CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A    ORALIDADE NO 8º ANO DA      EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO    DE LÍNGUA ...
INTRODUÇÃO   Trabalho situado no campo da Linguística Aplicada ao Ensino de    Língua Portuguesa.   A prioridade era o e...
OBJETIVOS   Geral:          Analisar o modo como os livros didáticos de Língua Portuguesa           do 8º ano da Educaçã...
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA    ALGUMAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM         Após um breve percurso histórico sobre a linguagem, dest...
    Na escola, o trabalho com a oralidade, apesar de demonstrar     tímidos avanços, ainda apresenta alguns problemas: An...
   O papel dos gêneros textuais na visão de Jauss apud Schneuwly    (2004) e em Bakhtin (1992).   Ramos (1997): consciên...
   Recomendações dos PCNs   Não se trata de “corrigir” a fala do aluno, mas de considerá-la no    contexto concreto de u...
METODOLOGIA   Contextualização da pesquisa:   Pesquisa bibliográfica de caráter descritivo e analítico.   Descrição das...
ANÁLISE DAS ATIVIDADES PROPOSTAS PELOS LDs    DE LÍNGUA PORTUGUESA DO 8º ANO DA EJA E DO      ENSINO FUNDAMENTRAL VOLTADAS...
Na seção Um Olhar Para a Língua, a atividade que o autor propôsprocurou relacionar os usos da oralidade com os usos da esc...
 LD3: Projeto Radix: português, 8º ano O gênero em questão foi o reconto. O autor apresentou um episódio    de Dom Quixo...
Após, o autor sugeriu que os alunos discutissem os aspectosrelacionados com a narração oral de histórias. Com esse intuito...
CONSIDERAÇÕES FINAIS   As atividades propostas pelos três LDs analisados encontraram-se    apresentadas de forma organiza...
REFERÊNCIAS   ALKMIM, Tânia Maria. Sociolinguística. In. MUSSALIM, Fernanda e    BENTES, Anna Christina (orgs). Introduçã...
   ______. Guia de livros didáticos: PNLD 2011: EJA. Brasília:    MEC/SECAD, 2010a. 293p.   ______. Guia de livros didát...
   ______. Oralidade e ensino de língua: uma questão pouco “falada”.    In: Dionisio, Ângela Paiva & Bezerra, Maria Auxil...
   RAMOS, Jânia. O espaço da oralidade na sala de aula. São Paulo:    Martins Fontes, 1997.   ROJO, Roxane (org.). A prá...
OBRIGADA!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA

3.518 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.518
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA

  1. 1. CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA Acadêmica: Luna Karoline Sousa Rocha Orientadora: Profª. Drª. Bárbara Olímpia Ramos de Melo
  2. 2. INTRODUÇÃO Trabalho situado no campo da Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Portuguesa. A prioridade era o ensino da escrita Reconhecimento da importância da oralidade O apoio oferecido pelos livros didáticos Justificativa: Livro didático: recurso mais utilizado na prática docente O trabalho adequado com os gêneros orais Tornar os alunos capazes de reconhecer a importância da oralidade, identificar suas características e adequar a linguagem à situação comunicativa
  3. 3. OBJETIVOS Geral:  Analisar o modo como os livros didáticos de Língua Portuguesa do 8º ano da Educação Básica têm abordado o ensino da modalidade oral de uso da linguagem. Específicos: Identificar os gêneros orais encontrados nos livros didáticos do 8º ano da EJA e do Ensino Regular. Apresentar de que forma as atividades propostas pelos LDs visam desenvolver a oralidade. Analisar se as atividades propostas estão de acordo com o que recomendam a Proposta Curricular da EJA, os PCNs e o Guia PNLD.
  4. 4. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ALGUMAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM Após um breve percurso histórico sobre a linguagem, destacaram-se três concepções na visão de Travaglia (2003):1) Linguagem como expressão do pensamento: “língua ideal”2) Linguagem como instrumento de comunicação: língua vista como “código”3) Linguagem como interação Para Bakthin (1992, p. 113): “a situação social mais imediata e o meio social mais amplo determinam completamente e, por assim dizer, a partir do seu próprio interior, a estrutura da enunciação.” . Concepções sobre as relações entre a oralidade e a escrita  A supremacia da escrita em relação à oralidade já não é mais a mesma.
  5. 5.  Na escola, o trabalho com a oralidade, apesar de demonstrar tímidos avanços, ainda apresenta alguns problemas: Antunes (2003). Perspectivas que diferenciam a oralidade e a escrita, segundo Marcuschi (2003):1) Dicotômica2) Culturalista3) Variacionista4) Sociointeracionista. Condições de produção da fala e da escrita: Fávero (2003). A fala tem de ser vista integradamente com a escrita: Marcuschi (2003) O ensino da oralidade Não se considera como papel da escola “ensinar a falar”. Marcuschi (1997, p. 41) afirmou que “trata-se de identificar a imensa riqueza e variedades de uso da língua.”. Equivocada visão da fala, conforme Antunes (2003). Para Marcuschi (1997), a variação é um dos aspectos importantes no estudo da fala.
  6. 6.  O papel dos gêneros textuais na visão de Jauss apud Schneuwly (2004) e em Bakhtin (1992). Ramos (1997): consciência sobre o grau de formalidade e informalidade da oralidade. Preti (1999): o ensino da “norma culta” na oralidade. Propostas de Antunes (2003), de Ramos (1997) e Fávero (2003) para o trabalho com a oralidade. Recomendações da Proposta Curricular da EJA Criada pelo MEC para orientar a elaboração dos programas da EJA, assim como os livros didáticos utilizados e a formação dos educadores. “O ambiente escolar deve propiciar situações comunicativas que possibilitem aos educandos a ampliação dos seus recursos linguísticos.” (MASSAGÃO, 2001, p. 51). Os conteúdos selecionados devem promover atividades relacionadas com o uso e reflexão da linguagem. “Ensinar língua oral [...] Significa desenvolver o domínio dos gêneros que apoiam a aprendizagem da Língua Portuguesa e das outras áreas”. (BRASIL, 2002, p. 37)
  7. 7.  Recomendações dos PCNs Não se trata de “corrigir” a fala do aluno, mas de considerá-la no contexto concreto de uso. Planejamento de atividades de escuta e produção de textos orais no eixo do uso e a prática de análise linguística no eixo da reflexão. PCNs: a escola deve priorizar o ensino de gêneros orais públicos (BRASIL, 2001). A escolha do livro didático segundo o PNLD Guia PNLD-EJA 2011: o livro didático deve ser considerado um recurso a mais que pode ser utilizado em momentos específicos e para fins determinados. PNLD-2011: o livro didático deve apresentar atividades tanto de uso da oralidade quanto de reflexões sobre suas particularidades.
  8. 8. METODOLOGIA Contextualização da pesquisa: Pesquisa bibliográfica de caráter descritivo e analítico. Descrição das fontes: Educação de Jovens e Adultos (Coleção Tempo de Aprender). Para Viver Juntos: português, 8º ano: ensino fundamental. Projeto Radix: português, 8º ano. Corpus: Gêneros orais no LD1: canção, teatro,causo, cordel e seminário. Gêneros orais no LD2: texto dramáticos, causos, cantigas, anedotas e seminário. Gêneros orais no LD3: discussão, entrevista, roda de histórias, exposição oral, comentário, debate e reconto. Organização dos dados: Recomendação do Manual do Professor de cada LD, disposição dos gêneros orais encontrados, descrição e análise das atividades.
  9. 9. ANÁLISE DAS ATIVIDADES PROPOSTAS PELOS LDs DE LÍNGUA PORTUGUESA DO 8º ANO DA EJA E DO ENSINO FUNDAMENTRAL VOLTADAS PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA ORALIDADE LD1: Educação de Jovens e Adultos (Coleção Tempo de Aprender) Em uma das atividades propostas pelo LD1, o autor trabalhou o ensino-aprendizagem da variação linguística contemplando o cuidado com a oralidade, e apresentou a canção abaixo como texto-base:
  10. 10. Na seção Um Olhar Para a Língua, a atividade que o autor propôsprocurou relacionar os usos da oralidade com os usos da escrita .Observe. Pôde-se perceber:  A influência da fala na escrita;  Marcuschi (1997, p. 41): “noções como ‘norma’, ‘padrão’, ‘dialeto’, ‘variante’, ‘sotaque, ‘registro’, ‘estilo’, ‘gíria’ podem tornar-se centrais no ensino de língua e ajudar a formar a consciência de que a língua não é homogênea nem monolítica”.
  11. 11.  LD3: Projeto Radix: português, 8º ano O gênero em questão foi o reconto. O autor apresentou um episódio de Dom Quixote chamado “A incrível batalha contra os moinhos de vento”, pediu que os alunos lessem e fizessem o reconto do mesmo deixando a escolha da linguagem por conta deles próprios. O trecho abaixo evidenciou o tratamento dado à oralidade durante a atividade:• Faça suspense para manter a atenção de seu público. Crie pausas, cuide do ritmo, da narração dos fatos para dar a impressão da maneira como eles aconteceram, de modo mais rápido ou mais lento.• Dê especial atenção ao tom de voz, que pode se elevar ou abaixar dependendo da situação. (TERRA, 2009, p. 188). Atividade de escuta e produção de texto oral:1) Identificar as marcas da oralidade.2) Antunes (2003): implicações pedagógicas.
  12. 12. Após, o autor sugeriu que os alunos discutissem os aspectosrelacionados com a narração oral de histórias. Com esse intuito,propôs algumas questões norteadoras: •Que diferenças você percebe entre a narração escrita e oral? •Que recursos cada modalidade utiliza para valorizar os fatos narrados? •A linguagem de uma e de outra diferem muito? (TERRA, 2009, p. 118). Para avaliar a atividade, o autor pediu que os alunosestabelecessem as diferenças entre as duas modalidades, todaviaenfatizou que não se tratava de fazer julgamento sobre quem é“melhor” ou “pior”.
  13. 13. CONSIDERAÇÕES FINAIS As atividades propostas pelos três LDs analisados encontraram-se apresentadas de forma organizada e trataram das relações entre a oralidade e a escrita sempre as considerando como contínuas, e não evidenciando suas diferenças. Os livros também discutiram sobre a adequação da linguagem (nível de formalidade e informalidade) às situações sugeridas por cada atividade, em particular. As atividades de escuta dos textos orais estiveram sempre voltadas para a identificação das marcas da oralidade como as pausas, entonação, ritmo, e para o respeito à fala do seu interlocutor. A variedade de gêneros orais encontrada nos livros didáticos analisados, já mostra que há um reconhecimento da importância de serem objeto de ensino de LP, porém ainda são poucos se comparados com os gêneros escritos. Houve falhas no tocante à seleção e a abordagem pedagógica dos gêneros voltados ao domínio da fala pública, já que na maioria das vezes seus aspectos composicionais não foram bem explicitados. As lacunas deixadas pelos LDs podem ser preenchidas pelo professor criando alternativas que desenvolvam melhor as atividades da oralidade na sua prática pedagógica.
  14. 14. REFERÊNCIAS ALKMIM, Tânia Maria. Sociolinguística. In. MUSSALIM, Fernanda e BENTES, Anna Christina (orgs). Introdução à Linguística: domínios e fronteiras. São Paulo, Cortez, 2001. ANTUNES, Maria Irandé. Aula de Português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003. BAKHTIN, Michail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992. BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral. 4. ed. Campinas: Editora Pontes, 1995. v.1. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1997. 144p. ______. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. 2. ed. Brasília: MEC/SEF, 2001. 106p. ______. Ministério da Educação. Proposta curricular para a educação de jovens e adultos: segundo segmento do ensino fundamental: 5ª a 8ª série: introdução. Brasília: MEC/SEF, 2002, v. 2. 256p.
  15. 15.  ______. Guia de livros didáticos: PNLD 2011: EJA. Brasília: MEC/SECAD, 2010a. 293p. ______. Guia de livros didáticos: PNLD 2011: Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 2010b. 152p. CARDOSO, Sílvia Helena Barbi. Discurso e ensino. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. FÁVERO, Leonor Lopes; ANDRADE, Maria Lúcia da Cunha V. de Oliveira; AQUINO, Zilda Gaspar Oliveira de. Oralidade e escrita: perspectiva para o ensino de língua materna. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2003. MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projetos e relatórios, publicações e trabalhos científicos. 6. ed. rev. ampl. São Paulo: Atlas, 2001. MARCUSCHI, Luiz Antônio. Concepções de língua falada nos manuais de português de 1º e 2º graus: uma visão crítica. In: Trabalhos de linguística aplicada. Campinas, SP (30): 39-79, Jul/Dez, 1997.
  16. 16.  ______. Oralidade e ensino de língua: uma questão pouco “falada”. In: Dionisio, Ângela Paiva & Bezerra, Maria Auxiliadora (orgs.). O livro didático de Português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002, p. 21-34. ______. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2003. MAROTE, Gláucia; TEODORO, João. Didática da língua portuguesa. 11. ed. 3. reimp. São Paulo: Ática, 2002. MASSAGÃO, Vera Maria (coord.). Proposta curricular para educação de jovens e adultos – 1º segmento. São Paulo: Ação Educativa, Brasília, MEC, 2001. 239p. ORLANDI, Eni Pulcinelli. O que é linguística. 1. ed. 13. reimpr. São Paulo: Brasiliense, 2003. (Coleção Primeiros Passos). PENTEADO, Ana Elisa de Arruda. [et al.]. Para viver juntos: português, 8º ano: ensino fundamental. 1. ed. rev. São Paulo: Edições SM, 2009. PRETI, Dino (org.). Estudos de língua falada: variações e confrontos. 2. ed. São Paulo: Humanitas Publicações, 1999.
  17. 17.  RAMOS, Jânia. O espaço da oralidade na sala de aula. São Paulo: Martins Fontes, 1997. ROJO, Roxane (org.). A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCN´s. São Paulo: EDUC; Campinas, SP: Mercado de Letras, 2000. (Coleção As Faces da Linguística Aplicada). ______; BATISTA, Antônio Augusto Gomes. (Orgs.). Livro didático de língua portuguesa, letramento e cultura escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2003. SCHNEUWLY, Bernard. Palavra e ficcionalização: um caminho para o ensino da linguagem oral. In: Rojo, Roxane (Trad. e Org.). Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004, p. 139-147. (Coleção As Faces da Linguística Aplicada). SILVA, Cícero de Oliveira; SILVA, Elizabeth G. de Oliveira; MARCHETTI, Greta Nascimento. EJA 8º ano. 2. ed. São Paulo: IBEP, 2009. v.3. (Coleção Tempo de Aprender). TERRA, Ernani; CAVALLETE, Floriana Toscano. Projeto Radix: português, 8º ano. São Paulo: Scipione, 2009. (Coleção Projeto Radix). TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2003. VANOYE, Francis. Usos da linguagem: problemas e técnicas na produção oral e escrita. 11. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
  18. 18. OBRIGADA!

×