SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 116
Baixar para ler offline
opinião                                                                                                                                                                               Ano XII • jan/fev 2011 • Número 76 • www.tnpetroleo.com.br

                                                                                                             Grandes expectativas para o setor de petróleo e gás natural,
                                                                                                             de Marilda Rosado de Sá Ribeiro, sócia do escritório Doria, Jacobina, Rosado e Gondinho Advogados.

                                                                                                                                                                                       A infraestrutura (ainda) é o problema
Revista Brasileira de TecNologIA e NegócIos de Petróleo, gás, Petroquímica, Química Fina e Biocombustíveis




                                                                                                                                                                                   O gás e a transição energética do Brasil
                                                                                                                                                                                   Volume recorde em leilão de gás natural
                                                                                                                                                                          EPC – produtividade e competitividade são vitais




                                                                                                                EsPECiAl: PErsPECtiVA 2011


                                                                                                               esPerANçAs                                                                                      mOVidAs
                                                                                                                                                                                                               A PEtrólEO




                                                                                                                                                                                                      Entrevista exclusiva
                                                                                                                                                                                   Fernando martins, vice-presidente
                                                                                                                                                                              da ge Vetco gray para a América latina

                                                                                                                                              GE amplia operações no Brasil
                                                                                                                Programa de Educação Ambiental e Valorização
                                                                                                                do ser (Pertenser), por Geraldo José Virgínio,
                                                                                                                Lucilene Danciguer e Caroline Signorelli Maciel Marques
                                                                                                                                                                                                                                                     00076




                                                                                                                trabalho embarcado e estresse profissional,
                                                                                                                                                                                                                                I SSN 1 41 5889- 2




                                                                                                                por Humberto Superchi e Eduardo Ramalho
                                                                                                                                                                                                                                                     9 771415 889009




                                                                                                                renegociação de seguros: a hora é agora,
                                                                                                                por Sérgio Rausch
                                                                                                                A busca americana pela segurança energética,
                                                                                                                por José Alexandre Hage
                                                                                                                Os principais regimes de E&P na indústria
                                                                                                                de petróleo e gás ao redor do mundo,
                                                                                                                por Luiz Antonio Lemos e Bruno Vignall               suPlEmEntO EsPECiAl: CAdErnO dE sustEntABilidAdE
LIDERANÇA
GLOBAL
   COM
CONTEÚDO
LOCAL
TN Petróleo 76   1
sumário   edição nº 76 jan/fev 2011




14                                    Entrevista exclusiva

                                      com Fernando Martins, vice-presidente
                                      da GE Vetco Gray para a América Latina

                                      GE amplia operações
                                      no Brasil



 20                                       Especial: Perspectiva 2011


                                          Esperanças
                                          movidas a petróleo
                                          27 Nova era no setor de dutos
                                          28 A infraestrutura (ainda) é o problema
                                          32 Petrobras: a meta é manter o ritmo
                                             de crescimento
                                          34 A oportunidade de avançar
                                          36 Indústria de óleo e gás se movimenta
                                             e novos contratos são formalizados



 38                                       Gás natural


                                          O gás e a transição
                                          energética do Brasil
                                          44   Mercado de grandes perspectivas
                                          46   Volume recorde em leilão de gás natural
                                          49   Usiminas inicia consumo de GN
                                          50   Setor discutiu ações para mais
                                               qualidade, eficiência e segurança
                                               para o consumo



52                                    EPC: produtividade
                                      e competitividade
                                      são vitais
                                      58 Demandas na área naval geram
                                         nova metalúrgica
60 Waimea: um bom
   começo
                                                                                Liderança em Classificação e Certificação Offshore
                                                                                e-mail: absrio@eagle.org Tel: + 55 21 2276-3535




                                                         62                                             CONSELHO EDITORIAL

                                                                                                     Affonso Vianna Junior

                                                          Eventos
                                                                                              Alexandre Castanhola Gurgel
                                                                                             André Gustavo Garcia Goulart
                                                                                       Antonio Ricardo Pimentel de Oliveira
                                                         62   Novo terminal de                                Bruno Musso
                                                              regaseificação na Bahia                          Colin Foster
                                                                                                         David Zylbersztajn
                                                         63   Ipiranga inaugura base em Cuiabá
                                                                                                         Eduardo Mezzalira
                                                         64   Technip investe R$ 700 milhões            Eraldo Montenegro
                                                              em Angra dos Reis                        Flávio Franceschetti
                                                                                                         Francisco Sedeño
                                                         65   Skandi Peregrino é batizado                  Gary A. Logsdon
                                                              no Rio de Janeiro                       Geor Thomas Erhart
                                                                                                             Gilberto Israel
                                                         66 Logística para transporte de etanol
                                                                                                                       Ivan Leão
                                                         67 TI para todos os segmentos...                Jean-Paul Terra Prates
                                                            inclusive de petróleo                       João Carlos S. Pacheco
                                                                                                  João Luiz de Deus Fernandes
                                                                                                                   José Fantine



                                                        108
                                                                                                                   Josué Rocha
                                                                                                                    Luiz B. Rêgo
                                                                                                     Luiz Eduardo Braga Xavier
                                                                                                                  Marcelo Costa

                                                         Relíquias no                                            Márcio Giannini
                                                                                                             Márcio Rocha Melo

                                                         MNBA:                                                   Marcius Ferrari
                                                                                                            Marco Aurélio Latgé
                                                         Um tesouro novamente                            Maria das Graças Silva

                                                         à mostra                                    Mário Jorge C. dos Santos
                                                                                                         Maurício B. Figueiredo
                                                                                                                Nathan Medeiros
                                                                                                Roberto Alfradique V. de Macedo
                                                                                                               Roberto Fainstein
                                                                artigos                                         Ronaldo J. Alves
                                                                                                     Ronaldo Schubert Sampaio
 78 Programa de Educação Ambiental e Valorização                                                                 Rubens Langer
    do Ser (PertenSer), por Geraldo José Virgínio, Lucilene Danciguer                                          Samuel Barbosa
     e Caroline Signorelli Maciel Marquesa

84 Trabalho embarcado e estresse profissional,
     por Humberto Superchi e Eduardo Ramalho                                             Ano XII • Número 76 • jan/fev 2011
                                                                                         Fotos: Roberto Rosa e Divulgação GE
 96 Renegociação de seguros: a hora é agora, por Sérgio Rausch
 98 A busca americana pela segurança energéticas,
     por José Alexandre Hage

102 Os principais regimes de E&P na indústria de petróleo
    e gás ao redor do mundo, por Luiz Antonio Lemos e Bruno Vignal

seções
   5   editorial                                  86    pessoas
   6   hot news                                   88    produtos e serviços
  10   indicadores                               106    fino gosto
  62   eventos                                   108    coffee break
  68   perfil profissional                       110    feiras e congressos
  71   caderno de sustentabilidade                111   opinião
4   TN Petróleo 76
editorial




               Rua do Rosário, 99/7º andar
                                                Crescem as
                                                expectativas
                  Centro – CEP 20041-004
               Rio de Janeiro – RJ – Brasil
                  Tel/fax: 55 21 3221-7500
                    www.tnpetroleo.com.br
              tnpetroleo@tnpetroleo.com.br

                     DIRETOR EXECUTIVO
                               Benício Biz
              beniciobiz@tnpetroleo.com.br




                                                C
         DIRETORA DE NOVOS NEGÓCIOS
                Lia Medeiros (21 8241-1133)            om o Brasil entre as principais   ainda não estão definidas ‘algumas
            liamedeiros@tnpetroleo.com.br              rotas de negócios e investi-      cartas do jogo’, inclusive a perma-
                                 EDITORA               mentos no setor de óleo e gás,    nência da atual diretoria da empresa,
            Beatriz Cardoso (21 9617-2360)
          beatrizcardoso@tnpetroleo.com.br      começamos o ano cheio de expecta-        que fechou o ano com recordes de
              EDITOR DE ARTE, CULTURA           tivas. A cadeia produtiva deste setor    lucro líquido (17% maior que o de
                           E VARIEDADES         começou o ano com algumas tarefas        2009), aumento da produção diária
             Orlando Santos (21 9491-5468)
                                                urgentes. A primeira delas, prospec-     média (2%), que chegou a
                            REPÓRTERES
          Cassiano Viana (55 21 9187-7801)      tar as múltiplas oportunidades de        2,6 milhões de boe/dia e das reser-
               cassiano@tnpetroleo.com.br
                                                negócios delineadas pelo ambicioso       vas provadas – com o pré-sal contri-
 Maria Fernanda Romero (55 21 8867-0837)
              fernanda@tnpetroleo.com.br        plano de negócios da Petrobras, no       buindo com 1,281 bilhão de barris de
            Rodrigo Miguez (21 9389-9059)
                rodrigo@tnpetroleo.com.br       valor global de US$ 224 bilhões,         óleo equivalente.
            RELAÇÕES INTERNACIONAIS
                                                para o período de                            Com um índice de reposição
            Dagmar Brasilio (21 9361-2876)      2010 a 2014. Afi-                        de reservas (IRR) de 229%, a
         dagmar.brasilio@tnpetroleo.com.br
                                                nal, apenas um                           estatal reafirma sua posição no
                         DESIGN GRÁFICO
                Benício Biz (21 3221-7500)      ano se passou                            mercado internacional, tornando
              beniciobiz@tnpetroleo.com.br                                               o país ainda mais atraente para
                                                e há muito mais
     PRODUÇÃO GRÁFICA E WEBMASTER               pela frente.                             os investidores do mundo inteiro.
         Laércio Lourenço (21 3221-7506)
         webmaster-tn@tnpetroleo.com.br             As perspec-                          E não somente na área de óleo e
           Marcos Salvador (21 3221-7510)       tivas de todos                           gás, mas em outros segmentos de
         marcossalvador@tnpetroleo.com.br
                                                aqueles que                              energia, como o eólico e de ener-
                                 REVISÃO
             Sonia Cardoso (21 3502-5659)       atuam no setor, tanto as operado-        gias renováveis – pauta que está
             DEPARTAMENTO COMERCIAL             ras e seus associados, como os           na ordem do dia de governantes,
               José Arteiro (21 9163-4344)
             josearteiro@tnpetroleo.com.br
                                                fornecedores de bens e serviços          mundo afora.
             Cristina Pavan (21 9408-4897)      são extremamente positivas (sempre           Sem mais as nuvens negras da
           cristinapavan@tnpetroleo.com.br                                               crise financeira internacional que
                                                com alguns senões), como pudemos
            Lorraine Mendes (21 8311-2053)
                 lorraine@tnpetroleo.com.br     aferir na reportagem de capa dessa       eclodiu em 2008 e tem reflexos
                Bruna Guiso (21 7682-7074)      edição e concluir que são muitas as      até hoje na economia das princi-
                  bruna@tnpetroleo.com.br
                                                “esperanças movidas a petróleo”.         pais nações do mundo e a despeito
          Luiz Felipe Pinaud (21 7861-4828)
                  l.felipe@tnpetroleo.com.br        Outro desafio é a questão de         das mudanças políticas que estão
                           ASSINATURAS          recursos humanos – cada vez mais         ocorrendo no mundo árabe, 2011
             Rodrigo Matias (21 3221-7503)
                 matias@tnpetroleo.com.br       em falta –, tecnologias e ferramen-      prenuncia muitas coisas boas para
                        CTP e IMPRESSÃO
                                                tas necessárias para atender a uma       o Brasil. O que todos esperam, tanto
                          Walprint Gráfica      demanda altamente aquecida do            os principais agentes do setor pro-
                             DISTRIBUIÇÃO       setor petrolífero, nas mais diversas     dutivo como a sociedade em geral, é
           Benício Biz Editores Associados.
                                                áreas de atividades. Os epecistas,       que não fiquemos apenas na espe-
           Os artigos assinados são de total
              responsabilidade dos autores,     que já vêm executando diversos           rança e sim que consolidemos uma
      não representando, necessariamente,       projetos, têm buscado a qualificação     rota sustentável de desenvolvimento
                     a opinião dos editores.
      TN Petróleo é dirigida a empresários,     contínua, tanto em recursos huma-        que nos permita ter não apenas um
         executivos, engenheiros, geólogos,
     técnicos, pesquisadores, fornecedores      nos como em capacitação técnica e        grande “pibão”, mas um PIB robusto
       e compradores do setor de petróleo.      tecnológica, para disputar os gran-      todos os anos.
                      ENVIO DE RELEASES         des empreendimentos que devem
  Sugestões de temas ou envio de matérias
   devem ser feitos via fax: 55 21 3221-7511    começar a sair do papel esse ano,
ou pelo e-mail tnpetroleo@tnpetroleo.com.br
                                                como veremos na reportagem sobre
                                    Filiada à   esse segmento de atividade.
                                                    Grandes também as expectativas                                        Benício Biz
                                                em torno da Petrobras, uma vez que                   Diretor executivo da TN Petróleo



                                                                                                               TN Petróleo 76      5
hot news




 Cameron e Petrobras:
 cooperação tecnológica
  A PetrobrAs e A CAmeron                      macaé e taubaté, o que irá represen-         dos principais polos tecnológicos
  assinaram um memorando de en-                tar um valor de quase Us$ 200 mi-            internacionais nesta área.”
  tendimentos para cooperação tec-             lhões de recursos aplicados no país.             “É de grande importância o
  nológica em projetos de pesquisa                 o reforço da infraestrutura de           aumento da capacidade da Came-
  e desenvolvimento voltados para              pesquisa e desenvolvimento da                ron para atender às necessidades
  a área de equipamentos submari-              Cameron no estado de são Paulo               da Petrobras para implantação dos
  nos. A assinatura do acordo é uma            está alinhado à estratégia da Petro-         empreendimentos de desenvol-
  das etapas para a construção pela            bras de atrair para o brasil centros         vimento da produção em águas
  Cameron de um centro de tecno-               tecnológicos de importantes for-             ultraprofundas, com conteúdo tec-
  logia no campus da Universidade              necedores da indústria de petróleo           nológico e fabril estabelecidos no
  estadual de Campinas (Unicamp).              e gás. o presidente e Ceo da                 país”, comenta solange Guedes,
      A unidade brasileira do Came-            Cameron, Jack moore, disse que               gerente executiva de engenharia
  ron research Center ficará no Polo           esses investimentos significam um            de Produção da Petrobras. o acor-
  de Pesquisa e Inovação da Uni-               passo importante da Cameron em               do entre as empresas será válido
  camp, no campus da universidade,             seu compromisso com a indústria              por 16 meses.
  e será um centro de excelência em            brasileira de óleo e gás.                        estiveram presentes à cerimô-
  Pesquisa e Desenvolvimento (P&D)                 o gerente executivo do Cen-              nia de assinatura do memorando
  de novas tecnologias para o setor            tro de Pesquisas da Petrobras                o Ceo da Cameron, Jack Moore;
  de óleo e gás no brasil.                     (Cenpes), Carlos Tadeu da Costa              o pró-reitor de pós-graduação da
      Hoje, a Cameron já conta com             Fraga, ressalta que “a Cameron é             Unicamp, euclides de mesquita
  três plantas industriais em nosso                               um entre vários                              neto; o dire-
  território, localizadas em Jaca-                                fornecedores                                 tor corporativo
  reí, taubaté (sP) e macaé (rJ).                                 importantes da                               da Cameron,
  Além da construção do centro de                                 Petrobras que                                Juan Arango; o
  tecnologia, também está previs-                                 estão estabele-                              vice-presidente
  to aumento da infraestrutura de                                 cendo no brasil                              executivo e Coo
  testes na planta de Jacareí, com a                              centros de pes-                              da Cameron,
  instalação de uma câmara hiper-                                 quisa e desen-                               John Carne; e
  bárica e uma série de testes de alta                            volvimento. esse                             representando a
  pressão, para execução de ensaios            movimento, em conjunto com a                 Petrobras, orlando ribeiro, coor-
  e qualificação de equipamentos               expansão do Cenpes e com o refor-            denador de projetos tecnológicos
  submarinos.                                  ço da capacidade experimental nas            do Programa de Capacitação em
      nessas duas obras serão inves-           universidades e institutos de pes-           Águas Profundas (Procap), do Cen-
  tidos Us$ 30 milhões. Ademais, a             quisa brasileiros, contribuirá para          tro de Pesquisas Leopoldo Américo
  Cameron irá expandir as plantas de           que o brasil se consolide como um            miguez de mello (Cenpes).


  Balanço do Programa Empresas
  Brasileiras de Navegação
                                                                                                                                 Foto: Cortesia Enavi-Renave




  A PETROBRAS APRESENTOU no dia 2 de março, o balanço do
  Programa Empresas Brasileiras de Navegação (EBN). O programa
  é parte de um conjunto de iniciativas para reduzir a dependência
  do mercado externo de fretes marítimos, estimulando a construção
  naval no Brasil e gerando empregos e trata do afretamento, pelo
  período de 15 anos, de navios a serem construídos por empresas
  brasileiras em estaleiros estabelecidos no Brasil.                      Já na segunda fase, que se encontra em processo final de
      Na primeira fase do programa (EBN1), foram contratados 19       contratação, participaram 38 empresas, com 30 propostas apre-
  navios. O processo foi concluído em maio de 2010 e contou com       sentadas. A expectativa é que as 20 novas embarcações come-
  a participação de cerca de 40 empresas, tendo sido apresentadas     cem a ser entregues entre 2013 e 2017. Segundo Paulo Roberto
  mais de 30 propostas comerciais. A previsão de entrega dos navios   Costa, o conteúdo local nesses projetos ficará em 50%, mas que
  dessa primeira fase: é entre 2012 e 2014.                           progressivamente poderá chegar a até 70%.


  6   TN Petróleo 76
TLD no pré-sal da Bacia de Campos
A Petrobras iniciou, no fim de fevereiro, o Teste de Longa
Duração (TLD) do reservatório de Tracajá, em área de pré-sal,
por meio do poço 6-MLL-70, localizado a 124 km da costa do Rio
de Janeiro, no campo de Marlim Leste, na Bacia de Campos.
o Poço 6-mLL-70, onde foi en-
contrado reservatório com petróleo
                                                                                               Aquisição da Quattor
na profundidade de 4.442 m em se-                                                              pela Braskem é
tembro de 2010, foi interligado ao                                                             aprovada pelo Cade
navio-plataforma P-53, aproveitando
a capacidade de processamento e es-                                                            FOI APROVADO EM fevereiro, integral-
                                                                                               mente, pelo Cade (Conselho Administrativo
coamento disponível. o teste começou
                                                                                               de Defesa Econômica), a aquisição da
com vazão de 23.300 barris por dia.
                                                Foto: Roberto Rosa, Consórcio Quip




                                                                                               Quattor pela Braskem. Com essa decisão,
     o objetivo do tLD é obter in-
                                                                                               foi mais uma vez confirmado como global,
formações sobre as características                                                             o mercado relevante para o setor petroquí-
do reservatório, para a definição do                                                           mico e que, portanto, a competição se dá
futuro projeto definitivo de desenvol-                                                         nessa dimensão.
vimento da produção. em dezembro                                                                    As negociações para aquisição da
de 2010, a Petrobras iniciou teste                                                             Quattor foram concluídas em janeiro de
semelhante, na acumulação conhe-                                                               2010, por meio de um Acordo de In-
cida como Carimbé, também em                    em 2010, prevê ainda a perfuração              vestimento celebrado entre Odebrecht,
estrutura de pré-sal, na concessão              de um ou dois poços de extensão                Petrobras, Braskem e Unipar. A aquisição
                                                para delimitação completa da acu-              posiciona a Braskem como a maior produ-
de Caratinga.
                                                                                               tora de resinas termoplásticas das Améri-
    A descoberta de tracajá é mais              mulação.
                                                                                               cas, colocando-a em um novo patamar de
um resultado conseguido pela es-                    Além de tracajá e Carimbé, a
                                                                                               escala e eficiência para fazer frente aos
tratégia do Planóleo, programa que              Petrobras já descobriu petróleo no             desafios do mercado internacional.
busca intensificar os trabalhos de              pré-sal em outras regiões da ba-                    Como parte da operação, a Braskem
exploração e produção nas áreas pró-            cia de Campos, onde a companhia                se comprometeu a notificar previamente
ximas a campos que já se encontram              iniciará tLD ainda neste ano nas               o Cade sobre os futuros contratos para
em operação, com o objetivo de apro-            acumulações de brava (concessão                a compra de resinas de fornecedores
veitar a capacidade das instalações             de marlim), Aruanã e oliva (bloco              estrangeiros que contenham cláusula de
existentes, diminuir custos e agili-            exploratório bm-C-36).                         exclusividade e que preencham os demais
zar a produção de novos volumes                     na porção norte da bacia de                requisitos legais que tornam tais contratos
                                                Campos, no litoral do espírito santo,          notificáveis, em linha com o projeto de
de petróleo.
                                                                                               lei que reestrutura o Sistema Brasileiro
    o Plano de Avaliação de Desco-              a Petrobras vem produzindo petró-
                                                                                               de Defesa da Concorrência. Além disso,
berta (PAD) de tracajá, apresentado             leo no pré-sal, na região conheci-
                                                                                               a Braskem, visando incentivar a transpa-
à Agência nacional de Petróleo, Gás             da como Parque das baleias, desde              rência nas suas relações comerciais e a
natural e biocombustíveis (AnP)                 agosto de 2008.                                competitividade da cadeia produtiva, con-
                                                                                               cordou em submeter, periodicamente, sob
Pré-sal: óleo de boa qualidade em Iara                                                         regime de confidencialidade, informações
A PETROBRAS CONCLUIU a perfuração do poço exploratório de extensão 3-BRSA-891A-                a respeito de seus contratos e ativida-
RJS (3-RJS-682A) localizado na área do Plano de Avaliação de Iara, no pré-sal da Bacia de      des de importação e comercialização de
Santos. Em profundidade de água de 2.279 m, o poço está localizado a cerca de 230 km da        resinas.
costa do Rio de Janeiro e a 8 km do poço pioneiro descobridor.                                      Com a aprovação consumada, a em-
     O resultado da perfuração do poço confirmou a boa qualidade do óleo no reservatório       presa continuará mantendo os melhores
(28º API) e reforçou o potencial de óleo leve e gás natural recuperável daquela jazida.        padrões de governança corporativa vigen-
A estimativa da Petrobras é que o volume recuperável esteja entre 3 e 4 bilhões de barris de   tes no mercado internacional, fundamen-
óleo equivalente. Conhecido informalmente como Iara Horst, o poço demonstrou melhores          tados em: transparência e autonomia da
características do reservatório do que as encontradas no poço descobridor 1-BRSA-618-RJS       gestão executiva; busca de resultados con-
(1-RJS-656). Testes de formação ainda serão feitos para avaliar a produtividade do reserva-    sistentes para os acionistas; compromisso
tório. O consórcio operado pela Petrobras (65%), em parceria com a BG Group (25%) e Galp       com a melhoria da competitividade de toda
Energia (10%), dará continuidade às atividades previstas pelo Plano de Avaliação aprovado      a cadeia produtiva e com a promoção do
pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).                        desenvolvimento sustentável.



                                                                                                                       TN Petróleo 76   7
hot news




 Siemens fecha contrato para o fornecimento de
 turbinas para parques eólicos da Ersa no Brasil
  A Siemens vai fornecer 34 aerogeradores (de 2,3 MW cada) para quatro novos parques
  eólicos a serem construídos no Nordeste pela Ersa (Energias Renováveis S/A).
  LoCALIzADos no rio Grande do nor-                a ano, aumentando sua participação de               o mercado brasileiro apresenta enor-
  te, os empreendimentos – Costa branca,           mercado também nas aplicações em terra          me potencial para energia eólica. Até re-
  Juremas, macacos e Pedra Preta – vão             (onshore). está entre os três maiores fabri-    centemente, as estimativas eram da ordem
  ser responsáveis pela geração de 78,2            cantes do mercado e vem apresentando            de 140.000 megawatts, com medições rea-
  mw de energia limpa. o contrato foi as-          taxas de crescimento aceleradas perante         lizadas em torres de 50 m de altura. Hoje,
  sinado em dezembro, sendo que a ersa já          seus competidores. somente no exer-             já há estudos sinalizando que, em ventos
  possui licença de instalação para todos os       cício de 2009, a siemens instalou mais          medidos a 100 m de altura, este potencial
  projetos e planeja iniciar as obras ainda        de 2.100 megawatts com novas turbinas           poderá dobrar. o setor, que hoje tem mais
  neste semestre.                                  eólicas, aumentando sua base instalada          de 900 megawatts de capacidade instalada
       De acordo com Roberto Sahade,               para cerca de 11.000 megawatts.                 no país, conta com um portfólio acima de
  presidente da ersa, os equipamentos da               De acordo com o diretor de ener-            4 gigawatts em empreendimentos eólicos
                        siemens foram es-                                gias renováveis da        a ser instalados até 2013, resultado dos
                        colhidos por seu alto                            siemens no brasil,        contratos fechados nos leilões de dezembro
                        grau de tecnologia                               Eduardo Ângelo,           de 2009 e agosto de 2010.
                        agregada e por se-                               a empresa trabalha            A energia eólica faz parte do portfólio
                        rem bastante ade-                                com a expectativa         ambiental da siemens. em 2010, o fatura-
                        quados às condições                              de aumentar ainda         mento em tecnologias ambientais atingiu
                        de vento existentes                              mais sua partici-         28 bilhões de euros, tornando a siemens
                        no brasil, e em parti-                           pação no mercado          a maior fornecedora de tecnologias am-
                        cular, nos parques da                            brasileiro de eóli-       bientais do mundo. no mesmo período,
  ersa localizados no rio Grande do norte.         cas. “estamos em negociações adian-             os produtos siemens ajudaram os clientes
  “A siemens possui comprovado suces-              tadas com outros clientes que também            da empresa a reduzirem suas emissões de
  so em aplicações offshore e transportou          venceram os recentes leilões de energias        dióxido de carbono (Co2) em 270 milhões
  este conhecimento para os equipamentos           renováveis no brasil e acreditamos fechar       de toneladas, o equivalente às emissões
  onshore, como por exemplo confiabilidade         novas encomendas em breve”, afirma. “o          anuais de megacidades como Hong Kong,
  do equipamento e a alta eficiência do ae-        brasil entrou definitivamente no radar          Londres, nova York, tóquio, Deli e Cin-
  rogerador, graças ao design na construção        estratégico da siemens e contribuirá de         gapura. esse total também equivale ao
  exclusiva das pás”, afirmou sahade.              modo efetivo para o aumento da par-             dobro de Co2 emitido pelo estado de são
       A siemens é líder global em energia         ticipação da empresa no mercado de              Paulo no último levantamento feito pela
  eólica nas aplicações offshore, e vem, ano       energias renováveis.”                           Cetesb em 2005.


 R$ 2,47 bi para expandir produção de aço no Rio
  Duplicação da unidade da companhia visa atender à demanda de aço no Brasil por conta
  do crescimento econômico e de eventos como Copa e Olimpíadas. O empreendimento vai gerar
  550 empregos diretos e três mil indiretos.
  NO DIA 2 DE MARçO, o governador do Rio de        um novo laminador de fio-máquina e verga-
  Janeiro, Sérgio Cabral Filho, e o presidente     lhões, com capacidade instalada de 1,1 milhão
  do Conselho de Administração da Gerdau,          de toneladas por ano, a ser implantado em
  Jorge Gerdau Johannpeter, anunciaram in-         duas etapas. Os investimentos, que seguem
  vestimentos de R$ 2,47 bilhões na expansão       rigorosos padrões de proteção ambiental,
                                                                                                   Foto: Carlos Magno, Governo RJ




  da produção de aço e laminados em sua usina      envolvem a implantação de toda a infraestru-
  Cosigua, localizada no Distrito Industrial de    tura necessária para a expansão da unidade
  Santa Cruz, na Zona Oeste carioca. O empre-      industrial.
  endimento prevê gerar 550 empregos diretos            “Estamos investindo no Rio para aten-
  permanentes e três mil indiretos. No pico das    der à expansão futura da demanda por aço
  obras, em 2012, serão criadas cerca de 1,7 mil   no Brasil, impulsionada pelo crescimento da
  vagas temporárias.                               economia brasileira e pelos eventos da Copa
      Na unidade, a capacidade de produção de      do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de       bém a ampliação da infraestrutura aeroviária,
  aço crescerá 50%, chegando a 1,8 milhão de       2016, que envolvem não somente a construção     hoteleira, de energia e de telecomunicações”,
  toneladas por ano. Além disso, será instalado    e reforma de complexos esportivos, mas tam-     disse Jorge Gerdau Johannpeter.


  8   TN Petróleo 76
TN Petróleo 76   9
indicadores tn




  Lucro líquido da Petrobras em 2010
  alcança valor recorde de R$ 35 bilhões
  A Petrobras anunciou, no dia 25 de fevereiro, que encerrou 2010 com um lucro líquido recorde
  de R$ 35 bilhões 189 milhões, o que representa um avanço de 17% sobre o resultado de 2009.
  O Ebitda atingiu R$ 60 bilhões e 323 milhões.
  O VALOR FOI IMPULSIONADO por um                                                                 O documento traz ainda informações
  maior volume de vendas de derivados                                                        sobre a produção no pré-sal, que também
  assim como pelo efeito das cotações de                                                     aumentou em dezembro, quando foram
  petróleo mais elevadas sobre as exporta-                                                   registrados 65,2 mil barris diários e 2,312
  ções e produção internacional.                                                             milhões de m3 por dia de gás natural.
       Segundo a estatal, adicionalmente, a                                                       A agência informou também que a
  valorização cambial contribuiu para o au-                                                  queima do gás caiu em cerca de 11,4%
  mento do lucro, gerando impacto positivo                                                   em relação a dezembro de 2009 e em 2%
  no resultado financeiro líquido (variação                                                  na comparação com novembro de 2010.
  positiva de R$ 2 bilhões e 725 milhões)                                                    Desse total, 79,23% foram queimados na
  e no resultado atribuível a acionistas não                                                 fase de produção de petróleo e 20,77%
  controladores (variação positiva de                                                        na fase de exploração nos testes de longa
  R$ 2 bilhões 581 milhões). Também                                                          duração (TLDs).
  contribuiu para o resultado a elevação da                                                       Os campos marítimos responderam
  participação do óleo nacional na carga                                                     por 91,4% da produção do petróleo e por
  processada (de 79% para 82% em 2010) e a                                                   75,7% do gás natural produzidos no país.
                                                Foto: Agência Petrobras




  maior utilização da capacidade nominal das                                                      Ainda de acordo com a nota da ANP,
  refinarias, cuja média em 2010 foi de 93%.                                                 92,53% da produção de petróleo e gás natural
       A produção total de petróleo e gás                                                    do Brasil são provenientes de campos opera-
  natural aumentou 2% em relação a 2009,                                                     dos pela Petrobras. Dos 20 maiores campos
  atingindo a média de 2 milhões e 583 mil                                                   produtores de petróleo e gás natural, em
  barris/dia.                                   na melhoria do parque de refino e na         barris de óleo equivalente, dois são operados
       No Brasil, a produção total de óleo e    infraestrutura do gás natural.               por empresas estrangeiras: Frade (Chevron) e
  gás foi 2% superior em relação a 2009,                                                     Ostra (Shell), na Bacia de Campos.
  alcançando o volume de 2 milhões 338 mil      Recorde na produção
  boed. A produção de gás aumentou 5% no        de petróleo no Brasil                        PIB brasileiro: novo ciclo de
  período, devido principalmente à entrada      PRODUçãO DE PETRóLEO bate recorde            expansão
  em operação de novos projetos previstos       e chega a 2,18 milhões de barris/dia em      DE ACORDO COM O Instituto Brasileiro de
  no Plano de Antecipação da Produção de        dezembro. Esse volume ultrapassa em          Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil teve,
  Gás (Plangás). Já a produção de petróleo      4,4% o registrado um mês antes (2,09 mi-     em 2010, o terceiro melhor desempenho
  atingiu seu recorde anual (2 milhões e        lhões de barris por dia). Já na comparação   econômico no mundo. O PIB (Produto Interno
  4 mil barris/dia), diário e mensal em 2010,   com dezembro de 2009, houve aumento          Bruto, soma de todos os bens e serviços
  sustentado pela elevação dos volumes          de 9,1%.                                     produzidos no país) brasileiro, que subiu
  produzidos em plataformas existentes e             Os dados fazem parte do Boletim         7,5% – na maior alta desde 1986 –, ficou atrás
  pela entrada em operação de seis novas        da Produção de Petróleo e Gás Natu-          de China (que cresceu 10,3%) e Índia (que
  unidades de produção (310 mil bpd de          ral, divulgado pela Agência Nacional do      avançou 8,6%). A expansão da economia
  capacidade no 4T10).                          Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis                               brasileira supera o
       Em 2010, as reservas provadas            (ANP). Segundo a nota, o país também                                  avanço dos PIBs de
  totalizaram 15 bilhões e 986 milhões de       registrou em dezembro de 2010 recorde na                              países europeus e dos
  boe (critério ANP/SPE), um aumento de         produção de gás natural, totalizando cerca                            Estados Unidos, além
  7,5% em relação a 2009, como resultado        de 69 milhões de m³ por dia. O resultado                              da Coreia do Sul.
  da incorporação de 1 bilhão e 990 milhões     aponta elevação de 4,5% em relação aos                                      Para o
  de boe, incluindo o pré-sal, e de projetos    66,2 milhões de m³ diários produzidos                                 presidente do
  implantados em campos maduros. O Índice       em novembro de 2010. Já na comparação                                 Banco Central (BC),
  de Reposição de Reservas (IRR) ficou em       com o mesmo período do ano anterior, o                                Alexandre Tombini,
  229% e a relação reserva-produção em          crescimento foi de 14,5%.                    a economia brasileira entrou em novo
  18,4 anos.                                         Os principais responsáveis pelos        ciclo de expansão, após a crise financeira
       Os investimentos totalizaram R$ 76       incrementos na produção foram os             internacional de 2008 e 2009. “O cresci-
  bilhões e 411 milhões, e foram 8% superior    campos de Jubarte, Cachalote e Marlim,       mento do PIB, com os dados das contas
  a 2009, com foco no aumento da capacida-      todos da Petrobras, localizados na Bacia     nacionais divulgados pelo IBGE, confirma
  de de produção de petróleo e gás natural,     de Campos.                                   que, após a rápida recuperação dos efei-


  10   TN Petróleo 76
Opep: pronta para agir
A crise no Egito iniciada em janeiro, com uma onda de protestos pedindo o afastamento
do presidente Hosni Mubarak, continua a inquietar a comunidade internacional.
NO INÍCIO DE FEVEREIRO, o secretário-         Produção de países-membros da Opep e não-membros – fev/09 a jan/11
geral da Organização dos Países Expor-
tadores de Petróleo (Opep), Abdallah El-       31                                                                                                                                                                                                                                                 88
Badri, afirmou que
                                              30                                                                                                                                                                                                                                                  87
existe um risco de
                                              29                                                                                                                                                                                                                                                  86
escassez real para
o mercado mundial                             28                                                                                                                                                                                                                                                  85
se a crise no Egito                           27                                                                                                                                                                                                                                                  84
provocar o bloqueio                           26                                                                                                                                                                                                                                                  83
de rotas petrolíferas                         25                                                                                                                                                                                                                                                  82
estratégicas como




                                                                                                                                                                                                                                                                                         Jan 11
                                                                                                                                                        Jan 10
                                                                                                                                                                 Fev 10
                                                                                                                                                                                    Mar 10
                                                                                                                                                                                                       Abr 10
                                                                                                                                                                                                                Maio 10
                                                                                                                                                                                                                          Jun 10
                                                                                                                                                                                                                                   Jul 10
                                                                                                                                                                                                                                            Ago 10
                                                                                                                                                                                                                                                     Set 10
                                                                                                                                                                                                                                                              Out 10
                                                                                                                                                                                                                                                                       Nov 10
                                                                                                                                                                                                                                                                                Dez 10
                                                    Fev 09
                                                             Mar 09
                                                                      Abr 09
                                                                               Maio 09
                                                                                         Jun 09
                                                                                                  Jul 09
                                                                                                           Ago 09
                                                                                                                    Set 09
                                                                                                                             Out 09
                                                                                                                                      Nov 09
                                                                                                                                               Dez 09
a do Canal do Suez
– controlado por aquele país e pelo qual
transitam cerca de um milhão de barris de
petróleo por dia, sendo uma das principais    do a AIE. “Espera-                                                                                                    (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou
passagens para o transporte de petróleo       mos um pouco mais                                                                                                     no final de fevereiro (23) que vê com
entre o Médio Oriente e a Europa. “Se ve-     de petróleo vindo da                                                                                                  preocupação a instabilidade política em
rificarmos uma verdadeira escassez, será      Opep, uma vez que                                                                                                     países do Oriente Médio e do Norte da
necessário agir”, disse.                      eles estão vendo os                                                                                                   África. “Acho que está havendo algumas
     A Organização voltou a subir sua         mesmos indicadores                                                                                                    implicações sobre os preços de commodi-
projeção da demanda mundial de petróleo       que nós – do lado da                                                                                                  ties, mas são de curto prazo. A oferta de
para 2011 devido a uma atividade industrial   demanda, especial-                                                                                                    petróleo é muito sensível, na margem, a
robusta, especialmente na China e nos         mente na Ásia.                                                                                                        essas oscilações de curto prazo, mas acho
Estados Unidos, e a um inverno glacial        A atitude flexível da Opep é uma coisa boa”,                                                                          que esses assuntos irão se resolver, e [ela]
que afetou a maior parte das regiões da       disse David Fyfe, chefe da indústria de óleo                                                                          vai se regularizar. São repiques que serão
Organização para a Cooperação e Desen-        e divisão de mercado da AIE.                                                                                          superados”, disse.
volvimento Econômicos (OCDE), segundo              “O fato de os preços terem subido de                                                                                  “Que atrapalha, atrapalha, mas acho
o informe mensal publicado em fevereiro.      cerca de 75 dólares em setembro para 95                                                                               que a situação vai retroceder. A não ser
     O cartel aposta, agora, numa demanda     dólares o barril, e até mais, se deve ao                                                                              que a coisa chegue a países produtores
de ouro negro de 87,7 milhões de barris       aperto no mercado físico”, avaliou. “Isso                                                                             mais pesados. Mas não vejo essa possibili-
diários (mbd) em 2011, uma cifra revisada     não é a única coisa a guiar os preços, mas                                                                            dade”, acrescentou.
em alta de 0,4 mbd.                           alguns dos estímulos vêm deste aperto                                                                                      No final do mês, o valor da com-
                                              do mercado. Nós vimos forte aumento da                                                                                modity teve aumento de 2% em Nova
Aumento de produção e nível confortável       demanda por petróleo em 2010 e estamos                                                                                York e Londres. Além disso, há o temor
– Já a Agência Internacional de Energia       esperando isso para 2011.”                                                                                            de que os confrontos na Líbia, que é o
(AIE) estima uma demanda recorde por               A AIE disse que aumentou ligeira-                                                                                oitavo maior produtor de petróleo entre
petróleo em 2011. A Agência assegura          mente sua estimativa de crescimento da                                                                                as nações que integram a Opep, afete a
que o aumento da produção dos países          demanda por petróleo de 2011 em 50 mil                                                                                produção na região.
exportadores de petróleo e o nível confor-    bpd e estima que o consumo total pode ex-
tável de estoques de petróleo em países       ceder 90 milhões de barris por dia no final
desenvolvidos deve limitar nova alta nos      de 2011. Segundo a Agência, os estoques
preços do petróleo, apesar da expectativa     de petróleo da OECD caíram para o menor
de demanda recorde neste ano.                 volume em dois anos, equivalente a 57,5
     A organização, especializada em          dias de demanda em dezembro, frente aos
políticas energéticas que conta com 28        58,3 dias em novembro, mas ainda esta-
países-membros, disse em seu relatório        vam confortáveis. “O colchão de estoque
                                                                                                                                                                     Foto: Banco de Imagens Keystone




mensal que a Opep aumentou a produção         e a capacidade excedente oferecem algum
em 280 mil barris por dia (bpd) em janeiro    potencial para segurar possíveis futuros
sobre dezembro, para 29,85 milhões de         aumentos de preços em 2011”, concluiu.
bpd, principalmente por conta do aumento
na produção do Iraque.                        Crise tem efeito de curto prazo, diz Cou-
     A produção mensal dos países da Opep     tinho – O presidente do Banco Nacional
em janeiro foi a maior em dois anos, segun-   de Desenvolvimento Econômico e Social


                                                                                                                                                                                                                                                        TN Petróleo 76                             11
indicadores tn



                                                                                             Frases      tos da crise financeira de 2008/2009, a
                                                                                                         economia brasileira entrou em novo ciclo
                                                                                                         de expansão”, afirmou Tombini, em nota
  “Mesmo observando um período sustentável de criação de empregos, nós não
                                                                                                         divulgada pelo BC.
  podemos considerar a recuperação verdadeiramente consolidada. Aumentos
                                                                                                             Segundo Tombini, a demanda doméstica
  sustentáveis nos preços do petróleo e de outras commodities representariam
                                                                                                         continuou sendo o grande suporte da econo-
  uma ameaça para o crescimento e a estabilidade de preços, particularmente se
                                                                                                         mia. E destacou que o consumo das famílias
  mexerem na expectativa ancorada de inflação baixa.” Ben Bernanke, presidente
                                                                                                         cresceu 7,0%, no “sétimo ano consecutivo de
  do Federal Reserve (banco central dos EUA). 02/03/2011 – O Estado de São Paulo
                                                                                                         expansão desse componente, que tem sido
                                                                                                         impulsionado pela expansão do crédito, do
  “Por enquanto, a crise do petróleo ainda é limitada. É claro que, se subir o                           emprego e da renda”.
  petróleo permanentemente ... a economia norte-americana e a europeia podem                                 “A formação bruta de capital fixo,
  se recuperar mais lentamente. (A inflação) subiu em todos os lugares por causa                         uma boa medida do investimento, cresceu
  das commodities. Não é problema brasileiro.” Guido Mantega, ministro da Fa-                            21,8% em 2010, um desempenho que
  zenda. 01/03/2011 – O Globo                                                                            sugere que o empresariado nacional está
                                                                                                         confiante nas perspectivas para a econo-
                                                                                                         mia brasileira neste e nos próximos anos”,
   “Estamos mostrando com transparência que, no longo prazo, nós realiza-                                acrescentou Tombini.
  mos o mesmo lucro que qualquer outra empresa, só que eles têm muito mais
  volatilidade nos seus resultados do que nós.” Almir Barbassa, diretor financeiro                       Cresce o consumo de deriva-
  da Petrobras, durante divulgação dos resultados da estatal em 2010. 02/03/2011                         dos e combustíveis no Brasil
  – O Estado de São Paulo                                                                                O BRASIL CONSUMIU 117,9 bilhões de
                                                                                                         litros de derivados de petróleo em 2010.
  “A concretização da EBN só foi possível graças à participação de vários setores                        O mercado de derivados de petróleo
  com uma forte presença dos armadores nas licitações. Foi algo surpreendente                            no Brasil cresceu 8,4% neste período,
  em relação ao esperado e isto vai agregar muito valor para o nosso país.” Paulo                        se comparado com 2009. Além disso, o
  Roberto Costa, diretor de Abastecimento da Petrobras, durante apresentação do                          aumento da safra de cana e o crescimento
                                                                                                         da demanda aérea puxaram o consumo de
  balanço do Programa Empresas Brasileiras de Navegação (EBN). 02/03/2011 –
                                                                                                         combustíveis, que cresceu 8,4%.
  Portal Naval
                                                                                                              Os dados são da Agência Nacional
                                                                                                         de Petróleo, Gás Natural e Biocombustí-
  Produção da Petrobras de óleo, LGN e gás natural                                                       veis (ANP): foram consumidos, em 2010,
                                                                                                         117,936 bilhões de litros de derivados de
  Produção de óleo e LGN (em mbpd) - Brasil (agosto/2010 a janeiro/2011)                                 petróleo. Em 2009, os brasileiros consumi-
                           Ago      Set       Out     Nov       Dez       Jan                            ram 108,787 bilhões de litros de derivados.
  Bacia de Campos      1,678,4 1.604,2 1.609,4 1.697,1       1.778,9 1.774,9                                  O maior consumo foi o de querosene
  Outras (offshore)       124,4   124,8     125,6    118,6     124,0     107,1                           e de gasolina de aviação, com expansão de
  Total offshore       1.802,8  1.729,0 1.734,9 1.815,6 1.902,9 1.852,1                                  15,3% e 11,3%, respectivamente. O consumo
  Total onshore           219,7   214,9     203,9    215,3     218,7    217,3
                                                                                                         de óleo diesel cresceu 11,2%, o que, segundo
  Total Brasil        2.022,5 1.943,9 1.938,8 2.030,9 2.121,6 2.069,3
                                                                                                         a ANP, reflete a recuperação da economia.
  Produção de GN sem liquefeito (em mm³/d)* - Brasil (agosto/2010 a janeiro/2011)                             Com relação ao aumento do consumo
                                 Ago       Set     Out                   Nov         Dez          Jan    de combustíveis, o país registrou em 2010
  Bacia de Campos          25.216,5 24.110,7 23.713,1             24.653,2      25.712,5     25.098,0    o recorde de 117,936 bilhões de litros.
  Outras (offshore)          11.385,8 14.189,3 16.918,5            15.460,7      17.399,8     15.514,8   O número é 8,4% superior ao de 2009,
  Total offshore           36.602,3 38.300,0 40.631,6               40.113,9     43.112,2    40.612,8    informou a ANP. Os principais destaques
  Total onshore             15.782,5 15.473,3 14.188,1               15.174,1    15.634,1     15.554,7   foram o aumento do consumo de diesel,
  Total Brasil             52.384,9 53.773,3 54.819,7             55.288,0      58.746,3     53.743,5    de 11,2%, e do querosene de aviação, de
                                                                                                         15,3%. Também cresceu acima da média o
  Produção de óleo e LGN (em mbpd)** - Internacional (agosto/2010 a janeiro/2011)                        consumo de gasolina de aviação, usada em
                                  Ago          Set         Out         Nov            Dez         Jan    aeronaves pequenas (11,3%).
  Exterior                       151,6       153,6       155,8        147,6          149,3      150,9
  Produção de GN sem liquefeito (em mm³/d) - Internacional (agosto/2010 a janeiro/2011)
                                 Ago       Set      Out     Nov      Dez      Jan
  Exterior                   16.170,0 15.955,0 16.109,0 15.978,0 15.445,0 14.997,2
                                                                                                         Foto: Agência Petrobras




  Produção total de óleo, LGN e de gás natural (em mboe/d) (agosto/2010 a janeiro/2011)
                                Ago           Set     Out             Nov            Dez         Jan
  Brasil+Exterior            2.598,8      2.529,9 2.534,2          2.620,4        2.731,3     2.661,9
  (*) Inclui gás injetado.
  (**) Em 2003 inclui os dados da Petrobras Energia (ex-Pecom).   Fonte: Petrobras



  12   TN Petróleo 76
Int
                                                                                                                                      ern Ex
                                                                                                                                         aci per
                                                                                                                                            on iê
                                                                                                                             Con 4 Co e Xa al dencia
                                                                                                                                firm mp        ng H
                                                                                                                                    ada anh ai ousto
         12º Fórum                                                                                                                     s P ias D         n



    Portos Brasil 2011
                                                                                                                                          ara oc
                                                                                                                                             Pal as
                                                                                                                                                 est
                                                                                                                                                     rar




   + Dragagem
      Seminário Especial

                                                                                                                                VISÕES PRÁTICAS DO
                                                                                                                                 DESENVOLVIMENTO
                                                                                                                                  DO SETOR NO PAÍS




10, 11 e 12 de Maio de 2011 | Windsor Barra Hotel – Rio de Janeiro - RJ

Panorama do Desenvolvimento e Investimento no Setor Portuário: De Onde Virão os Aportes
Financeiros e Onde Estão as Grandes Oportunidades de Negócio.
                                                                                                                             Participações con rmadas:
Entenda como o setor pode crescer de maneira planejada!                                                       ABREMAR – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
                                                                                                                               CRUZEIROS MARÍTIMOS
                                                                                                                   ABTP – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
                                                                                                                              TERMINAIS PORTUÁRIOS
                                                                                                           ANE - ACADEMIA NACIONAL DE ENGENHARIA
                                                                                                                       ANTAQ – AGÊNCIA NACIONAL DE
  Programação pós-fórum - Discuta                                                                                         TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS
                                                                                                                 AUTORIDADE PORTUÁRIA DE HOUSTON
  os temas que estão impactando a                                                                                          BANDEIRANTES DRAGAGEM
  realidade portuária brasileira:                                                                                                               BNDES
                                                                                                          CCIBC – CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA
                                                                                                                                         BRASIL-CHINA
                                                                                                                  CNT – CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE
  11 de Maio - Workshop:                                                                                                                 TRANSPORTES
                                                                                                                COMPANHIA DOCAS DE SÃO SEBASTIÃO
  Desafios e Perspectivas para o Crescimento da Cabotagem no Brasil                                                      COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ
  Liderador por: Eng. Dr. Aluísio de Souza Moreira - Companhia de Docas do Estado de São Paulo                 COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO
  - Porto de Santos                                                                                                        PAULO – PORTO DE SANTOS
                                                                                                                          COMPANHIA DOCAS DO PARÁ
  12 de Maio - Seminário:                                                                                   CONSÓRCIO DO CORREDOR ATLÂNTICO DO
                                                                                                                                            MERCOSUL
  Dragagem nos Portos Brasileiros                                                                          DEPARTAMENTO HIDROVIÁRIO - SECRETARIA
  Um dia inteiro de discussão sobre novas obras, manutenção, aprofundamento, gestão de                    ESTADUAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DO
                                                                                                                               ESTADO DE SÃO PAULO
  custos e desafios no licenciamento ambiental
                                                                                                              DPC – DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS –
                                                                                                                                  MARINHA DO BRASIL
                                                                                                             DRAGABRAS – MEMBRO DO GRUPO DEME
                                                                                                                         FUNDAÇÃO ESTUDOS DO MAR
                                                                                                                          FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS
                                                                                                             IVIG/COPPE/UFRJ - INSTITUTO VIRTUAL DE
                                                                                                                                 MUDANÇAS GLOBAIS
                           Informações e inscrições:                                                                                  LIBRA TERMINAIS
                                                                                                                                  MILARÉ ADVOGADOS
      Tel.: 11 3017 6888 - Email: portos@ibcbrasil.com.br
                                                                                                                SECRETARIA DE POLÍTICA NACIONAL DE
             www.informagroup.com.br/portos                                                                          TRANSPORTES – MINISTÉRIO DOS
                                                                                                                                         TRANSPORTES
                                                                                                            SECRETARIA DE TRANSPORTES DO ESTADO
                                                                                                                                                 DO RJ
                                                                                                                                             SINDARIO




       Realização:                                                                          Patrocínio:

                                                                                                                             TN Petróleo 76   13
entrevista exclusiva
                                                                                 Fernando Martins, vice-presidente
                                                                             da GE Vetco Gray para a América Latina




 GE AMPLIA OPERAçõES
     no Brasil                                                         por Rodrigo Miguez




  Com investimentos de US$ 200 milhões previstos
  para os próximos três anos na área de energia no Brasil,
  a GE Oil & Gas está com os olhos voltados para o país.
  Com sede em Florença, na Itália, e três fábricas no Brasil,
  em Jandira (SP) e em Macaé e Niterói (RJ), a divisão de
  Oil & Gas da companhia atua aqui desde 2007.

  PARA FALAR DOS INVESTIMENTOS           TN Petróleo – O ano de 2010 foi im-       zembro do mesmo ano, a GE ofereceu
  da empresa no Brasil, a TN Petró-      portante para a GE, principalmente na     US$ 1,3 bilhão pela aquisição global
  leo entrevistou Fernando Martins,      área de negócios, com a aquisição de      da Wellstream, também com foco na
  vice-presidente da GE Vetco Gray       empresas como a Dresser e a Wells-        complementação de seu portfólio de
  para a América Latina. Formado em      tream. Quais os principais números        exploração em águas profundas. As
  Engenharia Mecânica pelo Instituto     dessas aquisições?                        operações da Wellstream no Brasil são
  Militar de Engenharia (IME), Fernan-        Fernando Martins – Em outubro        muito significativas e, com a aquisição,
  do Martins ingressou na GE Oil &       de 2010, a GE adquiriu globalmente a      a GE Oil & Gas vai operar a planta de
  Gas, em 2008, como gerente geral       companhia Dresser, com a intenção         Niterói, que tem um faturamento da
  de Perfuração e Produção de Siste-     de complementar seu portfólio de tur-     ordem de US$ 450 milhões por ano.
  mas, até ser nomeado responsável       binas a gás para a indústria de óleo e
  pela área de Oil & Gas na América      gás. As turbinas a gás da Dresser per-    Quais os ganhos da GE com a aqui-
  Latina. Ele destaca os números das     mitem que a GE reduza suas emissões       sição dessas empresas?
  operações realizadas pela empre-       de gases causadores do efeito estufa,         Com a aquisição da Dresser e
  sa no Brasil e a expectativa para      além de possuírem tecnologia para a       da Wellstream, a GE Oil & Gas terá a
  os próximos anos, considerando         utilização flexível de combustíveis.      oportunidade de diversificar e com-
  a exploração do petróleo do pré-       Estes combustíveis também podem ser       plementar seu portfólio de soluções,
  sal. “Ser uma one stop shop para       aplicados no segmento de compressão       agregando mais inovação e tecnologia
  os nossos clientes é um de nossos      de óleo e gás. Com esta aquisição, a      às suas soluções de exploração em
  maiores ativos”, afirma, reforçando    GE pretende desenvolver soluções          águas profundas.
  a estratégia da empresa de se con-     para gerenciamento de pressão que
  solidar como o principal fornecedor    aliviem os fluxos em dutos. As receitas   A companhia pretende continuar com
  de produtos e serviços do setor de     da Dresser giram em torno de US$ 2        a estratégia de aquisições na área de
  óleo e gás.                            bilhões, em escala mundial. Em de-        petróleo e gás?


  14   TN Petróleo 76
Fotos: Cortesia GE
  SER UMA ONE
STOP ShOP PARA
   OS NOSSOS
CLIENTES é UM DE
NOSSOS MAIORES
     ATIVOS.




           TN Petróleo 76   15
entrevista exclusiva



                                                                                   novas tecnologias que posicionem
                                                                                   a companhia de forma ainda mais
                                                 ANUNCIAMOS,                       competitiva nestes mercados. Esse
                                                EM NOVEMBRO,                       aumento de capacidade significa que
                                                                                   estamos certos de que o crescimento
                                             INVESTIMENTOS DE                      da demanda que verificamos nos últi-
                                               US$ 550 MILHõES                     mos dois anos continuará ocorrendo
                                             NO BRASIL PARA OS                     pelos próximos cinco ou dez anos.
                                                                                   Estamos, portanto, nos preparando
                                            PRóXIMOS TRêS ANOS;                    para isso.
                                               US$ 200 MILHõES
                                                 DELES PARA A                       O objetivo desses investimentos é
                                                                                   ampliar a atuação da empresa na
                                              ÁREA DE ENERGIA                      América Latina?
                                            DA GE. PRETENDEMOS                        A GE no Brasil já possui a maior
                                                  AUMENTAR A                       operação entre todos os países da
      Ser uma one stop shop para os nos-                                           América Latina. Estes investimentos
                                                CAPACIDADE DE
  sos clientes é um de nossos maiores                                              anunciados simbolizam e concreti-
  ativos. A GE Energy atua globalmente          PRODUçãO DAS                       zam a importância do país dentro
  por meio de três unidades de negó-             UNIDADES DA                       das operações na região. Preten-
  cios principais – GE Oil & Gas, Energy                                           demos atender as necessidades dos
                                               GE OIL & GAS EM
  Services e Power & Water – de for-                                               nossos clientes locais com estes
  ma a entregar soluções completas            JANDIRA E MACAé.                     investimentos e ampliar a atuação
  para os nossos clientes. A empresa                                               na América Latina.
  analisa constantemente as possibili-
  dades de aquisições de companhias                                                Qual a posição do Brasil com relação
  que complementem seu portfólio. Se                                               a esses investimentos em comparação
  fizer sentido e agregar em tecnologias   aeroderivadas para geração de ener-     a outros países em que a GE atua?
  e soluções para o portfólio existente,   gia em plataformas. Com o Centro            Podemos afirmar que o Brasil está
  sempre existirá a possibilidade de       de Pesquisas Global da GE no Rio de     entre os cinco países que mais rece-
  novas aquisições.                        Janeiro, nossos negócios de óleo e      beram investimentos da companhia,
                                           gás ganharão mais capacidade para       em termos globais.
  A empresa tem planos de entrar na        desenvolver tecnologia e soluções
  área de exploração e produção no         para nossos clientes no Brasil e        No ano passado, a GE também anunciou
  Brasil?                                  na região.                              dois importantes empreendimentos:
      Não temos planos imediatos de                                                uma central de serviços de manutenção
  atuação como operadora na área de        No fim de 2010, a GE anunciou que irá   de turbinas aeroderivadas, em Petrópo-
  E&P, mas sim como fornecedora de         investir US$ 200 milhões nos próximos   lis, e o Centro de Pesquisa Global, no
  produtos, tecnologia e serviços, para    três anos, no aumento da capacidade     Rio de Janeiro. Ela vai manter esses
  as empresas que estejam realizando       das fábricas e no desenvolvimento de    planos ou houve mudanças?
  estas atividades, como a Petrobras, a    novos produtos. O que significa esse         A GE vai manter estes planos, sim.
  OGX e as companhias internacionais.      aumento de capacidade?                  Estes dois investimentos fazem parte
  A GE Energy já está presente no Bra-         Anunciamos, em novembro, inves-     da estratégia de crescimento da GE no
  sil em diversas frentes da indústria.    timentos de US$ 550 milhões no Brasil   Brasil e têm grande importância para
  Possuímos duas plantas no Brasil,        para os próximos três anos; US$ 200     a nossa operação local. A central de
  uma em Jandira e outra em Macaé, e       milhões deles para a área de energia    serviços deverá estar pronta ainda em
  elas produzem sistemas de cabeças        da GE. Pretendemos aumentar a ca-       2011. Já o centro de pesquisas está
  de poços e árvores de natal para ex-     pacidade de produção das unidades       previsto para começar as atividades
  ploração em águas profundas. Além        da GE Oil & Gas em Jandira e Macaé,     no ano seguinte: trata-se de um inves-
  disso, temos um centro de serviços       assim como da unidade de motores da     timento de mais de US$ 100 milhões,
  em construção em Petrópolis, para        GE Services em Campinas, e investir     com expectativa de geração, incial-
  a manutenção e reparos de turbinas       em pesquisa e desenvolvimento de        mente, de 200 empregos diretos.


  16   TN Petróleo 76
ge amplia operações no brasil




 As descobertas de petróleo do pré-     Quais os principais focos de pesqui-             Juntamente com o Centro de Pesquisa,
sal foram determinantes na deci-        sa que serão desenvolvidos nesta                 a GE irá construir um Centro de Qualifi-
são de instalar o quinto Centro de      entidade?                                        cação. Essa iniciativa é uma solução da
Pesquisas no Parque Tecnológico             A GE ainda está determinando o               empresa para a falta de qualificação dos
da UFRJ?                                escopo de trabalho do Centro de Pes-             profissionais do setor de óleo e gás?
    O Brasil foi escolhido para re-     quisas. Estamos avaliando as necessi-                O Centro de Qualificação funciona
ceber o quinto centro de pesquisas      dades de nossos clientes para definir            como uma Universidade Corporativa,
por diversos fatores, incluindo as      a natureza de seus laboratórios.                 em que a GE oferecerá cursos e treina-
oportunidades na área de óleo e gás.                                                     mentos para seus executivos e clientes.
A escolha também se deveu às diver-     A empresa pretende aproveitar os                 é um modelo de sucesso já existente
sas oportunidades que o país apresen-   estudantes da UFRJ da área de en-                em outros países como nos centros
ta em infraestrutura, possibilitando    genharia?                                        dos Estados Unidos e da Índia, visando
pesquisa e desenvolvimento de novas         Com certeza... e não apenas da               à complementação da qualificação e o
tecnologias para outros negócios da     UFRJ, mas também das demais uni-                 treinamento na própria tecnologia GE.
companhia (como, por exemplo, a         versidades reconhecidas do país.                 Do que aprendemos em outros centros,
área de aviação e de locomotivas), a    Qualificação e retenção dos nossos               grandes ideias surgem no compartilha-
solidez do crescimento da economia      talentos é uma prioridade para a GE.             mento de expertises e complementam
do Brasil e das operações da GE no      Inicialmente, estamos prevendo pelo              a tecnologia existente. Nossa estratégia
país. As pesquisas em óleo e gás no     menos 200 empregos diretos de alto               de negócios verdes, conhecida global-
Centro visam permitir que a GE aten-    nível. A GE pretende, desde já, co-              mente por ecomagination, surgiu na
da, em conjunto com os principais       meçar as contratações para 2012 e                Universidade Corporativa da GE em
clientes nesta área, desenvolvendo as   todas as universidades do país serão             Crotonville e hoje é um grande sucesso,
melhores soluções para a exploração     imprescindíveis para fornecer a mão              com faturamento na ordem de US$ 20
da camada de pré-sal.                   de obra qualificada que buscamos.                bilhões, globalmente.




                           Nesta
                           edição.
                                                     Foto: Banco de Imagens Stock.xcng




                                                                                                              TN Petróleo 76   17
entrevista exclusiva



  Qual o peso e a influência da Petro-    da solução mundialmente, árvores                             de exploração e produção de óleo e
  bras nessa estratégia de expansão       de natal Piggyback e diversos de                             gás na costa brasileira. Além disso, a
  da GE no setor de petróleo e gás,       Plet/Plem/ESDV, todos estes para                             GE também foi escolhida para fornecer
  considerando o contrato de US$ 160      os projetos subsea (E&P) de cam-                             dois pacotes completos de perfuração
  milhões fechado em 2010, para o for-    pos pós ou pré-sal. Na área de tur-                          que serão instalados nas plataformas
  necimento de turbinas a gás, e esse     bomáquinas, que abrange refino,                              da Odebrecht óleo & Gas, cada um
  último em fevereiro para sistemas de    transpetro e também E&P, tivemos                             incluindo um sistema de riser de per-
  cabeça de poço?                         sucesso em vários grandes contra-                            furação (com capacidade de operação
      A Petrobras é um grande clien-      tos para fornecimento de módulos                             em três 3.000 m de profundidade)
  te para a GE nas áreas de energia.      de geração de energia, módulos de                            e controles de BOP, que tem como
  Por isso possui um peso significativo   compressão, tanto para reinjeção                             principal função impedir que os fluidos
  nos nossos negócios no Brasil. Não      nos poços quanto para processos e                            das formações atinjam a superfície de
  podemos esquecer, contudo, outros       bombeamentos.                                                maneira descontrolada.
  importantes clientes, como OGX,
  Repsol, Chevron, Exxon, lembrando       A GE também acertou um contrato de                           Quais as perspectivas da empre-
  ainda que vários deles são parceiros    US$ 120 milhões com a Daewoo Ship-                           sa para os negócios no Brasil em
  da Petrobras em blocos de exploração    building & Marine Engineering (DSME).                        2011?
  da camada de pré-sal.                   Tem relação direta com o Brasil? Qual                           As expectativas são as melhores
                                          o escopo desse contrato?                                     possíveis. Organicamente, a GE no
  Quais os principais contratos da GE         A GE irá fornecer sistemas de                            Brasil pretende crescer pelo me-
  nos últimos cinco anos?                 controle e válvulas de prevenção e                           nos 30% a mais em 2011. Em óleo
     Obtivemos êxitos em alguns gran-     monitoramento em poços de óleo e                             e gás, orgânica e inorganicamente,
  des contratos ao longo dos últimos      gás, conhecidos como BOP (Blow out                           mais de 50%, que é um crescimento
  anos como o de 250 sistemas de          Preventer), para serem instaladas em                         promissor, principalmente conside-
  cabeça de poços submarinos, maior       sondas de perfuração flutuantes per-                         rando as oportunidades futuras desta
  contrato envolvendo o fornecimento      tencente à Petroserv, para atividades                        indústria no país.

                                                                                                       facilidades de acesso, logística, proxi-

   Investindo                                                                                          midade com nossos clientes e com as
                                                                                                       universidades”, afirmou João Geraldo


   em pesquisa
                                                                                                       Ferreira, presidente e CEO da GE
                                                                                                       Brasil, durante o anúncio do empreen-
                                                                                                       dimento, no fim do ano passado.
                                                                                                           Um dos atrativos do Centro é
                                                                                                       aumentar os recursos aplicados em
                                                                                                       pesquisa no país, e aproximar a GE
                                                                                                       dos clientes. A Vale e a GE firmaram
                                                                             Ilustração: Cortesia GE




                                                                                                       um termo de cooperação técnica
                                                                                                       focada em projetos de armazena-
                                                                                                       mento, geração e distribuição de
                                                                                                       energia. Com o acordo, as duas
                                                                                                       empresas poderão compartilhar
  O NOVO CENTRO DE Pesquisas              ferroviário e aviação. O complexo,                           conhecimentos e experiências e
  Global, o quinto da empresa no mun-     que custará US$ 100 milhões, irá                             trabalhar conjuntamente para trocar
  do, que ficará localizado dentro do     empregar aproximadamente 300                                 informações sobre as atividades do
  Parque Tecnológico da Universidade      pesquisadores e engenheiros, além de                         Centro de Pesquisas Global, para
  Federal do Rio de Janeiro (UFRJ),       estudantes da UFRJ e de outras uni-                          auxiliar no desenvolvimento de tec-
  será um dos maiores e principais        versidades dos cursos de engenharia                          nologias e cooperar na identificação
  investimentos da companhia nos          e ligados ao setor de óleo e gás. As                         de áreas de P&D.
  próximos anos.                          obras devem começar este ano e a                                 Os outros centros de pesquisa
      Terá como foco o desenvolvimen-     previsão é que tudo esteja concluído                         da GE ficam em Niskayuna, no estado
  to de tecnologias avançadas para as     no fim de 2012.                                              norte-americano de Nova York, em
  indústrias de óleo e gás, energias           “Escolhemos o Rio de Janeiro por                        Bangalore, na Índia, em Xangai, na
  renováveis, mineração, transporte       concentrar muitas qualidades como                            China e em Munique, na Alemanha.


  18   TN Petróleo 76
TN Petróleo 76   19
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil
Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil

Mais conteúdo relacionado

Destaque

A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)
A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)
A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)Nefer19
 
A Unificação Da Itália E Da Alemanha
A  Unificação Da  Itália E Da  AlemanhaA  Unificação Da  Itália E Da  Alemanha
A Unificação Da Itália E Da AlemanhaClaudio Souza
 
História da Astronomia - Pré História e Mesopotâmia - Parte 1 de 7
História da Astronomia - Pré História e Mesopotâmia - Parte 1 de 7 História da Astronomia - Pré História e Mesopotâmia - Parte 1 de 7
História da Astronomia - Pré História e Mesopotâmia - Parte 1 de 7 Instituto Iprodesc
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaRoney Gusmão
 
As Regiões do Brasil (7º ANO - 2015)
As Regiões do Brasil (7º ANO - 2015)As Regiões do Brasil (7º ANO - 2015)
As Regiões do Brasil (7º ANO - 2015)Nefer19
 
Aspectos populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2017)
Aspectos populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2017)Aspectos populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2017)
Aspectos populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2017)Nefer19
 
Egito Antigo - 6º Ano (2017)
Egito Antigo - 6º Ano (2017)Egito Antigo - 6º Ano (2017)
Egito Antigo - 6º Ano (2017)Nefer19
 
História da Astronomia - Roma e Pré Copérnico - Parte 3 de 7
História da Astronomia - Roma e Pré Copérnico - Parte 3 de 7História da Astronomia - Roma e Pré Copérnico - Parte 3 de 7
História da Astronomia - Roma e Pré Copérnico - Parte 3 de 7Instituto Iprodesc
 
Aula 1 introdu+º+úo aos m+®todos indiretos de prospec+º+úo
Aula 1   introdu+º+úo aos m+®todos indiretos de prospec+º+úoAula 1   introdu+º+úo aos m+®todos indiretos de prospec+º+úo
Aula 1 introdu+º+úo aos m+®todos indiretos de prospec+º+úoWalknaércio Alves
 
A paisagem e as relações entre seus elementos (Módulo 3) - 6º Ano (2016)
A paisagem e as relações entre seus elementos (Módulo 3) -  6º Ano  (2016)A paisagem e as relações entre seus elementos (Módulo 3) -  6º Ano  (2016)
A paisagem e as relações entre seus elementos (Módulo 3) - 6º Ano (2016)Nefer19
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)Nefer19
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)Nefer19
 
Gefo IntroduçãO
Gefo   IntroduçãOGefo   IntroduçãO
Gefo IntroduçãOtiagoajs
 
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímicawww.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
www.CentroApoio.com - Biologia - BioquímicaVídeo Aulas Apoio
 
O Brasil no mundo - 7º Ano (2017)
O Brasil no mundo - 7º Ano (2017)O Brasil no mundo - 7º Ano (2017)
O Brasil no mundo - 7º Ano (2017)Nefer19
 
Sistema de Mundos dos antigos europeus - Marcos Calil
Sistema de Mundos dos antigos europeus - Marcos CalilSistema de Mundos dos antigos europeus - Marcos Calil
Sistema de Mundos dos antigos europeus - Marcos CalilMarcos Calil
 
China Antiga - 6º Ano (2017)
China Antiga - 6º Ano (2017)China Antiga - 6º Ano (2017)
China Antiga - 6º Ano (2017)Nefer19
 
O Renascimento - 7º Ano (2016)
O Renascimento  - 7º Ano (2016)O Renascimento  - 7º Ano (2016)
O Renascimento - 7º Ano (2016)Nefer19
 

Destaque (20)

Regimes Totalitários Fascismo e Nazismo
Regimes Totalitários Fascismo e NazismoRegimes Totalitários Fascismo e Nazismo
Regimes Totalitários Fascismo e Nazismo
 
A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)
A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)
A Reforma Prostestante - 7º Ano (2016)
 
A Unificação Da Itália E Da Alemanha
A  Unificação Da  Itália E Da  AlemanhaA  Unificação Da  Itália E Da  Alemanha
A Unificação Da Itália E Da Alemanha
 
História da Astronomia - Pré História e Mesopotâmia - Parte 1 de 7
História da Astronomia - Pré História e Mesopotâmia - Parte 1 de 7 História da Astronomia - Pré História e Mesopotâmia - Parte 1 de 7
História da Astronomia - Pré História e Mesopotâmia - Parte 1 de 7
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
 
As Regiões do Brasil (7º ANO - 2015)
As Regiões do Brasil (7º ANO - 2015)As Regiões do Brasil (7º ANO - 2015)
As Regiões do Brasil (7º ANO - 2015)
 
Aspectos populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2017)
Aspectos populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2017)Aspectos populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2017)
Aspectos populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2017)
 
Egito Antigo - 6º Ano (2017)
Egito Antigo - 6º Ano (2017)Egito Antigo - 6º Ano (2017)
Egito Antigo - 6º Ano (2017)
 
História da Astronomia - Roma e Pré Copérnico - Parte 3 de 7
História da Astronomia - Roma e Pré Copérnico - Parte 3 de 7História da Astronomia - Roma e Pré Copérnico - Parte 3 de 7
História da Astronomia - Roma e Pré Copérnico - Parte 3 de 7
 
Aminoácidos 1
Aminoácidos 1Aminoácidos 1
Aminoácidos 1
 
Aula 1 introdu+º+úo aos m+®todos indiretos de prospec+º+úo
Aula 1   introdu+º+úo aos m+®todos indiretos de prospec+º+úoAula 1   introdu+º+úo aos m+®todos indiretos de prospec+º+úo
Aula 1 introdu+º+úo aos m+®todos indiretos de prospec+º+úo
 
A paisagem e as relações entre seus elementos (Módulo 3) - 6º Ano (2016)
A paisagem e as relações entre seus elementos (Módulo 3) -  6º Ano  (2016)A paisagem e as relações entre seus elementos (Módulo 3) -  6º Ano  (2016)
A paisagem e as relações entre seus elementos (Módulo 3) - 6º Ano (2016)
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2017)
 
Gefo IntroduçãO
Gefo   IntroduçãOGefo   IntroduçãO
Gefo IntroduçãO
 
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímicawww.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
www.CentroApoio.com - Biologia - Bioquímica
 
O Brasil no mundo - 7º Ano (2017)
O Brasil no mundo - 7º Ano (2017)O Brasil no mundo - 7º Ano (2017)
O Brasil no mundo - 7º Ano (2017)
 
Sistema de Mundos dos antigos europeus - Marcos Calil
Sistema de Mundos dos antigos europeus - Marcos CalilSistema de Mundos dos antigos europeus - Marcos Calil
Sistema de Mundos dos antigos europeus - Marcos Calil
 
China Antiga - 6º Ano (2017)
China Antiga - 6º Ano (2017)China Antiga - 6º Ano (2017)
China Antiga - 6º Ano (2017)
 
O Renascimento - 7º Ano (2016)
O Renascimento  - 7º Ano (2016)O Renascimento  - 7º Ano (2016)
O Renascimento - 7º Ano (2016)
 

Mais de Sydney Dias

Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)Sydney Dias
 
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...Sydney Dias
 
Trabalho prático #4 brocas (henrique santana 74278)
Trabalho prático #4   brocas (henrique santana 74278)Trabalho prático #4   brocas (henrique santana 74278)
Trabalho prático #4 brocas (henrique santana 74278)Sydney Dias
 
Trabalho prático #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)
Trabalho prático   #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)Trabalho prático   #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)
Trabalho prático #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)Sydney Dias
 
Trabalho prático #3 gom (henrique santana 74278)
Trabalho prático #3   gom (henrique santana 74278)Trabalho prático #3   gom (henrique santana 74278)
Trabalho prático #3 gom (henrique santana 74278)Sydney Dias
 
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)Sydney Dias
 
1 programacao final-iii-semacit-26-08-2010
1   programacao final-iii-semacit-26-08-20101   programacao final-iii-semacit-26-08-2010
1 programacao final-iii-semacit-26-08-2010Sydney Dias
 
2 descricao-iii semacit
2   descricao-iii semacit2   descricao-iii semacit
2 descricao-iii semacitSydney Dias
 
E mail do-sidney_e_a_resposta
E mail do-sidney_e_a_respostaE mail do-sidney_e_a_resposta
E mail do-sidney_e_a_respostaSydney Dias
 
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobrasPerspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobrasSydney Dias
 

Mais de Sydney Dias (20)

Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
 
Coluna eco oil
Coluna eco oilColuna eco oil
Coluna eco oil
 
Revista164
Revista164Revista164
Revista164
 
Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
 
Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
 
Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
 
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
 
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...Trabalho prático #5   sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
Trabalho prático #5 sondas de perfuração e completação (henrique santana 74...
 
Trabalho prático #4 brocas (henrique santana 74278)
Trabalho prático #4   brocas (henrique santana 74278)Trabalho prático #4   brocas (henrique santana 74278)
Trabalho prático #4 brocas (henrique santana 74278)
 
Trabalho prático #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)
Trabalho prático   #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)Trabalho prático   #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)
Trabalho prático #2 (marco regulatório - henrique santana 74278)
 
Trabalho prático #3 gom (henrique santana 74278)
Trabalho prático #3   gom (henrique santana 74278)Trabalho prático #3   gom (henrique santana 74278)
Trabalho prático #3 gom (henrique santana 74278)
 
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)Trabalho prático   #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
Trabalho prático #1 (regime de concessão -henrique santana 74278)
 
Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
 
161pdf final
161pdf final161pdf final
161pdf final
 
Revista gm
Revista gmRevista gm
Revista gm
 
1 programacao final-iii-semacit-26-08-2010
1   programacao final-iii-semacit-26-08-20101   programacao final-iii-semacit-26-08-2010
1 programacao final-iii-semacit-26-08-2010
 
2 descricao-iii semacit
2   descricao-iii semacit2   descricao-iii semacit
2 descricao-iii semacit
 
E mail do-sidney_e_a_resposta
E mail do-sidney_e_a_respostaE mail do-sidney_e_a_resposta
E mail do-sidney_e_a_resposta
 
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobrasPerspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
Perspectivas mundiais dos biocombustíveis petrobras
 
Polimeros 3
Polimeros 3Polimeros 3
Polimeros 3
 

Oportunidades e desafios do setor de petróleo e gás no Brasil

  • 1. opinião Ano XII • jan/fev 2011 • Número 76 • www.tnpetroleo.com.br Grandes expectativas para o setor de petróleo e gás natural, de Marilda Rosado de Sá Ribeiro, sócia do escritório Doria, Jacobina, Rosado e Gondinho Advogados. A infraestrutura (ainda) é o problema Revista Brasileira de TecNologIA e NegócIos de Petróleo, gás, Petroquímica, Química Fina e Biocombustíveis O gás e a transição energética do Brasil Volume recorde em leilão de gás natural EPC – produtividade e competitividade são vitais EsPECiAl: PErsPECtiVA 2011 esPerANçAs mOVidAs A PEtrólEO Entrevista exclusiva Fernando martins, vice-presidente da ge Vetco gray para a América latina GE amplia operações no Brasil Programa de Educação Ambiental e Valorização do ser (Pertenser), por Geraldo José Virgínio, Lucilene Danciguer e Caroline Signorelli Maciel Marques 00076 trabalho embarcado e estresse profissional, I SSN 1 41 5889- 2 por Humberto Superchi e Eduardo Ramalho 9 771415 889009 renegociação de seguros: a hora é agora, por Sérgio Rausch A busca americana pela segurança energética, por José Alexandre Hage Os principais regimes de E&P na indústria de petróleo e gás ao redor do mundo, por Luiz Antonio Lemos e Bruno Vignall suPlEmEntO EsPECiAl: CAdErnO dE sustEntABilidAdE
  • 2. LIDERANÇA GLOBAL COM CONTEÚDO LOCAL
  • 4. sumário edição nº 76 jan/fev 2011 14 Entrevista exclusiva com Fernando Martins, vice-presidente da GE Vetco Gray para a América Latina GE amplia operações no Brasil 20 Especial: Perspectiva 2011 Esperanças movidas a petróleo 27 Nova era no setor de dutos 28 A infraestrutura (ainda) é o problema 32 Petrobras: a meta é manter o ritmo de crescimento 34 A oportunidade de avançar 36 Indústria de óleo e gás se movimenta e novos contratos são formalizados 38 Gás natural O gás e a transição energética do Brasil 44 Mercado de grandes perspectivas 46 Volume recorde em leilão de gás natural 49 Usiminas inicia consumo de GN 50 Setor discutiu ações para mais qualidade, eficiência e segurança para o consumo 52 EPC: produtividade e competitividade são vitais 58 Demandas na área naval geram nova metalúrgica
  • 5. 60 Waimea: um bom começo Liderança em Classificação e Certificação Offshore e-mail: absrio@eagle.org Tel: + 55 21 2276-3535 62 CONSELHO EDITORIAL Affonso Vianna Junior Eventos Alexandre Castanhola Gurgel André Gustavo Garcia Goulart Antonio Ricardo Pimentel de Oliveira 62 Novo terminal de Bruno Musso regaseificação na Bahia Colin Foster David Zylbersztajn 63 Ipiranga inaugura base em Cuiabá Eduardo Mezzalira 64 Technip investe R$ 700 milhões Eraldo Montenegro em Angra dos Reis Flávio Franceschetti Francisco Sedeño 65 Skandi Peregrino é batizado Gary A. Logsdon no Rio de Janeiro Geor Thomas Erhart Gilberto Israel 66 Logística para transporte de etanol Ivan Leão 67 TI para todos os segmentos... Jean-Paul Terra Prates inclusive de petróleo João Carlos S. Pacheco João Luiz de Deus Fernandes José Fantine 108 Josué Rocha Luiz B. Rêgo Luiz Eduardo Braga Xavier Marcelo Costa Relíquias no Márcio Giannini Márcio Rocha Melo MNBA: Marcius Ferrari Marco Aurélio Latgé Um tesouro novamente Maria das Graças Silva à mostra Mário Jorge C. dos Santos Maurício B. Figueiredo Nathan Medeiros Roberto Alfradique V. de Macedo Roberto Fainstein artigos Ronaldo J. Alves Ronaldo Schubert Sampaio 78 Programa de Educação Ambiental e Valorização Rubens Langer do Ser (PertenSer), por Geraldo José Virgínio, Lucilene Danciguer Samuel Barbosa e Caroline Signorelli Maciel Marquesa 84 Trabalho embarcado e estresse profissional, por Humberto Superchi e Eduardo Ramalho Ano XII • Número 76 • jan/fev 2011 Fotos: Roberto Rosa e Divulgação GE 96 Renegociação de seguros: a hora é agora, por Sérgio Rausch 98 A busca americana pela segurança energéticas, por José Alexandre Hage 102 Os principais regimes de E&P na indústria de petróleo e gás ao redor do mundo, por Luiz Antonio Lemos e Bruno Vignal seções 5 editorial 86 pessoas 6 hot news 88 produtos e serviços 10 indicadores 106 fino gosto 62 eventos 108 coffee break 68 perfil profissional 110 feiras e congressos 71 caderno de sustentabilidade 111 opinião
  • 6. 4 TN Petróleo 76
  • 7. editorial Rua do Rosário, 99/7º andar Crescem as expectativas Centro – CEP 20041-004 Rio de Janeiro – RJ – Brasil Tel/fax: 55 21 3221-7500 www.tnpetroleo.com.br tnpetroleo@tnpetroleo.com.br DIRETOR EXECUTIVO Benício Biz beniciobiz@tnpetroleo.com.br C DIRETORA DE NOVOS NEGÓCIOS Lia Medeiros (21 8241-1133) om o Brasil entre as principais ainda não estão definidas ‘algumas liamedeiros@tnpetroleo.com.br rotas de negócios e investi- cartas do jogo’, inclusive a perma- EDITORA mentos no setor de óleo e gás, nência da atual diretoria da empresa, Beatriz Cardoso (21 9617-2360) beatrizcardoso@tnpetroleo.com.br começamos o ano cheio de expecta- que fechou o ano com recordes de EDITOR DE ARTE, CULTURA tivas. A cadeia produtiva deste setor lucro líquido (17% maior que o de E VARIEDADES começou o ano com algumas tarefas 2009), aumento da produção diária Orlando Santos (21 9491-5468) urgentes. A primeira delas, prospec- média (2%), que chegou a REPÓRTERES Cassiano Viana (55 21 9187-7801) tar as múltiplas oportunidades de 2,6 milhões de boe/dia e das reser- cassiano@tnpetroleo.com.br negócios delineadas pelo ambicioso vas provadas – com o pré-sal contri- Maria Fernanda Romero (55 21 8867-0837) fernanda@tnpetroleo.com.br plano de negócios da Petrobras, no buindo com 1,281 bilhão de barris de Rodrigo Miguez (21 9389-9059) rodrigo@tnpetroleo.com.br valor global de US$ 224 bilhões, óleo equivalente. RELAÇÕES INTERNACIONAIS para o período de Com um índice de reposição Dagmar Brasilio (21 9361-2876) 2010 a 2014. Afi- de reservas (IRR) de 229%, a dagmar.brasilio@tnpetroleo.com.br nal, apenas um estatal reafirma sua posição no DESIGN GRÁFICO Benício Biz (21 3221-7500) ano se passou mercado internacional, tornando beniciobiz@tnpetroleo.com.br o país ainda mais atraente para e há muito mais PRODUÇÃO GRÁFICA E WEBMASTER pela frente. os investidores do mundo inteiro. Laércio Lourenço (21 3221-7506) webmaster-tn@tnpetroleo.com.br As perspec- E não somente na área de óleo e Marcos Salvador (21 3221-7510) tivas de todos gás, mas em outros segmentos de marcossalvador@tnpetroleo.com.br aqueles que energia, como o eólico e de ener- REVISÃO Sonia Cardoso (21 3502-5659) atuam no setor, tanto as operado- gias renováveis – pauta que está DEPARTAMENTO COMERCIAL ras e seus associados, como os na ordem do dia de governantes, José Arteiro (21 9163-4344) josearteiro@tnpetroleo.com.br fornecedores de bens e serviços mundo afora. Cristina Pavan (21 9408-4897) são extremamente positivas (sempre Sem mais as nuvens negras da cristinapavan@tnpetroleo.com.br crise financeira internacional que com alguns senões), como pudemos Lorraine Mendes (21 8311-2053) lorraine@tnpetroleo.com.br aferir na reportagem de capa dessa eclodiu em 2008 e tem reflexos Bruna Guiso (21 7682-7074) edição e concluir que são muitas as até hoje na economia das princi- bruna@tnpetroleo.com.br “esperanças movidas a petróleo”. pais nações do mundo e a despeito Luiz Felipe Pinaud (21 7861-4828) l.felipe@tnpetroleo.com.br Outro desafio é a questão de das mudanças políticas que estão ASSINATURAS recursos humanos – cada vez mais ocorrendo no mundo árabe, 2011 Rodrigo Matias (21 3221-7503) matias@tnpetroleo.com.br em falta –, tecnologias e ferramen- prenuncia muitas coisas boas para CTP e IMPRESSÃO tas necessárias para atender a uma o Brasil. O que todos esperam, tanto Walprint Gráfica demanda altamente aquecida do os principais agentes do setor pro- DISTRIBUIÇÃO setor petrolífero, nas mais diversas dutivo como a sociedade em geral, é Benício Biz Editores Associados. áreas de atividades. Os epecistas, que não fiquemos apenas na espe- Os artigos assinados são de total responsabilidade dos autores, que já vêm executando diversos rança e sim que consolidemos uma não representando, necessariamente, projetos, têm buscado a qualificação rota sustentável de desenvolvimento a opinião dos editores. TN Petróleo é dirigida a empresários, contínua, tanto em recursos huma- que nos permita ter não apenas um executivos, engenheiros, geólogos, técnicos, pesquisadores, fornecedores nos como em capacitação técnica e grande “pibão”, mas um PIB robusto e compradores do setor de petróleo. tecnológica, para disputar os gran- todos os anos. ENVIO DE RELEASES des empreendimentos que devem Sugestões de temas ou envio de matérias devem ser feitos via fax: 55 21 3221-7511 começar a sair do papel esse ano, ou pelo e-mail tnpetroleo@tnpetroleo.com.br como veremos na reportagem sobre Filiada à esse segmento de atividade. Grandes também as expectativas Benício Biz em torno da Petrobras, uma vez que Diretor executivo da TN Petróleo TN Petróleo 76 5
  • 8. hot news Cameron e Petrobras: cooperação tecnológica A PetrobrAs e A CAmeron macaé e taubaté, o que irá represen- dos principais polos tecnológicos assinaram um memorando de en- tar um valor de quase Us$ 200 mi- internacionais nesta área.” tendimentos para cooperação tec- lhões de recursos aplicados no país. “É de grande importância o nológica em projetos de pesquisa o reforço da infraestrutura de aumento da capacidade da Came- e desenvolvimento voltados para pesquisa e desenvolvimento da ron para atender às necessidades a área de equipamentos submari- Cameron no estado de são Paulo da Petrobras para implantação dos nos. A assinatura do acordo é uma está alinhado à estratégia da Petro- empreendimentos de desenvol- das etapas para a construção pela bras de atrair para o brasil centros vimento da produção em águas Cameron de um centro de tecno- tecnológicos de importantes for- ultraprofundas, com conteúdo tec- logia no campus da Universidade necedores da indústria de petróleo nológico e fabril estabelecidos no estadual de Campinas (Unicamp). e gás. o presidente e Ceo da país”, comenta solange Guedes, A unidade brasileira do Came- Cameron, Jack moore, disse que gerente executiva de engenharia ron research Center ficará no Polo esses investimentos significam um de Produção da Petrobras. o acor- de Pesquisa e Inovação da Uni- passo importante da Cameron em do entre as empresas será válido camp, no campus da universidade, seu compromisso com a indústria por 16 meses. e será um centro de excelência em brasileira de óleo e gás. estiveram presentes à cerimô- Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) o gerente executivo do Cen- nia de assinatura do memorando de novas tecnologias para o setor tro de Pesquisas da Petrobras o Ceo da Cameron, Jack Moore; de óleo e gás no brasil. (Cenpes), Carlos Tadeu da Costa o pró-reitor de pós-graduação da Hoje, a Cameron já conta com Fraga, ressalta que “a Cameron é Unicamp, euclides de mesquita três plantas industriais em nosso um entre vários neto; o dire- território, localizadas em Jaca- fornecedores tor corporativo reí, taubaté (sP) e macaé (rJ). importantes da da Cameron, Além da construção do centro de Petrobras que Juan Arango; o tecnologia, também está previs- estão estabele- vice-presidente to aumento da infraestrutura de cendo no brasil executivo e Coo testes na planta de Jacareí, com a centros de pes- da Cameron, instalação de uma câmara hiper- quisa e desen- John Carne; e bárica e uma série de testes de alta volvimento. esse representando a pressão, para execução de ensaios movimento, em conjunto com a Petrobras, orlando ribeiro, coor- e qualificação de equipamentos expansão do Cenpes e com o refor- denador de projetos tecnológicos submarinos. ço da capacidade experimental nas do Programa de Capacitação em nessas duas obras serão inves- universidades e institutos de pes- Águas Profundas (Procap), do Cen- tidos Us$ 30 milhões. Ademais, a quisa brasileiros, contribuirá para tro de Pesquisas Leopoldo Américo Cameron irá expandir as plantas de que o brasil se consolide como um miguez de mello (Cenpes). Balanço do Programa Empresas Brasileiras de Navegação Foto: Cortesia Enavi-Renave A PETROBRAS APRESENTOU no dia 2 de março, o balanço do Programa Empresas Brasileiras de Navegação (EBN). O programa é parte de um conjunto de iniciativas para reduzir a dependência do mercado externo de fretes marítimos, estimulando a construção naval no Brasil e gerando empregos e trata do afretamento, pelo período de 15 anos, de navios a serem construídos por empresas brasileiras em estaleiros estabelecidos no Brasil. Já na segunda fase, que se encontra em processo final de Na primeira fase do programa (EBN1), foram contratados 19 contratação, participaram 38 empresas, com 30 propostas apre- navios. O processo foi concluído em maio de 2010 e contou com sentadas. A expectativa é que as 20 novas embarcações come- a participação de cerca de 40 empresas, tendo sido apresentadas cem a ser entregues entre 2013 e 2017. Segundo Paulo Roberto mais de 30 propostas comerciais. A previsão de entrega dos navios Costa, o conteúdo local nesses projetos ficará em 50%, mas que dessa primeira fase: é entre 2012 e 2014. progressivamente poderá chegar a até 70%. 6 TN Petróleo 76
  • 9. TLD no pré-sal da Bacia de Campos A Petrobras iniciou, no fim de fevereiro, o Teste de Longa Duração (TLD) do reservatório de Tracajá, em área de pré-sal, por meio do poço 6-MLL-70, localizado a 124 km da costa do Rio de Janeiro, no campo de Marlim Leste, na Bacia de Campos. o Poço 6-mLL-70, onde foi en- contrado reservatório com petróleo Aquisição da Quattor na profundidade de 4.442 m em se- pela Braskem é tembro de 2010, foi interligado ao aprovada pelo Cade navio-plataforma P-53, aproveitando a capacidade de processamento e es- FOI APROVADO EM fevereiro, integral- mente, pelo Cade (Conselho Administrativo coamento disponível. o teste começou de Defesa Econômica), a aquisição da com vazão de 23.300 barris por dia. Foto: Roberto Rosa, Consórcio Quip Quattor pela Braskem. Com essa decisão, o objetivo do tLD é obter in- foi mais uma vez confirmado como global, formações sobre as características o mercado relevante para o setor petroquí- do reservatório, para a definição do mico e que, portanto, a competição se dá futuro projeto definitivo de desenvol- nessa dimensão. vimento da produção. em dezembro As negociações para aquisição da de 2010, a Petrobras iniciou teste Quattor foram concluídas em janeiro de semelhante, na acumulação conhe- 2010, por meio de um Acordo de In- cida como Carimbé, também em em 2010, prevê ainda a perfuração vestimento celebrado entre Odebrecht, estrutura de pré-sal, na concessão de um ou dois poços de extensão Petrobras, Braskem e Unipar. A aquisição para delimitação completa da acu- posiciona a Braskem como a maior produ- de Caratinga. tora de resinas termoplásticas das Améri- A descoberta de tracajá é mais mulação. cas, colocando-a em um novo patamar de um resultado conseguido pela es- Além de tracajá e Carimbé, a escala e eficiência para fazer frente aos tratégia do Planóleo, programa que Petrobras já descobriu petróleo no desafios do mercado internacional. busca intensificar os trabalhos de pré-sal em outras regiões da ba- Como parte da operação, a Braskem exploração e produção nas áreas pró- cia de Campos, onde a companhia se comprometeu a notificar previamente ximas a campos que já se encontram iniciará tLD ainda neste ano nas o Cade sobre os futuros contratos para em operação, com o objetivo de apro- acumulações de brava (concessão a compra de resinas de fornecedores veitar a capacidade das instalações de marlim), Aruanã e oliva (bloco estrangeiros que contenham cláusula de existentes, diminuir custos e agili- exploratório bm-C-36). exclusividade e que preencham os demais zar a produção de novos volumes na porção norte da bacia de requisitos legais que tornam tais contratos Campos, no litoral do espírito santo, notificáveis, em linha com o projeto de de petróleo. lei que reestrutura o Sistema Brasileiro o Plano de Avaliação de Desco- a Petrobras vem produzindo petró- de Defesa da Concorrência. Além disso, berta (PAD) de tracajá, apresentado leo no pré-sal, na região conheci- a Braskem, visando incentivar a transpa- à Agência nacional de Petróleo, Gás da como Parque das baleias, desde rência nas suas relações comerciais e a natural e biocombustíveis (AnP) agosto de 2008. competitividade da cadeia produtiva, con- cordou em submeter, periodicamente, sob Pré-sal: óleo de boa qualidade em Iara regime de confidencialidade, informações A PETROBRAS CONCLUIU a perfuração do poço exploratório de extensão 3-BRSA-891A- a respeito de seus contratos e ativida- RJS (3-RJS-682A) localizado na área do Plano de Avaliação de Iara, no pré-sal da Bacia de des de importação e comercialização de Santos. Em profundidade de água de 2.279 m, o poço está localizado a cerca de 230 km da resinas. costa do Rio de Janeiro e a 8 km do poço pioneiro descobridor. Com a aprovação consumada, a em- O resultado da perfuração do poço confirmou a boa qualidade do óleo no reservatório presa continuará mantendo os melhores (28º API) e reforçou o potencial de óleo leve e gás natural recuperável daquela jazida. padrões de governança corporativa vigen- A estimativa da Petrobras é que o volume recuperável esteja entre 3 e 4 bilhões de barris de tes no mercado internacional, fundamen- óleo equivalente. Conhecido informalmente como Iara Horst, o poço demonstrou melhores tados em: transparência e autonomia da características do reservatório do que as encontradas no poço descobridor 1-BRSA-618-RJS gestão executiva; busca de resultados con- (1-RJS-656). Testes de formação ainda serão feitos para avaliar a produtividade do reserva- sistentes para os acionistas; compromisso tório. O consórcio operado pela Petrobras (65%), em parceria com a BG Group (25%) e Galp com a melhoria da competitividade de toda Energia (10%), dará continuidade às atividades previstas pelo Plano de Avaliação aprovado a cadeia produtiva e com a promoção do pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). desenvolvimento sustentável. TN Petróleo 76 7
  • 10. hot news Siemens fecha contrato para o fornecimento de turbinas para parques eólicos da Ersa no Brasil A Siemens vai fornecer 34 aerogeradores (de 2,3 MW cada) para quatro novos parques eólicos a serem construídos no Nordeste pela Ersa (Energias Renováveis S/A). LoCALIzADos no rio Grande do nor- a ano, aumentando sua participação de o mercado brasileiro apresenta enor- te, os empreendimentos – Costa branca, mercado também nas aplicações em terra me potencial para energia eólica. Até re- Juremas, macacos e Pedra Preta – vão (onshore). está entre os três maiores fabri- centemente, as estimativas eram da ordem ser responsáveis pela geração de 78,2 cantes do mercado e vem apresentando de 140.000 megawatts, com medições rea- mw de energia limpa. o contrato foi as- taxas de crescimento aceleradas perante lizadas em torres de 50 m de altura. Hoje, sinado em dezembro, sendo que a ersa já seus competidores. somente no exer- já há estudos sinalizando que, em ventos possui licença de instalação para todos os cício de 2009, a siemens instalou mais medidos a 100 m de altura, este potencial projetos e planeja iniciar as obras ainda de 2.100 megawatts com novas turbinas poderá dobrar. o setor, que hoje tem mais neste semestre. eólicas, aumentando sua base instalada de 900 megawatts de capacidade instalada De acordo com Roberto Sahade, para cerca de 11.000 megawatts. no país, conta com um portfólio acima de presidente da ersa, os equipamentos da De acordo com o diretor de ener- 4 gigawatts em empreendimentos eólicos siemens foram es- gias renováveis da a ser instalados até 2013, resultado dos colhidos por seu alto siemens no brasil, contratos fechados nos leilões de dezembro grau de tecnologia Eduardo Ângelo, de 2009 e agosto de 2010. agregada e por se- a empresa trabalha A energia eólica faz parte do portfólio rem bastante ade- com a expectativa ambiental da siemens. em 2010, o fatura- quados às condições de aumentar ainda mento em tecnologias ambientais atingiu de vento existentes mais sua partici- 28 bilhões de euros, tornando a siemens no brasil, e em parti- pação no mercado a maior fornecedora de tecnologias am- cular, nos parques da brasileiro de eóli- bientais do mundo. no mesmo período, ersa localizados no rio Grande do norte. cas. “estamos em negociações adian- os produtos siemens ajudaram os clientes “A siemens possui comprovado suces- tadas com outros clientes que também da empresa a reduzirem suas emissões de so em aplicações offshore e transportou venceram os recentes leilões de energias dióxido de carbono (Co2) em 270 milhões este conhecimento para os equipamentos renováveis no brasil e acreditamos fechar de toneladas, o equivalente às emissões onshore, como por exemplo confiabilidade novas encomendas em breve”, afirma. “o anuais de megacidades como Hong Kong, do equipamento e a alta eficiência do ae- brasil entrou definitivamente no radar Londres, nova York, tóquio, Deli e Cin- rogerador, graças ao design na construção estratégico da siemens e contribuirá de gapura. esse total também equivale ao exclusiva das pás”, afirmou sahade. modo efetivo para o aumento da par- dobro de Co2 emitido pelo estado de são A siemens é líder global em energia ticipação da empresa no mercado de Paulo no último levantamento feito pela eólica nas aplicações offshore, e vem, ano energias renováveis.” Cetesb em 2005. R$ 2,47 bi para expandir produção de aço no Rio Duplicação da unidade da companhia visa atender à demanda de aço no Brasil por conta do crescimento econômico e de eventos como Copa e Olimpíadas. O empreendimento vai gerar 550 empregos diretos e três mil indiretos. NO DIA 2 DE MARçO, o governador do Rio de um novo laminador de fio-máquina e verga- Janeiro, Sérgio Cabral Filho, e o presidente lhões, com capacidade instalada de 1,1 milhão do Conselho de Administração da Gerdau, de toneladas por ano, a ser implantado em Jorge Gerdau Johannpeter, anunciaram in- duas etapas. Os investimentos, que seguem vestimentos de R$ 2,47 bilhões na expansão rigorosos padrões de proteção ambiental, Foto: Carlos Magno, Governo RJ da produção de aço e laminados em sua usina envolvem a implantação de toda a infraestru- Cosigua, localizada no Distrito Industrial de tura necessária para a expansão da unidade Santa Cruz, na Zona Oeste carioca. O empre- industrial. endimento prevê gerar 550 empregos diretos “Estamos investindo no Rio para aten- permanentes e três mil indiretos. No pico das der à expansão futura da demanda por aço obras, em 2012, serão criadas cerca de 1,7 mil no Brasil, impulsionada pelo crescimento da vagas temporárias. economia brasileira e pelos eventos da Copa Na unidade, a capacidade de produção de do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de bém a ampliação da infraestrutura aeroviária, aço crescerá 50%, chegando a 1,8 milhão de 2016, que envolvem não somente a construção hoteleira, de energia e de telecomunicações”, toneladas por ano. Além disso, será instalado e reforma de complexos esportivos, mas tam- disse Jorge Gerdau Johannpeter. 8 TN Petróleo 76
  • 12. indicadores tn Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões A Petrobras anunciou, no dia 25 de fevereiro, que encerrou 2010 com um lucro líquido recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões, o que representa um avanço de 17% sobre o resultado de 2009. O Ebitda atingiu R$ 60 bilhões e 323 milhões. O VALOR FOI IMPULSIONADO por um O documento traz ainda informações maior volume de vendas de derivados sobre a produção no pré-sal, que também assim como pelo efeito das cotações de aumentou em dezembro, quando foram petróleo mais elevadas sobre as exporta- registrados 65,2 mil barris diários e 2,312 ções e produção internacional. milhões de m3 por dia de gás natural. Segundo a estatal, adicionalmente, a A agência informou também que a valorização cambial contribuiu para o au- queima do gás caiu em cerca de 11,4% mento do lucro, gerando impacto positivo em relação a dezembro de 2009 e em 2% no resultado financeiro líquido (variação na comparação com novembro de 2010. positiva de R$ 2 bilhões e 725 milhões) Desse total, 79,23% foram queimados na e no resultado atribuível a acionistas não fase de produção de petróleo e 20,77% controladores (variação positiva de na fase de exploração nos testes de longa R$ 2 bilhões 581 milhões). Também duração (TLDs). contribuiu para o resultado a elevação da Os campos marítimos responderam participação do óleo nacional na carga por 91,4% da produção do petróleo e por processada (de 79% para 82% em 2010) e a 75,7% do gás natural produzidos no país. Foto: Agência Petrobras maior utilização da capacidade nominal das Ainda de acordo com a nota da ANP, refinarias, cuja média em 2010 foi de 93%. 92,53% da produção de petróleo e gás natural A produção total de petróleo e gás do Brasil são provenientes de campos opera- natural aumentou 2% em relação a 2009, dos pela Petrobras. Dos 20 maiores campos atingindo a média de 2 milhões e 583 mil produtores de petróleo e gás natural, em barris/dia. na melhoria do parque de refino e na barris de óleo equivalente, dois são operados No Brasil, a produção total de óleo e infraestrutura do gás natural. por empresas estrangeiras: Frade (Chevron) e gás foi 2% superior em relação a 2009, Ostra (Shell), na Bacia de Campos. alcançando o volume de 2 milhões 338 mil Recorde na produção boed. A produção de gás aumentou 5% no de petróleo no Brasil PIB brasileiro: novo ciclo de período, devido principalmente à entrada PRODUçãO DE PETRóLEO bate recorde expansão em operação de novos projetos previstos e chega a 2,18 milhões de barris/dia em DE ACORDO COM O Instituto Brasileiro de no Plano de Antecipação da Produção de dezembro. Esse volume ultrapassa em Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil teve, Gás (Plangás). Já a produção de petróleo 4,4% o registrado um mês antes (2,09 mi- em 2010, o terceiro melhor desempenho atingiu seu recorde anual (2 milhões e lhões de barris por dia). Já na comparação econômico no mundo. O PIB (Produto Interno 4 mil barris/dia), diário e mensal em 2010, com dezembro de 2009, houve aumento Bruto, soma de todos os bens e serviços sustentado pela elevação dos volumes de 9,1%. produzidos no país) brasileiro, que subiu produzidos em plataformas existentes e Os dados fazem parte do Boletim 7,5% – na maior alta desde 1986 –, ficou atrás pela entrada em operação de seis novas da Produção de Petróleo e Gás Natu- de China (que cresceu 10,3%) e Índia (que unidades de produção (310 mil bpd de ral, divulgado pela Agência Nacional do avançou 8,6%). A expansão da economia capacidade no 4T10). Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis brasileira supera o Em 2010, as reservas provadas (ANP). Segundo a nota, o país também avanço dos PIBs de totalizaram 15 bilhões e 986 milhões de registrou em dezembro de 2010 recorde na países europeus e dos boe (critério ANP/SPE), um aumento de produção de gás natural, totalizando cerca Estados Unidos, além 7,5% em relação a 2009, como resultado de 69 milhões de m³ por dia. O resultado da Coreia do Sul. da incorporação de 1 bilhão e 990 milhões aponta elevação de 4,5% em relação aos Para o de boe, incluindo o pré-sal, e de projetos 66,2 milhões de m³ diários produzidos presidente do implantados em campos maduros. O Índice em novembro de 2010. Já na comparação Banco Central (BC), de Reposição de Reservas (IRR) ficou em com o mesmo período do ano anterior, o Alexandre Tombini, 229% e a relação reserva-produção em crescimento foi de 14,5%. a economia brasileira entrou em novo 18,4 anos. Os principais responsáveis pelos ciclo de expansão, após a crise financeira Os investimentos totalizaram R$ 76 incrementos na produção foram os internacional de 2008 e 2009. “O cresci- bilhões e 411 milhões, e foram 8% superior campos de Jubarte, Cachalote e Marlim, mento do PIB, com os dados das contas a 2009, com foco no aumento da capacida- todos da Petrobras, localizados na Bacia nacionais divulgados pelo IBGE, confirma de de produção de petróleo e gás natural, de Campos. que, após a rápida recuperação dos efei- 10 TN Petróleo 76
  • 13. Opep: pronta para agir A crise no Egito iniciada em janeiro, com uma onda de protestos pedindo o afastamento do presidente Hosni Mubarak, continua a inquietar a comunidade internacional. NO INÍCIO DE FEVEREIRO, o secretário- Produção de países-membros da Opep e não-membros – fev/09 a jan/11 geral da Organização dos Países Expor- tadores de Petróleo (Opep), Abdallah El- 31 88 Badri, afirmou que 30 87 existe um risco de 29 86 escassez real para o mercado mundial 28 85 se a crise no Egito 27 84 provocar o bloqueio 26 83 de rotas petrolíferas 25 82 estratégicas como Jan 11 Jan 10 Fev 10 Mar 10 Abr 10 Maio 10 Jun 10 Jul 10 Ago 10 Set 10 Out 10 Nov 10 Dez 10 Fev 09 Mar 09 Abr 09 Maio 09 Jun 09 Jul 09 Ago 09 Set 09 Out 09 Nov 09 Dez 09 a do Canal do Suez – controlado por aquele país e pelo qual transitam cerca de um milhão de barris de petróleo por dia, sendo uma das principais do a AIE. “Espera- (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou passagens para o transporte de petróleo mos um pouco mais no final de fevereiro (23) que vê com entre o Médio Oriente e a Europa. “Se ve- de petróleo vindo da preocupação a instabilidade política em rificarmos uma verdadeira escassez, será Opep, uma vez que países do Oriente Médio e do Norte da necessário agir”, disse. eles estão vendo os África. “Acho que está havendo algumas A Organização voltou a subir sua mesmos indicadores implicações sobre os preços de commodi- projeção da demanda mundial de petróleo que nós – do lado da ties, mas são de curto prazo. A oferta de para 2011 devido a uma atividade industrial demanda, especial- petróleo é muito sensível, na margem, a robusta, especialmente na China e nos mente na Ásia. essas oscilações de curto prazo, mas acho Estados Unidos, e a um inverno glacial A atitude flexível da Opep é uma coisa boa”, que esses assuntos irão se resolver, e [ela] que afetou a maior parte das regiões da disse David Fyfe, chefe da indústria de óleo vai se regularizar. São repiques que serão Organização para a Cooperação e Desen- e divisão de mercado da AIE. superados”, disse. volvimento Econômicos (OCDE), segundo “O fato de os preços terem subido de “Que atrapalha, atrapalha, mas acho o informe mensal publicado em fevereiro. cerca de 75 dólares em setembro para 95 que a situação vai retroceder. A não ser O cartel aposta, agora, numa demanda dólares o barril, e até mais, se deve ao que a coisa chegue a países produtores de ouro negro de 87,7 milhões de barris aperto no mercado físico”, avaliou. “Isso mais pesados. Mas não vejo essa possibili- diários (mbd) em 2011, uma cifra revisada não é a única coisa a guiar os preços, mas dade”, acrescentou. em alta de 0,4 mbd. alguns dos estímulos vêm deste aperto No final do mês, o valor da com- do mercado. Nós vimos forte aumento da modity teve aumento de 2% em Nova Aumento de produção e nível confortável demanda por petróleo em 2010 e estamos York e Londres. Além disso, há o temor – Já a Agência Internacional de Energia esperando isso para 2011.” de que os confrontos na Líbia, que é o (AIE) estima uma demanda recorde por A AIE disse que aumentou ligeira- oitavo maior produtor de petróleo entre petróleo em 2011. A Agência assegura mente sua estimativa de crescimento da as nações que integram a Opep, afete a que o aumento da produção dos países demanda por petróleo de 2011 em 50 mil produção na região. exportadores de petróleo e o nível confor- bpd e estima que o consumo total pode ex- tável de estoques de petróleo em países ceder 90 milhões de barris por dia no final desenvolvidos deve limitar nova alta nos de 2011. Segundo a Agência, os estoques preços do petróleo, apesar da expectativa de petróleo da OECD caíram para o menor de demanda recorde neste ano. volume em dois anos, equivalente a 57,5 A organização, especializada em dias de demanda em dezembro, frente aos políticas energéticas que conta com 28 58,3 dias em novembro, mas ainda esta- países-membros, disse em seu relatório vam confortáveis. “O colchão de estoque Foto: Banco de Imagens Keystone mensal que a Opep aumentou a produção e a capacidade excedente oferecem algum em 280 mil barris por dia (bpd) em janeiro potencial para segurar possíveis futuros sobre dezembro, para 29,85 milhões de aumentos de preços em 2011”, concluiu. bpd, principalmente por conta do aumento na produção do Iraque. Crise tem efeito de curto prazo, diz Cou- A produção mensal dos países da Opep tinho – O presidente do Banco Nacional em janeiro foi a maior em dois anos, segun- de Desenvolvimento Econômico e Social TN Petróleo 76 11
  • 14. indicadores tn Frases tos da crise financeira de 2008/2009, a economia brasileira entrou em novo ciclo de expansão”, afirmou Tombini, em nota “Mesmo observando um período sustentável de criação de empregos, nós não divulgada pelo BC. podemos considerar a recuperação verdadeiramente consolidada. Aumentos Segundo Tombini, a demanda doméstica sustentáveis nos preços do petróleo e de outras commodities representariam continuou sendo o grande suporte da econo- uma ameaça para o crescimento e a estabilidade de preços, particularmente se mia. E destacou que o consumo das famílias mexerem na expectativa ancorada de inflação baixa.” Ben Bernanke, presidente cresceu 7,0%, no “sétimo ano consecutivo de do Federal Reserve (banco central dos EUA). 02/03/2011 – O Estado de São Paulo expansão desse componente, que tem sido impulsionado pela expansão do crédito, do “Por enquanto, a crise do petróleo ainda é limitada. É claro que, se subir o emprego e da renda”. petróleo permanentemente ... a economia norte-americana e a europeia podem “A formação bruta de capital fixo, se recuperar mais lentamente. (A inflação) subiu em todos os lugares por causa uma boa medida do investimento, cresceu das commodities. Não é problema brasileiro.” Guido Mantega, ministro da Fa- 21,8% em 2010, um desempenho que zenda. 01/03/2011 – O Globo sugere que o empresariado nacional está confiante nas perspectivas para a econo- mia brasileira neste e nos próximos anos”, “Estamos mostrando com transparência que, no longo prazo, nós realiza- acrescentou Tombini. mos o mesmo lucro que qualquer outra empresa, só que eles têm muito mais volatilidade nos seus resultados do que nós.” Almir Barbassa, diretor financeiro Cresce o consumo de deriva- da Petrobras, durante divulgação dos resultados da estatal em 2010. 02/03/2011 dos e combustíveis no Brasil – O Estado de São Paulo O BRASIL CONSUMIU 117,9 bilhões de litros de derivados de petróleo em 2010. “A concretização da EBN só foi possível graças à participação de vários setores O mercado de derivados de petróleo com uma forte presença dos armadores nas licitações. Foi algo surpreendente no Brasil cresceu 8,4% neste período, em relação ao esperado e isto vai agregar muito valor para o nosso país.” Paulo se comparado com 2009. Além disso, o Roberto Costa, diretor de Abastecimento da Petrobras, durante apresentação do aumento da safra de cana e o crescimento da demanda aérea puxaram o consumo de balanço do Programa Empresas Brasileiras de Navegação (EBN). 02/03/2011 – combustíveis, que cresceu 8,4%. Portal Naval Os dados são da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustí- Produção da Petrobras de óleo, LGN e gás natural veis (ANP): foram consumidos, em 2010, 117,936 bilhões de litros de derivados de Produção de óleo e LGN (em mbpd) - Brasil (agosto/2010 a janeiro/2011) petróleo. Em 2009, os brasileiros consumi- Ago Set Out Nov Dez Jan ram 108,787 bilhões de litros de derivados. Bacia de Campos 1,678,4 1.604,2 1.609,4 1.697,1 1.778,9 1.774,9 O maior consumo foi o de querosene Outras (offshore) 124,4 124,8 125,6 118,6 124,0 107,1 e de gasolina de aviação, com expansão de Total offshore 1.802,8 1.729,0 1.734,9 1.815,6 1.902,9 1.852,1 15,3% e 11,3%, respectivamente. O consumo Total onshore 219,7 214,9 203,9 215,3 218,7 217,3 de óleo diesel cresceu 11,2%, o que, segundo Total Brasil 2.022,5 1.943,9 1.938,8 2.030,9 2.121,6 2.069,3 a ANP, reflete a recuperação da economia. Produção de GN sem liquefeito (em mm³/d)* - Brasil (agosto/2010 a janeiro/2011) Com relação ao aumento do consumo Ago Set Out Nov Dez Jan de combustíveis, o país registrou em 2010 Bacia de Campos 25.216,5 24.110,7 23.713,1 24.653,2 25.712,5 25.098,0 o recorde de 117,936 bilhões de litros. Outras (offshore) 11.385,8 14.189,3 16.918,5 15.460,7 17.399,8 15.514,8 O número é 8,4% superior ao de 2009, Total offshore 36.602,3 38.300,0 40.631,6 40.113,9 43.112,2 40.612,8 informou a ANP. Os principais destaques Total onshore 15.782,5 15.473,3 14.188,1 15.174,1 15.634,1 15.554,7 foram o aumento do consumo de diesel, Total Brasil 52.384,9 53.773,3 54.819,7 55.288,0 58.746,3 53.743,5 de 11,2%, e do querosene de aviação, de 15,3%. Também cresceu acima da média o Produção de óleo e LGN (em mbpd)** - Internacional (agosto/2010 a janeiro/2011) consumo de gasolina de aviação, usada em Ago Set Out Nov Dez Jan aeronaves pequenas (11,3%). Exterior 151,6 153,6 155,8 147,6 149,3 150,9 Produção de GN sem liquefeito (em mm³/d) - Internacional (agosto/2010 a janeiro/2011) Ago Set Out Nov Dez Jan Exterior 16.170,0 15.955,0 16.109,0 15.978,0 15.445,0 14.997,2 Foto: Agência Petrobras Produção total de óleo, LGN e de gás natural (em mboe/d) (agosto/2010 a janeiro/2011) Ago Set Out Nov Dez Jan Brasil+Exterior 2.598,8 2.529,9 2.534,2 2.620,4 2.731,3 2.661,9 (*) Inclui gás injetado. (**) Em 2003 inclui os dados da Petrobras Energia (ex-Pecom). Fonte: Petrobras 12 TN Petróleo 76
  • 15. Int ern Ex aci per on iê Con 4 Co e Xa al dencia firm mp ng H ada anh ai ousto 12º Fórum s P ias D n Portos Brasil 2011 ara oc Pal as est rar + Dragagem Seminário Especial VISÕES PRÁTICAS DO DESENVOLVIMENTO DO SETOR NO PAÍS 10, 11 e 12 de Maio de 2011 | Windsor Barra Hotel – Rio de Janeiro - RJ Panorama do Desenvolvimento e Investimento no Setor Portuário: De Onde Virão os Aportes Financeiros e Onde Estão as Grandes Oportunidades de Negócio. Participações con rmadas: Entenda como o setor pode crescer de maneira planejada! ABREMAR – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CRUZEIROS MARÍTIMOS ABTP – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TERMINAIS PORTUÁRIOS ANE - ACADEMIA NACIONAL DE ENGENHARIA ANTAQ – AGÊNCIA NACIONAL DE Programação pós-fórum - Discuta TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS AUTORIDADE PORTUÁRIA DE HOUSTON os temas que estão impactando a BANDEIRANTES DRAGAGEM realidade portuária brasileira: BNDES CCIBC – CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA BRASIL-CHINA CNT – CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE 11 de Maio - Workshop: TRANSPORTES COMPANHIA DOCAS DE SÃO SEBASTIÃO Desafios e Perspectivas para o Crescimento da Cabotagem no Brasil COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Liderador por: Eng. Dr. Aluísio de Souza Moreira - Companhia de Docas do Estado de São Paulo COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO - Porto de Santos PAULO – PORTO DE SANTOS COMPANHIA DOCAS DO PARÁ 12 de Maio - Seminário: CONSÓRCIO DO CORREDOR ATLÂNTICO DO MERCOSUL Dragagem nos Portos Brasileiros DEPARTAMENTO HIDROVIÁRIO - SECRETARIA Um dia inteiro de discussão sobre novas obras, manutenção, aprofundamento, gestão de ESTADUAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DO ESTADO DE SÃO PAULO custos e desafios no licenciamento ambiental DPC – DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS – MARINHA DO BRASIL DRAGABRAS – MEMBRO DO GRUPO DEME FUNDAÇÃO ESTUDOS DO MAR FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS IVIG/COPPE/UFRJ - INSTITUTO VIRTUAL DE MUDANÇAS GLOBAIS Informações e inscrições: LIBRA TERMINAIS MILARÉ ADVOGADOS Tel.: 11 3017 6888 - Email: portos@ibcbrasil.com.br SECRETARIA DE POLÍTICA NACIONAL DE www.informagroup.com.br/portos TRANSPORTES – MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA DE TRANSPORTES DO ESTADO DO RJ SINDARIO Realização: Patrocínio: TN Petróleo 76 13
  • 16. entrevista exclusiva Fernando Martins, vice-presidente da GE Vetco Gray para a América Latina GE AMPLIA OPERAçõES no Brasil por Rodrigo Miguez Com investimentos de US$ 200 milhões previstos para os próximos três anos na área de energia no Brasil, a GE Oil & Gas está com os olhos voltados para o país. Com sede em Florença, na Itália, e três fábricas no Brasil, em Jandira (SP) e em Macaé e Niterói (RJ), a divisão de Oil & Gas da companhia atua aqui desde 2007. PARA FALAR DOS INVESTIMENTOS TN Petróleo – O ano de 2010 foi im- zembro do mesmo ano, a GE ofereceu da empresa no Brasil, a TN Petró- portante para a GE, principalmente na US$ 1,3 bilhão pela aquisição global leo entrevistou Fernando Martins, área de negócios, com a aquisição de da Wellstream, também com foco na vice-presidente da GE Vetco Gray empresas como a Dresser e a Wells- complementação de seu portfólio de para a América Latina. Formado em tream. Quais os principais números exploração em águas profundas. As Engenharia Mecânica pelo Instituto dessas aquisições? operações da Wellstream no Brasil são Militar de Engenharia (IME), Fernan- Fernando Martins – Em outubro muito significativas e, com a aquisição, do Martins ingressou na GE Oil & de 2010, a GE adquiriu globalmente a a GE Oil & Gas vai operar a planta de Gas, em 2008, como gerente geral companhia Dresser, com a intenção Niterói, que tem um faturamento da de Perfuração e Produção de Siste- de complementar seu portfólio de tur- ordem de US$ 450 milhões por ano. mas, até ser nomeado responsável binas a gás para a indústria de óleo e pela área de Oil & Gas na América gás. As turbinas a gás da Dresser per- Quais os ganhos da GE com a aqui- Latina. Ele destaca os números das mitem que a GE reduza suas emissões sição dessas empresas? operações realizadas pela empre- de gases causadores do efeito estufa, Com a aquisição da Dresser e sa no Brasil e a expectativa para além de possuírem tecnologia para a da Wellstream, a GE Oil & Gas terá a os próximos anos, considerando utilização flexível de combustíveis. oportunidade de diversificar e com- a exploração do petróleo do pré- Estes combustíveis também podem ser plementar seu portfólio de soluções, sal. “Ser uma one stop shop para aplicados no segmento de compressão agregando mais inovação e tecnologia os nossos clientes é um de nossos de óleo e gás. Com esta aquisição, a às suas soluções de exploração em maiores ativos”, afirma, reforçando GE pretende desenvolver soluções águas profundas. a estratégia da empresa de se con- para gerenciamento de pressão que solidar como o principal fornecedor aliviem os fluxos em dutos. As receitas A companhia pretende continuar com de produtos e serviços do setor de da Dresser giram em torno de US$ 2 a estratégia de aquisições na área de óleo e gás. bilhões, em escala mundial. Em de- petróleo e gás? 14 TN Petróleo 76
  • 17. Fotos: Cortesia GE SER UMA ONE STOP ShOP PARA OS NOSSOS CLIENTES é UM DE NOSSOS MAIORES ATIVOS. TN Petróleo 76 15
  • 18. entrevista exclusiva novas tecnologias que posicionem a companhia de forma ainda mais ANUNCIAMOS, competitiva nestes mercados. Esse EM NOVEMBRO, aumento de capacidade significa que estamos certos de que o crescimento INVESTIMENTOS DE da demanda que verificamos nos últi- US$ 550 MILHõES mos dois anos continuará ocorrendo NO BRASIL PARA OS pelos próximos cinco ou dez anos. Estamos, portanto, nos preparando PRóXIMOS TRêS ANOS; para isso. US$ 200 MILHõES DELES PARA A O objetivo desses investimentos é ampliar a atuação da empresa na ÁREA DE ENERGIA América Latina? DA GE. PRETENDEMOS A GE no Brasil já possui a maior AUMENTAR A operação entre todos os países da Ser uma one stop shop para os nos- América Latina. Estes investimentos CAPACIDADE DE sos clientes é um de nossos maiores anunciados simbolizam e concreti- ativos. A GE Energy atua globalmente PRODUçãO DAS zam a importância do país dentro por meio de três unidades de negó- UNIDADES DA das operações na região. Preten- cios principais – GE Oil & Gas, Energy demos atender as necessidades dos GE OIL & GAS EM Services e Power & Water – de for- nossos clientes locais com estes ma a entregar soluções completas JANDIRA E MACAé. investimentos e ampliar a atuação para os nossos clientes. A empresa na América Latina. analisa constantemente as possibili- dades de aquisições de companhias Qual a posição do Brasil com relação que complementem seu portfólio. Se a esses investimentos em comparação fizer sentido e agregar em tecnologias aeroderivadas para geração de ener- a outros países em que a GE atua? e soluções para o portfólio existente, gia em plataformas. Com o Centro Podemos afirmar que o Brasil está sempre existirá a possibilidade de de Pesquisas Global da GE no Rio de entre os cinco países que mais rece- novas aquisições. Janeiro, nossos negócios de óleo e beram investimentos da companhia, gás ganharão mais capacidade para em termos globais. A empresa tem planos de entrar na desenvolver tecnologia e soluções área de exploração e produção no para nossos clientes no Brasil e No ano passado, a GE também anunciou Brasil? na região. dois importantes empreendimentos: Não temos planos imediatos de uma central de serviços de manutenção atuação como operadora na área de No fim de 2010, a GE anunciou que irá de turbinas aeroderivadas, em Petrópo- E&P, mas sim como fornecedora de investir US$ 200 milhões nos próximos lis, e o Centro de Pesquisa Global, no produtos, tecnologia e serviços, para três anos, no aumento da capacidade Rio de Janeiro. Ela vai manter esses as empresas que estejam realizando das fábricas e no desenvolvimento de planos ou houve mudanças? estas atividades, como a Petrobras, a novos produtos. O que significa esse A GE vai manter estes planos, sim. OGX e as companhias internacionais. aumento de capacidade? Estes dois investimentos fazem parte A GE Energy já está presente no Bra- Anunciamos, em novembro, inves- da estratégia de crescimento da GE no sil em diversas frentes da indústria. timentos de US$ 550 milhões no Brasil Brasil e têm grande importância para Possuímos duas plantas no Brasil, para os próximos três anos; US$ 200 a nossa operação local. A central de uma em Jandira e outra em Macaé, e milhões deles para a área de energia serviços deverá estar pronta ainda em elas produzem sistemas de cabeças da GE. Pretendemos aumentar a ca- 2011. Já o centro de pesquisas está de poços e árvores de natal para ex- pacidade de produção das unidades previsto para começar as atividades ploração em águas profundas. Além da GE Oil & Gas em Jandira e Macaé, no ano seguinte: trata-se de um inves- disso, temos um centro de serviços assim como da unidade de motores da timento de mais de US$ 100 milhões, em construção em Petrópolis, para GE Services em Campinas, e investir com expectativa de geração, incial- a manutenção e reparos de turbinas em pesquisa e desenvolvimento de mente, de 200 empregos diretos. 16 TN Petróleo 76
  • 19. ge amplia operações no brasil As descobertas de petróleo do pré- Quais os principais focos de pesqui- Juntamente com o Centro de Pesquisa, sal foram determinantes na deci- sa que serão desenvolvidos nesta a GE irá construir um Centro de Qualifi- são de instalar o quinto Centro de entidade? cação. Essa iniciativa é uma solução da Pesquisas no Parque Tecnológico A GE ainda está determinando o empresa para a falta de qualificação dos da UFRJ? escopo de trabalho do Centro de Pes- profissionais do setor de óleo e gás? O Brasil foi escolhido para re- quisas. Estamos avaliando as necessi- O Centro de Qualificação funciona ceber o quinto centro de pesquisas dades de nossos clientes para definir como uma Universidade Corporativa, por diversos fatores, incluindo as a natureza de seus laboratórios. em que a GE oferecerá cursos e treina- oportunidades na área de óleo e gás. mentos para seus executivos e clientes. A escolha também se deveu às diver- A empresa pretende aproveitar os é um modelo de sucesso já existente sas oportunidades que o país apresen- estudantes da UFRJ da área de en- em outros países como nos centros ta em infraestrutura, possibilitando genharia? dos Estados Unidos e da Índia, visando pesquisa e desenvolvimento de novas Com certeza... e não apenas da à complementação da qualificação e o tecnologias para outros negócios da UFRJ, mas também das demais uni- treinamento na própria tecnologia GE. companhia (como, por exemplo, a versidades reconhecidas do país. Do que aprendemos em outros centros, área de aviação e de locomotivas), a Qualificação e retenção dos nossos grandes ideias surgem no compartilha- solidez do crescimento da economia talentos é uma prioridade para a GE. mento de expertises e complementam do Brasil e das operações da GE no Inicialmente, estamos prevendo pelo a tecnologia existente. Nossa estratégia país. As pesquisas em óleo e gás no menos 200 empregos diretos de alto de negócios verdes, conhecida global- Centro visam permitir que a GE aten- nível. A GE pretende, desde já, co- mente por ecomagination, surgiu na da, em conjunto com os principais meçar as contratações para 2012 e Universidade Corporativa da GE em clientes nesta área, desenvolvendo as todas as universidades do país serão Crotonville e hoje é um grande sucesso, melhores soluções para a exploração imprescindíveis para fornecer a mão com faturamento na ordem de US$ 20 da camada de pré-sal. de obra qualificada que buscamos. bilhões, globalmente. Nesta edição. Foto: Banco de Imagens Stock.xcng TN Petróleo 76 17
  • 20. entrevista exclusiva Qual o peso e a influência da Petro- da solução mundialmente, árvores de exploração e produção de óleo e bras nessa estratégia de expansão de natal Piggyback e diversos de gás na costa brasileira. Além disso, a da GE no setor de petróleo e gás, Plet/Plem/ESDV, todos estes para GE também foi escolhida para fornecer considerando o contrato de US$ 160 os projetos subsea (E&P) de cam- dois pacotes completos de perfuração milhões fechado em 2010, para o for- pos pós ou pré-sal. Na área de tur- que serão instalados nas plataformas necimento de turbinas a gás, e esse bomáquinas, que abrange refino, da Odebrecht óleo & Gas, cada um último em fevereiro para sistemas de transpetro e também E&P, tivemos incluindo um sistema de riser de per- cabeça de poço? sucesso em vários grandes contra- furação (com capacidade de operação A Petrobras é um grande clien- tos para fornecimento de módulos em três 3.000 m de profundidade) te para a GE nas áreas de energia. de geração de energia, módulos de e controles de BOP, que tem como Por isso possui um peso significativo compressão, tanto para reinjeção principal função impedir que os fluidos nos nossos negócios no Brasil. Não nos poços quanto para processos e das formações atinjam a superfície de podemos esquecer, contudo, outros bombeamentos. maneira descontrolada. importantes clientes, como OGX, Repsol, Chevron, Exxon, lembrando A GE também acertou um contrato de Quais as perspectivas da empre- ainda que vários deles são parceiros US$ 120 milhões com a Daewoo Ship- sa para os negócios no Brasil em da Petrobras em blocos de exploração building & Marine Engineering (DSME). 2011? da camada de pré-sal. Tem relação direta com o Brasil? Qual As expectativas são as melhores o escopo desse contrato? possíveis. Organicamente, a GE no Quais os principais contratos da GE A GE irá fornecer sistemas de Brasil pretende crescer pelo me- nos últimos cinco anos? controle e válvulas de prevenção e nos 30% a mais em 2011. Em óleo Obtivemos êxitos em alguns gran- monitoramento em poços de óleo e e gás, orgânica e inorganicamente, des contratos ao longo dos últimos gás, conhecidos como BOP (Blow out mais de 50%, que é um crescimento anos como o de 250 sistemas de Preventer), para serem instaladas em promissor, principalmente conside- cabeça de poços submarinos, maior sondas de perfuração flutuantes per- rando as oportunidades futuras desta contrato envolvendo o fornecimento tencente à Petroserv, para atividades indústria no país. facilidades de acesso, logística, proxi- Investindo midade com nossos clientes e com as universidades”, afirmou João Geraldo em pesquisa Ferreira, presidente e CEO da GE Brasil, durante o anúncio do empreen- dimento, no fim do ano passado. Um dos atrativos do Centro é aumentar os recursos aplicados em pesquisa no país, e aproximar a GE dos clientes. A Vale e a GE firmaram Ilustração: Cortesia GE um termo de cooperação técnica focada em projetos de armazena- mento, geração e distribuição de energia. Com o acordo, as duas empresas poderão compartilhar O NOVO CENTRO DE Pesquisas ferroviário e aviação. O complexo, conhecimentos e experiências e Global, o quinto da empresa no mun- que custará US$ 100 milhões, irá trabalhar conjuntamente para trocar do, que ficará localizado dentro do empregar aproximadamente 300 informações sobre as atividades do Parque Tecnológico da Universidade pesquisadores e engenheiros, além de Centro de Pesquisas Global, para Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), estudantes da UFRJ e de outras uni- auxiliar no desenvolvimento de tec- será um dos maiores e principais versidades dos cursos de engenharia nologias e cooperar na identificação investimentos da companhia nos e ligados ao setor de óleo e gás. As de áreas de P&D. próximos anos. obras devem começar este ano e a Os outros centros de pesquisa Terá como foco o desenvolvimen- previsão é que tudo esteja concluído da GE ficam em Niskayuna, no estado to de tecnologias avançadas para as no fim de 2012. norte-americano de Nova York, em indústrias de óleo e gás, energias “Escolhemos o Rio de Janeiro por Bangalore, na Índia, em Xangai, na renováveis, mineração, transporte concentrar muitas qualidades como China e em Munique, na Alemanha. 18 TN Petróleo 76