notícia que vemos estampada mundo afora é a de lixo boiando nas águas pútridas da baía de Guanabara. As fotos da imundície não são montagem, e os atletas estrangeiros expressam preocupação. As autoridades brasileiras dizem que a água é segura. Você e daria um mergulho?
  • 5. De acordo com pesquisa citada pelo site "Business Insider", o Brasil tem 19 das 50 cidades mais violentas do planeta em termos de homicídios per capita. É mais fácil ser assassinado no Brasil que na maioria dos países do mundo. Se você for homossexual ou negro, suas chances de ter morte violenta são ainda maiores. Você se arriscaria a vir passar as férias no Brasil e virar estatística de criminalidade? As referências elogiosas ao país desapareceram. Ninguém entende exatamente o que acontece. Quando me pedem para explicar, eu falo de uma classe política parasitária, de falta de espírito público e vergonha na cara, de incompetência, arrogância e corrupção. A sensação que fica é de que o país é um lugar perigoso, berço de desonestos, onde se morre antes da hora.
  • 6. Antes que o Planalto acuse: não se trata de complexo de vira-latas nem de complô contra o Brasil. Trata-se da realidade que nós, ignorando ou não, vivemos. Até a simpatia com que contavam os brasileiros mundo afora parece ter-se perdido na cara amarrada da presidente que não consegue presidir. O mundo até queria gostar do Brasil, mas o país não se ajuda. Você gastaria seu dinheirinho para vir para cá? Você se arriscaria a sofrer violência desnecessariamente, a adoecer por descaso das autoridades sanitárias, a ter um filho microcefálico porque quem tinha de fazer seu trabalho não fez? Viver já é perigoso demais para que você se exponha às estatísticas. Para ter férias e diversão, há muitos outros lugares além do nosso desgovernado país –e sempre se pode assistir à Olímpiada na televisão.
  • 7. Enquanto isso, passamos semanas nos preaquecendo para o Carnaval. Nas minhas mídias sociais, as pessoas aparecem fantasiadas, e uma amiga me disse ontem que passou a tarde costurando uma saia de cetim azul. Pergunto-me como nos damos ao luxo, com tanta coisa precisando ser feita no país. Eu não entendo. O resto do mundo não entende. Nada me parece mais individualista e inconsequente do que dançar enquanto nosso país se desfaz. Não merecemos recesso –momesco ou não– enquanto não terminarmos a faxina da sujeira que nos envolve. http://www1.folha.uol.com.br/colunas/alexandrevidalporto/2016/02/1736036-nao-merecemos-carnaval.shtml (Acesso em 18/05/2016)
  • 8. Para discussão…  Quem é o autor do texto? Em que esse autor é especialista?  Onde o texto foi publicado?  Qual a questão polêmica?  O autor refere-se a um acontecimento que o levou a escrever artigo. Que acontecimento foi esse?  Qual a posição do autor a respeito da polêmica?  Que argumentos ele usa para justificar sua posição?  No texto, o autor apresenta argumentos de pessoas que discordam dele. Que argumentos são esses?  O autor propõe alguma alternativa de solução para a polêmica?
  • 9. Estrutura do artigo de opinião SEMPRE POLÊMICO CONTESTAÇÃO
  • 10. Leia o artigo de opinião Engravidar é um ato egoísta e identifique nele os seguintes aspectos do artigo de opinião:  A autora do texto e sua especialidade.  Onde e quando o texto foi publicado.  Qual a questão polêmica e qual a tese da autora sobre essa questão.  A situação que levou a autora a escrever sobre o tema.  Os argumentos ela usa para justificar sua posição.  Os argumentos que a autora apresenta de pessoas que dela e como ela contesta esses argumentos. A proposta da autora para solucionar a questão.
  • 11. Engravidar é um ato egoísta Desde a desinformação entre os mais pobres até a irresponsabilidade de de classe média. Karen Gimenez É provável que minhas palavras incomodem as leitoras da Super que estão folheando a revista ao lado de seus rechonchudos bebês. Ou mesmo desperte sanha dos cristãos mais fervorosos que lembrarão a célebre frase bíblica e multiplicai-vos”. Acontece que, quando tal frase foi dita, a humanidade vivia num mundo completamente diferente. Ainda não havia recenseamento populacional preciso e a Terra parecia pronta para receber todos que aqui chegassem. Hoje, isso não é mais verdade. Dados internacionais mostram que mais de seis bilhões de seres humanos sobre o planeta. O pior é que, em 2050, esse número deve saltar para nove bilhões. Ou seja: em pouco menos de 50 anos, adicionaremos no planeta a metade da população que temos hoje – e custa nada lembrar que levamos cerca de 100 000 anos para atingir esse
  • 12. Há vários motivos para essa explosão demográfica. Desde a desinformação entre os mais pobres até a irresponsabilidade de famílias de classe média. Independentemente do motivo, o fato é que a população cresce em progressão geométrica, aumentando os problemas sociais e gerando mais violência. Países como a China tentam aplicar o controle de natalidade. Mas o problema é mundial e precisa ser encarado de frente por todos. Não dá mais para se esconder atrás de dogmas morais ou religiosos, enaltecendo o dom da maternidade e o milagre de gerar uma nova vida. Por motivos que estão mais ligados ao lucro do que a preocupações humanitárias, a ciência colabora com essa explosão populacional desenvolvendo, a cada dia, métodos de fertilização artificial. Mas por que, em vez de gerar cada vez mais crianças, não damos condições decentes às que estão abandonadas ou que são obrigadas a trabalhar em fornos de carvão? Em vez de promover métodos de fertilização artificial, por que não se promovem eficientes campanhas de adoção?
  • 13. Países como o Brasil precisam abandonar posturas hipócritas que dificultam a adoção internacional. As nações ricas, que têm taxas de crescimento negativo, precisam de crianças. Já o Brasil, a Índia e a China têm milhares de crianças desamparadas. Por que, então, não facilitamos o caminho para que elas possam ser criadas por quem tem condições de dar-lhes uma vida confortável? Infelizmente, a hipocrisia não é só do governo. É também de boa parte da imprensa e da população. As mulheres que passam anos fazendo tratamento para engravidar, gastando até dezenas de milhares de dólares, são consideradas, por boa parte das pessoas, heroínas. Tudo porque conseguiram gerar uma nova vida. Imagine o quanto seria útil se todo esse investimento fosse usado para educar crianças que já nasceram.
  • 14. Depois de conversar com várias pessoas sobre esse tema, costumo ouvir os mesmos argumentos. O mais enfático deles é aquele que defende o desejo da mulher de gerar uma vida dentro de si. Não haveria nada, afinal, que substituísse o ato de sentir um novo ser crescendo dentro da barriga de uma mulher. Mas, ao seguir essa linha de raciocínio, o que a mulher busca, na verdade, é a auto-satisfação – e não seria exagero dizer que ela estaria mais preocupada em conquistar esse prazer do que pensando no bebê em si. Outra argumentação comum é a de que, ao adotar um bebê, não se tem a garantia de saber a origem da criança. Essa desconfiança parte da tese, sem fundamento, de que o filho de um criminoso pode se tornar um criminoso, mesmo que cresça cercado de carinho. Pelo que eu sei, os genes não garantem que alguém será um mau-caráter ou um cidadão exemplar. Até porque criminosos como Hitler e o “Unabomber” eram filhos legítimos de famílias consideradas normais.
  • 15. Se a genética e o desejo de engravidar não justificam o repúdio contra a adoção, é possível concluir que o que as futuras mães querem é a garantia de que seus filhos terão um tom de pele próximo do delas. O desejo de engravidar a qualquer custo também tem seu lado racista. Até mesmo porque boa parte das crianças abandonadas que poderiam ser adotadas no Brasil são negras. Num planeta cada vez mais desigual, uma mulher que investe em tratamentos para gravidez é, de certa forma, uma egoísta – assim como um casal que tem cinco ou seis filhos. Não têm qualquer preocupação com o futuro do bebê nem com o futuro do planeta. Essa mulher quer apenas provar para ela e para a sociedade que é capaz de cumprir uma falsa obrigação moral: engravidar num mundo cada vez mais cheio de gente. Revista Superinteressante, edição 180, setembro de 2002
  • 16. Lembre-se de que, em um artigo de opinião, você deve  começar contextualizando, ou seja, relatando um fato ou um conjunto de fatos que levou você a escrever sobre aquele tema;  posicionar-se em relação à questão polêmica que você está colocando em discussão;  conversar com o leitor, chamando-lhe a atenção em determinados momentos, apelando para seu raciocínio e chamando-o para concordar com você;  fazer uso consciente da adjetivação. O uso de adjetivos fortes para desmerecer a opinião contrária à sua é um traço marcante do artigo de opinião.